“Bituca – Milton Nascimento para Crianças” no Imperator

Depois de duas bem-sucedidas temporadas na Zona Sul, com sessões lotadas e elogios de público e crítica, o musical infantil Bituca – Milton Nascimento para Crianças chega à Zona Norte, para apresentações no Imperator – Centro Cultural João Nogueira de 04 a 20 de novembro. A peça integra o premiado projeto ‘Grandes Músicos para Pequenos’, idealizado pela Entre Entretenimento com o objetivo de homenagear e preservar a memória de grandes nomes da música popular brasileira. Com texto de Pedro Henrique Lopes, direção de Diego Morais e direção musical de Guilherme Borges, o musical infantil é inspirado na vida e na obra de Milton Nascimento e expõe em cena a ternura e os desafios inerentes ao processo de adoção e as dificuldades de inserção de uma criança negra em um ambiente majoritariamente branco. Esta é a terceira montagem do projeto, que já levou à cena os elogiados espetáculos ‘Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças’ e ‘O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças, vencedores de quatro prêmios CBTIJ. O patrocínio é da Cia. Caminho Aéreo Pão de Açúcar.

Em cena, Udylê Procópio (Milton), Martina Blink (Mãe), Aline Carrocino (Maricota), Anna Paula Black (Mãe Maria), Marina Mota (Professora) e Pedro Henrique Lopes (Salomão) contam a história do pequeno Milton que, ao ficar órfão aos 2 anos de idade, é adotado pelos patrões de sua avó. Chegando a Minas Gerais, o menino precisa lidar com o preconceito da sociedade por seu negro e ter pais brancos. “O musical é um tributo ao Milton Nascimento, então nos inspiramos em passagens da vida dele, mas também criamos momentos ficcionais para debater temas como adoção, bullying e preconceito racial de maneira lúdica”, explica o diretor Diego Morais. “Também fazemos uma grande homenagem à maternidade e à ampliação dos modelos de família”.

Na direção musical de Guilherme Borges, grandes sucessos de Milton Nascimento como “Coração de estudante”, “Travessia”, “Canção da América”, “Canção do sal”, “Um índio”, “Quem sabe isso quer dizer amor” e “Maria Maria” transportam o espectador para esse universo todo especial do músico, que passa pelas belezas de Minas Gerais, rezadeiras, relicários e movimento barroco. “A obra do Milton sempre me encantou desde muito pequeno. Conhecer mais profundamente a história de vida deste gênio me fez querer levar o amor que transborda de suas melodias e letras para crianças de todas as idades”, acrescenta o dramaturgo e ator Pedro Henrique Lopes. “Nossa ideia é criar espetáculos com conteúdos atraentes para as famílias, para aproximar as gerações”. Também fazem parte da equipe criativa Clívia Cohen (cenários e figurinos), Carlos Lafert (iluminação) e Vitor Martinez (visagismo).

Grandes Músicos para Pequenos

 

Bituca – Milton Nascimento para Crianças é o terceiro espetáculo do projeto “Grandes Músicos para Pequenos”, que nasceu em 2013 com o musical Luiz e Nazinha – Luiz Gonzaga para Crianças e seguiu com O Menino das Marchinhas – Braguinha para Crianças, que estreou em 2016 e foi premiado em três categorias pelo CBTIJ: Melhor Atriz em Papel Coadjuvante (Martina Blink), Direção de Produção (Entre Entretenimento) e Prêmio Especial pela qualidade do projeto (Diego Morais e Pedro Henrique Lopes). As duas peças juntas já foram vistas por mais de 100 mil espectadores. O objetivo do Grandes Músicos para Pequenos é apresentar a vida e a obra de importantes compositores para as novas gerações e promover o resgate da cultura brasileira através de espetáculos que envolvam toda a família em experiências inesquecíveis.

“A ideia é trazer o legado de uma cultura quase esquecida para as novas gerações, com um conteúdo atraente para as famílias”, descreve Pedro Henrique Lopes, ator e roteirista do musical, e um dos sócios da Entre Entretenimento, produtora cultural responsável por projetos de sucesso como O Meu Sangue Ferve por Você. “Queremos criar experiências de entretenimento inesquecíveis e marcantes, onde o espectador participe de forma ativa”, explica o diretor do espetáculo, Diego Morais, sócio de Pedro na Entre Entretenimento.

