Rapper LIMCE na Casa Santo Amaro

A depressão é um dos principais males do século XXI e um dos maiores desafios da Saúde Pública no Brasil, atingindo quase 6% da população, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Os seus efeitos, causas e consequências na mente humana inspiraram o rapper, poeta e escritor carioca O LIMCE a compor seu novo single, PENSAMENTO É BAGAGEM, com participação de Dketo, que chega às principais plataformas digitas (YouTube, Deezer, Spotify, etc) dia 7 de novembro, quinta-feira, a partir das 20h. No mesmo dia, o clipe da música também será lançado e apresentado pelo artista em um show com músicas do EP “Cavalo de Troia”, na Casa Santo Amaro (Rua Santo Amaro, 316, Glória), com entrada gratuita.

O clipe tem Direção de Fotografia de Daniel Gomes Ferreira e foi gravado no Parque Gatineau, no Canadá, durante uma viagem do artista com sua família. O bucólico cenário canadense repleto de brumas e das características folhas amareladas de outono inspiraram O LIMCE a trazer esse universo para a concepção visual da música.

“Estou buscando informações sobre a mente humana e sobre como ela funciona há muitos anos. A gente sabe que a depressão ainda é uma espécie de incógnita, apesar de ser um problema urgente, e a música se propõe a trazer reflexões sobre como isso se desenvolve na nossa mente”, explica O LIMCE, que também fala sobre a inspiração para o título da canção: “Acredito que quando a gente concebe o pensamento ele já vem em duas formas, uma errada e uma certa, então você precisa decidir: qual é o peso que está levando? Ele pode ser bom e ruim, mas de qualquer forma, precisamos ter essa bagagem para poder nos entender”, diz.

Caracterizadas por fortes críticas sociais, as músicas compostas pelo rapper sempre buscam temas que gerem reflexões. Em “Pensamento é Bagagem”, não é diferente. O refrão, por exemplo, usa a voz mecânica do Google, levantando a questão da Tecnologia e o que ela tem a ver com a depressão.

“Existem, hoje, inúmeros problemas relacionados a essa doença causados pelo uso excessivo da tecnologia, especialmente entre os jovens. É preciso discutir esse fato. Também fiz questão de trazer para o clipe estatísticas de fontes como a Organização Mundial da Saúde (OMS). Como por exemplo a de que existem 11 milhões de brasileiros que sofrem com esse problema”, conta o rapper, cria da Baixada Fluminense, e que já sofreu de depressão há alguns anos.

O LIMCE começou a escrever em 1994 quando ainda trabalhava na Construção Civil e se dedicava somente à família. Durante 20 anos, auxiliou projetos sociais nas ruas de Caxias, o de maior destaque, um abrigo para crianças que o rapper construiu por sua própria iniciativa e com suas próprias mãos, a Casa Lar Viva Rio. Suas principais inspirações no rap nacional são: Racionais MC’s, Criolo e Thaide, este último, responsável por despertar seu interesse pela música ainda nos anos 80.

“Depressão e tristeza são coisas diferentes. A gente começa a pensar demais, vem a ansiedade e isso aos poucos vai tomando outras proporções. Não nos analisamos conscientemente, só inconscientemente, projetando no outro. Por isso, é importante, hoje, trazer questões relacionadas à Saúde Mental à tona. O rap tem o poder de trazer palavras para falar dos marginais e dos marginalizados e também para dar luz a problemas graves como esse, que nem sempre queremos enxergar”, conclui.

