Seminário Internacional Escola de Séries

Estão abertas as inscrições para o Seminário Internacional Escola de Séries. Voltado para empreendedores e criadores de conteúdo do Estado do Rio de Janeiro, o evento vai reunir, entre os dias 29 de junho e 2 de julho , no Hotel JW Marriot, em Copacabana, nomes de destaque na cena audiovisual do Brasil e exterior. As inscrições custam R$80 por dia e podem ser feitas até o dia 26 de junho – ou até terminarem as vagas – no site www.escoladeseries.com.br . O programa conta com a curadoria dos Alquimistas e da Esmeralda Produções , além do patrocínio da Rio Filme e apoio de O Boticário .

A programação do seminário está baseada em três pilares: Canal, cujas discussões vão apresentar o ponto de vista de quem compra; Criador/Produtor , que vai receber realizadores com sucessos no mercado; e Venda Internacional, que vai apresentar os interesses do mercado e como fazer uma série além do seu país de origem. A ideia é promover um espaço de encontro e troca entre realizadores do Rio de Janeiro e do mercado internacional sobre o processo criativo, técnicas e gestão para o desenvolvimento de conteúdo de séries de TV no Brasil.

Na abertura do seminário serão lançadas as inscrições para o Laboratório de Imersão, que acontecerá na primeira semana de dezembro. Trata-se de um laboratório que propiciará a formação e reciclagem de roteiristas e produtores de conteúdo audiovisual para TV, por meio de consultorias especializadas de profissionais internacionais e nacionais. Além dos dez projetos selecionados, a Escola de Séries apresentará outros vinte, selecionados posteriormente, durante o RioContentMarket 2016, a canais nacionais e internacionais. Só poderão se habilitar ao processo de seleção quem participou os dos cursos na ESPM ou no Seminário Internacional e for MEI, micro, pequena ou média empresa do Estado do Rio de Janeiro.

Desde fevereiro deste ano – e até março de 2016 – a Escola de Séries vem oferecendo aos empreendedores e criadores de conteúdo do Estado do Rio de Janeiro a oportunidade de aperfeiçoamento em narrativas e gestão do negócio de séries para TV, por meio de uma plataforma integrada que lhes permite dominar etapas e técnicas para transformar suas ideias em séries e formatos de TV. No seminário de lançamento da Escola de Séries, que aconteceu em fevereiro, durante o warmup do RioContentMarket 2015, estiveram presentes o agente de talentos Eric Rovner, executivo da série americana “East Los High”, além da roteirista de “How to get away with murder” Erika Green. Desde então, ocorreram 18 capacitações (cursos e oficinas) na ESPM.

PROGRAMAÇÃO:

29 de junho
Cerimônia de abertura
17h às 18h30 – Boas vindas por Sebrae / ESPM / Riofilme / O Boticário
18h30 às 20h – Uma conversa sobre a terceira era de ouro da TV dos EUA, com David Levine (HBO), Gary Marenzi (Rapido Entertainment) e Kathleen Bedoya (Wise Entertainment)
20h às 20h30 – Lançamento do regulamento e abertura das inscrições para o Laboratório de Imersão

30 de junho
8h – Credenciamento
8h30 às 10h – Identificação de Conteúdo Original para Séries da HBO nos EUA por David Levine, VP de Programação Original Drama, HBO
10h15 às 12h – Conteúdo e Dramaturgia em Filhos do Carnaval por Elena Soárez, roteirista
12h15 às 13h15 – 60 minutos com Produtor Criativo Adriano Civita, Prodigo Films
14h45 às 16h15 – Case Study Narrativas: Magnífica 70 por Cláudio Torres, Conspiração Filmes
16h30 às 18h – Encomenda Fox por Zico Góes, Diretor de Conteúdo, FOX International Channels do Brasil

1 de julho
8h – Credenciamento
8h30 às 10h – Venda internacional de séries: Formatos que cruzam fronteiras e geram lucros por Gary Marenzi, Cofundador Rapido Entertainment
10h15 às 12h – Diálogos: Roteiro, Direção e Edição por Daniel Rezende, diretor e editor
12h15 às 13h15 – 60 minutos com Produtor Criativo Luiz Noronha, Zola Produções
14h45 às 16h15 – Case Study Narrativas: Irmão do Jorelpor Juliano Enrico, TV Quase/Copa Studio
16h30 às 18h – Encomenda GNT por Daniela Mignani, Diretora, canal GNT/+Globosat

