Yes, Nós Temos Burlesco chega a sexta edição com homenagem ao samba-enredo ‘O amanhã’

Como será o amanhã? A pergunta imortalizada pelo samba-enredo “O Amanhã”, da União da Ilha, é o ponto de partida para a sexta edição do Festival Yes, Nós Temos Burlesco (YNTB). A comunidade burlesca se recusa a sucumbir à sombra do distanciamento e traz uma programação 100% online, de 10 a 13 de março, com alguns dos maiores nomes do burlesco no Brasil e na América Latina. A programação conta com eventos gratuitos e pagos. São shows, workshops, encontro virtual com artistas e rodas de debate. Ingressos e informações estão no site yesnostemosburlesco.com. É possível adquirir passes unitários, combos, e até mesmo um “full pass” que dá acesso livre a todo o conteúdo do festival.

Contemplado pela Lei Emergencial Aldir Blanc, o YNTB mostra que a arte da burla está profundamente enraizada na nossa cultura – agora, mais do que nunca, pela força da transformação política. Protagonizado por sujeitos diversos e fora de padrões sociais impostos, o burlesco parte de um lado obscurecido (e constante) nas artes cênicas e no teatro.
O ponto alto do festival são as três noites de gala, ao vivo pelo Zoom. As estrelas burlescas refletem sobre a construção do amanhã – mesmo nas condições mais adversas, o burlesco sempre escreveu história com corpos, desbunde e revolução. Foi com essa premissa que o artista burlesco DFenix, fundador do festival, fez um aceno ao samba da Ilha do Governador, seu bairro de origem.
“Sou insulano e suburbano com muito orgulho. E essa pergunta levantada pelo samba da União da Ilha está no coração de toda a classe artística brasileira nesse momento tão difícil. Afinal, como será o amanhã? Nós vamos desenhar o amanhã”, reflete DFenix.

Fundadora do YNTB, a artista burlesca Miss G. conta que a edição 2021 assume profundamente seu caráter online e cibernético. A atmosfera de futuro da experiência digital se combina a uma grande reverência ao passado.
“Estamos fazendo 100 anos dos anos 1920, que foram tão revolucionários. Estamos de olho no futuro, mas reverenciamos os ícones do nosso passado, reconhecemos a história que nos circunscreve. Hoje, são os nossos corpos e carnes que são revolucionários”, analisa Miss G. 
As três noites de show
No dia 11, às 20h, o show “As Feiticeiras” terá Aline Esha, Miss G., Volúpia, Ewa, Viúva Negra, La Luna Lucyfear e Anita Malcher. A mestre de cerimônia é Miranda Lebrão. 
No dia seguinte (12), “As Furiosas” conta com performances de Chayenne F., Niixe, Nox, Lídia Café da Manhã, Déborah Black, Fairy Adams, Sweetie Bird e Ginger Moon – apresentadas por Maybe Love e Linda Mistakes. 
Por fim, no dia 13, o show “O Amanhã” terá DFenix, Henrique Saidel, Sete de Ouros, Ma.Ma. Horn, Dark Cinnamon, Lírio Negro, Ruby Hoo e Emme Blanche. A apresentação é de Juana Profunda.
Noite de abertura

A abertura oficial, no dia 10 de março, terá a exibição do filme “A senhora que morreu no trailer”, que conta a história da faquiresa Suzy King. A transmissão será gratuita, pelo canal do YNTB no YouTube. Miss G. e DFenix se juntam virtualmente aos diretores do filme, Alberto Camareiro e Alberto de Oliveira, para apresentar o longa-metragem. Um pouco antes, às 19h, será apresentado exclusivamente para portadores do “full pass” o documentário inédito “BURLA ou como fazer um corte barato”, dirigido por Miss G e com participação das estrelas ganhadoras do Prêmio do Público Cannes em 2010, Julie Atlas Muz e Dity Martini.
Diálogos e capacitação
Em 2021, o YNTB reafirma seu protagonismo no burlesco brasileiro e desenha um futuro possível por meio de capacitação profissional. Estudantes bolsistas de diversas áreas do conhecimento estão recebendo aulas online dos fundadores do festival e acompanhando todos os bastidores do evento. O objetivo é preparar novos produtores e realizadores e amplificar as vozes desse gênero artístico no país.
As pontes de diálogo com a cultura não se encerram aí. Serão realizados bate-papos gratuitos com artistas de múltiplas expressões e identidades. As transmissões serão pelo YouTube e gratuitas. No dia 11, o assunto será “Burlesco e educação”. O tema do dia 12 é “Abaixo à quarta parede”, e terá participação da atriz e cantora Natascha Falcão e do ator Eber Inácio, da trupe do Buraco da Lacraia. Por último, no dia 13, a pauta é “Burlesco, Queers, Kings e Queens” – entre os participantes estão a artista e pesquisadora Maria Lucas, o diretor e dramaturgo Fabiano de Freitas, e o drag king e escritor Vicente Van Goth (Puri Matsumoto).
Workshops
Como já é tradição no YNTB, uma agenda de workshops abre possibilidade de treinamento para artistas da burla que querem aperfeiçoar truques e manobras. A paulista Jelly Bunny ministra o workshop “Bumps and grinds: batida e rebolado”. A paraense Anita Malcher fica à frente da oficina “A dança com leques: um ABC para aflorar a criatividade burlesca”. O gingado carioca fica por conta da fluminense Ewa, que dá a aula “De passo em passo: sambando na cara da sociedade”.
****
SERVIÇO
Yes, Nós Temos Burlesco 2021Festival onlineEventos pagos e gratuitosVenda de ingressos e programação completa em yesnostemosburlesco.com
Shows ao vivo no Zoom(Ingressos para os shows a partir de R$ 25)11/03, às 20h – As Feiticeiras12/03, às 20h – As Furiosas13/03, às 20h – O Amanhã
Abertura(Gratuito, com transmissão pelo YouTube do YNTB) 10/03, às 21h – exibição do filme “A Senhora que morreu no trailer”

Bate-papo(Gratuitos, com transmissão pelo YouTube do YNTB)11/03, às 11h – “Burlesco e Educação”12/03, às 11h – “Abaixo à quarta parede”13/03, às 11h – “Burlesco, Queers, Kings e Queens”

Sebastião Salgado, Tássia Reis, Chico Cesar, Filmes e Debates no Festival de Direitos Humanos

Diversas temáticas ligadas aos Direitos Humanos entram em cartaz em um novo festival que reúne filmes, performances musicais e debates. Agendado para o período de 7 a 14 de março, o 1º dh fest – Festival de Cultura em Direitos Humanos acontece de forma online e gratuita, via plataformas e redes sociais.

O acesso ao conteúdo de toda a programação se dá através do endereço www.dhfest.com.br. Informações sobre o evento podem ser acompanhadas através de suas redes sociais: Instagram [www.instagram.com/dh.fest], Twitter [https://twitter.com/dhfest] e Facebook [www.facebook.com/direitoshumanosfest].

No cardápio, estão apresentações musicais exclusivas de nomes como Chico César, Tássia Reis, coletivo Baile em Chernobyl e Kunumi MC. Um ciclo de debates reúne personalidades como o fotógrafo Sebastião Salgado, a romancista Conceição Evaristo, o escritor Ailton Krenak, a cineasta Tata Amaral e o documentarista chileno Patrício Guzmán.


Estão programados 11 longas-metragens recentes, com destaque para “Kunhangue Arandu – A Sabedoria das Mulheres”, de Alberto Alvares e Cristina Flória. Em estreia no evento, o filme foi realizado na Terra Indígena Jaraguá, em São Paulo, e focaliza o universo das mulheres Guarani. Uma realização do SescTV, o documentário entra na programação do canal no dia 19 de abril (sesctv.org.br).   

Também fazem parte da grade títulos inéditos comercialmente no Brasil, como “A Cordilheira dos Sonhos”, de Patrício Guzmán, vencedor do prêmio de melhor documentário no Festival de Cannes;  “Meu Nome é Bagdá”, de Caru Alves de Souza, melhor filme na mostra Generation 14Plus do Festival de Berlim; “Para Onde Voam as Feiticeiras, de Eliane Caffé, Carla Caffé e Beto Amaral, melhor filme no festival Queer Porto 6, em Portugal; e “Selvagem” de Diego da Costa, vencedor do Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo.

As exibições cinematográficas trazem ainda 26 curtas-metragens, um deles em pré-estreia mundial: “Finado Taquari”, de Frico Guimarães, que acompanha uma viagem por um rio do Mato Grosso do Sul, ameaçado por assoreamento. Outros filmes curtos se destacaram por premiações e elogios no circuito de festivais. É o caso de “Perifericu”, sobre as adversidades de ser LGBT nas periferias paulistanas, premiado como melhor filme no Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum. Já “A Morte Branca do Feiticeiro Negro” foi selecionado para o Doclisboa – Festival Internacional de Cinema, Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba, Entretodos – Filmes Curtos e Direitos Humanos, FestCurtas Fundaj e pelo CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto. Está presente ainda o fenômeno “Carne”, uma animação que conquistou mais de 70 premiações e integrou a shortlist para o Oscar 2021.

A atriz, pesquisadora, produtora cultural e poeta Roberta Estrela D’Alva atua como mestre de cerimônias e apresentadora dos encontros. Nas performances musicais, ela conversa com os artistas, contextualizando as respectivas carreiras com suas lutas sociais. Para esta primeira edição do dh fest – Festival de Cultura em Direitos Humanos, quatro performances musicais foram desenvolvidas com o objetivo de valorizar artistas engajados e representantes de discursos que inspiram transformações sociais e simbólicas na sociedade. 

Para a noite de abertura, 7/03, às 19h00, está escalado o músico Chico César. Com nove álbuns gravados a partir de 1995, o paraibano é autor de sucessos consagrados pelo público, como “Mama África” e “À Primeira Vista”. Sua obra condensa o infinito cordão umbilical que o une às suas raízes, sendo seu mais recente álbum “O Amor é um Ato Revolucionário” (2019). Chico César já conquistou diversas premiações, como o de melhor compositor pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), melhor música no Troféu Imprensa (por “À Primeira Vista”) e melhor videoclipe de MPB no MTV Video Music Brasil (por “Mama África”), entre outros. Em 2016, foi indicado ao prêmio de melhor livro de poesia no Prêmio Jabuti por “Versos Pornográficos”.

No Dia Internacional da Mulher, 8/03, também às 19h00, é a vez da cantora e compositora Tássia Reis, uma das artistas de maior destaque no atual mercado brasileiro da música independente. Sua carreira soma três álbuns lançados: “Tássia Reis”, “Outra Esfera” e o recente “Próspera”. Ela já se apresentou nos melhores e maiores palco do país, como o festival Lollapalooza Brasil (em participação do show de Liniker e os Caramelows), Museu da Imagem e do Som (SP), Auditório Ibirapuera, em mais de 20 unidades Sesc do interior paulista e na capital do estado, Circo Voador e Itaú Cultural, entre outros. Em sua primeira turnê internacional, se apresentando em seis países, nos principais festivais de verão europeus.

Já na sexta-feira, 12/03, às 19h00, o 1º dh fest – Festival de Cultura em Direitos Humanos celebra uma festa junto com o coletivo LGBTQIA+ Baile em Chernobyl, no qual o funk é o ritmo e a cultura que emana empoderamento da juventude das periferias. Chernobyl é um coletivo formado e pensado para e por pessoas queer e racializadas, com o intuito de confraternização em um espaço seguro para corpos marginalizados, LGBTQIA+ e pretos.

Finalizando o evento, no domingo, 14/03, igualmente às 19h00, acontece performance de Kunumi MC, rapper indígena que vem aguçando a elaboração das pautas indígenas na arte. Junto com o DJ Tupan, ele é precursor do Rap Nativo, novo segmento do Hip Hop, que nada mais é que a criação musical a partir da visão de um indígena nativo sobre a sua própria cultura. No seu caso, a etnia Mbyá-Guarani. Conhecido mundialmente por ter levantado a faixa “Demarcação Já” na abertura da Copa do Mundo FIFA de 2014, Kunumi MC tem 19 anos e dois álbuns e dois livros lançados. Destaque no site da White Feather Foundation, que apoia comunidades indígenas pelo mundo todo, o artista representou o Brasil – ao lado de Daniela Mercury – no evento de celebração do Dia Internacional dos Direitos Humanos, em dezembro de 2010, promovido pela ONU.

Para aprofundar as discussões suscitadas, o ciclo de debates do 1º dh fest – Festival de Cultura em Direitos Humanos tem a seguinte programação:

8/03, segunda-feira, às 17h00

“Mulheres e resistência: narrativas para romper silêncios”

com Conceição Evaristo, Maria Clara Araújo e Semayat Oliveira (mediação)

Narrar e criar trajetórias de resistência, para si e como inspiração, são maneiras potentes para romper os muitos silenciamentos vividos pelas mulheres. Silenciamentos esses que se originam no patriarcado, mas também no colonialismo, no etarismo, na pobreza, entre outros recortes das desigualdades. As muitas identidades, resistências e formas de se sentir mulher, compõem movimentos pela ampliação e ocupação de espaços públicos, culturais, institucionais e políticos. É a partir deste cenário e no contexto do Dia Internacional da Mulher que se dá a conversa entre a romancista, contista e poeta Conceição Evaristo, e Maria Clara Araújo, pedagoga e afrotransfeminista. Com mediação da jornalista e escritora Semayat Oliveira, do coletivo “Nós, Mulheres da Periferia”.

9/03, terça-feira, às 17h00

“Aldeias, quilombos e periferias: o poder das palavras na luta por direitos”

com Catarina Guarani, Nêgo Bispo e Bianca Santana (mediação)

Ouvir aqueles que resistem há décadas contra a perseguição de seus territórios, línguas e identidades é imprescindível para ampliar os sentidos das lutas por direitos do tempo presente. A professora indígena Catarina Guarani, do litoral de São Paulo, e o pensador quilombola Nêgo Bispo, do interior do Piauí, se unem em uma conversa sobre o uso das palavras como instrumento de luta para manter viva a cultura de seus ancestrais. A partir de suas diversas cosmologias, como as tradições orais e as linguagens escritas podem atuar em defesa da vida? Com mediação da jornalista e escritora Bianca Santana, autora do livro “Quando me descobri negra”.

10/03, quarta-feira, às 17h00

“Vladimir Herzog e o documentário social: memória e justiça”

com João Batista de Andrade, Tata Amaral e Paula Sacchetta (mediação)

O jornalista Vladimir Herzog tornou-se símbolo dos horrores cometidos pela violência da ditadura militar no Brasil com seu assassinato em outubro de 1975. No entanto, pouco se conhece o papel fundamental que Herzog teve no cenário cinematográfico brasileiro nas décadas de 1960 e 1970. Ele defendia, sobretudo, uma prática audiovisual que tomasse posição diante das desigualdades do país – seja em sua relação com a Cinemateca Brasileira; seja na direção e escrita de seu único filme, o curta-metragem “Marimbás”. João Batista de Andrade, amigo pessoal de Vlado, e Tata Amaral, renomados nomes do cinema nacional e cuja trajetória é pautada pelo respeito aos Direitos Humanos, prestam homenagem à memória do jornalista e ao seu legado para o documentário social. Com mediação da documentarista Paula Sacchetta, especializada em temas ligados aos Direitos Humanos.

11/03, quinta-feira, às 17h00

Entrevista “Meu norte é o sul: retratos latino-americanos no cinema”

com Patricio Guzmán e Luiz Carlos Merten (mediador)

A carreira do cineasta chileno Patricio Guzmán se desdobra ao longo das últimas cinco décadas sobre o trauma coletivo produzido pela ditadura militar de Pinochet em seu país, e sobre memórias e vestígios de prisioneiros e desaparecidos políticos. Seu filme mais recente, “A Cordilheira dos Sonhos”, e o empenho em trabalhar o passado do Chile e por consequência da América Latina, são temas da conversa entre Guzmán e o jornalista e crítico de cinema Luiz Carlos Merten. Este encontro se propõe a pensar como o cinema e a cultura podem produzir uma poesia marcada por discussões do Sul global sobre os Direitos Humanos.

13/03, sábado, às 17h00

“Somos a terra: os direitos da natureza e o futuro da humanidade”

com Ailton Krenak, Sebastião Salgado e Ana Toni (mediação)

É preciso pensar o futuro do planeta e da humanidade como questões profundamente conectadas. Garantir a justiça climática é proteger a dignidade humana, especialmente para as populações mais vulnerabilizadas. Em diálogo inédito, o escritor Ailton Krenak e o fotógrafo Sebastião Salgado, os dois nascidos em Minas Gerais e vizinhos no Vale do Rio Doce, região conhecida pela intensa atividade agropecuária e extrativista, refletem os desafios e a urgência de pensarrmos os direitos da natureza como direitos humanos. Com mediação de Ana Toni, diretora executiva do Instituto Clima e Sociedade.

1º dh fest – Festival de Cultura em Direitos Humanos é uma realização do Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura, Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Pardieiro Cultural, Instituto Vladimir Herzog e do Sesc São Paulo. Correalizado pela Criatura Audiovisual, conta com parcerias com os Jornalistas Livres, Mundo Pensante, Projetemos e com a Ação de Rua – SP. O evento é viabilizado através do Edital ProAC Expresso / Lei Aldir Blanc nº 40/2020. As plataformas digitais parceiras são o Sesc Digital e a Innsaei.TV.

A curadoria do 1º dh fest – Festival de Cultura em Direitos Humanos é assinada por Leandro Pardí (música), Francisco Cesar Filho (cinema) e pelo Instituto Vladimir Herzog em parceria com o Sesc São Paulo (debates).

Sobre o festival, o diretor regional do Sesc São Paulo, professor Danilo Santos de Miranda, comenta: “Ao propiciar e difundir ações, sejam artísticas ou socioeducativas, que contribuam para a efetivação dos Direitos Humanos em diferentes âmbitos a instituição reafirma seu compromisso na construção de uma sociedade cujos valores da solidariedade e da igualdade estejam presentes nas variadas formas de convivência.”


Rogério Sottili, diretor-executivo do Instituto Vladimir Herzog, afirma que o festival pretende contribuir para a construção de um país mais justo e democrático. “O Instituto Vladimir Herzog, desde sua fundação, aposta na cultura e acredita que a arte pode sensibilizar para o exercício da cidadania. Esta iniciativa reafirma a importância dos Direitos Humanos e responde ao contexto desolador de desmonte das políticas públicas de cultura no Brasil. Vamos seguir na luta por direitos valorizando por meio do diálogo o que temos de melhor: nossa diversidade e nossa cultura”.


Para Leandro Pardí, o evento pretende “desde sua primeira edição valorizar a música enquanto elemento engajador e representante de discursos plurais que inspiram transformações a favor da diversidade”. Ele ressalta que o objetivo do festival é “criar um hub para a cultura cidadã, abordar as temáticas de Direitos Humanos pertinentes ao desenvolvimento cultural e social.”


Segundo Francisco Cesar Filho, o festival pretende “estimular a reflexão sobre as diversas temáticas ligadas aos Direitos Humanos, reunindo obras cinematográficas, apresentações musicais e mesas de discussão que dialoguem com esses temas. Assim, se enriquece um debate que se mostra extremamente necessário na atualidade em nosso país.  

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

Destacando o Dia Internacional da Mulher, o festival agrupou uma série de atrações em 8/03, segunda-feira. A programação especial tem início às 15h00, quando são disponibilizados os filmes “À Beira do Planeta Mainha Soprou a Gente “, “A Felicidade Delas”, “Acende a Luz “, “Além de Tudo, Ela”, “Carne”, “Cor de Pele”, “Entre Nós e o Mundo”, “Filhas de Lavadeiras”, “Kunhangue Arandu – A Sabedoria das Mulheres “, “Lora”, “Marimbás”, Mãtãnãg, a Encantada, “Meu Nome é Bagdá”, “Minha História é Outra” e “Torre das Donzelas”.

Às 17h00, acontece a mesa de debate “Mulheres e resistência: narrativas para romper silêncios”, com participação da escritora Conceição Evaristo, da pedagoga Maria Clara Araújo e da jornalista Semayat Oliveira (mediação). A cantora Tássia Reis apresenta sua performance musical às 19h00.

A partir das 20h00, o coletivo Projetemos realiza projeções em empena de prédio na rua da Consolação (São Paulo), a partir das fotografias do livro Heroínas desta História – Mulheres em busca de justiça por familiares mortos pela ditadura”, que apresenta histórias de vida e de luta de 15 mulheres impactadas pela violência de Estado durante a ditadura militar no Brasil (1964-1985). Trata-se de publicação do Instituto Vladimir Herzog e da Autêntica Editorana qual são retratadas camponesas, operárias, indígenas, mulheres de classe média e da periferia, do Sudeste ao Nordeste brasileiro.

(ao final, encontram-se a grade de programação do festival, dados sobre todos os filmes disponibilizados e informações sobre os debatedores e mediadores participantes)


ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável


O festival está alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) lançados pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2015. Trata-se de uma agenda com 17 objetivos para serem implementados até 2030 por todos os países do mundo: erradicação da pobreza; fome zero e agricultura sustentável; saúde e bem-estar; educação de qualidade; igualdade de gênero; água limpa e saneamento; energia limpa e acessível; trabalho decente e crescimento econômico; inovação e infraestrutura resiliente; redução das desigualdades; cidades e comunidades sustentáveis; consumo e produção responsáveis; ação contra a mudança global do clima; conservação e uso sustentável da água; proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres; paz, justiça e instituições eficazes; e fortalecimento dos meios de implementação e revitalização de parcerias globais para o desenvolvimento sustentável.

serviço:

1º dh fest – Festival de Cultura em Direitos Humanos

de 7 a 14 de março de 2021

online e gratuito

www.dhfest.com.br 

realização:

Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura, Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Pardieiro Cultural, Instituto Vladimir Herzog e Sesc São Paulo

correalização:

Criatura Audiovisual

parcerias:

Jornalistas Livres, Mundo Pensante, Projetemos e Ação de Rua – SP

evento viabilizado através do Edital ProAC Expresso / Lei Aldir Blanc nº 40/2020. 

curadoria: Leandro Pardí, Francisco Cesar Filho, Instituto Vladimir Herzog e Sesc São Paulo

assessoria de comunicação:

ATTi Comunicação e Ideias 

Eliz Ferreira e Valéria Blanco (11) 3729.1455 / 3729.1456 / 9 9105.0441

*** PROGRAMAÇÃO ***

7/03, domingo

18h00 cerimônia de abertura

19h00 Chico César (performance musical)

19h00 disponibilização dos filmes “A Cordilheira dos Sonhos”, “A Morte Branca do Feiticeiro Negro”, “Alice Júnior”, “Bonde”, “Egum”, “Entre Imagens (Intervalos)”, “Finado Taquari”, “Gilson”, “Inabitáveis”, “Negrum3”, “Marimbás”, “Nós”, “O Verbo Se Fez Carne “, “O Que Pode um Corpo?”, “Para Onde Voam as Feiticeiras”, “Paradoxos”, “Perifericu”, “Ruivaldo, O Homem Que Salvou a Terra”, “Selvagem’, “Tranças”, “Tuã Ingugu (Olhos D’Água)” e “Vlado – 30 Anos Depois”

8/03, segunda-feira programação especial Dia Internacional da Mulher

15h00 disponibilização dos filmes “À Beira do Planeta Mainha Soprou a Gente”, “A Felicidade Delas”, “Acende a Luz “, “Além de Tudo, Ela”, “Carne”, “Cor de Pele”, “Entre Nós e o Mundo”, “Filhas de Lavadeiras”, “Kunhangue Arandu – A Sabedoria das Mulheres”, “Lora”, “Mãtãnãg, a Encantada”, “Meu Nome é Bagdá”, “Minha História é Outra” e “Torre das Donzelas”

17h00 mesa “Mulheres e resistência: narrativas para romper silêncios”, com Conceição Evaristo, Maria Clara Araújo e Semayat Oliveira (mediação)

19h00 Tássia Reis (performance musical)


20h00 “Heroínas desta História” – projeções em empenas de prédios pelo coletivo Projetemos

9/03, terça-feira

17h00 – mesa “Aldeias, quilombos e periferias: o poder das palavras na luta por direitos”, com Catarina Guarani, Nêgo Bispo e Bianca Santana (mediação)

20h00 “Vladimir Herzog: memória e justiça” – projeção em empenas de prédios de imagens do filme “Marimbás” pelo coletivo Projetemos (seguida de conversa, com acesso pelo www.dhfest.com.br)

10/03, quarta-feira

17h00 – mesa “Vladimir Herzog e o documentário social: memória e justiça”, com João Batista de Andrade, Tata Amaral e Paula Sacchetta (mediação)

11/03, quinta-feira

17h00 – entrevista “Meu norte é o sul: retratos latino-americanos no cinema”, com Patrício Guzmán e Luiz Carlos Merten

12/03, sexta-feira

19h00 Baile em Chernobyl (performance musical)

13/03, sábado

15h00 disponibilização do filme “Atravessa a Vida”

17h00 mesa “Somos a terra: os direitos da natureza e o futuro da humanidade”, com Ailton Krenak, Sebastião Salgado, e Ana Toni (mediação)

14/03, domingo

19h00 Kunumi MC (performance musical)

*** SOBRE OS DEBATEDORES E MEDIADORES ***

Ailton Krenak é escritor e ativista do movimento socioambiental e de defesa dos direitos indígenas. Organizou a Aliança dos Povos da Floresta e contribuiu para a criação da União das Nações Indígenas (UNI). Sua luta nas décadas de 1970 e 1980 foi determinante para a conquista dos “Capítulo dos índios” na Constituição de 1988. É coautor da proposta da Unesco que criou a Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço em 2005. É comendador da Ordem do Mérito Cultural da Presidência da República.

Ana Toni é diretora executiva do Instituto Clima e Sociedade. Economista e doutora em Ciência Política, foi Presidente de Conselho do Greenpeace Internacional (2011 a 2017), diretora da Fundação Ford no Brasil (2003-2011) e da ActionAid Brasil (1998-2003). Foi membra do conselho do GIFE, Fundo Baobá para Equidade Racial e Sociedade e Wikimedia Foundation entre outros. Atualmente é integrante dos conselhos da Gold Standard Foundation, Instituto República, Transparência Internacional- Brasil, e do Instituto Pesquisa Ambiental da Amazônia -IPAM.

Bianca Santana é jornalista e escritora.  Doutora em ciência da informação e mestra em educação pela Universidade de São Paulo. Autora de “Quando me descobri negra” e de uma biografia de Sueli Carneiro, em processo de edição. Pela UNEafro, colaborou com a articulação da Coalizão Negra Por Direitos e agora se dedica à estruturação do Instituto de Referência Negra Peregum. É conselheira do Instituto Vladimir Herzog.

Catarina Guarani é professora. Catarina Delfina dos Santos, em tupi Guarani Nimbopyruá. Moradora das terras indígenas Piáçaguera na aldeia Tapirema, no litoral de São Paulo. Líder Espiritual, dá aula de terapia tradicional. Tem 4 filhos e vai fazer mestrado em antropologia. É da etnia tupi Guarani.

Conceição Evaristo é escritora. Ficcionista e ensaísta. Mestre em Literatura Brasileira pela PUC/Rio, Doutora em Literatura Comparada pela UFF. Sua primeira publicação (1990) foi na série Cadernos Negros do grupo Quilombhoje. 7 livros publicados, entre eles o vencedor do Jabuti, Olhos D’água (2015), 5 deles traduzidos para o inglês, o francês, espanhol e árabe. Prêmio do Governo de Minas Gerais pelo conjunto de sua obra; Prêmio Nicolás Guillén de Literatura pela Caribbean Philosophical Association; Prêmio Mestra das Periferias pelo Instituto Maria e João Aleixo (tudo isso em 2018!). Em 2019, lançou seu “Poemas da Recordação e Outros Movimentos” em edição bilíngue no Salão do Livro de Paris. Foi homenageada pelo Prêmio Jabuti ainda em 2019 como personalidade literária.

João Batista de Andrade é cineasta, escritor e gestor. Dirigiu longas-metragens premiados, como “Doramundo” (1978), eleito melhor filme no Festival de Gramado, “O Homem que Virou Suco” (1980), grande vencedor do Festival de Moscou, e “O Tronco” (1999), prêmio de melhor direção no Cine PE – Festival Audiovisual. Realizou “Vlado – 30 Anos Depois” (2005), documentário sobre seu amigo Vladimir Herzog (1937-1975), jornalista torturado e morto pela ditadura civil-militar do Brasil. Em 2014 foi vencedor do Prêmio Intelectual do Ano. Ocupou os cargos de secretário estadual da cultura de São Paulo (2005-2006), quando criou o Programa de Apoio à Cultura (ProAC), presidente da Fundação Memorial da América Latina e ministro interino da cultura.

Luiz Carlos Merten é jornalista e crítico de cinema, considerado um dos mais importantes profissionais brasileiros em sua área. Atuou em diversos veículos de imprensa, entre eles O Estado de S. Paulo, no qual escreveu ao longo de 31 anos, fazendo reportagens e cobrindo eventos como o Festival de Cannes. É autor dos livros “A Aventura do Cinema Gaúcho” (2002), “Carlos Coimbra um Homem Raro” (2004), “Um Sonho de Cinema” (2004), “Anselmo Duarte o Homem da Palma de Ouro” (2004), “Cinco Mais Cinco. Os Maiores Filmes Brasileiros em Bilheteria e Crítica” (2007) e “Cinema: entre a realidade e o artifício: diretores, escolas, tendências” (2010), entre outros.

Maria Clara Araújo é formada em Pedagogia pela PUC-SP e cursando a Especialización y Curso Internacional en Estudios Afrolatinoamericanos y Caribeños pelo Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO) e pela Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales (FLACSO Brasil). Também está cursando o Certificado en Estudios Afrolatinoamericanos do Instituto de Investigaciones Afrolatinoamericanas de la Universidad de Harvard. Integrante do NIP: Núcleo Inanna de Pesquisa e Investigação de Teorias de Gênero, Sexualidades e Diferenças, coordenado pela Profª Dra. Carla Cristina Garcia (PUC-SP).

Nêgo Bispo é lavrador, poeta, escritor, formado por mestras e mestres de ofícios, morador do Quilombo Saco-Curtume, localizado no município de São João do Piauí. Ativista político e militante de grande expressão no movimento social quilombola e nos movimentos de luta pela terra, atua na Coordenação Estadual das Comunidades Quilombolas do Piauí e na Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas. Faz parte da primeira geração da família de sua mãe que teve acesso à alfabetização.

Patricio Guzmán é um dos cineastas latino-americanos de maior renome internacional. Após o golpe de estado no Chile, permaneceu no Estádio Nacional de Santiago, sofreu confinamento solitário e foi ameaçado de execução. Deixou o país em novembro de 1973. Seu filme “Nostalgia da Luz” recebeu o Grande Prêmio concedido pela Academia de Cinema Europeu em 2010. Com “O Botão de Pérola”, ganhou o Urso de Prata no Festival de Berlim em 2015, e seu filme mais recente “A Cordilheira dos Sonhos” foi eleito melhor documentário no Festival de Cannes em 2019. Guzmán é presidente e fundador do Festival de Documentários de Santiago, FIDOCS. Retrospectivas recentes de sua obra aconteceram no British Film Institute e no FilmArchive de Harvard. Duas de suas obras, “Nostalgia da Luz” e “A Batalha do Chile”, foram incluídas na lista dos melhores documentários de todos os tempos, organizada pela revista britânica Sight and Sound.

Paula Sacchetta é documentarista e é especializada em temas ligados aos Direitos Humanos. Seu segundo longa documental, “Precisamos Falar do Assédio”, foi lançado em setembro de 2016 no 49o Festival de Brasília do Cinema. Dirigiu também duas séries de TV, “Famílias”, sobre jovens LGBT na periferia de São Paulo, e “Eu, Preso”, sobre o sistema carcerário brasileiro. Durante a quarentena do Covid-19 lançou um curta todo feito remotamente sobre a chegada do vírus no sistema carcerário e um curta sobre sexo na terceira idade filmado meses antes, “Acende a Luz”, ambos para o Mov.doc, da UOL.

Sebastião Salgado é formado em economia e começou sua carreira como fotógrafo na França, onde mora desde 1973. Trabalhou para as agências Sigma e Gamma, e desde 1979 faz parte da Magnum. Já recebeu os prêmios mais importantes concedidos ao fotojornalismo, entre eles o de Melhor Repórter Fotográfico do Ano, oferecido pelo International Center of Photography de Nova York, e o Grand Prix da Cidade de Paris. Ao lado de sua esposa, Lélia Wanick, desenvolve o Instituto Terra, instituição dedicada a recuperar o ecossistema florestal da região do Vale do Rio Doce, em Minas Gerais. Salgado é também embaixador da Boa Vontade da UNICEF e membro honorário da Academia de Artes e Ciências dos EUA.

Semayat Oliveira é jornalista, escritora e documentarista formada pela Universidade Metodista de São Paulo e especialista em Cultura, Educação e Relações étnico-raciais pela Escola de Comunicação e Artes da USP. Cofundadora do grupo jornalístico Nós, mulheres da periferia, atua há dez anos com foco em criar novos imaginários e narrativas sobre as mulheres brasileiras, a periferia e a população negra. No âmbito da comunicação estratégica, atuou como coordenadora de comunicação no Instituto Vladimir Herzog entre 2018 e 2019.

Tata Amaral é citada por vários críticos como uma das mais importantes realizadoras do cinema brasileiro a partir da década de 1990. A realizadora assina premiados longas-metragens, como “Um Céu de Estrelas (1996), exibido nos festivais de Toronto, Roterdã e Berlim, “Antonia” (2006), que inspirou a série televisiva homônima indicada ao Prêmio Emmy Internacional, e “Hoje” (2011), o grande vencedor do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Dirigiu ainda as séries “Rua!” (2013), realizada para a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo, e “Causando na Rua” (2016).

*** SOBRE OS LONGAS-METRAGENS ***

“A Cordilheira dos Sonhos” – Patrício Guzmán (“La Cordillera de Los Sueños” / “La Cordillère des Songes”, Chile/França 2019, 104 min, 14 anos) – disponível a partir de 7/03, às 19h00, até 9/03, às 18h59, ou até atingir o limite de 200 visionamentos

No Chile, quando o Sol nasce, precisa escalar muros, colinas e cumes até atingir a última rocha no topo dos Andes. A cordilheira está em todo lugar, mas, para os chilenos, é muitas vezes um território desconhecido. Depois de explorar o norte e o sul do país em outros documentários, o diretor Patrício Guzmán se viu tentado a filmar essa imensa construção para explorar seus mistérios, poderosos segredos do passado e do presente chilenos. O filme encerra a trilogia de ensaios memorialísticos e políticos assinados pelo cineasta, formada ainda pelos premiados longas-metragens “Nostalgia da Luz” (2012) e “O Botão de Pérola” (2015).

vencedor do prêmio de melhor documentário no Festival de Cannes

“Alice Júnior” – Gil Baroni (Brasil-PR, 2019, 87 min, 14 anos) – disponível a partir de 7/03, às 19h00, com limite de 300 visualizações

Alice é uma adolescente trans cheia de carisma que investe seu tempo fazendo vídeos para o Youtube. Um dia, seu pai é transferido pela sua empresa no Recife, capital de Pernambuco, para uma cidade no interior do Paraná, e eles precisam se mudar. Na nova escola, Alice enfrenta preconceitos ao se deparar com uma sociedade mais retrógrada do que estava acostumada. O desejo da menina é dar seu primeiro beijo – mas, antes de tudo, quer o direito de ser quem ela é. Com Anne Mota, Emmanuel Rosset e Surya Amitrano.

selecionado para a mostra Generation 14Plus do Festival de Berlim, Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, Outfest Los Angeles LGBTQ Film Festival, Frameline San Francisco LGBTQ Film Festival e para o Festival de San Sebastián; melhor atriz, melhor atriz coadjuvante, melhor montagem e melhor trilha sonora no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro; prêmio do público na Mostra Geração e Prêmio Feliz no Festival do Rio; prêmio do público para longa-metragem brasileiro, melhor interpretação e menção honrosa no Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade; indicado ao Annual GLAAD Media Awards (da Gay & Lesbian Alliance Against Defamation)

“Atravessa a Vida” – João Jardim (Brasil-RJ, 2020, 84 min, 12 anos) – disponível em sessões em 13/03, das 18h00 às 19h25, e em 14/03, das 18h00 às 19h25, com limite de 750 visualizações em cada uma

Enquanto alunos do 3º ano do ensino público no interior do Sergipe se preparam para a prova que pode determinar o resto de suas vidas, o documentário retrata as angústias e os prazeres da adolescência através de seus gestos, inquietações e conquistas.

selecionado para o É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários


“Kunhangue Arandu – A Sabedoria das Mulheres” – Alberto Alvares e Cristina Flória (Brasil-SP, 2021, 73 min, livre) produção: A 2.0 Produções Artísticas; realização: SescTV – a partir de 8/03, às 15h00, até 14/03, às 19h59

Na programação do SescTV a partir de 19 de abril: sesctv.org.br.

As nuances do universo feminino das mulheres Guarani para manter a transmissão e perpetuação de sua cultura, e as formas de resistência para manter o nhandereko, o modo de ser da etnia. Documentário realizado na Terra Indígena Jaraguá, no município de São Paulo, nas aldeias Tekoa Ytu, Tekoa Pyau, Tekoa Itakupe, Tekoa Yvy Porã e Tekoa Ita Endy.

“Meu Nome é Bagdá” – Caru Alves de Souza (Brasil-SP, 2020, 99 min, 14 anos) – disponível a partir de 8/03, às 15h00, até 9/03, às 14h59

Brutalidade policial, violência sexual, homofobia e direito das mulheres vistos no cotidiano de uma skatista de 17 anos que vive em um bairro da periferia da cidade de São Paulo. Ela anda de skate com um grupo de meninos e passa boa parte de seu tempo com sua família e as amigas de sua mãe. Juntas elas formam um grupo de mulheres pouco convencionais. Porém, ela finalmente encontra um grupo de meninas skatistas, e a sua vida muda completamente. Com Grace Orsato, Karina Buhr, Marie Maymone, Helena Luz, Gilda Nomacce e Paulette Pink.

vencedor do prêmio de melhor filme da mostra Generation 14plus do Festival de Berlim; melhor filme e direção no Nordic Film Festival, de Nova York; melhor filme pelo júri jovem do Gender Bender Festival, de Bolonha (Itália); melhor filme latino-americano no Festival de Cine Latinoamericano de La Plata (Argentina); prêmio do público no Cormorán Film Fest (Corunha, Espanha); melhor atriz e menção honrosa para o elenco feminino no Festival de Cine de Lima PucP (Peru); prêmio do júri de estudantes no Ciné Junior – Festival de Cinéma Jeunes Publics de Val-de-Marne (França)

“Nós” – Pedro Arantes (Brasil-SP, 2018, 79 min, 14 anos) – disponível a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

Felipe saiu de casa para visitar um amigo tarde da noite quando sumiu sem deixar rastros. Paulinho estava aproveitando sua liberdade condicional, até que deixou sua residência e nunca mais foi visto. Lula era um guerrilheiro da Ação Libertadora Nacional que, de um dia para o outro, desapareceu. Rolindo lutava para retomar sua Terra Original Guarani no Mato Grosso do Sul antes de desvanecer. São pessoas que não estão vivas e nem mortas: estão desaparecidas. Com Franciele Gomes, Maria José Araújo, Lucineide Damasceno e Amparo Araújo.