Mais sobre o espetáculo e o projeto em: www.grandesmusicosparapequenos.com.br .

 

Entre Entretenimento

A Entre é uma empresa de produção cultural e inovação em entretenimento fundada pelo diretor Diego Morais e pelo ator e dramaturgo Pedro Henrique Lopes. O objetivo da dupla é valorizar a cultura do nosso país através da criação e da viabilização de projetos inéditos e de alta qualidade artística que dialoguem com a história e as manifestações culturais do Brasil. Emoção, cultura, educação, história e momentos de extrema diversão estão na pauta dos projetos da empresa, assim como a criação de soluções culturais memoráveis para marcas, companhias e consumidores através de: comprometimento artístico-cultural; inovações em marketing; soluções transmidiáticas e envolvimento social. Saiba mais em www.entreentretenimento.com.br.

TIJOLINHO:

Bituca – Milton Nascimento para Crianças. Musical Infantil. De Pedro Henrique Lopes. Direção: Diego Morais. Direção Musical: Guilherme Borges. Com Udylê Procópio, Martina Blink, Aline Carrocino, Anna Paula Black, Marina Mota e Pedro Henrique Lopes. Chegando a Minas, o pequeno Bituca enfrenta, com bom-humor e determinação, o bullying dos colegas de escola por ser negro e ter pais brancos. (55 min). Imperator – Centro Cultural João Nogueira. Sáb e dom., às 16h (dia 19/11 não haverá sessão) e 2ª (apenas dia 20/11), às 11h. R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada). Livre. De 04/11 a 20/11.

 

Ficha técnica:

Direção: Diego Morais

Direção Musical: Guilherme Borges

Texto: Pedro Henrique Lopes

Elenco: Udylê Procópio, Martina Blink, Aline Carrocino, Anna Paula Black, Marina Mota e Pedro Henrique Lopes

Cenário e figurinos: Clívia Cohen

Iluminação: Carlos Lafert

Visagismo: Vitor Martinez

Produção e realização: Entre Entretenimento

Serviço:

Bituca – Milton Nascimento para Crianças

Temporada: De 04 a 20 de novembro.

Imperator – Centro Cultural João Nogueira: Rua Dias da Cruz, 170, Meier.

Telefone: (21) 2597-3897

Dias e horários: Sáb. e dom., às 16h (dia 19/11 não haverá sessão) e 2ª (apenas dia 20/11), às 11h.

Ingressos: R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada)

Lotação: 642 pessoas

Duração: 55 minutos

Classificação: Livre

Funcionamento da Bilheteria: De terça a sexta das 13h às 21h. Sábado e domingo das 10h às 21h.

Projeto infantil – TEM NENÉM NO CAFÉ PEQUENO – Música, Literatura e dança voltadas para bebês – Mês de NOVEMBRO no Teatro Café Pequeno

O NANÁ – Núcleo de Artes para Nenéns e Afins, nascido em maio de 2017, reúne artistas e educadores cariocas que desenvolvem projetos culturais voltados para a primeira infância, tendo como público alvo bebês de zero a três anos, suas famílias e educadores desse segmento.

Uma das missões do NANÁ é promover apresentações que proporcionem aos pequenos espectadores a oportunidade de entrar em contato com diferentes linguagens artísticas, respeitando as suas especificidades.

Durante o mês de novembro, ao longo de quatro finais de semana, o coletivo ocupará o palco do Teatro Municipal Café Pequeno com uma programação especial, que conta com espetáculos de Música – com o Sarau do grupo Cirandinhas Bebês e Cia., Literatura – com as histórias do Era uma vez bebês e Dança com o grupo Conversa de Corpo, que realizará a estreia do espetáculo Co-me-ço na programação do evento.

As apresentações serão divididas por grupos de faixa etária, sendo as de 15h para bebês de colo e engatinhantes até 12 meses – grupo ninho – e as de 16h30, para bebês que já caminham até 03 anos de idade – grupo voo.

