Cinemark inaugura cinema no Rio

A Rede Cinemark acaba de inaugurar seu 68º complexo no Brasil, no Shopping Metropolitano Barra, localizado na zona oeste do Rio de Janeiro. O mais novo espaço de lazer e entretenimento da capital fluminense possui sete salas de cinema inteiramente digitais, das quais quatro contam com a tecnologia 3D e uma é equipada com a tecnologia Extreme Digital Cinema (XD). O complexo tem capacidade total para 1.557 espectadores.
Com o início das operações no Shopping Metropolitano Barra, a maior rede exibidora do Brasil inaugura o seu 5º complexo de cinema na cidade do Rio de Janeiro. “O novo cinema é mais uma opção de entretenimento que a Cinemark oferece aos cariocas, e está equipado com o que há de mais moderno em termos de exibição. A sala XD, por exemplo, dá ao espectador a impressão de fazer parte do filme”, afirma Bettina Boklis, diretora de Marketing da Cinemark.
A tecnologia Extreme Digital Cinema (XD), presente em uma sala do complexo, representa um avanço para as salas tradicionais de cinema, em termos de projeção 2D e 3D. A tela é 40% maior que as convencionais e ocupa toda a parede, do teto ao chão da sala. A sonorização, desenhada e ajustada para os padrões Cinemark, conta com 50 mil watts de potência, contra uma medida média de 8 mil a 12 mil de uma sala convencional, além de 7,1 canais de áudio.
O atendimento ao cliente é outro diferencial do Cinemark Metropolitano Barra. A Rede disponibiliza quatro terminais de autoatendimento, proporcionando conforto e comodidade aos usuários na hora da compra dos ingressos, sem custos e taxas adicionais. O sistema é de fácil navegação. Com simples toques na tela é possível acessar a programação, efetuar a compra para assistir ao filme desejado e ainda escolher as poltronas. A transação nos terminais pode ser realizada com os cartões de débito e de crédito Visa, Master e Amex. Em toda a Rede, 336 terminais já estão à disposição dos clientes Cinemark.
No snack bar, a Rede ainda conta com o serviço express. De sexta a domingo, os produtos de bombonière adquiridos antecipadamente, juntamente com o ingresso, nos totens de autoatendimento, site ou bilheteria, podem ser retirados diretamente no caixa dedicado ao atendimento rápido.

Serviço:
Cinemark – Metropolitano Barra Shopping
Endereço: Av. Abelardo Bueno, 1.300

“A onda da vida” – Eu fui!

Cinematograficamente falando, os adolescentes não têm do que reclamar. Muitos filmes que estão estreando ultimamente são voltados para eles. É o caso de “A onda da vida – Uma história de amor e surf”, fruto de José Augusto Muleta. Experiente em filmes comerciais e videoclipes, faz agora sua estreia como diretor de longas metragens.

O filme conta a história de três amigos que saem de carro do Rio de Janeiro com destino ao litoral da Bahia em busca da onda perfeita. No caminho, o carro quebra e eles têm que interromper a viagem. Param na Vila de Regência, no Espírito Santo, um paraíso desconhecido com ondas perfeitas.

Segundo o produtor executivo Rik Nogueira, a história não é real, mas poderia ser. “A gente brincou com personagens reais, mas é uma ficção. Mas você vendo o filme fica acreditando mesmo que existe essa história. Que vai chegar lá em Regência e vai encontrar mesmo o Thiago e a Thalena”, diz.  Esta personagem é a mocinha do filme, também se chama Thalena e é moradora de Vila de Regência.

O público do filme é bem específico. Adolescente, surfista. Como não me identifico com nenhuma das duas categorias, tive dificuldade em me envolver com a história. O enredo também tenta passar mensagens no sentido good vibe. Os três amigos encontram a Vila de Regência por acaso e, mesmo estando sem dinheiro e sem conhecerem ninguém por lá inicialmente, são acolhidos pelos moradores locais. O que os leva a perceber que não precisam de muito para serem felizes.

Outra referência a essa simplicidade está o orçamento curto do filme, R$ 65.000,00. O elenco também é composto boa parte pelos moradores de Vila de Regência, cujo preparo foi feito pelo próprio diretor. Em troca, ele mostra um pouco da cultura deles na telona, como a banda do congo, tradição da região.

Aos interessados em “embarcar nessa onda”, o filme será exibido no Cinépolis São Gonçalo. Aqui no Rio de Janeiro, pois também haverá apresentação em outras cidades, como São Paulo, Vitória e Santos.


Trailer:

Arena Dicró exibe o documentário “Remoção”

