Top 5 2016

Nosso já tradicional Top 5 de fim de ano, em tempos de crise, ficou mais modesto. Em vez de rankeados em categorias, haverá apenas uma lista, que será geral e especial, pois juntará o crème de la crème de eventos que rolaram em 2016.

A crise foi uma brincadeira! Não é este o motivo de apenas uma relação de Top 5. A falta de tempo fez a blogueira que vos fala ficar um pouco afastada dos eventos culturais e não termos “quórum” suficiente para fazermos tantas listas.

Aqui vai a nossa eclética relação 2016, que junta teatro, ópera e samba:

1 – Casa de Bonecas

casa-de-bonecas

Protagonizada pelo casal Miriam Freeland e Roberto Bomtempo, “Casa de Bonecas” é um clássico texto do norueguês Henrik Ibsen e esteve em cartaz no Centro Cultural da Justiça Federal entre maio e junho. Com ótimo texto, o espetáculo ganhou uma releitura com questões atuais. Mas a essência dos personagens permanece a mesma e leva o topo do nosso ranking de 2016.

2 – Gritos

gritos-renato-mangolin-alta-520

“Gritos” é uma obra da companhia Dos à Deux. Trata-se de três poemas gestuais: “Louise e a velha mãe”, “O muro” e “Amor em tempos de guerra”. A dupla de artistas é craque na expressão corporal. Cenografia e figurino são outros trunfos do espetáculo. Com o auxílio de bonecos, em alguns momentos era difícil perceber o que era de verdade e o que era ilusão no palco.

3 – Teresa Cristina canta Cartola

ter_0117

Foto: apetecer.com

A portelense Teresa Cristina deixou rivalidades do samba para lá e homenageou o grande poeta da Mangueira. Em “Teresa Cristina canta Cartola”, a cantora brincou com o fato e levou para o palco grandes sucessos do compositor, além de outros importantes nomes do gênero. Justa homenagem do Imperator para celebrar o Dia do Samba. Leva nossa medalha de bronze.

4 – “Mozart e Salieri” e “Sheherazade”

mozart

O Theatro Municipal uniu duas obras em uma única noite. “Mozart e Salieri” conta uma história de disputa, inveja e vingança, que culminou na morte de Mozart. Um ato da ópera foi apresentado, com destaque para a riqueza do figurino e o talento dos dois artistas. A segunda parte da noite foi preenchida pelo balé “Sheherazade”, que também é uma história de vingança e traição. Com muitas cores no figurino, os movimentos da coreografia são mais sensuais que as que costumamos ver.

5 – Uma vida boa

8_-julianne-trevisol_amanda-mirasci_credito-renato-mangolin

Foto: Divulgação

A história real de uma jovem que se passava por um rapaz nos Estados Unidos já havia ganhado filme e documentário. Este ano retornou aos palcos com um bom trio de atores. Ritmo veloz e boas interpretações chamam a atenção de “Uma vida boa”, que serve para ajudar na discussão sobre homofobia, assunto tão em voga nos dias de hoje.

Anúncios

Top 5 – “Eu Fui!”: Teatro

Confesso que não é fácil chegar ao fim de um ano, juntar tudo e decidir qual a melhor peça. Abri umas 10 abas no meu note, excluí uns 3. Sobraram 7 e acabei deixando 2 peças incríveis de fora. Indecisa, ainda substituí uma delas e cheguei a este resultado, que espero que não esteja sendo injusto com ninguém.

1 – Boa noite, mãe

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Reconhecido texto da norte-americana Marsha Norman – vencedor do prêmio Pulitzer de 1983 -, “Boa noite, mãe” conta a história de Jessie. Separada e mãe de um menino, a moça decide se matar e conta a novidade para a mãe. As 2 passam a noite discutindo sua relação, com a protagonista se abrindo em relação a sua personalidade e seus demônios. Texto maravilhoso, interpretações de Beth Zalcman e Thaís Loureiro idem. Começou 2015 arrebatando a medalha de ouro de nosso Top 5.

 

2 – Cenas de um Casamento

Foto: apetecer.com

Foto: apetecer.com

O texto de Ingmar Bergman é o principal elemento para que “Cenas de um Casamento” conquistasse nossa medalha de prata. O espetáculo retrata a rotina conjugal de Johan (Heitor Martinez) e Marianne (Juliana Martins). Com dez anos de casamento, passam por crises e conflitos banais do dia a dia. Até que os atritos vão se intensificando, o que resulta na ruptura do casal, que tem 2 filhas. Interessantíssimo e super recomendável.