SOBRE O LIMCE: O rapper, poeta e escritor O LIMCE – nascido e criado na Baixada Fluminense, em Duque de Caxias – traduz para a linguagem urbana do rap as mazelas sociais, as desigualdades, as inequidades e o retrato de um Brasil injusto, visto e vivido a vida inteira pelo artista. Há mais de 20 anos compondo e escrevendo poesias e textos, O LIMCE usa suas canções como verdadeiras ferramentas de articulação para se expressar e contar um pouco de suas histórias e vivências. Suas composições e beats abordam de um jeito visceral o comportamento humano, além de problemas sociais como o racismo, a violência, a pobreza, a discriminação, entre outros, que o rapper viveu de perto em toda sua vida. Em 2018, o artista lançou seu primeiro livro “Cavalo de Troia” (Editora Autografia, 64 páginas), com uma compilação de 50 trechos de poesias. No mesmo ano, lançou também um EP com seis faixas disponíveis no Spotify e nas principais plataformas digitais, todas as músicas com fragmentos incluídos no livro.

SIGA – O LIMCE:

YouTube: bit.ly/OLimceYouTube

Facebook: facebook.com/olimcerapperx/

Instagram: https://www.instagram.com/olimce/

FICHA TÉCNICA:

Letra e beats: O Limce

Vocais: O Limce e Dketo

Masterização: Valdo Silva

Direção de Fotografia e ID Visual: Daniel Gomes Ferreira

Edição: O Limce

Produção Musical: Tiago Vaz e O Limce

Assistente de Produção: Luiz Carlos Inácio Junior

Redes sociais: Mario Camelo e Tainá Porfírio

SERVIÇO:

“Pensamento é Bagagem”

– Lançamento do clipe e single com show do rapper O LIMCE

Data: 7 de novembro de 2019, quinta-feira

Horário: a partir das 19h

Local: Casa Santo Amaro

Endereço: Rua Santo Amaro, 316, Glória.

Grátis. 14 anos.

Capacidade: 120 pessoas

Anúncios

Grupo Galocantô no Parque de Madureira

Neste sábado, feriado de 2 de novembro, a partir da15h, tem edição especial do Projeto Criolice na Arena Fernando Torres, no Parque de Madureira. O evento vai receber o Grupo Galocantô que está estourado em todas as rádios do Brasil com o sucesso “Vara de Família”. Nascido na Lapa, no ano 2000, o grupo já lançou três CDs e um DVD.

No repertório, sucessos como ‘A Caixa’, ‘Pão que Alimenta’, ‘Sempre Acesa’ e ‘Minhas Preces’. Além de sambas clássicos de outros artistas como ‘Alma Boêmia’ (Paulinho Resende e Toninho Geraes), ‘Lama nas Ruas’ (Almir Guineto e Zeca Pagodinho), ‘Se Eu For Falar de Tristeza’ (Beto Gago e Zeca Pagodinho), ‘Fogo de Saudade’ (Adilson Victor e Sombrinha), entre outros. O ingresso está sendo vendido a preço popular. R$10, na bilheteria da Arena Fernando Torres que fica na  Rua Bernardino de Andrade, 200- Madureira. Mais informações com os organizadores do evento: Vander Araújo(21-96491-0091); Dayvison Gomes(21-97006-6964 e Rose Maciel(21-96426-9329. A classificação da festa  é livre.

Considerada pela critica especializada como a maior roda de samba de raiz do Rio de Janeiro , o Projeto Criolice acontece todo terceiro domingo de cada mês com  uma super Roda de Samba com os melhores músicos da cidade, Feira Afro, Feira Gastronômica  e Parquinho com monitores especializados para maior segurança das crianças que vão acompanhadas dos pais para curtirem o evento.

Sobre o Galocantô:

O grupo surgiu no final da década de 1990, quando as rodas de samba eram cada vez mais raras de se encontrar pela cidade, com exceção de alguns focos de resistência no subúrbio. Foi numa Lapa deserta de público e repleta de histórias, que um despretensioso movimento de sambas na rua daria início à revitalização do bairro, e viria a torná-lo, mais uma vez, palco para uma nova geração de sambistas.
Com o comando de Ivan Milanês(In Memorian), baluarte da Velha Guarda do Império Serrano, iniciou-se uma série de encontros semanais que aconteciam na Rua Joaquim Silva, embaixo dos Arcos da Lapa, um dos principais cartões postais da cidade. Em pouco tempo, aquele encontro de toda quinta-feira começou a ganhar prestígio e a ser frequentado por gente importante como Luiz Carlos da Vila, Beth Carvalho, Claudio Camunguelo, Bandeira Brasil, Renatinho Partideiro, Zé Luiz do Império Serrano e Diogo Nogueira – ainda como um ilustre anônimo -, entre outros.