 

PROGRAMAÇÃO

 

Sarau Água de Bebê – Cirandinhas Bebê e Companhia [Música]

Sinopse: Desde 2012 o grupo realiza apresentações musicais interativas voltadas para bebês de zero a três anos e seus acompanhantes. Os músicos e educadores Marcela Terry (direção musical e voz), André Luiz Sodré (violão 7 cordas), Lars Hockerberg (sanfona), Wilson Meireles (percussão) e Mayra Couto (voz) trazem no repertório cantigas tradicionais infantis e canções da MPB. Oferecer um espetáculo de qualidade e mostrar aos pequenos que a música é produzida por instrumentos, e não pela caixa de som, são alguns dos objetivos do grupo. Durante o show o público toca, canta e participa de jogos e brincadeiras corporais, que promovem o contato físico lúdico e prazeroso entre adultos e crianças.

Integrantes: Marcela Terry, André Luiz Sodré, Lars Hockerberg, Wilson Meireles e Mayra Couto

Dias 04, 05 e 11 de novembro às 15h e 16h30.

Saiba + facebook.com/cirandinhas.bebeecia  | Vídeo https://goo.gl/X1SZHG

 

Duas Histórias, com o grupo Era uma vez Bebês [Literatura]

Sinopse: Era uma vez três educadoras apaixonadas por crianças, histórias e músicas, que resolveram apresentar o mundo literário aos menores e mais exigentes ouvintes: os bebês. Assim surgiu o projeto Era uma vez bebês, que oferece sessões de contação de histórias para bebês a partir de zero a três anos de idade. Nessa sessão serão apresentadas duas histórias: Lua Cheia, de Antoine Guiloppé e Chin Chan Chun, de Milton Célio de Oliveira Filho.  As narrativas contam com instrumentos musicais, artefatos sonoros, materiais de uso cotidiano, papéis, entre outros objetos, que possibilitam aos bebês experimentar o texto literário de maneira lúdica e concreta.

Integrantes: Roberta Consort, Marcela Terry e Mayra Couto

Dias 12, 18 e 19 de novembro às 15h e 16h30.

Saiba + facebook.com/eraumavezbebes/ | Vídeo https://goo.gl/T7EG1t

 

Co-me-ço, com o grupo Conversa de Corpo [Dança] – ESTREIA!

Sinopse: Uma bailarina, um músico e o movimento que nasce desse encontro.
A inspiração é o desenvolvimento motor dos bebês e as descobertas que fazem pelo caminho. Enrola, desenrola, fecha, abre, recolhe, expande, empurra e puxa. Olha, rola, arrasta, engatinha, senta, levanta, cai e anda e cai e anda e dança e brinca. E na brincadeira se dá nossa “Conversa de Corpo”, uma proposta lúdica de diálogo corporal entre pais e filhos, através da música e do movimento. Com a bailarina Rafaela Hermeto e o violoncelista Marcos Rangel.

Integrantes: Rafaela Hermeto e Marcos Rangel

Dias 25 e 26 de novembro às 15h e 16h30.

 

Saiba mais sobre o Naná – Núcleo de Artes para Nenéns e afins acessando nossa página no facebook: facebook.com/NanaNucleodeArtes/

Vídeo do 1º evento do Naná – realizado no primeiro semestre de 2017 no Museu Internacional de Arte Naif: https://vimeo.com/224677231/cb7dfd87af

 

SERVIÇO

 

Tem Neném no Café Pequeno

Datas: 04, 05 e 11 de novembro – Sarau Água de Bebê, com Cirandinhas Bebê e Companhia

12, 18 e 19 de novembro – Duas Histórias, com o grupo Era uma vez Bebês

25 e 26 de novembro – Dança, com o grupo Conversa de Corpo

Local: Teatro Municipal Café Pequeno – Avenida Ataulfo de Paiva, 269 – Leblon – Telefone: 21 2294 4480.

Horários:

15h – Grupo Ninho – para bebês de colo ou engatinhantes.

16h30 – Grupo Vôo – para bebês que já caminham até três anos de idade.

Duração de cada atividades: 45 minutos

Capacidade: 20 bebês por apresentação. Cada bebê precisa estar acompanhado de pelo menos um adulto. Limite para o número de acompanhantes: 80 pessoas

Ingressos: R$40,00 (combo – preço único – 1 bebê + 1 adulto). Acompanhantes extras pagam 20,00 (inteira) ou 10,00 (meia entrada).