“Para Onde Voam as Feiticeiras” – Eliane Caffé, Carla Caffé e Beto Amaral (Brasil-SP, 2020, 89 min, 14 anos) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

As encenações e improvisos de sete artistas pelas ruas do centro da cidade de São Paulo em uma experiência que torna visível a persistência de preconceitos arcaicos de gênero e raça no imaginário comum. No centro desta narrativa polifônica está a importância da resistência política através das alianças de luta comum entre coletivos LGBTQIA+, negritude, indígenas e trabalhadores sem teto.

vencedor do prêmio de melhor filme no festival Queer Porto 6 (Portugal); melhor filme e melhor direção no Festival de Vitória; filme de abertura do Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba

“Selvagem” – Diego da Costa (Brasil-SP, 2019, 95 min, 12 anos) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

Sofia tem um objetivo muito claro: passar no vestibular, achar um emprego e sair de casa. Porém, quando a escola onde estuda é ocupada pelos seus amigos e colegas de classe, ela se vê em um dilema entre continuar estudando sozinha ou compartilhar seu conhecimento na transformação da escola. Com Fran Santos, Kelson Succi, Paulo Pinheiro, Juliana Gerais, Erica Ribeiro, Lucélia Santos e Rincon Sapiência.

vencedor do prêmio de melhor filme no Festival de Cinema Latino-Americano

“Torre de Donzelas” – Susanna Lira (Brasil-RJ, 2018, 97 min, 12 anos) – a partir de 8/03, às 15h00, até 14/03, às 19h59

Há desejos que nem a prisão e nem a tortura inibem: liberdade e justiça. Há razões que nos mantêm íntegros mesmo em situações extremas de dor e humilhação: a amizade e a solidariedade. O filme traz relatos inéditos da ex-presidente Dilma Rousseff e de suas ex-companheiras de cela do Presídio Tiradentes, em São Paulo, e remonta, como um exercício lúdico de memória, os dias no cárcere durante a ditadura civil-militar brasileira (1964-1985).

vencedor dos prêmios de melhor documentário brasileiro, melhor direção de documentário, prêmio do público para longa-metragem documentário e Prêmio Canal Curta no Festival do Rio; prêmio do público para documentário brasileiro na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo; prêmio especial do júri no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro; melhor documentário no ATLANTIDOC – Festival de Documentários do Uruguai; menção honrosa no Festival de Santiago del Estero (Argentina)

“Tranças” – Livia Sampaio (Brasil-BA, 2019, 75 min, 14 anos) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

De acordo com o Conselho Nacional de Justiça, a alienação parental atinge cerca de 17 milhões de jovens e adolescentes no Brasil. Eles são impedidos por pais, mães e, via de regra, por toda a família do alienador de ter contato com o outro genitor e seus familiares. O filme questiona a efetividade das legislações e do próprio Poder Judiciário, nem sempre preparados para lidar com as particularidades dos casos.

vencedor de menção honrosa para filme de caráter humanitário no Santos Film Fest; troféu Cacto de Prata de melhor roteiro no Festival de Cinema dos Sertões de Floriano (PI); melhor filme de família/crianças no Festival Tagore (Índia)

“Vlado – 30 Anos Depois” – João Batista de Andrade (Brasil-SP, 2005, 85 min, 14 anos) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

No dia 25 de outubro de 1975, o jornalista Vladimir Herzog acorda de manhã e se despede da mulher, Clarice: ele deve se apresentar ao DOI-Codi, órgão de repressão política do regime militar brasileiro, para prestar depoimento. Clarice questiona se ele deve se apresentar: vários amigos estão presos e sabe-se que são torturados. Mas Vlado se recusa a fugir; pondera que é um homem transparente, alheio à clandestinidade. No fim da tarde do mesmo dia, sua família e amigos recebem a terrível notícia: o jornalista está morto e, segundo fonte oficial, suicidou-se na prisão. O filme revela a trajetória de Herzog, desde a infância na Iugoslávia até sua posse como diretor de jornalismo da TV Cultura de São Paulo. A reação de Clarice, dos amigos e da sociedade, recusando a farsa montada para justificar a morte do jornalista, tornou o fato um marco na luta pela redemocratização do país.

selecionado para o Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo

*** SOBRE OS CURTAS-METRAGENS ***

“À Beira do Planeta Mainha Soprou a Gente” – Bruna Barros e Bruna Castro – a partir de 8/03, às 15h00, até 14/03, às 19h59

Através de imagens de arquivo pessoal e reflexões sobre as ambivalências que às vezes
se imprimem em relações cheias de amor, o filme apresenta recortes de afeto entre duas sapatonas e suas mães.

selecionado para o Fest Tabatinga – Festival Tabatinga de Cinema e para o Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro

“A Felicidade Delas” – Carol Rodrigues (Brasil-SP, 2019, 14 min, 14 anos) – a partir de 8/03, às 15h00, até 14/03, às 19h59

Ivy e Tamirys fogem juntas da polícia depois da Marcha Mundial das Mulheres do 8 de março. Durante a fuga, vão parar em um prédio abandonado, onde amadurecem o desejo que sentem uma pela outra desde o primeiro momento em que se viram na manifestação. A polícia chega e elas se escondem. O espaço daquele aquário de concreto é muito apertado e seus corpos ficam muito próximos. A tensão da violência que se aproxima, anunciada pelo barulho que aumenta cada vez mais no cômodo ao lado, prenuncia a explosão.

vencedor do prêmio de melhor filme brasileiro e menção honrosa do Prêmio ABD/APECI no Recifest – Festival de Cinema de Diversidade Sexual e de Gênero; prêmio de melhor fotografia e prêmio da crítica no For Raimbow – Festival de Cinema e Cultura da Diversidade sexual (Recife); selecionado para a Mostra de Tiradentes, Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade e para o FestCurtasBH – Festival Internacional de Curtas-Metragens de Belo Horizonte

“A Morte Branca do Feiticeiro Negro” – Rodrigo Ribeiro (Brasil-SC, 2020, 10 min, 14 anos) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

Memórias do passado escravista brasileiro transbordam em paisagens etéreas e ruídos angustiantes. Através de um poético ensaio visual, uma reflexão sobre o silenciamento e invisibilização do povo preto em diáspora, numa jornada íntima e sensorial.

vencedor do prêmio de melhor direção e Prêmio Canal Brasil no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro; Prêmio Revelação no Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum; selecionado para o Doclisboa – Festival Internacional de Cinema, Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba, Entretodos – Filmes Curtos e Direitos Humanos, FestCurtas Fundaj e CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto

 
“Acende a Luz” – Paula Sacchetta e Renan Flumian (Brasil-SP, 2020, 11 min, 12 anos) – a partir de 8/03, às 15h00, até 14/03, às 19h59

A gente vem com prazo de validade? O sexo na terceira idade, através da história de Isabel Dias, de 64 anos. Ela foi casada por 32 anos e decidiu se separar quando soube que foi traída. Após o divórcio, ela vive uma jornada de redescoberta do sexo e do próprio corpo.

“Além de Tudo, Ela” – Mickaelle Lima Souza, Pâmela Kath, Lívia Zanuni e Pedro Vilo (Brasil-PR, 2020, 10 min, 10 anos) – a partir de 8/03, às 15h00, até 14/03, às 19h59

Estamos nos anos 1930 e Enedina Alves Marques se torna a primeira mulher negra a se formar em engenharia civil na Universidade Federal do Paraná. Trata-se não apenas de um ambiente extremamente machista e também essencialmente racista. A partir de três depoimentos, conhecemos um pouco sobre sua trajetória e como ela se torna uma referência para várias outras mulheres negras.

selecionado para o Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba

Bonde” – Asaph Luccas / coletivo Gleba do Pêssego (Brasil-SP, 2019, 18 min, 14 anos) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

Três jovens amigos negros da favela de Heliópolis partiram em busca de refúgio na vida noturna LGBT + do centro da cidade de São Paulo.

vencedor do prêmio de melhor curta-metragem no Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade; selecionado para o Festival do Rio; Prêmio Canal Brasil e Troféu “Borboleta de Ouro” no Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum

“Carne” – Camila Kater (Brasil-SP/Espanha, 2019, 12 min, 12 anos) – a partir de 8/03, às 15h00, até 14/03, às 19h59

Documentário animado sobre as transformações do corpo feminino, cujo título faz alusão à objetificação vivenciada pelas mulheres ao longo da vida. E entre os depoimentos presentes há relatos da atriz e cineasta Helena Ignez e da cantora Raquel Virgínia (da banda As Baías).

vencedor do prêmio do público para curta-metragem no Festival do Rio; melhor curta-metragem e melhor roteiro no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro; Destaque ABCA – Associação Brasileira de Cinema de Prêmio para melhor animador(a) / Troféu O Kaiser no Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum; Prêmio ABCA de melhor animação e Prêmio Canal Brasil na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo; melhor documentário internacional em animação no Festival de Animação de Londres; melhor filme dirigido por mulher no Festival de Curtas-Metragens Aguilar de Campoo (Espanha); menção honrosa do júri jovem no Festival de Locarno; selecionados para o, Festival de Toronto, Festival de Animação de Annecy, D’A – Festival de Cinema de Barcelona, Festival de Curtas-Metragens de Tampere e para o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

“Cor de Pele” – Larissa Barbosa (Brasil-MG, 2020, 3 min, 10 anos) – a partir de 8/03, às 15h00, até 14/03, às 19h59

Um filme-poema-manifesto-performance que reflete sobre o passado, presente e futuro de mulheres negras, que mesmo com diferentes identidades, historicamente são marginalizadas dentro da estrutura social brasileira. Em meio a imagens que convocam alegorias e metáforas, o filme fala sobre o cotidiano de violência, repressão e exploração para com essas milhões de mulheres, que também levam consigo marcas de dores que não viveram, como aponta um dos versos do poema narrado.

selecionado para o Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba e para a Mostra Ecofalante de Cinema

“Egum” – Yuri Costa (Brasil-RJ, 2020, 23 min, 14 anos) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

Após anos afastado devido à violenta morte do irmão, um renomado jornalista retorna para a casa de sua família para cuidar de sua mãe, que sofre uma grave e desconhecida doença. Numa noite, ele recebe a visita de dois estranhos, que têm negócios desconhecidos com seu pai. Esse encontro, juntamente com acontecimentos que o levam a desconfiar que algo sobrenatural se abateu sobre sua mãe, fazem-no temer uma nova tragédia.

vencedor do prêmio de melhor filme na mostra Foco da Mostra de Cinema de Tiradentes; selecionado para o Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum

“Entre Imagens (Intervalos)” – Andre Fratti Costa e Reinaldo Cardenuto (Brasil-SP, 2016, 22 min, livre) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

A vida de um artista em intervalos. A história de um país entre imagens. Antonio Benetazzo foi assassinado pela ditadura militar no Brasil e deixou suas obras espalhadas pelas casas de amigos.

“Entre Nós e o Mundo” – Fabio Rodrigo (Brasil-SP, 2019, 17 min, 12 anos) – a partir de 8/03, às 15h00, até 14/03, às 19h59

Erika teve um de seus dois filhos, Theylor, de 16 anos, recentemente assassinado em uma abordagem policial e está preocupada com o outro, Nicolas, de 17. Ela está grávida. Medo, dor e felicidade se misturam demais na periferia da cidade de São Paulo.

selecionado para o Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum e para a Mostra de Cinema de Tiradentes

“Filhas de Lavadeiras” – Edileuza Penha de Souza (Brasil-DF, 2019, 22 min, 14 anos) – a partir de 8/03, às 15h00, até 14/03, às 19h59

Histórias de mulheres negras que, graças ao trabalho árduo de suas mães, puderam ir para a escola e refazer os caminhos trilhados por suas antecessoras. Suas memórias, alegrias e tristezas se fazem presentes como possibilidade de um novo destino, transformando o duro trabalho das lavadeiras em um espetáculo de vida e plenitude.

vencedor do prêmio de melhor curta-metragem brasileiro no É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários

“Finado Taquari” – Frico Guimarães (Brasil-SP, 2021, 23 min, 12 anos) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

O assoreamento do rio Taquari, no Mato Grosso do Sul, dificulta a navegação e circulação de famílias moradoras de uma região onde o rio é estrada. Everton e os tripulantes do “20 de Janeiro” são um dos poucos que se atrevem a subir o rio até o limite para entregar suplementos e proporcionar transporte na área afetada. A equipe do filme acompanhou a tripulação numa viagem pelo rio por dez dias vivenciando toda essa saga.

“Gilson” – Vitória Di Bonesso (Brasil-SP, 2020, 5 min, livre) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

A desigualdade social e concentração de renda são vistos através da trajetória de um entregador de aplicativo de delivery que precisa trabalhar durante a pandemia da covid-19.

vencedor do Prêmio Rede Sina de melhor curta-metragem com temática social no ROTA Festival de Roteiro Audiovisual; premiado na categoria Estética de Curta Internacional no Festival de Cinema em Balneário Camboriú; selecionado para o Primeiro Plano – Festival de Cinema de Juiz de Fora e Mercocidades e para a Mostra de Curtas-Metragens San Rafael en Corto (Ilhas Canárias)

“Inabitáveis” – Anderson Bardot (Brasil-ES, 2019, 25 min, 16 anos) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

Uma companhia contemporânea de dança está prestes a estrear seu mais novo espetáculo, que aborda como tema a homoafetividade negra. Paralelamente aos ensaios, o Coreógrafo constrói uma amizade com Pedro, um jovem menino negro que não se identifica como menino.

vencedor dos prêmios de melhor curta-metragem e melhor fotografia no For Rainbow – Festival de Cinema e Cultura da Diversidade Sexual e de Gênero; melhor roteiro, melhor interpretação, menção honrosa e Prêmio Canal Brasil no Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade; melhor direção de fotografia e melhor trilha sonora no Festival Santa Cruz de Cinema; selecionado para o Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum e para a Mostra de Cinema de Tiradentes

“Lora” – Mari Moraga (Brasil-SP/Portugal, 2020, 17 min, 14 anos) – a partir de 8/03, às 15h00, até 14/03, às 19h59

Na maior cidade do Brasil, Lora é uma mulher livre e plena de presença, que apresenta outra forma de pensar sobre pessoas em situação de rua.

vencedor do Prêmio TV Cultura no Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum; prêmio do público para curta-metragem documental no Encontro Nacional de Cinema e Vídeo dos Sertões; selecionado para o É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários

“Marimbás” – Vladimir Herzog (Brasil-RJ, 1962, 12 min, livre) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

Produzido no estilo do “cinéma vérité” (cinema verdade), o filme mostra a presença dos marimbás, intermediários entre a pesca e as sobras do produto, em oposição aos pescadores e aos banhistas cariocas do Posto 6, na praia de Copacabana. Único filme do jornalista Vladimir Herzog (1937-1975), a obra é resultado do curso de cinema ministrado pelo documentarista sueco Arne Sucksdorf no Brasil, em 1962.

“Mãtãnãg, a Encantada” – Shawara Maxakali e Charles Bicalho (Brasil-MG, 2019, 14 min, livre) – a partir de 8/03, às 15h00, até 14/03, às 19h59

A índia Mãtãnãg segue o espírito de seu marido, morto picado por uma cobra, até a aldeia dos mortos. Juntos eles superam os obstáculos que separam o mundo terreno do mundo espiritual. Falado em língua Maxakali e legendado, o filme se baseia em uma história tradicional do povo Maxakali.

vencedor de menção honrosa no Destaque ABCA – Associação Brasileira de Cinema de Animação para melhor animador(a) / Troféu O Kaiser no Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum; melhor animação no FestCurtas Fundaj; selecionado para o Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba

 
“Minha História é Outra” – Mariana Campos (Brasil-RJ, 2019, 22 min, 16 anos) – a partir de 8/03, às 15h00, até 10/03, às 14h59

O amor entre mulheres negras é mais que uma história de amor? Niázia, moradora do Morro da Otto, em Niterói (RJ), abre a sua casa para compartilhar as camadas mais importantes na busca por essa resposta. Já a estudante de direito Leilane nos apresenta os desafios e possibilidades de construir uma jornada de afeto com Camila.

selecionado para o Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba e para a Mostra de Cinema de Tiradentes

“Negrum3” – Diego Paulino (Brasil-SP, 2018, 22 min, 12 anos) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

Entre melanina e planetas longínquos, o filme propõe um mergulho na caminhada de jovens negros da cidade de São Paulo. Um ensaio sobre negritude, viadagem e aspirações espaciais dos filhos da diáspora.

vencedor do Shortcup World Film Festival; prêmio do público e Prêmio Canal Brasil na Mostra de Cinema de Tiradentes; prêmio da crítica no FestCurtasBH – Festival Internacional de Curtas-Metragens de Belo Horizonte; melhor curta-metragem documentário e melhor fotografia no Encontro de Cinema e Vídeo do Sertões; selecionado para o Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade e Festival Taquatinga de Cinema

“O Que Pode Um Corpo?” – Victor Di Marco e Márcio Picoli (Brasil-RS, 2020, 14 min, livre) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

Um bebê nasce, mas não chora. Um corpo grita e não é ouvido. As tintas que escorrem em um futuro prometido, não chegam em uma pessoa com deficiência. Victor faz de si a própria tela em um universo de pintores ausentes.

vencedor do prêmio de melhor direção e Prêmio SescTV no Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade; melhor direção no Festival Santa Cruz de Cinema; prêmio especial do Troféu “Borboleta de Ouro” no Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum; selecionado para o Festival de Gramado

“O Verbo Se Fez Carne” – Ziel Karapotó (Brasil-PE/Colômbia, 2019, 7 min, 14 anos) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

A invasão dos europeus em Abya Yala (sinônimo de América na língua do povo Kuna) nos deixou cicatrizes. Ziel Karapotó utiliza seu corpo para denunciar a imposição da língua do colonizador aos povos indígenas, uma face do projeto colonialista.

vencedor do Concurso Curta Ecofalante da Mostra Ecofalante de Cinema; selecionado para a Mostra de Cinema de Tiradentes e para o Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba

“Paradoxos” – Vitor Blotta e Fabrício Bonni (Brasil-SP, 2020, 27 min, 14 anos) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

Documentário sobre os 30 anos do Núcleo de Estudos da Violência na trajetória da redemocratização. Trata-se de um centro de apoio à pesquisa científica voltada para a discussão de temas relacionados à violência, democracia e Direitos Humanos fundado em 1987 e situado na Universidade de São Paulo.

“Perifericu” – Nay Mendl, Rosa Caldeira, Stheffany Fernanda e Vita Pereira (Brasil-SP, 2020, 20 min, 16 anos) – a partir de 7/03, às 19h00 – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

Luz e Denise cresceram em meio às adversidades de ser LGBT no extremo sul da cidade de São Paulo. Entre o vogue e as poesias, do louvor ao acesso à cidade. Os sonhos e as incertezas da juventude inundam suas existências.

vencedor do prêmio de melhor filme da mostra competitiva brasileira e menção honrosa do Troféu “Borboleta de Ouro” no Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum; melhor curta-metragem no ARCHcine – Festival Internacional de Cinema de Arquitetura; melhor curta-metragem de ficção no Festival de San José (Costa Rica); prêmio João Neri (para produções que abordam essencialmente a militância LGBT e o reflexo dessa atuação na vida das pessoas) no For Rainbow – Festival de Cinema e Cultura da Diversidade Sexual e de Gênero; melhor filme no Festival Santa Cruz de Cinema

“Ruivaldo, O Homem Que Salvou a Terra” – Jorge Bodansky e João Farkas (Brasil-MS, 2019, 45 min, 12 anos) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

Fazendeiro no Pantanal do Mato Grosso, Ruivaldo Nery de Andrade ganhou destaque como um soldado na linha de frente da batalha pela proteção do meio ambiente. Acompanhando o dia a dia de esforços para sobreviver de Ruivaldo, o documentário aborda as consequências do assoreamento do rio Taquari.

selecionado para a Mostra Ecofalante de Cinema

“Tuã Ingugu (Olhos D’Água)” – Daniela Thomas (Brasil-RJ/Itália/Suíça, 2019, 11 min, livre) Produção: Syndrome Films, coprodução: Sesc São Paulo; o curta integra o Projeto Interdependence (uma iniciativa da ONG – Art For The World) – a partir de 7/03, às 19h00, até 14/03, às 19h59

Na cosmogonia dos Kalapalo, etnia que vive no parque indígena do Xingú, a água é tão antiga quanto os humanos e é a fonte da vida. É dali que vem todo o sustento dos originários, seu alimento, sua bebida, seu banho, sua alegria. A ideia de usar a água como lixeira, de envenenar a água é uma distopia. No filme, o cacique Faremá – da aldeia Caramujo, nas margens do rio Kuluene – conta sobre o nascimento da água e nos adverte sobre as consequências de desrespeitá-la.

selecionado para o Festival do Rio, Mostra Ecofalante de Cinema e para o Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum

MAM Rio transmite Festival Corpos da Terra

Após passar pela Caixa Cultural do Rio de Janeiro e pelo Espaço Front, o Festival Corpos da Terra chega a sua terceira edição, desta vez totalmente on-line, entre os dias 5 e 14 de março, com exibições gratuitas no canal do Vimeo do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio) (@mamrio) durante todo o período do evento. 

O projeto realizado pela Lúdica Produções com patrocínio da Secretaria de Estado da Cultura e Economia Criativa (SECEC), por intermédio da Lei Aldir Blanc, conta com a curadoria da jornalista, produtora e roteirista Renata Tupinambá, que selecionou 12 curtas-metragens e quatro longas, a maioria deles dirigidos por mulheres indígenas. Em destaque “Equilíbrio” (2020), da cineasta Olinda Muniz Silva Wanderley, que com um olhar sensível mostra problemas ambientais e uma crítica ao antropoceno. Já “Fôlego Vivo” (2021), da Associação dos Cariris do Poço de Dantas, apresenta uma realidade indígena cultural que desconstrói estereótipos. O curta “Kunhangue – Universo de um Novo Mundo” (2020), de Graciela Guarani, e o longa “Yãmĩyhex: As Mulheres-Espírito” (2019), de Isael Maxakali e Sueli Maxakali, foram aclamados em diversas mostras brasileiras, entre elas o Festival do Filme Documentário e Etnográfico de Belo Horizonte (forumdoc.bh) e a Mostra de Cinema de Tiradentes. 

Além dos filmes, o festival vai promover ao vivo, sempre às 19h, no corposdaterra.com.br, uma série de debates mediados pela curadora Renata Tupinambá e pelo antropólogo Idjahure Kadiwel: “Protagonistas na pedagogia da mãe terra”, com Yakuy Tupinambá (BA), Juma Xipaya (PA), Avelin Bunicá Kambiwá (MG) e Daiara Tukano (DF), na sexta-feira, dia 5; “Decolonização do corpo, arte e moda”, com Dayana Molina (RJ) e Sallisa Rosa (GO), no sábado, dia 6; “Cinematografia indígena feminina”, com Olinda Muniz Tupinambá (BA), Graciela Guarani (PE) e Lian Gaia (RJ), no domingo, dia 7; “Uma conversa sobre arte”, com Uyra Sodoma (AM) e Juão Nÿn (SP), na quinta-feira, dia 11; “Territórios e direitos originários”, com Arassari Pataxó (BA) e Tereza Arapium (PA), na sexta-feira, dia 12; e “Música contemporânea e etnotransmídia nas redes”, com Katu Mirim (SP) e Kaê Guajajara (MA), no sábado, dia 13. 

Fechando a programação no domingo, dia 14, às 16h, o site do Festival Corpos da Terra vai transmitir sets da DJ e curadora Renata Tupinambá, além de shows com a cantora e compositora Kaê Guajajara e a rapper Katu Mirim. Tanto os debates como as apresentações musicais serão interativas, e o público poderá fazer perguntas e comentários através do facebook (@corposdaterra) do evento. 

“Preparamos para essa terceira edição uma programação valorizando a pluralidade brasileira indígena de diferentes regiões e contextos. O público vai poder conhecer esses vários Brasis invisíveis em um panorama contemporâneo. Mostraremos a energia feminina matriarcal com destaque para realizadoras e lideranças mulheres, além de um feminino que todos possuem além dos gêneros, como filhos e corpos da natureza”, comenta a curadora Renata Tupinambá. 

A identidade visual desta terceira edição do Corpos da Terra foi desenvolvida pelo artista Denilson Baniwa, que buscou refletir sobre a cosmologia indígena, onde tudo está conectado ao corpo do planeta. Em 2019, Baniwa foi indicado ao Prêmio Pipa, a principal premiação de arte contemporânea do Brasil, sendo vencedor na categoria on-line. O ilustrador coleciona oito exposições individuais, além de participações em mais de 30 coletivas e cinco internacionais. 

Mais informações sobre o Festival Corpos da Terra podem ser obtidas através do site  corposdaterra.com.br.

SERVIÇO:  

Festival Corpos da Terra 

Data: 5 a 14 de março

Local da exibição dos filmes: Vimeo do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio) 

Local dos debates e shows: corposdaterra.com.br  

Horário dos debates: 19h 

Horários dos shows: 16h, 17h e 18h30

Ingresso: Gratuito

Informações: corposdaterra.com.br / facebook.com/corposdaterra / instagram.com/corposdaterra  

PROGRAMAÇÃO:

FILMES

Sessão 1 

Jeroky Gwasu – Grande Canto (2021), de Michele Perito Concianza, Brasil, 12 min, Digital, Livre.

Teko Haxy – ser imperfeita (2018), de Patrícia Ferreira Pará Yxapy e Sophia Pinheiro, Brasil, 40 min, Digital, Livre.

Mãtãnãg, a Encantada (2019), de Shawara Maxakali e Charles Bicalho, Brasil, 14 min, Digital, Livre.

Sessão 2 

Equilíbrio (2020), de Olinda Muniz Silva Wanderley, Brasil, 11 min, Digital, Livre.

Kunhangue – Universo de um Novo Mundo (2020), de Graciela Guarani, Brasil, 20 min, Digital, Livre.

Yãmĩyhex: As Mulheres-Espírito (2019), de Isael Maxakali e Sueli Maxakali, Brasil, 76 min, Digital, 12 anos.

Sessão 3

Yarang Mamin (2019), de Kamatxi Ikpeng, Brasil, 21 min, Digital, Livre.

Opy’i Regua (2019), de Júlia Gimenes e Sérgio Guidoux, Brasil, 20 min, Digital, Livre.

Mitos Indígenas em Travessia (2019), de Julia Vellutini e Wesley Rodrigues, Brasil, 21

min, Digital, Livre.

Mandayaki e Takino (2020), de Yariato e Dadiwa Juruna, Brasil, 10 min, Digital, Livre.

Sessão 4

Fôlego Vivo (2021), de Associação dos Índios Cariris do Poço do Dantas, Brasil, 28 min, Digital, Livre.

O último sonho (2019), de Alberto Alvares, Brasil, 60 min, Digital, 12 anos.

Sessão 5

Ka’a zar ukyze wà – Os donos da floresta em perigo (2019), de Flay Guajajara, Edivan dos Santos Guajajara e Erisvan Bone Guajajara, Brasil, 14 min, Digital, 14 anos.

Nũhũ yãgmũ yõg hãm: essa terra é nossa! (2020), Isael Maxakali, Sueli Maxakali,

Carolina Canguçu e Roberto Romero, Brasil, 70 min, Digital, Livre

Sessão 6

Apiyemiyekî? (2020), de Ana Vaz, Brasil, 27 min, Digital, Livre. 

O índio cor de rosa contra a fera invisível: a peleja de Noel Nutels (2019), de Tiago Carvalho, Brasil, 80 min, Digital, 12 anos.

DEBATES

Sexta-feira, dia 5 de março 

19h – Protagonistas na pedagogia da mãe terra, com Yakuy Tupinambá (BA), Juma Xipaya (PA), Avelin Bunicá Kambiwá (MG), Daiara Tukano (DF) e mediação de Renata Tupinambá 

Sábado, dia 6 de março 

19h – Decolonização do corpo, arte e moda, com Dayana Molina (RJ), Sallisa Rosa (GO) e mediação de Idjahure Kadiwel

Domingo, dia 7 de março 

19h – Cinematografia indígena feminina, com Olinda Muniz Tupinambá (BA), Graciela Guarani (PE), Lian Gaia (RJ) e mediação de Renata Tupinambá

Quinta-feira, dia 11 de março 

19h – Uma conversa sobre arte, com Uyra Sodoma (AM), Juão Nÿn (SP) e mediação de Renata Tupinambá

Sexta-feira, dia 12 de março 

19h – Territórios e direitos originários, com Arassari Pataxó (BA), Tereza Arapium (PA) e mediação de Idjahure Kadiwel

Sábado, dia 13 de março 

19h – Música contemporânea e etnotransmídia nas redes, com Katu Mirim (SP), Kaê Guajajara (MA) e mediação de Renata Tupinambá

APRESENTAÇÕES MUSICAIS 

Domingo, dia 14 de março 

16h – DJ Renata Tupinambá

17h – Kaê Guajajara

18h30 – Katu Mirim

La Botella – Bar a vin em Ipanema completa 21 anos

Localizado em Ipanema, o wine-bar chega a sua maioridade com algumas novidades. O local ganhou mais espaço e mesas, além de uma varanda agradável na frente da loja. “Tivemos que fazer algumas adaptações devido às normas sanitárias, mas que no fim ficaram ótimas e os clientes adoraram”, afirma Guilhermo Enrique, proprietário da loja.

O La Botella conta com quase mil rótulos de bebidas e quase 600 de vinhos do mundo todo com preços para agradar a todos os bolsos. Além dos vinhos, a casa também comercializa acessórios para bebidas, tais como decantes, taças, abridores, rolhas de vácuo, termômetros para adega e baldes.

Lá o sommelier Gilmar Barcelos, formado pela ABS do Rio, garante o bom serviço, com boas taças, decantes e todo o aparato necessário para os apaixonados pelo Baco.

Boas novas também no cardápio

O cliente pode saborear aperitivos como queijos e frios, além de iguarias como sanduíches, saladas, pratos quentes, sobremesas e um cardápio executivo de bistrô alterado semanalmente na hora do almoço, sempre com novidades.

Em comemoração aos 21 anos da casa, que tem um cardápio inspirado na tradicional gastronomia alemã,

pratos tradicionais que fazem sucesso desde sua inauguração permaneceram e muitas saborosas novidades foram acrescentadas, como os Triângulos crocantes de costela c/Gruyère – R$ 38,00 (massa crocante de wonton, recheada com costela, gruyère e agrião, servida com molho de pimenta à parte), a Salada de Frango com Mel – R$35,00 (alface crespa, alface americana, gomos de laranja, finas fatias de peito de frango laqueado no mel), assim como o Risoto de Quinoa Peruana – R$49,00 (risoto de quinoa com bifinhos de filet mignon, recheados de alho poro e manteiga de limão siciliano) e o Filet aperitivo La Botella – R$49,00 (filet mignon fatiado, tomate, cebola roxa, pimentão e molho especial da casa), ambos inspirados na gastronomia peruana e preparados com especiarias Andina.

Há também a opção de encomendas personalizadas, que podem levar frios, queijos, wraps e pequenos sanduíches para festas, que servem duas ou mais pessoas.

Outra novidade de aniversário é o lançamento do La Botella Club, um clube exclusivo de vantagens para os clientes da casa cadastrados que recebem um cartão vip e com ele tem acesso a descontos, novidades, brindes, promoções e muito mais.

SERVIÇOS

La Botella fica na Rua Paul Redfern, 72 – Ipanema – Rio de Janeiro – RJ – Tel. (21)2512-8614

Funciona de segunda a sábado das 10h às 00h. Aceita todos os cartões de débito e crédito.

Inscrições abertas para o Festival Digital Curta Campos do Jordão

Estão abertas as inscrições para o Festival Digital Curta Campos do Jordão até o dia 25 de fevereiro de 2021. Produzido pela Associação Cultural Cineclube Araucária, o FDCCJ acontecerá de modo totalmente virtual com Mostras Competitivas de Curtas-Metragens, entre os dias 21 e 28 de abril, além de sessões especiais e Oficinas de Produção Audiovisual.

Curtametragistas de todo o território nacional, interessados em inscrever seus filmes, devem acessar o site do evento, www.festivaldigitalcurtacj.com.br, onde estão disponíveis as informações: datas, regulamento, formulário de inscrição, condições para participação e detalhes da premiação.

Além do troféu, todos os vencedores receberão prêmios em dinheiro da ordem de R$ 3.000,00 como estímulo para o incremento da produção audiovisual brasileira com qualidade técnica e artística. No total, a premiação atingirá a casa dos R$ 30.000,00. Um dos destaques do festival é o Prêmio Regional para o Melhor Curta produzido na Mantiqueira, Vale do Paraíba e Litoral Norte de São Paulo, tanto para os eleitos pelo Júri Oficial quanto pelo Júri Popular.

Júri Popular – por votação online – vai escolher o Melhor Curta Nacional e o Melhor Curta Regional. O Júri Oficial também vai eleger o Melhor Curta Regional e aindaserá responsável pela premiação dos melhores curtas nacionais nas categorias: FicçãoDocumentárioAnimaçãoExperimentalInfantil, além da Melhor Direção e Melhor Roteiro Original.

A programação completa do FDCCJ prevê uma Sessão Especial para as pessoas atendidas pela APAE de Campos do Jordão e a realização de Oficinas de Formação na área do audiovisual (grátis e online), abertas a todos os interessados, ministradas por renomados profissionais brasileiros, como o cineasta Jeferson De, a roteirista e produtora Cristiane Arenas e o diretor e professor de cinema Ralph Friedericks.

A partir da sede da Associação Cultural Cineclube Araucária que, em março de 2021, completa 10 anos de atividades ininterruptas em Campos do Jordão e Região, o Festival Digital Curta Campos do Jordão – FDCCJ acontece graças a recursos provenientes da aplicação da Lei Federal 14.017 de 29 de junho de 2020 – Lei Aldir Blanc – por ser uma das propostas selecionadas pelo Programa de Ação Cultural da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo – Edital ProAC Expresso LAB 40/2020 – para ser produzida pelo Cineclube Araucária em março / abril de 2021, com o apoio da Prefeitura de Campos do Jordão (SP), através de sua Secretaria de Valorização da Cultura, e do Convention Bureau de Campos do Jordão e Região.

O Cineclube Araucária

No dia 26 de março de 2011, no restaurante Sabor da Província, em Campos do Jordão, SP, aconteceu a Assembleia de Fundação do Cineclube Araucária. Nos 10 anos que se seguiram, o Cineclube promoveu diversas atividades e projetos lincando o cinema com outras artes: Mostras Temáticas de Cinema, CineMúsica, Cine Literatura, exposições, lançamentos de filmes, oficinas profissionalizantes, encontros, palestras, workshops, produção de dezenas de curtas metragens, Festival Curta Campos do Jordão (seis edições) e Cinema Peregrino (este último, criado em 2019 para exibir gratuitamente os filmes vencedores do FCCJ nas associações de bairros da periferia da cidade e em outros municípios da região). Em 2020, por conta da pandemia que se espalhou pelo planeta, foi instituído o programa Cineclube Online que disponibiliza clássicos da filmografia universal pelo YouTube em sessões gratuitas seguidas de debates também online. Em 2021, o Festival Digital Curta Campos do Jordão vem para celebrar os 10 anos de existência da Associação Cultural Cineclube Araucária de Campos do Jordão.

Festival Viruosi leva concertos, palestras e oficinas de música clássica à casa dos brasileiros

Um dos festivais de música erudita mais importantes do Brasil, o XXIII FESTIVAL VIRTUOSI, capitaneado pela produtora e pianista Ana Lúcia Altino ganhou versão virtual, no Youtube, Facebook e Instagram do festival. Com data de início marcada para o dia 16 de março, o festival estreia o seu formato digital com uma maratona de apresentações de concertos gratuitos, dos principais nomes da música erudita mundial até o dia 28 de março. Doze concertos inéditos serão exibidos para os amantes da música clássica apreciarem de casa. Além disso, o festival também traz seis Palestras, cinco Masterclasses e o Virtuosi Diálogos Virtuais, para aqueles que desejam conhecer mais sobre um dos gêneros musicais mais antigos do mundo.

A abertura será com o bailarino Thiago Soares, um dos grandes destaques da programação, o carioca é professor, coreógrafo e ocupou a posição de primeiro bailarino do Royal Ballet de Londres.  Ao lado do músico Rafaell Altino (Viola), o artista apresentará para o público que acompanha de suas casas, uma coreografia inédita para a Chaconne de Bach, que será tocada por Rafaell.

O Meu Sangue Ferve Por Você – Nas Telas

Embalado por clássicos do cancioneiro brega, como “Alma Gêmea”, “Sandra Rosa Madalena”, “Garçom”, “Escrito nas Estrelas”, “Você Não Vale Nada, Mas Eu Gosto De Você” e “Evidências”, o espirituoso espetáculo O Meu Sangue Ferve Por Você volta ao cartaz, agora em temporada online, de 26 de fevereiro a 21 de março, com sessões gratuitas de sexta a domingo, às 20h.

Sucesso de público e crítica há mais de 10 anos, o musical estava em cartaz em março do ano passado e teve sua temporada interrompida devido à pandemia. Com roteiro de Pedro Henrique Lopes, direção de Diego Morais e direção musical de Tony Lucchesi, a comédia lotou os teatros por onde passou, ao contar a história de um quadrilátero amoroso que vive intensamente as alegrias e as dores do amor. Nas apresentações atuais, será exibida uma gravação do espetáculo feita no teatro, com opção de assistir também com audiodescrição e intérprete de libras. A nova temporada contará com lives com os atores, oficina sobre criação de projetos culturais e masterclass de humor. O projeto O Meu Sangue Ferve Por Você – Nas Telas tem patrocínio do Governo Federal, Governo do Estado do Rio de Janeiro e Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através da Lei Aldir Blanc.

Em cena, os atores Ana Baird, Cristiana Pompeo, Pedro Henrique Lopes e Victor Maia dão vida a quatro personagens: a mocinha virgem, o canalha, a mulher da vida e o bom moço rejeitado, que cantam as alegrias e dores de viver um amor intensamente. Com o espírito das grandes chanchadas, a trama acompanha a inocente Creuza Paula e o cafajeste Elivandro, que vivem uma relação tranquila até a chegada do ex-namorado da moça, Fernando Sidnelson, que vai se meter na vida do casal. A amante de Elivandro, Sandra Rosa Madalena, completa o quarteto que vai passar por momentos românticos, desentendimentos e reconciliações. Uma mistura que faz o público torcer pelo canalha, ter raiva da mocinha e chorar de rir do início ao fim.

O repertório foi atualizado pelo autor Pedro Henrique Lopes e pelo diretor Diego Morais, que incluíram outras canções consagradas de décadas passadas e músicas mais atuais. “A gente tentava brincar só com as músicas do passado, mas as pessoas não se cansam de sofrer por amor e cantar sobre isso, então tivemos que atualizar o roteiro. E tem coisa mais brega e mais atual que dor de cotovelo?”, questiona Pedro.

A temporada contará também com duas “lives” com o elenco nas redes sociais do espetáculo, lembrando casos irreverentes dos 10 anos de história com o espetáculo; a Masterclass “A atriz e o humor”, com Ana Baird, que terá duração de 2 horas (80 vagas); e a Oficina de Criação de Projetos Culturais, com Pedro Henrique Lopes, com duração de 6 horas, em 2 dias (40 vagas).

Entre Entretenimento

A Entre é uma empresa de produção cultural e inovação em entretenimento fundada pelo diretor Diego Morais e pelo ator e dramaturgo Pedro Henrique Lopes. O objetivo da dupla é valorizar a cultura do nosso país através da criação e da viabilização de projetos inéditos e de alta qualidade artística que dialoguem com a história e as manifestações culturais do Brasil. Emoção, cultura, educação, história e momentos de extrema diversão estão na pauta dos projetos da empresa, assim como a criação de soluções culturais memoráveis para marcas, companhias e consumidores através de: comprometimento artístico-cultural; inovações em marketing; soluções transmidiáticas e envolvimento social. Saiba mais em www.entreentretenimento.com.br.

