#FiqueEmCasa: Produtora Movimento Carioca, do casal de atores Miriam Freeland e Roberto Bomtempo, disponibilizará obras de Teatro e Cinema pelo YouTube

A produtora cultural Movimento Carioca – dirigida pelo casal de atores Miriam Freeland e Roberto Bomtempo – aderiu ao movimento #FiqueEmCasa e disponibilizará gratuitamente, em seu canal do YouTube, diversas obras de Teatro e Cinema realizadas ao longo de seus 20 anos de atuação em filmes e peças de teatro na cidade do Rio de Janeiro. O primeiro conteúdo liberado será “Raul Fora-Da-Lei – A História de Raul Seixas”, monólogo musicado estrelado por Bomtempo, e dirigido por José Joffily.

Os lançamentos serão postados todo sábado, a partir de 28 de março, no canal da produtora no YouTube. Para acessar, clique: bit.ly/MovimentoCariocaYouTube

Ainda está previsto o premiado filme “Depois Daquele Baile”, com Lima Duarte, Marco Caruso, Irene Ravache e Ingrid Guimarães.  Vencedor dos prêmios de Melhor Filme no Festival de Cinema de Miami, Prêmio da Crítica no Festival de Nova York, Melhor Filme pelo Júri Popular no Festival de Tiradentes, entre outros.

Além de produções para a TV e o Cinema, Roberto Bomtempo e Miriam Freeland são grandes produtores do teatro carioca e a companhia criada pelo casal possui mais de dez espetáculos produzidos nos últimos 20 anos. Destes, alguns sucessos também estarão online.

– Como cidadãos e profissionais da Cultura, devemos nos unir no movimento #FiqueEmCasa. É preciso compartilhar opções de Entretenimento para quem está em casa fazendo a sua parte e ajudando na conscientização durante este momento tão difícil.  – afirma Roberto Bomtempo.

– É triste ver os teatros vazios e tantos espetáculos cancelados e adiados, inclusive obras nossas como “Diário de Pilar na Grécia”, que estrearia em março no Rio. Precisamos estar próximos do público de alguma forma e qualificar o trabalho de profissionais que movimenta uma cadeira econômica importante! Além do valor cultural, que num momento como esse tem demonstrado ainda mais sua relevância na vida de todos!– conclui Miriam Freeland.

Entre as obras teatrais, serão disponibilizados sucessos como “Plínio – A História de Plínio Marcos”, de Silvio Guindane e protagonizado por Roberto Bomtempo; “Casa de Bonecas”, versão do argentino Daniel Veronese e com Bomtempo, Miriam Freeland, Leandro Baumgratz, Ana Sant’Ana e Regina Sampaio; além de um dos maiores sucessos da companhia, “Tomo Suas Mãos nas Minhas” êxito de público e crítica, indicado aos prêmios Shell de Melhor Ator e Melhor Atriz (Miriam e Bomtempo), além de Cenário e Iluminação.

A Movimento Carioca vai incluir nessa jornada teatral  “Capitães da Areia”, montagem de 1992 que ficou dois anos em cartaz no Teatro Vanucci, estrelada pelos então estreantes Dira Paes, André Gonçalves, Pedro Vasconcelos, Jonas Torres, Victor Hugo, entre outros.

RAUL FORA-DA-LEI

A partir do dia 28 de março, sábado, os internautas poderão acessar a homenagem de Roberto Bomtempo ao cantor e compositor, “Raul Fora-Da-Lei – A História de Raul Seixas”, um “monólogo musicado”, como chama o ator, que vive o músico homenageado. O espetáculo já rodou o Brasil, passando por São Paulo (interior e capital), Belo Horizonte, Salvador, Maceió, Fortaleza, Porto Alegre, entre outras cidades e estados, e esteve em cartaz por mais de 20 anos.

Como um tributo ao músico Raul Seixas, “Raul Fora-da-Lei” conta com a participação da banda M-743 tocando ao vivo, sob direção musical de Igor Eça. “Gita”, “Cowboy Fora-da-Lei” e “Maluco Beleza” são algumas das canções apresentadas durante a peça, que tem roteiro assinado por Luiz Arthur Nunes, Roberto Bomtempo e José Joffily.

Acesse o canal da Movimento Carioca no YouTube: bit.ly/MovimentoCariocaYouTube

Programação TEATRO ONLINE, da Palavra Z

Contribuindo com a campanha oficial de combate ao Covid-19, a Palavra Z Produções Culturais disponibilizou no último final de semana 6 (seis) espetáculos, entre infantis e adultos gratuitamente online. O objetivo é contribuir com a conscientização da população sobre as medidas de prevenção necessárias, além de garantir a diversão, o entretenimento e o bem-estar das famílias, nesse período tão delicado em que precisarão ficar mais tempo em suas casas.

A ação intitulada TEATRO ONLINE, contou com 21 mil visualizações, média de 65 mil espectadores com mais de 5 mil horas de exibição. Essa semana a iniciativa começa na quarta-feira com música e ópera performática.

Segue abaixo a programação da segunda semana. O acesso é feito através do link disponibilizado no site da Palavra Z: www.palavraz.com.br

Programação de 26 a 29 de março

*QUARTA*

_MÚSICA_

*Gomalina Clube Canta Noel Rosa* de Cadu Pacheco, Renato Badeco e Rafael Tereso
Disponibilizado de 10h às 17h

O show homenageia a música popular brasileira, com o grande compositor da Música Popular Brasileira Noel Rosa que apesar de ter vivido apenas 26 anos, sendo sete deles dedicados a composição de mais de 250 canções, se figura como um dos mais importantes compositores de nosso país.  Noel era diferenciado, um cronista do cotidiano, que contava em suas canções um Brasil menino, recém republicano. De vida boêmia e desregrada, compôs com tanta veemência que ainda hoje há canções que são praticamente inéditas. Fundamentado nisso, o projeto busca, através de uma pesquisa minuciosa em sua obra, levar ao público essas relíquias desconhecidas, além dos eternos sambas já consagrados.