Estacionamento: Não

Compra antecipada de ingressos

Horário de funcionamento da bilheteria do Teatro: terça à sexta, de 16h às 20h, sábado e domingo, de 14h às 20h ou pelo site ticketmais.com.br

 

FETAERJ – 40 ANOS

A FETAERJ – Federação de Teatro Associativo do Estado do Rio de Janeiro – é uma instituição sem fins lucrativos e de utilidade pública estadual. Há 40 anos a FETAERJ associa grupos de teatro com o objetivo de fomentar a criação/manutenção e a difusão do teatro no nosso estado e do incentivo à formação de plateia.

Trabalha com o princípio da descentralização da produção cultural, focando suas atividades para os grupos e ações no interior do Estado, realizando congressos, concursos, seminários, oficinas, mostras, intercâmbios, palestras, debates, leituras, cursos e festivais de teatro.

Por suas ações, a FETAERJ recebeu o PRÊMIO GOLFINHO DE OURO / ESTÁCIO DE SÁ (2000), concedido pelo Governo do Estado do Rio, o TROFÉU MANDACARU (2004), concedido pela prefeitura de Armação de Búzios pelos 4 anos de desenvolvimento teatral sistemático neste município, a MOÇÃO DE APLAUSO (2004), concedida pelo Ateneu Angrense de Letras, pela realização da FITA (Festa Internacional de Teatro de Angra) e a MOÇÃO DE CONGRATULAÇÃO (2006), concedida pela Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro pelo “excelente trabalho em prol da cultura brasileira”. Recentemente recebeu o Diploma Heloneida Studart de Cultura (2016), da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente a FETAERJ integra a Rede Municipal de Pontos de Cultura – Cultura Viva através do Espaço Paschoal Carlos Magno.

FETAERJ Café em Cena

www.fetaerj.com

fetaerj.cafe@gmail.com

“Sítio do Picapau Amarelo” no Teatro dos Quatro

O Sítio do Picapau Amarelo, série de livros infantis do escritor brasileiro Monteiro Lobato, virou um clássico aclamado mundo afora. Os personagens saltaram das páginas dos livros para os quadrinhos, foram parar na TV e, agora, chegam em espetáculo teatral infantil no Teatro dos Quatro, no Shopping da Gávea, com estreia no dia 04 de novembro, sábado, às 17h. A peça ganha temporada de quatro meses em uma grande homenagem aos 40 anos da primeira exibição do Sítio do Picapau Amarelo, na TV Globo, celebrada neste ano de 2017. A adaptação e direção geral de Ricardo Silva leva ao palco nove atores dando vida aos personagens que, por vezes, dançam embalados por uma banda com música ao vivo.

Monteiro Lobato (1882-1948) foi o primeiro a escrever para crianças. Falar da literatura infantil no Brasil é reviver as travessuras e reflexões da boneca de pano Emília, ao lado de seus amigos Narizinho, Pedrinho, Visconde de Sabugosa, Tia Anastácia e Dona Benta; entre tantos outros personagens. Agora, adultos, vovôs e vovós poderão levar seus pequenos para conhecer a fábula que marcou a vida de muitos deles, promovendo o encontro com a literatura brasileira, tão rica e reconhecida mundialmente.

Com realização da Tambores Produções e Cia. Teatral Sassaricando, a peça é voltada para as crianças. As companhias acreditam na importância de levar para os palcos, textos nacionais, valorizando assim, os nossos autores e a nossa pátria. O espetáculo traz em cena os atores Raquel Penner, Cristina Fracho, Cristina Guimarães, Wanderson Bernardo, Nícolas Freitas (ex-Cordel Encantado), Guilherme Gutierrez, Julia Gusmão, Luiza Vieira e Victor Salzeda. Na direção musical Victor Salzeda comanda os músicos Camila Ferolla (percusssão), Juan Paz (violão) e Natan Figueiredo (flauta). As coreografias são de Cristina Guimarães. A homenagem recebeu programação visual e pinturas em aquarela de Bianca Oliveira. Já a produção executiva é de Luciana Vieira, da Tambores Produção.