Ficha técnica:

Texto: Pedro Henrique Lopes

Narrações: Cristiana Pompeo

Direção: Diego Morais

Direção Musical: Tony Lucchesi

Elenco: Ana Baird (Sandra Rosa Madalena), Cristiana Pompeo (Creuza Paula), Pedro Henrique Lopes (Elivandro) e Victor Maia (Fernando Sidnelson).

Design de Luz: Pedro Henrique Lopes eLúcio Bragança Junior

Design de Som: Leonardo Carneiro e Bernardo Nadal

Cenário: Clivia Cohen

Figurinos: Clivia Cohen,Ana Baird e Cristiana Pompeo

Assessoria de Imprensa: Rachel Almeida (Racca Comunicação)

Produção e Realização: ENTRE Entretenimento

Patrocínio: Governo Federal, Governo do Estado do Rio de Janeiro e Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através da Lei Aldir Blanc.

Serviço:

O Meu Sangue Ferve por Você – Nas Telas

Temporada: de 26 de fevereiro a 21 de março

Dias e horários: Sexta a domingo, às 20h

Ingressos: gratuitos, com retirada pelo Sympla: https://www.sympla.com.br/omeusangueferveporvoce

Duração: 75 minutos

Classificação: Livre

Lives: dias 25/02 e 18/03, às 20h no Instagram @omeusangueferveporvocee

Masterclass: “A atriz e o humor”, com Ana Baird (80 vagas): dia 28/03, 15h às 17h. Inscrições pelo link www.omeusangueferveporvoce.com.br

Oficina: Criação de Projetos Culturais, com Pedro Henrique Lopes (40 vagas): dias 23 e 25 de março, às 18h. Inscrições pelo link www.omeusangueferveporvoce.com.br

Zélia Duncan em live no sábado de carnaval

A cantora e compositora Zélia Duncan apresenta uma live, neste sábado (13/2), dentro da programação do Sesc Verão 2021, projeto do Sesc RJ que leva programações para praias do estado e que este ano está sendo realizado on-line por conta da pandemia. O show, com início às 19h, será transmitido pelo YouTube (/portalsescrio) da instituição.

No espetáculo, a artista apresentará sucessos dos seus 40 anos de carreira, incluindo do novo álbum (“Minha voz fica”), lançado este mês. Fazem parte do setlist “Beijos longos”, “Breve canção de sonho”, “Verbos sujeitos”, “Tudo sobre você”, “Pagu”, “Não vá ainda”, entre outros hits.

Confira a programação do Sesc Verão 2021 em www.sescrio.org.br e nos perfis do Sesc RJ e das suas unidades de Barra Mansa, Nova Friburgo, Campos e Niterói no Instagram.

SERVIÇO

Sesc Verão 2021

Live de Zélia Duncan – 13/02/2020 – 19h

YouTube Sesc RJ (/portalsescrio)

Classificação: Livre

O Carnaval do Monobloco

Esse ano não vai ser igual aquele que passou. A frase da tradicional marchinha carnavalesca nunca soou tão atual. Com o distanciamento social imposto pela pandemia, o Carnaval de rua vai ter que esperar – afinal, é tempo de redobrar os cuidados e protocolos de segurança. Mas se os foliões não podem ir às ruas, o Monobloco resolveu levar a alegria de seus desfiles para dentro de suas casas, para que todos brinquem de forma segura no Carnaval 2021. Vai ser um arrastão de alegria, com direito a muitos repetecos.

O Carnaval do Monobloco começa dia 9 e se despede no dia 13 de fevereiro, com um desfile virtual que acontecerá na plataforma Cidade Alta RP, o maior servidor brasileiro de GTA.

Terça-feira, dia 9, 10 vídeos inéditos estreiam no canal do Monobloco no YouTube, gravados de forma remota. Diretores e integrantes das baterias do Monobloco, além de convidados que participaram do Japão e de Portugal, gravaram temas que vinham sendo ensaiados nas oficinas de percussão do bloco, que seguiram acontecendo de forma remota durante a pandemia.

“Até para mantermos a conexão com os nossos batuqueiros e com o fazer musical, a gente adaptou emergencialmente as nossas oficinas para o formato online, pensando em construir alguns arranjos que desembocassem no carnaval virtual’, conta Celso Alvim, maestro das baterias e um dos fundadores do Monobloco. Não foi um processo fácil, mas Celso aplaude o desempenho dos alunos: “O presencial é uma parte muito forte do nosso trabalho, mas a galera se adaptou bem à distância. Escolhemos músicas para cima, otimistas, que façam a gente olhar para o futuro com otimismo, com uma energia bacana, que é o que a gente precisa neste momento”, conclui Alvim.

Um time poderoso de canários – apelido que se dá aos cantores do bloco – se reveza nos vocais dos videoclipes. São eles: Pedro Luis, Renato Biguli, Pedro Quental, João Biano, Mariá Pinkusfeld, Igor, Thais Macedo e Gui Valença, além de Cachaça na guitarra, Carlos Chaves nos cavacos e os batuqueiros de ouro do Monobloco, é claro.

E para ficar ainda melhor,no próximo dia 13, a partir das 20h30, o Monobloco vai animar foliões de todo o Brasil no primeiro carnaval gamer brasileiro. O evento acontecerá na plataforma Cidade Alta RP, o maior servidor brasileiro de GTA, que permite aos gamers interpretar personagens e vivenciar experiências sociais em diferentes ambientes virtuais. A plataforma contará ainda com trio elétrico, abadás, um circuito virtual de OOH, festa de abertura e encerramento, eventos, além da participação de 100 influenciadores que farão livestreaming nas principais plataformas de streaming para milhares de seguidores. A iniciativa do projeto é da Druid e da Outplay e conta com patrocínio de Trident e Engov.

A transmissão do desfile virtual do Monobloco também acontecerá nas mídias sociais do bloco, dando a chance para que gamers e não gamers possam aproveitar a festa, ao mesmo tempo.

Já os 10 vídeoclipes foram integralmente concebidos, produzidos e editados pela equipe do Monobloco. Confira o repertório:

NÃO DEIXE O SAMBA MORRER

SAMBA DE ARERÊ

MUITO OBRIGADO AXÉ

TÁ ESCRITO

TODA FORMA DE AMOR

DO SEU LADO

FESTA NO MORRÃO

PESCADOR DE ILUSÕES

FAVELA CHEGOU/EVOLUIU

SAIDEIRA

Shopping Metropolitano Barra faz promoção de verão e promove o Sunset Picnic, apresentando o Terraço Met A pro

O Shopping Metropolitano Barra lança mais uma campanha ‘Comprou no Met, ganhou bem-estar’. Os clientes que realizarem compras no valor de R$ 250 nas lojas físicas ou pela plataforma ON Stores do shopping ganharão um tapete de piquenique impermeável, que pode ser usado em qualquer lugar, e vagas limitadas para o Sunset Picnic, ação que marca a apresentação do Terraço Met para o público, no rooftop do shopping.

Gratuito, exclusivo e somente para participantes da promoção, a ação vai levar diversão ao ar livre, com direito a por do sol, música ao vivo, cesta de piquenique individual com comidinhas, pensado da maneira mais sustentável possível, com garfinhos de  madeira de reflorestamento, guardanapos de pano, copinhos bpa free (que podem ser reaproveitados em casa) e frutas orgânicas, ambiente instagramável, além de distanciamento social garantido. Cada família deverá levar seus tapetes de piquenique para estreá-los em grande estilo. O Sunset Picnic acontecerá nos dias 28, 29 e 31 de janeiro e 4, 5 e 7 de fevereiro, às 17h.  

Para participar da promoção, basta realizar a compra tanto no meio físico quanto online. As notas poderão ser apresentadas pelo whatsapp (11 94232-7782) ou através do QR CODE, presente em vários pontos do shopping e na campanha. O brinde poderá ser retirado no stand localizado no piso L2, próximo ao Cinemark, apresentando o comprovante da troca na tela do celular.

“Desde o início da pandemia, procuramos realizar iniciativas que prezam pela saúde e bem-estar dos nossos clientes. Com o tapete piquenique, queremos fomentar a diversão ao ar livre e dar oportunidade das famílias fazerem mais programas agradáveis juntos. A ação foi toda pensada levando em consideração o período de distanciamento. Sem dúvida, serão fins de tarde inesquecíveis, com muita música, recreação para toda a família e um pôr do sol espetacular”, diz Eliza Santos, gerente de marketing do Met.

A promoção é válida até o dia 07 de fevereiro ou enquanto durar o estoque de brindes, o que ocorrer primeiro. As vagas para conhecer o Terraço Met são limitadas e exclusivas aos clientes que retirarem o brinde. O regulamento completo da promoção estará disponível no local e no site do shopping.

O ciclo virtual de palestras “Lab Corpo Palavra” recebe especialistas em dança

Qual a implicação do corpo no ato de escrever? É possível escrever enquanto nos movemos? Quais são os afetos percebidos entre razão e sensibilidade? Como a poesia do corpo pode interferir no ato criativo? Essas são algumas das perguntas que guiam o ciclo virtual de palestras “Lab Corpo Palavra”, que vai reunir artistas e pesquisadores da dança, das escritas, das artes cênicas e dos estudos do corpo no canal do Youtube Celeiro Moebius (https://bit.ly/3q9zULp) até 3 de março. A atividade é um desdobramento do Laboratório Corpo Palavra – Coreografias e dramaturgias cartográficas, trabalho artístico-pedagógico desenvolvido pela bailarina, coreógrafa e professora de dança Aline Bernardi há seis anos. O projeto contempla curso de formação e criação artística virtual, que segue até março, lançamento de livros, podcasts e as palestras, que ficarão disponíveis no canal após cada evento. O projeto tem patrocínio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro/Secretaria Municipal de Cultura, Secretaria Especial de Cultura, Ministério do Turismo e do Governo Federal através do Prêmio Fomento a Todas as Artes.

O intuito do Laboratório Corpo Palavra é oferecer um ambiente de experimentação para investigar as coreografias e dramaturgias do movimento, compreendidas como escritas do corpo no espaço em uma perspectiva cartográfica. A cartografia parte do pressuposto e do reconhecimento de que estamos continuamente em processo.

Participam das palestras: Hélia Borges (Psicanalista, professora da graduação e da pós-graduação da Faculdade Angel Vianna. Pesquisadora de arte, psicanálise e processos de subjetivação); Katya Gualter (artista da dança, Professora do Departamento de Arte Corporal e Diretora da Escola de Educação Física e Desportos da UFRJ); Sandra Benites (antropóloga indígena da etnia guarani, curadora do Museu de Arte de São Paulo, arte-educadora e artesã); Maria Alice Poppe (Bailarina, pesquisadora e professora dos cursos de graduações em dança da UFRJ); Ondjaki (Poeta e escritor angolano. É também autor de roteiros cinematográficos); Ana Kfouri (Diretora teatral, atriz e pesquisadora, especialista em arte e filosofia, professora da PUC-Rio, Departamento de Letras, Curso de Artes Cênicas); e Ciane Fernandes (Performer e professora titular da Escola de Teatro da UFBA, uma das fundadoras do PPGAC/UFBA e diretora do Coletivo A-FETO de Dança-Teatro da UFBA).

“Conseguimos reunir um time incrível de estudiosos e profissionais das artes que vão conversar, entre outros temas, como os gestos entre corpos e palavras podem nos impulsionar aos processos de criação artística”, comenta Aline Bernardi.

Programação:

Palestras LAB Corpo Palavra

29/01: 13h às 14h – Palestra com Hélia Borges – Psicanalista, professora da graduação e da pós-graduação da Faculdade Angel Vianna. Pesquisadora de arte, psicanálise e processos de subjetivação.

03/02: 15h às 16h – Palestra com Katya Gualter – Artista da dança, Professora do Departamento de Arte Corporal e Diretora da Escola de Educação Física e Desportos da UFRJ.

09/02: 15h às 16h – Palestra com Sandra Benites – Antropóloga indígena da etnia guarani, curadora do Museu de Arte de São Paulo, arte-educadora e artesã.

18/02: 14h às 15h – Palestra com Maria Alice Poppe – Bailarina, pesquisadora e professora dos cursos de graduações em dança da UFRJ.

23/02: 16h às 17h – Palestra com Ondjaki – Poeta e escritor angolano. É também autor de roteiros cinematográficos.

28/02: 11h às 12h – Palestra com Ana Kfouri – Diretora teatral, atriz e pesquisadora, especialista em arte e filosofia, professora da PUC, Departamento de Letras, Curso de Artes Cênicas.

03/03: 16h às 17h – Palestra Performática com Ciane Fernandes -Performer e professora titular da Escola d Teatro da UFBA, uma das fundadoras do PPGAC/UFBA e diretora do Coletivo A-FETO de Dança-Teatro da UFBA

Serviço:

Palestras – Laboratório Corpo Palavra – Coreografias e dramaturgias cartográficas

Temporada: De 29 de janeiro a 03 de março

Programação:

29/01: 13h às 14h – Palestra com Hélia Borges. Disponível no Canal do Youtube do Celeiro Moebius (https://bit.ly/3q9zULp)

03/02: 15h às 16h – Palestra com Katya Gualter

09/02: 15h às 16h – Palestra com Sandra Benites

18/02: 14h às 15h – Palestra com Maria Alice Poppe

23/02: 16h às 17h – Palestra com Ondjaki

28/02: 11h às 12h – Palestra com Ana Kfouri

03/03: 16h às 17h – Palestra Performática com Ciane Fernandes

Exibição: no canal do Youtube do Celeiro Moebius (https://bit.ly/3q9zULp)

Ingressos: gratuitos

1 º na Quebrada Festival de Cinema

Até o dia 14 de fevereiro estão abertas inscrições para o 1º na Quebrada Festival de Cinema.  Serão três mostras competitivas em curtas-metragens mostrando universos de jovens, mulheres e LGBTQI+  que moram na periferia ou ocupações centrais da cidade de São Paulo. Os filmes inscritos devem ter duração máxima de 25 minutos, ter sido finalizados após  janeiro de 2017,  em qualquer formato, gênero e classificação. As inscrições gratuitas podem ser realizadas no site: https://filmfreeway.com/NAQUEBRADA-FestivaldeCinema

Serão três categorias: Mostra Manas, Monas e Manos , feitas respectivamente por cineastas  mulheres,  LGBTQI+  e jovens,  todos retratando as diferentes realidades  da vida na periferia da cidade de  São Paulo.

De acordo com a diretora do Festival,  Stefanie Lacerda, a proposta  é voltada para o protagonismo dos cineastas  das periferias. “Estamos num momento de mobilização para a garantia, continuidade das conquistas sociais e para inclusão de segmentos historicamente excluídos: pobres, pretos, mulheres e LGBTQI+”, salienta Stefanie, que atuou como assistente de direção de Minissérie na Play TV.

Festival acontece em março:

Com curadoria de Monica Trigo, o 1º na Quebrada Festival de Cinema acontece de 1 a 7 de março e será transmitido na plataforma SPCine Play – https://www.spcineplay.com.br/ . Também haverá debates e bate-papos nas redes sociais do Festival.

“Acreditamos que  a cultura é um elemento chave, mas desde que valorize as iniciativas comunitárias periféricas, que representem a diversidade dos territórios. Que criem oportunidade para indivíduos e coletivos artísticos. Por isso vamos exibir filmes feitos pelos jovens da periferia, porque o cinema é uma linguagem que fala para todos”, explica Stefanie Lacerda.

Nomes de peso:

O Festival contará com  um júri técnico composto por três profissionais do audiovisual para escolher os melhores filmes por categoria: Mostra Manos,  Mostra Minas  e Mostra Monas. Entre eles  o ator Francisco Gaspar que, entre outros prêmios, recebeu o Kikito no Festival de Gramado;  a jornalista  Ana Paula Nogueira, com passagens pelos jornais O Estado de SP, Gazeta Mercantil e a agência de notícias internacional Reuters. Ana também é  diretora de audiovisual, em especial documentários voltados para a temática feminina/feminista. Além de Paula Ferreira, produtora, apresentadora e atriz. Uma das personalidades de grande influência na militância LGBTQI+.

Premiação:

A divulgação do resultado da premiação acontecerá em uma “live” no encerramento do Festival. O filme vencedor de cada mostra ganhará o Troféu Perifa.  A escolha do melhor filme das três  categorias será feita  por votação popular.

O 1º na Quebrada Festival de Cinema tem patrocínio da SPCine, da Secretaria Municipal de Cultura e Prefeitura Municipal de São Paulo.

Serviço:

Inscrições abertas para o 1º na Quebrada Festival de Cinema

Data: Até  14 de fevereiro

Inscrições gratuitas e regulamento: https://filmfreeway.com/NAQUEBRADA-FestivaldeCinema

Site: www.naquebradafestivaldecinema.com.br

Instagram: @naquebradafestivaldecinema

Facebook: https://www.facebook.com/NaQuebradaFestivaldeCinema

Festival acontece de 1 a 7 de março e será transmitido na plataforma SPCINE Play : https://www.spcineplay.com.br/

ESCUTA RIO – Festival da Canção

Estamos precisando de mudanças. Por isso, 2021 vai começar de um jeito diferente: com mais cultura, mais música e mais oportunidades. A partir do dia 01/02, estão abertas as inscrições para a primeira edição do ESCUTA RIO – Festival da Canção, um festival de música autoral, 100% digital, que vai escolher e premiar quatro talentos da música carioca com a oportunidade de gravar em vídeo: uma de suas músicas autorais e uma releitura de uma grande canção escolhida entre as dos antigos festivais da canção. A gravação terá a direção de Letícia Pires e produção da Luminar Entretenimentos.

As inscrições para o ESCUTA RIO – Festival da Canção vão até o dia 10/02 via formulário na bio do perfil do Instagram: www.instagram.com/escutario. Ao final, um time de jurados com muita experiência no mercado musical e artístico vai escolher os vencedores: a empresária Tânia Arthur, as DJs Transpira: Amanda Grimaldi e Camilla Molica, o produtor Caio Bucker e o jornalista Edu Carvalho.

O anúncio dos selecionados será no dia 18/02/2021 também pelas redes sociais. Após a seleção, os artistas terão conversas com a direção para que, juntos, construam um material autoral que reflita a identidade musical dos selecionados na linguagem audiovisual. Depois, os artistas gravam os vídeos com performance ao vivo. 

Os selecionados também receberão uma ajuda de custo no valor de R$1 mil para arcar com as despesas dos ensaios. Somente artistas que residam há pelo menos dois anos na cidade do Rio de Janeiro podem participar. 

Na inscrição, o candidato deverá enviar a canção com a qual deseja competir em formato mp3. A gravação não precisa ser profissional. As filmagens serão dirigidas por Letícia Pires e pela equipe da Luminar Entretenimentos, que também realiza o festival ao lado da Hassis Produções. O projeto é um dos contemplados no edital “Fomenta Festival RJ”, da Secretaria Estadual de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro, por meio da Lei Aldir Blanc.

Para Letícia Pires, idealizadora do projeto, o ESCUTA RIO “é uma oportunidade para artistas do cenário musical carioca, tão maltratado nos últimos tempos”, diz. 

“Além do suporte artístico da nossa equipe e do aval de um timaço de jurados, os escolhidos também terão a oportunidade de produzir materiais audiovisuais para o seu trabalho, algo que é muito custoso, porém essencial para artistas que querem se lançar no mercado”, completa.

Após os vídeos prontos, haverá ainda votação popular via redes sociais para escolher a melhor música entre os quatro finalistas. A votação é por engajamento na publicação e a canção que tiver mais likes ganhará um prêmio de R$1.000,00.

INSPIRAÇÃO EM GRANDES FESTIVAIS DO PASSADO

Usando as ferramentas e o espaço democrático do ambiente virtual para levar nossos talentos adiante, o ESCUTA RIO – Festival da Canção quer construir pontes entre pessoas e tempos, relembrando a forma como grandes festivais do passado revelaram tantos talentos. No entanto, agora, em 2021, a internet é o novo palco.

“O ESCUTA RIO reverência e atualiza os grandes festivais do passado. Realizado nas décadas de 1960 e 1970, essas festas de mobilização do público revelaram nomes como Edu Lobo, Chico Buarque, Caetano Veloso e Gilberto Gil e consagraram no inconsciente popular canções como Ponteio, A Banda, Arrastão e Disparada. Os intérpretes, cantores e cantoras que entoavam com maestria cada nota e palavra criadas por esses compositores, também ganharam fama e nosso objetivo aqui é o mesmo, trazer à tona e revelar esses talentos”, conclui a idealizadora Letícia Pires.

PROTOCOLOS DE SEGURANÇA

As filmagens do festival ESCUTA RIO – Festival da Canção acontecem em  24 de fevereiro de 2021 e obedecendo a todos os protocolos de segurança desenvolvidos pela Organização Mundial da Saúde, pelo Ministério da Saúde; e respeita as normas de segurança sanitária elaboradas por decretos da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e do Governo do Estado do Rio de Janeiro. 

SOBRE LETÍCIA PIRES: Premiada em diversos festivais dentro e fora do país. Assina a produção de mais de 30 curtas-metragens; a produção e pesquisa de 13 episódios “DOC BIS” (52 minutos) para o canal Bis e a produção do longa “São Sebastião, a formação de uma cidade”; Dirigiu os curtas “No Escuro”, 2011 e “A Casa Nova de Newton”, 2017, diversos institucionais e publicidades. Em 2017 ganhou como produtora executiva, o prêmio de melhor documentário no Festival de Gramado por “Cabelo Bom”. No mesmo ano foi assistente de direção do filme “Babenco – alguém precisa ouvir o coração e dizer: parou”, selecionado para representar o Brasil no Oscar 2021. Entre 2017 e 2019 assinou 09 videoclipes entre eles “Gigantesca” vencedor de melhor clipe no 8° festival de curtas de Brasília e no 27° festival de cinema de Vitória, ambos na categoria júri popular. 

SERVIÇO:
ESCUTA RIO
Inscrições abertas até 10/02/2021.
Resultado da seleção do júri: 18/02/2021.
Votação do público (melhor canção autoral): 15 a 20/03/2021.
Resultado final: 21/03/2021.

Como funciona: até o dia 10/02/2021 estão abertas as inscrições para artistas da cidade do Rio de Janeiro que possuam músicas autorais. O artista pode inscrever uma música. Ao final das inscrições, um time de jurados vai selecionar quatro artistas, que terão uma de suas músicas autorais gravadas em vídeo com direção de Letícia Pires e produção da Luminar Entretenimentos, além de uma releitura. Haverá ainda votação popular via redes sociais para escolher uma música entre os quatro artistas que ganhará um prêmio de R$1.000,00.

SIGA – Escuta Rio: Instagram: https://www.instagram.com/escutario

FICHA TÉCNICA:
Idealização e direção: Letícia Pires
Realização: Hassis Produções
Produção: Hildo de Assis e Letícia Pires
Jurados: Tânia Arthur, as DJs Transpira: Amanda Grimaldi e Camilla Molica, Caio Bucker e Edu Carvalho

Nova casa no Trevo de Piratininga reune peixaria, bar e restaurante especializado

Inaugurado em novembro do ano passado em meio à pandemia, o Sabores do Mar, reúne peixaria, restaurante e bar.

Numa área coberta, localizada no Trevo de Piratininga, a casa consegue harmonizar as três propostas no mesmo espaço, em horários diferentes. Todos os dias até meio dia a peixaria conquistou os adeptos a um bom pescado com preços acessíveis e fresquinhos.

No sábado e domingo divide espaço com o restaurante na hora do almoço e além de um cardápio onde a atração principal são os frutos do mar, assinado pela chefe e consultora gastronômica Márcia Fiúza, o que tem feito bastante sucesso é a Escolha o seu peixe que fazemos pra você. O cliente escolhe o peixe na peixaria e o corte (inteiro, postas ou filé) e os acompanhamentos que desejar no cardápio da casa.

Podemos destacar no cardápio fixo o Tártare de salmão com guacamole acompanha chips de batata doce (R$69,90), como entrada, Filé de Peixe Sabores do Mar – Filé de Peixe Empanado, Camarão, Mexilhão, Polvo, Molho aos três Queijos, Purê de Palmito e Arroz Maluco (R$140,90) e o Risotto de Moqueca – Risotto de Moqueca Baiana, leva Camarão, Lula, Polvo, Mexilhão, Dendê e Leite de Coco (R$124,90) e a Lagosta à Moda – Lagosta Grelhada c/ Manteiga de Ervas e Alcaparras, Camarão, Abacaxi e Cebola, acompanha Arroz a La Grega e Batata Cozida (R$235,90) entre outras opções de tirar o fôlego.

Para petiscar as opções são inúmeras, podemos destacar o Camarão na cesta de parmesão – Camarões empanados, servidos na cestinha de parmesão Acompanha molhos: ranch, geleia de tomate c/ pimenta (R$72,90), Bolinho de Bobó de Camarão – 10 unidades – (R$ 37,00) e o Caldinho de peixe (R$ 15,90).

Informações gerais:

O Sabores do Mar fica na Rua Professor Ernani Farias Alves, 155 Trevo de Piratininga – Niterói – Tel. (21).

Peixaria abre de segunda a sexta das 07h às 12h. Sábado e domingos e feriados das 07h às 15h.

Bar e Restaurante – Quinta e sexta a partir das 19h, sábados, almoço das 12h às 16h e jantar das 19h ás 00h, domingos e feriados das 12h às 16h.

Facebook/@saboresdomarpeixariaebar

Instagran/@saboresdomarpeixariaebar

Museu Histórico da Cidade recebe projeto Espaço Vivo, nos jardins do museu

O Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro apresenta de 31/01 a 27/03 o  projeto gratuito Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro– Espaço Vivo. O evento oferece atividades artísticas, culturais e ecológicas diferenciadas para os visitantes do Museu e do Parque da Cidade de forma presencial e on-line. As atividades sempre acontecem nas dependências externas e no jardim do Museu. Todos os visitantes poderão experienciar e vivenciar as atividades propostas pelos diferentes atores, artistas, arte-educadores. A realização é da Associação de Amigos do Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro,  com curadoria de Gisele Lopes e de Carlos Magno Romano.

Os encontros presenciais acontecem nos dias 31/1, às 10h; 6/2, às 15h;; 7/2, às 11h; 27/2, às 15h, 28/2, às 11h, 6/3, às 15h; 14/3, às 11h; 20/3, às 15h, e  21/3, às 11h. Já os encontros virtuais acontecem nos dias 7/3, 13/3 e 27/3, às 15h, no Canal do Youtube. Lembrando que nos eventos presenciais o uso de máscara é obrigatório e o evento respeita as regras do distanciamento social.

O projeto “Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro– Espaço Vivo” terá 3 módulos:

Módulo 1-  “Encontros Culturais” (arte-educação)

Encontros culturais com artistas das mais variadas linguagens que visam resgatar a essência do museu como espaço cultural e de formação, propondo fortalecer a relação fundamental entre Cultura e Educação no processo de formação da cidadania.

Módulo 2-  “Atividades Culturais Interativas” (histórico)

Atividades culturais interativas com artistas das mais variadas linguagens, poetas e especialistas em Museologia, História e profissionais ligados à área afins com apresentação de leituras encenadas, saraus e palestras visando integrar o acervo do MHCRJ com as propostas apresentadas.

Módulo 3- “Vivências Ambientais” (ambiental)

Atividades ecológicas e ambientais que promovam o conhecimento do Parque da Cidade com valorização e preservação do Meio Ambiente por meio de oficinas e palestras ligadas ao tema.

Outro aspecto que será explorado é o da sustentabilidade econômica e ambiental do Parque da Cidade ou Parque da Gávea, local onde se localiza o MHCRJ. Localizado no bairro da Gávea, estende-se por 470.000 m², até as proximidades do Parque Nacional da Tijuca, com o qual compõe uma grande área de proteção ambiental. O local de bastante área verde ainda é pouco conhecido e explorado pelos moradores da cidade do Rio de Janeiro e, pretendemos dar maior visibilidade ao Parque pela integração de ações com o Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro.

Nosso desejo é que o museu seja o lugar para estar com a família e amigos, além de possibilitar uma interação do público do Parque da Cidade com o Museu Histórico da Cidade.

Programação:

31/1, domingo,  às 10h-Visita guiada com plantio (presencial)

Mini Bio: Mobilizadores da ação, Agente Ambiental André Silva, Guarda Municipal artesão Walter Solimar e Agente Leandro Urso. Mobilizador social, arte educador, Griô (contador de histórias Afro) do museu Samkofa e Agente Ambiental há pouco mais de 15 anos na Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura do Rio.

Release da atividade: Conhecendo suas Histórias entre raízes e galhos, o trajeto percorrido terá coleta de sementes e plantio de mudas de árvores nativas, deixando enraizada a experiência do visitante ao Parque da Cidade.

Iniciando no portão de entrada do PNM da Cidade e terminando ao lado do MHC com plantio de mudas.

Local: Entrada do Parque da Cidade, final da Rua Santa Marinha, no alto da Gávea

6/2, sábado, às 15h- “O bota-abaixo de Pereira nos passos de João do Rio”  (presencial)

Mini Bio:Beth Araújo, carioca, atriz, diretora, dramaturga, produtora e arte-educadora e participação do músico Pedro Soares no violão

Release da atividade: Apresentar em formato de Leitura Dramatizada trechos do livro A Alma encantadora das ruas, de João do Rio.

Ninguém melhor para apresentar o Rio de Janeiro do início do século XX do que João do Rio. Ou melhor, João Paulo Alberto Coelho Barreto (1881-1921) cronista atento ao bota-abaixo de Pereira Passos, o Prefeito “que fez o carioca mudar-se de uma velha e colonial cidade para uma opulenta e encantadora capital sem que esse arredasse o pé do Rio de Janeiro” A partir de suas crônicas, saídas da redação para as ruas mostrando movimentos e personagens da cidade, ele tornou-se a alma encantadora das ruas e o João de todos os rios.

7/2,  domingo, às 11h- Contação de histórias  (presencial)

Mino Bio: Lucia Morais- origem indígena, Tucuju de Macapá/ AP. Reside há 22 anos no Rio de Janeiro. Narradora de Histórias, atriz, esteve em cartaz com o espetáculo “ARANDU Lendas Amazônicas” nos CCBB’s de todo o Brasil, com grande repercussão na mídia de todo Brasil.

Release da atividade: Por meio de um passeio poético e lúdico, Lucia Morais narra em roda as lendas indígenas de diversas etnias, iniciando com a criação do Mundo, passando para Taená Ekan e outras. Utilizará adereços indígenas: Pau de chuva, maracá, apito. Finalizará a atividade com uma dança do Toré com os participantes, cantando “ Pisa Ligeiro”.

27/2, sábado, às 15h– Museu Histórico da cidade do Rio de Janeiro em cordel

Mini Bio: Severino Honorato- Paraibano de Mulungu, agitador cultural e de mobilização social, com formação em produção Cultural pela UFF, por projeto de extensão em ênfase numa Cultura de fortalecimento da identidade Nacional. Tem 04 títulos individuais em poesia, contos e crônicas, e 02 títulos infantis. Dedicado ao trabalho de fundação e manutenção de Bibliotecas Comunitárias na Maré, desde 2007. Editor pela RPC Editora, dedicando em especial, olhares sobre a presença das mulheres na área da Literatura de Cordel; entre estas, o trabalho em Xilogravura.

Release da atividade: Em versos poéticos da Literatura de Cordel, o cordelista Severino Honorato nos brinda com esse convite para participar de um passeio poético em forma de cordel pela área externa do Museu.

28/2, domingo, às 11h- Migrações Negras: resistências, reexistências, caminhos e trajetórias dos saberes e fazeres da cultura Afro na cidade do Rio de Janeiro.

Mini Bio: Rodrigo Nunes- Nascido e criado na Tradicional comunidade da Serrinha em Madureira, é Produtor Cultural, Coreógrafo, Dançarino, Arte-educador e pesquisador de Danças Negras Tradicionais e Coordenador do Ponto de Cultura Companhia de Aruanda e membro Fundador do Coletivo Negra Ação. Também é Membro da Comissão de Danças de Matrizes Africanas do Sindicato dos Profissionais da Dança do RJ e Gestor do Centro Cultural Casa do Jongo

Release da atividade: Nesta atividade falaremos um pouco sobre a cultura afro carioca e seus processos migratórios do interior para a região central da cidade no pós-abolição e, logo em seguida, forçados pelas ações da reforma Pereira Passos, dessa região central para as periferias, subúrbios e favelas que se formariam a partir de então. Analisaremos como estes locais, como o bairro de Madureira e a comunidades da Serrinha, se tornaram verdadeiros Quilombos culturais de preservação de memória e de resistência de saberes e fazeres ancestrais como o Samba, O Jongo, As curimbas e Ladainhas.

6/3, sábado, às 15h- Conversa ecológica sobre o Parque da Cidade com Urso e guarda Solimar (presencial)

Mini Bio: O Professor de Geografia, Griô, mobilizador social, fundador do Museu SANKOFA, Antônio Carlos Firmino vai compartilhar histórias da construção do Rio através da visão dos trabalhadores negros e índios.

Release da atividade: O Agente Ambiental Leandro Urso vai conversar de uma forma lúdica, como a sociedade civil pode fazer para ajudar ao Rio de Janeiro cumprir com os “Objetivos de Desenvolvimentos Sustentáveis“ do documento da ONU com base da agenda 2030, e sua experiência de educação ambiental na comunidade Vila parque da Cidade que fica ao lado do Parque Natural Municipal da Cidade.

7/3, domingo, às 15h– Guilherme Guingle, como colecionador com foco no Museu Histórico da Cidade (virtual)

Mino Bio: Paulo Knauss- Doutor em História. Professor do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense. Sócio do IHGB e ex-presidente do IHGRJ. Ex-diretor do Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, ex-diretor do Museu Histórico Nacional. Autor de vários trabalhos, entre eles o livro mais recente, do qual é coorganizador, História do Rio de Janeiro em 45 objetos (ed. FGV, 2019).

Release da atividade: Numa conversa, Paulo Knauss narrará a história de Guilherme Gunigle com o Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro.

13/3, sábado, às 15h-Circuito Parque da Cidade da Trilha Transcarioca (virtual)

Pedro da Cunha e Menezes é fundador da Trilha Transcarioca e Diretor da Rede Brasileira de Trilhas. Foi Diretor do Parque Nacional da Tijuca, Coordenador-Geral de Uso Público e Negócios e Diretor de Criação e Manejo do ICMBio. Foi representante permanente do Brasil junto ao Programa Mundial das Nações Unidas para o Meio Ambiente, negociador oficial do Brasil nas Convenções da ONU para o Clima, Desertificação, Espécies Migratórias, Diversidade Biológica, Patrimônio Mundial e Ramsar. Atualmente, é Presidente do Grupo de Especialistas da UICN para Trilhas de Longo Curso e Diretor da World Trails Network. Nas três décadas em que tem atuado na Conservação publicou mais 15 livros e 150 artigos sobre trilhas e Áreas Protegidas em revistas e jornais do Brasil e do exterior.

Release da atividade: A Trilha Transcarioca foi a 1ª trilha de longo curso instituída no Brasil, fruto da contínua colaboração entre instituições públicas e privadas, e do trabalho de mais de 1.000voluntários. Seu trajeto cruza a Cidade do Rio de Janeiro, de Guaratiba à Urca, conectando 9 unidades de Conservação, passando pelas zonas Oeste, Norte e Sul da cidade. O percurso conta com aproximadamente 180 km de trilhas muito bem sinalizadas, permitindo que o visitante desfrute do rico patrimônio natural, histórico e cultural carioca. O Circuito Parque da Cidade foi o último trecho acrescentado ao percurso da Trilha Transcarioca, incentivando a visitação do Parque e do Museu da Cidade.

Dia: 13/03

Horário: 15h

14/3, domingo, às 11h– Oficina de arte-educação com reaproveitamento de materiais descartáveis (presencial)

Mini Bio: Agentes Ambientais Leandro Urso, Denise, Kely e Gabriele coordenaram as oficinas de reaproveitamento de óleo usado transformando em sabão, e de cestaria utilizando o reaproveitamento de jornais.

Release da atividade: A equipe da van itinerante inicia as atividades com a apresentação de Educação Ambiental através do teatro de fantoche. Os convidados levaram brindes do educativo e sabão feito de óleo usado.

20/3, sábado, às 15h– Oficina sensitiva com Urso (presencial)

Mini Bio: Ricardo- biólogo e Leandro Urso, agente ambiental

Release da atividade: Nesta atividade vamos ter um espaço de acessibilidade, onde o visitante será vedado e passará por experiências de 3 dos 5 sentidos humanos, que são olfato, audição e tato. Conhecedor da flora e fauna local, o Biólogo Ricardo contribuirá com sua experiência para falar da cobra jiboia, utilizada para educação ambiental no Parque da Cidade.

O Agente Leandro Urso organizara com os voluntários por natureza o corredor de acessibilidade, com objetos, ervas, frutos e animais local.

21/3, domingo, às 11h–  Semeando narrativas, rimas e saberes no quintal

Mino Bio: Verônica Pinheiro é professora de Literaturas e atualmente trabalha como cogestora no Núcleo de Arte Grande Otelo, onde atua na promoção sistemática de ensino de Arte para alunos da Rede Pública Municipal de Ensino do Rio. Pesquisa sobre Culturas Africanas e Afro-Brasileiras em sala de aula. Membro do Coletivo de Arte Poesia EnCena e do Grupo Folclórico Carimboclo.

Release da atividade: A Contação de histórias é um processo de ensino-aprendizagem que fortalece os vínculos sociais e afetivos. A atividade compartilha sabedoria popular e dá voz à cultura oral do Brasil. Através de narrativas e canções, os participantes serão levados a plantar mudas e compartilhar vivências. A ação procura chamar a atenção para apreciação e respeito pela natureza e todos os seres vivos. “Nenhuma raça pode prosperar até que aprenda que há tanta dignidade em cultivar um campo quanto em escrever um poema.” – Booker T. Washington

27/3, sábado, às 15h– A  história por trás do acervo (virtual)

Mini Bio: Paulo Rezzutti – pesquisador e escritor vencedor do Prêmio Jabuti em 2016 e 2017, é autor de Domitila, a verdadeira história da marquesa de Santos, Titília e o Demonão, D. Leopoldina, D. Pedro, D.Pedro II, Mulheres do Brasil

Release da atividade: A partir de telas do Museu Histórico da Cidade, Paulo Rezzutti contará a história de acontecimentos da cidade do Rio de Janeiro.

Dia da exibição: 27/03

Horário: 15h

O projeto Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro – Espaço Vivo foi contemplado no Prêmio a Projetos de Fomentos à Todas as Artes / Lei Aldir Blanc.

Serviço: Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro– Espaço Vivo

Endereço:Estrada Santa Marinha, s/nº, acesso pelo final da Rua Marquês de São Vicente, Gávea.

De 31/01 a 27/03.

*Encontros presenciais: 31/1, às 10h; 6/2, às 15h; 27/2, às 15h, 28/2, às 11h, 6/3, às 15h; 14/3, às 11h; 20/3, às 15h e 21/3, às 11h, na área externa do Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro. Lembrando que nos eventos presenciais o uso de máscara é obrigatório e o evento respeita as regras do distanciamento social.

*Encontros virtuais: dias 7/3, 13/3 e 27/3, às 15h, no Canal do Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCE62yUmCCpm9MKbAbzEUkSA 

Evento gratuito.

Classificação livre.