“Remoção” é um documentário que mostra o processo de remoção das favelas da Zona Sul nas décadas de 60 e 70. Com direção e roteiro de Luiz Antonio Pilar e Anderson Quack, o filme vencedor da Mostra competitiva de longa metragem documental do RECINE 2013 (Festival Internacional de Cinema de Arquivo) tem única exibição na Arena Dicró, no dia 28 de junho. A entrada é gratuita e a classificação etária é livre.
Com patrocínio da Petrobras, o filme conta através de depoimentos o processo de remoção das favelas da Zona Sul, que deram origem à primeira experiência de criação de conjuntos habitacionais. Pilar e Quack viveram esse processo e querem mostrar para o público como tudo aconteceu. Enquanto que para o Quack foi uma experiência negativa, para a família de Pilar foi a conquista da casa própria. “O Quack e a família dele foram removidos do morro Macedo Sobrinho, em Botafogo, para a Cidade de Deus. Eles foram obrigados! Meu caso foi ao contrário. Eu saí com a minha família da Vila Vintém para o conjunto habitacional, e meu pai comprou um apartamento”, relembra Pilar.
“Eu sempre quis entender como fui parar na Cidade de Deus! Comentei com o Pilar e resolvemos realizar o projeto. A motivação de nós dois foi entender o processo da mudança. Para mim foi doloroso, mas para a família do Pilar foi um degrau na vida deles”, conta Quack.
Entre as favelas removidas mostradas no longa, estão o Parque Proletário da Gávea, na Gávea, Praia do Pinto, no Leblon, Ilha das Dragas e Morro da Catacumba, na Lagoa, Morro Macedo Sobrinho, em Botafogo, e Morro do Pasmado, em Copacabana, que deram origem à primeira experiência de criação de conjuntos habitacionais, criando os conjuntos de Vila Kennedy, Vila Aliança, Cidade de Deus, Cidade Alta, em Cordovil, Dom Jayme Câmara, em Padre Miguel, e a Cruzada São Sebastião.
Durante as filmagens, cerca de 60 pessoas foram entrevistadas, entre elas: moradores que foram removidos, professores, mestres e doutores sobre o tema e os remanescentes mentores e primeiros executores do projeto como Sandra Cavalcanti – Assistente social e secretária no Governo de Lacerda e o Sr. Giuseppe Badolato – arquiteto que projetou a maioria das moradias dos conjuntos. Todos os pontos de vistas são expostos para que o expectador tire as suas conclusões de como realmente tudo aconteceu.
Além dos depoimentos, o longa traz imagens das remoções e uma propaganda eleitoral mostrando o quanto as mudanças foram benéficas para os favelados. No contraponto, testemunho de pessoas que foram tiradas à força e levadas para locais muitas vezes indesejados, sem saneamento básico, transporte, entre outros problemas. Um dos moradores removidos do Morro da Catacumba conta que foi contratado para guiar a equipe de assistentes sociais que fazia o levantamento sócio-econômico das famílias, para que fosse feita a distribuição pelos Conjuntos Habitacionais. Perguntado como era esse serviço, respondeu que era tranquilo, “botava um revólver na cintura e acompanhava aquelas meninas, filhinhas de papai, pela favela”.
“Trata-se de um filme que está em voga. Infelizmente a cidade do Rio de Janeiro não está se remodelando, mas está repetindo o processo de remoções compulsórias sem diálogo, da mesma maneira como fez há 40, 50 anos atrás. É um processo de dominação, e que você acaba percebendo que é de expulsão mesmo do pobre dos grandes centros urbanos”, conclui Luiz Antonio Pilar.
Direção, Argumento, Roteiro – Luiz Antonio Pilar, Anderson Quack

Serviço:
Data: 28/06 (sábado)
Horário: 16h
Local: Arena Carioca Dicró – Carlos Roberto de Oliveira
Endereço: Parque Ari Barroso, Penha (entrada pela rua Flora Lobo)
Telefone: (21) 3486-7643
Entrada gratuita
Classificação etária: Livre

Top 5 de filmes para o Dia dos Namorados

Mais um Dia dos Namorados chega e, como em todos os anos, restaurantes, cinemas… TUDO LOTADO! Pensando nisso, fiz aqui uma pequena lista de filmes a que assisti este ano e, de alguma forma, indico para vocês. Todos já estão fora de cartaz. Portanto, fica mais fácil e acessível para que vejam no conforto do lar, sem precisar enfrentar fila.

Vamos a eles:

 

1 – Hoje eu Quero Voltar SozinhoFoto: Divulgação

Leonardo (Guilherme Lobo), um adolescente cego, tenta lidar com a mãe superprotetora ao mesmo tempo em que busca sua independência. Quando Gabriel (Fabio Audi) chega na cidade, novos sentimentos começam a surgir em Leonardo, fazendo com que ele descubra mais sobre si mesmo e sua sexualidade.

Filme nacional muito interessante que causou muitos comentários no início do ano.

 

 

2 – Medianeras: Buenos Aires na Era do Amor Virtual

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Martin (Javier Drolas) está sozinho, passa por um momento de depressão e não se conforma com a maneira com a cidade de Buenos Aires cresceu e foi construída. Web designer, meio neurótico, pouco sai e fica grande parte do tempo no computador. É através da internet que conhece Mariana (Pilar López de Ayala), sua vizinha também solitária e desiludida com a vida moderna numa grande cidade.

Outro filme sulamericano bem interessante. Mostra como uma história de amor pode surgir, até mesmo da maneira mais inusitada possível.

 

 

 

 

 

 

3 – Cartas para Julieta

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Sophie (Amanda Seyfried) é uma aspirante a escritora que viaja para a Itália ao lado do noivo Victor (Gael García Bernal), que sonha em ter seu próprio restaurante. Em Verona, onde se passou a história de Romeu e Julieta, local perfeito para uma lua de mel antecipada, Sophie acaba percebendo que seu noivo está mais interessado nos fornecedores para seu restaurante do que nela. Na cidade descobre uma antiga carta de amor e junta-se a um grupo de voluntárias que responde a estas missivas amorosas. Para sua surpresa, a remetente Claire Smith (Vanessa Redgrave) ouve o conselho dado na resposta e vai procurar Lorenzo, por quem se apaixonou na juventude. Mas existem muitos italianos com o mesmo nome e Sophie demonstra interesse em ajudá-la na tarefa, desagradando o neto Charlie (Christopher Egan), que já tinha reprovado essa louca aventura da avó viúva.

Filme bacana para quem se interessa por histórias de amor e quer apreciar as belas paisagens italianas.

 

 

 

4 – O casamento do meu melhor amigo

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Julianne (Julia Roberts) e Michael (Dermot Mulroney) combinaram que, se ambos continuassem solteiros quando completassem 28 anos, se casariam. Quando recebe um telefonema do amigo, às vésperas da fatídica data, anunciando que está prestes a se casar, mas com outra (Cameron Diaz), Julianne se descobre apaixonada por ele e aceita o convite para ser madrinha, mas com segundas intenções.

Você não leu errado quando escrevi que estes são filmes a que assisti este ano. Apesar de ser um clássico da comédia romântica, acredita que vi somente há pouco tempo? (rs) Enfim, se você é uma das únicas pessoas do mundo que ainda não assistiram – como eu, há pouco tempo – vale conferir este ícone.

 

 

 

 

 

5 – Sob o Sol da Toscana

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Frances Mayes (Diane Lane) é uma escritora que leva uma vida feliz em San Francisco, até que se divorcia de seu marido. Triste e deprimida, ela decide mudar radicalmente de vida e compra uma chácara na Toscana, para descansar e poder terminar em paz seu novo texto. Porém enquanto ela cuida da reforma de sua nova casa acaba conhecendo um novo homem, que reacende sua paixão.
Honestamente, está longe de ser um dos filmes de que mais gostei (rs), mas também vale para apreciar as paisagens da Toscana e, quem sabe, planejar uma viagem?