Foi nesse contexto que ocorreu a primeira formação do grupo, àquela ocasião batizada como nome de um clássico do poeta Luiz Carlos da Vila: Além da Razão. Somente em meados do ano 2000, uma referência bastante utilizada na música popular brasileira, especialmente no samba, inspiraria o grupo a encontrar seu batismo definitivo.

Passadas algumas formações e depois de se apresentar nas mais importantes casas de show e redutos de samba do Rio, hoje o Galo cisca pelos terreiros do Brasil afora com canções que marcam sua carreira, frutos de uma discografia de três CDs e um DVD – todos independentes – ao longo desses anos. No repertório dos shows, a mistura de músicas de seu trabalho autoral com clássicos dos mestres que os influenciaram, preserva a tradição do ensinamento oratório no samba.

O grupo hoje é formado por Leo Costinha – surdo e voz, Lula Matos – tantan e voz, Marcelo Correia – violão e voz, Jorge André – percussão e voz, e voz e Leandro Diaz – cavaco e voz.

Pablo Amaral e Edson Côrtes, na memória.

O local do evento:

A Arena Fernando Torres é toda   estruturada, aconchegante, espaçosa, coberta e de fácil acesso para que vem dos quatros cantos da cidade, com farto transporte público na região. A Arena ao lado da entrada do portão 4, do Parque de Madureira próximo ao viaduto de Rocha Miranda.

Os músicos que integram a roda de samba do Projeto Criolice , é de primeira linha: Arifan Júnior,Marquinhos Lima,Alessandro Cardozo,Carlinhos 7 Cordas, Binho Pique Novo, Beloba, Makley Mattos, Maryzelia,Alex Almeida, Bruno Gama e  Dirceu Leite.

Essas feras partem para o resgate de Paulinho da Viola, Nei Lopes, Monarco, Candeia, Aniceto, Luiz Carlos da Vila, Cartola, Guilherme de Brito, Nelson Cavaquinho, entre tantos outros. Sem falar no pout-pourri com canções de domínio público e outras tantas pinçadas dos terreiros de umbanda, candomblé e jongo.

O clima do Projeto Criolice ganhou notoriedade nas edições que foram realizadas entre as ruas K e L do Ponto Chic, em Padre Miguel. O evento é organizado por Rose Maciel, Vander Araújo e Dayvison Gomes com a assessoria de imprensa de Enildo do Rosário (Viola).

Serviço:

Projeto Criolice recebe Galocantô e semifinal do Concurso Vozes do Samba.

Data:sábado 2 novembro de 2019.

Horário: 15h

Ingressos a preço popular: R$ 10,00 Reais.

Local: Arena Fernando Torres – Parque de Madureira

Rua Bernardino de Andrade, 200- Madureira.

Horário: 15h até 22h.

Classificação: Livre.

Não temos reservas de mesas e nem cobramos por elas, as mesas são das pessoas que chegarem cedo e pegarem primeiro.

Lista amiga: https://www.facebook.com/events/501668517080376/

Parquinho grátis

No bar aceitamos cartões

 Informações/whatsApp: (21) 96426-9329 – Rose Maciel

Nossos contatos:

 Site: www.criolice.com.br

Email: criolice@bol.com.br

Telefones: 21 96426932921 964910091

No Facebook:

Fanpage: Projeto Criolice

Grupo: Projeto Criolice

Perfil: Toca do Criolice de Padre Miguel

Canal Youtube: Projeto Criolice

Instagram: projetocrioliceoficial

Twitter: @projetocriolice

Google+: Projeto Criolice

Organização: Rose Maciel/ Vander Araújo/ Dayvison Gomes/ Enildo Rosário (Viola)

Os Trovadores do Miocádio no Manouche

Essa é para quem é apaixonado por literatura e rock’n’roll. Os Trovadores do Miocádio fazem noite dedicada à Patti Smith – antecipando reverências à sua vinda ao Brasil em novembro quando sobe ao palco do Festival Popload –, com o espetáculo “Digressões e Memórias Afetivas de Patti Smithno dia 01 de novembro, sexta, no Clube Manouche. E é também noite de lançamento de dois de seus livros pela Companhia das Letras.