Windsor lança campanha ‘Bora Viajar’ para incentivar turistas a aproveitarem o melhor do verão no Brasil

Para celebrar a chegada da estação mais aguardada do ano, a Rede Windsor Hoteis está lançando a campanha “Bora Viajar”. A ação consiste em incentivar os turistas a aproveitarem o melhor do verão ao visitar destinos de praia, como o Rio de Janeiro, ou aproveitar excelentes hotéis com piscina e toda uma infraestrutura preparada para o período, como são os casos dos hotéis da Rede em Brasília. Os clientes que realizarem reservas neste mês, poderão desfrutar da hospedagem até junho deste ano, com condições especiais nos Pacotes Passaporte Família e Saia da Rotina Brasília, além de acomodações para até seis pessoas.

Para realizar a campanha, a empresa se baseou na busca das pessoas por opções seguras de diversão no verão, mesmo durante a pandemia do coronavírus (COVID – 19). Com a dificuldade de realizar grandes deslocamentos e com sanções impostas por alguns países, a intenção é estimular que os turistas pensem em aproveitar o verão em cidades próximas ou até mesmo onde residem.

A ação tem como condições especiais, a possibilidade de upgrade de categoria, early check-in, late check-out, todos mediantes disponibilidade. Para saborear o melhor da gastronomia, os hotéis no Rio de Janeiro ainda oferecem 20% de desconto em alimentos e bebidas, exceto os itens disponibilizados no frigobar dos apartamentos.

“Sabemos que o verão é uma das épocas mais procuradas por turistas de vários pontos do Brasil, por isso buscamos focar o conceito da campanha em reforçar toda a leveza e felicidade que a estação proporciona, mesmo em momentos difíceis. Queremos mostrar que ainda é possível se divertir em família e aproveitar uma das estações mais esperadas do ano, por isso resolvemos juntar os nossos melhores pacotes promocionais em uma só campanha para reforçar o compromisso com os nossos hóspedes que querem unir sol, lazer, segurança e família em um mesmo ambiente. Vale ressaltar que os clientes podem reservar agora e desfrutarem da hospedagem até fim de junho, com o intuito de atender às famílias que aproveitam janeiro para planejar suas viagens”, destaca Vitor Almeida, gerente de Marketing da Rede Windsor Hoteis.

Windsor Plaza Brasilia

Conheça mais sobre os pacotes promocionais que fazem parte da campanha ‘Bora Viajar’:

O pacote Passaporte Família voltado para os clientes que pretendem se hospedar com crianças de até 10 anos, com no mínimo duas diárias, nos hotéis do Rio de Janeiro, inclui café da manhã, uma refeição diária por pessoa (almoço ou jantar). De acordo com a disponibilidade, o hotel ainda oferece early check- in, às 12h, e late check-out, às 14h.

O​s hotéis que oferecem o Passaporte Família são o Windsor Florida (Flamengo), ​Windsor Excelsior (Copacabana), o Windsor Leme e o Windsor Barra. Com tarifas a partir de R$ 420 + taxas (valor referente ao Windsor Florida), em que os hóspedes podem acomodar até 4 pessoas (2 adultos + 2 crianças de até 10 anos) em um único ambiente.

Além do pacote, a Rede ainda possui acomodações que comportam até seis pessoas, como é o caso dos hotéis da Zona Sul: Windsor Leme, Windsor Florida, Windsor Plaza – além do Windsor Marapendi, na Barra da Tijuca. 

A Rede Windsor Hoteis possui duas unidades na capital federal, que estão estrategicamente localizadas nas Asas Sul e Norte. Por isso, para os hóspedes que optarem por conhecer melhor a cidade em qualquer um dos hotéis da Rede na região, o pacote Saia da Rotina – Verão em Brasília oferece early check in a partir das 10h incluindo café da manhã; late check out até as 16h; café da manhã incluído na diária; um Welcome Drink por pessoa; e 15% de desconto na Feijoada de final de semana do Windsor Plaza Brasilia por pessoa (todos os sábados).

A Rede Windsor tem investido em um rigoroso padrão de higienização em todas as suas unidades, seguindo as orientações de uma consultoria técnica sanitária profissional, além de normas da OMS (Organização Mundial de Saúde).  A empresa também tem realizado treinamentos constantes e readequação dos seus serviços, tudo isso para continuar oferecendo um atendimento de excelência e qualidade a todos os hóspedes.

SOBRE A REDE WINDSOR HOTEIS

Há mais de 30 anos no mercado brasileiro, a Rede Windsor possui hotéis de três a cinco estrelas. Dona de um dos maiores grupos hoteleiros independentes do país tem 14 unidades no Rio de Janeiro, localizadas em Copacabana, Flamengo, Barra da Tijuca e Centro, além de duas unidades em Brasília.

A Rede ainda conta com o Centro de Convenções & Hotéis Windsor, o maior centro integrado de hotéis e eventos da capital fluminense, onde estão o Windsor Barra, Windsor Oceanico, além do Centro de Convenções. O espaço tem 24 mil m², com 100 salões multiúso, a maior plenária comporta até 2.500 pessoas, com capacidade de atender a um público flutuante de até sete mil pessoas. Como reconhecimento por excelência em hospedagem, figura também em premiações nacionais e internacionais.

8x Hilda: projeto reúne obra teatral de

A obra teatral completa de Hilda Hilst (1930-2004) é apresentada em 8x Hilda, ciclo de leituras online com participação dos atores Lavínia Pannunzio, Joca Andreazza, Flávia Couto e Kiko Rieser, entre os dias 7 de fevereiro e 28 de março. A curadoria é de Fábio Hilst e a direção se alterna, semanalmente, entre os próprios atores.

A transmissão é ao vivo e grátis, aos domingos, às 18 horas, pelo canal YouTube/CuradoriaHilst. As sessões serão gravadas e disponibilizadas com tradução em Libras no mesmo canal, sempre na quarta-feira seguinte a cada leitura, às 20 horas.

8x Hilda comemora os 90 anos de nascimento da escritora paulista, completados em 2020, trazendo à cena suas oito peças, escritas entre os anos de 1967 e 1969: A Empresa (A Possessa) (7/2), O Rato no Muro (14/2), O Visitante (21/2), Auto da Barca de Camiri (28/2), As Aves da Noite (7/3), O Novo Sistema (14/3), O Verdugo (21/3) e A Morte do Patriarca (28/3).

O projeto propõe um jogo cênico virtual que celebra e explora a dramaturgia hilstiana, criada em pleno período da ditadura militar brasileira. Segundo o idealizador Fábio Hilst, “a dinâmica consiste no mergulho dos quatro atores/encenadores  no universo de Hilda, desvendando os textos – e subtextos – e os mais de 60 personagens da obra, para mostrar ao público o processo de estudo de uma peça e o início da construção de personagens e cenas”. A ideia de encenar o teatro completo de Hilda Hilst é uma iniciativa que Fábio, pela produtora Três no Tapa, já havia colocado em andamento, em 2020, com a montagem de As Aves da Noite, cuja estreia foi adiada em decorrência da quarentena imposta pela pandemia do coronavírus.

A produção dramatúrgica de Hilda Hilst – criada no momento em que o teatro e os artistas viviam sob os mandos e desmandos da censura do regime militar – é considerada um ensaio para sua obra em prosa da década de 1970, mais livres nos artifícios da linguagem e nas tramas do cotidiano. Seus textos teatrais traduzem a atmosfera claustrofóbica de opressão e os questionamentos ao sistema, representado pela igreja, pelo Estado ou pela ciência, para se comunicar com as pessoas de forma “urgente” e “terrível”. Os personagens, vítimas ou algozes, aparecem em situações limite, presos às estruturas que escravizam e alienam – celas, porões, colégios religiosos ou locais de julgamento e execução de prisioneiros. As máscaras sociais (juiz, carcereiro, monsenhor, papa, madre superiora) são arrancadas por Hilda, que mostra também personagens dotados de almas, tolhidas do seu verdadeiro voo.

As primeiras encenações ocorreram na cena universitária, na Escola de Artes Dramáticas, com O Rato no Muro e O Visitante, no final dos anos 60. O Verdugo teve a primeira montagem profissional, em 1973, sendo a única peça hilstiana editada na época. As quatro primeiras peças de Hilda Hilst foram publicadas, em 2000, pela Editora Nankin (Teatro Reunido). Em 2008, quatro anos após sua morte, a Editora Globo publicou seu teatro completo em volume único.

FICHA TÉCNICA: Textos: Hilda Hilst. Curadoria / idealização: Fábio Hilst. Elenco / direção: Lavínia Pannunzio, Joca Andreazza, Flávia Couto e Kiko Rieser. Produção: Três no Tapa Produções Artísticas. Assistência de produção: Fernanda Lorenzoni. Técnico de transmissão: Gustavo Bricks e Henrique Fonseca. Design / gerenciamento de mídia: Ton Prado. Sinopses: Hilda Hilst – Teatro Completo (L&PM / Leusa Araujo). Realização: ProAC Expresso LAB, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo. As leituras contam com participação de atores convidados, conforme a demanda de personagens de cada texto.

PROGRAMAÇÃO

Ciclo de leituras: 8x Hilda

Quando: 7 de fevereiro a 28 de março/2021

Horário: Domingos, às 18h

Onde: Youtube/CuradoriaHilst

Grátis. Duração estimada: 120 min. Classificação: 14 anos.

Com tradução em Libras (gravado): 10/02 a 31/03 – Quartas, às 20h

7 de fevereiro: A Empresa (A Possessa)

A Empresa (inicialmente, A Possessa) foi o texto de estreia de Hilda Hilst na dramaturgia, em 1967. Trata-se de uma crítica ao trabalho alienado, com o qual se busca mais a eficiência que a criatividade. América é uma adolescente questionadora que se rebela contra a tradição representada pelo colégio religioso e terá de prestar contas ao Monsenhor e ao Superintendente. Esse inconformismo é medido por certos “robôs eletrônicos” (personagens Eta e Dzeta) criados pela própria América que, depois, são utilizados pela instituição para conter as “asas do espírito” e a imaginação. Ou seja, os dirigentes do colégio/empresa impõem às Postulantes e a América um trabalho alienante, o que desencadeia a morte da protagonista. 7 personagens. Direção: Flávia Couto.

14 de fevereiro: O Rato no Muro

O ambiente do colégio religioso, recorrente na obra da autora, aparece em O Rato no Muro (1967) ainda mais estreito. Tudo se passa numa capela, onde a Superiora está cercada por nove irmãs, identificadas por letras de A a I. Estão ajoelhadas, e ao lado de cada uma delas, o “chicote de três cordas”. Cada uma das religiosas expressa visões diferentes, a partir de pequenos abalos ao austero cotidiano do claustro. Irmã H (alter ego da autora) é a mais questionadora e lúcida. Tenta em vão mostrar às outras a necessidade de libertação, representada pelo desejo de ser o rato, único capaz de ultrapassar os limites do muro da opressão e do pensamento único. 10 personagens. Direção: Kiko Rieser.

21 de fevereiro: O Visitante

Peça mais poética de Hilda Hilst, O Visitante (1968) gira em torno do conflito entre Ana e Maria – mãe e filha. Ana, encantadora e meiga, descobre-se grávida. Mas a filha, estéril e parecendo mais velha, levanta suspeitas sobre a paternidade, já que seu marido, genro de Ana, é o único homem da casa. A chegada de um visitante, o Corcunda, provoca uma distensão sem, no entanto, apagar o conflito que, de um lado tem o apelo da vida, do sexo e do amor e, do outro, a aspereza de um mundo sem prazer. 4 personagens. Direção: Lavínia Pannunzio.

28 de fevereiro: Auto da Barca de Camiri

Baseado em fatos reais, Auto da Barca de Camiri é a quarta peça de Hilda Hist, escrita em 1968. Em julgamento encontra-se o revolucionário argentino Ernesto Che Guevara, morto em Camiri, na Bolívia – ainda que seu nome não seja mencionado e que sua figura, na peça, seja confundida com a de Cristo. Sob a tensão permanente dos ruídos de metralhadora soando do lado de fora e com o desconforto do cheiro dos populares que desagradam os julgadores, Hilda introduz elementos grotescos e inovadores. A severidade da Lei é representada pelos juízes (vistos de ceroulas antes de vestirem as togas com abundantes rendas nos decotes e mangas). Há também o Prelado e o Agente. A condenação está decidida, a despeito do depoimento do Trapezista e do Passarinheiro que, assim como os demais humildes, serão executados pelas metralhadoras. 7 personagens. Direção: Joca Andreazza.

7 de março: As Aves da Noite

Escrita em 1968, As Aves da Noiteé baseada na história real do padre franciscano Maximilian Kolbe, morto em 1941, no campo nazista de Auschwitz. Ele se apresentou voluntariamente para ocupar o lugar de um judeu pai de família sorteado para morrer no chamado “porão da fome” em represália à fuga de um prisioneiro. No porão da fome, a autora coloca em conflito os prisioneiros – o padre, o carcereiro, o poeta, o estudante, o joalheiro –, visitados pelo comandante da SS, pela mulher que limpa os fornos e por Hans, o ajudante da SS. O processo de beatificação do padre Maximilian Kolbe, iniciado em 1968, resulta na canonização em 1982, pelo papa João Paulo II. Hoje São Maximiliano é considerado padroeiro dos jornalistas e radialistas e protetor da liberdade de expressão. 7 personagens. Direção: Kiko Rieser.

14 de março: O Novo Sistema

O Novo Sistema, escrita em 1968, volta ao tema da privação da liberdade e da criatividade por regimes totalitários. O personagem central, o Menino prodígio em física, não se conformará com a execução dos dissidentes em praça pública nem com a opressão – desta vez exercida pela ciência – à evolução espiritual do indivíduo. Assim como em A Empresa, é evidente a afinidade com a literatura distópica de George Orwell e Aldous Huxley. 12 personagens. Direção: Joca Andreazza.

21 de março: O Verdugo

O Verdugo foi escrito em 1969 e, no mesmo ano, recebeu o prêmio Anchieta. Conta a história do carrasco que se recusa a matar o Homem, um agitador inocente, condenado pelos Juízes e amado por seu povo. Temendo reações contrárias, os Juízes tentam – em vão – subornar o verdugo para que este realize a tarefa o mais rápido possível. Apenas o jovem filho entende a recusa do pai. A mulher, ao contrário, aceita a oferta em dinheiro e toma o lugar do marido ao pé do patíbulo, com a concordância da filha e do genro. No final, o verdugo reaparece, desmascara a mulher e conta ao povo o que se passara após sua decisão. O povo reage violentamente matando a pauladas o carrasco e o Homem. O filho sobrevive e foge com os Homens-coiotes, símbolos de resistência. Direção: Flávia Couto.

28 de março: A Morte do Patriarca

Em A Morte do Patriarca (1969) podemos reconhecer o humor ácido e o tom de escárnio de Hilda. Um Demônio com “rabo elegante” e de modos finos discute os dogmas da religião e o destino humano com Anjos, o Cardeal e o Monsenhor, ante a visão dos bustos de Marx, Mao, Lenin e Ulisses, de uma enorme estátua de Cristo e da tentativa do Monsenhor de colocar asas na escultura de um pássaro. O Demônio seduzirá o Cardeal a tomar o lugar do Papa; posteriormente, o próprio Papa é morto pelo povo. 9 personagens. Direção: Lavínia Pannunzio.

Hilda Hilst (1930-2004, Jaú/SP) – Hilda Hilst foi ficcionista, cronista, dramaturga e poeta, considerada uma das maiores escritoras em língua portuguesa do século XX, com traduções em países como Itália, França, Portugal, Alemanha, Estados Unidos, Canadá e Argentina. Iniciou sua produção literária em São Paulo, com o livro de poemas Presságio (1950). Em 1965, mudou-se para Campinas e iniciou a construção de seu porto de criação literário, a Casa do Sol, espaço que a abrigou durante a realização de 80% de sua obra. Autora de linguagem inovadora, na qual atemporalidade, realidade e imaginação se fundem, a estreia de Hilda na dramaturgia foi em 1967 e, três anos depois, na ficção com Fluxo-floema. Em cerca de 50 anos, ela escreveu mais de 40 títulos, muitos com edições esgotadas, incluindo poesia, teatro e ficção, que lhe renderam prêmios literários importantes no Brasil. Em sua obra nos deparamos com a fragilidade humana que nos surpreende com personagens em profundos questionamentos na viagem de entender e descobrir o essencial. A partir dos anos 2000, a Globo Livros reeditou sua obra completa e, em 2016, os direitos de publicação foram para a Companhia das Letras. Mais recentemente, a L&PM Editores lançou em livro toda a sua dramaturgia. O acervo deixado pela escritora encontra-se na Sala de Memória Casa do Sol e no Centro de Documentação Cultural Alexandre Eulálio da Unicamp.

Oi Futuro apresenta nona edição do Festival Levada com transmissão e cobertura em tempo real

Vem aí a nona edição do Festival Levada! E com novidade! Serão quatro apresentações, reunindo sete promessas da música brasileira contemporânea, ao vivo, no estúdio LabSonica, do Oi Futuro, com transmissão pelo YouTube (youtube.com/levadafestival) em tempo real. Além disso, haverá a cobertura do evento pelo Instagram do Levada (@festivallevada). Programação dos shows: Ilessi (dia 2 de fevereiro, terça-feira), Thiago Nassif (dia 3 fevereiro, quarta-feira), Àiyé (dia 9 de fevereiro, terça-feira) e do coletivo formado por Dora Morelenbaum, Julia Mestre, Lucas Nunes e Zé Ibarra (dia 10 de fevereiro, quarta-feira).  Os shows acontecem às 21h.

Desta vez, o público ficará em casa, enquanto os artistas e a equipe do festival capricharão para tornar o encontro não menos do que incrível, sem descuidar dos protocolos de segurança sanitária previstos pelos órgãos responsáveis e firmados entre a Zucca e o Oi Futuro. Entre as ações de prevenção definidas, está a testagem para a COVID-19 de todos os artistas e técnicos que ficarão juntos no estúdio do LabSonica para a transmissão.

“Essa turma está pronta para ser abraçada pelo público, pois faz um trabalho consistente e de alta qualidade. Alguns são mais experientes, como Ilessi e Thiago Nassif, ou mesmo a Larissa Conforto, que já tocou com muita gente boa e agora está com seu projeto solo “Àiyé”. E, na última noite, teremos o encontro de um quarteto da novíssima geração, que são a Dora Morelenbaum, Julia Mestre, Lucas Nunes e Zé Ibarra”, adianta o curador Jorge Lz.

O público verá esses novos nomes em ação e ficará por dentro de detalhes das suas carreiras, que correm fora dos holofotes da grande imprensa. O formato do festival foi alterado neste 2021, e cada apresentação será entremeada por uma conversa entre Jorge Lz e os artistas, com a possibilidade de participações especiais e perguntas do público enviadas pelas redes.

“Desde sua criação, há nove anos, o Festival Levada conta com o patrocínio da Oi e o apoio do Oi Futuro e se reafirma, a cada ano, como plataforma de lançamento da novíssima música brasileira, fortalecendo o propósito do instituto de fomentar projetos transformadores e abrir espaço para novos artistas. Este ano, o festival realiza o enorme desafio de se reinventar em formato digital e leva toda sua energia e frescor para as pessoas em suas casas”, diz Roberto Guimarães, gerente executivo de Cultural do Oi Futuro.  Para esta nona edição do festival o patrocínio da Oi é realizado através da Lei de Incentivo à Cultura do Município do Rio de Janeiro, a Lei do ISS, que é aplicada e fiscalizada pela Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro / Secretaria Municipal de Cultural. Conta com a correalização do Oi Futuro e realização da Zucca Produções.

Durante os eventos, haverá uma equipe movimentando as redes sociais do Festival Levada no Facebook e YouTube, onde os internautas poderão interagir. A inovação fica por conta da interatividade na live pelo Instagram, onde o artista poderá ser um “metaconvidado” e assistir a seu próprio show através do celular ligado dentro do estúdio. Os fãs do artista também poderão interagir nesse formato, que terá como cicerone a cantora e atriz Luiza Loroza, via Instagram.

E uma coisa é certa: o Festival Levada sempre esteve com o futuro no seu radar. Tanto pelas atrações que estouraram depois de se apresentar em seu palco, como Baiana System ou Letrux, tanto por transmitir seus shows ao vivo desde 2017, disponibilizando, ainda, os vídeos das apresentações na íntegra em seu canal de YouTube. Há quem diga que o nome disso é vanguarda.

“Quando começamos a fazer as transmissões ao vivo, a ideia era contemplar o público que não estaria no teatro por causa da lotação, mas também o público de outras localidades, inclusive, de onde essas atrações vinham. Com a pandemia, fomos obrigados a migrar para o virtual e isso, de alguma maneira, tem um lado positivo: ser assistido de qualquer lugar”, diz Julio Zucca, idealizador e produtor do festival.

“Mas, sem dúvida, a melhor experiência é a presencial. E por falar nisso, já estamos desenhando o Levada 10 anos”, adianta Jorge Lz otimista.

Serviço

Atrações:

Dia 2 de fevereiro, terça-feira – Ilessi

Dia 3 de fevereiro, quarta-feira – Thiago Nassif

Dia 9 de fevereiro, terça-feira – Àiyé (Larissa Conforto)

Dia 10, quarta-feira coletivo formado por Dora Morelenbaum, Julia Mestre, Lucas Nunes e Zé Ibarra.   

Os shows acontecem às 21h.

Local: pelo YouTube (youtube.com/levadafestival)

De graça e sem comerciais/monetização

Cobertura do evento pelo @festivallevada

MAIS SOBRE OS ARTISTAS SELECIONADOS

ILESSI

Cantora, compositora e uma das principais artistas da cena independente carioca, Ilessi é conhecida pela afinação impressionante e pelas interpretações arrasadoras (sempre no lugar certo, sem exageros). A ligação profunda que mantém com a essência da música popular brasileira não a impede de incorporar em seu trabalho outras referências, como, por exemplo, o blues. “Dama de Espadas” (2020) é o seu primeiro disco autoral, quarto de carreira e, sem dúvida, o de maior repercussão até agora.

PARA OUVIR:
https://open.spotify.com/artist/7tFzUF3Tvd65nlJ1Nky7va

THIAGO NASSIF

Músico e produtor que trabalha de forma criativa desde a composição até a engenharia de som, incluindo uma pesquisa que incorpora elementos eletrônicos, digitais e acústicos, além de elementos ligados à fotografia, arquitetura e artes plásticas. Parceiro de Arto Lindsay, Paulo Barnabé, Domenico Lancellotti e Jonas Sá, Thiago Nassif lançou lançou o álbum “Mente” em vinil na Europa, considerado um dos melhores lançamentos de 2020 pelas críticas nacional e internacional.

PARA OUVIR:
https://open.spotify.com/artist/4V5mWK2gFndo7riERIRfr8

ÀIYÉ

Àiyé é o projeto da musicista, compositora e produtora Larissa Conforto, que foi baterista da banda Ventre e tocou com artistas como Paulinho Moska, Numa Gama, Cícero e Ricardo Richaid. Como produtora artística atuou em álbuns de Gilberto Gil, Chico Buarque, Alceu Valença e Karol Conká. “Gratitrevas” (2020) é o seu primeiro EP solo e traz oito faixas com ambientações recheadas de tambores e sons sintéticos e eletrônicos. Por coincidência ou destino, as faixas versam sobre cura, luz e a gratidão justo neste momento de tantas sombras no mundo.

PARA OUVIR:
https://open.spotify.com/artist/3VumMgwS5pfXHC7vfek7Bu

DORA MORELENBAUM, JULIA MESTRE, LUCAS NUNES E ZÉ IBARRA

Revelado nas famosas lives da cantora Teresa Cristina, o quarteto que assina com os seus próprios nomes se reuniu numa casa na Serra nesta quarentena para criar música coletivamente. Eles são amigos desde os tempos de colégio. Filha da cantora Paula Morelenbaum e do violoncelista Jacques Morelenbaum, Dora é namorada de Lucas Nunes, integrante da banda Dônica junto com Zé Ibarra, que acabou de lançar nas plataformas digitais uma versão de “Meu bem, meu mal” em dueto com Gal Costa.

Dora lançou outro dia o single “Dó a dó” e prepara álbum solo para este ano. A ideia de aglomerar em volta da música foi de Julia Mestre, que já teve uma composição sua (“Love love”) cantada por Ivete Sangalo no Carnaval. Julia também fez recente participação especial no disco dos Gilsons, formado por filhos e netos do baiano Gilberto Gil, e colheu elogios pelo álbum “Geminis” (2019). Julia e Dora vêm lançando alguns singles em dobradinha.

DORA:
https://open.spotify.com/artist/6xt7x7TG8ExdvWM3R15cmE

JULIA:
https://open.spotify.com/artist/1FnGKreDca8xq3juSi5hAE

ZÉ IBARRA:
https://open.spotify.com/artist/52GmrK0buOOvHo7Kk20O4U

DÔNICA:
https://open.spotify.com/artist/03HT2JEgxfsG5ugI3yPLMK

El Efecto revisita álbum “Memórias do Fogo” com livro de canções

Veterana e destaque da cena independente carioca, a El Efecto revisita o último álbum de estúdio da banda, “Memórias do Fogo”, em um livro de canções com partituras, tablaturas, letras e cifras das músicas do disco, além de alguns textos explicando as ideias e influências nas composições. A publicação está disponível para que o público pague o quanto quiser a partir de R$ 5 ou até para adquirir gratuitamente.

Confira o livro de canções: http://bit.ly/ElEfectoLivro

Inspirado na trilogia de nome semelhante de Eduardo Galeano, que fala sobre a trajetória da América Latina, o trabalho evoca a importância de cultivarmos a chama interior, seja para jamais esquecer que o mundo está pegando fogo, ou até mesmo, para juntos, incendiá-lo em algum sentido.

Ouça “Memórias do Fogo”: http://bit.ly/ElEfectoMemoriasdoFogo

“Percebemos que, de uma maneira ou de outra, as músicas tinham em comum a referência ao elemento do fogo. E juntas, compunham um painel poético de situações, personagens e alegorias que evocam lutas coletivas contra diferentes formas de opressão, espalhadas em cenários, épocas e realidades distintas. Uma evocação à necessidade mais objetiva de torrar os ônibus, por exemplo, ou à imagem da barricada.  A ideia é que cada uma das músicas pretende ser uma chama, pra esquentar, pra botar lenha na fogueira, pra incendiar nossos corações”, explica Bruno Danton.

O álbum “Memórias do Fogo” é um convite a conhecer e contar histórias. Com letras que evocam desde tradicionais símbolos de luta, até a ideia do empreendedorismo de faz-de-conta, o disco chama o ouvinte a questionar-se e, porque não, rebelar-se contra as lógicas da opressão.

A banda é formada por Tomás Rosati (Voz, cavaquinho e percussão), Cristine Ariel (guitarra, cavaquinho e voz), Tomás Tróia (guitarra e voz), Bruno Danton (voz, violão e viola), Aline Gonçalves (flauta e clarinete e voz) e Vovô Bebê (baixo e voz). A temática com base política é recorrente nas canções do El Efecto, que ficou conhecido no país graças à canção “O Encontro de Lampião com Eike Batista”, em que mistura o rock com a literatura de cordel. Em junho de 2013, El Efecto foi indicado como Melhor Grupo de Rock no Prêmio da Música Brasileira. “Pedras e Sonhos”, álbum da faixa viral, foi considerado um dos três melhores discos do gênero. Desde então, a banda vem expandindo seu público em apresentações por todo o país e algumas incursões internacionais no Equador, Argentina, Portugal e Espanha. 

O livro está disponível no site https://elefecto.minestore.com.br junto de outros produtos da banda e a edição gratuita no e-mail elefecto@gmail.com.

Confira o livro de canções: http://bit.ly/ElEfectoLivro

“Colônia de Férias Acessível”, conteúdo digital para crianças trará entretenimento e acessibilidade para os clientes do Shopping Metropolitano Barra

No mês das férias, a programação do Mundinho Kids on line do Shopping Metropolitano Barra disponibilizará em suas redes sociais conteúdo de entretenimento infantil para todos os seus mini clientes, como não seria diferente. Porém, nessas férias, além de entreter, o MK on line abraçará a acessibilidade: será uma programação inteiramente elaborada a partir de noções e recursos acessíveis para que todas as crianças possam ser atendidas. A ideia surgiu a partir da sensibilidade do shopping com o atual momento, levando em conta crianças e famílias que, em meio à pandemia, muitas vezes ficam sem opção de lazer e entretenimento. Em muitos casos, crianças com deficiências apresentam algum tipo de comorbidade fazendo com que o isolamento social seja imperativo. 

Serão quatro domingos de programação. Nos dias 10, 17 e 24 de janeiro, vão ao ar vídeos lúdicos que, além de entreter, trarão diferentes atividades para fazer em casa. No último domingo, 31 de janeiro, haverá uma Live interativa com troca de experiências a partir dos conteúdos apresentados.

Os conteúdos, além de apresentar os recursos de acessibilidade, como tradução em libras e autodescrição, mostram situações cênicas que remetem ao universo que alguns pais, mães e familiares vivem no dia-a-dia quando têm uma criança ou adolescente especial próximo. A acessibilidade permeará então todo o conteúdo, tanto na parte técnica como na dramaturgia. Fabricio Moser, ator, diretor, professor, pesquisador de teatro e criador do projeto “Teatro da Inclusão”, estrelará os episódios, não só apresentando as atrações, mas desdobrando-se em vários personagens ao longo dos episódios. Para isso, a criação contou com a participação da professora universitária Marcia Berselli que fez o acompanhamento do projeto e assessoria em acessibilidade. Ricardo Martins, diretor de cinema, também fez parte da colaboração artística do projeto.

“Muito se discute sobre inclusão e acessibilidade no ambiente corporativo, mas o capacitismo, que é uma realidade, às vezes passa despercebido. A ideia de ter uma programação de férias inteira dedicada ao tema reflete nosso propósito de verdadeiramente trabalhar a favor da inclusão, dando a relevância que lhe é merecida. As grandes companhias têm papel influenciador e esse papel deve ser desempenhado de maneira plena e verdadeira, não apenas para fins de promoção da marca. Trabalhar a diversão com foco na acessibilidade é a melhor maneira de entreter a criança especial, mas também conscientizar todas as outras”, avalia Eliza Santos, Gerente de Marketing do Shopping Metropolitano Barra.

Programação “Colônia de Férias Acessível” do MET

10/01, 16h – Oficina de Fantoches de Papel
Toda a elaboração recebe legendas e tradução em libras. Além de ensinar fazer os fantoches de papel através de desenhos e dobraduras, Fabricio Moser ainda monta uma cena com o personagem Edu – interpretado por ele mesmo – e as legendas no diálogo possuem cores diferentes o que ajuda a tornar o conteúdo ainda mais acessível.

17/01, 16h  – Oficina de Papel Machê
A ideia é explorar a criatividade dos pequenos através do artesanato com papel machê, lembrando que toda a elaboração recebe legendas e tradução em libras.

24/01, 16h  – Oficina Musical

Sempre legendado e com tradução em libras, esta oficina vai trazer ritmos sonoros, música e construção de instrumentos musicais com material reciclável.

31/01, 16h  – “Live Palco Aberto”

Live interativa com troca de experiências a partir dos conteúdos apresentados.

Ficha Técnica:

Criação e Atuação: Fabrício Moser

Colaboração Artística: Ricardo Martins

Consultoria de acessibilidade: Marcia Berselli

Câmera: Carla Ermelindo

Assistente de câmera: Marcos Ribeiro

Edição: Wanderson Mirandela

Produção Executiva: Mango Produções

Escritora Isa Colli dá 7 dicas sobre como incentivar a leitura aos pequenos

Com a tecnologia apresentando a cada dia diferentes atrativos e facilidades, as novas gerações já nascem submersas nesse ambiente, usando os aparatos tecnológicos para tudo, seja para brincar, distrair, entreter e até para educar. Isa Colli, referência na literatura educativa infantojuvenil no Brasil e exterior, acredita que a tecnologia é importante, mas é preciso saber usá-la sem exagero. A autora, que se dedica à escrita que entretenha e eduque, compartilha um pouco de sua experiência nesta área.

Isa, que é mãe de dois filhos adultos, Valdeir (34) e Philip (33), vivenciou essa construção do incentivo à leitura na infância e adolescência deles e, atualmente, continua essa missão com muitas crianças por meio de sua editora – a Colli Books. Ela conta que é possível introduzir os pequenos no mundo da literatura, antes mesmo que eles saibam ler. Basta separar um tempo e apresentar este fabuloso universo.

A escritora dá dicas de como incentivar a meninada a despertar o prazer pela leitura. Saiba como:

1 – Crie um momento de leitura entre você e seu filho – Aquilo que se lê conecta o homem com a sua plenitude. Estabeleça um tempo para contar histórias ao seu filho. Pode ser no meio da tarde, ou a noite, antes de dormir. Esse momento, além de ajudar na aproximação com ele, fará com que desperte a imaginação e ainda tenha um soninho tranquilo. Com os mais crescidinhos, vale pedir que depois eles recontem as histórias, da forma que entenderam.  Isso ainda ajuda a concatenar as ideias e a desenvolver interpretação.

2 – Incentive a leitura por prazer – Nada melhor do que fazer o que gostamos. O momento da leitura deve ser prazeroso. Escolha livros que sejam atrativos aos olhos e histórias de interesse do seu pequeno.

3 – Faça da leitura uma brincadeira – Criança ama brincar. Que tal, após a leitura, montar uma peça teatral com a história? Vale tudo. A cama vira um palco; os lençóis, roupas e cenário. Com a diversão, o interesse por descobertas se torna ainda maior.

4 – Faça passeios literários – inseri-los em cenários inspiradores também contribui para o incentivo e amor à leitura. Leve seus filhos a uma biblioteca em sua cidade. As livrarias também são ótimos passeios, pois costumam ter ambientes para crianças, o que tornará o passeio ainda mais divertido.

5 – Desperte os sentidos – escolha livros com imagens e dê ênfase na contação de história com diferentes tons e entonação de voz para cada personagem. Utilize também o toque para as ações das histórias. Desta forma, você prenderá a atenção de seu filho, ajudando-o a desenvolver suas capacidades visuais, auditivas e sinestésica. Com o tempo, você ainda aprende a perceber com qual sentido ele tem mais facilidade de aprender, o que enriquecerá seu filho para a vida.

6 – Respeite o tempo de cada um – crianças mais agitadas podem não conseguir ficar muito tempo na mesma atividade. Não insista!  Faça pequenas leituras e deixe-as livres para outra atividade. Dessa forma, a leitura acontece naturalmente, sem obrigações.

7 – Use a tecnologia a seu favor – seu filho se interessa mais pelo computador do que por atividades de leitura? Não tem problemas. Os livros hoje vêm em formato digital, interativo e de fácil acesso. Intercale a leitura dos _ e-books_ com os livros impressos. Basta procurar sempre diferentes formas de conquistar a atenção das crianças, com paciência e amor.

“Espero com essa lista ajudar os pais. Eu sempre digo que não existe leitura ruim. Existem diferentes tipos de livros para cada leitor. Busque obras de interesse para seu filho e tenha momentos incríveis de conexão, conhecimento e aprendizado”, finaliza Isa Colli.

Todos os livros da autora podem ser encontrados facilmente no Brasil, na Europa, e no mundo todo nos principais sites de e-commerce no formato impresso e e-book. Seguem alguns exemplos de lojas: Amazon, Wook, Fnac, Americanas, Submarino, entre outros.

Tivoli Park, o mais amado pelos cariocas, apresenta mais uma novidade e cria Natal Solidário

A partir desta semana, o parque de diversões Tivoli Park, sucesso entre as décadas de 70 e 90, oferecerá uma nova atração aos moradores do Rio de Janeiro e os turistas que estão visitando nossa cidade: a maior montanha-russa itinerante da América Latina, a Looping Star, que nos proporciona uma sensação fascinante. O Tivoli conta com 50 mil metros quadrados, instalado na Barra da Tijuca, no estacionamento do Via Parque, e abriga brinquedos que marcaram gerações – totalmente restaurados e adaptados para os modernos padrões de segurança –, seguindo todos os protocolos de segurança contra à Covid 19. As novidades não param por aí. Mesmo com um cenário tão desafiador, Frederico Reder, responsável por dar esse presente ao Rio de Janeiro, conseguiu elaborar duas ações solidárias: a primeira com o Retiro dos Artistas e a segunda com o Hemorio, entidade de referência para doação de sangue.

A Campanha Natal Solidário do Tivoli Park funcionará da seguinte maneira: quem comprar um passaporte promocional estará doando, automaticamente,  R$ 5,00 ao Retiro dos Artistas, que fica em Jacarepaguá. Os interessados em abraçar essa nobre iniciativa poderão adquirir o passaporte Natal Solidário Individual, que custa R$ 55,00 (às quintas e sextas-feiras) e R$ 65,00 (aos sábados, domingos e feriados). Vale registrar que o parque está funcionando em um novo horário, de 16h as 22h30, de quinta a domingo. O passaporte já é a entrada e é válido para todos os brinquedos, exceto barracas de habilidades (como tiro ao alvo, bilhar, entre outros), e alimentos e bebidas que são pagos a parte. Por motivos climáticos ou de manutenção, a administração tem o direito de pausar o funcionamento das atrações. Ainda na vibe da corrente do bem, quem for ao Hemorio, entre os dias 21 e 31 de dezembro, e doar sangue ganhará um passaporte. A cortesia só poderá ser usada durante os dias úteis. Mais informações e os regulamentos completos podem ser conferidos por meio do site www.tivolipark.com.br            

“Após realizar nosso antigo sonho de trazer de volta o Tivoli  para os cariocas, agora queremos ser gratos e, por isso, vamos apoiar duas grandes instituições, que são o Retiro dos Artistas e o Hemorio. Ambos foram fortemente impactados por conta da pandemia. Temos que ajudar as pessoas que sempre se dedicaram às artes e também temos que contribuir com os indivíduos que precisam de sangue em um momento tão turbulento para o Brasil e o mundo”, comenta Frederico Reder.

“Esta nova parceria nos deixa muito feliz, pois Frederico tem nos ajudado em todos os sentidos, do financeiro ao administrativo. Essa contribuição, em tempos de pandemia, será revertida em compras de alimentos e produtos de higiene e limpeza. Nossa amizade é antiga e colaborações como essas são realizadas por ele desde o tempo das peças teatrais”, afirma Cida Cabral, administradora geral do Retiro dos Artistas. A responsável pelo local informa que qualquer pessoa pode ajudar a instituição e que mais informações podem ser obtidas por meio do telefone (21) 3382-3730. Durante à pandemia, as visitas virtuais podem ser realizadas pelo site www.retirodosartistas.org.br      

“É muito importante contar com o Tivoli durante nossa campanha de Natal. O apoio de um parque tão icônico para cidade representa o espírito que queremos transmitir neste momento. O de união, solidariedade e encanto”, orgulha-se Luiz Amorim, diretor geral do Hemorio.

Serviço:

Tivoli Park 

Local – Av. Ayrton Senna, 3.000 – no estacionamento do Via Parque – Barra da Tijuca 

Passaporte Natal Solidário Individual – R$ 55,00 (às quintas e sextas-feiras)

Passaporte Natal Solidário Individual – R$ 65,00 (aos sábados, domingos e feriados)

Apoio às instituições Retiro dos Artistas e Hemorio

Mais informações – www.tivolipark.com.br            

Hotéis da Rede Windsor no Rio de Janeiro terão Jantar Especial de Natal

Para celebrar uma das datas mais especiais do ano, a Rede Windsor oferecerá sua já tradicional Ceia de Natal. Na noite de 24 de dezembro, sete unidades da Rede localizadas entre a Barra da Tijuca e Zona Sul do Rio terão ceias completas com um cardápio tipicamente natalino, incluindo bebidas e sobremesas, alguns hotéis ainda contarão com a presença do Papai Noel e terão música ao vivo. Para garantir conforto e segurança aos clientes, as unidades terão vagas limitadas, respeitando todas as regras de distanciamento. 