 

 

3 – 2 Números

“Cama de gato” e De dentro” formam os 2 números do espetáculo, que é representado por bonecos. As formações e

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

precisão dos atores que manejam os elementos em cena é impressionante. Tudo de uma forma muito lúdica e bonita. Tanto que é do tipo que o adulto leva a criança para assistir, mas ambos saem igualmente maravilhados.

 

 

 

4 – Répétition

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Alex Nader, Paulinho Serra e Tatianna Trinxet vivem 3 atores prestes a estrear um espetáculo, sendo que o personagem de Nader é o do diretor e tem um relacionamento amoroso com o de Tatianna. A montagem mostra um ensaio teatral em que acontecem constantes repetições de cenas, e os atores se envolvem nos conflitos dos próprios personagens. Talvez devido à insistência de algumas situações, levam elementos do texto a uma reflexão sobre suas próprias vidas. Paulinho Serra rouba a cena com sua veia cômica. Mas todo o elenco está muito bem, com destaque para a cena da coreografia de tango, muito bem ensaiada e encenada.

5 – Tomo Suas Mãos Nas Minhas

A peça se desenvolve a partir de cartas que Anton Tchekhov e Olga Knípper trocam ao longo de 6 anos. Eles se

Foto: apetecer.com

Foto: apetecer.com

conhecem em uma leitura de “A gaivota”. Ela, uma jovem atriz. Ele um escritor renomado, mais velho e tuberculoso. Primeiro são amigos, depois amantes, até finalmente se casarem. Quem conhece Roberto Bomtempo – ao lado de Miriam Freeland – apenas da TV não sabe o que está perdendo ao vê-lo também no teatro. É um ator de muitos recursos, e faz um Tchekhov muito convincente envelhecendo aos nossos olhos durante o pouco tempo do espetáculo. Também destaque para a bela história de amor dos personagens.

 

Top 5 – “Eu Fui!”: Musical

Algo que junte música, teatro e dança não tem como não me agradar. Assisto a todos os que tenho oportunidade e estes são os melhores de 2015:

 

1 – Kiss me, Kate – O beijo da megera

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Adaptação brasileira de um sucesso da Broadway (Kiss me, Kate), o musical – que também é inspirado no clássico “A megera domada”, de William Shakespeare – une coreografias ótimas, cantores idem, e um texto inteligente e engraçado.

Veja o post sobre o espetáculo

 

 

 

2 – “S’imbora, o musical – a história de Wilson Simonal”

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Excelentes números musicais – com destaque para Ícaro Silva como o protagonista -, o espetáculo conta a história de Wilson Simonal, do apogeu da fama ao ostracismo. Com pouco texto e muita música, agrada ao público. Faz quem viveu a época relembrar os sucessos, quanto as novas gerações conhecerem clássicos da MPB.

Veja o post sobre o espetáculo

 

 

3 – Elis, A Musical

A atuação impecável de Laila Garin no papel de Elis Regina é o principal trunfo de “Elis, A Musical”. A atriz

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

convence, e faz por vezes acreditarmos que é a própria Pimentinha quem está em nossa frente cantando.

Veja o post sobre o espetáculo

 

 

 

 

4 – Constellation

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

“Constellation” conta a história de Regina Lúcia, jovem sonhadora que quer porque quer participar do voo inaugural da aeronave que dá nome ao espetáculo. O veículo prometia reduzir de 72 para 20 horas o tempo de trajeto entre Rio de Janeiro e Nova York. O acontecimento foi nos anos 1950, e o musical tem o repertório de sucessos da década. Elenco mandando bem, com destaque para Jullie, a protagonista de voz doce e afinadíssima.

Veja o post sobre o espetáculo!

 

5 – Chacrinha, o musical

Uma enorme quantidade de canções foi utilizada para preencher o musical sobre a trajetória do Velho Guerreiro, para representar os longos anos que o apresentador esteve à frente de seus programas televisivos. Fruto de uma época em que a TV dava uma grande espaço para a música, a atração, assim como o espetáculo, tinha repertório muito eclético. Clara Nunes, Benito de Paula, Roberto Carlos… Muitos foram reproduzidos no palco, e fez o público cantar com sucessos eternos.

Veja o post sobre o espetáculo, e também a apresentação para a imprensa!

 

 

 

Top 3 – “Eu Fui!”: Cinema

O ano já estava chegando ao fim e estava vendo que o Top 3 de cinema não ia rolar, devido à falta de contingente rs. Mas tudo mudou – de repente – em novembro, quando recebi vários convites e, graças a eles, pude citar aqui e categorizar os melhores de 2015.