Os Trovadores do Miocárdio é um coletivo formado por poetas, escritores e performers que vem atuando desde 2012 em Viradas Cultuais, apresentações em unidades do Sesc de São Paulo, Festivais de Literatura e faz há mais de 5 anos residência artística mensal na casa de eventos A Balsa, no centro de São Paulo. Nessa jornada de mais de sete anos se apresentando, os Trovadores já prestaram homenagens a poetas que vão além da escrita, como Leonard Cohen, Nick Cave, Paulo Leminski e agora a poeta e escritora norte americana Patti Smith.

Com Carolina Borelli, Adelita Ahmad, Ian Uviedo e Bibiana Graeff e direção artística e roteiro Eduardo Beu, Os Trovadores recebem a participação do escritor e performer Fausto Fawcett, que além de declamar poemas da Patti Smith fará uma narrativa pontuando a fase beatnik punk da escritora, na época que ela morava em Nova Iorque, trazendo devaneios de suas influências xamânicas e de seus escritores e artistas preferidos. Também participará com um texto autoral e declamando prosa poética da Patti Smith a escritora e roteirista carioca Paula Gicovate.  No cruzamento disso tudo, projeções e a voz da Patti Smith declamando poemas de seus poetas preferidos.

E mais. Revisitam as memórias e divagações poéticas em torno de seus livros “Só Garotos“, “Linha M”, e dos novos “Devoção” e “O Ano do Macaco” – que terão lançamento nesta mesma noite pela editora Companhia das Letras, além de vendas de ingressos com desconto para o Festival Popload.

Nessas intersecções veremos homenagens da Patti Smith aos amores de sua vida. Do fotógrafo Robert Mapplethorpe, ao escritor Sam Shepard e ao guitarrista Fred “Sonic” Smith. Além de suas admirações pelo escritor Roberto Bolaño, Jean Genet, Fernando Pessoa e outros ícones das artes que inspiraram sua escrita.

Serão lançadas duas obras inéditas suas no Brasil. O primeiro “O Ano do Macaco”, seu mais recente livro, apresenta ao leitor um relato sobre o ano de 2016. Na ocasião, seu país viu acontecer à ascensão e eleição de Donald Trump. Para além de sua imersão neste tópico, foi neste período em que Patti completou 70 anos de idade, precisou lidar com a perda de amigos próximos e decidiu embarcar em uma longa turnê de 12 meses.

O segundo livro, “Devoção”, já circula lá nos EUA há algum tempo. Nele, a artista discorre por meio de uma reflexão íntima sobre seu processo criativo, partindo em busca de respostas para perguntas como por que escrevemos, de onde vêm as ideias que constituem uma história ou mesmo como funcionam as engrenagens da literatura.

Precursora do punk, a cantora é a autora de “Horses”, um dos discos mais emblemáticos do rock dos anos 70 e que, de acordo com a revista Rolling Stone, é um dos maiores álbuns de todos os tempos. Patti nasceu em 1946 em Chicago, Estados Unidos e, antes de completar 21 anos, mudou-se para Nova York, onde conheceu Robert Mapplethorpe, seu companheiro e amigo de muitos anos. Gravou uma série de discos e publicou livros de poesia como “Babel” (1978) e “Auguries of Innocence” (2005). Em 1973, Patti expôs seus primeiros desenhos. Em 2008, a Fundação Cartier de Paris fez uma grande mostra com fotografias, instalações e desenhos da artista. Dela, a Companhia das Letras já publicou “Só garotos’e “Linha M”.