“Monteiro Lobato foi um dos escritores brasileiros mais influentes, e ganhou destaque no panorama da literatura infantil, com a sua obra “Sítio do Picapau Amarelo”. Apresentar um espetáculo com histórias adaptadas a partir desta obra, significa levar para o público infantil personagens com a essência puramente brasileira, trazendo à tona, um sentimento de resgate da nossa infância, de brincadeiras antigas de criança, de lembranças dos nossos avós e de suas histórias, e de um Brasil com seus rios, suas árvores frutíferas e sua fauna valorizados e preservados. Por isso, estamos certos de que, através de uma vasta pesquisa realizada pela companhia, da experiência da nossa equipe envolvida, e do amor pela obra de Monteiro Lobato, realizaremos uma montagem digna, alegre e divertida, que agradará tanto as crianças, quanto os pais, avós e familiares que irão ao teatro”, afirma Ricardo Silva, responsável pela adaptação e direção geral da peça Sítio do Picapau Amarelo.

Muito mais do apenas entreter por meio do teatro, a Cia. Teatral Sassaricando busca com a peça Sítio do Picapau Amarelo valorizar a cultura brasileira, seus autores e suas obras; resgatar a leitura e o contato com o livro físico; estimular o contato das crianças com brincadeiras de roda, soltar pipa, tomar banho de rio, brincar com peão, entre tantas outras que fizeram parte, durante anos, da infância de muitas crianças. A peça teatral nasce no resgate lúdico, no folclore, na imaginação e na importância que ela nos oferece dentro do contexto social, político e econômico.

“Monteiro Lobato não economizou em retratar o nosso Brasil de forma rica, detalhada e lúdica, onde a criança pudesse entender com simplicidade a matemática, geografia, história, usando da própria literatura para falar do amor a natureza e sua preservação, e a alegria de viver. Como dizia ele, ‘Um país se faz com homens e livros’. A adaptação desta história permeia entre a fantasia e a realidade levando as crianças a revelar-se bem dotados de senso crítico, julgando as histórias de “vó” com muito critério e segurança. É um trabalho que deseja promover o reencontro dos avós, pais e familiares que irão ao assistir à peça de teatro, com as lembranças que possuem da primeira versão do Sítio do Picapau Amarelo, que foi um grande sucesso de 1977 a 1986, nos noves anos que ficou no ar”, destaca a produtora executiva Luciana Vieira.


 

RICARDO SILVA – Adaptação e Direção Geral.

Ricardo Silva é produtor, ator, diretor, autor, cenógrafo e professor nascido em Niterói. Formado em 1990 no Curso de Formação de Atores da UFF. Atuou nos espetáculos infantis e adultos: O Indio Tupí (1983); O casamento do Gato de Botas (1984); Sonhos da Ribalta (1986); Uxa, ora fada ora bruxa (1988);  A Bela e a Fera (1996 ); Fila da Fama (1997); Café sem Concerto (1986 ); Egoloucura (1987);  Cabaré Valentin (1996); entre outros. Dirigiu e produziu os espetáculos infantis já com a chancela da Cia.Teatral Sassaricando: O Patinho Feio (2009); Te Amo Amazônia (2010); A Bela e a Fera (2011); Viva a Natureza (2012); A Dama e o Vagabundo (2013); Peter Pan (2014); João e o Pé de Feijão no Sertão (2015 – Premiado melhor cenário e figurino – indicação como melhor espetáculo na quinta Mostra de teatro ATACEN; A Pequena Sereia (2016 ), entre outros.

VICTOR SALZEDA – Direção musical.

Graduando em música pela UNIRIO (licenciatura), possui as seguintes habilidades: canto, violão, piano, percussão, flauta doce.  É Ator, dramaturgo, diretor, diretor musical, preparador vocal e regente.  Diretor fundador da companhia FABRICARTE: companhia artística que se dedica a produção de espetáculos teatrais e musicais.  Integrou durante 6 anos o Grupo Papel Crepon, com direção de Eduard Roessler. Trabalhou com os diretores: Leonardo Simões, Lúcia Cerrone, Marcello Caridade, Rubens Lima Júnior, Ricardo Silva, entre outros. Alguns espetáculos: Peter Pan (2004, 2007, 2009); Pinóquio (2004); Romeu e Julieta (2004); Meu pequeno grande sonho (2015); Mário, mar e o amor (2014, 2015 e 2016).