 O cantor do grupo, Renato Badeco, resume: “Noel foi um carioca de classe média que transitou por todo o Rio de Janeiro nas décadas de 20 e 30. Cantou as esquinas, os bares, os becos, as mulheres, a urbes, a política, o amor, o machismo, o carnaval, o morro, os cabarés e a morte… Noel suscitou um modo novo de compor, aliando melodias geniais à poemas muito bem elaborados”.

_ÓPERA PERFORMÁTICA_

*Na Boca do Cão* de Gabriela Geluda
Disponibilizado de 18h às 00h

É uma ópera solo contemporânea, que une música, dança e teatro. Fala do potencial da arte para transformar traumas profundos do ser humano a partir de uma história real, vivida na infância da soprano Gabriela Geluda, protagonista do espetáculo.

A música é a última obra composta por Sergio Roberto de Oliveira, o libreto é de Geraldo Carneiro, tem direção do Bruce Gomlevsky. Em cena a soprano/atriz Gabriela Geluda e os músicos solistas Ricardo Santoro (Violoncelo), Rodrigo Foti (Percussão) e Cristiano Alves/ Cesar Bonan (clarineta/clarone).

*QUINTA*

_MÚSICA_

*Mona canta Dalva* de Mona Vilardo e Filomancuzo
Disponibilizado de 10h às 17h

Mona canta Dalva estreou em 2017, no Teatro Maison de France, em comemoração ao centenário de Dalva de Oliveira. Depois seguiu pra o Teatro Dulcina, Teatro da UFF e Teatro Municipal de Niterói. Dentro do projeto tenho ainda o livro infanto juvenil “Dalva, minha vó e eu” e o espetáculo Mona canta Linda, pelo centenário de Linda Batista em 2019. Esse ano, fizemos o show Pré Carnaval das Rainhas do Rádio no Teatro Claro Net e Sala Nelson Pereira dos Santos.

_ÓPERA PERFORMÁTICA_

*Migrações* de Gabriela Geluda
Disponibilizado de 18h às 00h

Uma ópera performática que trata dos fluxos migratórios de milhões de pessoas de uma maneira poético-alegórica. Esses movimentos são motivo de fascínio e terror desde a mítica Tróia aos refugiados da Síria hoje e o desejo é de que se possa dar atenção permanente a essa questão.

Tem libreto de Geraldo Carneiro, direção de Duda Maia, música de Beto Villares e Armando Lôbo.  No elenco estão a soprano e atriz Gabriela Geluda, a bailarina e atriz Gabriela Luiz e o trio instrumental formado pelos solistas Cristiano Alves ( clarinete /clarone)  Rodrigo Foti ( Percussão) e Daniel da Silva ( violoncelo) além de meios eletroacústicos.

*SEXTA*

_Infantil_

*Patrícia Piolho* de Luiza Yabrudi e Karina Ramil
Disponibilizado de 10h às 17h

Após 5 anos, a peça infantil “Patrícia Piolho”, vencedora na categoria de Melhor Atriz do 9º Prêmio Zilka Sallaberry de Teatro Infantil (Karina Ramil), retorna nas mídias digitais, na próxima sexta feira, dia 27 de março, disponibilizado de 10h as 17h. A peça narra o drama de uma menina do interior que chega à cidade grande e busca aceitação na turma do novo colégio. Logo no primeiro dia de aula, em meio a esse desafio, ela conhece o inseto mais temido na infância, o piolho, motivo de bullyng, mas que, para sua surpresa, acaba sendo seu melhor amigo.

_Adulto_

*Carta de um Pirata* de Vinícius Piedade
Disponibilizado de 18h às 00h

Um pirata escreveu uma carta pra mãe há muito tempo, e o ator traz essa carta para o palco utilizando pra isso o essencial (corpo, voz, sensibilidade), de maneira a explorar todas as suas nuances, que vão do humor genuíno ao inconformismo radical, fazendo da peça uma Comédia Inconformada.

*SÁBADO*

_Infantil_

*A Pequena Vendedora de Fósforos* de Dayse Pozzato
Disponibilizado de 10h às 17h

A Pequena Vendedora de Fósforos é um dos textos mais populares de Andersen e pouco montado no Brasil. No exterior já recebeu diversas montagens tanto para crianças quanto para adultos. Estimulados por esse ineditismo e pelos temas abordados resolvemos trazer este texto para o publico infantil, que conta com a adaptação de Denise Crispun e direção de Lúcia Coelho, ambas com vasta experiência com o teatro infantil.
Esta é a história de uma menina que, para sobreviver, ajuda sua família, vendendo fósforos. Num dia frio, de uma noite de Natal, ela acende um dos palitos para aquecer seu corpo e quem sabe,também sua alma. Cada fósforo que acende faz com que ela se depare com a vida que nunca teve: brinquedos, uma bela refeição, a presença de uma família, até o último fósforo, que traz de volta o desejo de rever a sua querida avó, já falecida.

_Adulto Musical_

*A Lenda do Sabiá* de André Arteche
Disponibilizado de 18h às 00h

A montagem musical, A Lenda do Sabiá, que contou com a benção de Ariano Suassuna, apresenta a Cia Os Aborígenes de Teatro e seus dez atores músicos que, em rima, contam a lenda de Sabiá – sanfoneiro que é acusado injustamente por um crime e, em um vivaz realismo fantástico, volta à vida transfigurado em um homem pássaro.

