“Homens de Papel” no Nair Bello

A Escola de Atores Wolf Maya apresenta espetáculo concebido por sua Turma M6C, Homens de Papel, obra de Plínio Marcos com direção de Sergio Ferrara.

As apresentações acontecem entre os dias 5 e 14 de abril (de sexta a domingo), no Teatro Nair Bello.

O enredo traz a história de um grupo de catadores de papel e suas relações de trocas comerciais exploradoras, enfatizando sempre a busca humana pela sobrevivência. A montagem é um estudo sobre o texto de Plínio Marcos (1935-1999), um dos mais importantes dramaturgos brasileiros, autor de inúmeras peças de teatro, escritas em sua maioria na época do regime militar.

Sergio Ferrara é professor e diretor. Integrou o CPT (Centro de Pesquisa Teatral), supervisionado por Antunes Filho, por 10 anos. Recebeu o Prêmio APCA de melhor diretor por Pobre Super-Homem, de Brad Fraser. Foi diretor convidado da EAD-USP, onde dirigiu a peça Vereda da Salvação, de Jorge Andrade. Desenvolveu, junto ao grupo Os Satyros, um projeto sobre a Praça Roosevelt, no qual dirigiu o texto A Noite do Aquário, de Sérgio Roveri. Além do trabalho como diretor teatral, Ferrara é diretor de Montagem Teatral e professor de Expressão Corporal na Escola de Atores Wolf Maya.

Ficha técnica

Texto: Plínio Marcos. Direção: Sérgio Ferrara. Elenco: Turma M6C – Adalia Pereira, Alyne Montenegro, Beatriz Eiras, Bianca de Souza, Bryan Parasky, Christopher Ruas, Danilo Aburad, Everaldo Cortes, Gabrielly Brás, Íris Ghanem, Ella Goes, Juliana Ferrari, Larissa Palacio, Leandro Tadeu, Lia Benacon, Luiza Lindholm, Marcelo Pereira Felix, Mariana Murari, Maurício Fiori, Pedro Bonilha, Raphael Moretto, Vinicius Nascimento, Wenis Caetano e William David. Assistência de direção: André Pottes, Dani Rombolli, Enrique Espinosa, Gabriella Brito, Hellen Miranda, Igor Lima e Jo Luna. Preparação corporal: André Pottes. Preparação vocal: Nádia Vilela. Figurino e trilha sonora: O elenco. Criação de luz: Beto Martins. Produção: Maristela Bueno e Rodrigo Trevisan. Assintência de produção: Dani Rombolli. Design gráfico: Felipe Barros. Registro fotográfico: Enrique Espinosa. Coordenação pedagógica: Josemir Kowalick. Coordenação geral: Hudson Glauber. Realização: Escola de Atores Wolf Maya.

 

Serviço

 

Espetáculo: Homens de Papel

Temporada: 5 a 14 de abril – Sextas e sábados (às 21h) e domingos (às 19h)

Ingressos: R$ 15,00 – Vendas na bilheteria do teatro.

Duração: 80 min. Gênero: Drama. Não recomendado para menores de 12 anos.

Bilheteria: quarta a sábado (15h às 21h) e domingo (15h às 19h).

Teatro Nair Bello

Rua Frei Caneca, 569 – Shopping Frei Caneca, 3º Piso. Centro – SP/SP.

Tel: (11) 3472-2442. Capacidade: 201 lugares.

Ar condicionado. Acessibilidade.

http://wolfmaya.com.br/

https://www.facebook.com/EscolaWolfMaya

https://twitter.com/escolawolfmaya

Anúncios

“O Santo Dialético” no Teatro do Incêndio

O Teatro do Incêndio reestreia O Santo Dialético no dia 30 de março (sábado, às 20h), para uma curta temporada com apenas oito apresentações, até o dia 21 de abril.

Com texto e direção de Marcelo Marcus Fonseca, a montagem – resultante do processo de pesquisa do projeto A Teoria do Brasil – investiga os vestígios da essência ancestral do brasileiro por meio de pessoas que, vivendo em São Paulo, perderam o contato com suas origens, e passaram a habitar um mundo determinado por valores urbanos.

Dividida em dois atos, a montagem parte do ponto de vista de pessoas comuns, inquietadas pelo esquecimento e pela perda de fatos de sua própria história. Elas seguem, então, em busca de uma mitologia que possa explicá-la. A peça propõe o entendimento da descaracterização do negro, do índio e do próprio europeu (transformados em outra raça), indo à procura desse “novo povo”, o brasileiro, levando cada personagem numa espécie de voo interior rumo à própria raiz.