FICHA TÉCNICA

Adaptação, Direção Geral e Cenografia: Ricardo Silva

Direção Musical: Victor Salzeda

Elenco: Raquel Penner, Cristina Fracho, Cristina Guimarães, Wanderson Bernardo, Nícolas Freitas, Guilherme Gutierrez, Julia Gusmão, Luiza Vieira e Victor Salzeda.

Músicos: Camila Ferolla (Percusssão), Juan Paz (Violão) e Natan Figueiredo (Flauta)

Stand-Ins: Matheus Lana, Giovanna Sassi, Luiza Lewicki, Bianca Pontes e Fernanda Guerreiro

Coreografias: Cristina Guimarães

Design de Luz: Ricardo Lyra Jr.

Progr. Visual e Pinturas em Aquarela: Bianca Oliveira

Elaboração do Projeto: Raquel Penner

Camareira, Contra-Regra e Assist. ee Produção: Eloisa Guimarães

Operação de Som: Guilherme Sousa

Produção Executiva: Luciana Vieira (Tambores Produções)

Realização: Tambores Produções e Cia. Teatral Sassaricando

Assessoria de Imprensa: Fernanda Con’Andra (Fecon Comunicação Estratégica)


 

SERVIÇO

SÍTIO DO PICAPAU AMARELO

Teatro dos Quatro – Shopping da Gávea (R. Marquês de São Vicente, 52 – Gávea, Rio de Janeiro). Estreia: Sábado – 04 de novembro de 2017. Temporada até 04 de março de 2018. Informações: (21) 2274-9895. Dias e horários: Sábados e Domingos, às 17 horas. Contato: tamboresproducoes@gmail.com.

Ingressos: R$ 60 (inteira) / R$ 30 (meia) – Bilheteria. Clubinho de Ofertas (Ingressos promocionais): http://bit.ly/2iFeKYa

 

“A História das Histórias” no Sesc Tijuca

“A História das Histórias” estreia dia 07 de outubro no SESC Tijuca e segue em cartaz até o final do mês, com sessões aos sábados e domingos, sempre às 16h. O infantojuvenil mistura teatro físico, música, poesia e palhaçaria em uma narrativa lúdica sobre a necessidade humana de se comunicar e recriar a vida através de histórias.

Para narrar essa aventura, entram em cena os intrépidos e atrapalhados contadores de histórias, os jovens Marosa e Cazu, assistentes da incrível Doutora Rivânia Magnus Autoreum, uma mistura de anjo, fada, guerreira e professora, que já leu todos os livros (os que foram escritos e os que ainda nem foram escritos) em uma volta ao mundo em 80 páginas.  Os três fazem parte de uma caravana milenar e tradicional de contadores longínquos que já visitaram todos os lugares do mundo, os de verdade verdadeira e os de verdade imaginada, como Xanadu, Pasárgada e o Triângulo das Bermudas. Personagens que todos juram ter saído das páginas de um livro fantástico, cheio de aventuras e histórias universais. São criaturas que rompem o tempo e o espaço, feitos de pura poesia.  O texto é uma criação coletiva entre a diretora do espetáculo Flávia Lopes e os atores Aline Marosa e Caio Passos, que juntos formam o grupo “Os Sanzussô – Povo de Teatro”.

As peripécias têm início quando os dois, como de praxe, abrem as apresentações com muita alegria e música. Mas, nesse dia, o inesperado acontece e a Mestra Rivânia, pela primeira vez, não aparece para contar suas histórias incríveis, e assim seus fiéis aprendizes se veem com uma grande e importante missão nas mãos: encontrar Rivânia e continuar compartilhando o amor pelos livros através de suas histórias. Para isso, recorrem ao Livro Secreto para Situações de Emergência, que, para espanto deles, está com as páginas em branco. A única saída que eles encontram é usar a imaginação, a memória afetiva e a influência de histórias universais para contar, viver e até recriar suas próprias histórias, assumindo, desta forma, o protagonismo de suas vidas.