2 de julho
8h – Credenciamento
8h30 às 10h – Bem-vindos ao Mercado Latino nos EUA por Kathleen Bedoya, Produtora Executiva Wise Entertainment
10h15 às 12h – Estrutura Narrativa: ficção e documentário por Luiz Bolognesi, roteirista e diretor
12h15 às 13h15 – 60 minutos com Produtor Criativo Roberto d’Avila, Moonshot Pictures
14h45 às 16h15 – Case Study Narrativas: JunglePilotspor Belisário Franca, Giros
16h30 às 18h – Encomenda Discovery por Mônica Pimentel, VP de Conteúdo, Discovery Networks Brasil

SERVIÇO:
Seminário Internacional Escola de Séries
Data: 29 e 30 de junho e 1 e 2 de julho
Local: Hotel JW Marriot
Endereço: Avenida Atlântica, 2.600 – Copacabana, RJ
Inscrições e informações: http://www.escoladeseries.com.br
Valor: R$80,00 por dia de seminário

“Cobain: Montage of Heck” de 18 a 25 de junho

Documentário sobre o vocalista, guitarrista e compositor Kurt Cobain, líder do Nirvana. Com acesso a arquivos pessoais e depoimentos de familiares de Cobain – inclusive com a participação da filha dele com Courtney Love, Frances -, o filme conta do início até a ascensão de sua carreira, apresentando diversas canções, algumas delas inéditas. O retrato íntimo de um artista que raramente se revelou para a mídia. Exibido no Festival de Berlim 2015

Direção: Brett Morgen
Elenco: Kurt Cobain, Courtney Love, David Grohl
EUA / 135 min

Cinemas e horários:

ESTAÇÃO NET BOTAFOGO 1
De 19/06 (sexta) a 21/06 (domingo)
18h45, 21h30

De 22/06 (segunda) a 25/06 (quinta)
16:00, 18h45, 21h30

ESTAÇÃO NET GÁVEA 2
De 18/6 a 25/6 (quinta a quinta, 8 dias)
16:00, 18h45, 21h30

Ingressos:

R$ 40,00 (Inteira)
R$ 20,00 (Meia)

Assinantes NET tem 50% de desconto em até dois ingressos – titular.

Vendas na bilheteria do cinema ou ingresso.com

Lançamento de “Pequeno Dicionário Amoroso 2”

O sucesso Pequeno Dicionário Amoroso, comédia romântica de Sandra Werneck, lançada em 1997, ganhou uma continuação – Pequeno Dicionário Amoroso 2, que chega aos cinemas no dia 3 de setembro e acaba de lançar seu trailer oficial.

LINK DO TRAILER OFICIAL DO FILME: http://youtu.be/PDnQVLF8lNQ

Com produção da Cineluz e codireção de Mauro Farias, Pequeno Dicionário Amoroso 2 resgata a história de Luiza (Andrea Beltrão) e Gabriel (Daniel Dantas) que se apaixonaram mas se separaram no final do primeiro filme. Como eles estão agora, 18 anos depois?

O filme também visita alguns tipos de relações contemporâneas através das histórias de Alice (Fernanda Vasconcellos), filha de Gabriel e sua ex-mulher Bel (Glória Pires), e Pedro (Miguel Arraes), filho de Luiza e Alex (Marcello Airoldi). Ainda que cheias de novidades, as relações dos jovens do século XXI parecem girar em torno das mesmas questões.

Em Pequeno Dicionário Amoroso 2 o destino reserva uma nova chance para o casal Luiza e Gabriel. Ela casou duas vezes, teve filhos e vive um casamento estável e um tanto quanto monótono com Alex. Luiza agora é dona de uma galeria de arte e está realizada profissionalmente.

Gabriel continua trabalhando no seu laboratório de bichos peçonhentos e namora Jaqueline (Fernanda de Freitas), uma mulher mais nova e cheia de energia. Alice, sua filha com Bel, uma divertida esotérica, é uma jovem aberta a se relacionar com meninos e meninas.

“Muitos anos se passaram e eu fiquei com vontade de pensar o que poderia acontecer 18 anos depois com aquele casal, que se amou tanto e acabou não ficando junto”, comenta Sandra Werneck que, mais uma vez, fez o Rio de Janeiro ser praticamente um personagem do filme, com suas paisagens e locais que o público certamente irá reconhecer.

Pequeno Dicionário Amoroso 2 é coproduzido pela Globo Filmes, Telecine e Paramount Pictures. O lançamento será feito pela Downtown Filmes e Paris Filmes.

