Concerto gratuito com tubista David Zambon

O tubista David Zambon, Diretor do Conservatório de Música, Dança e Teatro Marcel Dupré em Meudon, cidade a 40 minutos de Paris, faz concerto gratuito no dia 27 de agosto, na Aliança Francesa, acompanhado dos músicos brasileiros Marcia Fukuda Uhlemann, violino, Pierre Marie Villard, flauta, e Henrique Simões, piano.

A apresentação encerra o Projeto de Residência Artística do qual o músico francês participa a convite da Aliança Francesa, a partir do dia 17 de agosto, que inclui várias master-classes gratuitas em conservatórios e teatros, como o auditório Ibirapuera e a Sala do Conservatório do Paço das Artes.

O músico chegará antes ao Brasil para apresentações com o seu grupo, o  Trio Innova, com repertório focado no compositor Astor Piazzolla. https://www.youtube.com/watch?v=7gKTG4mpO7s .

David Zambon é professor de tuba no CRR em Versalhes e é frequentemente convidado para dar master-classes na Europa e na Ásia. Paralelamente, ele dirige a orquestra Marcel Dupré e a orquestra do Grand Dauphin, acompanhando solistas como Roland Daugareil Nora Cismondi Michel Moragues, Philippe Muller, Michel Michalalkakos Shigeru Ikushima ou Pierre Pincemaille. Toca exclusivamente as tubas Meinl-Weston de Wenzel Meinl, Germania: tuba Melton / Meinl-Weston F-Tuba Modelo 45SLP e tuba Melton / Meinl-Weston Tuba Modelo CC-2145.

Concerto com David Zambon

David Zambon – tuba

Marcia Fukuda Uhlemann – violino

Pierre Marie Villard – flauta

Henrique Simões – piano

Programa *

Schumann

Adagio e allegro, para tuba e piano, op 70

Louise Farrenc

Trio, para flauta, tuba e piano, op 45

Mendelsohnn

Trio em ré menor, op 49 , para violino, tuba e piano (primeiro movimento)

* Sujeito a alterações

Data: dia 27 de agosto – segunda-feira

Horário: 20h

Duração: 75min

Entrada gratuita – retirada de ingressos na bilheteria do Teatro 1h antes do início da apresentação. Serão distribuídos somente 2 ingressos por pessoa

Teatro Aliança Francesa

Rua General Jardim, 182 (prox. Metrô República)

226 lugares + 4 PNE

Telefone 11 3572.2379

www.teatroaliancafrancesa.com.br

Sobre David Zambon

David Zambon iniciou seus estudos musicais no Conservatório Nacional de Nice. Em seguida, ingressa na aula de tuba de seu pai, Bruno Zambon, e acompanha as master classes de Roger Bobo e Melvin Culbertson com quem se aperfeiçoa antes de entrar no Conservatório Nacional de Música e Dança de Paris na turma de tuba de Fernand Lelong e na aula de Improvisação Generativa de Alain Savouret e Rainer Boesh, quando ganha o primeiro prêmio de tuba. Bolsista do programa Mecenato Musical Société Générale, ele trabalhou com Jean Moullière, fundador do quarteto de cordas Vianova, e Gilbert Audin, principal fagotista da Ópera de Paris, e recebe o Certificado de Aptidão para uma pesquisa dedicada a implicações fisiológicas na prática instrumental da tuba.

Em 1998, ele ganhou a competição “Avant-Scène” em Paris. Em agosto de 2000, ele recebeu o 2º prêmio no Concurso Internacional Cheju, na Coréia, e também o Prêmio Especial do Júri. Em setembro de 2000, ele ganhou o segundo prêmio no Concurso Internacional em Brno, República Checa.

Seja em sonata ou com orquestra, David Zambon se apresenta regularmente em recitais na França (Festival d’Automne em Paris, Festival de Langoiran, Radio France Musicora, Festival Novos Talentos em Villers sur Mer, Festival de Música Sacra em Nice, as noites de Verão, a Nice Festival Academy…) e no exterior (Banff Center for the Arts Festival, Europaïscher Musikmonat, College Royal de Manchester, Festival Piazzolla de Castelfilardo, The Kagoshima tuba festival, Sounding Jerusalem…).

Como solista, interpreta o concerto para tuba e orquestra de John Williams com a orquestra sinfônica da Guarda Republicana sob a direção de François Boulanger e com a orquestra da Ópera de Nice sob a direção de Sergio Monterisi, o concerto Ralph Vaughan William com a orquestra Provence Alpes Côte d’Azur dirigida por Philippe Bender, o concerto para trombone de Christian Gouinguené que fez a composição para tuba sob direção do compositor, o concerto para tuba de Edward Gregson com a orquestra de metais de Paris  sob a direção de Pierre Gillet, “Quatro Temperamentos”, de Michael Brand com a orquestra “Giuseppe Verdi”, sob a direção Lorenzo Pusceddu ou o concerto para violino em lá menor de Jean Sébastien Bach em que fez o arranjo e o concerto duplo para violino com Melvin Culbertson na transcrição de Stéphane Martelli.