 

 

Mostra de filmes sobre a época do golpe de 64

O Museu de Arte Contemporânea de Niterói apresenta a mostra de filmes “Arte e Politica: de lá pra cá” (curadoria de Leandro Almeida), como atividade complementar à exposição em cartaz Re-existência da arte e política: 1964-2014 (curadoria de Luiz Guilherme Vergara), que mostra a trajetória da arte nestas cinco décadas, desde o golpe militar e que conta com obras de importantes artistas – das Coleções João Sattamini e MAC Niterói – como Anna Bella Geiger, Antonio Dias, Carlos Zílio, Cildo Meireles, Ivan Serpa, Rubens Gerchman, entre outros.  Para isso, foram selecionados curtas a serem exibidos, no espaço expositivo, às 15h, sempre às quartas feiras, até agosto. A entrada é gratuita!

Programação de junho:
Dia 11
Memórias finais da república de fardas
(Direção Gabriel F. Marinho/ doc / 38min/cor/2008/Brasil)
Quase 25 anos depois da maior campanha cívica que o Brasil já presenciou, os habitantes do Distrito Federal contam suas versões e percepções do movimento que lutava por eleições diretas para Presidente do Brasil. Aqui, homens e mulheres, a maioria desconhecidos, contam as histórias de quem não subiu nos palcos dos grandes showmícios.

ABC Brasil
(Direção Sergio Péo / doc / 18min/ cor / 1981 / Brasil)
Documentário sobre a retomada do movimento operário durante e após 17 anos de ditadura liderado pelos metalúrgicos do ABC paulista (Luiz Ignácio Lula da Silva) que culminou na criação do Partido dos Trabalhadores – PT.

Dia 18
Vlado, trinta anos depois
(Direção: João Batista de Andrade / doc/ 84min/2005/Brasil)
Vladimir Herzog foi um daqueles que se preocupavam muito com a liberdade da sociedade, diferentemente de muitos jornalistas renomados da sua época. Talvez por isso o seu destino foi semelhante à imprensa que lutava contra a Ditadura: a morte. Mas sua morte semeou a rebeldia em certos setores da sociedade. Conheça a vida de Vlado e um pouco da imprensa tradicional brasileira, a mesma que pediu sua cabeça.

Serviço:
Mostra de filmes “Arte e Política: de lá pra cá”, a partir da exposição em cartaz “Re-existência da arte e política: 1964 – 2014”
Entrada gratuita
Dia 11 de junho, quarta-feira, às 15h
Filmes: Memórias finais da república de fardas (Direção Gabriel F. Marinho/ doc / 38min/cor/2008/Brasil)
ABC Brasil (Direção Sergio Péo / doc / 18min/ cor / 1981 / Brasil)
Dia 18 de junho, quarta-feira, às 15h
Filme: Vlado, trinta anos depois (Direção: João Batista de Andrade / doc/ 84min/2005/Brasil)

MAC de Niterói
Mirante da Boa Viagem sem número – Niterói
Informações: 2620-2400

“Festival MIMO de Cinema”

Estão abertas até o dia 10 de junho as inscrições para o Festival MIMO de Cinema, mostra realizada junto ao maior festival gratuito de música instrumental no país. Os filmes, com temáticas musicais, devem ser inéditos no circuito. A programação é gratuita, com projeções em telões ao ar livre, pátios de igrejas seculares, cinemas, mercados e centros culturais. Em edições passadas, foram exibidos filmes como “Olho Nu”, de Joel Pizzini, documentário sobre Ney Matogrosso, “Jards”, de Eryk Rocha, sobre Jards Macalé, e o curta “A Lavagem das Calcinhas Voadoras”, de André Hin e Huila Gomes, sobre Tom Zé. Nesta 11ª edição as exibições acontecem em Ouro Preto (29 a 31/08), Olinda (4 a 7/9), Paraty (10 a 12/10) e Tiradentes (17 a 19/10). As inscrições vão até o dia 10 de junho e podem ser feitas pelo site http://www.mimo.art.br.

Estreia nacional do filme “A Recompensa”

Estreou esta semana o filme “A Recompensa”, com o astro Jude Law. O enredo conta a história de Dom Hemingway (Jude Law), um dos maiores arrombadores de cofre de Londres. Ele está de volta às ruas após 12 anos de prisão e agora quer receber sua recompensa por não ter delatado seus parceiros. Ao lado de seu melhor amigo, Dickie (Richard E. Grant), Dom vai ao sul da França visitar seu antigo chefe do crime, Sr. Fontaine (Demian Bichir), para reivindicar a sua parte. Mas este é apenas o início de sua jornada, que envolverá a femme fatale Paolina (Madalina Ghenea) e a filha, Evelyn (Emilia Clarke), com quem ele não tem contato há anos.

Nosso site se antecipou e escreveu o que achou a respeito neste link: https://palcoteatrocinema.com.br/2014/05/07/humor-da-terra-da-rainha-em-a-recompensa-eu-fui/

Vale conferir!

Estreia do filme “O Passado”

Estreia esta quinta-feira, 08/05, o filme francês “O Passado”.

Após quatro anos de separação, Ahmad retorna a Paris, vindo de Teerã, a pedido da ex-mulher francesa, Marie, para finalizar o processo do divórcio. Durante sua rápida estadia, Ahmad nota a conflituosa relação entre Marie (Bérénice Bejo) e sua filha Lucie (Pauline Burlet). Os esforços de Ahmad para melhorar esse relacionamento acabam revelando um segredo do passado deles.

Ficha Técnica
Título Original: Le Passé
Estreia: 08/05/2014
Gênero: Drama
Duração: 131 min.
Origem: França
Direção: Asghar Farhadi
Roteiro: Asghar Farhadi, Massoumeh Lahidji
Distribuidor: Califórnia Filmes
Ano: 2013

Elenco:
Bérénice Bejo
Tahar Rahim
Ali Mosaffa
Pauline Burlet
Babak Karimi
Elyes Aguis
Jeanne Jestin
Sabrina Ouazani
Valeria Cavalli.