O espetáculo, que tem suas raízes na literatura de Cordel, é uma comédia que fala sobre o Brasil e faz um tributo a romancistas que são referência ao retratarem o folclore e o regionalismo do país – Mário de Andrade e Ariano Suassuna, e seus personagens, como Macunaíma e João Grilo. Bem como o compositor Luiz Gonzaga, dentre muitos outros autores brasileiros.

*DOMINGO*

_Infantil_

*Marrom nem preto nem branco? * idealizada por Vilma Melo e  Pieterson Duderstadt
Texto Renata Mizrahi
Disponibilizado de 10h às 17h

Com 55 minutos de duração, a peça inspirada na menina Lorena de Melo Schaefer, conta a história de Linda, uma menina que não entende o conceito de raça, só de cor. Filha de pai alemão e mãe negra, ela se acha marrom. Após inúmeras situações que apontam as desigualdades, ela decide fugir em busca de sua identidade a procura de um lugar onde todos são iguais.

_Adulto_

*Um Ensaio Sobre Amaro* de Eduardo Rios
Disponibilizado de 18h às 00h

Um ensaio sobre Amaro é um ensaio sobre a tristeza, que se desenvolve no exato instante em que um ator que nega os seus próprios sentimentos se vê obrigado a reensaiar o seu personagem mais triste: Amaro. O ator e o personagem entram juntos em cena para travar um embate entre a melancolia e a euforia, a lealdade e o desapego, a aceitação e a necessidade de mudar. O ator, Eduardo Rios, usa como recursos principais um forte trabalho físico e um dinâmico tempo cômico para, sozinho, dar vida a um inquieto e filosófico dilema entre as facetas que habitam um mesmo ser. Brincando entre linguagens teatrais extremas, o espetáculo aposta na mescla entre dança, teatro de máscaras, manipulação de objetos, música e ilusionismo para convidar o público a uma conversa com a tristeza em tempos em que ela não é mais ouvida.

Então corram e espalhem! Vamos manter quem amamos em casa!
VIVA a arte que ajuda a curar. Todos contra #covid19!
Acesse o link por _www.palavraz.com.br_

 

Adulto
Um Ensaio Sobre Amaro de Eduardo Rios

Disponibilizado de 18h às 00h
Um ensaio sobre Amaro é um ensaio sobre a tristeza, que se desenvolve no exato instante em que um ator que nega os seus próprios sentimentos se vê obrigado a reensaiar o seu personagem mais triste: Amaro. O ator e o personagem entram juntos em cena para travar um embate entre a melancolia e a euforia, a lealdade e o desapego, a aceitação e a necessidade de mudar. O ator, Eduardo Rios, usa como recursos principais um forte trabalho físico e um dinâmico tempo cômico para, sozinho, dar vida a um inquieto e filosófico dilema entre as facetas que habitam um mesmo ser. Brincando entre linguagens teatrais extremas, o espetáculo aposta na mescla entre dança, teatro de máscaras, manipulação de objetos, música e ilusionismo para convidar o público a uma conversa com a tristeza em tempos em que ela não é mais ouvida.

Então corram e espalhem! Vamos manter quem amamos em casa!
VIVA a arte que ajuda a curar. Todos contra #covid19!
Acesse o link por www.palavraz.com.br

Premiado projeto Grandes Músicos para Pequenos ganha Canal no Youtube

O premiado projeto Grandes Músicos para Pequenos ganhou, nesta sexta-feira, Dia Nacional do Teatro para a Infância e Juventude, um canal no Youtube. Criada pela produtora Entre Entretenimento com o objetivo de levar para os palcos nomes importantes da cultura brasileira, a série conta hoje com cinco espetáculos teatrais: ‘Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças’, ‘O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças’, ‘Bituca – Milton Nascimento para Crianças’, ‘Tropicalinha – Caetano e Gil para Crianças’ e ‘Raulzito Beleza – Raul Seixas para Crianças’. O novo canal reúne cenas de todos os espetáculos do projeto e, em breve, vai ganhar conteúdo exclusivo, como músicas, karaokês e outros quadros (http://bit.ly/youtubegmpp).

“O canal é mais uma janela de interação com as famílias que acompanham o projeto. Neste primeiro momento, os trechos disponíveis são uma forma de levar o nosso repertório para dentro de casa, assim como as playlists do Spotify. Em breve, outros conteúdos serão incluídos no canal”, conta Diego Morais, diretor de todos os espetáculos do Grandes Músicos Para Pequenos.

Grandes Músicos para Pequenos

Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças marcou a estreia do projeto “Grandes Músicos para Pequenos”, criado com o intuito de apresentar a vida e a obra de importantes compositores para as novas gerações. Depois, vieram O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças, que estreou em 2016 e foi premiado em três categorias pelo CBTIJ –  Melhor Atriz em Papel Coadjuvante (Martina Blink), Direção de Produção (Entre Entretenimento) e Prêmio Especial pela qualidade do projeto (Diego Morais e Pedro Henrique Lopes), além de outras 12 indicações – Bituca – Milton Nascimento para crianças, de 2017, vencedor do Prêmio CBTIJ de Melhor Ator (Udylê Procópio) e de quatro estatuetas no Prêmio Botequim Cultural: Melhor espetáculo infanto-juvenil, Melhor Direção (Diego Morais), Melhor Roteiro (Pedro Henrique Lopes) e Melhor Atriz Coadjuvante (Aline Carrocino), além de outras 11 indicações – e Tropicalinha – Caetano e Gil para Crianças, de 2018, vencedor dos prêmios Brasil Musical 2018 de Melhor espetáculo Infantil, Musical Rio 2018 como Melhor Espetáculo Infantil, e Botequim Cultural de Melhor Direção Infanto Juvenil, além de outras 8 indicações. O mais recente, Raulzito Beleza – Raul Seixas para Crianças (2019), está concorrendo ao Prêmio CBTIJ 2019 nas categorias Melhor Ator (Rodrigo Salvadoretti) e Cenário (Clivia e José Cohen), além de Melhor espetáculo Infantil no Prêmio Musical Rio.