Muito ligado no desenvolvimento do repertório para tuba, ele trabalhou com compositores como Butterfield, Kurtag ou Komulainen. Ele também cria “The Spurt of Blood” de Andrew Toovey (Canadá, agosto de 1998), “Burger Time ou As Tentações de Santo Antão” (Suíça, novembro de 2001) por Mauro Lanza, “movimento forçado e Free Style” (França , Novembro de 2002) de Mico Nissim e, en 2008, o compositor Luke Marty dedicou a David seu concerto para tuba e orquestra.

Depois de gravar um recital ao vivo para o canal Mezzo, David Zambon grava seu primeiro disco em 2002,  sempre ao vivo, durante um concerto na Maison de Radio France (France Musique-AFAA) com o pianista Patrick Zygmanowski. Segue um segundo disco da série “Jovens Solistas” (produção Fundação Meyer-CNSM de Paris) em 2003. David Zambon, em seguida, participou da gravação do álbum da cantora Vermeulen “Petit Pépé” e gravou o CD “Riquet à la houppe – L’imparfait “, em 2009.

Diretor do Conservatório de Música, Dança e Teatro Marcel Dupré em Meudon, David Zambon é professor de tuba no CRR em Versalhes e é frequentemente convidado para dar master-classes na Europa e na Ásia. Paralelamente, ele dirige a orquestra Marcel Dupré e a orquestra do Grand Dauphin, acompanhando solistas como Roland Daugareil Nora Cismondi Michel Moragues, Philippe Muller, Michel Michalalkakos Shigeru Ikushima ou Pierre Pincemaille.

David Zambon toca exclusivamente as tubas Meinl-Weston de Wenzel Meinl, Germania : tuba Melton / Meinl-Weston F-Tuba Modelo 45SLP e tuba Melton / Meinl-Weston Tuba Modelo CC-2145.

 

SOBRE O TEATRO ALIANÇA FRANCESA

Desde sua criação, em 1964, o Teatro Aliança Francesa destacou-se como um espaço de encontros intelectuais e artísticos entre a França e o Brasil. Ao longo dos anos, importantes nomes da dramaturgia brasileira se apresentaram e foram revelados, como Marília Pêra e Gianfrancesco Guarnieri. Além disso, o espaço já acolheu textos de grandes escritores franceses, como Eugène Ionesco e Molière, e possibilitou residências artísticas, como a do Grupo Tapa, por mais de uma década.

SOBRE A TICKET, GRUPO EDENRED

Presente no Brasil desde 1976, a Ticket conquistou a liderança histórica do setor de refeição-convênio, com o Ticket Restaurante, primeiro benefício brasileiro de alimentação ao trabalhador no Brasil e que nasceu no mesmo ano que o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT), do Ministério do Trabalho. Nestes 41 anos no País, a empresa é quem possui a maior rede de adquirentes atualmente no mercado (Rede, Cielo, Getnet, PagSeguro, Elavon e Stone) e ampliou seu leque de atuação, com o lançamento de produtos e serviços inovadores e pioneiros nos segmentos de alimentação, transporte, cultura e premiação. Com abrangência nacional, são mais de 70 mil empresas clientes, mais de 5 milhões de usuários e mais de 320 mil estabelecimentos credenciados. A Ticket é parte do Grupo Edenred, líder mundial em soluções transacionais para empresas, empregados e comerciantes.

Lei Federal de Incentivo à Cultura
Patrocínio Premium: Edenred/Ticket
Patrocínio: Société Générale, BNP Paribas
Apoio: Tereos, Livraria Francesa
Parceria: Air France, TV5Monde, ClubMed
Realização: Aliança Francesa de São Paulo, Ministério da Cultura – Governo Federal

Paulo Mutti faz show “Quietude”

Em 24 de julho (terça-feira), a Audio Rebel apresenta o show “Quietude”, de Paulo Mutti. Na ocasião, o músico toca o repertório do disco de mesmo nome, transitando por diversos gêneros e estilos que fazem parte da canção popular brasileira, mas com abordagem jazzística e instrumental. Ingressos a 20 reais.

 

Paulo Mutti traz ao Rio de Janeiro o show autoral, apresentando temas do primeiro álbum e também canções que o acompanham desde a infância ainda em Santo Amaro da Purificação, cidade do recôncavo baiano. O disco “Quietude” mostra o dom da improvisação e a espontaneidade criativa do artista e da banda. Os diversos gêneros e estilos que se espalham a cada faixa fazem parte de uma bonita homenagem de Mutti à música popular brasileira. A banda conta com músicos cariocas e baianos: do Rio de Janeiro, Kassin no baixo e Joana Queiroz no clarinete e clarone; de Salvador, Ivan Huol na bateria e Orlando Costa na percussão.