 

 

Locais de exibição:

 

Estação Gávea: Shopping da Gávea

Sessões: 14h (Somente Sábado e Domingo), 16h30, 19h, 21h30

 

Estação Rio: Rua Voluntários da Pátria 35, Botafogo.

Sessões: 13h45, 16h15, 18h45, 21h15


Estação Barra Point:  Av. Armando Lombardi, 350 – Shopping Barra Point, Barra da Tijuca

Sessões: 16h45, 21h

Exibição gratuita do filme “Dreams that money can buy”, no Parque Lage

Se está a fim de um cineminha mas sem desembolsar nada, já tenho uma sugestão: o Cine Lage exibe hoje o filme “Dreams that money can buy”. A sessão acontecerá na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, a partir das 20h. Alexandre Fenerich, Fernando Iazzetta, Lilian Campesato, e Rodolfo Caesar serão os curadores da noite. Eles falarão ao público sobre o filme e intervirão durante a projeção  com cortes, silêncios e blackouts.

A exibição traz um filme experimental escrito, produzido e dirigido pelo artista (dadaista e surrealista), cineasta e teórico Hans Richter, com produção executiva de Kenneth Macpherson e Peggy Guggenheim e recebeu o prêmio de Contribuição Mais Original para o Progresso da Cinematografia no Festival de Veneza de 1947.

Yves Saint Laurent

Estreia cheia de charme essa semana! O filme conta a história de um grande ícone da moda.

Paris, 1957. Com apenas 21 anos, Yves Saint-Laurent (Pierre Niney) é chamado cuidar do futuro da prestigiosa grife de alta costura fundada por Christian Dior – falecido recentemente. Depois de seu primeiro desfile triunfal, ele vai conhecer Pierre Bergé (Guillaume Gallienne) e este encontro irá abalar sua vida. Amantes e parceiros de trabalho, os dois se associam a fim de criar a grife Yves Saint Laurent. Apesar de suas obsessões e demônios interiores, Saint Laurent vai revolucionar o mundo da moda com sua abordagem moderna e iconoclasta.

 

Locais e horários de exibição

Cinema Leblon

Sala 2 – 18:40

Kinoplex Fashion Mall

Sala 2 – 18:50 – 21:10

Festival de Cinema Francês

Feriado… Estava eu andando na Travessa dos Pescadores, em Búzios, quando de repente… “Festival de Cinema Francês”. O queee??? Já tinha que ir embora no dia seguinte de manhã, então, sem chances de assistir alguma coisa #xatiada. Mas aí vai a programação dos dias restantes para quem queira aproveitar. E, por favor, assistam por mim 😉

Terça, 22/04

19h

Um Amor em Paris
(Paris Follies)

De Marc Fitoussi, com Isabelle Huppert, Pio Marmai, Jean Pierre Daroussin

2013
Comédia
1h54
Distribuição no Brasil: Tucuman Filmes
Com 50 anos, mas ainda muito dinâmicos, Brigitte e Xavier são criadores em Charolles. Seus dois filhos partiram e o casal se vê num face a face incerto, fechado numa rotina que é cada vez mais pesada para Brigitte. Um dia, a festa surpresa de jovens parisienses na casa vizinha acelera a crise latente.

 

21h

Uma Relação Delicada (Abus de Faiblesse)
De Catherine Breillat, com Isabelle Huppert, Kool Shen, Laurence Ursino.
2012
Drama
1h44
Distribuição no Brasil: Bonfilm
Vítima de uma hemorragia cerebral, Maud, cineasta, acorda uma manhã hemiplégica e diante de uma solidão inexorável. Presa à cama, mas determinada a continuar seu filme, ela conhece Vilko, embusteiro de gente famosa, ao assistir a um programa na televisão. Maud o quer em seu próximo filme. Eles se encontram. Ele não a deixa mais, tira tudo o que ela tem, mas lhe dá alegrias.

 

 

Quarta, 23/04

19h

Lulu, Nua e Crua (Lulu Femme Nue)
De Solveig Anspach, com Karin Viard, Bouli Lanners, Claude Gensac
2013
Comédia dramática
1h27
Distribuição no Brasil: Bonfilm
Após uma entrevista de emprego que não é boa, Lulu decide não voltar para casa e parte deixando o marido e seus três filhos. Ela não premedita nada. Ela se concede alguns dias de liberdade sem outro projeto além de aproveitar plenamente. No caminho, Lulu cruza com pessoas que também estão na beirada do mundo. Três encontros decisivos vão ajudar Lulu a reencontrar uma antiga conhecida que ela
perdeu de vista: ela mesma.

 

21h

Eu, Mamãe e os Meninos (Les garçons et Guillaume, à table!)
De Guillaume Gallienne, com Guillaume Gallienne, André Marcon, Françoise Fabian, Diane Kruger.
2013
Comédia
1h25
Distribuição no Brasil: Mares Filmes
A primeira lembrança que tenho da minha mãe foi quando tinha quatro ou cinco anos. Ela nos chamava, meus dois irmãos e eu, para o jantar dizendo: “Meninos e Guillaume, está na mesa!” e da última vez que falei com ela pelo telefone, ela desligou me dizendo: “Um beijo, minha querida”; pois é, digamos que entre essas duas frases, há alguns mal-entendidos.

 

 

Quinta, 24/04

21h

Yves Saint Laurent (Yves Saint Laurent)
De Jalil Lespert, com Pierre Niney, Guillaume Gallienne, Charlotte Le Bon, Laura Smet.
2013
Biopic
1h46
Distribuição no Brasil: Paris Filmes
Paris, 1957. Com apenas 21 anos, Yves Saint Laurent assume a famosa marca de alta costura fundada por Christian Dior, falecido recentemente. Em seu primeiro desfile triunfal, ele conhece Pierre Bergé, um encontro que irá mudar sua vida.

 

 

Sexta, 25/04

21h

Antes do Inverno (Avant l’hiver)
De Philippe Claudel, com Daniel Auteuil, Kristin Scott Thomas, Leila Bekhti, Richard Berry.
2012
Drama
1h43
Distribuição no Brasil: Mares Filmes
Paul é um neurocirurgião de 60 anos casado com Lucie. Um dia, buquês de rosa começam a ser entregues de forma anônima na casa deles no mesmo momento em que Lou, uma jovem de 20 anos não para de cruzar o caminho de Paul. Então as
máscaras começam a cair: será que todos são realmente o que fingem ser? Ainda há tempo, antes da velhice, de ousar e revelar os subentendidos e os segredos?

