Ocupação de Dança celebra a diversidade no Teatro Cacilda Becker, no Rio

A Dança como linguagem universal, como língua capaz de unir pessoas de todos os lugares e abarcar toda a diversidade humana. Essa é a proposta da Ocupação A língua da vértebra, que acontece entre os dias 24 e 28 de julho no Teatro Cacilda Becker, no Rio de Janeiro.

 

Realizado por dez mulheres formandas da Escola Angel Vianna, o evento tem como eixo curatorial a relação artística com a Metodologia criada pela grande dama da dança brasileira, convidando o público a experimentar diferentes possibilidades de um corpo em movimento.

 

A ocupação se encerra com duas apresentações de estreia do espetáculo “A língua da vértebra”, trabalho resultado da conclusão do curso técnico em bailarino contemporâneo da escola. Entre as dez artistas criadoras, dez corpos e muita diversidade, além da orientação de Moira Braga, bailarina e atriz cega, e do coreógrafo e bailarino Dilo Paulo, de Angola (AF).

 

-Acredito e carrego comigo que realmente a dança e a metodologia de Angel Vianna sejam capazes de se comunicar com todos porque nos ajudam a entender, pesquisar e cuidar do nosso corpo e do corpo do outro. Elas não só nos conectam, mas também nos transformam em seres humanos melhores – afirma Dilo.

 

Por meio de oficinas, exposições, show, performance e a estreia do espetáculo , serão traçadas linhas de convergências entre o campo das artes visuais, performance, música e dança, possibilitando ao público se relacionar com processos estéticos, técnicos e subjetivos que fizeram parte do processo de construção do trabalho.

 

Angel Vianna é a grande convidada e estará presente na ocupação facilitando uma oficina e participando de uma conversa com Moira, orientadora do espetáculo e artista integrante da Cia Pulsar.

 

A língua da vértebra

A investigação da coluna vertebral como eixo central a todo movimento, em todos os corpos, faz reverberar em múltiplas possibilidades de dança. Cada vértebra, cada região, assim como cada corpo, são essenciais ao todo, tendo sua própria vibração e força.

Lombar, dorsal, cervical – língua. Nosso corpo inteiro se revela como algo que se arqueia e se contorce em conjunto. Um corpo que se estrutura em coletivo. A dança é a língua que nos une.

 

O espetáculo “A língua da vértebra” é uma criação coletiva que surge a partir de experiências sutis vividas por dez mulheres em contato com a metodologia Angel Vianna, ao longo de dois anos e meio de convivência e estudos contínuos.

 

PROGRAMAÇÃO DA OCUPAÇÃO

 

QUARTA  24/07

19h Abertura da Ocupação com exposição de fotos e registros do processo

+

20h Performance da Cia Pulsar

 

QUINTA 25/07

15h Oficina Cia Pulsar

17h Oficina Angel Vianna

19h as 21h Conversa com Angel Vianna e Moira Braga

 

SEXTA  26/07

15h as 17h oficina VIVA PELVE com Dora Selva

17h as 19h oficina AfroGangu com Lenna Santos

20h SoundPainting

 

SÁBADO  27/07

20h Apresentação do espetáculo A Língua da Vértebra

 

DOMINGO 28/07

19h Apresentação do espetáculo A Língua da Vértebra

SERVIÇO

A Língua da Vértebra

Ingressos para o espetáculo: R$ 20 (inteira)

Duração: 50 mins

Classificação: Livre

Teatro Cacilda Becker

Rua do Catete, 338 – Largo do Machado

(próximo à estação de metrô)

 

INSCRIÇÃO PARA DEMAIS ATIVIDADES DA OCUPAÇÃO:

através do e-mail: laranjaturma@gmail.com

 

VALOR DAS OFICINAS

R$ 20 (solidário)

R$ 30 (sustentável)

R$ 45 ou mais (abundante)

 

FICHA TÉCNICA:

Elenco:

Ayeska Ariza, Beatriz Galhardo, Herika Reis, Julia Severo, Laura Silveira, Maria Hermeto,

 Maria Luiza Tiburi, Natasha Benzaquen, Nina Terra Rodrigues e Rose Benzaquen.

Orientação: Dilo Paulo e Moira Braga

Supervisão de criação: Frederico Paredes

Figurino: Herika Reis e Maria Hermeto

Cenografia: Ayeska Ariza e Laura Silveira

Iluminação: Frederico Paredes

Fotografia e vídeo: Matylda Rosinska

 

Anúncios

Theatro Municipal do RJ apresenta ‘Ballet do meio-dia’

Às vésperas de completar 110 anos, no próximo dia 14 de julho, o Theatro Municipal do Rio de Janeiro continua renovando seu público. A própria ação nesse sentido é a apresentação, dias 25 e 26 de junho, do “Balé do Meio-Dia”, espetáculo criado com a intenção de atrair quem passa todos os dias pelo teatro em seu horário de almoço, mas nunca entrou nessa belíssima joia arquitetônica. O Corpo de Baile do TM dançará coreografias dos grandes balés do repertório mundial, em suas principais fases – a clássica, romântica e neoclássica.

Com preço único e popular, a R$10, e duração de 60 minutos, as duas récitas de balé serão com música gravada e figurinos do acervo, de produções anteriores.