/ PequenoDicionarioAmoroso2

ELENCO:
Andrea Beltrão (Luiza)
Daniel Dantas (Gabriel)
GlóriaPires (Bel)
Fernanda Vasconcellos (Alice)
Fernanda de Freitas (Jaqueline)
Eduardo Moscovis (Guto)
Marcello Airoldi (Alex)
Miguel Arraes (Pedro)
Priscila Steinman (Ju)
Camilla Amado (Dona Sônia)
Renato Goés (João)
Elizangela (Lady Jane)

FICHA TÉCNICA:
Produção e Direção: Sandra Werneck
Codireção: Mauro Farias
Roteiro: Paulo Halm e Rita Toledo
Produtora Executiva: Elisa Tolomelli
Fotografia: Luis abramo
Direção de Arte: Valeria Costa
Som Direto: José Moreau Louzeiro
Maquiagem: Rose Verçosa e Uiran de Holanda
Figurino: Kika Lopes e Christina Gross
Editor: Pedro Bronz
Produtor Musical: ViniciusFrança
Trilha Sonora Original: JoãoNabuco
Mixagem: Rodrigo Noronha
Editor de Som: Waldir Xavier
Coordenador de Pos-Produção: Marcelo Pedrazzi

Coprodução: Telecine, Paramount Pictures, Globo Filmes
Produtor Associado: CiaRio
Distribuição: Downtown Filmes e Paris Filmes
Patrocínio/Investimento:Zona Sul, Bayer, Funcine, BNDES, Ativa Investimentos, Coinvalores, Magliano Corretora, Renascença e UBS

Francis Ford Coppola: o Cronista da América

A mostra Francis Ford Coppola: o Cronista da América celebra um dos maiores diretores da história do cinema, um artista consagrado que continua a se reinventar em pleno século XXI. Serão exibidos 25 filmes dirigidos por Coppola para o cinema, desde suas primeiras produções – os “skin flicks” Tonight for Sure e The Bellboy and the Playgirls -, passando pelo terror B dirigido para o produtor Roger Corman, Demência 13, pelos sucessos de público e de crítica dos anos 1970 – O Poderoso Chefão, O Poderoso Chefão – Parte II e Apocalypse Now Redux – até sua fase mais recente de experimentações com o digital (Tetro) e com o 3D (Virgínia).

Inédita no Brasil, a mostra apresenta também dois documentários Francis Ford Coppola: O Apocalipse de Um Cineasta, de Fax Bahr, George Hickenlooper e Eleanor Coppola, sobre a tumultuada realização da obra-prima Apocalypse Now; e A Década que Mudou o Cinema, de Ted Demme e Richard LaGravenese, sobre a década de 70, quando houve uma grande mudança no cinema americano, no qual Coppola é um dos personagens. Será realizado um debate, no dia 11 de juho (quinta), com o crítico de cinema Gilberto Silva Jr. e o professor Rafael de Luna, e editado um luxuoso catálogo com mais de 300 páginas sobre a obra do diretor e produtor.

Sobre Coppola

Francis Ford Coppola foi o primeiro diretor egresso de uma universidade (UCLA), o patrono do “Renascimento do Autor” nos Estados Unidos, o principal expoente da “Nova Hollywood” e o responsável por lançar nomes como George Lucas, John Milius, Al Pacino, Robert Duvall e James Caan no cinema.

Em 1961, com Tonight for Sure, iniciava-se a carreira que renderia ao cineasta 5 Oscars e 2 Palmas de Ouro em Cannes (por A Conversação e Apocalypse Now), que o levaria a fundar seu próprio estúdio – o Zoetrope Studios – e que, para fechar o ciclo, retornaria à produção independente e autoral em seus últimos filmes.

Coppola, junto com William Friedkin, Peter Bogdanovich, Brian De Palma, Martin Scorsese, Terrence Malick, George Lucas, Steven Spielberg e Michael Cimino, integra a geração de diretores norte-americanos que, nos anos 70, influenciados pela Nouvelle Vague e pela explosão de Cinemas Novos ao redor do mundo, tomou de assalto Hollywood, que estava em crise desde a falência do “Studio System” (a linha de montagem que os grandes estúdios possuíam, controlando todas as etapas para a realização dos filmes). Peter Biskind os chama de “Easy Rider, Raging Bull”: nunca os diretores contaram com tamanha liberdade artística e criativa dentro da maior indústria cinematográfica do planeta.

O Poderoso Chefão (1972) foi o marco divisor de águas para o “renascimento do autor” no cinema norte-americano. Com 134 milhões de dólares de bilheteria (apenas nos EUA), recorde na época, a saga da família Corleone foi o primeiro “round” na batalha entre os novos executivos dos grandes estúdios, egressos dos departamentos de marketing, e os jovens diretores que ansiavam deter o controle artístico sobre os próprios filmes.