 

 

Sábado, 26/04

19h

Yves Saint Laurent

 

21h

Uma Juíza sem Juízo (Neuf Mois Ferme)
De Albert Dupontel, com Sandrine Kiberlain, Albert Dupontel, Nicolas Marié.
2012
Comédia
1h22
Distribuição no Brasil: Europa Filmes
Ariane Felder está grávida! É ainda mais surpreendente por ser uma jovem juíza de hábitos rígidos e solteira convicta. Mas o pior é que o pai da criança é nada menos que Bob, um criminoso perseguido por uma terrível agressão! Ariane, que não se lembra de nada, tenta então entender o que pode ter acontecido e o que o aguarda.

 

 

Domingo, 27/04

19h

Eu, Mamãe e os Meninos

 

21h

Antes do Inverno

 

 

O festival acontece no Gran Cine Bardot, na Travessa dos Pescadores, 88 – Centro (Búzios)

 

“Hoje eu quero voltar sozinho” – Eu Fui!

Estreou no dia 10 de abril o filme nacional “Hoje eu quero voltar sozinho”, do diretor e roteirista Daniel Ribeiro. O longa tem origem em um curta metragem de nome “Eu não vou voltar sozinho”, que foi sucesso de visualizações no youtube. Nele, Ribeiro expressa sua intenção de expor as formas de amor. “Minha ideia era falar de um garoto que nunca tivesse visto um homem ou uma mulher – e que se apaixonasse por um cara. E então achei que tirar a visão do personagem seria um bom artifício para falar justamente dessa questão de como acontece a atração e o interesse por outra pessoa – sendo cego, outras sensações e sentimentos ganhariam força”.

O amor é cego? Piero della Francesca Cupido vendado, 1452

Bem, como estou escrevendo para a coluna “Eu Fui!”, fui assistir ao longa no Cine Odeon, uma das salas aqui do Rio de Janeiro que o exibe. Vi e tive um bom efeito cinema. Despertou-me uma divagação. Vamos a ela:

Já dizia a personagem Helena – de “Sonhos de uma noite de verão”, de William Shakespeare -, “O Amor não vê com os olhos, mas com a mente; por isso é alado, e cego, e tão potente”.

O Amor na citação não inicia em letra maiúscula por um acaso, à toa. Ele é referente ao deus grego do amor Eros, que “segundo a maioria dos poetas, nasceu de Ares e Afrodite. Assim que viu o dia, Zeus, que entreviu em sua fisionomia todas as perturbações que ele causaria, quis obrigar Afrodite a desfazer-se dele. Para furtar-se da cólera de Zeus, ela o escondeu nos bosques, onde mamou o leite dos animais ferozes. Assim que foi capaz de manejar o arco, fez um freixo, empregou o cipestre para as flexas e experimentou nos animais as flechadas que destinava aos homens. Depois trocou seu arco e sua aljava por outros, de ouro”.

Posso, também, citar “O Banquete”, de Platão. Texto onde seis próceres da Grécia antiga, se encontram após uma Dionisíaca para discorrer em louvor a esta divindade. E, em meio ao discurso de alguns deles, aparece a figura de um Eros terrestre, ligado ao desejo e, por outro lado, um Eros celestial, ligado ao amor puro. Um amor das almas.

Eros, o grego, costuma ser artisticamente representado como um rapaz alado, viril. Todavia, a imagens mais comuns do Cupido ou Amor, são representações de um menino ou adolescente alado, o que nos remete à forma de um querubim, ou melhor, um dos putti da arte renascentista, ou seja, um anjinho. O Amor é às vezes retratado com os olhos vendados, seus carcás e suas flechas.

É, pessoal. Enquanto, para uns, o amor é cego, para Apuleio, em “O conto de Amor e Psiqué”, o Amor não agia vendado. Ele era um brincalhão, que “vivia” às custas de se divertir com as vicissitudes da vida a dois, que pode derivar para uma vida a três, quatro etc.

William-Adolphe Bouguereau Jovem se defendendo do Cupido, 1880

William-Adolphe Bouguereau
Jovem se defendendo do Cupido, 1880

Então, voltemos ao filme. Ele conta a história de três adolescentes em plena fase de mudanças e conflitos tão típicos da idade. Só que sob uma ótica um pouco diferente. Quer dizer sem ótica, assim como a representação do cupido vendado.

Digo isso porque a história do filme gira em torno de Leonardo, adolescente cego que, além das dificuldades naturais pelas quais tem que passar, ainda precisa enfrentar a implicância dos colegas de escola. Tudo isso se torna menos complicado com a ajuda da melhor amiga Giovana, que o auxilia nas tarefas diárias. Depois, também é auxiliado por Gabriel, menino novo na cidade e no colégio. Com seu nome e cachinhos de anjo, provoca ciúmes e desejos na garota. Gabriel e Leonardo logo se tornam grandes amigos. A dupla vira trio, e mesmo inconscientemente, Gabriel provoca um estremecimento na relação entre Giovana e Leonardo.

A adolescência é uma fase de descobertas e confusões. Leonardo tem a sua psiqué perturbada, com noites sem dormir, negação da personalidade, tentativas de fuga física ou química da realidade opressora, mas bondosa, de pais superprotetores. “Hoje eu quero sair sozinho”, é mais que o título do longa, é um grito que sai do âmago do protagonista, da sua alma.

Portanto, para Gabriel, Leonardo é o Amor vendado, que atira suas flechas de forma pura, sem a interferência da visão que, a priori, poderia direcionar suas escolhas. Discordo da fala da Helena de Shakespeare quando diz que o Amor vendado vê com a mente. Acredito que veja com os olhos da alma. Já para Leonardo, o roteirista e diretor Daniel Ribeiro é o Amor de olhos abertos, que experimenta de forma deliberada com seus sentimentos e desejos. “Hoje eu quero voltar sozinho” discorre sobre o amor desprovido de interesses e preconceitos, o amor genuíno, essencial, assim como a idéia original da trama.