Com música ao vivo e trilha sonora original, a peça propõe uma paisagem diversa, levando o público por lugares do centro, periferia e interior do Brasil. No intervalo, pratos da culinária brasileira como baião de dois, galinhada, acarajé etc, preparados durante o primeiro ato pelo próprio diretor, são oferecidos ao público, por um valor à parte. “A ideia é que o teatro seja, além de um lugar de apresentações, um espaço de agradável permanência, mesmo depois da sessão”, diz Marcelo Marcus Fonseca, autor e diretor de O Santo Dialético, “um lugar de comunhão, principalmente nos dias de hoje, quando precisamos lembrar que temos uns aos outros”, completa.

O enredo traz seis histórias paralelas, entrecortadas, que criam um mosaico da mistura racial brasileira: um índio, tirado aos oito anos de sua tribo por padres, retorna do seminário para encontrar sua aldeia; uma moradora de rua acredita ter sido chamada para uma missão e encontra o sincretismo pelo caminho; um casal negro, evangélicos, vive o drama de não conseguir ter filhos, enquanto o marido é atormentado por sons antigos que ele não reconhece; e um publicitário não se encontra no próprio corpo, enquanto sua mulher sofre de uma doença terminal.

O Santo Dialético cumpriu temporada, durante quase todo o ano de 2016, na antiga sede do grupo. Agora retorna adaptado ao atual teatro, com pequenas alterações necessárias para atualização do diálogo frente à situação do país.

 

Ficha técnica

Texto e direção geral: Marcelo Marcus Fonseca.

Figurino: Gabriela Morato.

Direção musical, composições originais: Bisdré Santos.

Música ao vivo: Bisdré Santos, Yago Medeiros e Renato Silvestre.

Iluminação: Marcelo Marcus Fonseca e Valcrez Siqueira.

Assistência de sonoplastia: Victor Castro.

Adereços: André Souza, Gabriela Morato e Fabrízio Casanova.

Trilha sonora mecânica: Marcelo Marcus Fonseca e Bisdré Santos.

Coreografias e preparação corporal: Gabriela Morato.

Assistência de produção/figurino/adereços e bilheteria: jovens do projeto de Vivência Artística no Teatro do Incêndio.

Fotos: Giulia Martins e João Caldas.

Assessoria de imprensa: Eliane Verbena.

Realização e produção: Cia. Teatro do Incêndio.

Elenco: Gabriela Morato, Francisco Silva, Elena Vago, Ágata Matos, Carlos Gomes, Marcelo Marcus Fonseca, Valcrez Siqueira, André Souza, Victor Castro, Yago Medeiros, Renato Silvestre e jovens do projeto Vivência Artística.

Atriz mirim: Laura de Rita.

Jovens do projeto Viência Artística no Teatro do Incêndio: Guilherme Berkoff, Heloisa Feliciano, Isabela madalena, Jade Buck e Pamela Cristina.

Serviço

SinopseO Santo Dialético explora a perda da ancestralidade e da identidade da formação étnica do brasileiro na cidade de São Paulo, por meio de pessoas comuns que buscam respostas para o chamado da própria raiz. Misturando teatro, dança e música ao vivo, a curta temporada traz apenas oito apresentações.

Espetáculo: O Santo Dialético

Restreia: 30 de março. Sábado, às 20h

Temporada: sábados (às 20h) e domingos (às 19h) – Até 21 de abril

Ingresso: R$ 60,00 (dinheiro ou cartão de débito)

Duração: 150 min. (com intervalo de 20 min e jantar opcional)

Gênero: Drama musical. Classificação: 14 anos. Capacidade: 80 lugares.

Teatro do Incêndio

Rua 13 de Maio, 48. Bela Vista/SP.

Tel: (11) 2609 3730 / 2609 8561

Estacionamento em frente ao teatro. Local para comer.

https://www.teatrodoincendio.com/

UniCarioca lança pós-graduação em Segurança Cibernética no Méier

Com a evolução digital em constante transformação em todo o mundo, proteger dados e informações contra riscos crescentes de ataques, vazamentos e fraudes é fundamental. A fim de capacitar mão-de-obra para a indústria da cibersegurança, a UniCarioca – conceituada segundo o MEC como o melhor centro universitário do Rio de Janeiro pelo sexto ano consecutivo – está lançando a pós-graduação presencial em Segurança Cibernética. Com inscrições abertas e início das aulas em 7 de maio, na unidade Méier, o curso se destaca pelo foco na alta qualificação e empregabilidade, materializando parcerias acadêmicas com grandes empresas do setor, como Cisco, Microsoft e Amazon.