As cinco peças juntas já foram vistas por mais de 200 mil espectadores. O objetivo do Grandes Músicos para Pequenos é apresentar a vida e a obra de importantes compositores para as novas gerações e promover o resgate da cultura brasileira através de espetáculos que envolvam toda a família em experiências inesquecíveis.

“A ideia é trazer o legado de uma cultura quase esquecida para as novas gerações, com um conteúdo atraente para as famílias”, descreve Pedro Henrique Lopes, autor das peças do projeto. “Queremos criar experiências de entretenimento inesquecíveis e marcantes, onde o espectador participe de forma ativa”, explica o diretor Diego Morais.

“Incêndios” no Teatro Nair Bello

Com direção de Marco Antônio Pâmio, o espetáculo Incêndios estreia no dia 20 de março (sexta, às 21 horas) no Teatro Nair Bello, tendo no elenco atores da Turma M6B, formandos da Escola de Atores Wolf Maya.

A montagem é um estudo sobre a obra do libanês Wajdi Mouawad, radicado no Canadá, com tradução de Angela Leite Lopes. O enredo traz a história de resistência de uma mulher, imigrante árabe, em busca da sobrevivência e do conhecimento, a partir de suas últimas vontades endereçadas aos filhos gêmeos e, agora, órfãos.

O seu testamento, com a estranha exigência para que seu sepultamento não aconteça até que duas cartas sejam entregues, é o ponto de partida da peça sem qualquer limitação de tempo e espaço. Vai de um lugar a outro, de um espaço aberto a outro fechado, de um continente a outro, de uma cultura a outra, em cenas que vão e voltam ao longo de 50 anos e, às vezes, se interpenetram e se misturam. Torna-se também a história de uma jovem mulher que, recém-saída da infância, se afogou em sua vida real, carregando consigo um amor adolescente e uma criança no ventre. E também a história da obstinação de uma mulher por ler, escrever e pensar, a fim de dar sentido às coisas, tornando-se então a história de uma resistência.

O espetáculo Incêndios pode ser descrito como a história de histórias que procuram seus começos; de destinos que buscam suas origens para tentar resolver a equação de sua existência e encontrar, atrás da duna mais sombria, alguma fonte de beleza.

Sobre a peça, o autor escreveu: “Aquele que tenta descobrir sua origem é como um andarilho no meio do deserto, na esperança de encontrar, atrás de cada duna, uma cidade. Mas cada duna esconde outra, e a fuga não tem fim. Contar uma história implica escolher um início. E, para nós, o início talvez seja a morte dessa mulher que há muito tempo decidiu se calar e nunca mais disse nada. Essa mulher se chama Nawal”.

Nascido no Líbano, em 1968, Wajdi Mouawad mudou-se com a família para a França aos oito anos, diante da eclosão da guerra civil no país natal. Em 1983, imigrou definitivamente para Montreal, no Canadá, tornando-se uma das vozes mais potentes da nova dramaturgia franco-canadense. Seus textos, escritos originalmente em francês, transcendem as especificidades da língua e falam para todas as culturas e gerações, estimulando mentes e tocando corações. Trata-se de um autor com um domínio impressionante sobre os recursos dramáticos e épicos e, em Incêndios, ele reconquista a força que a tragédia teve na antiguidade clássica.

Ficha técnicaTexto: Wajdi Mouawad. Tradução: Angela Leite Lopes. Direção: Marco Antônio Pâmio. Direção de Movimento: Marco Aurélio Nunes. Preparação Vocal: Alessandra Krauss Zalaf. Figurino: Bárbara Maciel. Iluminação e operação de luz: Rodrigo Alves (Salsicha). Trilha sonora: Marco Antônio Pâmio, Elder Freitas, Thiago Heijde e Diego Guerrero. Assistência de direção: Dani Rombolli, Elder Freitas, Julia Riguez, Maria Clara Aquino e Philippe Wieser. Participação: Kaue Pereira. Assistência de figurino: Adriana Cabral e Thiago Heijde. Operação de som: Elder Freitas. Operação de vídeo: Julia Riquez. Produção executiva: Maristela Bueno. Produção: Rodrigo Trevisan e Renato Campagnoli. Fotografia: Rombolli Torres Photografia. Coordenação pedagógica: Josemir Kowalick. Coordenação geral: Hudson Glauber.

Elenco (Turma M6B): Ana Julia Barcelos, Ana Koretz, Bruna Witko, Claudia Ruocco, Diego Guerrero, Fabiana Caruso, Fernando Gonçalves, Felipe Braga, Gabriel Baldi, Guilherme Soares, Jô Pereira, Juliana Raimundo, Karla Volpato, Leide Carmo, Lucas Frontini, Thiago Heijde e Thiago Piacentini.

Serviço

Espetáculo: Incêndios

Temporada: 20 a 29 de março de 2020

Horários: sextas e sábados (às 21h) e domingos (às 19h)

Ingressos: R$ 30,00 (vendas na bilheteria do teatro)

Gênero: Drama. Duração: 90 min. Classificação: 12 anos.

Bilheteria: quarta a sábado (15h às 21h) e domingo (15h às 19h).