 

 

PROGRAMA

 

Grand Pas de Quatre de Pugni

Música: Cesare Pugni

Coreografia: segundo Jules Perrot

Pas de Quatre foi originalmente coreografado, por Jules Perrot em 1845, século XIX, com música de Cesare Pugni, a pedido do Her Majesty’s Theatre em Londres, Teatro da Rainha Victoria da Inglaterra, a fim de reunir no mesmo palco as quatro maiores bailarinas da época.

Elenco: Claudia Mota/Deborah Ribeiro/ Fernanda Martiny/Renata Tubarão/ Juliana Valadão/ Rachel Ribeiro/ Carla Carolina

Melodia de Gluck Pas-de-Deux

Música: Christoph  Gluck

Coreografia: Assaf Messerer 

Pas-de-Deux com a música da Dança dos Espíritos Abençoados. É uma das mais belas melodias de toda a ópera “Orfeo e Euridice”.

 

Elenco: Renata Tubarão/ Fernanda Martiny/ Francisco Timbó/ Alef Albert

Talismã

Música: Ricardo Drigo

Coreografia: Marius Petipa

O Pas-de-Deux conta a estória da jovem deusa Niriti que cumprindo os desígnios de seu pai, deve submeter-se à prova de descer à terra e manter seu coração fechado a todo amor terreno.

Recebe de sua mãe um talismã para protegê-la, mas acaba apaixonando-se pelo jovem marajá Nouredin, abrindo mão do reino celestial. O Pas-de-deux é dançado por Niriti e Vayou, deus do vento que foi encarregado de protegê-la.

Elenco: Fernanda Martiny/Juliana Valadão/ Alef Albert/Cícero Gomes

O Corsário

Música: Adam/Pugni

Coreografia: Marius Petipa

Pas-de-Deux extraído do ballet em 3 atos do mesmo nome, que conta a estória de um corsário-Conrad que se apaixona por uma jovem grega-Medora, que é feita escrava por um mercador, e é vendida a um rico paxá. Depois de muitas aventuras ela finalmente se une ao seu amado corsário, servo de um poderoso pirata.

Elenco: Renata Tubarão/ Filipe Moreira

CzardasO Lago dos Cisnes

Música: P.I.Tchaikovsky

Coreografia: Marius Petipa

Divertissement extraído do 3º ato do ballet O Lago dos Cisnes e é apresentado durante os festejos de aniversário do Príncipe Siegfried.

Elenco: Solistas: Rachel Ribeiro/ Wellington Gomes/Santiago Júnior/ Carla Carolina/ Rodrigo Negri

Corpo de baile: Flávia Carlos/Marcella Gil/ Anderson Dionísio/Mônica Barbosa/ Mateus Dutra/ Bianca Lyne/ Saulo Finelon/ Bruno Fernandes/ Vanessa Pedro/ Sérgio Martins/ Paulo Ricardo

Don Quixote
Música: Ludwig Minkus

Coreografia: Marius Petipa

Pas-de-deux extraído do 3º Ato do Ballet “Don Quixote”, baseado no romance de Cervantes, que conta a estória de Kitri, jovem que se apaixona pelo barbeiro Basílio, mas seu pai deseja que ela se case com um nobre rico.  O pas-de-deux representa as bodas do casal, que consegue seu intento graças à ajuda de Don Quixote.

Elenco: Claudia Mota/ Cícero Gomes/ Juliana Valadão/ Carla Carolina/ Deborah Ribeiro/ Fernanda Mart

 

Datas e horários

25/06 (terça-feira) às 12h

26/06 (quarta-feira) às 12h

Todos os ingressos a R$10

Duração Aproximada: 60 minutos
Classificação Indicativa: Livre

Homepage: http://www.theatromunicipal.rj.gov.br/

Instagram: @theatromunicipal

Facebook: https://www.facebook.com/theatro.municipal.3/inbox/

O Theatro Municipal é vinculado à Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro

Realização: Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Festival Internacional de Dança, de 20 a 23 de junho na Cidade das Artes

Entre 20 e 23 de junho, o Rio de Janeiro é palco do Rio H2K — Festival Internacional de Dança, que há nove edições consecutivas promove as danças urbanas e suas múltiplas vertentes de forma ampla e acessível. Mais de 400 mil pessoas já passaram pelo evento em quase uma década. Durante quatro dias, o festival vai levar para a Cidade das Artes workshops, batalhas de danças, festas, feira gastronômica e até um acampamento. O Rio H2k tem direção de produção de Miguel Colker e direção artística de Bruno Bastos.

Nesta nona edição, o Rio H2K traz 16 coreógrafos nacionais e internacionais de cinco países (Estados Unidos, França, Itália, Portugal e República Checa) para ministrarem workshops para todos os públicos. São profissionais que já trabalharam com estrelas como Justin Timberlake, Rihanna, Anitta, Nicki Minaj, Pabllo Vitar, Black Eyed Peas, Beyoncé, Deborah Colker, Ciara, Jennifer Lopez, Selena Gomez, Karol Conka, Britney Spears e Alicia Keys. Entre os convidados internacionais inéditos no Brasil, destaque para os coreógrafos Dafne Bianchi (Itália), Diana Matos (Portugal), Hollywood (Estados Unidos), Sonia Soulshine (França) e Tony Tzar (Estados Unidos).