Serviço

EventoTrovadores do Miocárdio com o espetáculo “Digressões e Memórias Afetivas de Patti Smith” e lançamento de dois da cantora

Local: Clube Manouche/Casa Camolese (Rua Jardim Botânico, 983, Jardim Botânico, Tel: 3514-8200)

Data e horário: 01 de novembro, terça, 21h

Ingressos: R$ 60,00 (inteira), R$ 40,00 (ingresso solidário: com 1 kg de alimento não perecível) e R$ 30,00 (meia) https://manouche.byinti.com

Classificação: 18 anos

Estacionamento no local (tarifado)

Rosa Neon e Biltre dividem noite no Galpão Ladeira das Artes

Cosme Velho recebe no feriado de 02/11 (sábado) uma noite misturando música brasileira e indie pop com Rosa Neon e Biltre. O evento no Galpão Ladeira das Artes começa às 18h e os ingressos variam entre R$ 20 e R$ 40.

 

Formada por Luiz Gabriel Lopes, Marcelo Tofani, Mariana Cavanellas e Marina Sena, a Rosa Neon é o retrato mais contemporâneo da música de Minas. Trazendo uma roupagem nova para o pop nacional, o quarteto apresentará as canções do seu álbum homônimo, com o qual estão em turnê nacional.

 

“A gente já é fã do Biltre tem uma cara. Vejo entre nós uma conexão massa, na abordagem da música pop, da estética de produção, das referências… Daí esse encontro no palco vai ser a materialização desse diálogo que já existe, uma alegria imensa”, conta Luiz Gabriel Lopes.

 

Seja incorporando o cancioneiro popular do norte do Brasil em “Piranha” (uma releitura do clássico de Alípio Martins); fazendo uma crônica das frustrações de um músico em “Pissaicou”; criando uma comédia de erros num cenário praieiro em “Bagana”; ou simplesmente traduzindo o romance moderno em “Nosso amor foi um GIF”, a Biltre mescla duas de suas maiores forças: um lado lírico entre o deboche e a sinceridade escancarada, embalado por melodias rasgadas e dançantes.

 

Os músicos apresentarão faixas como as recentes “Vamos gozar” (parceria com Letrux), “Lara” (com Tuyo) e “Aceitar” (gravada com Lenine e Lucas Estrela) e recordam hits da sua discografia. A banda sobe ao palco com Arthur Ferreira, Diogo Furieri, Vicente Coelho e Claudio Serrano.

 

“Esse show é um momento especial para nós, porque o Rosa Neon é o novo chiclete do bom! Temos uma relação muito top com BH, graças a parcerias que fizemos desde o início do rolê. Há um clima parecido de se amar no som dessas bandas Biltre e Rosa. Um ato artístico político do micro, que quer estourar a bolha por dentro dela mesmo, pelo amor, pelo deboche, pela vontade de estar junto e percolar. Querer se amar nos tempos de hoje é uma revolução possível!”, reflete Vicente Coelho, da Biltre.

 

Com produção da MangoLab e OCerco, o evento contará com DJ sets de Dudu Jardim e Bruno Eppinghaus. O Galpão Ladeira das Artes é um verdadeiro centro de ideias, movimentos artísticos e culturais, onde a experimentação e a criatividade são base para todas as atividades. O espaço fica localizado na Rua Conselheiro Lampreia, 225, no Cosme Velho, na Zona Sul do Rio.