Vamos lá?

 

1 – Anomalisa

A animação em stop motion está longe de ser atração para os pequenos. Toca em assuntos de adultos e dramas

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

pessoais que os maiorezinhos conhecem. Sensível e bem feito, o longa de Charlie Kaufman só estreia em janeiro de 2016, mas aqui já está no topo do ranking.

Veja o post sobre o filme

 

 

2 – Cidade de Deus – 10 anos depois

Foto: Divulgação

Foto: apetecer.com

Parece que foi ontem, mas o grande sucesso “Cidade de Deus” já comemora mais de uma década. Para comemorar, Luciano Vidigal resolveu dirigir um documentário para saber como estão os integrantes do elenco hoje em dia. Alguns ainda estão na batalha pela profissão de ator. Outros foram por outros caminhos.

Veja o post sobre o documentário

 

 

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

3 – Bob Esponja: Um herói fora d’água

Só conhecia o personagem de nome mesmo. A primeira vez a que assisti ao desenho foi no próprio filme. E adorei. Piadas engraçadas, enredo criativo e inserções idem durante o longa. Programa legal para as crianças e os adultos também.

Veja o post sobre o desenho

Top 3 – “Eu Fui!”: Dança

A dança talvez seja minha forma favorita de arte. Qualquer estilo me agrada, e tento sempre ir a espetáculos conferir novidades e velhos clássicos em novas adaptações. Abaixo, elenco os meus favoritos de 2015:

 

1 – Apoteose da Dança

Este espetáculo uniu a nata do corpo de baile do Theatro Municipal para apresentar 2 coreografias: “Age of

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Innocence “e “Sétima Sinfonia”. Os bailarinos estavam impecáveis, bem como cenário e figurino.

Veja o post sobre o espetáculo

 

 

 

 

2 – Festival O Boticário na Dança

Foto: apetecer.com

Foto: apetecer.com

Fui no dia em que o Balé da Cidade de São Paulo estava se apresentando. O grupo também mostrou 2 coreografias: “Cantata” e “Cacti”. A primeira levou ao palco um pouco da cultura gypsy. “Cacti” exibiu movimentos fortes, técnicos, exigindo muito da concentração dos bailarinos.

Veja o post sobre o espetáculo

 

 

3 – “Les Sylphides”, “Raymonda” e “Sagração da Primavera”

Também do corpo de baile da Municipal, o espetáculo juntou 3 coreografias clássicas. As 2 primeiras capricharam na

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

técnica tradicional de balé que conhecemos. Mas o concerto foi encerrado com a dança desconstruída e pouco usual, com a qual não estamos tão acostumados.

Veja o post sobre o espetáculo

Top 5 – Livros

Este ano resolvi voltar a seguir a minha meta de 1 livro por mês. Como ainda estamos em abril e estou adiantada – já em meu quinto livro (aeee) -, vi que já tinha material suficiente para o meu querido Top 5.

 

1 – “Noites Tropicais”, de Nelson Motta

Noites TropicaisRecheado de histórias de personalidades entre os anos 1960 e 1990, Nelson Motta conta tudo o que presenciou acontecer no mundo da música, das mais variadas vertentes: bossa nova, MPB, jovem guarda… Ele conta fatos sobre sua vida pessoal e a de outros artistas também. Se gosta de saber a origem de determinados estilos e canções, vai adorar. Se curte ficar por dentro de “causos” dos bastidores, vai se amarrar também.

 

 

 

 

2 – “Mundos de Eufrásia”, Claudia Lage                                                                                                                              

Mundos de EufrásiaEsse é o do momento! Como a maior parte dos livros que li este ano, tem um bom ritmo logo no começo e te prende. Conta a história de Eufrásia Teixeira Leite, mulher à frente de seu tempo, com Joaquim Nabuco, que se tornou um dos líderes do movimento abolicionista no Brasil. Os mundos diferentes em que o casal vivia tornou o romance entre eles turbulento. Mais que isso não sou capaz de contar, pois ainda estou chegando na metade eheh

 

 

 

3 – “Homens, Mulheres & Filhos”, Chad Kultgen

Homens, mulheres e filhosGanhei o livro quando fui assistir à pré-estreia do filme homônimo – que é bem interessante – e logo de cara comecei a ler. Achei que a história prende bastante e o longa é bem fiel ao livro, apesar de não ser 100%. Chad Kultgen conta várias histórias paralelas, envolvendo família e internet. Claro que umas são mais interessantes que as outras, mas todas valem uma atenção.