 

Na programação também estão as apresentações do Showcase, uma mostra não competitiva com 20 grupos de dança do Brasil e de outros países, e o Rio H2K Battles – uma vibrante batalha entre 200 participantes. Este ano, o formato da competição mudou: dançarinos das mais diversas modalidades (hip-hop freestyle, house, popping, locking, breaking, passinho, dancehall, jazz funk, vogue, entre outros) vão participar em uma só categoria. Os artistas serão avaliados por cinco jurados: Meech Onomo (França), Jaja Vankova (República Tcheca), André Rockmaster (Brasil), Dafne Bianchi (Itália) e JP Black (Brasil). O grande vencedor receberá um prêmio de R$ 2.500 e o segundo melhor colocado levará R$ 500. “A ideia é proporcionar uma batalha livre de rótulos em que os dançarinos desafiem a si mesmos e seus oponentes por meio da criatividade, musicalidade e variaedade de ritmos e de estilos”, explica Bruno Bastos, idealizador e diretor artístico do Rio H2k.

Para quem quiser ter a experiência de viver os quatro dias dentro do festival e acampar nos jardins da Cidade das Artes, o Kemp é uma oportunidade única. Há espaço para 165 barracas individuais e também é possível optar entre usar a barraca do festival ou levar a sua própria. O sistema de hospedagem dentro do evento está disponível com a compra do ingresso “passaporte + Kemp”, que inclui também vestiários com chuveiros, área de convivência (com pontos de energia), água potável e posto médico.

SOBRE O RIO H2K

 

Desde a sua primeira edição, em 2011, o Rio H2K já recebeu 56 espetáculos, 196 coreógrafos, 997 workshops e um público aproximado de 415 mil pessoas. A essência do festival é a dança urbana e os seus diferentes gêneros, que vão desde os estilos originais que surgiram nos Estados Unidos, entre as décadas de 1960 e 1980 (breaking, hip-hop, dance house, locking e popping) até as criações mais recentes (dancehall, krumping, stiletto e videodancing). Em 2014, o festival incorporou com sucesso aulas de sapateado e batalhas de passinho. Três anos depois, em 2017, o evento trouxe oficinas de afromix, coco de roda, jongo, samba e zouk. Site oficial: www.rioh2k.com.br

OS COREÓGRAFOS

André Oliveira – passinho (Brasil)

Com apenas 19 anos, ele é dançarino, professor, coreógrafo e pesquisador de movimentos. Integrante da companhia de Dança Passinho Carioca e coreógrafo da Cia. Afro Black, André é uma referência no mundo do passinho. Nas batalhas, acumula vários títulos, entre eles bicampeão de passinho do Rio H2K Battles.

André Rockmaster – coaching/preparação física (Brasil)

Formado em Educação Física e pós-graduado em Fisiologia do Exercício, ele é um dos precursores das danças urbanas no Brasil. Em 1999, já ministrava workshops de locking, popping e breaking em todo o país. Rockmaster é coreógrafo, coach e jurado em competições de dança e já trabalhou com Luciana Mello, Bboy Neguin, Sheilla Mello, Fat Family, Alexandre Pires, além do Cirque du Soleil. Em TV, participou dos programas Domingão do Faustão e TV Xuxa, da Rede Globo, e Vai Dançar, do Multishow.

 

Cat Cogliandro – contemporary fusion (Estados Unidos)

Citada pela revista americana Dance Spirit como uma das 13 melhores jovens coreógrafas da atualidade, a texana participou dos programas de TV So You Think You Can Dance e America’s Got Talent. Cat é professora de dança na badalada Movement Lifestyle e comanda a sua própria companhia de dança, a Catastrophe!

 

Dafne Bianchi – dancehall (Itália) – Primeira vez no Brasil

Italiana residente em Paris, ela se formou em dança de salão com o coreógrafo Camron One-Shot e, em seguida, aprimorou os estilos fundamentais do hip-hop na Juste Debout School.  Em 2016, Dafne foi jurada na categoria de dança de salão do Juste Debout, maior evento mundial das urbanas. Trabalhou com a atriz e dançarina Parris Goebel e com a banda de electro-pop Hyphen Hyphen, além de ter participado do musical Os três mosqueteiros. Juntamente com seu marido, Bianchi criou uma peça para o Teatro Nacional Chinês de Kunming. Atualmente, faz parte do grupo Scandalize.

 

Diana Matos – hip-hop (Portugal) – Primeira vez no Brasil

Há oito anos, a vida desta bailarina portuguesa mudou. Viajou de Lisboa para Londres para tentar a vida e, desde então, já trabalhou com Beyoncé, Jessie J., Nicki Minaj, Missy Eliot e Pharrell, entre outros. Atualmente integra o grupo de dançarinos da turnê mundial The Man of the Woods, em que dança lado a lado com Justin Timberlake. É considerada a melhor dançarina portuguesa da atualidade.

 

Filipi Ursão – hip-hop (Brasil)

Apresentador oficial do Rio H2K, ele foi coreógrafo da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e do Palco Street Dance do Rock in Rio. Já deu aulas em diversas cidades como Los Angeles, Paris e Amsterdã. Participou de projetos como Rio Eu Te Amo e como jurado e dançarino na TV Xuxa.