Ainda em 1969, Coppola fundou, com os amigos George Lucas e Walter Murch, a produtora American Zoetrope, estabelecendo-a em São Francisco. Pegou 600 mil dólares de empréstimo com a Warner Brothers para desenvolvimento de projetos, mas o estúdio exigiu o financiamento de volta quando não aprovou os roteiros apresentados.

A fim de pagar a dívida com a Warner, Coppola aceitou, por sugestão de George Lucas, dirigir O Poderoso Chefão. Seu desejo era realizar filmes pequenos, baseados em seus próprios roteiros, como seria A Conversação, mas o sucesso de O Poderoso Chefão e O Poderoso Chefão – Parte II o levaram a apostar em Apocalypse Now.

Como no acordo inicial da American Zoetrope com a Warner, Coppola outra vez arriscou: o diretor colocou o próprio dinheiro e, com os direitos sobre a produção, faturou alto quando Apocalypse Now se provou mais um blockbuster em sua carreira.

Em 1980, Coppola abriu o Zoetrope Studios. Ao mesmo tempo, avançou com a idéia do “cinema eletrônico”, em que integrava pré-produção, produção e pós-produção, ao invés de separá-las, e fazia uso extensivo do vídeo como ferramenta de auxílio durante a filmagem, a edição e a mixagem. Ao custo de 27 milhões de dólares, Do Fundo do Coração foi um fracasso de público e de crítica, selando o destino do Zoetrope Studios, que foi vendido em 1982.

Durante as décadas de 1980 e 1990, ele trabalhou como diretor contratado pelos estúdios, em projetos com a intenção de pagar os débitos acumulados com o Zoetrope Studios. Os maiores sucessos comerciais de Coppola no período foram Vidas Sem Rumo,Peggy Sue – Seu Passado à Espera e o inesperado Drácula de Bram Stoker. Em 1990, o diretor retornou a O Poderoso Chefão, realizando a parte final da trilogia

Francis Ford Coppola, então, se retirou para sua vinícola no Vale do Napa, na Califórnia. Porém, no despertar do século XXI, ele se reinventou. Primeiro, através da filha, Sofia Coppola, para quem produziu As Virgens Suicidas, Encontros e Desencontros, Maria Antonieta, Um Lugar Qualquer e Bling Ring – A Gangue de Hollywood. Depois, novamente, como diretor de filmes independentes, voltando ao projeto original de sua carreira: Velha Juventude, Tetro e Virgínia.

Programação Rio de Janeiro – CCBB (3 a 29 de junho) e Odeon (18 a 24 de junho):

Dia 3 de junho, quarta, CCBB:

– 14h – Jack, de Francis Ford Coppola. EUA, 1996. 113 min. Livre

– 16h30 – Tetro, de Francis Ford Coppola. EUA, 2009. 127 min. 14 anos.

Dia 4 de junho, quinta, CCBB:

– 16h – Agora Você é um Homem (You’re a Big Boy Now), de Francis Ford Coppola.

EUA, 1966. 96 min. Livre.

– 18h – O Poderoso Chefão (The Godfather), de Francis Ford Coppola. EUA, 1972. 175 min. 14 anos.

Dia 5 de junho, sexta, CCBB: – 15h30 –

Tucker, Um Homem e Se u Sonho

(Tucker, The Man and His Dream), de

Francis Ford Coppola. EUA, 1988. 110 min. Livre.

– 18h – O Poderoso Chefão, Parte II (The Godfather, Part II), de Francis Ford Coppola. EUA, 1974. 200 min. 14 anos.

Dia 6 de junho, sábado, CCBB:

– 16h30 – Caminhos Mal Traçados (The Rain People), de Francis Ford Coppola. EUA, 1969. 101 min. 14 anos.

– 19h – A Conversação (The Conversation, 1974), de Francis Ford Coppola. EUA, 1974. 113 min. 14 anos.

Dia 7 de junho, domingo, CCBB:

– 14h – A Década que Mudou o Cinema (A Decade Under Influence, 2003), de Ted Demme e Richard LaGravenese. EUA, 2003. 138 min. Livre.

– 17h – Vidas Sem Rumo (The Outsiders), de Francis Ford Coppola. EUA, 1983. 91 min. Livre.

– 19h – O Selvagem da Motocicleta (Rumble Fish), de Francis Ford Coppola. EUA, 1983. 94 min. 14 anos.

Dia 8 de junho, segunda, CCBB:

– 16h30 – Jardins de Pedra (Gardens of Stone), de Francis Ford Coppola. EUA, 1987.

111 min. 14 anos.

– 19h – Tetro, de Francis Ford Coppola. EUA, 2009. 127 min. 14 anos.