A partir daí, os contadores interagem com o público através da meta linguagem para dividir suas inseguranças, lembranças, emoções, desejos, dores, alegrias, aventuras e travessuras. A encenação valoriza o jogo cênico, a empatia com a plateia, o diálogo dos olhares – umas das principais técnicas da palhaçaria – e o misè-en-scene que vem do teatro de rua.  A peça conta ainda com recursos cênicos como máscara, bonecos e outras formas animadas, presentes em todos os trabalhos de Flávia, que há 20 anos exerce suas pesquisas na linguagem em Teatro Animação, Palhaçaria, Bufonaria e Comicidade.

“Acredito que o teatro precisa falar sobre aquilo que nos move, intriga e incomoda. No momento, quero falar sobre a imaginação e como é importante criar, contar e ouvir histórias. Através desse trabalho falo, sem falar, em como a imaginação é uma ferramenta de transformação de humanos mais humanizados. Acredito que a falta de empatia tem gerado danos profundos nas grandes e pequenas histórias sociais. E é por isso que acredito que a imaginação é o caminho para transformar realidades, transmutar a dor e e recriar sua própria história”,destaca Flávia, que, em 2016, também assinou a direção dos elogiados “Um Sonho para Meliès” e “A Arca de Nina”, nesse último dividindo a função com a artista Marise Nogueira.

A montagem traz uma curiosidade: o nome “Rivânia” é uma homenagem à pequena Rivânia, que numa recente enchente na cidade de São José da Coroa Grande, em Pernambuco, ao ver sua casa inundada, salvou o que tinha de mais importante: seus livros e cadernos da escola.

“Meu coração ficou apertado pela situação da menina, e ao mesmo tempo se encheu de esperança e desejos de uma vida melhor e mais justa. É impossível não ficar mexida, já que sou professora da rede pública do município e do estado do Rio. Dou aulas para grupos que vivem em situações desfavorecidas. Em cada um dos meus alunos reconheço uma menina Rivânia”, relembra Flávia.

A trilha sonora, inspirada na cultura popular brasileira e suas influências, é executada de forma mecânica e também ao vivo pelos atores que, além dos instrumentos musicais (ukulele, flauta transversa, sopros, pandeiro, chocalho e percussão), usam o próprio corpo para a sonoplastia. A direção musical é assinada por Karina Neves. O figurino e o cenário, de Carlos Alberto Nunes, e o visagismo de Mona Magalhães fazem a comunhão de todas as referências apresentadas na narrativa. Uma mistura estética inspirada na palhaçaria, na commedia dell´arte, nos artistas das feiras medievais, nos bufões, no teatro popular, nos personagens de livros infantis, nos desenhos e nas animações de Tim Burton.

 

SINOPSE: Os intrépidos e atrapalhados Marosa e Cazu são jovens contadores de histórias, aprendizes da Doutora Rivânia Magnus Autoreum – uma mistura de anjo, fada, guerreira e professora. Em um belo dia, como de praxe, os dois abrem as apresentações com muita alegria e música, mas o inesperado acontece: a Doutora Rivânia, pela primeira vez, não aparece para contar suas histórias incríveis, deixando-os sozinhos. Para dar continuidade à missão de espalhar o amor pelos livros através de suas histórias, a dupla, que ficou apenas com um livro em branco nas mãos, decide usar a imaginação, a memória e histórias universais para recriar a própria história.


SERVIÇO

Temporada: 07 a 29 de outubro de 2017

Local: Sesc Tijuca (Teatro I)

Dia|hora: Sábados e domingos, às 16h

Endereço: Rua Barão de Mesquita, 539 – Tijuca

Valor: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia). Além dos casos previstos em lei, associados SESC pagam meia. Para crianças e adolescentes com idade até 16 anos a entrada é GRATUITA.

Telefone: 3238-2139

Duração: 60 minutos

Capacidade: 228 lugares

Classificação: livre

FICHA TÉCNICA

 

Direção: Flávia Lopes

Atuação: Aline Marosa e Caio Passos

Dramaturgia: Aline Marosa,Caio Passos e Flávia Lopes em colaboração com Carlos Alberto Nunes

Dramaturgia: Aline Marosa, Caio Passos e Flávia Lopes.