Os restaurantes dos hotéis Windsor Barra, Windsor Marapendi (Barra da Tijuca) e as unidades da zona sul, como o Miramar by Windsor, Windsor California, Windsor Excelsior, Windsor Leme e Windsor Florida oferecerão além de um cardápio especial para a data, ambiente decorado.  A programação em todas as unidades terá início 20h30 com previsão de término para 1h.  

A Ceias Natalinas estão sendo comercializadas a partir de R$ 300 (Windsor California), mas em alguns hotéis como é o caso do Windsor Barra, Miramar by Windsor e Windsor Florida, o jantar pode ser adquirido com preços diferenciados até o dia 30/11.  A Rede ainda possui condições especiais para crianças que são cortesia até 5 anos de idade quando acompanhadas de adulto pagante, 6 a 10 anos têm desconto de 50% sobre o valor cobrado ao adulto e a partir de 11 anos pagam o valor integral.  Em todas as unidades é possível parcelar o valor da ceia em até 3 vezes no cartão de crédito. 

A Rede Windsor tem investido em um rigoroso padrão de higienização em todas as suas unidades, seguindo as orientações de uma consultoria técnica sanitária profissional, além de normas da OMS (Organização Mundial de Saúde).  A empresa também tem realizado treinamentos constantes e readequação dos seus serviços, tudo isso para continuar oferecendo um atendimento de excelência e qualidade a todos os hóspedes.

Mais informações no site: windsorhoteis.com 

Ceias de Natal  

Windsor Barra – Barra da Tijuca -RJ

Atrações: Papai Noel e música ao vivo 

Local: Restaurante (lobby) 

Valor: 1º lote R$ 450 (até 30/11) e 2º lote R$ 490  

Reservas: (21) 2195-5000 /eventos.windsorbarra@windsorhoteis.com.br  

Endereço:  Av. Lúcio Costa, 2.630 – Barra da Tijuca

Windsor Marapendi  

Atrações: Papai Noel e música ao vivo 

Local: Restaurante (lobby) 

Valor:  R$ 350  

Reservas: (21) 2195-5600/ eventos.marapendi@windsorhoteis.com.br  

Endereço:  Avenida Lúcio Costa, 5.400 – Barra da Tijuca

Zona Sul – RJ 

Miramar Hotel by Windsor  

Atração: Música ambiente

Local: Restaurante Alloro (lobby) 

Valor: 1º lote R$ 400 (até 30/11) e 2º lote R$ 440 

Reservas: (21) 2195-6213/ aeb.miramar@windsorhoteis.com.br

Endereço: Av. Atlântica, 3.668 – Copacabana

Windsor California  

Atração: Música ambiente

Local: Restaurante (lobby) 

Valor: R$ 300  

Reservas: (21) 2195-5600/ eventos.california@windsorhoteis.com.br

Endereço: Av. Atlântica, 2616 – Copacabana

Windsor Excelsior  

Atrações: Papai Noel e música ao vivo

Local: Restaurante (lobby) 

Valor: R$ 400  

Reservas: (21) 2195-5800/ eventos.excelsior@windsorhoteis.com.br

Endereço: Av. Atlântica, 1800 – Copacabana

Windsor Leme  

Atrações: Papai Noel e música ao vivo

Local: Restaurante (lobby) 

Valor: 1º lote R$ 350 (até 30/11)) e 2º lote R$ 400  

Reservas: (21) 2195-5400/ eventos.leme@windsorhoteis.com.br

Endereço: Av. Atlântica, 656 – Leme 

Windsor Florida 

Atrações: Papai Noel e DJ

Local: Restaurante

Valor: 1º lote R$ 320 (até 30/11) e 2º lote R$ 350 

Reservas: (21) 2195-6800/ eventos.florida@windsorhoteis.com.br  

Endereço: Rua Ferreira Viana, 81-  Flamengo  

SOBRE A REDE WINDSOR HOTEIS 

Há mais de 30 anos no mercado brasileiro, a Rede Windsor possui hotéis de três a cinco estrelas. Dona de um dos maiores grupos hoteleiros independentes do país tem 14 unidades no Rio de Janeiro, localizadas em Copacabana, Flamengo, Barra da Tijuca e Centro, além de duas unidades em Brasília. A Rede ainda conta com o Centro de Convenções & Hotéis Windsor, o maior centro integrado de hotéis e eventos da capital fluminense, onde estão o Windsor Barra, Windsor Oceanico, além do Centro de Convenções. O espaço tem 24 mil m², com 100 salões multiúso, a maior plenária comporta até 2.500 pessoas, com capacidade de atender a um público flutuante de até sete mil pessoas. Como reconhecimento por excelência em hospedagem, figura também em premiações nacionais e internacionais.

De Casa Com Arte, coletiva no Centro Cultural Correios: 29 artistas e 85 obras

Concebido logo no início do isolamento social, quando os seus idealizadores, Carlos Bertão e Alê Teixeira, contraíram o Coronavírus, o projeto DE CASA COM ARTE foi segmentado em duas fases, tendo como objetivo inicial a realização de quinze leilões beneficentes de obras doadas por 39 artistas visuais. Na primeira, contou com a participação de 21 profissionais, com vendas realizadas pela plataforma Arte na Fonte, através de sete leilões digitais, com três obras cada.  Com o valor arrecadado nessa fase, doado à Central Única das Favelas – CUFA, através do projeto Mães da Favela, foram adquiridas cestas básicas, beneficiando 350 famílias residentes em diversas comunidades carentes do Rio de Janeiro. Já na segunda etapa, mais 24 obras foram doadas e leiloadas pela mesma plataforma, tendo o valor arrecadado sido dividido em partes iguais entre a CUFA e o Retiro dos Artistas.

Em reconhecimento à generosidade dos artistas doadores, Carlos e Alê decidiram produzir uma exposição no Centro Cultural Correios, com a participação de 29 dos 39 doadores, com cerca de 85 obras em diferentes mídias (instalações, esculturas, pinturas e colagens). A curadoria ficou a cargo de Carlos Bertão, enquanto Alê Teixeira assinou o design e iluminação expositivos.

“A exposição aberta no Rio é apresentada como um reconhecimento e agradecimento à paixão e à compaixão de todos os 39 artistas que doaram suas obras para os dois leilões e que se destacaram por sua generosidade e empatia”, explica Alê Teixeira

“Encerramos a primeira etapa já pensando em uma segunda, em 2021, caso o Coronavírus siga afetando a vida dos mais necessitados”, diz Carlos Bertão, que revela ter conseguido um total de R$ 90 mil em arrecadação.

Artistas que participam da exposição:

Bel Magalhães, Bere Bastos, Beto Fame, Bruno Big, Cacá Barcellos, Claudia Teruz, Eduardo Scatena, Elimar Matos, Esther Ohana, Fabiano Fernandes, Gustavo Matos, Iza Valente, Jeremias Ferraz, Liliane Braga, Lucio Volpini, Marcella Madeira, Marcello Rocha, Maria Eugênia Baptista, Mulambo, Myriam Glatt, Patricia Secco, Pietrina Checcacci, Pina Bastos, Roberta Cani, Roberto Romero, Rodrigo Villas, Rogerio Silva, Selma Jacob, Solange Escosteguy.

Serviço:       

“DE CASA COM ARTE – ARTISTAS DO BEM”

Coletiva reúne cerca de 85 obras de 29 artistas.

Curadoria: Carlos Bertão e Alê Teixeira.

Até 10 de janeiro de 2021

Centro Cultural Correios

Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 20.

Visitação: de terça a sábado, das 12h às 19h

Entrada gratuita

Elba Ramalho abre série de shows na piscina do Fairmont Copacabana, com transmissão exclusiva do ShowIn

Os shows presenciais aos poucos estão voltando. E as lives vieram para ficar. Unindo as duas formas de diversão, ampliando o alcance da cultura para diferentes pontos do país, o ‘Infinity Summer’ levará para a piscina do Fairmont Copacabana e para onde o público desejar assistir, diferentes espetáculos musicais. As transmissões acontecerão ao vivo no ShowIn, plataforma lançada recentemente do mercado brasileiro. A estreia acontecerá no dia 3 de dezembro, quinta-feira, com a cantora paraibana Elba Ramalho.  Será a primeira apresentação de Elba para uma plateia ao vivo, desde o mês de março.

Em um cenário deslumbrante, a praia de Copacabana, Elba fará um show contagiante, interpretando grandes sucessos que marcaram a sua carreira, como “De volta pro aconchego”, “Bate Coração”, “Ai que saudade de ocê”, “Chão de Giz” , entre outras. A cantora será acompanhado por Marcos Arcanjo ( Violão/ guitarra), Rafael Meninão ( sanfona) e Anjo Caldas ( percussão). 

O evento seguirá todas as medidas de saúde determinadas pelas autoridades locais e os protocolos e certificações  ALL SAFE e Bureau Veritas para evitar a propagação da Covid-19.

Apresentações podem ser vistas presencialmente ou online

Para assistir ao show, que terá limitação de lugares devido às regras de distanciamento social, o público pode escolher. Presencialmente, do hotel, fazendo uma reserva de um quarto ou comprando um passaporte day use, que dá direito a passar o dia no local, com acesso a um apartamento, piscinas e dependências externas. E online, comprando ingresso através do ShowIn. A programação começa às 12h horas, com DJ set, as apresentações têm início a partir das 19h30.

SOBRE O SHOWIN

Fruto da parceria entre o cantor e compositor Orlando Morais e o empreendedor e investidor Dio Trotta, o ShowIn surge no mercado em meio a um cenário de explosão de lives, possibilitando a remuneração através de vendas de ingressos, com variadas opções de preços e formatos. A plataforma apresenta, sempre ao vivo, grandes e pocket shows, teatro, poesia, palestras, stand up comedy, aulas de gastronomia, de yoga, meditação, dança, espetáculos infantis, esportes e muito mais.

O valor dos ingressos e o tamanho das salas de exibição são definidos para cada evento e as transmissões por streaming são acessíveis pelo site, em qualquer computador ou tablet. E também pelo celular, através dos aplicativos disponíveis na Apple Store e no Google Play.

SOBRE ACCOR

A Accor, líder mundial em hotelaria de excelência, proporciona experiências únicas e significativas em mais de 5.000 hotéis e complexos residenciais em 110 países. Com sua expertise de 50 anos no setor, o grupo possui um portfólio incomparável de 39 marcas de hotéis que incluem desde acomodações luxuosas até econômicas e contam com o apoio de um dos programas de fidelidade mais atrativos do mundo.

O ALL, Accor Live Limitless, é um programa personalizado que inclui recompensas, serviços e experiências que agregam valor ao dia a dia dos associados por meio de uma forma completamente nova e ilimitada de viver.

A Accor está altamente comprometida com a criação de valores sustentáveis e desempenha um papel ativo no desenvolvimento do Planeta e da comunidade por meio do seu programa Planet 21 – Acting Here e do fundo de doações Accor Solidarity, que ajuda a combater a exclusão de pessoas desfavorecidas mediante a capacitação profissional e acesso a empregos.

As ações da Accor S.A. são negociadas na bolsa de valores Euronext Paris (código: FR0000120404) e no mercado OTC (código: ACRFY) nos Estados Unidos. Para mais informações, visite accor.com ou nos siga no Twitter e Facebook.

SOBRE FAIRMONT

Fairmont Hotels & Resorts é onde as ocasiões são celebradas e a história é feita. Hotéis com presença incomparável, experiências autênticas e momentos inesquecíveis têm atraído visitantes do Fairmont e seus destinos desde 1907. O Plaza em Nova York, o Savoy em Londres, o Fairmont San Francisco, o Fairmont Banff Springs e o Fairmont Peace Hotel em Xangai são apenas alguns desses hotéis de luxo icônicos, sempre ligados aos lugares especiais onde residem. Famosa por seu serviço envolvente, grandes espaços públicos, cozinha de inspiração local e bares e lounges célebres, a Fairmont promete uma marca especial de luxo que será lembrada muito depois de qualquer visita. Com um portfólio mundial de mais de 75 hotéis, Fairmont também se orgulha de suas profundas raízes comunitárias e liderança em sustentabilidade.

Fairmont faz parte da Accor, um grupo líder mundial em hospitalidade aumentada, oferecendo experiências únicas e significativas em 5.000 hotéis, resorts e residências em 110 países.

SERVIÇO – INFINITY SUMMER, COM ELBA RAMALHO

Data: 03 de dezembro

Horário: 19h30 às 21h

Reserva de quarto: a partir de R$ 850 (day use para duas pessoas, das 11h às 23h), pelo e-mail copacabana.reservations@fairmont.com ou telefone (21) 2525-1232

Informações: https://fairmontrio.com/pacotes/

*ingressos limitados de acordo com os protocolos de saúde

Ingressos para live: R$ 30

Transmissão: www.showin.com.br

Bosque Bar inaugura no Jockey Club, no Rio de Janeiro

Cariocas e turistas acabam de ganhar um novo espaço para encontrar os amigos, ouvir uma boa música e se deliciar com uma gastronomia prática e contemporânea. Localizado no Jockey Club Brasileiro, ao ar livre, com vista para o Cristo Redentor, o Bosque Bar proporciona uma experiência aconchegante e segura.

O empreendimento apresenta uma proposta que conversa com diferentes públicos, dos jovens a quem quer curtir uma tarde em família. Mesclando uma curadoria musical personalizada, programação artística, design, gastronomia contemporânea e drinks exclusivos, o projeto é resultado de uma parceria da agência Vibra Marketing e a cervejaria Stella Artois

O ambiente foi reformulado para abrigar o conceito cool e artístico do Bosque. A arquitetura é toda aberta, mas traz uma sensação de aconchego, com toques de natureza presentes na decoração. Além de longas mesas espalhadas pelo local, há também um palco onde DJs convidados farão a trilha sonora das tardes e noites, de acordo com a programação musical do dia. Às quintas-feiras, a vibe é intitulada “Brasil Cool”, com destaque para as brasilidades mais dançantes e com ginga. Às sextas-feiras, a abordagem segue uma linha que mescla indie, pop, e hip hop, com sucessos atuais. Aos sábados, o pop e indie retrô dominam as pickups, e os domingos dão conta das músicas brasileiras – do samba à MPB, ideal para aproveitar a tarde com mais tranquilidade. O cardápio é assinado por Itamar Araújo, chef que traz no currículo uma estrela Michelin e anos à frente do Mee, restaurante asiático do Hotel Copacabana Palace.

Por ser um projeto com edição limitada, o Bosque Bar tem potencial para ser um marco durante este verão carioca. Até março, o público poderá conferir e criar memórias únicas no espaço, que privilegia a linda vista do Rio de Janeiro em uníssono com a expertise da Vibra Marketing, mestre em proporcionar experiências inesquecíveis em seus eventos, como os festivais Rock the Mountain, Bud Basement e Auê, e as festas Arca de Noé, AdoroFrozen e SubaJovem. A casa segue todos os protocolos de segurança estipulados pelas organizações sanitárias.

Serviço Bosque Bar:

Endereço: Av. Bartolomeu Mitre, 1314- Gávea, Rio de Janeiro- RJ

Horários de funcionamento:

●        Quintas-feiras das 18h às 04h;

●        Sexta-feira das 18h às 04h

●        Sábado das 16h às 04h

●        Domingo das 16h às 01h.

Formas de pagamento: aceita todos os cartões.

Instagram: www.instagram.com/barbosquebar

Site: www.barbosquebar.com.br

“Pá de Cal Ray-Lux)” no CCBB Rio

O Teatro II do Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, recebe de 26 de novembro a 20 de dezembro, o espetáculo “Pá de Cal (Ray-lux)”, dramaturgia inédita do premiado autor Jô Bilac, direção de Paulo Verlings, realização da Cia Teatro Independente, com Carolina Pismel, Isaac Bernat, Orlando Caldeira, Pedro Henrique França e Ruth Mariana no elenco. O projeto tem patrocínio do Banco do Brasil através da Lei de Incentivo Federal. As representações acontecem de quinta a sábado, às 18h, e domingo, às 17h. Os ingressos estão a venda exclusivamente pela internet: www.eventim.com.br
A trama de “Pá de Cal (Ray-lux)” parte da morte de um personagem central, ou seja, ele está ausente. O mesmo acontece com suas irmãs que mandam representantes para a reunião “familiar” na qual irá se definir o destino do pai dessa família e também o destino da mãe do morto (uma ex empregada da família), que também manda um representante legal. O morto também é representado por uma pessoa com quem conviveu em terras estrangeiras. Além de uma morte traumática a peça lida com a terceirização de responsabilidades e de como essas representatividades interferem na boa condução das questões. Toda a ação se desenrola na casa onde mora o patriarca, local que é foco de uma disputa pela posse, revelando interesses divergentes entre as partes. Conflitos inesperados emergem a partir desse encontro. Com o passar do tempo, as relações entre pai e seus filhos – representados – se revelam aos espectadores cada vez mais límpidas e latentes.
– O espetáculo narra uma relação “familiar” por uma perspectiva diferente. Através das representatividades discutimos o quanto nós hoje na contemporaneidade terceirizamos nossas relações –, comenta o diretor Paulo Verlings, também responsável pelo argumento e idealização da peça. – Atravessamos questões como culpa, ausência de diálogo e afeto, a partir de um acontecimento trágico.
A expressão “Pá de Cal” quer dizer que fará uma última referência a um assunto não prazeroso. Já “Ray-lux” se refere ao nome de uma urna funerária tão cara, que custa o preço de um automóvel.
Para a escalação do elenco a Cia Teatro Independente pensou em arquétipos bem distintos para formar um elenco brasileiro, com muitas diversidades, personagens reais, pessoas críveis.
Ficha técnica
Dramaturgia: Jô BilacDireção: Paulo VerlingsDiretora Assistente: Mariah ValeirasElenco: Carolina Pismel, Isaac Bernat, Orlando Caldeira, Pedro Henrique França e Ruth MarianaCenário: Mina QuentalFigurinos: Karen BrusttolinIluminação: Ana Luzia Molinari de SimoniTrilha Sonora: Rodrigo MarçalDireção de Movimento: Toni RodriguesAssessoria de Imprensa: Ney MottaProgramação Visual: André SennaFotos de Divulgação: Paula KossatzDireção de Produção: Jéssica SantiagoArgumento e Idealização: Paulo Verlings Realização: Teatro Independente e 9 Meses Produções
Serviço
Centro Cultural Banco do Brasil – Teatro IIRua Primeiro de Março, 66, Centro, Rio de JaneiroInformações: 21 3808-2020Temporada: 26 de novembro a 20 de dezembro de 2020Apresentações: Quintas, sextas e sábados, às 18h, e domingos, às 17h.Valor do ingresso: R$ 30 (inteira) e R$15 (meia entrada)VENDAS EXCLUSIVAS PELO SITE www.eventim.com.brNão recomendado para menores de 14 anosCapacidade de público: 76 lugaresDuração: 70 minutos
Funcionamento do CCBB
A partir do dia 26 de novembro, o Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro terá novo horário de funcionamento, das 9h às 18h.  O CCBB RJ está adaptado às novas medidas de segurança sanitária: entrada apenas com agendamento on line, controle da quantidade de pessoas no prédio, fluxo único de circulação, medição de temperatura, uso obrigatório de máscara, disponibilização de álcool gel e sinalizadores no piso para o distanciamento. No teatro a capacidade foi reduzida para 50%, com higienização completa antes de cada apresentação/sessão, além do distanciamento de 2 metros entre as poltronas.

Evento virtual ‘Arte sem Fronteiras’ começa dia 12 de novembro

A Black Brazil Art realiza de 12 de novembro (quinta) a 8 de março (segunda), o evento virtual e gratuito Arte Sem Fronteiras. Com o tema Cartografia e Hibridismo do Corpo Feminino – Representações Visuais e Afetivas serão apresentadas exposições virtuais, performances, lives, vídeos, painéis e debates. Em 13 encontros ao longo de cinco meses serão apresentados e discutidos temas artísticos voltados à raça e gênero. Com mais de 40 convidados de oito países, o Arte Sem Fronteiras é um programa preparatório para a segunda edição da Bienal Black Brazil Art, prevista para 2021. A curadoria é da museóloga Patrícia Brito. A programação completa está no site black brazilart.com.br.

O Arte Sem Fronteiras foi inicialmente pensado como complemento da primeira Bienal Black realizada em 2019 em Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre. “Muita coisa mudou desde então. Em primeiro lugar, a Covid19 transformou a sociedade e seu impacto artístico”, explica Patrícia Brito. “E em segundo, as manifestações por igualdade racial em todo o mundo deixaram marcas, exigindo que fizéssemos a nossa parte, conclui. Para a curadora, conectar artistas de diferentes países, a maior presença de mulheres e diversidade de raça nas artes, assim como a busca por novos mercados estão entre os objetivos do evento.

A programação virtual começa às 19h do dia 12 de novembro, com apresentação da curadora, seguida das performances de Elizia Gomes, Luiza Furtado, Zaika dos Santos e vídeo-arte “Mãos Lavadas” de Fiamma Viola. Uma performance musical de Lizza Dias encerra a noite de abertura. Na sexta (13), às 19h, será apresentado o painel Onde estão os artistas negros na arte com a professora e mestre em antropologia social Patrícia Alves, uma vídeo-performance com Letícia Rodrigues e um painel sobre a mulher latina nas artes com a muralista mexicana Áura. No dia 14 (sábado), a partir das 17h, haverá um debate sobre literatura e teatro no sistema prisional com Aline Campos, Gih Trajano e Vicente Concílio e performance de Anna Cecília Junqueira e Renata Malachias Tavares.

Na sexta (20), às 19h, acontece um painel sobre cultura artística indígena com a comunicóloga Moara Brasil e performance de Jessica Madona. Na mesma data também será aberta uma exposição virtual coletiva. A programação continua com três encontros em dezembro (dias 10, 11 e 12) e janeiro (14, 15 e 16), dois em fevereiro (12 e 13) e uma live final no dia 8 de março. A cineasta afro-canadense Kourtney Jackson, a artista visual estadunidense Jessica Wimbley e a pesquisadora brasileira Jorgete Lemos são alguns dos nomes confirmados para os próximos meses.

Serviço

Arte Sem Fronteiras | Evento gratuito | Programação completa em blackbrazilart.com.br

Programação virtual de 12/11/2020 (qui) a 08/03/2021 (seg) – 13 encontros | Exposições virtuais, performances, lives, vídeos, painéis com um recorte racial e de gênero nas artes | Programa preparatório para a 2ª edição da Bienal Black Brazil Art

Realização: Instituto Black Brazil Art | Colaboradores: Colectivo de Estudios Afrolatinoamericanos da Udelar, Frente Nacional para la Paz do México, Instituto Federal do Rio Grande do Sul – Assessoria de Relações Étnico-Racial e Ver.Sar podcast

Nossos canais de comunicação:

Site oficial: blackbrazilart.com.br | Facebook: /BlackBrazilArt

Instagram: @bienalblackbrazilart | Twitter: @blackbrasilart | YouTube: /BlackBrazilArt

Sobre a 1ª Bienal Black Brazil Art

Realizada de novembro de 2019 a março de 2020, com a temática Mulheres (in) Visíveis – a bienal percorreu as três capitais da região sul do Brasil em 12 espaços de artes, com o propósito de dar visibilidade para mulheres anônimas, principalmente as mulheres negras em espaços de galerias e museus. Ao todo foram apresentadas mais de 320 obras de mais de 160 artistas.

Sobre a Curadora

Curadora independente, museóloga, pesquisadora e gestora cultural, Patrícia Brito foi idealizadora e curadora geral da primeira Bienal Black Brazil Art. Nascida em Porto Alegre (RS) e radicada em Florianópolis (SC), tem vários prêmios nacionais e internacionais – entre eles o Ford Foundation Art Residence Equity e o Prêmio Baobá – todos com a linguagem do recorte racial nas artes. Formada em história e museologia, tem pós-graduação em diversidade de gênero nas artes.

Sustentabilidade musical e Tour Virtual pelo quarto de Van Gogh são atrações para o fim de semana

Seguindo a ideia Maker e de Sustentabilidade, o Ibeu preparou novas atividades para novembro, a partir do dia 6: confecção de instrumentos musicais com material reciclável e execução de uma música (crianças e pré-adolescentes, de 3 a 11 anos), e um tour virtual pelo quarto do pintor Van Gogh com Realidade Aumentada (crianças e adolescentes de 10 a 17 anos). No segundo evento, é importante o participante ter um aparelho para o tour e outro para ingressar no Meet. Além disso, é necessário baixar o aplicativo Arloopa, um pouco antes do início da atividade. Os participantes procurarão objetos através da solução de enigmas simples.  A iniciativa faz parte do “Make it Happen @ Ibeu”, uma série de eventos que, na pandemia, acontece on-line e em tempo real.

Confira os horários e links de inscrições dos dois eventos.

Evento: Confecção de instrumentos musicais com materiais recicláveis
Horário 16h às 17h
Inscrição: http://bit.ly/IbeuInstrumentosMusicais

Evento:  Arte e mistério em tour virtual com Realidade Aumentada
Horário 17h30 às18h30
Inscrição: http://bit.ly/IbeuTourVirtualAR

Caleidoscópio da Cultura 2020 e 1◦ Prêmio Rio de Contos LER & FUNARJ

Nos meses que antecedem a realização da 4ª edição da LER, que será em junho de 2021, o movimento de democratização de acesso à literatura e a cultura não para. Com palestra musical do rapper, compositor e escritor Gabriel O Pensador, baseada nos livros O Diário noturno e Um garoto chamado Rorbeto, e transmissão ao vivo para as redes da LER e da FUNARJ, o Caleidoscópio da Cultura 2020 e o 1◦ Prêmio Rio de Contos LER & FUNARJ serão lançados com as devidas honras e cuidado que um evento em momento de pandemia merece.

 “Precursoras à realização da 4ª Edição da LER, o Caleidoscópio e o 1◦Prêmio foram especialmente pensados para o momento atual de grande necessidade de fomento ao setor da economia criativa, e reabertura gradual dos equipamentos culturais”,  diz Luciana Potsch, diretora da LER.

A oportunidade do acesso à atividades culturais de qualidade, totalmente gratuitas, e a descentralização cultural são os pilares  do Caleidoscópio da Cultura 2020, que este ano ganha força trazendo o 1◦Prêmio Rio de Contos LER & FUNARJ do Estado do Rio de Janeiro, dois movimentos que se complementam.  As iniciativas fazem parte da parceria da LER – Salão Carioca do Livro –  com a FUNARJ – Fundação Anita Mantuano de Artes do Estado do Rio de Janeiro-,  que unidas fomentam o setor da economia criativa do estado.

“Neste ano, a FUNARJ reforça e amplia sua parceria com a LER, expandindo o alcance do Caleidoscópio de Cultura e lançando o concurso literário, idealizado pela escritora Bárbara Caldas. Assim, não apenas amplificamos nossa participação neste importante projeto de troca de conhecimentos e popularização de atividades multiculturais, como também abrimos espaço para novos autores, numa iniciativa inédita na história da FUNARJ”, diz  José Roberto Gifford, presidente da FUNARJ.

Caleidoscópio da Cultura 2020

O projeto são quatro montagens de espetáculos teatrais de dramaturgia a partir de textos literários nacionais. As obras serão encenadas nos equipamentos culturais da rede FUNARJ:

. Teatro Glaucio Gill, no Rio de Janeiro, em Copacabana;

Espetáculo Teatral “ONDE MORAM OS LIVROS”? 

Dias 21 e 22 de novembro (sábado e domingo)

. Teatro Mário Lago, em Vila Kennedy;

Espetáculo Teatral “BRINCANTES DO BRASIL” Adaptado do livro de Daniela Chindler “Brincantes – ô abre a roda”

Dias 27 e 28 de novembro(sexta e sábado)

. Teatro Armando Gonzaga, em Marechal Hermes;

Espetáculo Teatral “As bibliotecas do Mundo”,

Dias 5 e 6 de Dezembro (sábado e domingo)

. Teatro Arthur Azevedo, em Campo Grande

Espetáculo Teatral ERA UMA VEZ..

Dias 12 e 13 de Dezembro (sábado e domingo)

1◦ Prêmio Rio de Contos LER & FUNARJ

Idealizado pela escritora Bárbara Caldas e co-realizado pela empresa Mater Produções, a proposta do 1◦Prêmio Rio de Contos – Ler & FUNARJ é revelar e contribuir na formação de novos talentos literários espalhados e incógnitos no Estado do Rio de Janeiro. Serão selecionados por um corpo de seis jurados atuantes no universo literário brasileiro, 20 textos que apontem para potenciais talentos. As inscrições poderão ser feitas a partir do dia 5 de novembro pelo site www.lersalaocarioca.com.br.

Os escolhidos serão contemplados com:

. Um pacote com aula magna de língua portuguesa, mini cursos de criação literária e literatura contemporânea em língua portuguesa, a serem ministradas por um super time de profissionais, e finalizando com mentorias individuais.

. Participação na publicação do livro Rio de Contos que será lançado na 4ª edição da LER, onde os autores serão verdadeiramente artistas, participando de sessão de autógrafos, debates sobre o projeto, processo criativo e sobre a contribuição do 1◦Prêmio em seus amadurecimentos como autores.

www.lersalaocarioca.com.br

www.funarj.rj.gov.br

Serviço:

Lançamento Caleidoscópio da Cultura 2020 e  1◦ Prêmio Rio de Contos LER & FUNARJ

Casa de Cultura Laura Alvim

Av. Vieira Souto, 176 – Ipanema, Rio de Janeiro – RJ

5 de novembro de 2020, as 20h

Programação:

.Palestra musical do Gabriel O Pensador, transmissão ao vivo para a parte interna da Casa de Cultura e para a Av. Vieira Souto + transmissão nas redes da LER e FUNARJ

. Dj Mocotó

. Autógrafos  do livros Um garoto chamado Rorberto,  Diario noturno e  O meu pequeno Rubro-

Negro de autoria do Gabriel O Pensador

https://www.youtube.com/lersalaocariocadolivro

https://www.youtube.com/channel/UCOFPMscFDF3Dqss09EmKMnw

Vira Réveillon terá show do cantor Silva e diversas atrações, na Lagoa, Rio de Janeiro

2020 certamente será um ano que ficará na memória. E a virada merece ser especial, ao lado dos amigos mais queridos, ao som de muita música boa e em segurança. Pensando em todas as superações que já vivemos nos últimos meses e unindo as melhores energias para 2021, as agências Vibra e Fábrica trazem o Vira Réveillon, festa que levará para o espaço Lagoon, no Rio de Janeiro, mais de dez atrações. O destaque da noite será o show do cantor Silva.

Em dos mais belos cartões postais do mundo, a Lagoa Rodrigo de Freitas, o evento terá 10 horas de duração e contará também com DJ set da festa Arca de Noé, pista só com DJs mulheres, com nomes como Carol Emmerick, Yasmin Vilhena, Pauly, Glitterada, Bruna Strait e Nicole Nandes, entre outros, que prometem não deixar ninguém parado. Os ingressos, já a venda pelo link http://ingresse.com/virareveillon2021, dão direito a open bar e open food .

Atração principal, o cantor, compositor e multi-instrumentista Silva fará show com repertório variado, com músicas do seu último álbum, “Ao vivo em Lisboa”, lançado em maio desde ano, entre outras novidades. Dono de uma voz suave, o músico interpretará canções românticas e outras para se jogar na pista, a exemplo do seu projeto “Bloco do Silva”, criado no carnaval de 2019. Silva lançou seu primeiro EP em 2012 e desde então vem colecionando cada vez mais fãs. Lançou cinco álbuns de estúdio e gravou parcerias com nomes como Fernanda Takai, Lulu Santos, Anitta, Ludmilla, Ivete Sangalo, Marisa Monte e Daniela Mercury.

O evento seguirá os protocolos de saúde para evitar a proliferação do novo Coronavírus. Entre as medidas incorporadas estão a aferição de temperatura do público na entrada, dispensers de álcool gel distribuídos em pontos estratégicos, uso de máscaras obrigatório nas áreas comuns, circulação limitada de pessoas, distanciamento mínimo obrigatório entre mesas, cozinha de acordo com as normas sanitárias necessárias. Todos os funcionários contratados para a festa estarão com equipamento de proteção individual e passarão por treinamento obrigatório contra a Covid-19.

ATRAÇÕES:

Pista 1
– Silva
– Arca de Noé DJ Set
– AdoroFrozen Crew
– Tucho
– Tammy
– Bahruth
– Cockell
– Bhering

Pista 2
– Carol Emmerick
– Yasmin Vilhena
– Pauly
– Glitterada
– Bruna Strait
– Nicole Nandes

SERVIÇO – VIRA RÉVEILLON
Data: 31 de dezembro de 2020
Horário: a partir das 21h
Local: Lagoon (Av Borges de Medeiros, 1424 – Lagoa – Rio de Janeiro/RJ)
Ingressos: http://ingresse.com/virareveillon2021
Valor: a partir de R$ 450
*Open bar
*Open food

REDES SOCIAIS
Facebook – http://www.facebook.com/events/583358522383496
Instagram – http://www.instagram.com/virareveillon/

LinkedIn, TikTok e os maiores influenciadores do país vão discutir o Marketing de Influência no pós-pandemia na conferência gratuita INFLUENCERS

O marketing de influência não é mais uma tendência, mas sim uma realidade de mercado. A decisão dos consumidores e a própria formação de opinião, hoje, estão profundamente ligados a conteúdos produzidos por influenciadores, especialmente nas redes sociais. E como novos tempos pedem novas discussões, novas soluções e novas influências, entre os dias 18 e 21 de novembro, acontecerá a primeira edição do INFLUENCERS, um evento totalmente digital e gratuito que vai reunir alguns dos maiores influenciadores do Brasil, além de grandes marcas e plataformas de conteúdo em palestras e debates com discussões e insights imperdíveis sobre o mercado.

Estão confirmados: a maior youtuber fitness do Brasil e top 10 global, Carol Borba; Vicente Carvalho, fundador da página Razões para Acreditar; o especialista em filtros Igor Saringer; Ivan Moreira da página pet influencer Bono Surf Dog; a criadora do maior canal sobre deficiência no Brasil, Mariana Torquato; o fundador da Avellar Media, Rapha Avellar; a cool hunting e stylist Josy Ramos; Isabela Reis, que fala sobre política e questões raciais; a criadora do perfil “Uma Linda Janela”, Linda Rojas, entre outros. Outro destaque é o modelo português Ruben Rua, um dos principais influenciadores de Portugal, que vai revelar curiosidades, insights e dar dicas sobre o mercado da influência no país.

Grandes marcas e plataformas de conteúdo também participarão do INFLUENCERS compartilhando importantes visões sobre se envolver de forma legítima com o marketing de influência, sobre o poder de cocriação de produtos e sobre o uso da tecnologia. Estão confirmados: o Customer Success Manager do LinkedIn América Latina, Rudi Solon; a head de Marketing na América Latina do TikTok, Kim Farrell; as executivas da VIU, hub de conteúdo e de projetos digitais do Grupo Globo, Marina Bentes e Tainá Saramago; o publicitário e redator da VIU, Léo Baptista; e o head de Direitos Esportivos e Mídia no C.R. Flamengo, Caetano Mendes.

Os interessados já podem fazer sua inscrição clicando nesse link e a participação é gratuita para todos que assistirem aos conteúdos e debates nos dias e horários da programação. Além disso, INFLUENCERS ainda vai oferecer duas outras opções de participação com vantagens exclusivas. A primeira custa R$ 37 e garante certificado digital de 20 horas de atividades. E a opção premium terá duas palestras de bônus + certificado digital de 20 horas de atividades + acesso a todo o conteúdo do evento por até seis meses por R$ 67. Em ambas as inscrições, parte do valor será destinado a doações para organizações e causas sociais. 

Em formatos diversificados que incluem palestra e entrevistas exclusivas, INFLUENCERS vai promover experiências e debates únicos sobre criação, conteúdo e tendências de um mercado que se transforma constantemente, além de ser uma excelente oportunidade de atualização para os profissionais das áreas de Comunicação, Publicidade e criadores de conteúdo.

O evento é realizado pela Mostarda, renomada agência de eventos, e será transmitido pelo Congresse.me, plataforma referência em conferências digitais.

“Nós seguimos, curtimos, compartilhamos e interagimos com os criadores de conteúdo todos os dias. Os influenciadores são parte fundamental da nossa sociedade atual. Todo profissional de comunicação, marketing e empreendedor deve entender esse segmento e como fazer parte desse movimento. Será incrível contar com a visão daqueles que são referência, além da troca com grandes marcas e plataformas que compõem esse ecossistema”, explica Caio Barreto, sócio e co-fundador da Mostarda, realizadora do evento.

Diferentes tribos e discursos se encontram no INFLUENCERS

Em um formato que vai promover um diálogo entre marcas, influenciadores e plataformas de conteúdo, o INFLUENCERS será uma oportunidade de compartilhar visões de mercado, cases, dados e dicas sobre o segmento, que cresce a passos largos no Brasil e no mundo. Uma pesquisa de 2019 da Viacom feita com jovens de 13 a 25 anos mostrou que cerca de 78% deles acreditam que a influência social será o poder do futuro. 

“Promover esse conhecimento é fundamental para o desenvolvimento profissional dos participantes. Estamos super felizes por saber que vamos impactar positivamente milhares de pessoas pelo país inteiro e esperamos com isso reconhecer ainda mais o segmento, além de contribuir com causas sociais”, ressalta Barreto.

E diante da premissa de um cenário sócio-econômico com profundas mudanças de comportamento a curto, médio e longo prazo em todo o mundo, o conteúdo de qualidade e a influência passam a ter papel-chave na formação de opinião, seja lá qual for o assunto. O INFLUENCERS também vai trazer essa importante diversidade de perspectivas e referências em temas, tais como bem-estar, fitness, positividade, criatividade, pet, conteúdo, inovação, entre outros. Quais são os assuntos que vão impactar os usuários? Quais conteúdos estarão em alta? Como podemos produzir melhor e com mais qualidade daqui pra frente? Descubra no INFLUENCERS.

INFLUENCIADORES CONFIRMADOS

Vicente Carvalho, MA – Fundador do “Razões para Acreditar” (2,5 milhões de seguidores)

Vicente Carvalho nasceu no Maranhão e vive em São Paulo desde 2008. Formado em Publicidade e especialista em Design Estratégico pelo IED. Otimista (racional) por natureza, sempre enxerga o lado bom das coisas, e por isso criou o “Razões Para Acreditar”, em 2012 e mais recentemente a VOAA, plataforma de vaquinhas online para mudar os finais das histórias. Já o “Razões para Acreditar” é uma plataforma de transformação, contando diariamente histórias inspiradoras para milhões de pessoas desde 2012, levando notícias positivas para um público que escolheu perceber a vida de um outro jeito. Faz projetos com grandes marcas, co-cria projetos alinhados com o propósito da empresa, mas principalmente o nosso, que é inegociável. Em 2019 o Razões ganhou um braço, ou melhor, uma asa, da VOAA, uma plataforma de vaquinhas focada em contar histórias e chamar o leitor à ação, participando efetivamente de dezenas de histórias com novos finais.