Dia 10 de junho, quarta, CCBB:

– 16h30 – A Conversação (The Conversation) de Francis Ford Coppola. EUA, 1974. 113 min. 14 anos.

– 19h – O Caminho do Arco-Íris (Finian’s Rainbow), de Francis Ford Coppola. EUA, 1968. 141 min. Livre.

Dia 11 de junho, quinta, CCBB:

– 16h30 – Do Fundo do Coração (One from the Heart), de Francis Ford Coppola. EUA, 1982. 107 min. 14 anos.

– 19h – Debate sobre a obra do diretor e produtor Francis Ford Coppola com o crítico de cinema Gilberto Silva Jr. e o professor Rafael de Luna, mediação do curador Paulo Ricardo Gonçalves de Almeida.

Dia 12 de junho, sexta, CCBB:

– 16h30 – Virgínia (Twixt) de Francis Ford Coppola. EUA, 2011. 88 min. 14 anos.

– 19h – Drácula de Bram Stoker (Bram Stoker’s Dracula), de Francis Ford Coppola.

EUA, 1992. 128 min. 14 anos.

Dia 13 de junho, sábado, CCBB:

– 16h30 – Tonight for Sure, de Francis Ford Coppola. EUA, 1961. 69 min. 14 anos.

– 19h Vidas Sem Rumo (The Outsiders), de Francis Ford Coppola. EUA, 1983. 91 min. Livre.

Dia 14 de junho, domingo, CCBB:

– 14h – A Década que Mudou o Cinema (A Decade Under Influence, 2003), de Ted Demme e Richard LaGravenese. EUA, 2003. 138 min. Livre.

– 16h30 – The Bellboy and the Playgirls, de Francis Ford Coppola e Fritz Umgelter.

EUA, 1962 . 94 min. 14 anos.

– 19h – O Caminho do Arco-Íris (Finian’s Rainbow), de Francis Ford Coppola. EUA, 1968. 141 min. Livre.

Dia 15 de junho, segunda, CCBB:

– 16h30 – Caminhos Mal Traçados (The Rain People), de Francis Ford Coppola. EUA, 1969. 101 min. 14 anos.

– 19h – O Selvagem da Motocicleta (Rumble Fish), de Francis Ford Coppola. EUA, 1983. 94 min. 14 anos.

Dia 17 de junho, quarta, CCBB:

– 16h30 – Cotton Club (The Cotton Club), de Francis Ford Coppola. EUA, 1984. 127 min. 14 anos.

– 19h – Do Fundo do Coração (One from the Heart), de Francis Ford Coppola. EUA, 1982. 107 min. 14 anos.

Dia 18 de junho, quinta: CCBB

– 16h – The Bellboy and the Playgirls, de Francis Ford Coppola e Fritz Umgelter.

EUA, 1962 . 94 min. 14 anos.

– 18h – Jack, de Francis Ford Coppola. EUA, 1996. 113 min. Livre

Odeon

– 21h – Apocalypse Now Redux (Apocalypse Now Redux), de Francis Ford Coppola.

EUA, 2001. 202 min. 14 anos.

Dia 19 de junho, sexta, CCBB:

– 16h30 – Tonight for Sure, de Francis Ford Coppola. EUA, 1961. 69 min. 14 anos.

– 19h – Agora Você é um Homem (You’re a Big Boy Now), de Francis Ford Coppola.

EUA, 1966. 96 min. Livre.

Dia 20 de junho, sábado:

CCBB

– 18h30 – Demência 13 (Dementia 13, 1963), de Francis Ford Coppola. EUA, 1963. 75 min. 14 anos. Odeon

– 21h – Drácula de Bram Stoker (Bram Stoker’s Dracula), de Francis Ford Coppola.

EUA, 1992. 128 min. 14 anos.

Dia 21 de junho, domingo:

CCBB

– 15h30 – Contos de Nova York (New York Stories), de Francis Ford Coppola, Martin

Scorsese, Woody Allen. EUA, 1989. 124 min. Livre

– 18h – Cotton Club (The Cotton Club), de Francis Ford Coppola. EUA, 1984. 127 min. 14 anos. Odeon

– 21h – Virgínia (Twixt) de Francis Ford Coppola. EUA, 2011. 88 min. 14 anos.

Dia 22 de junho, segunda:

CCBB

– 16h – Francis Ford Coppola: O Apocalipse de Um Cineasta (Hearts of Darkness: A

Filmmaker’s Apocalypse), de Fax Bahr, George Hickenlooper e Eleanor Coppola. EUA, 1991. 96 min. Livre

– 18h – Jardins de Pedra (Gardens of Stone), de Francis Ford Coppola. EUA, 1987. 96 min. 14 anos.