 

Serviço

Rosa Neon e Biltre

Data: 02/11/2019 (sábado)

Horário: de 18h a 23h

Local: Galpão Ladeira das Artes

Endereço: Rua Conselheiro Lampreia, 225 – Cosme Velho – Rio de Janeiro/RJ

Ingressos: R$ 20 (primeiro lote); R$ 30 (segundo lote); R$ 40 (na porta)

Classificação: Livre

 

Sábado, Prelúdio 21 convida Scherzo Trio no CCJF

Neste próximo sábado, dia 26, às 15h, a série de concertos gratuitos promovidos pelo grupo de compositores Prelúdio 21 terá como convidado o Scherzo Trio. Subirão ao palco do Centro Cultural Justiça Federal, na Cinelândia, Erick Soares (flauta), Jessé Máximo Pereira (viola), Ingrid Barancoski (piano), apresentando, no programa, obras dos compositores do grupo carioca. Atualmente, o Prelúdio 21 é formado pelos compositores Alexandre Schubert, Caio Senna, J. Orlando Alves, Marcos Lucas, Neder Nassaro e Pauxy Gentil-Nunes.

Prelúdio 21

Sete compositores se reuniram em 1998 com o intuito de divulgar sua música e a música erudita contemporânea em geral, através da organização de recitais e de palestras abertas ao público com compositores brasileiros e estrangeiros para apresentarem seus trabalhos, visando o intercâmbio de experiências. De lá pra cá, o grupo amadureceu e se estabeleceu como um dos mais importantes grupos de música contemporânea do país, virando referência internacional. Desde 2008, o Prelúdio 21 realiza sua série de concertos no Teatro do Centro Cultural Justiça Federal, com uma média de público de 70 pessoas por concerto, com um total de mais de 600 espectadores por temporada. A série se estabeleceu como a mais importante da música contemporânea brasileira. Neste ano, a série terá ainda outros oito concertos, sempre no último sábado de cada mês, às 15h, até novembro. Em dezembro, o concerto de encerramento será no segundo sábado do mês, dia 10.

A série se destaca como a única permanente de música contemporânea na cidade do rio de janeiro, e vem sendo considerada uma das mais importantes do Brasil. O grupo já foi objeto de artigo na revista científica “Hodie” (“Grupo Prelúdio 21 – Uma Perspectiva”) que estuda justamente sua série que acontece há 8 anos ininterruptos no Centro Cultural Justiça Federal. Em 2012, o grupo foi indicado ao Grammy Latino com o seu CD “Prelúdio 21 – Quartetos de Cordas”, na categoria “Melhor Álbum de Música Clássica”.

O grupo segue sua trajetória com importantes resultados já apresentados como temporadas com mais de 1000 espectadores e concertos em espaços como o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, a Sala Cecília Meireles e Oi futuro, além da já consagrada série no Centro Cultural Justiça Federal.

Serviço:

26 de outubro, sábado  – Prelúdio 21 convida o Scherzo Trio

Horário: 15h

Centro Cultural Justiça Federal – Teatro

Av. Rio Branco, 241 – Centro

Tel. (21) 3261-2550

Entrada Franca – Distribuição de senhas meia-hora antes

Classificação Livre

Programa:

Caio Senna – “Gorot”

piano solo

Pauxy Gentil-Nunes – “Ermo”

flauta e eletrônica – participação Pauxy Gentil-Nunes (eletrônica)

Neder Nassaro – “Tempo Aberto”

viola e eletrônica – participação Neder Nassaro (eletrônica)

Alexandre Schubert – “Prisma”

flauta, viola e piano

J. Orlando Alves – “Intermitências IV”

flauta, viola e piano

Marcos Lucas – “Três Lendas Brasileiras”

flauta, viola e piano

Intérpretes: Scherzo Trio – Erick Soares (flauta), Jessé Máximo Pereira (viola), Ingrid Barancoski (piano)

MPB4 e Gisbranco no Teatro Rival Petrobras

O grupo MPB4 se une ao duo Gisbranco para tocar e cantar a obra da parceria de Milton Nascimento e Fernando Brant em show inédito. Formado por Aquiles, Miltinho, Dalmo e Paulinho Pauleira, o MPB4 se apresenta com as pianistas Bianca Gismonti e Claudia Castelo Branco no Teatro Rival Petrobras, às 19h30 do dia 24 de outubro.  