Carol Borba, PR – Fitness e bem-estar (4,0 milhões de seguidores)

Carol Borba é a maior personalidade fitness do YouTube Brasil com quase 3 milhões de inscritos e uma das 10 maiores de todo o mundo. É youtuber, digital influencer, empresária e profissional de Educação Física.Apaixonada por tudo o que envolve o mundo fitness. Com criatividade, energia e muita alegria em tudo o que faz, Carol é, acima de tudo, uma apaixonada por comunicar-se com as pessoas. Por isso, vai muito além dos exercícios físicos e aborda assuntos como bem-estar, qualidade de vida, autocuidado e as boas experiências da vida, de uma forma geral.Tudo o que envolve a felicidade motiva e inspira o trabalho de Carol Borba!

Igor Saringer, SP (2,8 milhões de seguidores)

Igor Saringer é criador de conteúdo e foi o primeiro influenciador brasileiro a ter um filtro próprio no Instagram. Especialista em criação de filtros, figurinhas e GIFs para as redes sociais, seu canal no YouTube “A Vida que Levo” foi lançado em 2013 e já conta com quase 2 milhões de inscritos e mais de 175 M visualizações. Seu conteúdo diverso sobre viagens, DIY, beauty, música, universo masculino e tecnologia está também no Instagram, rede na qual ultrapassou 1 milhão de fãs na rede depois que Anitta, Pabllo Vittar, Maísa e outras celebridades compartilharam suas criações.

Josy Ramos, RJ – Lifestyle e Moda (180 mil seguidores)

Josy Ramos é coolhunter, stylist, modelo e digital influencer que ama falar sobre autoestima, viagens e a força da mulher. Em seu Instagram, mostra a moda de uma forma descontraída e leve, contextualizando sua personalidade em looks divertidos e estilosos, deixando o básico e o minimalismo de lado. Carioca de 27 anos, Josy que veio de Rocha Miranda, Zona Norte do Rio, inspira principalmente mulheres a saírem da rotina, desde uma mudança mais ousada no cabelo, como num look mais colorido e até mesmo a planejarem viagens pelo mundo. Ao compartilhar suas viagens, ela leva seus seguidores a almejarem grandes sonhos, ajudando não só na autoestima em relação a beleza, mas a grandes realizações também. Josy tem uma linguagem direta e sincera em suas redes, gerando um relacionamento de carinho e confiança com seus seguidores. Tema: A responsabilidade do influencer com marcas parceiras. 

Bono Surf Dog, RJ – perfil pet (162 mil seguidores)

Bono nasceu em 1º de agosto de 2010 e seu início no esporte foi aos cinco meses de idade, quando subiu pela primeira vez em uma prancha de stand-up, para nunca mais descer. Ivan, seu humano, nasceu em 1978 e dedicou sua vida ao esporte: começou a surfar aos cinco anos de idade e atualmente é ex-presidente da Associação de Surfe e Amigos do Leblon (ASAL).  Juntos, conquistaram cinco títulos mundiais consecutivos na Categoria Tandem (cachorro/humano) e em 2016 também na categoria Shredder (solo), e são detentores do Recorde Mundial pelo Guiness World Records como a dupla a surfar a onda mais longa em um rio (a pororoca) com 33 minutos e 7 segundos. 

Rapha Avellar, RJ – fundador da Avellar Media (250 mil seguidores)

Empreendedor em série, Rapha Avellar atualmente é CEO da Avellar, uma agência de publicidade focada em alavancar resultados de negócio através do que existe de mais moderno no mundo em estratégias digitais. Um verdadeiro hacker de crescimento no mundo moderno a companhia não tem nem dois anos de vida e já serve contas como Tinder, Hering, Disney, Ambev, Domino’s, XP Investimentos, Exame, Stone, Universal, MRV, Prudential, Brasil Brokers, Texaco e muitas outras. Em 2020, o empresário fez história ao bater o recorde mundial do Youtube com a maior live do mundo protagonizada pela cantora Marília Mendonça que foi assistida por 3,3 milhões de pessoas simultaneamente. Também foi o responsável por executar a campanha de carnaval do Tinder que levou a cantora Anitta para o aplicativo de paquera e resultou em termos de resultado, na melhor ação da história da marca.

Mariana Torquato, SC – Acessibilidade e inclusão (243 mil seguidores)

Mariana Torquato é a criadora do maior canal sobre deficiência do YouTube Brasil, e usa suas redes sociais para falar com bom humor de temas ainda considerados “tabus” numa sociedade que insistem em ver deficiência antes da pessoa. 

Isabela Reis, RJ – Feminismo, questões raciais e política (68 mil seguidores)

Aos 24 anos, Isabela Reis fala e escreve sobre feminismo, questões raciais e política no Instagram (@belareis). Divide o podcast Angu de Grilo com sua mãe, a jornalista Flávia Oliveira. Escreve na newsletter “Associação dos Sem Carisma” quinzenalmente. Trabalhou na TV Globo e publicou artigos e reportagens no “Projeto Colabora”, no jornal “O Globo”, nas revistas “Marie Claire” e “QuatroCincoUm”.  

Ruben Rua, Portugal – Estilo e fitness (414 mil seguidores)

Ruben Rua é um modelo e apresentador de TV português. Desde 2005, Ruben desfila para grandes marcas como Bottega Veneta, Valentino, Dolce & Gabanna, Jean Paul Gaultier e Intimissimi e já foi clicado para revistas como Vogue, Elle, GQ, Esquire, Men’s Health e Vanity Fair. Formado em Ciências da Comunicação, Ruben dá palestras em universidades e é apresentador de um dos principais canais de televisão de Portugal – a TVI, desde 2015. Foi também concorrente do Dancing with the Stars. Ruben foi várias vezes eleito o “Homem Mais Sexy” de Portugal e ganhou diversos prêmios de Melhor Modelo. Outras realizações incluem: escreveu e publicou uma autobiografia chamada “Podes ser Tudo”; atuou em séries de TV e no longa-metragem “Leviano”, co-desenhou uma coleção de óculos e uma coleção de artigos de couro masculino. Hoje, Ruben é um dos principais Influenciadores das redes sociais portuguesas com quase 400 mil seguidores no Instagram em todo o mundo. Ele é referência em estilo, fitness, mídia e viagens.

Linda Rojas do ‘Uma Linda Janela’, RJSaúde e superação (19 mil seguidores)

Linda Rojas é referência no combate ao câncer. Fundadora do projeto “Uma Linda Janela”, voltado para compartilhar a vivência e as experiências de Linda após ter vivido o câncer de mama por duas vezes antes dos 30 anos. Com um perfil no Instagram com quase 20 mil seguidores e um blog com milhares de acessos em mais de 70 países, fala de maneira irreverente e leve sobre um assunto bastante denso. Com uma linguagem informal, vem conquistando muitos corações, quebrando tabus, levando informação e descomplicando o processo para outros pacientes. Seu nicho muito engajado vem provando o poder da micro-influência e chamando a atenção de grandes marcas como a farmacêutica FQM, a healthtech meuDNA, Brastemp, entre outras. Além das redes sociais, Linda se destaca como palestrante tendo feito mais de 40 apresentações para centenas de colaboradores de empresas de diferentes portes.

PLATAFORMAS E MARCAS CONFIRMADOS

Rudi Solon – Customer Success Manager do LinkedIn América Latina

Rudi Solon começou a carreira profissional como mágico/ilusionista, criando workshops de aprendizagem e desenvolvimento, palestras e shows que usavam a magia como linguagem. “Acredito que a magia é uma ferramenta poderosa para melhorar a comunicação!”. Na atual função, por meio de gerenciamento de projetos, treinamento, workshops, webinars e campanhas, ajuda os usuários a terem sucesso com as ferramentas de recrutamento do LinkedIn e as empresas a contratarem seus funcionários ideais.

Kim Farrell – Head de Marketing América Latina no Tik Tok

Kim Farrell é Head de Marketing da América Latina no TikTok, o app mais baixado no mundo. Norte-americana, nascida e criada em Boston, formou-se em Harvard e recebeu seu diploma em Estudos Latino-Americanos & Políticas Governamentais. Depois de se formar, Kim trabalhou no Google na área de Marketing por oito anos, sendo dois anos na sede na Califórnia e seis anos no escritório do Google Brasil em São Paulo. Ela liderou projetos para a Copa do Mundo, Olimpíadas e várias campanhas da marca e de produtos B2C. Em 2017, foi reconhecida como Young Lion na categoria de Marketer, competição que reconhece os melhores profissionais com menos de 30 anos nas suas respectivas áreas, e representou o Brasil no Festival de Cannes na França. Em 2019, ela aceitou um novo desafio como Head de Marketing da América Latina no Booking.com e se mudou para New York City, mas no começo de 2020 decidiu voltar para Brasil e mergulhar na Bytedance, empresa-mãe do TikTok. Kim é apaixonada pelas causas de igualdade de gênero, diversidade e inclusão e empoderamento feminino, tendo fundado o projeto @GirlGang.BR, uma rede de networking e desenvolvimento pessoal para mulheres.

Marina Bentes – Social Insights na VIU Hub

Publicitária e atuante no mercado digital há oito anos, especificamente na área de métricas e inteligência de mercado. Já analisou dados de campanhas de mídia de muitos e-commerces, dados de sites de diversas categorias, passando por monitoramento de redes sociais na Vale – quando vivenciou um gerenciamento de crise de nível global – e atualmente, é do time de Social Insights da VIU, área de inovação em plataformas sociais do Grupo Globo. Tema: “Como a pandemia transformou a relação das marcas nos meios digitais”.

Tainá Saramago – Gerente de Produto e Negócio da VIU Hub

Viciada em métricas, números e modelos de negócio. Viu tudo acontecer desde o início e bem de pertinho! Fez parte do desenvolvimento estratégico de projetos como: re-branding dos canais do YouTube do GNT, Prêmio Multishow 2016 e 2017, nascimento do e-sporTV, Lollapalooza, Rock in Rio e um montão de histórias incríveis que aconteceram em várias telas ao mesmo tempo. Sempre com foco em conteúdo, marketing e estratégia atuou também em projetos digitais em empresas como Endemol Beyond, Paramaker, Zoom. Já fez curso de palhaço, se considera uma millennial wannabe e sonha um dia se tornar Youtuber. Tema: “A importância dos influenciadores na propagação de conteúdos e construção de marcas”.

Léo Baptista – Redator publicitário da VIU Hub

Desde 2002 trabalha na indústria da Comunicação em agências no Rio de Janeiro e em Minas Gerais. Já teve comunidade no Orkut, foi OP no Mirc e baixou muita música no Napster para queimar CD no Nero. Hoje, desenvolve conteúdo para as plataformas Globo e desenvolve projetos digitais para canais próprios e diferentes clientes como: Magazine Luiza, Lollapalooza, Sportingbet, Ipiranga, Fiat e Vivo.

Caetano Mendes – Head de Direitos Esportivos e Mídia no C.R. Flamengo

Formado em Gestão Esportiva e Pós Graduado em Gestão de Negócios pelo IBMEC/RJ. Cursos de extensão Mastermind em Liderança, Inteligência Interpessoal e Comunicação. Atualmente cursando pós em Gestão de Negócios com foco em competências comportamentais no BBI of Chicago. Ex-General Manager do RJX Campeão da Superliga de Vôlei, Diretor de Operação de Eventos na AEG / Maracanã e atualmente Head de Direitos Esportivos e Mídia no C.R. Flamengo.

Caio Barreto – Co-fundador da Mostarda

Carioca, empreendedor desde os 18 anos, realizador de causas sociais desde 2010 e apaixonado por sustentabilidade. Acredita que é possível deixar um legado positivo no mundo e se direciona para isso através dos seus negócios e projetos. Co-fundador da Mostarda, agência de eventos que já realizou mais de 1.000 projetos para mais de 1 milhão de convidados de grandes marcas, muitas delas líderes nacionais ou globais em seus segmentos. Também co-fundador do projeto ‘Uma Linda Janela’ que se tornou referência na causa ao combate e informação do câncer de mama tendo impacto em dezenas de milhares de pessoas em mais de 70 países. Tema: “Influenciadores e eventos digitais: o que já era uma relação importante, se tornou vital”.

SIGA – INFLUENCERS:

Instagram: https://www.instagram.com/sigainfluencers/ 

Facebook: https://www.facebook.com/sigainfluencers

LinkedIin: https://www.linkedin.com/showcase/siga-influencers 

EVENTOS:

Confirme presença nos nossos eventos on-line:
      –     LinkedIn: http://bit.ly/LinkedInEvento 

SERVIÇO:

INFLUENCERS – Conferência Nacional de Influenciadores Digitais

De 18 a 21 de novembro

Programação completa e horários em breve!

Cadastro prévio e inscrições no link: https://congresse.me/eventos/influencers 

Conteúdo livre para todas as idades.

INGRESSOS:

  • Gratuito para quem assistir ao conteúdo nos dias e horários da programação;
  • Opção certificado digital: certificado digital de 20h – R$37;
  • Opção Premium: 2 palestras exclusivas de bônus + certificado digital de 20h + acesso aos conteúdos por até seis meses – R$67.

Aprender e ajudar ao próximo! Parte do valor das inscrições do INFLUENCERS será destinado a doações para causas e organizações.

Musicar na Nuvem no CCBB | Duo mexicano Chalanes del Amor, Isadora Canto e Grupo Costurando Histórias são destaques da programação

O Musicar – Festival de Música Infantil continua até 15 de novembro em sua primeira edição on-line e totalmente gratuita, dentro do projeto #CCBBemCASA. Maior festival de música infantil do país, o Musicar na Nuvem vai transmitir mais de 50 atrações voltadas para toda a família. Esta semana, um dos destaques é o grupo mexicano Chalanes del Amor, expoentes da cena popular latino-americana, que promovem a oficina “Jarana y Diversión” no sábado (31/10), às 15h, mostrando os saberes e cantigas infantis mexicanas, caribenhas e latinas. No domingo (1/11), às 17h, o grupo também se apresenta, virtualmente, pela primeira vez num festival brasileiro, numa viagem festiva por ritmos, saltos, versos e sorrisos.

Outro destaque é a paulista Isadora Canto, que apresenta a oficina “Acalanto: Música na Gestação” na sexta (30/10), às 11h. Isadora se inspira na maternidade para compor suas músicas, campeãs das trilhas sonoras de parto. A oficina vai promover um encontro da mulher com o seu bebê antes do nascimento, uma experiência profunda que vai fortalecer a comunicação e o vínculo afetivo “mãe-bebê”. No sábado (31/10), às 17h, tem o podcast “Retalhos de Arrepiar“, com a tradicional trupe carioca Grupo Costurando Histórias. No centro da cantoria e da roda de histórias, criaturas de dar medo! A pedido das crianças, o grupo tem pesquisado monstros que vivem no Brasil e descobriu aspectos que ajudam a enfrentá-los ou fugir deles. Causos e lendas assustadores ganham cor e textura embalados por canções autorais.

As atividades desta semana no Musicar começam na quarta (28/10), às 20h, com o webinar “Educação Musical: um jogo chamado música“, ministrado por Teca Alencar de Brito. Na quinta (29/10), às 15h, tem a oficina “Brincantinho“, com Cris Velasco e Mika Rodrigues. No sábado (31/10), às 11h, tem o show “Meia Volta e Meia” com o Mundo Aflora. O domingo (1/11) vai ficar mais feliz com o show/oficina “Revoada“, de Fê Lelot, às 11h. E no mesmo dia, às 15h, ainda acontecerá a oficina “Ilha da Música“, com os artistas brasilienses Sandra Oakh e Ramiro Marques, um espetáculo sensível para crianças de 0 a 5 anos e família. 

Todas as atividades são gratuitas e serão transmitidas pelo Youtube e pelo Spotify do Musicar. A programação ainda contará com shows, vivências, oficinas, podcasts e webinars e inclui artistas internacionais como a moçambicana Lenna Bahule. O festival conta com o patrocínio do Banco do Brasil, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Com curadoria de Bebel Nicioli, a programação contempla atrações que vão da música de concerto ao passinho, passando pelo frevo, o samba e o rock. “A proposta é envolver criativamente as crianças e suas famílias pela brincadeira e o prazer da livre expressão”, explica a musicista e educadora, à frente do festival desde 2017. “Fazer música é escutar, dançar, tocar, cantar, desenhar e percutir o corpo. É um processo de experimentação sensível” – completa.

O festival, que já realizou três edições no CCBB Brasília e uma edição no CCBB Belo Horizonte, estrearia neste ano no Rio de Janeiro e em São Paulo. Com o isolamento social e uma programação 100% on-line, as atrações agora poderão ser vistas por crianças e famílias de todo o país. As transmissões serão feitas pelo Youtube (www.youtube.com/musicarfestival) e pelo Spotify (spotify.com/user/musicar.festival) do festival.

Programação dividida em quatro pilares

Os Shows na Nuvem reúnem grupos referência no cenário da música infantil brasileira e internacional. Gravados nas rotundas dos CCBBs Rio de Janeiro e São Paulo e em outras cidades do país, serão transmitidos pelo Youtube para as casas das crianças e suas famílias. Neste bloco, os destaques ficam por conta das apresentações de Bia Bedran, Farra dos Brinquedos, Helio Ziskind, Duo Karma (Cuba), Lenna Bahule (Moçambique) e Chalanes del Amor (México).

Nas Oficinas e Brincadeiras Musicais os artistas propõem às crianças vivências musicais e corporais, em oficinas gravadas especialmente para o festival. O diálogo entre o passinho e o frevo será tema da oficina ministrada pela Passinho Brazil Cia de Dança, enquanto ritmos e instrumentos latino-americanos dão o tom da oficina comandada pelos mexicanos do Chalanes Del Amor. Música para bebês e crianças, música na gestação e percussão corporal também são destaque na programação.

Os Podcasts para Crianças oferecem contações de histórias musicadas que exercitam a escuta e a imaginação das crianças. “Cordel Animado”, com a pernambucana Mariane Bigio, “Passarinho, que som é esse?”, com Hélio Ziskind, e ‘Contos indígenas’, com Marcia Wayna Kambeba, estão na programação.

E as crianças não são o único público bem-vindo no Musicar. O ciclo Webinar para Adultos, voltados para famílias e educadores, reúne conversas com especialistas sobre música, brincadeiras e infância. As entrevistas serão realizadas ao vivo, com transmissão pelo Youtube, mediadas pela curadora do festival Bebel Nicioli.

Sobre o Musicar:

Nascido em 2017, o Musicar é o maior festival de música voltado para crianças do Brasil, com programação para todas as idades. Nele, o público é incentivado a explorar os sons em suas lúdicas manifestações, seja em apresentações ao vivo, vivências, artes, instalações interativas, brincadeiras e oficinas educativas.

É um convite às crianças para voar pelos ares da música: escutar as cores, desenhar as notas, dançar os sons. O Musicar – Festival de Música Infantil foi estruturado para apresentar às crianças uma amostra da multiplicidade e diversidade de linguagens, repertórios e vivências, de forma que possam se envolver criativamente com uma música em constante processo de invenção, exatamente como é a infância. O contato lúdico com uma música que estimule a inteligência e a sensibilidade tem se revelado importante para uma boa relação tanto entre crianças e adultos quanto entre as próprias crianças.

musicar.art.br

facebook.com/musicarfestival

instagram.com/musicarfestival

Programação completa:

Dia 28/10 (quarta-feira)

20h – Webinar Educação Musical: um jogo chamado música (Teca Alencar de Brito – SP e Adriana Rodrigues – RJ) – Youtube

Dia 29/10 (quinta-feira)

15h – Oficina Brincantinho (Cris Velasco e Mika Rodrigues – SP) – Youtube

(Atividade com libras e audiodescrição)

Dia 30/10 (sexta-feira)

11h – Oficina Acalanto: Música na Gestação (Isadora Canto – SP) – Youtube

(Atividade com libras e audiodescrição)

Dia 31/10 (sábado)

11h – Show Meia Volta e Meia (Mundo Aflora – SP) – Youtube (Atividade com libras e audiodescrição)

15h – Oficina Jarana y Diversión (Chalanes Del Amor – México) – Youtube

17h – Podcast Retalhos de Arrepiar (Grupo Costurando Histórias – RJ) – Spotify

Dia 01/11 (domingo)

11h – Show/Oficina Revoada (Fê Lelot – SP) – Youtube (Atividade com libras e audiodescrição)

15h – Oficina Ilha da Música (Sandra Oakh e Ramiro Marques – DF) – Youtube (Atividade com libras e audiodescrição)

17h – Show Chalanes Del Amor (Chalanes Del Amor – México) – Youtube

Dia 04/11 (quarta-feira)

20h – Webinar A Música Tradicional da Infância (Lydia Hortelio – BA e Lucilene Silva – MG) – Youtube (Atividade com libras e audiodescrição)

Dia 05/11 (quinta-feira)

11h – Vivência Desenho, Som e Movimento (Yasmim Flores e Jadde Flores – Projeto “Pintura Viva” – SP) – Youtube

Dia 06/11 (sexta-feira)

15h – Vivência Desenho, Som e Movimento (Yasmim Flores e Jadde Flores – Projeto “Pintura Viva” – SP) – Youtube

17h – Podcast Histórias Brasileiras (Thaiane Leal e Renata Neves – RJ) – Spotify

Dia 07/11 (sábado)

11h – WI-FI SHOW – com a Banda Larga do Bando de Palhaços (Bando de Palhaços – RJ) – Youtube (Atividade com libras e audiodescrição)

15h – Show O Gigante da Floresta – 20 anos (Hélio Ziskind – SP) – Youtube (Atividade com libras e audiodescrição)

17h – Oficina Brinquedos e Brincadeiras Cantadas da Infância (Lucilene Silva – BA) – Youtube

Dia 08/11 (domingo)

11h – Show Crianceiras | Canções de Manoel de Barros (Crianceiras – MS) – Youtube –(Atividade com libras e audiodescrição)

15h – Oficina Jugando en Casa con Dúo Karma (Dúo Karma – Cuba) – Youtube

17h – Show Abre La Ventana (Dúo Karma – Cuba) – Youtube

Dia 11/11 (quarta-feira)

20h – Webinar Um Olhar Para o Brincar (Adelsin – MG e Renata Meirelles – SP) – Youtube

Dia 12/11 (quinta-feira)

11h – Oficina Brincadeiras e Cantigas populares e infantis de Moçambique (Lenna Bahule – Moçambique) – Youtube (Atividade com libras e audiodescrição)

17h – Podcast Histórias de Boca: Jesuína e a Cabaça (Cristiane Velasco e Fernando Bahia – SP) – Spotify

Dia 13/11 (sexta-feira)

15h – Show/Oficina Brincando com a Música com a Palhaça Rubra (Lu Lopes – SP) – Youtube

17h – Podcast Contando Histórias Negras (Grupo Ujima – RJ) – Spotify

Dia 14/11 (sábado)

11h – Show/Oficina A Roda Viva do Brincar (Tião Carvalho – MA) – Youtube (Atividade com libras e audiodescrição)

15h – Oficina O Ritmo do Meu Corpo (MUSICOPAI – MG) – Youtube

17h – Show Samba de Côco Erêmin (Grupo Samba de Côco Erêmin e Mestre Assis Calixto – PE) – Youtube

Dia 15/11 (domingo)

11h – Show/Oficina Brincando o Brasil – Pernambuco (Histórias de Brincar – RJ) – Youtube- (Atividade com libras e audiodescrição)

15h – Oficina Criaturas Instrumentosas e Máscaras Sonéticas (Adriano Castelo Branco – SP) – Youtube (Atividade com libras e audiodescrição)

17h – Concerto Projeto Bem Me Quer Paquetá (Orquestra Jovem Paquetá e Tim Rescala – RJ) – Youtube (Atividade com libras e audiodescrição)

Serviço:

Musicar na Nuvem

De 10 de outubro a 15 de novembro de 2020

Youtube – www.youtube.com/musicarfestival

Spotify – spotify.com/user/musicar.festival

Acesso gratuito

Classificação etária: Livre

CCBB nas Redes Sociais:

Belo Horizonte

Facebook/ccbb.bh | Twitter/ @ccbb_bh | Instagram/ccbbbh

Brasília

Facebook/ccbb.brasilia | Twitter/ @ccbb_df | Instagram/ccbbbrasilia

Rio de Janeiro

Facebook/ccbb.rj | Twitter/ @ccbb_rj | Instagram/ccbbrj

São Paulo

Facebook/ccbbsp | Twitter/ @ccbb_sp | Instagram/ccbbsp

D.A Gastronomia inova com menu especial para Halloween

Doce ou travessura? Seja qual for a sua escolha, a D.A Gastronomia lança seu novo menu para quem deseja comemorar a tradicional festa de Halloween em grande estilo. A marca apresenta um kit completo cheio de criativas gostosuras temáticas, que prometem fazer desta data, uma reunião memorável. Informações e encomendas pelo telefone: 21 99477-8641.

Sempre surpreendendo seus clientes, o menu especial de Halloween, pretende resgatar o lado lúdico das famílias, que desejam entreter seus filhos de forma especial, assim como o grupo de amigos que deseja um motivo para se encontrar.

 Como entrada,os Mini hot dog de múmias e as Vassourinhas de queijo prato dão aquele clima comemorativo. Como prato principal, os clientes poderão se lambuzar com as opções do saborosoBobó de camarão, ou Consume de cenoura com gengibre ou ainda da Lasanha à bolonhesa. E, não para por aí. Pensando em cada detalhe, as doces guloseimas, são todas artesanalmente preparadas de forma temáticas. São suspiros decorados, cupcakes de bruxa, aboboras, vassouras e fantasmas, dignos de filmes hollywoodianos. O menu completo para 4 pessoas sai por R$500.

Para Monique Abrantes, gerente de marketing da D.A. Gastronomia, o Halloween é uma data que já conquistou o calendário brasileiro.

“Apesar de não estarmos podendo realizar grandes eventos, levar alegria e diversão para a casa das pessoas tem sido a nossa grande missão. Sugerimos aproveitar o Halloween para fazer em casa uma reunião de família ou com poucos amigos para comer comidas gostosas, doces e muita diversão” ressalta a executiva.

Serviço:

D.A Gastronomia – Menu Especial Halloween

Valor: R$500

Informações: 21 99477-8641

Email: delivery@dagastronomia.com.br

Instagram: @dagastronomia

 www.dagastronomia.com.br

Teatro Riachuelo reabre celebrando a música popular dia 24

Com a retomada da cultura na cidade, com teatros, cinemas e museus reabrindo com público reduzido, o Teatro Riachuelo anuncia as primeiras atrações que subirão em seu palco nos próximos dias. Batizado de “figital”, o novo formato contemplará a presença de uma plateia física, com capacidade para 430 pessoas (ao todo, a casa dispõe de 999 lugares) e outra digital, com transmissão ao vivo, por meio de uma plataforma própria. Em sua reabertura, o Teatro Riachuelo contará com atrações que exaltam a riqueza do patrimônio cultural do país, sobretudo o popular. Na retomada, no sábado, dia 24 de outubro, o grupo Casuarina apresenta um sensível show com sambas de Jackson do Pandeiro, a partir das 20h. Na semana seguinte será a vez da volta das artes cênicas, com o espetáculo A Descoberta das Américas (30/10), seguida de um show com Bruce Gomlevsky cantando Renato Russo, dia 31. A venda dos ingressos presenciais será on-line, já que a bilheteria permanece fechada.

“Esse vai ser o nosso primeiro show desde o início da pandemia, em um formato apenas com quatro integrantes e nós estamos bem empolgados e confiantes de que o Teatro Riachuelo garantirá toda a estrutura para que o público presencial se sinta seguro, além de ainda ter a opção de assistir remotamente, através de uma transmissão de extrema qualidade.” conta o músico e compositor Gabriel Azevedo, fundador do grupo e diretor musical do espetáculo.

Autor de uma obra extensa e influente, o paraibano José Gomes Filho, nascido em 1919, ficou famoso não apenas por sua exímia habilidade com o pandeiro, que lhe renderia um sobrenome, mas também por seu jeito sincopado de cantar, um enorme carisma e a versatilidade de sua obra. E esta faceta do artista será destacada no espetáculo “Casuarina canta os sambas de Jackson do Pandeiro”, dia 24 de outubro, às 20h. “O fio condutor deste projeto é a relação do Jackson com o samba. Apesar de ser mais associado à música nordestina por motivos óbvios, ele também era um grande sambista, tinha orgulho disso, fazia questão de deixar claro que era e se considerava um sambista também. E o show será recheado desses muitos sambas que ele gravou durante a carreira”, explica Gabriel Azevedo. O repertório inclui músicas como Chiclete com banana, Samba do ziriguidum, A ordem é samba e Passe na Lapa. 

Para receber e monitorar artistas, suas equipes, staff da casa e o público presencial, o Teatro Riachuelo Rio está comprometido com todos os protocolos exigidos por decreto municipal, bem como normas criadas pelo setor e outras medidas tomadas pelo teatro, todas seguidas com supervisão geral do infectologista Rodrigo Lins, vice-presidente da Sociedade de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro, contratado pelo Instituto Evoé. 

INSTITUTO EVOÉ

Criado em 2019, o Instituto Evoé faz a gestão e a curadoria da programação do Teatro Prudential e do Teatro Riachuelo, ambos no Rio de Janeiro, além de idealizar e comandar a inédita Cia. Teatro Transforma, companhia de formação profissional gratuita, completa e de excelência em teatro musical para jovens de baixa renda do Rio de Janeiro. O Instituto também convidou a artista Rafa Mon para transformar os 300 metros quadrados que ligam o foyer à plateia e backstage do Teatro Riachuelo em um grande painel – em breve o local receberá eventos ao ar livre. Outra novidade, a Galeria Evoé, um novo espaço para arte contemporânea no Teatro Prudential, foi inaugurada com a exposição “Signo, Traço, Atração”, com curadoria de Isabel Portella. 

Programação completa – Reabertura Teatro Riachuelo 

Endereço: Rua do Passeio, 38/40 – Centro, Rio de Janeiro

24/10 – Casuarina canta os Sambas de Jackson do Pandeiro – 20h 

Vendas PRESENCIAL e LIVE: Sympla

Ingresso PRESENCIAL (lotação 430 lugares): Valor único – R$ 60,00 (inteira)

Ingresso LIVE: R$ 20,00

Transmissão pela plataforma própria do Teatro Riachuelo

Classificação: Livre

30/10 – A Descoberta das Américas – 20h 

Vendas PRESENCIAL e LIVE: Sympla

Ingresso PRESENCIAL (lotação 430 lugares): Valor único – R$ 40,00 (inteira)

Ingresso LIVE: R$ 10,00

Transmissão pela plataforma própria do Teatro Riachuelo

Classificação: 14 anos

31/10 – Bruce Gomlevsky canta Renato Russo – 20h 

Vendas PRESENCIAL e LIVE: Sympla

Ingresso PRESENCIAL (lotação 430 lugares): Valor único – R$ 60,00 (inteira) 

Ingresso LIVE: R$ 20,00

Transmissão pela plataforma própria do Teatro Riachuelo

Classificação: 12 anos

Babilônia Feira Hype: Evento volta ao Parque das Figueiras nos dias 24 e 25 de outubro

Hype Arts P&B
Timbrado INBRACULTMODE
   

   

A Babilônia Feira Hype está de volta trazendo sua alegria e toda a criatividade para oferecer um programa AO AR LIVRE com todos os cuidados necessários. Realizando os protocolos de prevenção para receber o público com responsabilidade e respeito, pois Hype é Ser Consciente!

Depois de uma pausa de 10 longos meses, as edições são retomadas nos dias 24 e 25 de outubro, no Parque das Figueiras, com muitas novidades e o lançamento da Primavera 2020.

Um programa ao AR LIVRE para toda a família. Será uma ótima oportunidade de matar a saudade deste evento que faz parte da programação da cidade.  Nossos agentes criativos, especialmente selecionados pela curadoria, prepararam suas criações com muito carinho para este reencontro. Nós da produção do evento também estamos contando os dias e felizes por poder voltar a gerar centenas de empregos diretos e indiretos e a promover a sustentabilidade de dezenas de empreendedores e assim incentivar economia criativa do Rio tão prejudicada nesses meses.

         “Os expositores contam com as edições mensais da BFH para ajudar a manter seus negócios. Nestes quase 24 anos criamos uma relação de cumplicidade com o nosso público, que estabeleceu não somente a vinda ao evento, pôr ser um programa charmoso, mas, a consciência que ao consumir na Feira Hype está comprando diretamente de quem faz e atuando diretamente na sustentabilidade destes agentes criativos. As marcas lançadas na BFH ganham experiência e amadurecimento nas edições do evento e consequentemente o expositor após 2 anos abre sua primeira loja, e o melhor na maioria das vezes conquistam destaque no mercado convencional. Por isso, acreditamos que este momento de retomada seja muito importante, pois a participação do nosso público voltando a consumir na Babilônia Feira Hype é determinante não somente para ajudar a recuperar as perdas e prejuízos da paralização, mas tornar a viabilizar o caminho de desenvolvimento e crescimento destes pequenos empreendedores”. Constata, Robert Guimarães (diretor da BFH).

CAMPANHA HYPE É SER CONSCIENTE E RESPONSÁVEL

Pretendemos com a CAMPANHA HYPE É SER CONSCIENTE promover a CONSCIENTIZAÇÃO DO PÚBLICO e buscar sua cumplicidade. A divulgação de todas as medidas de proteção adotadas pela BFH, busca o comprometimento e o engajamento do público, sensibilizando para o uso de máscaras e cumprir com os outros procedimentos de prevenção adotados pelo o evento, reforçando nossa conduta responsável e ao mesmo tempo minimizar os receios e estimular a vinda do público. Só assim, poderemos voltar nos encontrar na BFH com muita alegria, energia e oportunidades de ótimo negócios.

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO  À COVID – 19 NO EVENTO BABILÔNIA FEIRA HYPE

Para montarmos nossas tendas e ocuparmos o Parque das Figueira com a segurança necessária desenvolvemos um protocolo especial de prevenção a COVID 19 em parceria com a Prefeitura do Rio para a proteção de todos na BABILÔNIA FEIRA HYPE.

Em função das características de nossa estrutura operacional criamos uma série de medidas para complementar as Regras de Ouro, da Prefeitura do Rio de Janeiro e, garantirmos assim, o cuidado com a saúde do nosso público, expositores e equipe. São elas:

Medidores de temperatura – Um agente estará aferindo a temperatura do público na entrada do evento. No caso de temperatura superior a 37, 5º C, não será permitida a entrada e a pessoa será orientada a buscar supervisão médica;

Uso obrigatório de máscara para todos – Conforme Decreto Municipal Nº 47.375, publicado no D.O em 18/04/2020, torna-se obrigatório o uso de máscara como medida complementar à redução do contágio pelo Sars-Cov-2. Para a segurança de todos, será exigido o uso de máscaras nas dependências da BFH, tanto para expositores, força de trabalho, profissionais envolvidos na montagem e desmontagem do evento e público;

Acesso aos Estandes – Os expositores receberão os clientes com spray de álcool 70% para higienizar as mãos antes de entrarem nos estandes e os provadores serão higienizados antes e depois do uso;

Totens de álcool 70 em pontos estratégicos do evento para o uso do público;

Lavatórios portáteis para higienização das mãos com água e sabão;

Distanciamento de mesas e cadeiras – Entre as mesas e cadeiras haverá distanciamento de 2m e controle para orientar o público a manter o  correto distanciamento;

Monitores de público para orientarem as pessoas e ajudarem no cumprimento das regras;

Barracas Gourmet com protetor de acrílico – evitando contato entre o público e os produtos;

Banheiros higienizados a cada uso e com reforço de spray de álcool 70% nas áreas de maior manuseio como torneiras e maçanetas;

Equipe de Limpeza  – Os profissionais de limpeza farão uso dos EPIs pertinentes a sua atividade. O uso do uniforme é exclusivo para esta finalidade. Estarão equipados com luvas, face shield, toca de cabelo e cumprindo os procedimentos de higiene;

Face Shield  – Todos os profissionais de equipe de trabalho do evento estarão usando face shield;

 – Banners com todos os procedimentos e as Regras de Ouro da Prefeitura instalados no evento para orientar o público;

Controle de Lotação – haverá na entrada contagem de número de pessoas evitando a aglomerção nasáreas internas do evento.

Pela primeira vez, nos quase 24 anos de BHF, teremos controle de público para evitar aglomeração. Porém garantimos que todos terão acesso ao evento, mas, respeitando o fluxo de entrada e saída.

VIDA INTELIGENTE AO AR LIVRE

com programação  com o melhor da Moda + Design + Arte + Gastronomia

Ao longo da nossa trajetória, lançamos e incentivamos milhares de novos criadores, fomentamos a economia criativa e somos celeiro de inúmeras marcas de sucesso do mercado, oferecemos, ainda, um uso inteligente do PARQUE DAS FIGUEIRAS com um evento especial e ao ar livre com um programa completo para toda a família.

Além do time especialmente selecionado que o público já conhece na Feira Hype a  participação de novos expositores garante sempre ainda mais novidades a cada edição

       A curadoria realizada pelo INBRACULTMODE – Instituto Brasileiro de Cultura, Moda e Design  apresentana Babilônia Feira Hype as marcas mais criativas e inovadoras dos segmentos de MODA (vestuário feminino, masculino e infantil), ACESSÓRIOS, DECORAÇÃO, ARTE e DESIGN. Serão dezenas de estandes com expositores já conhecidos e amados pelo nosso público e muitas novidades da COLEÇÃO PRIMAVERA 2020.

Contamos com grifes talentosas como Gávia, TenhoQTer, Mudi, Melty, Beta Araújo, Organic Soul, as bijus, joias e acessórios de Theo Avila, Das Manas, Bianor, Hivah, a fofura das marcas de moda infantis Antoninha, Algo Mais, Bebê de Algodão, Minideias, Os Caetanos e as peças de decoração da Cotton Home, Luciana Cordeiro Cerâmicas, Live Green, Arimatheia entre outros e as ilustrações da artista plástica Ana Luiza Tavares.

Novos Expositores completam o Time Hype

Nessa edição de retomada teremos muitos estreantes como Iandara Guedes, Use Pulse, Miçangas da Ju, Pakatatu, Amo Brisa, Tre Joalheira, Esphera Acessórios, Zen Ateliê e muito mais.  

FESTIVAL GASTRONÔMICO e CERVEJEIRO

Em uma ambientação descontraída, arejada e ao ar livre, o publico encontrará opções variadas com o melhor da GASTRONOMIA INFORMAL e, para o programa ser ainda mais completo, uma seleção de CERVEJAS ARTESANAIS para atender a todos os gostos.

Os nossos operadores de  GASTRONOMIA especialmente selecionados pela curadoria do evento apresentam seus cardápios repletos de variedades em charmosos FOODTRUCKS, FOOD BIKES, BARRACAS GOURMETS (adaptadas para receber o publico com toda segurança). Para harmonizar, várias opções de CERVEJAS ARTESANAIS e DRINKS.

 Entre os destaques estão: a saborosa comida árabe da Casa Síria, as famosas empadas de Nogueira da Pão e Pão Empadas, os acarajés maravilhosos da Chef Lenaide Motta, os deliciosos hambúrgueres veganos do Budas Burgues e os artesanais do Vulcano e Rock Burguer, os hot dogs especiais do Dogaria NY,  os salgados saudáveis da Lulizz Confeito, as cervejas artesanais da Cervejaria Andar de Cima, Barrio e Nossa Artesanal, os drinks refrescantes do Bebericado, os deliciosos frozens da Nusa Frozen, com e sem álcool, o café do La Furguneta,  e isso sem falar nas diversas opções de doces: como os incríveis Brigadeiros da Carol, as criações do confeiteiro  Matheus Santanna (vencedor do programa QUE SEJA DOCE – GNT)  e  muito, muito mais.