Teatro Nair Bello

Rua Frei Caneca, 569 – Shopping Frei Caneca, 3º Piso. Consolação – SP/SP.

Tel: (11) 3472-2414. Capacidade: 201 lugares.

Ar condicionado. Acessibilidade.

http://wolfmaya.com.br/| Nas redes: @escolawolfmaya

“Na Boca do Vulcão” no Sesc Avenida Paulista

A partir de uma contínua investigação artística acerca dos variados impactos das atividades humanas na Terra, o diretor Luiz Felipe Reis e a Polifônica Cia. apresentam seu novo espetáculo, “Na boca do vulcão”, que estreia, dia 20 de março, no Sesc Avenida Paulista, onde fica em temporada de quinta a domingo até 19 de abril. Continuação da pesquisa do grupo acerca de temas como o Antropoceno e a violência humana, a peça aborda a degradação de biomas pelas forças do capital, o desequilíbrio climático e seus múltiplos efeitos, a tragédia ambiental brasileira, assim como a poluição comunicacional e o neo-obscurantismo político que desestabilizam o Brasil e o mundo.

A obra reúne textos de Alberto Pucheu, André Sant’Anna, Luiz Felipe Leprevost, Luiz Felipe Reis e Tatiana Nascimento, entre outros livremente inspirados nas obras de J. M. Coetzee, Olga Torkarczuk e Carlos Drummond de Andrade. Organizada pelo diretor, a dramaturgia se realiza através de uma polifonia cênica, em que dispositivos teatrais, audiovisuais e sonoros se articulam para investigar “a crise ambiental, climática e civilizacional que a humanidade produz e enfrenta na era do capital”, diz Reis. O elenco, formado por Julia Lund, Thiago Catarino, Stella Rabello, Ciro Sales e Isio Ghelman, apresenta uma série de quadros cênicos intercalados por instalações sobre o tema.

“Estamos vivendo o momento da História da Terra emque o homo sapiens deixa de ser apenas um mero agentebiológico para se tornar, gradativamente, uma forçageológica primordial, ou seja, o principal responsável pelasmaiores transformações na paisagem e no funcionamentoda Terra”, observa Luiz Felipe Reis. “Nos últimos 50 anos,a humanidade tem alterado, numa velocidade maior doque em qualquer outra era, o equilíbrio termodinâmico,a biodiversidade e o funcionamento de todo o sistema da Terra.Os projetos da Cia. investigam essa violenta colisão entre a humanidade e o mundo,entre uma única espécie e todo um sistema que regula a vida”, acrescenta o diretor que tem outros dois projetos previstos para estrear este ano: “O fim de E.”, adaptação para as obras “O fim de Eddy” e “História da violência”, do francês Édouard Louis, e “2666”, adaptação inédita na América Latina para a obra homônima do chileno Roberto Bolaño.

“Na boca do vulcão” é a nova etapa de uma pesquisa desenvolvida pela Polifônica Cia. desde 2014, intitulada “Dramaturgias do Antropoceno”, que já resultou em uma série de artigos, dramaturgias e espetáculos que investigam as mudanças cada vez mais intensas e aceleradas que a humanidade tem desempenhado na forma e no funcionamento da Terra. Após a criação das peças “Estamos indo embora…” (2015) e “Galáxias” (2018), “Na boca do vulcão” (2020) toca, com maior ênfase, a atual crise ambiental e política brasileira, abordando fatos que resultaram em crimes ambientais e tragédias ecológicas recentes.

O espetáculo também leva à cena a luta em defesa do meio ambiente de povos indígenas e de ícones internacionais como o seringueiro e ambientalista Chico Mendes (1944-1988), assassinado há mais de 30 anos, e o artista visual Frans Krajcberg. A montagem relaciona, através de uma instalação documental, o marco histórico da morte de Chico Mendes com dados que evidenciam o crescimento da violência contra ambientalistas no Brasil, um país que se tornou, a partir de 2002, um dos líderes do ranking mundial de assassinatos cometidos contra defensores do meio ambiente – segundo relatórios da organização britânica Global Witness, o Brasil tem média de 40 assassinatos por ano, a maioria ocorrida na Amazônia.

“Esta situação de violência e vulnerabilidade se agrava no atual momento do país, em que marcos legais que garantem a preservação do meio ambiente vêm sendo desrespeitados por diversas atividades criminosas, como as queimadas ilegais que têm crescido sob o estímulo da impunidade, do desmonte dos instrumentos oficiais de fiscalização e do negacionismo científico que rege a política ambiental do atual governo brasileiro”, acrescenta Luiz Felipe Reis.

Polifonia Cênica

“Na boca do vulcão” leva adiante a pesquisa estética da Cia. acerca do conceito de “Polifonia Cênica”, que busca estabelecer uma relação não hierárquica entre diferentes formas de arte na constituição do fazer teatral. Nesse sentido, o trabalho constrói uma experiência artística imersiva e sensorial, a partir de uma constante transfusão entre dispositivos do fazer teatral com diferentes formas de arte: a literatura, a dança, além de instalações de luz, som e vídeo. O espetáculo tem como objetivo, portanto, articular reflexões filosóficas com provocações sensoriais, a fim de sensibilizar o público para a gravidade das transformações que a humanidade tem desempenhado na Terra, como o desequilíbrio climático global e a sexta extinção em massa de espécies.

Sobre a Polifônica Cia.