Odeon

– 21h – Peggy Sue, Seu Passado a Espera (Peggy Sue Got Married), de Francis Ford Coppola. EUA, 1986. 103 min. Livre.

Dia 23 de junho, terça, Odeon:

21h – O Poderoso Chefão (The Godfather), de Francis Ford Coppola. EUA, 1972. 175 min. 14 anos.

DIa 24 de junho, quarta:

CCBB

– 16h – Demência 13 (Dementia 13, 1963), de Francis Ford Coppola. EUA, 1963. 75 min. 14 anos

– 18h – O Homem que Fazia Chover (The Rainmaker), de Francis Ford Coppola. EUA, 1997. 135 min. Livre.

Odeon

– 21h – O Poderoso Chefão, Parte II (The Godfather, Part II), de Francis Ford Coppola. EUA, 1974. 200 min. 14 anos

Dia 25 de junho, quinta, CCBB:

– 15h30 – Contos de Nova York (New York Stories), de Francis Ford Coppola, Martin

Scorsese, Woody Allen. EUA, 1989. 124 min. Livre

– 18h – O Poderoso Chefão, Parte III (The Godfather, Part III), de Francis Ford Coppola. EUA, 1990. 162 min. 14 anos.

Dia 26 de junho, sexta, CCBB:

– 16h30 – Velha Juventude (Youth without Youth), de Francis Ford Coppola. EUA,

2007. 124 min. 14 anos.

– 19h –

Tucker, Um Homem e Seu Sonho

(Tucker, The Man and His Dream), de

Francis Ford Coppola. EUA, 1988. 110 min. Livre.

Dia 27 de junho, sábado, CCBB:

– 15h – Francis Ford Coppola: O Apocalipse de Um Cineasta (Hearts of Darkness: A

Filmmaker’s Apocalypse), de Fax Bahr, George Hickenlooper e Eleanor Coppola. EUA,

1991. 96 min. Livre

– 17h30 – Apocalypse Now Redux (Apocalypse Now Redux), de Francis Ford Coppola.

EUA, 2001. 202 min. 14 anos.

Dia 28 de junho, domingo, CCBB:

– 16h – O Poderoso Chefão, Parte III (The Godfather, Part III), de Francis Ford Coppola. EUA, 1990. 162 min. 14 anos.

– 19h – O Homem que Fazia Chover (The Rainmaker), de Francis Ford Coppola. EUA, 1997. 135 min. Livre.

Dia 29 de junho, segunda, CCBB:

– 16h30 – Peggy Sue, Seu Passado a Espera (Peggy Sue Got Married), de Francis Ford Coppola. EUA, 1986. 103 min. Livre.

– 19h – Velha Juventude (Youth without Youth), de Francis Ford Coppola. EUA, 2007. 124 min. 14 anos.

FRANCIS FORD COPPOLA: O CRONISTA DA AMÉRICA

Patrocínio: Banco do Brasil

Realização: Centro Cultural Banco do Brasil

Curadoria: Paulo Ricardo Gonçalves de Almeida Produção: Voa! Comunicação e Cultura http://www.bb.com.br/cultura

Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro

3 a 29 de junho de 2015 (quarta a segunda-feira)

Rua Primeiro de Março 66, Centro, tel (21) 3808-2020 Salas de Cinema 1 (98 lugares) – Ingressos: R$ 4 e R$ 2 (meia). http://www.twitter.com/ccbb_rjhttp://www.facebook.com.br/ccbb.rj

Centro Cultural Severiano Ribeiro – ODEON

18 a 24 de junho de 2015

Praça Floriano, 7 – Cinelândia – tel. (21) 2240-1093

Ingressos: R$ 24 (segunda a sexta), R$ 18 (sábado, domingo, feriado)

“Muitos Homens Num Só” estreia em junho

A primeira pílula para internet do filme ”Muitos Homens Num Só” traz Vladimir Brichta falando sobre seu personagem. ”Ele é um ladrão. Ele vem do submundo e se faz passar por alguém mais aristocrático. Esse personagem existiu e era muito comum na época em que viveu”, define o ator. No longa, que estreia dia 25 de junho, Dr. Antonio aparece como uma releitura de Arthur Antunes Maciel, um célebre ladrão de hotéis que viveu no Rio de Janeiro, no início do século XX, e teve sua história eternizada no livro ”Memórias de Um Rato de Hotel”, escrito pelo cronista e jornalista João do Rio. A obra, que serviu de base para o roteiro, mostra que o bandido usava diversos pseudônimos para cometer seus furtos e frequentava diversos ambientes, inclusive os da aristocracia carioca.