Voltado a profissionais que necessitam trabalhar com segurança da informação, o curso vai habilitá-los, entre outras especificidades, a desenvolver projetos avançados de Segurança Cibernética, envolvendo tecnologias de grande valor para empresas e proporcionando redução de custos, aumento de produtividade, acesso à informação e tomada de decisão.

“A pós-graduação vai preparar o profissional para desenvolver projetos avançados de Segurança Cibernética, aumentando a proteção das empresas diante de incidentes de segurança que podem comprometer seus ativos, gerando prejuízos incalculáveis. Esse profissional vai aprender, por exemplo, a reconhecer e analisar riscos ao negócio, localizar, avaliar e resolver vulnerabilidades em hardwares e softwares, preparar ambientes para testes de invasão com objetivo de identificas as vulnerabilidades de um ambiente de redes e elaborar uma política de segurança da informação alinhada com os objetivos do negócio”, explica o coordenador do curso  e professor André Sobral.

Brasil é o sétimo país com mais invasões de hackers, diz pesquisa

Segundo o relatório de Ameaças à Segurança na Internet (ISTR, na sigla em inglês), o Brasil é o sétimo país mais afetado por ataques cibernéticos no mundo. Dados como esse revelam o motivo de o mercado de trabalho estar em plena expansão e com tendência de crescimento para os próximos anos. Há postos de trabalho em empresas de pequena a grande portes, localizadas tanto em grandes centros urbanos quanto em polos produtivos espalhados pelo país.

 

“A Segurança da Informação não é apenas uma necessidade para pessoas e empresas. Quando analisamos os impactos de incidentes de segurança em infraestruturas críticas, como os setores de óleo e gás, eletricidade, água, saúde e outros, é notável a dependência da sobrevida de sistemas computacionais disponíveis e íntegros. Isso possibilita uma visão bastante promissora de mercado de trabalho para profissionais especialistas em segurança cibernética”, afirma o coordenador.

 

Inscrições abertas para mais 11 cursos de MBAs e especializações presenciais e a distância

 

A UniCarioca inscreve ainda para mais 11 cursos de pós-graduação a distância  e presenciais. Gestão de Micro e Pequenas Empresas; Gestão Empresarial Inovadora; Marketing 4.0 – são a distância e inéditos no Centro Universitário. Os presenciais são, além de Segurança Cibernética: Controladoria e Tributos; MBA em Marketing; Mídias Sociais; MBA em Recursos Humanos; MBA em Logística e Operações; Psicopedagogia Clínica e Institucional; Gerência de Projetos; Projeto e Gerência de Redes de Computadores.

 

“Investir na educação continuada de qualidade é essencial para o profissional atualizar seus conhecimentos e ampliar seu networking e sua competitividade. Por isso, a Pós-graduação da UniCarioca foi especialmente pensada para quem precisa de mais subsídios e deseja uma boa colocação no mercado de trabalho. Além da excelência acadêmica e de valores acessíveis, nossos cursos são otimizados para terminar em um tempo menor, com duração a partir de 14 meses e opção de aulas semanais de meio período aos sábados, formato que ajuda a maximizar o rendimento do aluno”, frisa a coordenadora dos cursos de pós-graduação da UniCarioca, Andrea Aguiar.

 

Os interessados nas vagas de especialização e MBA podem realizar matrícula pelo site da instituição (www.unicarioca.edu.br) ou pessoalmente em uma das unidades do centro universitário.

 

Serviço:

 

Pós-graduação 2019.1 da UniCarioca em Segurança Cibernética

 

Data de início das aulas:

7 de maio de 2019 (turmas de terça e quinta-feira)

 

Local e horário:

Méier: Terças e quintas-feiras, das 19h às 22h

 

Duração:

18 meses

 

Mais informações sobre investimento e inscrições: https://www.unicarioca.edu.br/cursos/pos-graduacao/seguranca-cibernetica

Projeto Curto-Circuito na Audio Rebel

A noite de 29/03 será em clima baiano na Audio Rebel, em Botafogo. A casa recebe uma nova edição do projeto Curto-Circuito, que celebra a cena experimental em uma programação com três apresentações. A partir das 22h, o lineup terá Andrea May, Heitor Dantas e Jan Cathalá. Os ingressos custam R$ 20.