 

 

 

 

 

4 – “Dias Perfeitos”, Raphael Montes

Dias perfeitosJovem, mas já bem-sucedido e promissor, Raphael Montes me conquistou com este thriller que agradou também a experientes nomes da literatura do gênero, como Luiz Alfredo Garcia-Roza. O livro conta a história de Téo, que se apaixona por Clarice, e os dois passam a viver uma relação doentia. Até eu, que não sou fão do estilo, me deleitei.

 

 

 

 

 

5 – Eu sou Malala

MalalaQuem não lembra a história de Malala Yousafzai? A menina paquistanesa que sobreviveu a um atentado ocasionado por sua luta pelo direito das meninas aos estudos. Ela continua por aí, defendendo seus ideais pelo mundo. E nós estamos aqui, acompanhando sua luta. No livro ela conta detalhes, não apenas do atentado, mas de como são educação e cultura em seu país de origem. Tenho certa implicância com best-sellers (eheheh), mas me rendi a este.

 

Top 5 – “Eu fui!”: Teatro

Já falamos sobre musicais, que ganharam um ranking específico, devido à grande quantidade que tivemos este ano. Mas chegou a hora de encerrar nosso Top 5 com a categoria que mais me encanta: o teatro.

Vamos aos melhores?

 

1 – Maratona

Cheguei pensando que seria algo interativo. Quando começou, continuei achando. Mas depois, fui adorando cada

Foto: apetecer.com

Foto: apetecer.com

vez mais os insuportáveis e carismáticos Mara e Juan Montoya, apresentadores desta competição de dança. Excelentes interpretações de todo o elenco, excelente trilha sonora. Divertidíssimo! Melhor do ano!

 

 

 

 

 

Segue o link para o post sobre a peça:

https://palcoteatrocinema.com.br/2014/06/24/maratona-eu-fui/

2 – “Fala comigo como a chuva e me deixa ouvir”

Foto: apetecer.com

Foto: apetecer.com

Texto lindo, locação perfeita, e a ousadia do diretor Ivan Sugahara de fazer do texto de Tennessee Williams uma peça itinerante. A história é ambientada no Casarão da Glória, e todo o espaço é utilizado para contá-la. Cozinha, sala de jantar, piscina. A trama que gira em torno de um casal em crise no relacionamento é brilhantemente interpretada por Saulo Rodrigues e Ângela Câmara. E o desempenho dos dois é um ponto a mais para conquistarem nosso segundo lugar.

 

 

 

Segue o link para o post completo sobre o espetáculo:

https://palcoteatrocinema.com.br/2014/08/04/fala-comigo-como-a-chuva-e-me-deixa-ouvir-eu-fui/

3 – À Beira do Abismo me Cresceram Asas”

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O poético texto conta a história de Terezinha e Valdina, que vivem em um asilo e convivem com a solidão e o abandono de seus familiares. Foi das últimas peças a que assisti este ano, mas foi certamente inesquecível.

 

 

 

 

 

Segue o link completo do post sobre o espetáculo:

https://palcoteatrocinema.com.br/2014/11/23/a-beira-do-abismo-me-cresceram-asas-eu-fui/

4 – Amores

Pedro (Saulo Rodrigues) e Telma (Ângela Câmara) Foto: L Valente     Os atores Saulo Rodrigues e Ângela Câmara / Foto: apetecer.com - arquivo

Pedro (Saulo Rodrigues) e Telma (Ângela Câmara) Foto: L Valente 

O texto de Domingos Oliveira prometia ser um dramalhão denso, mas surpreendeu sendo uma comédia, mas tocando em assuntos delicados. Os excelentes atores que integram o elenco são um agrado a mais ao espectador.

 

 

 

 

 

Segue o link para o post completo sobre a peça:

https://palcoteatrocinema.com.br/2014/04/07/1541/

5 – “Os Sapos”

SPS_0063As confusões em que Paula se envolve ao visitar o que seria uma festa de ex-colegas de colégio divertiram o público da Sede das Cias em setembro. O texto de Renata Mizrahi conta a história de vários conflitos de casais e pessoas em crise. Mas quanto mais tenso ia ficando o clima no palco, mais a plateia se divertia. Valeu a pena conferir!

 

 

 

Segue o link para o post completo sobre a peça:

https://palcoteatrocinema.com.br/2014/09/28/os-sapos-eu-fui/

 

Gostaram? Ano que vem tem mais