 

Além de se expressar por meio da guitarra, Paulo Mutti mostra seu lado de compositor em “Samba é Sacerdócio”, parceria com o poeta Gileno Felix que foi gravada por Aiace com participação de Luiz Melodia. O show também tem canções como “Dans mon île” (Caetano Veloso) e “Deusa do amor” (Adailton Poesia e Valter Farias), que ganham novas cores e texturas. A sonoridade do recôncavo também se faz presente em uma mistura de samba de roda, chula e jazz em citações como “Refavela” (Gilberto Gil) e “Reconvexo” (Caetano Veloso), deixando claro que música instrumental também se dança. Para desfilar esse repertório variado, Paulo Mutti recebe os convidados especiais Illy e Paulo Costta.

 

Berço de diversos artistas independentes, a Audio Rebel é uma casa de shows localizada na Zona Sul do Rio. O local reúne artistas internacionais e nacionais de diversos gêneros, organizando ensaios e gravando discos de cantores independentes. Além disso, lá também funciona uma loja de instrumentos musicais e uma oficina de luthieria (confecção de instrumento de cordas). O espaço fica na Rua Visconde de Silva, 55, em Botafogo.

 

Serviço

Paulo Mutti

Data: 24/07/2018 (terça-feira)

Horário: 20h

Local: Audio Rebel

Endereço: Rua Visconde de Silva, 55 – Botafogo – Rio de Janeiro/RJ

Ingressos: R$20

Classificação etária: 16 anos

Capacidade da casa: 90 pessoas (lotação máxima)

Forma de pagamento: para o ingresso, apenas dinheiro; no bar, todos os cartões de crédito. Casa equipada com ar condicionado e wi-fi gratuito

Horário de funcionamento da bilheteria: todos os dias, de 13h às 21h

 

Tributo a Emílio Santiago

No próximo dia 19 de julho/2018, 5af as 20h, será apresentado na Sala Municipal Baden Powell (Av. Nossa Senhora de Copacabana 360) o show “TRIBUTO AO EMÍLIO SANTIAGO: 5 Anos de Saudades” com o cantor Aldair Santiago

O Show “TRIBUTO A EMILIO SANTIAGO: 5 Anos de Saudades” é uma homenagem a um dos mais importantes interpretes da música popular brasileira, que nos deixou precocemente, no dia 20 de março 2013, aos 66 anos.

O cantor Aldair Santiago, fã incondicional do cantor Emílio Santiago, apresenta  canções que fazem o publico recordar o talento desse grande intérprete, considerado por todos um dos maiores cantores brasileiros em todos os tempos.

No repertório, pérolas do repertório como “Saigon” (um dos maiores sucessos de Emílio Santiago, de Claudio Cartier, Carlão e Paulo Cesar Feital), “Lembra de Mim” (Ivan Lins e Victor Martins) , “Mulher” (Custódio Mesquita e Sady Cabral), “Flamboyant” (Paulo César Feital e Jota Maranhão), “Trocando em Miúdos” (Chico Buarque e Francis Hime), “Verdade Chinesa” (Gilson e Carlos Colla), “Pelo Amor de Deus” (Paulo Debétio e Paulinho Rezende), “Logo Agora” (Jorge Aragão), “Cadê Juízo” (Gilson e Joran) são alguns dos sucessos que serão lembrados nesse show.

Aldair Santiago será acompanhado por Paulo Camilo na bateria (que tocou por 15 anos com Emílio Santiago), Almir Santiago no baixo, Alcir Alves no teclado e sax.

ALDAIR SANTIAGO

Santiago de nascença, o carioca Aldair desde criança sabia que seria cantor. A paixão pela música o levou a dominar com maestria o contrabaixo, instrumento que lhe proporciona, desde 1985, atuação em diversas bandas e várias apresentações no exterior.

O timbre de voz forte e incomum rendeu desde sempre comparações à voz do renomado intérprete Emílio Santiago de quem, apesar do sobrenome, não é parente – segundo pesquisas feitas por ele mesmo.

Atualmente, é líder da Banda Pérolas na qual atua como contrabaixista e, vez por outra, solta a bela voz para alegria de seus admiradores.

Apresenta também um show-tributo ao (quase) homônimo famoso, seu ídolo, a quem continua frequentemente sendo comparado.

 EMILIO SANTIAGO.

Emílio Santiago nasceu em 1946 na cidade do Rio.

Formou-se em Direito pela Faculdade Nacional de Direito, mas a paixão pela música fez com que ele iniciasse sua carreira participando de diversos festivais de música, sendo vencedor de muitos deles. “Transas de Amor”, seu primeiro compacto, saiu em 1973.

A estreia em um álbum cheio aconteceu dois anos mais tarde. Autointitulado, o trabalho trazia interpretações de canções de nomes como Ivan Lins, Gilberto Gil, Nelson Cavaquinho e Jorge Ben.

Conhecido pelo tom de voz ao mesmo tempo grave e suave, o cantor apresentou diferentes gêneros durante sua carreira, mas esteve especialmente voltado para a música romântica, a MPB e o samba.