 

O projeto visa à circulação de artistas independentes e retorna à Audio Rebel com alguns representantes dos novos nomes da música contemporânea na Bahia. De cunho experimental, Curto-Circuito quer fomentar ações e colaborações entre criadores de diferentes estados, além de aumentar a visibilidade desses artistas pelas instituições de arte do Rio de Janeiro.

 

Heitor Dantas é compositor, arranjador, produtor e guitarrista e mostra em seu live o resumo de uma trajetória de sete discos. Ele mescla música orquestral e camerística com colagens, rap, sambas e outros estilos. Além do projeto solo, integra outras formações, como o trio Laia Gaiatta, a banda de rock experimental Baby Lixo e o duo minimalista Oco de Átomo.

 

Já Andrea May, apresentará o projeto Noisy Turntablism (discotecagem ruidosa) que integra o processo de construção da sua pesquisa de mestrado, cujo objetivo é conectar o experimentalismo sonoro às artes visuais em reflexões diversas a partir do ruído. A performance consiste na livre improvisação utilizando discos de vinil preparados e destruídos com efeitos analógicos e digitais.

 

Completa a noite a sonoridade plural de Jan Cathalá. Passeando por estilos como samba-reggae, trip hop e ambient, o artista trabalha sua performance ao vivo, intitulada “Alahtac – A flor do bem”.

 

A Audio Rebel é referência na música experimental no Rio. O espaço fica na Rua Visconde de Silva, 55. Os ingressos já estão à venda: https://www.eventbrite.com.br/e/curto-circuito-2019-andrea-may-heitor-dantas-e-jan-cathala-tickets-58812130666

 

Serviço

Curto-Circuito com Andrea May, Heitor Dantas e Jan Cathalá

Data: 29/03/2019 (sábado)

Horário: 22h

Local: Audio Rebel

Endereço: Rua Visconde de Silva, 55 – Botafogo – Rio de Janeiro/RJ

Ingressos: R$ 20

Classificação: 16 anos

Capacidade da casa: 90 pessoas (lotação máxima)

Forma de pagamento: para o ingresso, apenas dinheiro; no bar, todos os cartões de crédito

Casa equipada com ar condicionado e wi-fi gratuito

Horário de funcionamento da bilheteria: todos os dias, de 14h às 21h

 

Exposição Femininos Pessoais, de 20 de março a 28 de abril, no CCJF

A exposição Femininos Pessoais traz ao Centro Cultural da Justiça Federal vinte e quatro nomes da fotografia contemporânea feminina que utilizam o autorretrato como forma de expressar a si mesmas e às questões da sociedade.

A exposição, que tem curadoria da Rococó Clean, vem celebrar a presença feminina nas artes e lembrar a necessidade de igualdade e representatividade da mulher em galerias de arte, museus e centros culturais no Brasil e no mundo. Além das imagens impressas em grande formato, uma projeção vai mapear o trabalho de representantes do Brasil e de outros sete países – Paquistão, Alemanha, Inglaterra, Colômbia, Canadá, Estados Unidos e Espanha – trazendo uma visão ampla do que é o autorretrato feminino em contextos diversos. Isso influencia a forma como cada uma se autorrepresenta, e foi um dos critérios de seleção dos curadores.

Haverá ainda a participação de artistas plásticas como Elisa Kalume, que se autorretratou utilizando a escultura como meio de expressão, e a ilustradora Ligia Rocha, que criou um painel na parede central da exposição convidando os visitantes a realizarem seus próprios autorretratos. A ideia é estimular o público a utilizar a hashtag #femininospessoais nas redes sociais, criando um movimento que ultrapasse os limites da galeria.

A abertura do evento, no dia 19 de março, conta ainda com a performance da bailarina Bella Mac e da leitura de um poema por Manoela Campos, além da finalização do bordado em fotografia diante do público no autorretrato de Aline Brant.

O objetivo da exposição é ampliar a representatividade feminina no meio artístico. “As mulheres são grandes consumidoras de arte, criadoras de trabalhospotentes e pesquisadoras importantíssimas da cena artística contemporânea, mas sua presença e relevância no meio ainda está muito aquém do que seria justo. Estamos tentando, com a Femininos Pessoais, mudar nem que seja um pouquinho esse cenário, uma vez que as artistas são ao mesmo tempo autoras e temas das obras, ou seja, elas detêm toda a narrativa e fazem todas as escolhas.” Diz Vivian Faingold, uma das curadoras da exposição.