Em seus 54 anos de carreira, o MPB4 gravou inúmeras canções de importantes compositores brasileiros, como Chico Buarque, Paulo César Pinheiro, João Bosco e tantos outros. Um dos que mais tiveram suas canções registradas nas vozes do grupo está Milton Nascimento. Ao lado de parceiros como Fernando Brant, Wagner Tiso, Ronaldo Bastos e Márcio Borges, Milton esteve presente com suas canções ou com sua voz em parte da discografia do MPB4, culminando com o CD “Encontro Marcado”, lançado em 1993, que trazia uma coletânea das canções gravadas pelo grupo e outras originais.

 

Agora o grupo volta a homenagear Milton, juntando suas vozes os pianos do Gisbranco, que tem três 3 CDs e um DVD lançados.

 

No repertório desse grande show, estarão clássicos de Milton e Brant, como “Travessia”, “Milagres dos Peixes”, “Encontros e Despedidas” e “Canção da América”. Será um belo encontro de vozes, instrumentos e canções!

Serviço

Teatro Rival Petrobras – Rua Álvaro Alvim, 33/37 – Centro/Cinelândia – Rio de Janeiro. Data: 24 de outubro (quinta-feira). Horário: 19h30. Abertura da casa: 18h. Ingressos: R$80,00 (inteira) R$60,00 (promoção para os 100 primeiros pagantes) R$40,00 (lista amiga). Venda antecipada pela Eventim – http://bit.ly/TeatroRival_Ingressos2GIaEKp Bilheteria: Terça a Sexta das 13h às 21h | Sábados e Feriados das 16h às 22h Censura: 18 anos. www.rivalpetrobras.com.brInformações: (21) 2240-9796. Capacidade: 350 pessoas. Metrô/VLT: Estação Cinelândia.

 

*Meia entrada: Estudante, Idosos, Professores da Rede Pública, Funcionários da Petrobras, Clientes com Cartão Petrobras e Assinantes O Globo

Repertórios de Pearl Jam e David Bowie no Smoke Lounge

Após o lançamento de seu primeiro EP, “O Meu Sonho Eu Não Controlo”, a banda 335 se consolida como um dos nomes a se prestar atenção na cena do Rio de Janeiro. Mesclando a potência do rock alternativo à versatilidade da música brasileira, o quarteto explorará suas referências ao revisitar o repertório do Pearl Jam em uma noite especial no Smoke Lounge no dia 24/10 (quinta-feira). A programação contará também com a banda Machine homenageando David Bowie. As apresentações começam às 20h e os ingressos custam R$ 15.

 

Guitarras distorcidas, a bateria pulsante e um vocal rasgado dão forma às canções da 335. No palco, a performance de Lucas Rangel e dos irmãos Lucas, Daniel e Davi Vale vai da atmosfera climática criada pela psicodelia à potência do rock, rendendo uma apresentação enérgica e instigante do início ao fim. No repertório desse show, em especial, vai reverenciar o Pearl Jam, banda ícone do grunge noventista e que foi uma das inspirações para o quarteto.

 

Ao explorar a liberdade criativa desenvolvida pela audição de ícones como Jorge Ben e Tom Zé, a 335 transpôs para o seu DNA roqueiro a vontade de ir além. Das múltiplas camadas sonoras, surge um lado lírico único e pessoal.

 

Completa a noite a banda Machine, tocando hits e b-sides de David Bowie com seu som inspirado nas décadas de 70 e 80. Eles sobem ao palco com Tita Garcia (vocal/violão) , Nani Dias (guitarra), André Carneiro (baixo) e Kadu Menezes (bateria).

 

O Smoke Lounge é o maior headshop do Brasil e fica localizado no coração da Tijuca, um espaço totalmente dedicado à cultura alternativa na Zona Norte do Rio.

 

Serviço

335 e Machine

Data: 24/10/2019 (quinta-feira)

Horário: 20h

Local: Smoke Lounge

Endereço: Rua Ibituruna, 08 – Tijuca – Rio de Janeiro/RJ

Ingressos: R$15

Classificação: 18 anos