 

Fundada em 2014, a Polifônica Cia. desenvolve uma pesquisa estética e temática acerca das noções de “Polifonia Cênica” e de “Dramaturgias do Antropoceno”. Em 2015, a Cia. foi indicada ao Prêmio Shell 2015 na categoria Inovação com o experimento cênico-científico “Estamos indo embora…”, pela “multiplicidade de linguagens artísticas adotadas para abordar a ação do homem nas transformações climáticas”. Em 2016, a Polifônica recebeu indicações e conquistou prêmios pela criação do projeto “Amor em dois atos”, que reuniu em uma mesma encenação duas obras do dramaturgo francês Pascal Rambert, “O começo do a.” e “Encerramento do amor”. Em 2018, a Cia. apresentou o seu novo trabalho, “GALÁXIAS”, que articula textos de Luiz Felipe Reis com fragmentos da obra literária do escritor argentino J. P. Zooey. Em 2020, a Cia. apresenta o seu novo espetáculo, “Na boca do vulcão”, assim como prepara a estreia de duas novas criações: “O fim de E.”, adaptação para as obras “O fim de Eddy” e “História da violência”, do francês Édouard Louis, e “2666”, adaptação inédita na América Latina para a obra homônima do chileno Roberto Bolaño.

Ficha técnica:

 

Direção e dramaturgia: Luiz Felipe Reis

Textos: Alberto Pucheu, André Sant’Anna, Luiz Felipe Leprevost, Luiz Felipe Reis, Tatiana Nascimento e textos livremente inspirados nas obras de J. M. Coetzee, Olga Torkarczuk e Carlos Drummond de Andrade

Atuação: Julia Lund, Thiago Catarino, Stella Rabello, Ciro Sales e Isio Ghelman

Direção de movimento: Amália Lima

Assistente de direção: Luisa Espíndula

Cenário: Antônio Pedro Coutinho (Estúdio Chão)

Figurino: Tatiana Rodrigues

Iluminação: Alessandro Boschini e Julio Parente

Vídeo ao vivo e instalações audiovisuais: Julio Parente

Instalação documental: Clara Cavour

Pesquisa e criação sonora: Luiz Felipe Reis e Pedro Sodré

Produção musical: Pedro Sodré

Colaboração musical: Thiago Vivas

Assessoria de imprensa: Rachel Almeida (Racca Comunicação)

Design gráfico: Clarisse Sá Earp (uma studio)

Administração Financeira: Letícia Napole

Produção Executiva: Renata Campos (Rio de Janeiro) e Périplo Produções (São Paulo)

Direção de Produção: Sérgio Saboya e Silvio Batistela

Produção: Galharufa Produções Culturais

Idealização e coprodução:  Luiz Felipe Reis e Julia Lund (Polifônica Cia.)

 

 

Serviço:

Na boca do vulcão

Temporada: De 20 de março a 19 de abril

Sesc Avenida Paulista – Arte II (13º andar): Av. Paulista, 119 – Bela Vista, São Paulo – SP

Telefone: (11) 3170-0800

Dias e horários: Quinta a sábado, às 21h; domingos, 18h. Sessões extras: dias 11 e 18/04, às 17h.

Ingressos: R$ 30 (inteira); R$ 15 (meia-entrada) e R$ 9 (credencial-plena).

Lotação: 70 pessoas

Duração: 100 minutos

Classificação: 14 anos

Transporte Público: Estação Brigadeiro do Metrô – 350m

Horário de funcionamento da unidade: Terça a sábado, das 10h às 21h30. Domingos e feriados, das 10h às 18h30.

Horário de funcionamento da bilheteria: Terça a sábado, das 10h às 21h30. Domingos e feriados, das 10h às 18h30.

Site: sescsp.org.br/avenidapaulista

“Jacy” no Teatro Firjan SESI Centro

O Teatro Firjan SESI Centro recebe de 23 de março a 28 de abril, segundas e terças, às 19h, “Jacy”, espetáculo do potiguar Grupo Carmin, com Henrique Fontes e Quitéria Kelly no elenco, direção de Henrique Fontes, que também assina o texto junto a Iracema Macedo e Pablo Capistrano, e dramaturgia audiovisual de Pedro Fiuza. A obra foi contemplada com o Prêmio Myriam Muniz em 2012.

Sucesso de público e críticas por todos os 21 estados brasileiros em que foi apresentada, considerado um dos melhores espetáculos de 2015 pelo Jornal O Estado de São Paulo, “Jacy” conta a história real de uma mulher de noventa anos cujos pertences foram encontrados pelo diretor, dentro de uma frasqueira abandonada no lixo, em março de 2010, em uma das principais avenidas de Natal.

Em uma hora de espetáculo, a peça leva o público a acompanhar a vida extraordinária de uma mulher aparentemente comum, que nasceu em um engenho de cana-de-açúcar, atravessou a 2ª Guerra Mundial, a ditadura no Brasil, esteve no centro de um importante conflito da política no Rio Grande do Norte, viveu um amor estrangeiro e terminou seus dias sozinha em Natal.

– Quem assiste “Jacy” tem uma grande surpresa ao se deparar com a história dessa mulher, que quando contada no palco nos faz ver o quanto encantador e apaixonante foi a passagem dela por aqui. O público rí, chora, se emociona de várias formas, conhece um pouco da história do Brasil e aprende mais sobre as raízes do emaranhado político em que o país vem traçando nas últimas décadas. Após as apresentações nos deparamos com comentários do tipo: “pensei muito em minha mãe” ou “nunca pensei na solidão que minha avó pode estar sentindo” ou ainda pessoas que falam do quanto todos nós esquecemos da importância dos “velhos” em nossa sociedade, de como lidar com a solidão na velhice, enfim, sinto que é uma peça que ativa a humanidade do público de forma poética. –, comenta a atriz Quitéria Kelly.

Como é característica do Carmin drama e humor caminham juntos, a busca pelo riso não é gratuita e proporciona abertura para reflexão.