Gabriel Braga – contemporary fusion (Brasil)

Conhecido por ter um estilo único de dança ao misturar hip-hop com contemporâneo, Gabriel Braga é coreógrafo e diretor do Project H[u]mans. Participou de festivais de peso no mundo do hip-hop com as companhias de dança JS Company e Le Cousa Contemporânea.

Hollywood – hip-hop (Estados Unidos) – Primeira vez no Brasil

Nascido em Porto Rico e criado em Nova York, o coreógrafo e dançarino Hollywood dança desde os cinco anos de idade. Ele recebeu uma bolsa de estudos na Broadway Dance Center, em Nova York. Quando a bolsa acabou, Hollywood sabia que precisava continuar seus estudos, mas não podia pagar as aulas. Então, ele se inscreveu no programa de trabalho da BDC, que permitia que os dançarinos administrassem e limpassem as instalações em troca de aulas. Sua carreira profissional alavancou quando ele se tornou o coreógrafo da estrela do hip-hop Lil Mama. De lá pra cá, já trabalhou com Jennifer Lopez, Chris Brown, Ciara, Diddy, Rihanna, Nicki Minaj, Beyoncé, entre muitas outras celebridades.

 

JC Seven – hip-hop (Brasil)

A vida do paulista Jean Carlos, mais conhecido por JC, mudou ano passado durante a oitava edição do Rio H2K. Por ter se destacado no workshop da coreógrafa Ysabelle Capitule, o jovem de 20 anos foi o ganhador de uma bolsa de estudos no FairPlay Dance Camp, na Polônia, e teve a oportunidade de dançar com renomados profissionais do mundo todo. Agora, ele vai dividir essa experiência com o público do Rio H2K. JC inicou seus estudos em danças urbanas há 12 anos. Atualmente é professor do Westside Dance Studio, em São Paulo, faz parte do grupo de coreográfos do artista Kafé e também trabalha com a cantora Lia Clark. Já atuou como dançarino de artistas como Manu Gavassi, Dj Yuri Martins e Banda uó. Fez parte do Grupo Anonymous Crew durante quatro anos e hoje é fundador e integrante da companhia Westside.

 

JP Black – locking e popping (Brasil)

Dançarino, professor e coreógrafo do grupo Funkeados, JP Black é uma referência em locking na América do Sul. Em 2017, ficou em segundo lugar na batalha do estilo no Juste Debout, considerado um dos maiores festivais de danças urbanas do mundo, realizado anualmente na França. Foi tetracampeão da batalha de locking do Rio H2k e, em 2016, foi convidado para fazer parte da banca de jurados. No Chile, foi campeãpo da batalha de locking do festival Street Dance Machine, em Santiago. Na Argentina, foi jurado da batalha da modalidade e professor no festival Hit Tha Beat, em Mendoza. É professor de diversos projetos sociais de dança, entre eles o promovido pelo Rio H2K no Viaduto de Madureira.

Jaja Vankova – krumping e robotting (República Checa)

Dançarina do I.aM.mE Crew, grupo campeão da sexta temporada do MTV’s Americas Best Dance Crew, ela também participou do Paramount’s League of Extraordinary Dancers, mais conhecido como The LXD, e do filme Step Up 5 interpretando a Robot Girl. Vankova venceu diversas competições de dança urbana e batalhas, além de ter participado de campanhas para marcas como Nike, Puma, Vlado, Scoodie e Aqua. Ela também coreografou e estrelou vídeos para artistas como Skrillex, Nick Cannon e Far East Movement.

Juan Chi – vogue femme (Brasil)

Referência nacional nas vertentes de danças urbanas, balé clássico, jazz e contemporâneo, Juan Chi venceu o Prêmio Açorianos de Dança com seu trabalho de difusão do vogue e na cena queer de Porto Alegre. Já trabalhou com artistas como Bob the Draq Queen, Karol Conka, Mateus Carrilho, Tainá Costa, Lorena Simpson e Pabllo Vittar. Leciona aulas regulares de danças urbanas nas escolas Dept Cult e Infocus Studio de Dança, em São Paulo. Criou o coletivo de arte YRENES, no qual é integrante e performer, além da House of Zion, onde desenvolve seu trabalho com o Voguing.

 

Meech Onomo – hip-hop e house (França)

Michel Onomo, conhecido como Meech, trilhou desde cedo seu caminho na dança, mais especificamente no hip-hop. Ele se especializou em hip-hop e em house dance, tornando-se um especialista no cenário mundial, vencedor de quatro edições do Juste Debout. Desde 2007, vem desenvolvendo seus próprios projetos como coreógrafo. Seus solos foram apresentados na Biennale de la Danse de Lyon, seguido de turnês nos Estados Unidos e Japão.