Colaboração dramaturgica: Carlos Alberto Nunes e Marcos Guimarães

Direção Musical: Karina Neves

Assistente de direção musical: Jonas Correa

Cenógrafo e Figurinista: Carlos Alberto Nunes

Cenógrafa e figurinista assistente: Arlete Rua

Confecção de figurinos: Carla Costa

Bonecos e adereços: Carlos Alberto Nunes, Arlete Rua e Carla Costa

Máscaras: Flávia Lopes, Marise Nogueira e Igor Bernardo.

Iluminação: Ana Luzia Molinari de Simoni

Assistente de iluminação: João Gioia

Visagismo: Mona Magalhães

Gravação, mixagem, violão e percussão: Pedro Carneiro

Bombardino e trombone: Jonas Correa

Letra das músicas: Aline Marosa, Caio Passos e Flávia Lopes

Preparação Vocal: Verônica Machado

Instrutora de Yoga: Nina kriguer

Assessoria de imprensa: Lyvia Rodrigues (Aquela que Divulga)

Design gráfico: Leo Dutra (Rangabuana design)

Fotos: Rodrigo Menezes

Direção de produção: Pagu Produções Culturais

Coordenação de produção: Bárbara Galvão, Carolina Bellardi, Fernanda Pascoal

Produção executiva: Juliana Soares

Música e Oficina de Marcador de Livro animam o Clubinho deste domingo, no Ilha Plaza

Neste domingo, dia 9 de julho, o Clubinho do Ilha Plaza traz uma oficina de marcador de livro divertido e sessão de musicalização para as crianças. A oficina estimula a mente e a criatividade, individual e em grupo; e a sessão de música promove interação entre os pequenos, traz alegria, leveza e descontração, para o público infantil abrir as férias escolares com chave de ouro.

O Clubinho é gratuito e acontece aos domingos, das 14h às 18h, na entrada principal do Ilha Plaza, piso L2.

Serviço

Clubinho Ilha Plaza

Data e hora: 9 de Julho, das 14h às 18h

Local: entrada principal, piso L2 – Ilha Plaza – Av. Maestro Paulo e Silva, 400 – Ilha do Governador. Mais informações pelo telefone 2468-8100 ou pela página no Facebook: www.facebook.com/ilhaplazashopping

Shopping Tijuca traz o conto “A Árvore da Alegria”

Neste domingo, dia 9 de Julho, o Clubinho do Shopping Tijuca recebe a contação de história “A árvore da Alegria”, com a Cia Pé do Ouvido. A atração começa às 15h e promete prender a atenção dos pequenos com a história de uma pequena sementinha que cai do bico de um sabiá e é arrastada para debaixo da barriga de uma grande pedra. No dia seguinte, a voz grita: “Me tirem daqui! Eu quero crescer, eu quero crescer”.  A Pedra e os bichos da floresta se comovem e se mobilizam para salvar a semente e ajudá-la a cumprir o seu destino: se tornar uma grande árvore, com o propósito de levar muita alegria ao todos que vivem ao seu redor.

Serviço

Clubinho Shopping Tijuca

Data e hora: 9 de Julho, às 15h.

Local: espaço Tijuca Play – piso L1 – Av. Maracanã, 987 – Tijuca. Mais informações pelo telefone 3094-6605 ou pelo Facebook: www.facebook.com/shoppingtijuca.com

Shopping Metropolitano Barra recebe Ice Jump

A criançada poderá pular alto no Ice Jump que fica até 31 de maio no Shopping Metropolitano Barra. O brinquedo radical conta com trampolins e elásticos que permitem aos participantes voar alto e fazer piruetas num giro de 360º em torno do seu próprio corpo.

O Ice Jump permite saltos de até sete metros e a sessão dura 5 minutos.

Serviço:
Ice Jump – Shopping Metropolitano Barra
Local: Praça de eventos, próxima à Riachuelo – piso L1
Data: até 31 de maio
Horário: de segunda a sábado, das 10h às 22h, e aos domingos e feriados, das 13h às 21h30
Peso permitido: De 10Kg a 50Kg
Ingresso: R$18 por 5 min
O evento não aceita cartão
Endereço – Av. Embaixador Abelardo Bueno, 1.300 – Centro Metropolitano – Barra da Tijuca – Rio de Janeiro