PARQUINHO INFANTIL

A garotada terá diversão garantida nos brinquedos Jump, Fazendinha, Pula Pula e Escorrega além das brincadeiras com o Mágico Janjão que ensina os truques para os pequenos e a Oficina Bolhas Mágicas com bolhas de sabão gigantes.

Esperamos compartilhar com nosso público momentos especiais e inesquecíveis com alegria e responsabilidade. Juntos somos mais fortes sempre!

SERVIÇO:

BABILÔNIA FEIRA HYPE

DIAS 24 e 25 de Outubro – DAS 14H ÀS 22H

ENTRADA FRANCA

PARQUE DAS FIGUEIRAS – Av. Borges de Medeiros s/n – Lagoa Rodrigo de Freitas

Estacionamento Rotativo: PARQUE DOS PATINS (Estacionamento com vagas limitadas.  Evite carros. Use táxi, bicicleta, ônibus e skate). 

Produção e Realização: HYPE ART PRODUÇÕES 

Curadoria: INBRACULTMODE- Instituto Brasileiro de Cultura, Moda e Design

Programação Completa: www.babiloniafeirahype.com.br  

Facebook https://www.facebook.com/babiloniafeirahype

Instagram:@babiloniafeirahype       

Rodapé DTW.png

“Boca de Ouro” estreia em 12 de novembro

Um provérbio chinês diz que “todos os fatos têm três versões: a sua, a minha e a verdadeira”. Em “Boca de Ouro”, uma mesma história é contada por Guigui (Malu Mader) de três diferentes maneiras, de acordo com seu estado emocional. O longa-metragem “Boca de Ouro”, dirigido por Daniel Filho, chega aos cinemas no dia 12 de novembro. A adaptação da peça teatral de Nelson Rodrigues, escrita em 1959, tem roteiro de Euclydes Marinho (“A vida como ela é”), produção da Lereby, coprodução da Globo Filmes e do Canal Brasil e distribuição da Elo Company. “Eu acho filmar peças ótimo. E o Nelson Rodrigues é muito cinematográfico na maneira de escrever as peças e deve ser refilmado sempre. O Boca de Ouro é uma excelente história de paixão e poder”, diz o diretor Daniel Filho.  

O ator Marcos Palmeira interpreta o bicheiro ‘Boca de Ouro’, que já foi vivido por Jece Valadão e Tarcísio Meira. No elenco estão ainda Malu Mader (Guigui), Lorena Comparato (Celeste), Thiago Rodrigues (Leleco), Silvio Guindane (Caveirinha), Fernanda Vasconcellos (Maria Luisa), Anselmo Vasconcelos (dentista), Guilherme Fontes (Agenor), entre outros. “O Nelson foi, é e será sempre relevante e atual. Suas falas são coloquiais, mas revelam com profundidade paixões, ódios, ressentimentos, morbidez, através de uma linguagem única, cheia de estilo e ironia”, dia a atriz Malu Mader, que volta as telonas após dez anos.  

Boca de Ouro conta a história de um temido e respeitado bicheiro, figura quase mitológica no bairro de Madureira (Rio de Janeiro) durante os anos 50. Sua ambição, amores e pecados despertam a curiosidade do jornalista Caveirinha, que procura uma ex-amante do contraventor para colher material para uma reportagem sobre a sua vida. 

Clássico do teatro brasileiro, “Boca de Ouro” estreou nos palcos em outubro de 1960, no Teatro Federação (mais tarde Teatro Cacilda Becker), com direção e atuação de Ziembinski no papel-título. A primeira filmagem ocorreu em 1963, com direção de Nelson Pereira dos Santos e, no elenco, Jece Valadão, Odete Lara e Daniel Filho. 

Seguranças nos cinemas: As salas de cinema reabriram com toda a proteção que o momento atual exige, como capacidade reduzida, distanciamento entre as poltronas, salas higienizadas antes de depois de cada sessão, inclusive poltronas, corrimãos, entre outros cuidados.  

Prêmios

Daniel Filho recebeu o prêmio de Melhor Diretor no Festival de Cinema Latino-Americano de Trieste, na Itália. Já Lorena Comparato recebeu o prêmio de melhor atriz, por seu papel como Celeste, no 8º Cine Fest Brasil Montevidéu e no 23º Brazilian Film Festival of Miami.  

Elenco:

Marcos Palmeira (Boca de Ouro) 

Malu Mader (Guigui) 

Lorena Comparato (Celeste) 

Thiago Rodrigues (Leleco) 

Silvio Guindane (Caveirinha) 

Fernanda Vasconcellos (Maria Luisa) 

Anselmo Vasconcelos (Dentista) 

Guilherme Fontes (Agenor) 

Raquel Fabri (Patricia) 

Karina Ramil (Heleninha) 

Edmilson Barros (De Paula) 

Léa Garcia (Preta) 

Ficha Técnica:

Direção: Daniel Filho 

Distribuição: ELO Company 

Produção: Lereby Produções 

Coprodução: Globo Filmes e Canal Brasil 

Roteiro: Euclydes Marinho 

Produção Executiva: Angelo Gastal 

Fotografia: Felipe Reinheimer 

Direção de Arte: Mario Monteiro 

Figurino: Kika Lopes 

Montagem: Diana Vasconcellos, ABC 

Música: Berna Ceppas 

Sobre a Lereby

Fundada por Daniel Filho em 1998, a Lereby, em mais de vinte anos de existência, traz em seu currículo longas-metragens como “Chico Xavier” (2010), “Tempos de paz” (2009), “Se eu fosse você” 1 e 2 (2006 e 2009), “A Dona da História” (2004), “Cazuza – O Tempo Não Pára” (2004) e “A Partilha” (2001). Como produtora associada, foi corresponsável pelos sucessos “2 filhos de Francisco” (2005), “Carandiru” (2003), “Cidade de Deus” (2002) e “O Auto da Compadecida” (2000), entre muitos outros, sempre buscando um cinema capaz de mobilizar platéias e preservando a força de grandes histórias.  

Sobre a Globo Filmes

Criada em 1998, a Globo Filmes atua como coprodutora de conteúdo multiplataforma com o propósito de fortalecer a indústria audiovisual nacional. Participou de mais de 300 filmes, levando ao público o que há de melhor do cinema brasileiro. Comédias, romances, documentários, infantis, dramas, aventuras: a aposta é na diversidade de obras que valorizam a cultura brasileira. Fazem parte de sua filmografia recordistas de bilheteria, como ‘Tropa de Elite 2’ e ‘Minha Mãe é uma Peça 3’ – ambos com mais de 11 milhões de espectadores –, sucessos de crítica como ‘2 Filhos de Francisco’, ‘Aquarius’, ‘Que Horas Ela Volta?’, ‘O Palhaço’ e ‘Carandiru’, até longas premiados no Brasil e no exterior, como ‘Cidade de Deus’ – com quatro indicações ao Oscar – e ‘Bacurau’, que recebeu o prêmio do Júri no Festival de Cannes.  

Sobre o Canal Brasil 

Há 21 anos, o que pauta o Canal Brasil é o compromisso com a cultura brasileira. A liberdade e a diversidade são celebradas nas chamadas, nas campanhas e em cada atração que vai ao ar. Com o cinema como parte expressiva de seu DNA, o Canal Brasil já exibiu mais de 5,3 mil filmes, entre longas e curtas-metragens, além de programas que abordam o tema e suas infinidades. A programação é plural, composta por muitos discursos e sotaques de vários cantos do país, com entretenimento para todo mundo que gosta de cinema e de uma boa história. O Canal Brasil tornou-se o principal coprodutor de cinema brasileiro da América Latina, com 333 longas-metragens coproduzidos em uma década. Além da importância pelo volume de coproduções, a curadoria e o olhar apurado do canal para o cinema independente vêm se destacando, com a presença cada vez mais constante e consistente dos títulos que coproduz nos principais festivais internacionais de cinema do mundo. Com direção geral de André Saddy, o Canal Brasil é uma joint venture entre a Globosat e o Grupo Consórcio Brasil, formado por Luiz Carlos Barreto, Zelito Viana, Marco Altberg, Roberto Farias, Anibal Massaini Neto, Patrick Siaretta, Paulo Mendonça e André Saddy (diretor-geral). 

Sobre a ELO Company 

A ELO Company é uma criadora, produtora e distribuidora de conteúdo audiovisual, que tem a missão de gerar experiências potentes, entreter, emocionar e ampliar a visão de mundo das mais diversas audiências. Há 15 anos no mercado e com mais de 500 títulos lançados, a ELO conta com três unidades de negócio: desenvolvimento e produção de conteúdo; lançamento e programação; licenciamento e video on demand. Durante os últimos anos, a empresa lançou o primeiro Vimeo original LATAM e conteúdos em mais de 40 plataformas em todo o mundo, incluindo estratégias inovadoras como lançamentos 100% digitais de filmes. Entre os títulos mais importantes estão “O Menino e o Mundo”, “S.O.S: Mulheres Ao Mar 2”, “Espaço Além: Marina Abramovic e o Brasil” e “Aos Olhos de Ernesto”. 

1º Festival online POADOC começa dia 14 de outubro

De 14 a 18 de outubro acontece pela internet a primeira edição do POADOCFestival de Documentários de Porto Alegre. O evento exibirá gratuitamente uma seleção de doze documentários gaúchos, produzidos entre 2000 e 2020. A programação inclui longas e curtas aclamados por público e crítica e filmes escolares com temas ligados à representatividade. O evento – primeiro do gênero realizado na Capital gaúcha – também apresentará lives com os realizadores. A programação poderá ser assistida no site poadoc.com.br.

A mostra é dividida em quatro programas que ficarão disponíveis por 24 horas, a partir das 20h até às 20h do dia seguinte. No mesmo horário serão transmitidos os debates virtuais. Cada programa inclui um longa, um curta e um filme escolar. Os filmes de abertura, exibidos de 14 a 15 de outubro, são “Mokoi Tekoá Petei Jeguatá – Duas Aldeias, uma Caminhada” (2008), de Germano Benites, Ariel Ortega e Jorge Morinico, “Antes de Lembrar” (2018), de Vinícius Lopes e Luciana Mazeto, e “Massacre dos Porongos” (2017), produção escolar coletiva.

“Morro do Céu” (2009), de Gustavo Spolidoro, “A Invenção da infância” (2000), de Liliana Sulzbach, e “Contigo Ninguém Acaba” (2018), produzido por estudantes, serão exibidos de 15 a 16. “Cidades Fantasmas” (2017), de Tyrell Spencer, “O Céu da Pandemia” (2020), de Marina Kerber e o coletivo “Dona Bugra, a Periferia Grita” (2018) passam de 16 a 17. Por fim, “O Caso do Homem Errado” (2017), de Camila de Moraes, “Construção” (2020), de Leonardo da Rosa, e o escolar “Respeito às Diferenças” (2017) são os títulos dos dias 17 e 18 de outubro.

“A curadoria teve como foco mostrar a diversidade de olhares. É por isso também que os debates juntam todos os realizadores, sem diferenciar longas, curtas e filmes escolares”, explica a cineasta Thais Fernandes, que integra o grupo de idealizadores do festival. “A ideia é fomentar um debate horizontal desde a nossa primeira edição”, conclui. Também fazem parte da organização do evento: Livia Pasqual, Natasha Ferla, Juliana Costa, Henrique Lahude e Jonatas Rubert. O financiamento é do edital da Secretaria de Estado da Cultura, FAC Digital.

POADOC – Festival de Documentários de Porto Alegre

O que: Evento Online Gratuito – poadoc.com.br

Quando: De 14 a 18 de outubro

Títulos disponíveis por 24 horas, das 20h às 20h do dia seguinte:

14 a 15 de outubro: “Mokoi Tekoá Petei Jeguatá – Duas Aldeias, uma Caminhada” (2008), de Germano Benites, Ariel Duarte Ortega e Jorge Ramos Morinico, “Antes de Lembrar” (2018), de Vinícius Lopes e Luciana Mazeto, e “Massacre dos Porongos” (2017) – EMEF Timbaúva (Porto Alegre/RS).

15 a 16 de outubro: “Morro do Céu” (2009), de Gustavo Spolidoro, “A Invenção da Infância” (2000), de Liliana Sulzbach, e “Contigo Ninguém Acaba” (2018) – EMEF Professor João Carlos Von Hohendorff (São Leopoldo/RS);

16 a 17 de outubro: “Cidades Fantasmas” (2017), de Tyrell Spencer, O Céu da Pandemia” (2020), de Marina Kerber, e “Dona Bugra, a Periferia GritaProjeto Cidade Cinematográfica (Três Passos/RS);

17 a 18 de outubro: “O Caso do Homem Errado” (2017), de Camila de Moraes, “Construção” (2020), de Leonardo da Rosa, e “Respeito às Diferenças” (2017) – EMEF Rio Grande do Sul (Guaíba/RS).

Debates com os realizadores

As lives acontecem nos dias 15, 16, 17 e 18 de outubro às 20h com representante de cada filme exibido.

Nossos canais de comunicação:

Site oficial: poadoc.com.br

Instagram: @poadocfestival

Facebook: /poadocfestival

YouTube: /poadocfestival

Monólogo “Minha Amiga John Lennon”, da atriz Tais Luna

Com texto, direção e interpretação da atriz Taís Luna, o experimento cênico Minha Amiga John Lennon estreia dia 9 de outubro, às 20 horas, em linguagem digital, com transmissão via streaming pela plataforma ZOOM, com duração de 30 minutos e sessões às sextas e sábados às 20 horas. No monólogo, a palestrante Karen é a convidada da noite na 21a. Conferência de Depoimentos Inúteis para contar ao público o fato inusitado, que transformou sua vida, vivenciado durante o período de isolamento social. O acontecimento levará Karen por diversas reflexões e paralelos sobre como o chamado “novo normal”, imposto à humanidade pela pandemia do novo Coronavírus, está mexendo com o cotidiano das pessoas, e também sobre as suas intersecções com os nossos comportamentos sociais e afetivos em tempos de sobrecarga de estímulos na Era da Informação.

Taís Luna é artista autoral, atua, escreve e dirige trabalhando nas áreas audiovisual e teatral. Entre seus trabalhos como atriz, destaque para a participação no projeto de Fomento ao Teatro E Se Fez a Humanidade Cyborg em Sete Dias, do grupo Os Satyros, na peça Não Permanecerás, em 2014. Ao lado da Cia Ouro Velho, atuou nos musicais O Lugar de Onde se Vê e O Novo Rei de Beleléu, em circulação pelo estado de São Paulo por meio de editais. Desde 2017 publica suas criações no canal Descontínuo – por Taís Luna, no Youtube, com destaque para a série História do Teatro com Téspis e a websérie A Invejosa. Graduada em 2009 em Comunicação Social, com ênfase em Publicidade e Propaganda, pela Fundação Cásper Líbero, também tem formação de atriz pela Escola de Atores Wolf Maya, em 2013

Ouvinte de Caetano Veloso, Belchior, Milton Nascimento e Alceu Valença, gosta de Pink Floyd e tem na Arte e na Estética assuntos prediletos de suas leituras, que incluem também Filosofia e Linguística, além de flertes com Alquimia e Espiritualidade. Paulistana da zona Norte, cresceu em Santana sonhando em ser atriz e hoje, aos 32 anos, Áries com ascendente em Touro, mantém acesa a chama da inquietude. “Somos bombardeados por informações de todos os lados, convivemos com um volume grande de estímulos através das mídias, o que torna superficial grande parte das referências que nos chegam. Em meio a tantos excessos, nossos sentidos acabam ficando adormecidos. Nosso olhar sensível para o outro, e para o mundo, fica encoberto pelo utilitarismo e pela futilidade. Estamos nos aprofundando a cada dia na cultura do individualismo. E a pandemia escancara essa insensibilidade, mostra que as ações individuais das pessoas têm impacto no coletivo, na nossa sobrevivência como espécie.”  

Taís faz uma quarentena mais rígida e observou, em pequenos passeios perto de casa, a movimentação das pessoas nas ruas. “Observo esse mar de gente, com atitudes diversas, e fico pensando como estão interpretando a realidade da Covid. A peça é uma metáfora sobre o que tem o poder de nos “saltar aos olhos”, de nos fazer enxergar o que está além, e não o que está nas nossas fantasias ou em ideias pré-concebidas.”

Ficha Técnica

Minha Amiga John Lennon – Experimento cênico de Taís Luna. Temporada – De 9 a 31 de outubro, oito sessões, às sextas e sábados às 20 horas, . Ingressos – R$ 22,50 + R$ 2,50 (taxa do serviço da Sympla).

Criação, Texto, Atuação, Iluminação, Figurino, Direção e Produção Artística: Taís Luna. Produção Executiva e Divulgação: Àtrupe Cultura e Marketing. Assessoria de Imprensa – M. Fernanda Teixeira/ Arteplural. Agradecimento: Marcel Soares.

Para acessar a transmissão – IMPORTANTE:

1) Baixar o aplicativo Zoom https://zoom.us. Onde você vai assistir, celular ou computador.

2) Fazer um cadastro e logar no site https://www.sympla.com.br   . Mais perto da estreia o link estará aberto para compra

3) Acessar a área meus ingressos e clicar em ACESSAR TRANSMISSÃO (disponível 15 minutos antes do horário de início do evento).

Qualquer dúvida: Entre em contato, por whatsapp com M. Fernanda Teixeira no (011) 9.9948-5355.

Estreia “Para Dentro”, curta-metragem inspirado na obra de Clarice Lispector

Em plena pandemia, Clarice, uma executiva bem-sucedida e solitária é surpreendida pelo pedido de demissão de sua empregada. Sozinha em casa, inicia uma arrumação do “jeito dela”. Numa tentativa de colocar as coisas no seu devido lugar começa a fazer uma viagem “Para Dentro”, e revisitar a sua própria história.

Em meio à arrumação, o inusitado, o estranho; encontra um ovo, que a desconserta e a faz levantar várias hipóteses sobre sua origem. A cada ato de arrumação uma reflexão sobre questões sociais, amor e morte.

A personagem Clarice traz questões sociais de uma mulher, que emergiu socialmente, se deixou levar pelas convenções sociais, e tem uma empregada 24h por dia. Ao mesmo tempo, reflete sobre sua condição solitária e a sua incapacidade de se relacionar.

Livremente inspirado na atmosfera lírica da obra de Clarice Lispector e no seu romance A Paixão Segundo G. H., e em homenagem ao centenário de

nascimento da escritora, o filme é uma realização conjunta da atriz e produtora Joelma Di Paula e do produtor de comunicação e cineasta Allan Fernando.

A atriz Joelma Di Paula, que já interpretou no teatro a Macabéa, de A Hora da Estrela, percebeu que as questões trazidas pela obra de Clarice são sempre atuais, e que era possível fazer um paralelo com a pandemia:

– Em 2015, eu fiz a Macabéa, da Hora da Estrela. Mas muito antes, eu li A Paixão Segundo G.H em um curso livre na Escola Martins Pena, desde então, fiquei com o livro na cabeça. Como a personagem está sozinha em casa, depois da empregada se demitir, percebi que tinha uma situação análoga ao que estamos vivendo na pandemia, e a partir daí, chamei o Allan Fernando, parceiro de outros trabalhos para criarmos um roteiro, que refletisse o momento atual e que também trouxesse as questões existencialistas tão características da obra de Clarice, como uma singela homenagem ao seu centenário de nascimento.

O cineasta Allan Fernando viu nesta parceria não apenas a possibilidade de homenagear a escritora de quem também é fã, mas também como ter um olhar crítico sobre as questões que a pandemia trouxe:

– A narrativa de Clarice sempre me inspirou, muito além da ficção, eu sou apaixonado por um livro de entrevistas dela, de quando ela trabalhou para o Jornal do Brasil, como repórter. Quando eu ia escrever as sugestões de fala, folheava um livro que tenho dela com fotos e trechos de seus livros, basicamente eu pedia licença e a imaginava comigo, na dúvida, perguntava “o que você acha, Clarice?”, Fico sempre me perguntando, o que ela escreveria ou diria desse momento de pandemia. Talvez esse curta tenha me ajudado com essa questão.

O projeto foi contemplado pelo edital Cultura Presente nas Redes da Secretaria Estadual de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro (SESEC), gravado durante a pandemia, respeitando os protocolos de segurança e utilizando apenas o interior de um apartamento como set.

O filme estará disponível no dia 08.10 nas plataformas do YouTube e Instagram dos realizadores Joelma di Paula e Allan Fernando.

Ficha Técnica:

Idealização: Joelma Di Paula

Roteiro: Joelma Di Paula e Allan Fernando

Direção, fotografia,montagem, sonoplastia, edição e arte: Allan Fernando

Elenco: Joelma Di Paula

Produção : Joelma Di Paula e Samuel Belo

Voz off do Ministério da Saúde: Allan Fernando

Voz off Radialista e Repórter: Samuel Belo

Trilha Sonora: Youtube Audio Library

Comunicação, marketing e assessoria de imprensa: Joelma Di Paula e Allan Fernando

Serviço:

Duração: 30min

Estreia: 08.10.2020 às 20h15 na plataforma do youtube

Instagram: @joelmadipaula @allanfernando5

Youtube: Joelma Di Paula

Link para a estreia:

Green Rio 2020 ganha formato digital e promove parcerias internacionais em Bioeconomia

Um dos mais importantes eventos sobre bioeconomia no Brasil, o Green Rio, confirma sua nona edição em 2020, migrando para o mundo digital. Pela primeira vez, o evento terá três etapas: nos dias 8 e 9 de outubro, quando acontecerão as conferências temáticas, a partir das 9h, e a apresentação de soluções para pequenos e médios produtores; nos dias 13 e 14, datas em que serão realizadas rodadas remotas de negócios e, fechando o evento, de 24 a 26, haverá o desafio de inovação. Com inscrições antecipadas, o Green Rio online poderá ser acompanhado gratuitamente no site www.greenrio.com.br.

A pandemia influenciou não só o modelo do evento, mas também as temáticas que serão abordadas. Segurança alimentar, saúde e rastreabilidade de produtos, com foco nas tendências pós-Covid-19, ganharão destaque na edição deste ano.

“À medida que a população global continua a crescer, cresce também a urgência da buscar soluções para garantir um fornecimento seguro e sustentável aos consumidores em todo o mundo” afirma Maria Beatriz Costa, organizadora do Green Rio online.

Pelo quarto ano consecutivo, o Green Rio contará com uma delegação da Alemanha para realizar o “German-Brazilian Bioeconomy Workshop”. No primeiro dia de evento, 8 de outubro, haverá  uma chamada bilateral Brasil-Alemanha, abordando dois temas abrangentes: biomassa (incluindo o uso de bioinsumos) e plantas medicinais e aromáticas. Representando o Ministério da Educação e Pesquisa da Alemanha, Andre Noske ainda apresentará o programa de bioeconomia da Alemanha, do qual constam parcerias internacionais. Além disso, especialistas da Alemanha e do Brasil discutirão a preservação do solo e proteção das abelhas.

Outra parceria internacional a ser celebrada no Green Rio será a do Sesc/Mesa Brasil e Food Nation, que é uma iniciativa do governo da Dinamarca, que promove segurança alimentar em todos os elos da cadeia, reconhecida por sua inovação e compromisso com sustentabilidade. A sinergia entre Mesa Brasil e Food Nation será apresentada dia 9, no painel “Saúde Planetária”, no qual o presidente da Fecomércio, Antonio Florêncio Queiroz e a gestora do Programa Food Nation assinarão uma carta de intenções.Ainda no dia 9, ocorrerá o lançamento do desafio para pequenos agricultores, explorando possibilidades de conexão entre bioeconomia e agricultura familiar. Também será dedicado um espaço especial à Amazônia, no qual serão discutidos temas como Bioeconomia da Floresta em Pé, Como garantir cadeias de abastecimento sem desmatamento e Pan-Amazônia.

Entre os palestrantes confirmados estão o secretário Fernando Schwanke (Ministério da Agricultura), Maritta Koch-Weser (Rainforest Business School), Ingo Plöger (empresário) e Carlos Nobre (Amazônia 4.0).

O Green Rio online também precisou fazer adaptações para contemplar os expositores. Com importante papel no fomento ao setor de orgânicos, o evento promoverá, nos dias 13 e 14, uma interação entre expositores e compradores, além de apresentação de vídeos para que o consumidor conheça os produtos e escolha o que comprar.

Já estão confirmadas para o encontro de negócios parceria com SindRio (restaurantes); compradores de lojas de varejo e farmácia de São Paulo e Rio; e polos de gastronomia e hotelaria. Representantes internacionais farão parte do networking digital.

Para fechar o evento, será realizado o desafio de inovação, de 24 a 26 de outubro, em parceria com o Sebrae. A iniciativa funcionará como uma maratona online, buscando soluções para a cadeia produtiva da bioeconomia e do pequeno produtor rural, através de temas como inovação em produtos florestais, irrigação e planejamento de produção.

Reconhecido como plataforma relevante para negócios sustentáveis, desde maio, mês em que tradicionalmente o evento ocorreria, na Marina da Glória, no Rio de Janeiro, os organizadores do Green Rio vêm promovendo webinars com temáticas do evento. “A janela virtual tem um potencial enorme a ser explorado. O excelente resultado que alcançamos com essas prévias, nos dá a certeza de que o Green Rio online será um sucesso”, prevê Beatriz.

Sobre o Green Rio

 O Green Rio teve sua primeira edição em 2012, quando foi um side-event da Rio+20. Ao longo desses oito anos, o evento se firmou como plataforma de negócios sustentáveis que reúne expositores, palestrantes e representantes da economia verde e do setor orgânico. Em rodadas de negócios, o Green Rio já movimentou até hoje mais de R$ 8 milhões.

Confira a programação das conferências:

8 de Outubro, 2020

Tradução simultânea / Transmissão simultânea

Este workshop será gravado

8:30 – Abertura, Boas vindas e Lançamento Chamada Conjunta Bioeconomia Brasil-Alemanha 2020

– Green Rio 2020 – Maria Beatriz Martins Costa (10’)

– German Federal Ministry for Food and Agriculture – Director General Dr. Eva Müller (10’)

– Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Secretário Fernando Schwanke (10’)

– Ministério da Ciência,Tecnologia e Inovações – Secretário Marcelo Morales  (10’)

Declarações dos Ministérios Federais da Alemanha sobre a Estratégia de Bioeconomia da Alemanha renovada e sua implementação e sobre a Chamada Conjunta e seu valor para a Cooperação em Bioeconomia Alemanha / Brasil

– Dr. Andrea Noske, German Federal Ministry for Education and Research (10’)

– Dr. Hans Jürgen Froese, German Federal Ministry for Food and Agriculture (10’)

09:40 – Apresentação da Chamada Conjunta (incluindo especificações para os requisitos do programa)

– FINEP – Representante da FINEP (10’)

– PtJ – Dr. Veronika Jablonowski (10’)

– FNR – Carina Lemke (10’)

FIM DA CHAMADA CONJUNTA

Obsv: As perguntas deverão ser encaminhadas por e-mail e serão respondidas após o evento.

Sessões Temáticas Conjuntas

Obvs: Cada painel não poderá exceder 40 minutos

10:15 – Uso Industrial da Biomassa

Estado da arte e benefícios da cooperação  

– Brazil – Eduardo Couto – Diretor do Laboratório Nacional de Biorenováveis  (15’)

– Alemanha – Prof Unkelbach, Fraunhofer Center for Chemical-Biotechnological Processes (tbc) (15’)

– Instituição convidada – Cleber Soares – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (10’)

11:00 – Plantas Medicinais e Aromáticas

Estado da arte e benefícios da cooperação   

– Brasil – UNISC – Prof. Dr. Sandro Hillebrand (15’)

– Alemanha – Dr. Frank Marthe, Julius-Kühn-Institute (15’)

– Instituição convidada: Dr. Roberto Fontes Vieira – Embrapa Recursos Genéticos (10’)

11:45 – Saúde do Solo

Estado da arte e benefícios da cooperação   

– Brasil – Rachel Bardy Prado (15’)

– Alemanha – Dr. Nendel, Leibniz Centre for Agricultural Landscape Research (ZALF) (tbc) (15’)

– Prof. Dr. Kornelia Smalla Julius-Kühn-Institute, (15’)

– Instituição convidada – Luiz Demattê – Câmara Técnica Agricultura Orgânica       

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (10′)

13:00 – Cadeia de cosméticos e Objetivos do Desenvolvimento

14:00 – Desenvolvimento Regional e Bioeconomia

– MAPA – Marco Pavarino (10’)

– MCTI – Cadeias produtivas da Bioeconomia – Bruno Nunes (10’)

– Itu e Região Metropolitana de Sorocaba- Prefeito de Itu, Guilheme Gazzola (10’)

– Mato Grosso do Sul Case – Secretário Jaime Verruck (tbc) (10’)

– Paraná – Ramiro Wahrhaftig, Presidente da Fundação Araucária (tbc) (10’)

9 de Outubro, 2020

Tradução simultânea / Transmissão simultânea

09:00 – Agenda Temática – Proteção das Abelhas

Estado da Arte e Benefícios da Cooperação  

– Brasil – Osmar Malaspina – UNESP (15’)

– Alemanha – Dr. Jens Pistorius, Julius Kühn Institute (15’)

– Instituição convidada – Ana Lúcia Assad – Associação Brasileira de Estudo das Abelhas (A.B.E.L.H.A.) (10’)

09:50 – Desafio de Soluções Tecnológicas para a Bioeconomia e SocioBiodiversidade

– MAPA – Marco  Pavarino (10’)

– MCTI – Bruno Nunes (10’)

– SEBRAE – Luiz Carlos Rebelatto dos Santos (10’)

– EMBRAPA – Maria Clara Valadares Inglis (tbc) (10’)

10:40 – Amazônia e a Bioeconomia da Floresta em Pé

– Rainforest Business School Maritta Koch-Weser (10’)

– UEA – Universidade do Amazonas – Reitor Cleinaldo Costa (10’)

– Amazonia 4.0 – Carlos Nobre (10’)

– BMEL – Ensure deforestation-free supply chains – Thomas Baldauf (10’)

– Fundação Amazônia Sustentável – Virgilio Viana (10’)

– FINEP – Marcelo Bortolini (10’)

11:50 – Amazônia: Bioeconomia, Agronegócio e Agregação de Valor

– GIZ – Frank Kraemer (10’)

– Amazonas State Secretary of Science and Technology – Tatiana Schor (10’)

– ABAG – Marcello Brito (10’)

– CEAL – Ingo Plöger (10’)

– Instituto SEBRAE AMAZONAS (10’)

– Instituto Escolhas – Sérgio Leitão (10’)

13:00 – Segurança Alimentar – Custos Sociais e Ambientais do Desperdício de Alimentos – Saúde Planetária

– MESA BRASIL/SESC and Food Nation / Denmark (20’)

– Universidade de São Paulo (USP) – Antonio Saraiva (10’)

– Instituto Brasil Orgânico – Rogério Dias (10’)

13:50 – Investimentos Sustentáveis (40′)

Bar Bukowski reabre com novidades

Boa nova para os cariocas: o Bar Bukowski, em Botafogo, reabre para o público na próxima sexta-feira (2 de outubro) com várias novidades, além, é claro, de um rígido protocolo de higiene e distanciamento social. Todos os ambientes serão monitorados para não haver aglomeração.  Em uma ação inédita no Rio, o Bukowski criou seis pistas de dança exclusivas no primeiro e segundo andares da casa para grupos de até seis amigos.

É a primeira casa noturna do Rio que reabre durante a pandemia com esta iniciativa. Os frequentadores do bar poderão dançar por 30 minutos ao som dos DJs da casa e convidados. Em seguida, as pistas serão higienizadas por um serviço especializado antes de receberem os próximos grupos. Os espaços de dança devem ser reservados com antecedência.

— Desenvolvemos protocolos de cuidados para cada situação e cada um dos ambientes do Bukowski. O bar receberá menos de um terço da capacidade da casa, sendo que 70% serão reservas, para evitar filas. Os clientes poderão beber, ouvir música e dançar, mas serão cercados de rígidos controles e cuidados sanitários. Na parte externa da casa, os lugares sentados também são exclusivos, evitando o compartilhamento de cadeiras, diz Pedro Berwanger, fundador e proprietário do Bar Bukowski.

A casa que abriga o mais antigo bar de rock and roll do Rio agora abrirá segunda, quarta, quinta, sexta-feira e sábado. Outra novidade é a carta de bebidas, que ganha o reforço de exóticas caipivodkas: manga com pimentão amarelo, melão com caramelo salgado e frutas vermelhas.

História de amor durante a pandemia

O escritor Charles Bukovski, que inspirou o bar, disse em certa ocasião: “Às vezes você acha bondade no meio do inferno”.  E foi isso que aconteceu. No momento mais difícil, onde todos apostavam no fim do Bukowski, o bar recebeu propostas de apoio financeiro de clientes e amigos.

— Lançamos, então, a ação “Nosso bar por 200 reais”, que transforma o cliente em vip vitalício e ele nunca mais terá que pagar entrada nem enfrentar filas. A campanha foi um sucesso. E com isso, não demitimos nenhum funcionário e ainda fechamos um patrocínio com a Heineken, explica Pedro Berwanger. Ele vê nesse sistema colaborativo um sinal positivo dos novos tempos.

O bar abre segunda, quarta, quinta, sexta-feira e sábado; de 17h a 1h. Durante a pandemia será cobrada uma entrada simbólica (R$ 5,00), totalmente revertida para diferentes causas, escolhidas pelos clientes em votação na Internet.

SERVIÇO

Reabertura do Bar Bukowski

Sexta-feira (2 de outubro)

Rígido protocolo de higiene e distanciamento social. Todos os ambientes serão monitorados para não haver aglomeração.  

Novidade: seis pistas exclusivas de dança para grupos de até seis amigos. É necessário reservar.

Funcionamento: segunda-feira, quarta-feira, quinta-feira, sexta-feira e sábado Horário: 17h à 1h

Rua Álvaro Ramos, 270 – Botafogo

Reservas: 21 2244-7303

Entrada: R$ 5,00 (revertida para causas)

Cininha de Paula lança curso on-line para o público maior de 60 anos

A CN Artes, escola de atores dirigida pela atriz e diretora Cininha de Paula, abre uma programação de cursos on-line totalmente voltada para o público com mais de 60 anos.  “Cante, Dance e Atue” tem como proposta ensinar, de forma lúdica e divertida, as várias linguagens do universo artístico por meio da internet. “A nossa intenção é trazer alegria, união, inclusão social e digital para essas pessoas tão afetadas pela pandemia. Queremos brincar. E brincar não tem idade”, argumenta Cininha de Paula.

Quem sabe, para muitos idosos, seja esse o momento de revisitar sonhos antigos e dar vazão aos seus desejos, após cumprir etapas da vida como ver os filhos criados, realização profissional e padrão de vida estabilizado. Investir num curso, sem qualquer pretensão de se tornar profissional, pode ser muito satisfatório. Está provado que a arte proporciona saúde física e mental, desenvolvendo a capacidade cognitiva, melhorando o raciocínio, a concentração e a memória – o antídoto para aqueles que veem o ato de envelhecer como sinônimo de demência.

No formato online, o aluno tem a oportunidade de fazer o curso de qualquer lugar. O palco é a sua sala de estar; o professor, a tela do computador, celular ou tablet, com total interação. As aulas terão no mínimo 10 e no máximo 20 participantes e serão realizadas uma vez por semana pelo aplicativo Zoom, durante 4 ou 5 meses, dependendo do curso. Ao final, os alunos farão uma apresentação, que poderá ser assistida pelo canal da CN Artes no Youtube.

Programação dos cursos

Musical: atividades de canto, dança e teatro. Duração: 5 meses. Carga horária: 3 horas semanais. Turmas: sextas-feiras, das 18h às 21h; sábados, das 14h às 17h. Início do curso: 18 de setembro (sexta) e 19 de setembro (sábado).

Audiovisual: apresenta a linguagem da interpretação para a câmera, com cenas e memorização de textos. Duração: 5 meses. Carga horária: 2 horas semanais. Turmas: segundas-feiras, das 19h às 21h. Início do curso: 21 de setembro.

Roteiro: construção de uma história, a partir de uma ideia do aluno. Duração: 4 meses. Carga horária: 2 horas semanais. Turmas: quartas-feiras, das 20h às 22h.Início do curso: 23 de setembro.

Comédia- serão trabalhados exercícios do humor. Duração: 4 meses. Carga horária: 2 horas semanais. Turmas: quintas-feiras, das 20h às 22h.Início do curso: 24 de setembro

Inscrições e mais informações pelo WhatsApp (21) 99742-2693  e

(11) 96315-6914.

Investimento mensal: R$ 350,00.

Todos os cursos terão a supervisão geral de Cininha de Paula.

“Cante, Dance e Atue” conta com o apoio de parceiros do segmento 60 + (Filha & Cia -Gestão de Idosos,  Raizes.etc,  Núcleo 60+, Aging 2,  Ativen Envelhecimento Ativo e Unibes Cultural).

Museu Janete Costa de Arte Popular abre a exposição “Entre Fragmentos e Frestas”

O Museu Janete Costa de Arte Popular abre, no dia 9 de setembro (quarta-feira), a exposição ‘Entre Fragmentos e Frestas’, com cerca de 80 obras, de 50 artistas, como Izabel Mendes, Agnaldo Santos, Itamar Julião, Chico Tabibuia, Jadir João Egídio, Mestre Didi, Mestre Guarany, Wuelyton Ferreiro, Maurino Araújo, Benedito, entre outros, cujas descendências africanas, além do alto nível de criação plástica, se manifestam, por meio da arte. Os trabalhos fazem parte das Coleções de Jorge Mendes e Jorge Guedes, Irapoan Cavalcanti e Galeria Pé de Boi. Curadoria e cenografia de Jorge Mendes.

Logo na entrada da mostra, o público vai poder ver uma escultura de Dona Izabel Mendes, ceramista e símbolo de resistência, que transformou o barro em arte, abrindo caminhos para que as pessoas de sua comunidade tivessem um ofício e uma melhor qualidade de vida. “O nosso propósito é apresentar mestres da arte brasileira, onde a negritude, ancestralidade africana e contemporaneidade se manifestam através de suas obras e propõe um diálogo com o momento atual do Brasil, onde tentativas de censura, racismo e intolerância religiosa são diariamente vivenciados”, explica o curador.

‘Entre Fragmentos e Frestas’ representa artistas populares de diversas regiões do Brasil, que se unem, por meio da arte. Assim, através de suas esculturas em barro, traduzem momentos de sofrimento, de superação e de resgate de suas raízes. O público vai poder ver, ainda, trabalhos em madeira e pinturas em tela, que representam memórias da relação entre homens e animais. A natureza é representada, mesclando realidade e encantamento.

A sonorização também está presente, provocando uma imersão dos visitantes na exposição. Sons de atabaques, que ecoam em potes de barros, dão um tom especial à mostra. Neste espaço, há, ainda, esculturas dos mestres Didi e Wuelyton Ferreiro, com suas vivências relacionadas ao Candomblé e ao axé. Em paralelo, em outro ambiente, o público pode observar, entre frestas, pórticos de igrejas projetadas por Aleijadinho e referências ao barroco mineiro, presentes nos trabalhos de Maurino Araújo. Obras estas que dialogam com a religiosidade popular, de matrizes diversas.

Importante ressaltar que para garantir a segurança e a saúde dos visitantes e funcionários, por conta da pandemia da Covid-19, serão seguidos protocolos sanitários como a higienização das mãos com álcool em gel, aferição de temperatura,

obrigatoriedade do uso de máscaras e controle de acesso. A recepção do museu ganhou também um painel de acrílico para proteção dos visitantes e funcionários.