Pedro Reis – jazz funk e heels (Brasil)

Bailarino, coreógrafo e professor, Pedro Reis trabalha atualmente com o coreógrafo francês Yanis Marshall, conhecido por dançar sobre saltos altos vertiginosos. Além de ter estudado danças urbanas, Pedro dedicou-se também ao balé clássico, jazz dance e contemporâneo. Fez parte do grupo Westside Full, integra o balé do cantor Rodrigo Teaser com o show Tributo ao Rei do Pop (Michael Jackson) e também faz parte do balé do cantor Mateus Carrilho. Participou de clipes de Rafael VIdalles, Daniel Salve, Kefera, ZEK, Marihanna, Aretuza Lovi, Mateus Carrilho e Johnny Hooker. Coreografou o clipe “Mulher Gato”, da cantora Wanessa Camargo, e o evento Miss São Paulo, no qual também foi bailarino. Ano passado, fez parte do balé da cantora/drag Trixie Mattel (RuPaul Drag Race) no The Globe Theatre em Los Angeles.

Sonia Soulshine – Waacking (França) – Primeira vez no Brasil

Dançarina, coreógrafa e professora francesa, Sonia começou a dançar hip-hop em 1998.  Integrou várias companhias profissionais de dança na Europa e também coletivos como “llicit Dance”, “Alpha Division”, “Art of Urban Dance” (Niels “Storm” Robistsky) e “Interpretationzz” (John Agelisas). Depois de dançar com esses grupos predominantemente masculinos, ela começou a dançar Waacking. Imbuída de uma forte técnica do Funkstyle, Sonia pratica Waacking há mais de 20 anos, com muita elegância e feminilidade.

 

Tony Tzar – hip-hop (Estados Unidos) – Primeira vez no Brasil

O talento de Tony Tzar para a dança vem de berço. Sua mãe, apesar de militar das forças aéreas, era breakdancer, e o influenciou bastante. Ainda jovem, modou-se de Washington para Los Angeles com apenas 600 dólares e uma mala de roupas. Ao chegar, ele não tinha onde ficar e morou na rua por um mês. Tony já trabalhou com Britney Spears, Jason Derulo, Alicia Keys, Jessi Malay e Iyaz. E já viajou a trabalho para países como Polônia, Ítália, Reino Unido, África do Sul, Coreia, Taiwan, Japão, Austrália, Nova Zelândia, Singapura, Eslovênia, Suécia, Ucrânia, Suíça, México, Guame e Rússia.

 

PROGRAMAÇÃO DIÁRIA

 

20/06 (Quinta)

Praça

14h – Pedro Reis

15h45 – Meech Onomo

17h30 – Jaja Vankova

19h15 – Cat Cogliandro

Palco Start

14h15 – Sonia Soulshine

16h – Filipi Ursão

17h45 – Dafne Bianchi

19h30 – JP Black

21/06 (Sexta)

 

Praça

11h – Meech Onomo

12h45 – Filipi Ursão

14h15 – Hollywood

16h15 – Diana Matos

Palco Start

11h – André Oliveira DB

12h45 – Pedro Reis

14h15 – Jaja Vankova

16h15 – Sonia Soulshine

Praça

19h – Apresentação de grupos no Showcase

22/06 (Sábado)

Praça

10h – JP Black

11h45 – Dafne Bianchi

13h30 – Meech Onomo

15h15 – Tony Tzar

17h – Diana Matos

18h45 – Hollywood

23h – Festa Rio H2K Dance Party com DJs Bruno X, JP e TAP

Palco Start

10h – André Rockmaster

13h30 – JC Seven

15h15 – André Oliveira DB

17h – Juan Chi

18h45 – Cat Cogliandro

Sala dança

10h – SoulSync com Cat Cogliandro, Gabriel Braga e Pedro Reis

Sala Eletroacústica

16h30 – 17h30 – Credenciamento Sala Eletroacústica

18h – Seletiva Rio H2K Battles

23/06 (Domingo)

Praça

10h – Dafne Bianchi

11h30 – Jaja Vankova

13h – Meech Onomo

18h15 – Tony Tzar + Bolsa Fair Play

Palco Start

10h – Juan Chi

11h45 – JC Seven

13h30 – Pedro Reis

Sala Dança

10h – Hollywood

11h30 – Tony Tzar

13h – Diana Matos

Teatro Câmara

16h30 – Final Rio H2K Battles

 

 

SERVIÇO

Rio H2k – Festival Internacional de Dança

Data: de 20 a 23 de junho

Local: Cidade das Artes Av. das Américas 5300, Barra da Tijuca.

Tel.: 3325 0102.

Bilheteria: de terça a domingo, das 10h às 18h.

Ingressos: www.rioh2k.com.br/ingressos

Passe diário (dá direito a todas as atrações do dia, exceto as aulas dos Intensivos): R$ 180 (meia-entrada) e R$ 360 (inteira) 

Passaporte (pacote para todos de Rio H2k): R$ 300

Intensivos: valores entre R$ 150 e R$ 220

 

Dia 23/5, às 16h30, Teatro de Câmara:

Final RioH2K Battles: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)

 

Dia 22/6, às 23h, Palco Praça:

Festa RioH2k Party com DJs Bruno X, JP e TAP: Entrada franca. 

Grupo SATS celebra três anos com ocupação no Teatro Cacilda Becker, no Rio de Janeiro

Dotados de razão, formuladores de ideias e ideais, capazes de feitos grandiosos e também de atrocidades. Afinal, o que pode ser o humano? Com essa pergunta em mente – e no corpo – o Grupo SATS reestreia o espetáculo UMAN, no Teatro Cacilda Becker, no Rio, dentro de uma Ocupação que celebra os três anos da companhia.