No romance, Dr. Antonio, na pele de um médico cirurgião, se envolve com Eva, vivida por Alice Braga, uma mulher casada que tem seu sonho de ser artista impedido pelo marido. ”O Dr. Antonio do Vlad é chique, cauteloso, delicado de alguma maneira. Eu diria que é um Dr. Antonio apaixonante”, resume a diretora do longa, Mini Kerti. O envolvimento do casal liberta a alma artística de Eva e, ao mesmo tempo, coloca a liberdade do larápio em risco.

Assista ao vídeo aqui:https://youtu.be/aNR-kThIJfw

MÍDIAS SOCIAIS:

Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=g9ASr0q1_Rw

Facebook: https://www.facebook.com/MuitosHomensNumSo?fref=ts

Filme “Hamlet” estreia em São Paulo em 11/06

Hamlet, dirigido por Cristiano Burlan, estreia em São Paulo no dia 11 de junho nas salas do Centro Cultural São Paulo, Cine Olido e Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes.

O filme é o segundo lançamento da programação de cinema da Spcine no Circuito São Paulo de Cultura. Além das exibições, o programa promove a oficina Cinema de Guerrilha, com a equipe do longa-metragem, incluindo o diretor Cristiano Burlan, no dia 12 de junho no Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes.

A produção é uma livre adaptação da tragédia de William Shakespeare e aborda temas explorados no original do século XVI, como amor, ódio, traição e vingança. O filme recebeu um novo corte para o lançamento, após exibição no Festival de Cinema Latino-americano de São Paulo 2014.  

O filme se passa na metrópole de São Paulo e conta com as vozes dos próprios personagens e dos atores para conduzir a ficção. Parte daquilo que aconteceu nas coxias do teatro de Shakespeare estão desnudas em frente à lente. A tragédia, outrora ambientada dentro do castelo, acontece também nas ruas de São Paulo e é exatamente nesse espaço público que os impulsos privados afloram.

“Eu já tentei vingar a morte do meu irmão, fiquei de tocaia à espera dos assassinos e fracassei. Guardo até hoje uma bala para matar o assassino de minha mãe, mas nunca serei capaz. Talvez seja sobre isso o filme, sobre esse desejo primitivo que arranca os pensamentos do lugar de abrigo e os destina à fatalidade. E ai, diante da tragédia de cada um, resta decidir o destino fatal”, afirma  Cristiano Burlan.

O elenco conta com Henrique Zanoni como Hamlet, que também protagonizou os filmes Sinfonia de um homem só e Amador, do mesmo diretor; o crítico de cinema Jean-Claude Bernardet, que faz o papel do fantasma do rei morto; a atriz potiguar Ana Carolina Marinho que interpreta Ofélia e no papel do rei Cláudio, o ator Luiz Fernando Resende, que participou do mítico filme Hitler 3o Mundo, de José Agripino de Paula.

Cristiano Burlan, considerado o cineasta mais marginal do cinema paulista, desenvolveu Hamlet logo depois de Amador, que estreou na 17ª Mostra de Cinema de Tiradentes e de Mataram meu irmão, que foi vencedor do 18o É Tudo Verdade – Festival Internacional de Documentários; do Prêmio do Governo do Estado de São Paulo 2014 e do 40o SESC Melhores Filmes.

 Hamlet foi realizado de forma independente, com recursos próprios e de parceiros que entraram como produtores associados.

Sinopse

A partir do assassinato de seu pai por seu tio, Hamlet é obrigado a enfrentar suas próprias contradições e as do mundo à sua volta. Originalmente ambientada dentro de um castelo, a tragédia ganha como cenário as ruas da cidade, e é neste espaço onde os impulsos privados afloram e testam os limites da vingança. Em uma desconstrução de si mesmo, Hamlet mergulha na eterna questão sobre o sentido da existência.