Em 1988, lançou “Aquarela Brasileira”, o primeiro disco da série criada por Roberto Menescal e Heleno Oliveira. O álbum trouxe a releitura de 20 clássicos da música brasileira, como “Sampa” (Caetano Veloso), “Anos dourados” (Chico Buarque e Tom Jobim) e “Eu sei que vou te amar” (Tom Jobim e Vinicius de Moraes).

A série “Aquarela Brasileira”, responsável por aumentar consideravelmente sua popularidade no país, teve mais seis volumes, o último deles lançado em 1995.

Um de seus mais importantes trabalhos, “Feito para ouvir”, de 1977, foi reeditado pela Dubas Musica em 2009. Outro relançamento em sua carreira aconteceu em 1989 com “Brasileiríssimas”, seu segundo disco, originalmente de 1976.

Entre seus maiores sucessos estão “Saigon”, “Verdade chinesa”, “Lembra de mim”, “Vai e vem”, “Tudo que se quer” e “Flor de lis”.

Seu último disco saiu em 2012, uma versão ao vivo de “Só danço samba”, de 2010 – que,  por sua vez, foi o primeiro trabalho do selo Santiago Music. O álbum é uma homenagem ao  “rei dos bailes” Ed Lincoln, trazendo canções que fizeram sucesso nos clubes do Rio de Janeiro nos anos 60, além de músicas atuais de artistas como Mart’nália, Jorge Aragão e Dona Ivone Lara. Ao todo, sua discografia conta com 30 álbuns e 4 DVDs.

 

 

 

TRIBUTO A EMILIO SANTIAGO: 5 Anos de Saudades com o cantor Aldair Santiago.

Com os músicos Paulo Camilo (bateria), Almir Santiago (baixo), Alcir Alves (teclado e sax).

Produção: Sonia Monte

Assessoria de Imprensa e Marketing: João Luiz Azevedo

Dia 19/07

Quinta Feira – 19h

Preço dos Ingressos: R$ 25,00 (meia para ​estudantes, jovens até 21 anos e maiores de 60 anos, moradores de Copacabana, portadores do cartão do MetroRio e Assinantes do Jornal O Globo )

Ingressos a venda na bilheteria do teatro ou pelo site da TicketMais em https://ticketmais.com.br/evento/view/28752/tributo-ao-emilio-santiago

Duração: 70 minutos;

Classificação indicativa: Livre

Local: Sala Municipal Baden Powell

Endereço: Av. Nossa Srª de Copacabana, 360 – Copacabana

Capacidade: 469 lugares

Gênero: Show Musical.

Livre para todas as idades

Marlon Sette no Festival Audio Rebel Instrumental

O trombonista Marlon Sette volta a Botafogo para uma apresentação especial no dia 19/07 (quinta-feira), a partir das 20h, como parte da programação do Festival Audio Rebel Instrumental. Os ingressos custam entre R$10 e R$20 e a classificação etária é livre.

 

Com mais de 25 anos de carreira como músico profissional, Marlon Sette é arranjador, produtor musical e trombonista. Em 2018, ele lança “Botando Fogo na Caldeira”, primeiro disco autoral, que teve produção de Kassin e Mauro Araújo e conta com sonoridade própria e se aproxima de trilhas de filmes,  sem deixar de lado o pé forte na música brasileira. A apresentação no festival será um pré-lançamento do disco.

 

Marlon Sette sobe ao palco da Rebel ao lado de instrumentistas de grande renome: Davi Moraes e Pedro Baby (guitarras), Benjão (violão), Alex Meirelles e Donatinho (teclados), Guilherme Lirio e Kassin (baixo), Renato Brasa e Paulo Braga (bateria), Zé Bigorna (saxofone e flauta), Gilson Santos (trompete) e André Siqueira (percussão).

 

O Festival Audio Rebel Instrumental teve início em 2017, com o intuito de promover shows regados ao som do melhor da produção nacional. O evento tem patrocínio do Ministério da Cultura, por meio da Lei de Incentivo à Cultura. A programação já recebeu Idriss Boudrioua, Thiago França, DEDO, bella e cadu, IN-SONE, Chelplexx, God Pussy, Bemônio e Lucas.

 

Um dos locais mais movimentados na noite carioca, a Audio Rebel é a casa de show oficial da música e arte alternativa no Rio. Localizada na Zona Sul, o local reúne artistas internacionais e nacionais de diversos gêneros, organizando ensaios e gravando discos de cantores independentes. Por lá também funciona uma loja de instrumentos musicais e uma oficina de luthieria (confecção de instrumento de cordas). O espaço fica na Rua Visconde de Silva, 55, em Botafogo.

 

Serviço

Festival Audio Rebel Instrumental com Marlon Sette

Data: 19/07/2018 (quinta-feira)

Horário: 20h

Local: Audio Rebel

Endereço: Rua Visconde de Silva, 55 – Botafogo – Rio de Janeiro/RJ

Classificação etária: Livre

Capacidade da casa: 90 pessoas (lotação máxima)

Forma de pagamento: para o ingresso, apenas dinheiro; no bar, todos os cartões de crédito.