 

Definido pelos intérpretes-criadores como um dispositivo que dispara no público múltiplas possibilidades de resposta, UMAN traz ao centro do acontecimento conexões e discursos que abordam a ideia sobre o ser.

 

“UMAN é o primeiro trabalho do Grupo SATS e continua sendo o lugar em que pesquisamos formatos, poéticas, dramaturgias e o corpo. Com o tempo, entendemos que tudo se atualiza, modifica, e reconstrói, inclusive trabalhos de arte. E como falar de humanidade sem falar do transitório, da contradição, do que escapa, do que morre?”, aponta Deisi Margarida, intérprete e co-diretora do espetáculo.

 

A reestreia acontece depois de uma itinerância em 2018 quando o espetáculo foi apresentado em espaços alternativos da cidade, o que possibilitou a Deisi e Rodrigo Gondim, intérprete e co-diretor, chegarem à nova proposta: uma performance que se atualiza a cada nova aparição, instigando e sendo instigada pelo espaço, por gestos e palavras, trazendo ao público novas frequências e formas de olhar.

 

“UMAN  é um acontecimento em trânsito, uma reflexão que tem pela via da dança seu estado de incorporação. É um discurso que necessita de constante revisão, por isso, intrínseco a seu formato, está sua própria diluição”, afirma Deisi. “É um lugar que precisa de ativação. Por isso um olhar para a plateia que é novo, muito mais poroso, com mais abertura ao inesperado”, finaliza Rodrigo.

 

A curta temporada de UMAN acontece entre os dias 13 e 16 de junho, de quinta a domingo. O Grupo oferecerá também a oficina gratuita de dança contemporânea LAB IMproviso  CONtato IMagem no sábado, dia 15, entre 14h e 17h. Para participar, é necessário inscrição prévia pelo e-mail gruposats@gmail.com (informações no serviço).

 

SOBRE O GRUPO SATS

 

SATS significa “o encontro dos contrários”. É uma palavra de origem escandinava usada por Eugênio Barba (diretor do grupo Odin Teatret e criador do conceito da Antropologia Teatral) para designar o lugar do ímpeto, onde toda energia está em sua força potencial; o instante entre o agachar e o salto para realizar o pulo. Neste estado, há o encontro de duas forças opostas, o impulso e o contra-impulso, e é nessa oposição complementar que está posta a vida de uma ação.  Esta imagem – de duas oposições complementares que juntas fundamentam o cerne de algo – é a imagem usada para definir o trabalho da companhia, fundada em 2016 por Deisi Margarida e Rodrigo Gondim, no Rio de janeiro.

SERVIÇO

UMAN

13,14,15 e 16 de junho

Horário: Qui a sáb 20h, dom às 19h

Valor: R$ 30 (inteira) R$15 (meia).

Duração: aproximadamente 40 minutos

Teatro Cacilda Becker

Rua do Catete, 338 – Largo do Machado

Telefone: (21) 2265-9933

Classificação etária: 16 anos

LAB IMproviso  CONtato IMagem

15 de junho, sábado.

De 14 às 17h

Entrada Gratuito

Inscrições: Enviar nome e telefone para gruposats@gmail.com

Público-alvo: artistas e estudantes de Artes Cênicas e das artes do movimento em geral, a partir de 16 anos.

FICHA TÉCNICA

Concepção e direção

Deisi Margarida e Rodrigo Gondim

Composição sonora

Luciano Pozino

Figurino

Nivea Faso

Luz

Fernanda Montovagni

Produção

Deisi Margarida

Design

Marcos Correa

Operação de luz e som

Debora Thomas

Fotógrafo

Igor Keller

Assessoria de Imprensa

Ana Pinto | Pequena Via Produções

“O Lago dos Cisnes” no Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Odette e Odile: Claudia Mota (Primeira Bailarina BTMRJ), Danielle Marinho ou Marcella Borges

Príncipe Siegfried: Filipe Moreira (Primeiro Bailarino do BTMRJ) ou Alyson Trindade ou Ghabriel Gomes

22 JUN 2019 – 19h & 23 JUN 2019 – 17h

Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Preços populares: Plateia e Balcão Nobre R$ 50,00, Balcão Superior R$ 30,00 e Galeria R$10,00.

 A obra é sobre a história do jovem Príncipe Siegfried, que se apaixona por Odette, uma rainha transformada em cisne por um feiticeiro malvado. Odette explica a Siegfried que ela está condenada a permanecer como cisne até ser resgatada por um homem que jure amor eterno a ela. Depois de percalços, o príncipe consegue destruir o feitiço, transformar sua amada novamente em mulher e, juntos, viverem felizes para sempre.

Companhia de Danças de Diadema apresenta espetáculo de Ana Bottosso no Sérgio Cardoso

A Companhia de Danças de Diadema apresenta o espetáculo EU por detrás de MIM nos dias 13 e 14 de junho (quinta e sexta), no Teatro Sérgio Cardoso, às 19h. Os ingressos custam R$ 10,00 a inteira e R$ 5,00 a meia-entrada.

Com direção e coreografia de Ana Bottosso, a montagem foi inspirada em obras do artista visual dinamarquês Olafur Eliasson e no conto O Espelho, de Guimarães Rosa.