Cristiano Burlan

Nasceu em Porto Alegre em 1975. É diretor de cinema e teatro. Na década de noventa morou em Barcelona, onde dirigiu o grupo de cinema experimental Super-8. Esteve à frente do grupo de teatro paulistano, a Fúria. É professor na Universidade do Estado do Amazonas – UEA e na Academia Internacional de Cinema – AIC. A maior parte de sua filmografia participou de importantes festivais como o Festival de Havana, É Tudo Verdade, Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, Málaga, entre outros. Seu documentário mais recente, Mataram meu irmão, foi o grande vencedor do É Tudo Verdade 2013, angariando os prêmios de Melhor Filme do Júri Oficial e da Crítica, também foi vencedor do Prêmio Governador do Estado de São Paulo de 2014 e do 40º Festival Sesc Melhores Filmes. Entre seus principais filmes de ficção estão: Amador, que integrou a 17a Mostra de Cinema de Tiradentes, Sinfonia de Um Homem Só, indicado ao Prêmio Bandeira Paulista na 36ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, Corações Desertos, A Espera, Opus Hamlet Machine, Os Solitários e 4:48 AM. Em 2015, começa a filmar Elegia de um Crime, que encerra sua trilogia do luto, iniciada com Construção e Mataram Meu Irmão. Esta em fase de finalização do longa-metragem de ficção Fome, que tem Jean Claude Bernardet como protagonista.

 

Ficha técnica

Direção: Cristiano Burlan.

Roteiro: Cristiano Burlan e Henrique Zanoni.

Distribuição: Bela Filmes

Codistribuição: Spcine

Produção: Bela Filmes.

Produção Executiva: Simone Paz e Mariana Lamberti de Abreu.

Diretora de produção: Mariela Lamberti de Abreu.

Fotografia: Rafael Nobre.

Montagem: Grace Pinto e Pedro Leite.

Elenco: Henrique Zanoni, Jean-Claude Bernardet, Ana Carolina Marinho, Luiz Fernando Resende, Suia Legaspe, Paulo Bordhin, Gustavo Canovas, Eduardo Bordinhon e Rejane Arruda.

Trilha Sonora: Guilherme Garbato e Gustavo Garbato.

Gênero: Drama.

Cor: Preto e branco.

Duração: 90 minutos.

Serviço

São Paulo

Centro Cultural São Paulo

De 11/06 a 17/06, às 16h e às 20h30.

De 18/06 a 24/06, às 18h30.

De 25/06 a 01/07, às 17h.

 

Cine Olido

11/06, 18/06 e 19/06, às 19h.

12/06, 13/06, 14/06, 17/06, 20/06, 24/06, 26/06 e 28/06, às 17h.

16/06, 21/06, 23/06, 25/06 e 27/06, às 15h. 

 

Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes

Dia 13/06, às 17h.

Dia 14/06, às 17h.

 

Oficina “Cinema de Guerrilha” com Cristiano Burlan 

Data: 12 de junho – das 14h30 às 17h30.

Local: Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes

A oficina abordará aspectos da realização cinematográfica independente em São Paulo, através de uma análise teórica e prática dos pilares da produção cinematográfica: direção, produção, interpretação, montagem e som. 

 

Estreia do projeto Cineclube ECL

A Escola Livre de Cinema de Nova Iguaçu estreia seu novo projeto: o Cineclube ELC. De abril a julho haverá exibição de filmes que dialoguem com a temática de cultura urbana e juventude. Na primeira sessão, dia 24/4, às 18h, será exibido o documentário “Praça do Skate – A Primeira Pista da América Latina”, do VJ e diretor Paulo China. A entrada é gratuita.

O documentário conta a história da “Praça do Skate”, localizada no centro da cidade de Nova Iguaçu, conhecida por ser a primeira pista construída na América Latina. No final da exibição acontecerá um bate-papo com entre o diretor e os espectadores presentes. A ideia do Cineclube é mostrar diversos filmes que tenham como tema a arte urbana e a juventude, já que a 4ª edição do Iguacine – Festival de Cinema da Cidade de Nova Iguaçu, que acontecerá no segundo semestre, abordará esses assuntos.

Sobre a Escola Livre de Cinema de Nova Iguaçu

A Escola Livre de Cinema de Nova Iguaçu, fundada em julho de 2006, é a primeira escola de audiovisual da Baixada Fluminense. Localizada no bairro de Miguel Couto em Nova Iguaçu, sob a gestão da OSCIP Avenida Brasil Instituto de Criatividade Social, o projeto é dirigido pelo cineasta e diretor teatral Marcus Vinícius Faustini.

Em 2012, com a mudança para Austin, a ELC iniciou um novo ciclo e agora conta com uma gestão colaborativa na qual o Cineclube Buraco do Getúlio, a ONG Laboratório Cultural, o Departamento de Cinema e Vídeo da Universidade Federal Fluminense e o Cineclube Mate com Angu contribuem com mobilização e produção..
Serviço:
Cineclube ELC
Dia: 24/04 (sexta-feira), às 18h
Filme: Praça do Skate – A Primeira Pista da América Latina, de Paulo China
Local: Sede da Escola Livre de Cinema Nova Iguaçu
Rua Cândido Lima, 13, Sobreloja, Austin (próximo à Estação de Trem), Nova Iguaçu.