Casa equipada com ar condicionado e wi-fi gratuito

Horário de funcionamento da bilheteria: todos os dias, de 13h às 21h

 

Ingressos:

R$20 (inteira)

R$10 (meia)

10% da entrada dos shows gratuitos para estudantes da rede pública municipal

 

Lei da Meia-Entrada

>> Estudantes (Lei federal nº12.933 de 01/12/2015) Portadores da carteira CIE – Carteira de Identificação Estudantil. Não serão aceitos boletos bancários, declaração de matrícula e carteirinhas fora do padrão acima.

>> Idosos com idade superior a 60 (sessenta) com documento de identidade.

>> Portadores de necessidades especiais e 1 acompanhante. O documento do beneficiado (Cartão de Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social da pessoa com deficiência, ou documento emitido pelo Instituto Nacional do Seguro Social – INSS), sempre deverá ser acompanhado do documento de identificação.

>> Jovens com com idade entre 15 e 29 anos portadores da carteira de Identidade Jovem, emitida pela Secretaria Nacional de Juventude.

 

Realização: Ministério da Cultura/Lei de Incentivo à Cultura

Produção: Audio Rebel

 

Época de Ouro se apresenta dia 20

O conjunto Época de Ouro foi fundado por Jacob do Bandolim em 1964 e contabiliza, hoje, mais de 40 álbuns gravados. Teve grande importância no movimento de resistência do choro na década de 1960, época em que a bossa nova reinava quase absoluta. Depois do falecimento de Jacob, em 1969, o grupo retomou suas atividades somente em 1973 a convite de Paulinho da Viola, para participar do espetáculo Sarau, no Teatro da Lagoa, RJ. O grupo se apresenta no Teatro Paulo Autran do Sesc Pinheiros dia 20 de julho, sexta-feira, às 21 horas.

Sua formação atual é Antônio Rocha (flauta a e flautim), Ronaldo do Bandolim (bandolim), Jorge Filho (cavaquinho), Toni 7 cordas (violão de 7 cordas), André Bellyeni (violão de 6 cordas) e Celsinho Silva (pandeiro).

Sobre o grupo

Fundado em 1964, por Jacob do Bandolim, o Conjunto Época de Ouro gravou vários discos, entre eles Vibrações, premiado com o melhor disco instrumental de 1967, porém, com o falecimento de Jacob em 13 de agosto de 1969, alguns compromissos foram adiados e até a data 1972 o conjunto não se apresentou.

Retomando as atividades em 1973, a convite de Paulinho da Viola, apresentou-se no espetáculo Sarau, no Teatro da Lagoa e, desta iniciativa, surgiu o Clube do Choro, idealizado por Paulinho da Viola e Sérgio Cabral, e todo um movimento no país em busca de dar maior amplitude ao Choro. Em 1977, produzido por Jorginho do Pandeiro, o conjunto grava o LP Época de Ouro interpreta Pixinguinha e Benedito Lacerda e é premiado como o Melhor Conjunto Instrumental do Ano, pela revista Playboy. Como não poderia deixar de ser feito, em 1987, o conjunto homenageia os 50 anos de carreira do violonista Dino 7 Cordas, gravando o LP Época de Ouro Dino 50 Anos, com participações de Paulinho da Viola e do Maestro Severino Araújo.

Após realizar dois concertos na Alemanha em 1996, o conjunto foi convidado por Marisa Monte, Elba Ramalho, Ivan Lins e Paulinho da Viola para participar das gravações dos seus CDs. O ano de 1998 foi de muita importância para o conjunto com as comemorações do 80º aniversário de Dino 7 Cordas, com shows e muitas homenagens, incluindo apresentações em Portugal. Café Brasil é o título do CD lançado em agosto de 2001, compondo uma mistura aromática do Conjunto Época de Ouro com grandes intérpretes como Marisa Monte, Paulinho da Viola, João Bosco, Matinho da Vila e Leila Pinheiro.

No ano seguinte, o conjunto Época de Ouro realizou dois concertos em Tóquio no lançamento do CD Café Brasil, lotando o teatro de 1.500 lugares nas duas noites. Retornando ao Brasil para uma turnê nacional, agora incluindo a realização de workshops, o conjunto se dedicou às gravações do Café Brasil 2 – Conjunto Época de Ouro e Convidados (2002) com participações de Nó Em Pingo D´Água, Ivan Lins, Arlindo Cruz e Sombrinha, Elba Ramalho, Sivuca, Lobão, Moska, Zeca Pagodinho, Ney Matogrosso, Beth Carvalho e Moraes Moreira. Este CD também foi lançado no Japão com seis shows em diferentes cidades e sempre com plateias lotadas.