EU por detrás de MIM – por sua criadora Ana Bottosso – foi vencedor do Prêmio APCA 2017 (Melhor Criação Coreográfica) e Prêmio Governador do Estado de São Paulo para a Cultura 2018 (Modalidade Dança / Coreografia).

Transitando pelos meandros dos reflexos e das reflexões, Ana Bottosso imaginou um universo por detrás dos espelhos, um mundo além  do que conhecemos, para conceber a coreografia de EU por detrás de MIM. Seria este mundo mais – ou menos – real? Esta, e outras questões, surgiram durante o processo de criação, norteando a pesquisa cênica que foi construída em conjunto com o elenco da Companhia de Danças de Diadema. Já a trilha sonora foi especialmente criada por Fábio Cardia, fazendo uma analogia aos reflexos sonoros.

Desde o primeiro contato com Olafur Eliasson na exposição Seu Corpo da Obra, na Pinacoteca de São Paulo, em 2012, Ana Bottosso se sentiu motivada a criar algo que tratasse dos espelhos e seus reflexos. Na exposição, espelhos eram posicionados em locais inusitados que se revelavam de forma inesperada, aguçando a sensibilidade da coreógrafa e levando-a a iniciar uma pesquisa sobre o assunto. “As situações espaciais provocadas pelos espelhos eram de profunda ambiguidade sobre o dentro e o fora. E esta ambiguidade foi trazida para o corpo, traduzida pela dança”, comenta a coreógrafa.

O espetáculo também recebeu influências do poético conto O Espelho, de Guimarães Rosa, no qual apresenta uma inquieta personagem e a descoberta de sua essência. “Encontrar ou pelo menos ter ciência da existência de outro(s) eu(s) que possa(m) coexistir com o nosso EU comum é o desafio do espetáculo, que também convida o expectador a uma reflexão”, argumenta Ana Bottosso.

Ficha técnica

Direção geral: Ana Bottosso. Coreografia: Ana Bottosso. Assistência de direção e produção administrativa: Ton Carbones. Assistência de coreografia: Carolini Piovani. Concepção musical: Fábio Cardia. Desenho e operação de luz: Silviane Ticher. Sonoplastia: Daniela Garcia / Jeh Salles. Confecção de figurinos: Cleide Aniwa. Professor de dança clássica: Márcio Rongetti e Paulo Vinícius. Professor de dança moderna: Reinaldo Soares. Orientação de yoga: Daniele Santos. Professores de dança contemporânea: Ana Bottosso, Carolini Piovani, Elton de Souza e Ton Carbones. Condicionamento físico: Carolini Piovani. Assessoria de imprensa: Verbena Comunicação. Assistência de produção: Daniela Garcia / Jeh Salles.

Elenco: Carlos Veloso, Carolini Piovani, Daniele Santos, Danielle Rodrigues, Elton de Souza, Guilherme Nunes, Júlia Brandão, Leonardo Carvajal, Thaís Lima, Ton Carbones e Zezinho Alves.

www.ciadedancas.apbd.org.br/

Facebook: @companhiadedancas | Instagram: @ciadedancasdiadema

Serviço

Espetáculo/dança: EU por detrás de MIM

Com: Companhia de Danças de Diadema

Datas: 13 e 14 de junho – quinta e sexta, às 19h

Ingressos: 10,00 (meia: R$ 5,00)

Duração: 50 min. Classificação: 14 anos

Teatro Sérgio Cardoso

Sala Paschoal Carlos Magno (144 lugares)

Rua Rui Barbosa, 153 – Bela Vista. São Paulo/SP.

Tel: (11) 5061-1132

[http://www.teatrosergiocardoso.org.br%20%0d]www.teatrosergiocardoso.org.br

Cia de Danças de Diadema – 24 anos!

Premiada e atuante no Brasil e no exterior, a Companhia de Danças de Diadema comemora 24 anos de história com apresentações no Teatro Clara Nunes, no Centro Cultural Diadema, nos dias 17, 18 e 19 de junho. Os ingressos são grátis e devem ser retirados com 1 hora de antecedência.

Nos dias 17 e 18/5 (sexta e sábado, às 15h), a Companhia mostra seu mais novo espetáculo Nas Águas do Imaginar, montagem inédita para o público infantil com coreografia de Ton Carbones. No dia 18/5 (sábado, às 20h), o grupo entra em cena com Força Fluída, cuja coregrafia foi criada pelo sul-coreano Jaeduk Kim. E fechando a comeoração, no dia 19/5 (domingo, às 19h), o grupo apresenta EU por detrás de MIM, criação de Ana Botosso, vencedora dos prêmios APCA 2017 (Melhor Criação Coreográfica) e Governador do Estado de São Paulo 2018 (Modalidade Dança / Coreografia).

Nas Águas do Imaginar

Com coreografia de Ton Carbones, Nas Águas do Imaginar é a terceira montagem da Companhia de Danças de Diadema criada para o público infantil, precedida por A Mão do Meio – Sinfonia Lúdica (2015) e Meio em Jogo (2010). Esta é apenas uma apresentação que antecede sua estreia oficial nos palcos, a qual será informada oportunamente.