Os temas das imagens perpassam questões que vão desde a cobrança da perfeição estética (inatingível) até a necessidade de visibilidade da mulher na sociedade atual. Há espaço também para imagens poetizadas, para o corpo como abstração, para a reflexão, a beleza e a força da produção contemporânea destas mulheres.

A fim de conectar ainda mais o público e as artistas participantes, a exposição vai trazer o perfil do Instagram associado à cada imagem, para que os espectadores possam ver um pouco mais de suas respectivas produções. Feminos Pessoais fica em cartaz de 20 de março até 28 de abril, no dia 23 de março haverá visita guiada pelos produtores às 17h30.

No dia 27 de março haverá uma performance da artista plástica Grazia Camerano de 12h30 às 14h. Trata-se de uma intervenção com colagem e desenhos. A exposição dialoga com a programação do Seminário Mulher, Poder e Democracia – Interseções entre Direitos e Po(éticas), que acontece de 27 a 29 de março no Centro Cultural.

FEMININOS PESSOAIS

Uma exposição sobre o protagonismo feminino na fotografia

CCJF – Centro Cultural Justiça Federal (Avenida Rio Branco, 241, Centro)

Inauguração 19 de março, às 19h

Visitação: de 20 de março a 28 de abril

Visita guiada com os produtores: 23 de março, às 17:30

Performance: 27 de março 12h30 às 14h

Entrada Franca

Artistas convidadas

Bella Mac

Elisa Kalumi

Grazia Camerano

Ligia Rocha

Fotógrafas

Adriana Garzon

Aline Brant

Ana Gilbert

Ana Maria Lagos Gallego

Angela Paes

Bea Cazal

Belle Maia

Carolina Amorim

Cecília Pretti

Diana M. Schenkel

Durba Zahan

Erica Modesto

Gabriella Silva

Julia Assis

LeAnna Azzolini

Loreal  Prystaj

Luciola Villela

Manoela Lemos

Manu Campos

Marcela Werneck de Mello

Nadejda Costa

Nanda Ribeiro

Phylactere

Vivian Faingold

“Três Mudanças” no Teatro Itália

Depois de uma temporada de sucesso no Sesc Ipiranga, o espetáculo “Três Mudanças”, do renomado dramaturgo norte-americano Nicky Silver, com direção de Mário Bortolotto, reestreia no Teatro Itália entre 11 de abril e 2 de maio, com sessões às quartas e quintas, às 21h (no dia 24 de abril não haverá sessão).  Ao final desse período a peça terá completado 21 apresentações.

Em um clima semelhante ao encontrado nos filmes do Woody Allen, a obra conta a história de Nathan e Laurel, um casal bem-sucedido que vive aparentemente feliz em um bairro de classe média alta em Nova Iorque. Entretanto, a chegada de Hal, o irmão mais velho de Nathan e autor bem-sucedido de seriados de TV, muda completamente o cotidiano da família, expondo a fragilidade da relação e alterando drasticamente o estado das coisas. A tradução é de Clara Carvalho.

A peça é uma crônica de costumes tragicômica que questiona as estruturas familiares contemporâneas ao evidenciar a busca incessante do ser humano por estabelecer vínculos e compartilhar laços frente à solidão das relações.

Com idealização e atuação de Carolina Mânica, o espetáculo também tem Nilton Bicudo, Bruno Guida, Lucas Romano e Renata Becker no elenco. Trazer a peça ‘Três Mudanças’ para o Brasil é um desafio e uma responsabilidade muito prazerosa, pois o roteiro original recebeu excelentes críticas nos EUA. Tem tudo para ser um sucesso, pois dialoga de forma universal com as inquietações humanas”, conta Carolina.

SINOPSE

Um casal vive aparentemente feliz e confortável no bairro de Upper West Side, em Nova Iorque, até a chegada surpresa de um parente. O que parecia ser apenas uma visita casual, de repente, transforma-se em um incômodo que muda o cotidiano da família e expõe a fragilidade das relações.

SOBRE NICKY SILVER

Nicky Silver, nascido na Filadélfia em 1960, é um dos autores contemporâneos mais celebrados. Seus textos são resultado de uma combinação de drama, comédia e existencialismo pop, que reveste temas como o isolamento, a punição, a culpa, a negação, as disfunções psicológicas, sociais e as várias inclinações da sexualidade. Tipos urbanos instáveis e complexos, seus personagens habitam textos impregnados de humor ácido, que corrói as entranhas de núcleos familiares e de tragédias individuais.