FICHA TÉCNICA

Duração: 96′

Ano de produção: 2014

País de Origem: Brasil

Elenco:

Leonardo: Ghilherme Lobo

Gabriel: Fabio Audi

Giovana: Tess Amorim

Laura: Lúcia Romano

Carlos: Eucir de Souza

Avó Maria: Selma Egrei

Karina: Isabela Guasco

Guilherme: Victor Filgueiras

Fabio: Pedro Carvalho

Carlinhos: Guga Auricchio

Roteiro e Direção: Daniel Ribeiro

Produção: Daniel Ribeiro e Diana Almeida

Referências:

COMMELIIN, P. Mitologia grega e romana

SHAKESPEARE, William. Sonho de uma noite de verão

APULEIO, Lucius. A metamorfose ou O Asno de ouro

PLATÃO. O Banquete

 

Melhor filme do ano no nosso Top 5 2014:

https://palcoteatrocinema.com.br/2014/12/07/top-5-eu-fui-filmes/

Copa de Elite

Uma das estreias do fim de semana é a comédia nacional “Copa de Elite”. Satirizando o famoso “Tropa de Elite”, o elenco conta com Marcos Veras, Júlia Rabello, Rafinha Bastos, Bento Ribeiro e Anitta (!? rs). Provavelmente será um sucesso.

 

Locais de exibição:

Cinemark downtown

Sala 5 – 13:50, 16:40, 19:30, 21:50

UCI New York City Center

Sala 15 – 00:15, 13:00, 15:15, 17:30, 19:45

Rio Sul

Sala 4 – 19:30, 21:40

UCI Kinoplex

Sala 6 – 13:40, 16:00, 18:10, 20:20, 22:30
Kinoplex West Shopping

Sala 4 – 13:00, 15:10, 17:20

UCI ParkShopping Campo Grande
Sala 2 – 14:30, 16:40, 18:50, 21:00, 23:10
Kinoplex Nova América
Sala 3 – 17:20, 19:30, 21:40
Kinoplex Leblon
Sala 3 – 17:20, 19:30, 21:40, 23:50
Kinoplex Madureira
Sala 1 – 18:40, 21:10
Kinoplex Fashion Mall
Sala 3 – 15:00, 19:20
Kinoplex Shopping Tijuca
Sala 2 – 17:20, 19:30, 21:40, 23:50
Cinemark Carioca
Sala 2 – 14:50, 17:20, 19:40, 22:30
Shopping Iguatemi
Sala 5 – 16:20, 18:40, 21:00

 

 

Julio Sumiu

Estreia brasileira também esta semana. A história de “Julio Sumiu” se passa especificamente na zona sul do Rio de Janeiro. Edna (Lilia Cabral) é mãe de Julio (Pedro Nercessian) e Sílvio (Fiuk). Um dia ela acorda desesperada ao perceber que Julio simplesmente desapareceu, sem deixar pistas. Preocupada, ela vai à delegacia com Eustáquio (Dudu Sandroni), seu marido, mas eles são destratados pelo delegado adjunto J. Rui (Augusto Madeira), que estava mais interessado em conquistar a colega de trabalho Madalena (Carolina Dieckmann). Após receber na secretária eletrônica um aviso de que o filho está com Tião Demônio (Leandro Firmino), o chefão do tráfico do morro ao lado, Edna decide ir até lá negociar. Surpreendida por um tiroteio, ela acaba guardando 20 kg de cocaína para o traficante que, em troca, promete libertar Julio. O problema é que Sílvio, ao descobrir a cocaína, decide vendê-la.

A comédia, dirigida por Roberto Berliner, tem no elenco Lilia Cabral, Pedro Nercessian, Fiuk, Carolina Dieckmann e Leandro Firmino.

 

Locais de exibição

Cinesystem Bangu Shopping

Sala 6 – 14:20 | 16:35 | 18:50 | 21:05

Cinemark Downtown

Sala 7 – 15:00 | 17:10 | 19:40 | 22:40

Cinemark VillageMall

Sala 4 – 14:30 | 20:00 | 22:30
UCI New York City Center

Sala 6 – 00:15 | 13:00 | 15:15 | 17:30 | 19:45 | 22:00
Sala 11 – 14:30 | 16:45 | 19:00 | 21:15 | 23:30

Cinemark Botafogo
Sala 2 – 13:40 | 15:50 | 18:00 | 20:30
Espaço Itaú de Cinema
Sala 5 14:00 | 16:00 | 20:00 | 22:00
Rio Sul
Sala 4 – 13:00 | 15:10 | 17:20
UCI Kinoplex
Sala 7 – 14:30 | 17:05 | 19:15 | 21:25
Kinoplex West Shopping
Sala 4 – 19:30 | 21:40
UCI ParkShopping Campo Grande
Sala 7 –  14:25 | 16:35 | 18:45 | 20:55 | 23:00
Kinoplex Nova América
Sala 2 –  16:30 | 18:50 | 21:10
Kinoplex São Luiz
Sala 4 – 17:10 | 19:20 | 21:30
Estação Gávea
Sala 1 – 13:30 | 15:30 | 19:20 | 21:20
Cine Star Special Laura Alvim
Sala 2 – 18:15 | 20:05 | 21:55
Cinépolis Lagoon
Sala 3 – 14:00 | 16:20 | 18:40 | 21:10
Leblon
Sala 2 13:00 | 15:00 | 17:00 | 19:00
Kinoplex Madureira
Sala 4 – 19:30 | 21:40
Cinesystem Recreio Shopping
Sala 5 – 16:35 | 18:45
Kinoplex Fashion Mall
Sala 3 – 17:10 | 21:30
Kinoplex Shopping Tijuca
Sala 3 – 17:00 | 19:10 | 21:20 | 23:30
Shopping Iguatemi
Sala 2 – 15:00 | 17:10 | 19:20 | 21:30

Noé

Sei que estou atrasada (rs), mas a principal estreia da semana é, certamente, Noé. O épico de ação e aventura conta a jornada do profeta que atendeu ao chamado divino e construiu uma imensa arca para salvar sua família e os animais de um dilúvio que iria dizimar todos os outros habitantes da Terra. Além de Crowe, o elenco do filme conta com Jennifer ConnellyEmma WatsonAnthony HopkinsLogan Lerman. A direção é de Darren Aronofsky, indicado ao Oscar por “Cisne Negro”.