Serviço:

Exposição “Entre Fragmentos e Frestas”

Curadoria e cenografia de Jorge Mendes

Abertura: 9 de setembro (quarta-feira), a partir das 10h

Visitação: de 9 de setembro de 2020 a 28 de fevereiro de 2021

Local: Museu Janete Costa de Arte Popular

Endereço: Rua Presidente Domiciano, 178, Ingá, Niterói-RJ

Telefone: (21) 2705-3929

Visitação: de terça a domingo, das 10h às 18h

Entrada gratuita

RESÍDUO (pares no luxo e no lixo)

RESÍDUO (pares no luxo e no lixo) é o tema desta versão do espetáculo em vídeo, criado para o Edital Cultura Presente nas Redes da SECEC RJ. RESÍDUO é também um tema que contorna as inquietações criativas dos artistas Rocio infante e Mario Silva desde 2016. Rocio Infante vem abordando esse assunto direcionando o tema de várias formas e sempre com um novo formato sob direção de Lu Grimaldi e em parceria com Mário da Silva que é músico, compositor e performer. Nessa versão inédita para vídeo, o projeto tem a participação especial, de João Vitti e Valéria Alencar na interpretação de textos poéticos. As vozes, o som e a imagem na dança colocam na cena da casa, um casal no seu isolamento social, com os elementos que lhes restam, tanto de diálogo como de objetos. A solidão a dois é retratada por movimentos e por imagens projetadas. O que contorna de forma potencial é a direção de Lu Grimaldi que direcionou todas as cenas bem como a edição que foi executada por Thiago Monteiro. Um trabalho minucioso dirigido através de um celular e dentro da plataforma zoom. A sugestão de inserir mais uma vez e trabalhar com o tema foi de André Roman, ator e produtor que é um fã e articulador de trabalhos com temas que desloquem o olhar para a conscientização ambiental, preservação e valorização da natureza e de suas riquezas, tão necessárias ao nosso bem estar. O figurino de Benedito Netto é composto pelo aproveitamento total do tecido sem deixar resíduo – aliás é parceiro de longa data e sempre assina os figurinos dos trabalhos de Rocio e acompanha os projetos que tem propostas semelhantes. A filmagem de RESÍDUO em casa abrigou um novo momento e questionamento. Uma experiência nova e revigorante. Um aprendizado para todos nesse novo momento.

Sobre a Artista Rocio Infante

Bailarina, coreógrafa. Pós-Graduada Preparação Corporal nas Artes Cênicas na Faculdade Angel Vianna. Formação em Dança pela Nikolais/Louis Foundation for Dance NY. Especialização em Dança NY na Jennifer Muller e Alexander Technique. Foi professora da Fundação UNICENTRO, da Pós-Graduação em Performance FAV, Corpo de Baile da Fundação Teatro Guaira.  Graduada em Educação Física.  Obras coreografadas, 29 delas encontram-se no endereço do www.youtube.com/rocioinfante1. Oficinas de corpo e movimento para músicos. Professora de dança pela FAV. Autora do livro Fundamentos da Dança. Experiência como bailarina internacional entre Europa e Estados Unidos. Técnica vocal por Gabriela Geluda. Residência no Centro Coreográfico pela Cia Independente com Monica Pimenta e Suzana Rosa. Trabalho atual Resíduo com Mario da Silva, Direção Lu Grimaldi. Link: https://www.youtube.com/watch?v=hW64oxe3tBU&feature=youtu.be

Ficha Técnica

Direção Geral: Lu Grimaldi

Elenco e Idealização: Rocio Infante e Mario Silva

Interpretação de Poemas e Colaboração Artística: Valéria Alencar e João Vitti

Edição de Vídeo: Thiago Monteiro

Figurino: Benedito

Drone: Drone Somart

Produção e Assessoria de Comunicação: André Roman

Serviço

09 de setembro as 20h pela plataforma Zoom

Acesso Gratuito.

Para solicitar o link de acesso, enviar mensagem para o instagram @infante.rocio ou o e-mail para infanterocio@hotmail.com

Duração: 20 minutos

Livre para todos os públicos.

Microficção “Amor de Quarentena” reúne Reynaldo Gianecchini, Mariana Ximenes, Débora Nascimento e Jonathan Azevedo em experiência inédita via Whatsapp

Nem todos vivenciaram a quarentena da mesma maneira, mas o certo é que ela nos trouxe mudanças repentinas, rotinas desconhecidas e novos hábitos. Afastados da correria do dia a dia, tivemos mais tempo para refletir e relembrar histórias, encontros, pessoas. Na esfera das relações, amores se romperam pela falta de espaço na convivência diária ou pelo distanciamento social. E se, neste contexto, alguém importante do seu passado te procurasse? O que aconteceria se um ex-amor reaparecesse na sua vida?

Foi este o mote que o autor e cineasta argentino Santiago Loza utilizou para escrever Amor de Quarentena, uma microficção que estreia no dia 14 de setembro via Whatsapp, com direção de Daniel Gaggini. Ao comprar o ingresso, o público (de qualquer parte do país) escolhe um dos artistas do elenco – Reynaldo Gianecchini, Mariana Ximenes, Débora Nascimento ou Jonathan Azevedo – para guiá-lo ao longo da experiência de 13 dias. São mais de 60 mensagens de voz e de texto, além de áudios, vídeos, canções e fotos, que reconstruirão esse vínculo amoroso imaginário. Os ingressos já estão disponíveis no site www.sympla.com.br.

Amor de Quarentena é uma experiência que brinca com os limites difusos da ficção, com as formas de relato propostas pelos novos meios de comunicação. E, nesse jogo de papéis, quem recebe as mensagens pode seguir as pistas de uma relação passada para reconstruí-la. “Gosto da ideia do amor que volta em um momento em que há tantas más notícias circulando e o futuro se torna tão frágil. Nos faz lembrar de que somos finitos, que não existe eternidade e que sentimos a necessidade de nos aferrar ao amor. Assim, a cada dia, uma nova mensagem nos espera, nos distrai, nos renova a ilusão”, observa o autor Santiago Loza.

A obra já estreou na Argentina, Espanha, Uruguai, Chile, Equador e Paraguai e, em breve, chegará à Alemanha, Austrália, México, Peru, Colômbia, Holanda, França e Portugal. As produções internacionais contam com nomes como Cecila Roth (Tudo Sobre Minha Mãe), Leonardo Sbaraglia (Relatos Selvagens), Dolores Fonzi (Plata Quemada) e Jaime Lorente (Casa de Papel), entre outros.

No Brasil, sob a direção de Daniel Gaggini, os atores foram além da concepção de seus personagens, produziram também as fotos e vídeos e escolheram as canções que são envidas ao público. A ideia foi criar um vínculo do passado a partir das experiências pessoais dos atores, usando suas próprias casas como locações e os diversos sons e ruídos que o cotidiano produz. Isto provoca uma sensação de intimidade, uma experiência única”, diz Gaggini, que, juntamente com Luciana Rossi e Juliana Brandão, trouxe o projeto para o Brasil.

Um aspecto importante do projeto é que, em todos os lugares onde estreou, parte da arrecadação com os ingressos é destinada a uma entidade que auxilia artistas e técnicos das artes cênicas, atualmente sem trabalho por conta da pandemia. No Brasil, o fundo escolhido foi o Marlene Colé, gerido pela APTI – Associação de Produtores Teatrais Independentes, com sede em São Paulo/SP.

Como funciona – Ao comprar o ingresso pelo site www.sympla.com.br, o espectador deve escolher com qual ator/atriz deseja vivenciar a experiência e informar seus dados (nome, e-mail e telefone). O site é 100% seguro e não expõe os dados coletados. É possível também comprar ingressos para outras pessoas. O espectador recebe uma mensagem via WhatsApp com informações básicas sobre a experiência informando, por exemplo, que eventuais respostas às mensagens não serão respondidas, que utilize fones de ouvido, que salve o contato com o nome de uma pessoa especial, que não compartilhe as mensagens e que relaxe de suas atividades cotidianas para disfrutar melhor da experiência. Durante 13 dias seguidos e em diferentes horários, as mensagens desse amor do passado, interpretado pelo artista escolhido, chegarão por meio do WhatsApp.

Sinopse – Um antigo amor comunica-se em tempos de isolamento. Escutamos sua voz e a reconhecemos; e, de alguma maneira estranha, ela nos faz companhia. Todos os dias, chegam novas mensagens. Também algumas imagens ou canções. O amor como um rastro a seguir. Uma presença, uma espera. O espectador/ouvinte/amado pode escolher a voz que o guiará no trajeto. As atrizes e atores que participam da obra contribuem com aspectos de sua cotidianidade, são mais que intérpretes, são membros ativos na construção do relato amoroso.

Ficha técnicaAutor:Santiago Loza. Tradução:Luciana Rossi. Direção:Daniel Gaggini.Elenco: Reynaldo Gianecchini, Mariana Ximenes, Débora Nascimento e Jonathan Azevedo. Produção de elenco: Juliana Brandão. Ideia Original e Produção Internacional: Ignacio Fumero. Edição de Som e Música Original: Adriano Nascimento. Programação Visual e Teaser: Fernando Sanz. Assessoria de Imprensa: Eliane Verbena. Assistente de produção: Victor Hugo Góes. Realização:MUK. Produtores associados:  Daniel Gaggini,  Débora Nascimento,  Ignacio Fumero, Jonathan Azevedo, Juliana Brandão, Luciana Rossi, Mariana Ximenes, Reynaldo Gianecchini e Santiago Loza.

Serviço

Microficção: Amor de Quarentena

Temporada: 14 de setembro a 5 de novembro de 2020

Local: Aplicativo WhatsApp

Classificação indicativa: 14 anos

Duração: 13 dias (a partir do envio da primeira mensagem). 

Valor: R$ 40,00 – ingressos online pelo www.sympla.com.br

Mais informações: www.amordequarentena.com.br

Instagram: https://www.instagram.com/amor_de_quarentena_br/

Facebook: https://www.facebook.com/amordequarentena

Galeria Evandro Carneiro apresenta Exposição Manuel Messias dos Santos, na Gávea

A Galeria Evandro Carneiro Arte, na Gávea, apresenta de 29 de agosto a 23 de setembro a Exposição Manuel Messias dos Santos.  A mostra conta com 30 gravuras do artista, que nasceu em Sergipe, mas que fincou suas raízes no Rio de Janeiro. Nordestino, pobre e doente, acabou vagando pelas ruas do Rio de Janeiro sem o sucesso merecido. Sua arte evidencia expressões das mazelas sociais que nos assombram historicamente. Além da força imagética de seu trabalho, a narrativa em linguagem própria nos deixa um legado de mistério, ainda a ser revelado, que também compõe a sua obra. Em destaque na exposição encontram-se as obras O que tem na fala do Cão da lua?, Por que me abandonaste; Fuga, entre outros. 

“Não preciso de côr – afirma – ela diminui a agressividade da gravura. Me basta o conflito do preto e do branco.” 

Manuel Messias dos Santos ao crítico Frederico Morais para o Diário de Notícias (1968).

“Outro dia cruzei com Manoel Messias num dos corredores da Funarte. Trazia debaixo do braço um rolo com suas gravuras. Nervoso, ao mesmo tempo tímido e agressivo, atento e desligado, rosto encovado, os olhos ameaçando explodir. Ali mesmo no chão abriu suas gravuras, enormes, verdadeiros cartazes. Entretanto, o que ele anuncia não são amenidades ou veleidades, nem slogans ou mercadorias. Anuncia a dor e a revolta, abre a boca, cospe sangue, exala o protesto, espuma raiva. Finca o mastro, abre a bandeira e como um Messias condena o erro e antecipa a palavra final. Sua gravura, em que sobram os espaços brancos e o vermelho e o azul são as únicas cores empregadas, tem algo de bíblico. E apesar da rigorosa economia de recursos, é uma gravura sofrida, amarga e de forte impacto visual. (…) Sobram qualidades em sua gravura. Qualidades que já deveriam ter sido notadas pelas galerias e organismos culturais.” 

FREDERICO MORAIS, “Gravura de Manoel Messias. Galeria de Arte em casa”, In. Coluna Artes Plásticas, O Globo 28/02/1979.  

A mostra será aberta ao público SEM VERNISSAGE devido à pandemia, durante o horário de visitação da galeria, de segunda a sábado, das 10h às 19h. 

O shopping Gávea Trade Center está funcionando com obrigatoriedade do uso de máscaras e fornece álcool em gel e medição de temperatura para quem entra. Não há necessidade de agendar a visita, pois o espaço é grande e sem aglomerações. 

Sobre o artista: 

Em sua coluna Artes Plásticas no Diário de Notícias de 07 de agosto de 1968, Frederico Morais dedicava-se à Gravura de Manuel dos Santos e dizia o seguinte, a propósito de uma exposição do artista que inaugurava naquela ocasião:

“Manuel dos Santos, ou Manuel Messias para alguns amigos, é de Sergipe, onde viveu até os cinco anos de idade, acostumando-se a uma paisagem de extrema penúria. Na sua descida para o sul, o que fêz com sua tia e sua avó, de caminhão, parou primeiro na Bahia, onde ficou uns 2 anos. Após o que se mandou de trem para o Rio. E enquanto sua tia trabalhava como doméstica na casa do ex-diretor do MAM Leonidio Ribeiro, Manuel dos Santos fazia alguns rabiscos e ensaiava seus primeiros contatos com a pintura. Chegou mesmo a frequentar, como ouvinte, a Escola Nacional de Belas Artes, inclusive assistindo as aulas de Abelardo Zaluar. Acabou sendo notado, e pelas mãos de Marilu Ribeiro foi levado a Ivan Serpa, em 62, que contudo, achou ruim seus pastéis e pinturas. Manuel dos Santos, porém, não desanimou e foi ficando, olhando, lendo alguns livros recomendados por Ivan Serpa. Até que decidiu fazer xilogravura, devido, talvez, à presença de Mirian Cerqueira. E o professor que não aprovara sua pintura não teve dúvidas em elogiar a sua gravura. A partir de então, Manuel dos Santos jamais pegou em pincéis ou fêz uso das côres.” 

Conforme resumiu o próprio artista em entrevista ao jornalista crítico de arte para a matéria: “ – ‘Não preciso de côr – afirma – ela diminui a agressividade da gravura. Me basta o conflito do preto e do branco.’ E Manuel dos Santos explica a evolução de sua gravura: ‘primeiro, era preciso dominar a linguagem. Conseguindo isto era preciso dizer. Foi quando então senti vontade de falar da fome e da miséria que eu vi na minha infância lá no Nordeste. Mulher virando boi é uma das gravuras dessa época. Finalmente, a descoberta da madeira e seu domínio. O tema, hoje, é de importância relativa, pelo menos em relação ao próprio ato de gravar. É por isso que o fantástico vai tomando o lugar da realidade. A realidade da gravura: eis o que importa. Ou ainda, o desenho é puro pretexto para cavar a madeira. O objetivo não é gravar o desenho, mas dar ao corte um sentido de autonomia, como que um valor próprio’.” 

Frederico Morais finaliza a crítica daquela semana, contando-nos sobre o desafio do artista quanto à tiragem: “Manuel dos Santos gostaria de ampliar o tamanho de sua gravura e eliminar o preconceito da tiragem. Fazer gravuras de dois metros ou mais e tirar 50, 100 cópias para baratear o preço individual. Só assim, entende, a gravura poderá atualizar-se e romper com suas origens medievais.” (FREDERICO MORAIS, “A gravura de Manuel dos Santos”, In. Coluna Artes Plásticas, Diário de Notícias, 07/08/1968).         

Alguns anos antes, na mesma década em que Frederico Morais escreveu a matéria acima, reproduzida quase na íntegra aqui, Evandro Carneiro frequentara o curso de Ivan Serpa no MAM a que Frederico se refere, tendo sido colega e amigo de Messias. Evandro relembra que o trabalho pictórico inicial do artista “era realizado com pasteis oleosos e carregava uma grande influência de Van Gogh”. Tratava-se de “um jovem bastante talentoso e de grande curiosidade intelectual. Ele adorava Dostoievski exatamente devido àquele clima pesado com o qual se identificava. Em 1974 Evandro organizou na Bolsa de Arte uma exposição de Messias, Goeldi e Grassmann, pela semelhança temática e da gravura dos artistas.” E acrescenta: 

“Alguns artistas têm a sua obra indissociável de sua biografia. No caso do Messias, para conhecer a sua obra, é importante notar que ele entrou num agudo e irreversível processo de esquizofrenia, com algumas internações e muita resistência quanto à institucionalização. Fugia sempre, não tomava os remédios e usava drogas na rua, onde vivia com sua mãe. Após o falecimento da mesma, seu quadro clínico se agravou. Mas ainda assim ele produzia sem parar e houve um período em que ele construiu um vocabulário próprio, com um alfabeto que se tornava cada vez mais presente em sua obra. As letras tinham origens diferentes, sendo uma grega, outra do latim antigo, e ele misturava tudo numa linguagem própria, cujo sentido é difícil decifrar. Eu tenho um álbum com uma série de gravuras e esse código ao final, no entanto é impossível entender.” (EVANDRO CARNEIRO, Entrevista oral realizada em 19/05/2018).

Retornando a Frederico Morais, já em outro jornal onde tinha sua coluna de artes plásticas e uma década depois da primeira crítica citada aqui, ele relata um caso sobre o artista que revela algo sobre a confusão psíquica de Messias: 

“Outro dia cruzei com Manoel Messias num dos corredores da Funarte. Trazia debaixo do braço um rolo com suas gravuras. Nervoso, ao mesmo tempo tímido e agressivo, atento e desligado, rosto encovado, os olhos ameaçando explodir. Ali mesmo no chão abriu suas gravuras, enormes, verdadeiros cartazes. Entretanto, o que ele anuncia não são amenidades ou veleidades, nem slogans ou mercadorias. Anuncia a dor e a revolta, abre a boca, cospe sangue, exala o protesto, espuma raiva. Finca o mastro, abre a bandeira e como um Messias condena o erro e antecipa a palavra final. Sua gravura, em que sobram os espaços brancos e o vermelho e o azul são as únicas cores empregadas, tem algo de bíblico. E apesar da rigorosa economia de recursos, é uma gravura sofrida, amarga e de forte impacto visual. (…) Sobram qualidades em sua gravura. Qualidades que já deveriam ter sido notadas pelas galerias e organismos culturais.” (FREDERICO MORAIS, “Gravura de Manoel Messias. Galeria de Arte em casa”, In. Coluna Artes Plásticas, O Globo 28/02/1979).  

De fato, desde 1965 o artista apresentou seus trabalhos em alguns espaços, mas permaneceu sempre a espera de reconhecimento: coletivas que incluíram os Salões de Arte Moderna (1965/1968) e de Artes Plásticas (1966). Participou de importantes eventos internacionais, como a Bienal de Desenho e Gravura da cidade do México (1979), onde  conquistou o prêmio de sua área, a I Bienal Iberoamericana de Arte (1980), além de salões regionais pelo Brasil. Realizou ainda algumas mostras individuais nos anos 1980/ 1990 e após a sua morte. Nos últimos anos de sua vida, amigos, marchands e artistas tentaram ajudá-lo a sair das ruas e a promover sua obra, mas Messias era resistente e insistia em não se tratar. Faleceu em 2001 já completamente envolvido pela mendicância.  

Esta exposição na Galeria Evandro Carneiro Arte reúne 30 gravuras de duas coleções de amigos de Manuel Messias. Procuramos o Frederico Morais, crítico de arte icônico que também conheceu bastante o artista, para referenciar o talento e a importância de sua obra, a partir de textos originais sobre o artista. No fundo, a história de Messias diz muito sobre o nosso país: nordestino, pobre e doente, acabou vagando pelas ruas do Rio de Janeiro sem o sucesso merecido. Sua arte evidencia expressões das mazelas sociais que nos assombram historicamente. Além da força imagética de seu trabalho, a narrativa em linguagem própria nos deixa um legado de mistério, ainda a ser revelado, que também compõe a sua obra. 

Laura Olivieri Carneiro  

Agosto de 2020  

Serviço: Exposição Manuel Messias dos Santos

Galeria Evandro Carneiro Arte: Rua Marquês de São Vicente, 124 (Shopping Gávea Trade Center). Salas 108 e 109.

De 29 de agosto a 23 de setembro de 2020. 

Visitação: de segunda a sábado, das 10h às 19h.

Telefone: (21) 2227.6894

Estacionamento no local.

Site: http://www.evandrocarneiroarte.com.br/

Instagram: @galeriaevandrocarneiro

O Menino que Visitou a Lua

O conceito de espetáculo online e o grupo “O Menino que visitou a Lua” é um filme ao vivo para ser visto de casa. Isso mesmo, é teatro, é cinema e é TV, tudo junto e misturado e livre para todos os públicos.

No contexto da pandemia, o Cegonha Bando de Criação, sempre afeito à mistura entre arte e tecnologia, aventura-se por novos experimentos. Descortinando a ideia de apresentação online com transmissão ao vivo, os atores, cada um de sua casa e a diretora com uma mesa de controle fazendo os cortes de câmera e inserts de vídeo, operam a realização e transmissão do espetáculo em tempo real.

Desse modo o filme ao vivo mistura live action, cinema de animação e teatro de bonecos. Assim, contam a poética história de “O Menino que visitou a Lua”, texto de Tauã Delmiro, vencedor do Prêmio Jovens Dramaturgos SESC 2011. Vida Oliveira assina a direção geral e Miguel Araujo a confecção e direção dos bonecos. O elenco conta com Pedro Ivo Maia (que também assina a trilha sonora) e Brisa Rodrigues. Além de atores e bonecos, o espetáculo conta animações em vídeo criadas pelo artista Renato Vilarouca. O Cegonha Bando de Criação surgiu em 2017 e trabalha com teatro, tv e cinema misturando arte, teatro de animação e tecnologia em todos os seus trabalhos. Em 2019 o grupo trabalhou em uma pesquisa sobre cinema ao vivo no Visgraf, laboratório do IMPA (Instituto de Matemática Pura e Aplicada) que deu origem a inspiração para este trabalho.

Sinopse

A peça apresenta três personagens: Pedro, Maria e a Lua. Pedro e Maria são amigos e matam as saudades durante o isolamento social, por meio de uma vídeo-chamada. Na conversa, contam sobre suas vidas, problemas e momentos divertidos. Entre os assuntos, Pedro vai relatando suas visitas míticas à complexa e encantadora Lua e a relação complicada que os dois mantém, servindo esta relação de metáfora aos conflitos familiares no mundo real.

Ficha Técnica

Encenação: Vida Oliveira

Texto: Tauã Delmiro

Idealização e confecção das formas animadas: Miguel Araujo

Elenco: Brisa Rodrigues, Miguel Araujo e Pedro Ivo Maia

Vídeos animados: Renato Vilarouca

Trilha sonora original: Pedro Ivo Maia

Identidade visual: Guilherme Borges | GB Design

Assessoria em Comunicação: André Roman

Produção: Leana Alcântara

Direção de produção: Vida Oliveira

Realização: Cegonha – Bando de Criação

Ficha Técnica no Instagram

@cegonha_bandodecriacao | @vida_oliveira_ | @migoleu | @andreromaninfante | @tauadelmiro | @renatovilarouca | @gbdesign.art.br | @le_alcantara

Serviço:

Apresentações através da plataforma Streamyard

Sábados dias 22 e 29/08/2020 às 16h.

Duração: 25 min.

Classificação etária: Livre para todos os públicos, uma proposta para a família.

Ingressos

R$ 15,00 com acesso ao vivo e link disponível por mais 48h após a sessão ou,

R$ 10,00 para acesso ao vivo.

Link para compra de ingressos | Como funciona? Através do link https://www.sympla.com.br/cegonha-bandodecriacao o espectador poderá realizar a compra do ingresso e após a confirmação, o mesmo receberá por e-mail todas as informações e o link para acesso ao espetáculo na plataforma Streamyard.

Festival CURTA QUARENTENA vai premiar obras de até 5 min produzidas no distanciamento social

Estão abertas até 22/8 as inscrições para o festival Curta Quarentena, uma mostra virtual que vai receber inscrições de curtas-metragens de até cinco minutos, produzidos em casa, por qualquer um que queira compartilhar a sua visão autoral da quarentena. Todos os vídeos recebidos serão publicados nas redes sociais do festival (Facebook e Instagram) e no canal do YouTube. O vencedor escolhido por um júri técnico receberá como prêmio o valor arrecadado na vaquinha virtual do Curta Quarentena. O valor de meta da vaquinha é de R$1.000,00.

Integram o júri a atriz Miriam Freeland, o ator e diretor Roberto Bomtempo, a roteirista Renata Sofia, o cineasta Lufe Steffen, o cineasta e pesquisador baiano Bruno Machado, e o diretor Henrique Alqualo. As inscrições estarão abertas até 22/8 e os vídeos selecionados serão postados gradativamente nas redes sociais (Facebook, Instagram e YouTube) do Curta Quarentena. Os dez finalistas escolhidos pelo júri serão divulgados no dia 12/9 e o curta vencedor no dia 19/9.

O Curta Quarentena é um dos projetos contemplados no edital de emergência Cultura Presente Nas Redes, que selecionou 1.500 projetos virtuais de idealizadores e produtores de cultura do estado do Rio de Janeiro. O festival é idealizado pelo jornalista Mario Camelo, realizado pela Prisma Colab, com patrocínio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro e apoio da Movimento Carioca Produções.

“Além de incentivar o distanciamento social e a criatividade nesse período, o Curta Quarentena se transformará num memorial virtual de histórias e olhares da quarentena, pois todos os vídeos recebidos serão postados nas redes do evento e no YouTube. Com a vaquinha, ainda apoiaremos os realizadores do curta, incentivando a arte e a produção artística nesse período tão difícil”, explica Mario Camelo, idealizador do projeto.

Não serão permitidos vídeos com imagens feitas na rua, a não ser que sejam imagens entrepostas (antigas), mas é preciso que o uso esteja justificado na inscrição do vídeo. Qualquer sinal de aglomeração na produção ou nas imagens automaticamente desclassificará o curta. As obras podem ser de ficção, experimentais ou documentários. Não serão consideradas obras de animação. A ficha de inscrição e regulamento de participação estão disponíveis neste endereço virtual.

“Não é necessário nenhum equipamento técnico e nem recursos primorosos de edição. O que queremos é que as pessoas se sintam à vontade para compartilhar conosco o seu olhar sobre a quarentena. Pode usar celular, câmera de vídeo… O que tiver em casa. Só um curta será premiado, mas vamos postar todas as inscrições recebidas. Já estamos ansiosos para ver como cada um vê o seu recolhimento e para deixar esse legado audiovisual sobre uma época que vai marcar a nossa história”, conclui Camelo.

Jurada do festival, a roteirista Renata Sofia aposta na criatividade e na diversidade de projetos. “Se tem uma coisa que ficou posta nesses últimos meses é que a experiência do isolamento não é igual ou democrática para todo mundo. Pude perceber as diversas estratégias de cada um para passar por esse momento do jeito que conseguiu: se fez bolo, se jogou nas lives, se partiu para leitura, se afogou em cursos, se virou pra criar uma renda do caos… A proposta do Curta Quarentena nos permite olhar pra si e pro outro também. A gente vai demorar a entender esse fenômeno todo que estamos passando e estamos criando esse registro diverso”.

O Curta Quarentena também incentiva a produção de vídeos com mensagens positivas sobre o distanciamento social. Participe! Inscreva o seu curta!

SOBRE

IDEALIZADOR:

MARIO CAMELO: Mario Camelo é jornalista, assessor de imprensa e produtor cultural. Já atuou como repórter no jornal O Globo, no jornal Extra e foi editor de conteúdo na TV Globo, além de produtor no Disney Channel Argentina. Tem passagem pela comunicação institucional da Unasul, OAB Nacional e da Ancar Ivanhoe. É o criador da Prisma Colab, agência de Assessoria de Imprensa e produção de conteúdo especializada em Música, Teatro e Arte.

JURADOS:

MIRIAM FREELAND: Miriam Freeland estreou profissionalmente aos 15 anos. Sua formação foi no tradicional Teatro O Tablado/RJ e é graduada em História da Arte pela UERJ e em Artes Cênicas pela CAL. Como atriz se destacam os seguintes trabalhos: “Tomo suas mãos nas minhas”, de Carol Rocamora, direção Leila Hipólito (Indicada ao Prêmio Shell 2010 de melhor atriz) que também produziu; “Hedda Gabler”, direção Michel Bercovitch e Floriano Peixoto; a premiada montagem de “Pluft, o Fantasminha”, direção Cacá Mourthé; “Espia uma mulher que se Mata”, direção de Daniel Veronese e Marcelo Subiotto e “Um Sopro de Vida”, de Clarice Lispector, direção de Roberto Bomtempo e Daniel Dias da Silva, onde ambas também esteve como diretora de produção. Na televisão seus principais trabalhos são: “Poder Paralelo” de Lauro Cesar Muniz; “Um Só Coração” de Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira, “Esperança” de Benedito Ruy Barbosa e “Cravo e a Rosa” de Walcyr Carrasco. Sua estreia no cinema foi o longa metragem “Cine Holliúdy” de Halder Gomes (indicada na categoria Melhor Atriz do Prêmio Quem) e “Mão na Luva”, de Oduvaldo Vianna Filho, com direção de Roberto Bomtempo e José Joffily que lhe render o Prêmio de Melhor Atriz no FestNatal.

SOBRE ROBERTO BOMTEMPO: Roberto Bomtempo é um ator, diretor e produtor que desde o início de sua carreira transita constantemente entre o teatro, o cinema e a televisão, tendo sido premiado diversas vezes em festivais nacionais e internacionais ao longo de seus trinta anos de profissão. Em teatro dirigiu, entre outras, as peças:  “Besame Mucho” de Mario Prata, “Um Sopro de Vida” de Clarice Lispector, “Barrela” de Plínio Marcos, “Capitães de Areia” de Jorge Amado. Sua estreia como diretor de cinema foi no premiado longa metragem “Depois daquele Baile”, com Lima Duarte, Irene Ravache e Marcos Caruso e dirigiu também o longa “Mão na Luva” onde ganhou ao lado de José Joffily o Prêmio de melhor direção no Festival de Cinema de Natal. Na televisão dirigiu as novelas: “Chamas da Vida”, “Luz do Sol” e “Bicho do Mato” na TV Record e os documentários “Barretos” e “Moda Country” para o canal Multishow. Fundou e dirigiu por 5 anos a Oficina de Atores da Rede Record de Televisão. Como ator, participou de mais de 30 longas, dezenas de novelas e peças de teatro. Formou-se em Artes Cênicas pela Faculdade CAL.

SOBRE RENATA SOFIA: Roteirista da TV Globo. Autora e roteirista do longa original “MC Estrela”, em produção pela Kromaki. Roteirista colaboradora da série infantil “Detetives do Prédio Azul” (12 e 13 temporadas); das séries de ficção em desenvolvimento “Ladrão que Rouba Ladrão”, “Paixão FC”, “Sonhos Suburbanos” e “Dissonantes”; e das séries animadas “Arabela”, “Get Along Gang” e do desenvolvimento do Núcleo Criativo da 2Dlab. Participou do painel “Afrobrasilidades” com o projeto original de série infantil “O Laboratório do Porão” no Rio Content Market 2017. Selecionada para o 1º Laboratório de Narrativas Negras para o Audiovisual – Flup, Film2B e TV Globo. Formada pela UERJ em Comunicação Social, trabalhou por quatro anos na TV Globo como produtora de conteúdo web.

SOBRE LUFE STEFFEN: Cineasta, jornalista, escritor, ator e cantor, formado em Comunicação – Rádio & Televisão na Universidade Metodista, além de formação técnica como ator na Fundação das Artes de São Caetano do Sul. Como cineasta, escreveu e dirigiu 10 curtas-metragens ficcionais e 2 longas documentais, os premiados “São Paulo em Hi-Fi” (2016) e “A Volta da Pauliceia Desvairada” (2012), ambos sobre a noite LGBT paulistana. Roteirizou e dirigiu “Cinema Diversidade”, série documental para TV em 10 episódios, sobre o cinema brasileiro LGBT do século XXI, exibida pelo canal Prime Box Brazil em 2018, e inspirada em seu próprio livro “O Cinema que Ousa Dizer Seu Nome” (2016, Editora Giostri). Publicou ainda o livro “Tragam os Cavalos Dançantes” (2008). Acaba de rodar seu 1º longa de ficção, o musical queer “Nós Somos o Amanhã”. Atualmente ministra oficinas de cinema, versando sobre temas como Cinema x Teledramaturgia, LGBTs no Cinema Brasileiro e Cinema Queer Mundial. Em 2018 criou e realizou o 1º Workshop de Roteiro Audiovisual para Pessoas Trans, produzido em parceria com a Codorna Filmes. Mantém o canal Naftalufe, no YouTube, onde apresenta programas semanais sobre a cultura pop vintage do século XX.

SOBRE BRUNO MACHADO: Pesquisador de Cinema e de Mídias Digitais, com foco em ensaios audiovisuais e documentários. Mestre em Meios e Processos Audiovisuais, na linha Poéticas e Técnicas, pela Universidade de São Paulo (USP). Graduado em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), com intercâmbio em Artes Visuais no Instituto Politécnico de Bragança (Portugal-IPB). Em 2013, integrou a equipe de curadoria da Mostra Competitiva do IV CachoeiraDoc e, em 2014, juntamente com o Estúdio de Serviços para Cinema, desenvolveu o projeto Caixa Cinematográfica, vencedor do edital Economia Criativa 2013 – 4/2014 da Secretaria de Cultura da Bahia. Atualmente, integrando o grupo de pesquisa LabArteMídia (USP), investiga as possibilidades de uso dos recursos de sistemas computacionais na criação de ambientes virtuais e de conteúdos audiovisuais digitais e interativos. Sobre esse domínio, tem publicado os artigos: “Percepções e proposições para a montagem em obras de realidade virtual/360º: um estudo de caso do filme Step to the Line”, disponível nos Anais do XV ENECULT (Nov., 2019) e “Percepções e proposições sobre interatividade narrativa na Televisão Digital”, disponível na Revista Movimento (Out., 2017). Para além, também possui interesse em debater sobre sistemas opressores, representação e identificação LGBTQIA+ nos meios audiovisuais.

SERVIÇO:

CURTA QUARENTENA

Inscrições de 22/7/2020 a 22/8/2020

Divulgação do vencedor: 19/09/2020

Todos os curtas recebidos serão postados, gradativamente, nas redes sociais do Curta Quarentena. Siga:

– Instagram: https://www.instagram.com/curtaquarentena/

– Facebook: https://www.facebook.com/curtaquarentena/

– YouTube: https://bit.ly/3ekKXvl– Vaquinha Curta Quarentena: http://vaka.me/1219177

Festival de Teatro On-line é sugestão de programa cultural para o final de semana

Durante todo o mês de agosto acontece o 1º Festival de Teatro Online em Tempo Real do Rio de Janeiro. A mostra competitiva, promovida pela Cia Banquete Cultural, conta com 10 apresentações de teatro on-line em tempo real, sendo 5 dramas e 5 comédias. De acordo com Jean Mendonça, diretor do festival, foi muito difícil escolher apenas 8 espetáculos para o evento, como previsto originalmente, devido ao grande volume de projetos, vindos de todas as partes do Brasil, a organização estendeu para 10 selecionados. A escolha foi embasada no critério artístico: presença, precisão, espontaneidade, relevância social e qualidade de som e imagem do vídeo. “Depois de muitos empates, chegamos aos escolhidos. Dramaturgias potentes, contemporâneas e cheias de vigor artístico. Um orgulho ter todas essas experimentações cênicas na web”, explica Jean.

A proposta do Festival surgiu bem no início da pandemia no Brasil, em março, quando a classe artística ainda estava pensando em como seria a retomada das artes cênicas, mas sem esboçar reação. A ideia foi exatamente fomentar a possibilidade de um novo fazer teatral, ao vivo por meio das plataformas digitais, ao que batizaram de teatro-web. Segundo ele, a Cia Banquete Cultural não estava interessada no pioneirismo, embora considere esse ato histórico importante, mas sim na real continuidade das artes cênicas. “Fomos na contramão e arriscamos com uma dramaturgia ambientada neste momento pandêmico, a partir do meu texto inédito Ata-me as mãos aos pés da cela. O resultado ficou acima do esperado, mesmo limitado por falta de recursos e pelo pouco domínio da tecnologia. Isso nos provou que seria um caminho possível, e que outros artistas poderiam avançar conosco nestes estudos”, comenta.  As sessões do Ata-me as mãos aos pés da cela, foram realizadas em julho, pelo YouTube, como um pré-evento do Festival.  

A programação

Entre os dias 1º e 15 de agosto, sempre aos sábado e domingos, serão apresentados ao vivo pela plataforma Zoom, os trabalhos dos artistas e coletivos teatrais selecionados. A sala contará com uma plateia virtual de 90 pessoas, sendo 40 espectadores voluntários, 40 convidados, 5 integrantes do júri técnico e 5 organizadores do Festival. Todos os espectadores vão permanecer ocultos, ou seja, câmeras e microfones desligados. A participação é gratuita e os  interessados em assistir ao vivo, devem enviar um e-mail para  banqueteculturalproducoes@gmail.com. O link e a senha para acesso à sala virtual do Zoom serão enviados por e-mail pela Cia Banquete Cultural.

Já na segunda quinzena de agosto, de 16 a 30, os vídeos gravados das apresentações feitas em tempo real pelo Zoom serão exibidos pelo YouTube, no canal da Cia Banquete Cultural. Nessa etapa todo o público está convidado a participar como espectador e jurado.  “As pessoas terão a oportunidade de assistir gratuitamente a todos os espetáculos do Festival e ainda votar no preferido, apertando o botão do like. Todas as curtidas serão computadas como voto do Júri Popular.”, explica Jean.  O anúncio dos dois premiados, sendo um em cada categoria, será realizado por meio de uma live no canal da Cia Banquete Cultural, no YouTube, na segunda-feira, dia 31 de agosto, às 20h.

Confira a programação completa

Zoom –  01/08 (sábado) / YouTube – 16/08 (domingo)

18h – comédia – Coração de Palhaço, com Grupo Experimental de Pesquisa em Artes

19h30 – drama – Realidade Suicida, com Erick Antoniazzi

Zoom – 02/08 (domingo) / YouTube – 22/08 (sábado)

18h – comédia – Exagerei no rímel, com Maira Cibele e Roberta Chaves

19h30 – drama – Pandas ou Era uma Vez em Frankfurt, com Nicole Cordery, Mauro Schames e Bruno Kott


Zoom –  08/08 (sábado) / YouTube – 23/08 (domingo)

18h – comédia – O manual de como encontrar um bom partido, com Trupe do Fuxico

19h30 – drama – 12 segundos, com Teatro do Dragão


Zoom – 09/08 (domingo) / YouTube – 29/08 (sábado)

18h – comédia – Piruá de Circo, com Rodrigo Bruggemann (Palhaço Piruá)

19h30 – drama – Safe & Comfort, com Carranca Coletivo


Zoom – 15/08 (sábado) / YouTube – 30/08 (domingo)

18h – comédia – As desventuras do Capitão Rabeca, com Damião e Cia de Teatro

19h30 – drama – Cardinal, com Bárbara L. Matias


Ficha Técnica do evento

1° Festival de Teatro Online em Tempo Real do Rio de Janeiro

Promotora do evento: Cia Banquete Cultural

Realização do Evento: De 1º a 31 de agosto de 2020

Zoom: 1ª a 15 de agosto

YouTube: 16 a 30 de agosto

Premiação: 31 de agosto de 2020

Mais informações do eventobanqueteculturalproducoes@gmail.com

Assessoria de Imprensa: Sevilha Comunicação