No ano de 2008 o Época participou de dois importantes projetos, o Caixa Cultural, realizando dez shows por vários estados do Brasil, homenageando o seu fundador com o Tributo a Jacob do Bandolim 90 anos e o Circuito SESC de Artes, viajando por oito cidades pelo estado de São Paulo. Em 2009, o conjunto foi homenageado no Festival de Choro Mel, Chorinho e Cachaça em Viçosa do Ceará, pelos seus 45 anos de existência. Feijão com Arroz é o nome do mais recente CD, ainda com a participação dos mestres Dino 7 Cordas e César Faria, produzido por Celsinho Silva e, lançado em maio de 2010, com dois concertos no Sumida Triphony Hall, em Tóquio.

De 2005 a 2016, com a produção de Jorginho do Pandeiro, o Conjunto Época de Ouro manteve no ar, seu próprio programa semanal, ao vivo, com auditório, na Radio Nacional do Rio de Janeiro, com transmissão para vários estados do Brasil e também pela internet. Após o falecimento de Jorginho do Pandeiro, em julho de 2017, o Época de Ouro teve uma reformulação. O pandeiro passou às mãos de Celsinho Silva, filho do mestre, o violão de sete cordas a um dos principais nomes da nova geração do violão brasileiro, João Camarero e as seis cordas a Luiz Flavio Alcofra, professor graduado pela UNIRIO. A flauta de Antônio Rocha, o cavaquinho de Jorge Filho e o bandolim de Ronaldo continuam, com os novos integrantes, a trazer o choro genuíno com as apresentações impecáveis do lendário Época de Ouro de mais de 50 anos de história.

 

SERVIÇO

ÉPOCA DE OURO

Show 100 anos de Jacob do Bandolim

Dia 20 de julho, sexta-feira, às 21 horas

Ingressos: R$ 40,00 (inteira), R$ 20,00 (meia entrada: estudante, servidor de escola pública, + 60 anos, aposentados e pessoas com deficiência) e R$ 12,00 (credencial plena do Sesc – trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes).

Local: Teatro Paulo Autran (1010 lugares).

Classificação: 10 anos

SESC PINHEIROS

Endereço: Rua Paes Leme, 195.

Bilheteria: Terça a sábado das 10h às 21h. Domingos e feriados das 10 às 18h.

Tel.: 11 3095.9400.

Estacionamento com manobrista: Terça a sexta, das 7h às 21h30; Sábado, das 10h às 21h30; domingo e feriado, das 10h às 18h30. Taxas / veículos e motos: para atividades no Teatro Paulo Autran, preço único: R$ 12 (credencial plena do Sesc) e R$ 18 (não credenciados).

Transporte Público: Metrô Faria Lima – 500m / Estação Pinheiros – 800m

INFORMAÇÕES À IMPRENSA

Arteplural Assessoria de Imprensa (11) 3885-3671

Fernanda Teixeira – (11) 99948-5355

fernanda@artepluralweb.com.br

Diogo Locci – (11) 9.9906-0642

diogo@artepluralweb.com.br

Carlos Gilberto (021) 9.8249-6705

http://www.artepluralweb.com.br

http://www.twitter.com/arteplural

Facebook – Arteplural

Sala Cecilia Meireles recebe lançamento de CD e homenagem a Sergio Roberto de Oliveira

Há um ano, mais precisamente no dia 19 de julho, o compositor e produtor carioca Sergio Roberto de Oliveira faleceu precocemente, aos 46 anos, em decorrência de um câncer no pâncreas, deixando como legado toda uma vida dedicada à música, com indicações ao Grammy Latino, centenas de obras compostas para diferentes formações, seja de câmara ou com orquestra, dezenas de CDs produzidos e lançados através de sua gravadora A Casa Discos. Agora, neste mês de julho, além do lançamento do CD “O piano de Sergio Roberto de Oliveira e Ricardo Tacuchian”, reunindo obras dos compositores tocadas pelas pianistas Miriam Grosman e Ingrid Barancoski, intérpretes e compositores de prestígio se reunirão em dois palcos cariocas para reviver suas composições e realizar uma grande homenagem ao saudoso amigo e profissional.

Dia 19 de julho, quinta-feira

O primeiro espetáculo em sua memória vai acontecer exatamente após um ano de sua partida, dia 19 de julho, quinta-feira, na Sala Cecília Meireles. Uma de suas últimas composições, “Pangea” será apresentada pelo quarteto de clarinetas formado por Cristiano Alves, Igor Carvalho, Thiago Tavares e Tiago Teixeira, que, em seguida, apresentará duas peças de Francisco Mignone (“Valsa Improvisada” e “Valsa-Choro”). Do CD “O Piano de Sergio Roberto de Oliveira e Ricardo Tacuchian”, Miriam Grosman vai interpretar “Brasileiro”, obra de Sergio Roberto de Oliveira escrita para piano solo, e a pianista Ingrid Barancoski apresenta “Le Tombeau de Aleijadinho”, do compositor e maestro Ricardo Tacuchian. Obras de Villani-Côrtes, Jayoleno dos Santos, Raul do Valle, Didier Marc Garin e Alexandre Schubert integram ainda o variado programa. Serão apresentados trechos da ópera “Na Boca do Cão”, escrita por Sergio Roberto de Oliveira já bastante debilitado, trazendo a frente a soprano Gabriela Geluda, com Ricardo Santoro (violoncelo), Leo Sousa (percussão) e Cristiano Alves (clarineta).