Russell Crowe, protagonista do filme até esteve no Brasil por um curto período de divulgação. Só que o ator nunca passa despercebido e a passagem foi muito comentada.

 

 

Hoje eu quero voltar sozinho

Quem é ligado em curtas já deve conhecer, pois “Eu Não Quero Voltar Sozinho”, curta-metragem que originou o filme “Hoje eu quero voltar sozinho”, teve mais de 3 milhões de visualizações no youtube. O primeiro foi lançado em 2011, e conta a história de Leonardo, um adolescente cego, que tem sua vida completamente mudada com a chegada de um novo aluno em sua escola. Ao mesmo tempo, ele tem que lidar com os ciúmes da amiga Giovana e entender os sentimentos despertados pelo novo amigo Gabriel. O longa metragem de Daniel Ribeiro estreia nacionalmente hoje, 10 de abril, mas já conseguiu dois prêmios na última edição do Festival de Berlim e um terceiro no Festival de Guadalajara

Desta vez, os três adolescentes estão terminando as férias, hormônios agitados, dúvidas, anseios e expectativa para o próximo ano. O desejo de um volta às aulas depois de um grande drama ou grande amor. Leonardo (Ghilherme Lobo) e Giovana (Tess Amorim), amigos de infância, estão à beira da piscina e se preparam para o regresso à vida escolar. Eis que surge Gabriel (Fabio Audi), aluno novo que chega do interior. A partir daí, a relação entre Leo e Giovana é alterada. Ela fica enciumada com a entrada de uma pessoa na sua relação tão íntima e genuína com Leo. Ele tenta, por sua vez, levar a vida de maneira tranquila e não entende as tantas limitações e dificuldades que sua mãe lhe impõe. Pensa até em fazer intercâmbio para poder sair um pouco de casa.

E assim desenrola a história entre Leo, Gabriel e Giovana. Daniel Ribeiro diz que, em sua adolescência, nunca se reconheceu em filmes, que apresentassem temática / personagens gays. E, para o diretor, mais que mostrar a questão sexual entre homens, sua ideia sempre foi trabalhar e mostrar situações de afetividade, de uma relação nascendo, seja formada por um casal heterossexual ou não.

Assisti ao curta há pouco tempo e penso que Ribeiro conseguiu passar sua mensagem de maneira eficiente. O filme não demonstra levantar bandeira em favor da homossexualidade. Aliás, com a sutileza com que o enredo é desenvolvido, nem parece lidar com o tema, considerado polêmico por muitos. Mostra apenas como duas pessoas podem se gostar, apenas pela essência da personalidade e, daí, surgir um amor.

Para os interessados, esta é a lista das salas em que o filme será exibido em todo o Brasil:

Aracaju
Cinemark Jardins


Belém
Cinépolis Parque Belém

Belo Horizonte
Cinema Belas Artes

Brasília
Espaço Itaú de Cinema Brasilia
Cinemark Pier 21

Curitiba
Espaço Itaú de Cinema Curitiba

Campinas
Cineflix galeria campinas

Fortaleza
Dragão do mar
Centerplex via sul

Florianópolis
Cinesystem Iguatemi Florianópolis

Mossoró
Multicine Mossoró

Natal
Cinemark Midway Mall
Moviecom Natal

Porto Alegre
Espaço Itaú de Cinema Porto Alegre
Cine Guion
Cinemateca Paulo Amorim

Rio de Janeiro
Espaço Itaú de Cinema Botafogo
Cine Estação Rio
Cine Estação Barra Point
Cine Estação Gávea
Cine Estação Ipanema
Cine Odeon Petrobras

Salvador
Espaço Glauber
UCI Oriente Barra

Santos
Espaço de Miramar Santos
Roxy Pátio Iporanga

São Paulo
Espaço Itaú Augusta
Espaço Itaú Frei Caneca
Espaço Itaú Pompéia
Reserva Cultural
Cine Sabesp
Cinemark Santa Cruz

Sorocaba
Cinespaço Villagio Sorocaba

 

Enquanto não dá tempo de você ir ao cinema assistir, este é o link do curta-metragem ao qual me referi acima:

 

 

FICHA TÉCNICA

Duração: 96′

Ano de produção: 2014

País de Origem: Brasil

Elenco:

Leonardo: Guilherme Lobo

Gabriel: Fabio Audi

Giovana: Tess Amorim

Laura: Lúcia Romano

Carlos: Eucir de Souza

Avó Maria: Selma Egrei

Karina: Isabela Guasco

Guilherme: Victor Filgueiras

Fabio: Pedro Carvalho

Carlinhos: Guga Auricchio

 

Roteiro e Direção: Daniel Ribeiro

Produção: Daniel Ribeiro e Diana Almeida

Produção: Lacuna Filmes

Distribuição Brasileira: Vitrine Filmes

 

 

 

 

 

 

Festival “É Tudo Verdade”

Vai até o dia 13 de abril a edição de número 19 do festival “É Tudo Verdade”, no Rio de Janeiro. O evento exibirá 77 documentários de 26 países, em sessões gratuitas, no CCBB, no Espaço Itaú, no Oi Futuro Ipanema e no Instituto Moreira Salles. O  homenageado do ano será o diretor Eduardo Coutinho, morto ano passado, que pela primeira vez não estará presente.

No evento, 19 produções farão sua première mundial. Entre elas, destacam-se  “De Gravata e Unha Vermelha”, de Miriam Chnaidernamm, sobre a afirmação da identidade transexual no Brasil. “Los Hermanos –Esse é só o começo do fim da nossa vida”, de Maria Ribeiro, que mostra os bastidores da turnê de retorno da banda, “Ruptura” (EUA), de Pamela Yates, que retrata um grupo de economistas que se une a mulheres pobres da América Latina para aplicar projetos para erradicar a pobreza e “20 centavos”, de Tiago Tambell, que registra as manifestações de rua que aconteceram em São Paulo em junho de 2013.