– “Jacy” é fruto de um processo de investigação e experimento que durou 3 anos. Na primeira fase pensávamos montar uma peça de ficção onde eu faria Jacy Homem e Quitéria Jacy Mulher. Isso durou um ano e quem estava produzindo os textos eram Pablo Capistrano aqui no RN e Iracema Macedo do RJ, e eu ia dando a amarra dramatúrgica. No entanto, após nosso primeiro ensaio aberto, percebemos que a potência dos fatos reais era enfraquecida pela ficção que passava ao largo do processo de investigação. Depois que assisti “Mi Vida Despues”, peça da dramaturga e atriz argentina Lola Árias, me deparei com a força da linguagem do teatro documental e isso revirou o processo. A forma, a cronologia dos fatos da investigação e os documentos descobertos no processo passaram a compor a dramaturgia. Pablo e eu passamos a escrever juntos a dramaturgia e pedimos a Iracema que – a exemplo de Jacy que mandava cartas mensais para o irmão no Rio – enviasse cartas como se fossem escritas para mim e Quitéria. Ela produziu uma narrativa epistolar que compõe a dramaturgia em alguns trechos –, comenta o diretor Henrique Fontes.

A princípio ao avistar a frasqueira abandonada o artista se interessou pelo objeto como potencial elemento de cena. Mas, ao chegar na sala de ensaio do Carmin e abrir a frasqueira, Henrique se deparou com vestígios de vida de uma mulher de 90 anos. Na ocasião o Grupo Carmin estava pesquisando temas para um novo espetáculo teatral, assim a frasqueira e seu conteúdo foi apresentado aos demais integrantes do Carmin o que levou o grupo a conduzir uma investigação que duraria 3 anos, até que em 2013 resultou no espetáculo de teatro documental intitulado “Jacy”.

– No primeiro momento tivemos medo de investigar, temendo que as pessoas pudessem querer nos processar (e uma ameaça realmente aconteceu), mas após a decisão de seguirmos com a montagem de forma documental era fundamental que descobrissemos a trajetória de vida de Jacy. O caminho foi completamente empírico e, assim como o encontro da frasqueira, muito fortuito. Começamos a ligar para os taxistas cujos cartões estavam na frasqueira até que um nos atendeu e pedimos que ele nos repetisse o trajeto de rotina que Jacy fazia com ele, aí chegamos a um supermercado e lá um embalador tinha o telefone da mulher que cuidou de Jacy durante seus últimos 20 anos de vida. Quando a encontramos sabíamos que tinhamos uma história. Tudo isso e o que descobrimos a partir da cuidadora de Jacy nós contamos na peça –, diz o diretor.

A dramaturgia audiovisual, termo cunhado pelo Grupo Carmin, vai muito além das projeções pois é a construção de uma narrativa em áudio e imagena que dialoga com a narrativa clássica, escrita, o texto falado. Mais do que projetar imagem é construir uma narrativa que hora dialoga com o texto e hora vai contra, ironiza, amplifica, reduz, criando uma dramaturgia própria.

“Jacy” é uma peça que envolve os espectadores tanto pela temática quanto pela sensibilidade. É uma obra delicada que transita entre História, poesia, humor e política, revelando fatos que muitas vezes ignoramos sobre o abandono dos idosos, a política oligárquica e o crescimento desenfreado das cidades brasileiras. A peça também foi motivo de várias monografias acadêmicas, desde os cursos de História, Teatro até à Medicina (Geriatria e Gerontologia).

– Creio que quando revelamos a trajetória de uma mulher comum e extraordinária que por muito pouco não teve sua vida esquecida, provocamos outros pesquisadores a questionar o que estamos fazendo com a memória dos mais velhos e como estamos cuidando dos nossos idosos –, comenta Quitéria.

Em 2019, com A Invenção do Nordeste, o Grupo Carmin foi vencedor das principais categorias de todas as premiações do Rio de Janeiro.

Ficha técnica

Texto: Henrique Fontes, Iracema Macedo e Pablo Capistrano
Direção: Henrique Fontes
Elenco: Henrique Fontes e Quitéria Kelly (stand-in: Juliana Linhares)
Dramaturgia Audiovisual: Pedro Fiuza
Trilha Sonora: Toni Gregório
Desenho de Luz: Ronaldo Costa
Direção de Arte: Mathieu Duvignaud
Técnicos de Som, Luz e Vídeo: Mateus Cardoso e Robson Medeiros
Assessoria de Imprensa: Ney Motta
Gestão de Redes Sociais: Rafael Teixeira
Designer: Daniel Torres
Realização: Grupo Carmin

Serviço

Teatro Firjan SESI Centro, Avenida Graça Aranha nº 1, Centro, Rio de Janeiro.
Informações: 21 2563-4163 e 2563-4168
Temporada: 23 de março a 28 de abril de 2020, segundas e terças, às 19h.
Ingresso: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia).
Vendas na bilheteria de segunda a sexta das 11h30 às 19h30, sábados, domingos e feriados a partir das 17h ou pelo site https://bileto.sympla.com.br/event/64667/d/83393
Classificação: Não recomendado para menores de 12 anos.
Duração: 60 minutos

16 de março: Dia Mundial do Teatro do Oprimido

O Dia Mundial do Teatro do Oprimido foi instituído em 2006 por praticantes do método, ao redor do mundo, como forma de homenagear o criador do método teatral que mais cresce no planeta. Augusto Boal aniversariava em 16 de março.


A programação, com entrada franca, da atividade “Centro de Teatro do Oprimido de Portas Abertas: Saberes e Práticas” terá Curingas de distintas fases do Centro de Teatro do Oprimido protagonizando rodas de conversa sobre cada momento da instituição, num bate papo descontraído e dialogal durante todo o dia.