            No mesmo dia, haverá o lançamento do CD “Trios Brasileiros”, do T’Rio, formado por Cristiano Alves (clarineta), Fernando Thebaldi (viola), Yuka Shimizu (piano). Juntos, vão tocar peças de Nestor de Hollanda, Liduino Pitombeira e Ricardo Tacuchian. que estão presentes no CD de estreia, também lançamento da A CASA Discos.

Dia 29 de julho, domingo

Com renda revertida para uma instituição de tratamento ao câncer, o palco da Sala Baden Powell receberá, no domingo, 29 de julho, às 15h, o segundo concerto em memória ao compositor tijucano. O violonista Luis Carlos Barbieri abre o programa com “Umas Coisas do Coração”, obra que levou o compositor a ser indicado ao Grammy Latino em 2011. Os gêmeos Paulo e Ricardo Santoro (Duo Santoro) vão tocar “Aos Santos Oro”, escrita por Oliveira e dedicada aos irmãos. O duo formado pelo violonista Marco Lima e pela soprano Doriana Mendes vai interpretar “Canção do Dia de Sempre” e “A Canção que não foi escrita” (sobre poemas de Mário Quintana). No fim, Miriam Grosman apresenta “Brasileiro” e o mesmo quarteto formado por Geluda, Alves, Santoro e Souza encerra o programa com trechos da ópera “Na Boca do Cão”.

SERGIO ROBERTO DE OLIVEIRA

 

Sergio Roberto de Oliveira nasceu no Rio de Janeiro em 1970, falecendo na mesma cidade em 2017, com 47 anos incompletos. Graduado em Composição pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), na classe de Dawid Korenchendler, teve, também uma orientação informal com Guerra Peixe. Sua carreira de compositor foi vertiginosa, principalmente depois que ele fundou um coletivo de compositores, intitulado Prelúdio 21, e que apresentava, mensalmente, uma estreia contemporânea de cada compositor, durante os últimos 10 anos de sua vida. Sua produção cobriu desde peças para instrumentos solistas, conjuntos de câmara, música coral, música sinfônica e ópera. Importantes grupos camerísticos gravaram sua obra como o Quarteto Radamés Gnattali, Quinteto Lorenzo Fernandez, Trio Capitu, Trio Paineiras, Duo Santoro, Duo Bretas-Kevorkian, GNU, entre outros. Sua obra Phoenix, para clarineta e orquestra, foi gravada pelo clarinetista Cristiano Alves, com a Orquestra Sinfônica Nacional, sob a regência do maestro Tobias Volkmann. Sua ópera de câmara, Na Boca do Cão, em parte escrita em seu leito de morte, teve uma vitoriosa temporada no Centro Cultural Banco do Brasil, apresentando a soprano Gabriela Geluda.

Paralelamente à sua carreira de compositor, Sergio Roberto desenvolveu em seu curto período de vida, uma intensa liderança musical, promovendo festivais como a Bienal Música Hoje, proferindo palestras, inclusive no exterior, como nas universidades inglesas e americanas, ensaiando uma digressão no mundo do cinema com a direção do curta Ao Mar, em 2014,  ou criando a música para os filmes A dívida, que teve uma indicação no Festival Internacional de Cinema de Madri, na categoria de Melhor Música para Filme e no Filmmaker Festival of World, em Milão na categoria de trilha sonora. Obteve reconhecimento por seu trabalho com as duas indicações do Grammy Latino, respectivamente em 2011 e 2012, e a posição conquistada de Artist-in-Residence, na Duke University in North Caroline.

Outra audaciosa e vitoriosa realização de Sergio Roberto foi a fundação de A Casa Estúdio, em 1998, que já produziu cerca de 30 CDs dedicados à música brasileira contemporânea. Sua morte foi sentida por toda a comunidade musical brasileira e pela imprensa e várias homenagens foram realizadas em sua memória, na cidade onde nasceu e desenvolveu sua meteórica liderança e arte.

 

SERVIÇOS

 

Dia 19 de julho, quinta-feira – A Música de Sergio Roberto de Oliveira

Local: Sala Cecília Meireles

Horário:  20h

Ingressos: R$40,00 (inteira); R$20,00 (meia entrada)

Rua da Lapa, 47 – Lapa, Rio de Janeiro

Informações:  (21) 2332-9223

Ingressos à venda em breve na bilheteria da Sala Cecília Meireles ou através do site www.ingressorapido.com.br

 

Programa:

 