O festival acontece simultaneamente no Rio e em São Paulo. Em seguida, começam as sessões em Campinas, de 22 a 24 de abril, Brasília, de 30 de abril a 4 de maio, e Belo Horizonte, de 24 a 27 de julho.

Rio 2

A semana traz boas estreias, e uma delas é a animação “Rio 2”. A continuação não se limita à cidade que dá nome ao filme. Desta vez, Blu (Jesse Eisenberg) e Jade (Anne Hathaway) viajam até a Amazônia. Isto acontece após terem visto na televisão seus donos, Linda (Leslie Mann) e Túlio (Rodrigo Santoro), fazendo pesquisas e descobrindo que Blu, Jade e seus filhos não são as únicas da espécie arara-azul existentes. A partir de então, viajam pelo interior do Brasil, mas não esperavam encontrar o velho inimigo Nigel (Jemaine Clement).

Entre Nós

Estreia nesta quinta-feira, 27, “Entre Nós”. O drama conta a história de sete jovens amigos escritores que viajam para uma casa de campo para celebrar a publicação do primeiro livro do grupo. Lá, eles escrevem cartas para serem abertas dez anos depois. Esta viagem termina em tragédia, pois um dos amigos morre. Mesmo assim, eles se reúnem uma década mais tarde para lerem as cartas.

O elenco tem Maria Ribeiro, Caio Blat, Carolina Dieckmann e outros.

Boa pedida para quem gosta de prestigiar o cinema nacional.

 

S.O.S. – Mulheres ao Mar

Divulgação

Uma das estreias da semana é uma comédia nacional recheada de globais. A trama gira em torno da escritora Adriana (Giovanna Antonelli), que vive o famoso momento “não tá fácil pra ninguém”. Sem ter uma editora que publique seus livros, tem que ganhar a vida legendando filmes pornográficos. Como se não bastasse, seu marido Eduardo (Marcelo Airoldi) pede o divórcio. Daí, descobre que seu ex (Reynaldo Gianecchini) vai fazer um cruzeiro com a nova namorada (Emanuelle Araújo). Adriana, então, resolve tentar a sorte e, juntamente com a irmã Luíza (Fabíula Nascimento), embarca na viagem para reconquistar o antigo companheiro.

Mostra MULHERES!, no Cine Odeon

Para quem ainda estiver em ritmo de celebração pelo Dia Internacional da Mulher, o Cine Odeon está exibindo filmes com a temática feminina. A mostra MULHERES! vai até hoje e os ingressos custam R$ 8,00.

Segue programação:

13h
Camille Claudel 1915
(Camille Claudel 1915), dir: Bruno Dumont.
Com Juliette Binoche, Jean-Luc Vincent, Robert Leroy, Emmanuel Kauffman.
96 min . California Filmes. 12 anos.

14h50
Jovem e Bela
(Jeune & jolie), dir: François Ozon.
Com Marine Vacth, Géraldine Pailhas, Frédéric Pierrot, Fantin Ravat.
95 min . Europa Filmes. 14 anos.

16h40
As Mulheres do 6º Andar
(Les Femmes du 6eme Etage), dir: Philippe Le Guay.
Com Carmen Maura, Fabrice Luchini, Natalia Verbeke, Sandrine Kiberlain.
104 min . Vinny Filmes. 12 anos.

18h40
Hannah Arendt
(Hannah Arendt), dir: Margarethe Von Trotta.
Com Barbara Sukowa, Axel Milberg, Janet McTeer, Julia Jentsch.
113 min . Esfera Filmes. 12 anos.

20h45
Adeus, Minha Rainha
(Les Adieux à la Reine ), dir: Benoît Jacquot.
Com Léa Seydoux, Diane Kruger, Virginie Ledoyen, Xavier Beauvois.
104 min . Europa Filmes . 14 anos.

O Cine Odeon fica localizado na Praça Floriano, 7, na Cinelândia – Rio de Janeiro/RJ

Fone: (21) 2240-1093

12 Anos de Escravidão

Como já é tradição, não assisti a nenhum dos filmes indicados ao Oscar antes da cerimônia. Outra tradição também é a vontade que fico de assistir a todos após a premiação. Sendo assim, me desloquei até a zona sul – pois na zona norte raramente eles são exibidos – para assistir ao vencedor do Oscar de melhor filme do ano.

A partir da segunda década do século XIX, foi decretado o fim do tráfico de escravos nos Estados Unidos. Portanto, é iniciado um fenômeno de comercialização de cativos entre senhores. Tanto em fazendas vizinhas, quanto nas distantes. Inclusive homens livres foram sequestrados nos estados do norte do país – onde não havia mais escravidão – para suprir necessidade de mão-de-obra escrava nas plantations dos estados do sul escravagista. Foi o que aconteceu com Solomon Northup, protagonista.

Homem livre, chefe de família, morador de Nova York, Solomon vive uma vida tranquila até que aceita uma proposta de emprego em uma outra cidade. Só que a tal proposta para trabalhar como violinista era uma cilada, e ele acaba sendo sequestrado, vendido e escravizado por fazendeiros de estados do sul. Ele então passa a viver uma realidade até então desconhecida.

Os desempenhos dos atores Chiwetel Ejiofor (Solomon / Platt) – indicado ao Oscar de melhor ator – e de Lupita Nyong’o – vencedora do Oscar de melhor atriz coadjuvante – se destacam. A melancolia que demonstram em cena é convincente, forte e transporta o espectador para a realidade degradante e desumana vivida pelas pessoas nesta circunstância.

Ainda falando de melancolia, em diversas cenas, a influência da música, hoje chamada gospel / soul, mostra suas origens na spiritual – gênero de canções religiosas, cantadas a capella –  pelos trabalhadores nas lavouras. O maior exemplo foi a interpretação da canção “Roll Jordan Roll”, na cena do enterro de um dos cativos mais velhos.

Filme forte, que merece ser assistido, não apenas para se inteirar nas novidades do cinema. Mas também para nos informarmos a respeito da história dos Estados Unidos, neste ponto tão semelhante à nossa. E evitar que esqueçamos e repitamos erros de um passado relativamente recente…

 

Número 2 no nosso Top 5 2014:

https://palcoteatrocinema.com.br/2014/12/07/top-5-eu-fui-filmes/