O espetáculo fala de uma criança que, ao dormir, é surpreendida por seres fntásticos que surgem em seu quarto, instigando uma viagem ao mundo do imaginar. Buscar o que está do lado de fora ou desbravar seu interior? Qual caminho seguir? A partir destas perguntas, o espetáculo convida para uma viagem por esse universo repleto de surpresas e fantasias. Basta pegar a passagem que custa apenas instantes de imaginação.

Força Fluída

Com coreografia assinada pelo sul-coreano Jaeduk Kim e direção geral de Ana Bottosso, Força Fluída estreou em 2017. O espetáculo harmoniza força e delicadeza em movimentos inspirados na cultura ancestral oriental pelo viés contemporâneo de Jaeduk. Artista de múltiplas facetas, o coreógrafo criou a trilha sonora baseada em cânticos de sua tradição oriental, utilizando a sonoridade de instrumentos típicos de sua cultura e voz monocórdia. A coreografia transita pelo minimalismo dos movimentos que dialogam com a música, com os sons, ora expressando-se com a força de um guerreiro, ora com a delicadeza de uma folha caindo no outono. Esses e demais elementos da ancestral cultura oriental se encontram na obra, traduzidos pelo olhar contemporâneo e sensível do criador e dos intérpretes da Companhia, que atuam em Força Fluída.

Sinopse: O fluxo natural vem da natureza. O fluxo da respiração está de acordo com a natureza. Qual é a força que flui…? O que faz o forte fluir…? (por Jaeduk Kim)

EU por detrás de MIM

A montagem EU por detrás de MIM (2017), que tem concepção, direção e coreografia assinadas por Ana Bottosso, foi inspirada em obras do artista visual dinamarquês Olafur Eliasson e no conto O Espelho, de Guimarães Rosa. Encontrar-se, perder-se, acreditar na imagem que lhe é refletida ao se deparar com os espelhos pode ser um profundo engano, mas como saber? Mergulhar em um mundo de reflexos, complexos, com nexos ou desconexos pode ser uma viagem sem volta.

Transitando pelos meandros dos reflexos e das reflexões, Bottosso imaginou um universo por detrás dos espelhos, um mundo além  do que conhecemos, para conceber a coreografia, em conjunto com o elenco da Companhia. A trilha sonora, especialmente criada por Fábio Cardia, faz uma analogia dos reflexos sonoros. Desde o primeiro contato com Olafur Eliasson na exposição Seu Corpo da Obra, em 2012, Ana sentiu-se motivada a criar algo que tratasse dos espelhos e seus reflexos. “As situações espaciais provocadas pelos espelhos eram de profunda ambiguidade sobre o dentro e o fora. Isto veio para o corpo, traduzido pela dança”, comenta. O prorcesso recebeu também influências do conto O Espelho, de Guimarães Rosa, que apresenta uma inquieta personagem e a descoberta de sua essência. “Encontrar ou pelo menos ter ciência da existência de outro(s) eu(s) que possa(m) coexistir é o desafio do espetáculo”, argumenta Ana Bottosso.

Ficha técnica

Direção geral: Ana Bottosso. Coreografia (Nas Águas do Imaginar): Ton Carbones e elenco. Coreografia (Força Fluída): Jaeduk Kim (Coreia do Sul). Coreografia (EU por detrás de MIM): Ana Bottosso. Assistência de direção e produção administrativa: Ton Carbones. Assistência de coreografia: Carolini Piovani. Concepção musical (Nas Águas do Imaginar): Luciano Sallun. Concepção musical e figurino (Força Fluída): Jaeduk Kim. Concepção musical (EU por detrás de MIM): Fábio Cardia. Desenho e operação de luz: Silviane Ticher. Sonoplastia: Daniela Garcia / Jeh Salles. Concepção e confecção de figurinos (Nas Águas do Imaginar): Rhazuk Perez. Confecção de figurinos (Força Fluída): Célia Bonifácio. Confecção de figurinos (EU por detrás de MIM): Cleide Aniwa. Cenógrafia e adereços (Nas Águas do Imaginar): Ateliárea Daniel Sapiência e Paula Martins. Professores de dança clássica: Márcio Rongetti e Paulo Vinícius. Professor de dança moderna: Reinaldo Soares. Orientação de yoga: Daniele Santos. Professores de dança contemporânea: Ana Bottosso, Carolini Piovani, Elton de Souza e Ton Carbones. Condicionamento físico: Carolini Piovani. Assessoria de imprensa: Verbena Comunicação. Assistência de produção: Daniela Garcia / Jeh Salles.

Elenco: Carlos Veloso, Carolini Piovani, Daniele Santos, Danielle Rodrigues, Elton de Souza, Guilherme Nunes, Júlia Brandão, Leonardo Carvajal, Thaís Lima, Ton Carbones e Zezinho Alves.

www.ciadedancas.apbd.org.br/

Facebook @companhiadedancas | Instagram @ciadedancasdiadema

Serviço

 

Companhia de Danças de Diadema – 24 Anos

 

17 e 18 de maio (sexta e sábado, às 15h) – Nas Águas do Imaginar

18 de maio (sábado, às 20h) – Força Fluída

19 de maio (domingo, às 19h) – EU por detrás de MIM

Centro Cultural Diadema – Teatro Clara Nunes

Rua Graciosa, 300. Centro, Diadema. Tel: (11) 4056-3366

Entrada franca (chegar com 1h de antecedência) – Classificação: Livre. 370 lugares