 
O objetivo do evento será reunir praticantes do método, apreciadores de teatro e cultura em geral, além estudantes, professores e pesquisadores das áreas de teatro, direito, saúde, pedagogia, filosofia e sociedade.
Serão 12 horas de programação gratuita:
 
10h00 – Roda de conversa “A gênesis do Centro de Teatro do Oprimido: animadores culturais nos CIEPs”, com a presença de dois dos curingas que fundaram a instituição, Claudete Felix e Luiz Vaz.
  
11h00 – Helen Sarapeck e Olivar Bendelak falam sobre o período das experiências durante o “Mandato de veredor de Augusto Boal.” Da criação da técnica do Teatro Legislativo e aprovações de algumas leis por meio desta revolucionária dinâmica teatral.
 
14h00 – Geo Britto se junta a Helen Sarapeck para conversar sobre “Sistematização do processo de Multiplicação” e dos grandes projetos de capacitação que possibilitaram a difusão do método Brasil adentro e mundo afora.
 
17h00 – É a vez de Claudia Simone e Monique Rodrigues abrirem as falas para discorrer sobre os laboratórios de especificidades e do Laboratório Magdalena que ocasionou o Teatro das Oprimidas, uma revolução dentro do método do Teatro do Oprimido. Ou “A revolução dentro da revolução”, frase de uma das praticantes do método. Monique fala também sobre as “Estratégias de Resistências” de sobrevivência do CTO após a passagem de Boal e do contexto político com avanço da extrema direita.
 
18h00 – Os jovens Curingas oriundos da Maré, Maiara Carvalho, Gabriel Horsth e Eloana Gentil, falam sobre os “Novos Rumos” da instituição. A partir do projeto Teatro do Oprimido na Maré, a instituição passa a ter uma equipe oriunda prioritariamente de grupos populares. Equipe essa composta majoritariamente de mulheres, negrxs e faveladxs.
 
19h00 – Apresentação do novo colegiado. O Centro de Teatro do Oprimido passa a ter uma nova gestão. Dessa vez um colegiado formado por três pessoas negras. Uma revolução na instituição. Gabriel Horsth, bixa, preta, favelada da Maré, Maiara Carvalho, jovem da Maré oriunda do grupo Maré 2012, recém formada em pedagogia, e Eloana Gentil, mulher negra, oriunda de Niterói, recebem de Marcela Fárfan, Geo Britto e Alessandro Conceição o bastão para que a caminhada da instituição siga novos rumos contra as injustiças. Para essa atividade de passagem será feito o jogo do Teatro do Oprimido: Bola, bolhas e balões, com todas as pessoas presentes.
 
19h30 – A partir desse horário as atrações ficam por conta do Grupo de Teatro do Oprimido de Ponto Chic, formado por jovens de Nova Iguaçu, que apresentam a performance “Julga meu cabelo Afro”, abordando o racismo. Além de Ponto Chic o CTO, com integrantes do grupo Marias do Brasil apresenta performance sobre os desrespeitos que a categoria das trabalhadoras domésticas está recebendo da equipe do Governo Federal.
 
20h00 – Lançamento da 9ª edição da Revista Metaxis, publicação do Centro de Teatro do Oprimido que traz reflexões acerca do método. Essa nova edição da Metaxis aborda os dois anos do processo do projeto “Circuito Teatro do Oprimido” que contou com 10 grupos de teatro do oprimido de diferentes temáticas. O projeto contou com o patrocínio da Petrobras, através da Lei de Incentivo a Cultura da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro.
 
20h30 – Lançamento do novo site do Centro de Teatro do Oprimido, totalmente reformulado e com as transformações da instituição nos últimos cinco anos.
 
O evento será encerrado com um Sarau para quem quiser expressar sua verve artística, seja com música, desabafo ou poesia!
 
Sobre o Centro de Teatro do Oprimido
 
Centro de pesquisa e difusão, fundado em 1986, que desenvolve a metodologia do Teatro do Oprimido em laboratórios, seminários de dramaturgia, ambos de caráter permanente, para revisão, experimentação, análise e sistematização de exercícios, jogos e técnicas teatrais. A instituição foi dirigida por Augusto Boal ao longo de seus últimos 23 anos de vida e hoje sua equipe dá prosseguimento ao trabalho. A filosofia e as ações da instituição visam à democratização dos meios de produção cultural, como forma de expansão intelectual de seus participantes, além da propagação do Teatro do Oprimido como meio da ativação e do democrático fortalecimento da cidadania. A instituição implementa projetos que estimulam a participação ativa e protagônica das camadas oprimidas da sociedade, e visam à transformação da realidade a partir do diálogo e de meios estéticos.
 
Atualmente desenvolve o projeto Circuito Teatro d@ Oprimid@, patrocinado pela Petrobrás, com 10 grupos populares coligados ao Centro de Teatro do Oprimido, pautados pela diversidade de abordagens, utilizando a Estética e o Teatro do Oprimido. Ocupando praças, ruas, escolas, teatros, os mais diversos contextos sociais e espaços da cidade com peças teatrais provoca reflexões, revela injustiças e faz ações sociais concretas e continuadas. Além das apresentações públicas, o projeto pedagógico Academia Livre de Estéticas Libertadoras oferecere qualificação de bases sólidas para a produção artística cujo programa contempla palestras e seminários públicos de temas de interesse da sociedade.
 
Serviço
 
Centro do Teatro do Oprimido
Av. Mem de Sá, 31, Lapa, Rio de Janeiro
Data: 16 de março de 2020, das 10h00 até às 22h00
Informações: (21) 2232-5826
ENTRADA FRANCA (INGRESSOS GRÁTIS)