Nicky é autor de 13 peças que já foram montadas no Brasil e em várias partes do mundo, incluindo “Pterodátilos”, “Os Solitários” (direção de Felipe Hirsch), “Adorável Garoto” (direção de Maria Maya), “Família Lyons” (direção de Marcos Caruso) e “Os Altruístas” (direção de Guilherme Weber).

SOBRE MÁRIO BORTOLOTTO

Mario Bortolotto é um dos nomes mais importantes do teatro brasileiro. Com mais de 50 textos montados e nove livros publicados, é reconhecido como um intérprete da contemporaneidade. Sua direção e dramaturgia estabelecem laços de responsabilidade com o seu tempo, ao lidar com personagens que vivem histórias em condições-limite de confronto social, afetivo e existencial. Essa estética revela-se não apenas nas suas peças autorais, mas na linha de direção que adotou nos últimos anos com “Noturnos”, de Jon Fosse; “Garotas da Quadra”, de Rebecca Prichard; “Tape”, de Stephen Belber; “Killer Joe”, de Tracy Letts; “O Canal”, de Gary Richards; e “Criança Enterrada” e “Oeste Verdadeiro”, ambas de Sam Shepard.

FICHA TÉCNICA

Direção: Mário Bortolotto

Tradução: Clara Carvalho

Idealização: Carolina Mânica

Elenco: Carolina Mânica, Renata Becker, Nilton Bicudo, Bruno Guida e Lucas Romano

Cenário e Iluminação: Marisa Bentivegna

Figurino: Fábio Namatame

Sonoplastia: Mario Bortolotto

Produção: Anayan Moretto

Assistente de Produção: Veronica Jesus

Design Gráfico: Uibirá Barelli e Paulo Bueno / Estúdio Diorama

Fotos: Julieta Benoit

Assessoria de imprensa: Agência Fática

SERVIÇO

Três Mudanças, de Nicky Silver

Teatro Itália – Avenida Ipiranga, 344, Edifício Itália, próximo ao Metrô República – serviço de vallet na porta (R$ 25)

Temporada: 11 de abril a 2 de maio, às quartas e quintas, às 21h (no dia 24 de abril não haverá sessão)
Ingressos: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia-entrada)

Horário de funcionamento da bilheteria: de terça à domingo, das 15h até o início do espetáculo. Nos dias em que não houver espetáculo a bilheteria funciona até às 19h

Vendas pela internet: https://www.sazarte.com/evento/tres_mudancas_teatro_italia_32966

Informações: (11) 3255 1979

Classificação: a partir de 16 anos
Duração: 75 minutos
Capacidade: 290 lugares
Redes sociais: @tresmudancas

**Acessibilidade total com cadeiras para todas as necessidades especiais, rampas, elevador e banheiro.

Carlos Posada na Audio Rebel

Um dos principais compositores de sua geração, Posada se apresenta na Audio Rebel, em Botafogo, no dia 20/03 (quarta-feira) em formato acústico. O show começa às 20h com ingressos a R$20.

 

O cantor e compositor passará pelo repertório de seus três álbuns: “Posada”, “Isabel” e “Posada e o Clã”. Além disso, antecipa canções de seu próximo trabalho. Suas canções já foram gravadas por artistas como Lenine, Duda Brack, Aíla e Ana Cañas.

 

Filho de mãe brasileira e pai argentino, nascido na Suécia, criado em Pernambuco e radicado no Rio, Carlos Posada começou a se destacar na cena independente com a banda de manguebeat Bárbara e os Perversos e se tornou um compositor destaque pelos seus versos pesados e poéticos sobre um Brasil urbano e contemporâneo.

 

O show acontece na Audio Rebel, a casa de todas as tribos em Botafogo. O espaço fica na Rua Visconde de Silva, 55, e funciona também como estúdio de ensaio e gravação, luthieria e loja de música.

 

Serviço

Posada

Data: 20/03/2019 (quarta-feira)

Horário: 20h

Local: Audio Rebel

Endereço: Rua Visconde de Silva, 55 – Botafogo – Rio de Janeiro/RJ

Ingressos: R$20

Eventos: https://www.facebook.com/events/1180108505480602/

Classificação: 16 anos

Capacidade da casa: 90 pessoas (lotação máxima)

Forma de pagamento: para o ingresso, apenas dinheiro; no bar, todos os cartões de crédito

Casa equipada com ar condicionado e wi-fi gratuito

Horário de funcionamento da bilheteria: todos os dias, de 14h às 21h