Sergio Roberto de Oliveira – Pangea

    Cristiano Alves, Igor Carvalho, Tiago Teixeira, Thiago Tavares – clarinetas

Francisco Mignone – Valsa Improvisada

Francisco Mignone – Valsa-Choro

    Tiago Teixeira, clarone

Sergio Roberto de Oliveira – Brasileiro

    Miriam Grosman, piano

Ricardo Tacuchian – Le Tombeau de Aleijadinho

    Ingrid Barancoski, piano

Edmundo Villani-Côrtes – Luz

Jayoleno dos Santos – Sonata

    Cristiano Alves, clarineta

    Tamara Ujakova, piano

Raul do Valle – Sapucaia

    Thiago Vieira, trompete

Alexandre Schubert – Outono

    Thiago Vieira, flugelhorn

    Thalyson Rodrigues, piano

Didier Marc Garin – Da Caccia X

    Abstrai Ensemble

    Pedro Bittencourt – sax-alto; Mariana Salles – viola; 

Liduino Pitombeira – Japan (Full Moon)

Ricardo Tacuchian – Suite das Águas (Da chuva)

Nestor de Holanda – Sábio em Sol (4o movimento)

    T’Rio

    Cristiano Alves – clarineta; Fernando Thebaldi, viola; Yuka Shimizu – piano

Sergio Roberto de Oliveira – Na Boca do Cão (A menina movida a vida)

    Gabriela Geluda, soprano

    Cristiano Alves, clarineta

    Ricardo Santoro, violoncelo

    Leo Sousa, percussão

 

 

29/07, domingo – A música de Sergio Roberto de Oliveira

Local: Sala Municipal Baden Powell

Endereço: Av. N. Sra. de Copacabana, 360

Ingressos: R$ 20,00/ R$10,00

* A renda será revertida para uma instituição de tratamento ao câncer

Horário: 15 horas

Tel: 2547-9147

Classificação indicativa: Livre

Lotação: 500 lugares

 

Programa

 

Luis Carlos Barbieri, violão                                   Umas Coisas do Coração

                                                                                                                                                        

Duo Santoro, violoncelos                                         Aos Santos Oro                                 

 

Duo Marco Lima, violão e                                      Canção do Dia de Sempre     

Doriana Mendes, soprano                                        A Canção que não foi escrita

                                                                                   (sobre poemas de Mário Quintana)              

 

Miriam Grosman, piano                                          Brasileiro   

Gabriela Geluda, soprano                                        A Menina Movida a Vida

Cristiano Alves, clarineta                                         (da Ópera “Na Boca do Cão”)

Ricardo Santoro,violoncelo

Leo Sousa, vibrafone

Negro Leo faz show acústico na Audio Rebel

Um dos grandes nomes da cena experimental nacional, Negro Leo tem testado os limites da MPB. Exemplo disso é o disco “Action Lekking”, lançado no fim de 2017 pelo selo Quintavant e que reproduz no violão as batidas e a contestação de um funk polido. Agora, Negro Leo retorna à Audio Rebel, em Botafogo, no dia 21/07 (sábado), às 22h, com ingressos a R$20.

 

Maranhense radicado em São Paulo, o artista faz um show acústico, de voz e violão. Canções divertidas partem da observação irônica do músico sobre a situação sociopolítica do país. Sétimo disco de Leo, “Action Lekking” é um retrato do Brasil pós-processo de transferência de renda. Para ilustrar essa ideia, o músico utilizar da cultura “lek”, definida pelo mesmo como “a cultura de uma juventude empobrecida que dribla e resiste cada situação com suingue e alegria”.

 

Com uma sonoridade que mistura MPB e tropicalismo, o disco foi gravado em menos de um fim de semana no Red Bull Studio, em São Paulo. O trabalho é resultado de uma carreira que conta com passagens por palcos prestigiados como Cafe Oto (Londres), Counterflows Festival (Glasgow), Festival NRMAL (Cidade do México), Festival Novas Frequências (Rio de Janeiro), Virada Cultural Paulista (São Paulo), entre outros. Além disso, elogiadíssimo pela crítica brasileira e internacional, ele acumula resenhas no Chicago Reader, The New York Times, Sound and Colours Magazine e Herald Scotland. Negro Leo acaba de voltar de um show no Brasil Summerfest, evento que leva a musicalidade brasileira a Nova York, onde dividiu o palco com Xenia França e Tiê.

 

O artista retorna a um dos palcos onde mais se apresentou: a Audio Rebel, casa de shows localizada na Zona Sul do Rio, que reúne nomes da cena nacional e internacional de diversos gêneros. O local também organiza ensaios e grava discos de cantores independentes. Além disso, lá também funciona uma loja de instrumentos musicais e uma oficina de luthieria (confecção de instrumento de cordas). O espaço fica na Rua Visconde de Silva, 55, em Botafogo.

 

Serviço

Negro Leo

Data: 21/07/2018 (sábado)

Horário: 22h

Local: Audio Rebel

Endereço: Rua Visconde de Silva, 55 – Botafogo – Rio de Janeiro/RJ

Ingresso: R$20

Classificação etária: 16 anos

Capacidade da casa: 90 pessoas (lotação máxima)

Forma de pagamento: para o ingresso, apenas dinheiro; no bar, todos os cartões de crédito. Casa equipada com ar condicionado e wi-fi gratuito

Horário de funcionamento da bilheteria: todos os dias, de 13h às 21h