MAC apresenta Cineclube Cineolho

Dia 13 de julho é comemorado o dia do rock! O Cineclube Cineolho deste mês resolveu prestar uma homenagem a este estilo musical e vai apresentar, gratuitamente, no dia 26 de julho, sábado, às 17, no Museu de Arte Contemporânea de Niterói, dois documentários, cujo personagem central é nada mais nada menos do que Serguei – ícone brasileiro do rock, que completou 80 anos em 2013, e é retratado de forma ímpar em um filme inédito e exclusivo.

Programação:
Serguei íntimo (Direção de Luciana Cavalcanti, 16’, 2013)
Em ocasião dos seus oitenta anos, o anjo maldito do rock brasileiro nos abre as portas do seu templo. Um templo repleto de lembranças e cartazes míticos, num tête-à-tête inédito. Lançamento mundial, inédito e exclusivo
Eu toco Rock´n´roll (De Daniel Faustino, Gustavo Freitas, Henrique Bovolenta e Rodrigo Gianesi. Orientação: Ênio Passiani e Márcio Sampaio de Castro. 45’, 2012.)
O Brasil é o país do samba. Também é o país da bossa nova. E do sertanejo, do pagode e de tantos outros estilos criados e enraizados em nossa cultura. Mas não é o país do rock. E é isso que o filme explora: o que é tocar rock no Brasil?
Por meio de entrevistas com roqueiros brasileiros, o documentário explora quais são as dificuldades do estilo? Quais são os maiores desafios que as bandas enfrentam? Porque o rock já chegou ao mainstream décadas atrás, mas hoje não chega mais?

Serviço:
Cineclube Cineolho
Dia 26 de julho (sábado), às 17h
Programação: Serguei íntimo (Direção de Luciana Cavalcanti, 16’, 2013)/ Eu toco Rock´n´roll (De Daniel Faustino, Gustavo Freitas, Henrique Bovolenta e Rodrigo Gianesi. Orientação: Ênio Passiani e Márcio Sampaio de Castro. 45’, 2012.)
Classificação indicativa: 14 anos
Entrada gratuita
MAC de Niterói – auditório
Mirante da Boa Viagem s/ número – Niterói
2620-2400/ 2620-2481 http://www.macniteroi.com.br

Anúncios

CINEfoot – Festival de Cinema de Futebol

O CINEfoot – FESTIVAL DE CINEMA DE FUTEBOL é o único festival de cinema do Brasil e da América Latina exclusivamente dedicado à exibição de filmes sobre a maior paixão nacional: o futebol. Com esta iniciativa pioneira, o CINEfoot apresenta uma programação muito especial no CCBB Rio de Janeiro, de 9 a 12 de julho, composta por 20 filmes de futebol de várias nacionalidades: Brasil, França, Uruguai, Alemanha, Suíça, Portugal, Argentina, Bulgária e Espanha.
*Senhas serão distribuídas 1h antes de cada sessão.
http://www.cinefoot.org

 
Programação:
Dia 09/07 – quarta-feira
19h – Sessão 1
Mauro Shampoo – Jogador, Cabeleireiro e Homem
Looking For Rio

Dia 10/07 – quinta-feira
18h – Sessão 2
Porque Há Coisas que Nunca São Esquecidas
Gaúchos Canarinhos
Para Exportação
Ronaldo
Partida Internacional
Como Hipólito Vázquez Encontrou Magia Onde Não Esperava
Playday, Sonhar nas Quatro Linhas

19h30 – Sessão 3
El Otro Superclasico
Fla x Flu 40 Minutos Antes do Nada

Dia 11/07 – sexta-feira
18h – Sessão 4
Porque Há Coisas que Nunca São Esquecidas
O Pai do Gol
Para Exportação
Ronaldo
Partida Internacional
Como Hipólito Vázquez Encontrou Magia Onde Não Esperava
Playday, Sonhar nas Quatro Linhas

19h30 – Sessão 5
A Rua É Pública
Stoichkov

Dia 12/07 – sábado
14h – Sessão 6
Gaúchos Canarinhos
O Primeiro João
Tapete Verde
Zimbu
Ernesto no País do Futebol
A Rua É Pública

19h30 – Sessão 7
Partida Internacional
João

Arte e Política: de lá pra cá

O Museu de Arte Contemporânea de Niterói apresenta a mostra de filmes “Arte e Politica: de lá pra cá” (curadoria de Leandro Almeida e produção da Provisório Permanente Produções Culturais), como atividade complementar à exposição em cartaz Re-existência da arte e política: 1964-2014 (curadoria de Luiz Guilherme Vergara), que mostra a trajetória da arte nestas cinco décadas, desde o golpe militar e que conta com obras de importantes artistas – das Coleções João Sattamini e MAC Niterói – como Anna Bella Geiger, Antonio Dias, Carlos Zílio, Cildo Meireles, Ivan Serpa, Rubens Gerchman, entre outros. Para isso, foram selecionados curtas a serem exibidos, no espaço expositivo, às 15h, sempre às quartas feiras, até agosto. A entrada é gratuita!

Programação do dia 9 de julho:
Os Doces Bárbaros (Direção Jom Top Azulay / doc / 100min /1976/ Brasil)
Em 1976, Maria Bethânia, Gilberto Gil, Caetano Veloso e Gal Costa comemoravam seus 10 anos de carreira. Para celebrar a primeira década na estrada, eles se unem como o nome de Os Doces Bárbaros para fazer uma série de espetáculo pelo Brasil. Apresentações lotadas, repertórios especiais, tumultos e incidentes com a polícia marcaram a turnê, que marcou para sempre a trajetória dos quatro baianos e da música brasileira.

Serviço:
Mostra de filmes “Arte e Política: de lá pra cá”, a partir da exposição em cartaz “Re-existência da arte e política: 1964 – 2014”
Entrada gratuita
Dia 9 de julho, quarta-feira, às 15h
Filme: Os Doces Bárbaros (Direção Jom Top Azulay / doc / 100min /1976/ Brasil)
Classificação indicativa: 12 anos
MAC de Niterói
Mirante da Boa Viagem sem número – Niterói
Informações: 2620-2400

Cinemark inaugura cinema no Rio

A Rede Cinemark acaba de inaugurar seu 68º complexo no Brasil, no Shopping Metropolitano Barra, localizado na zona oeste do Rio de Janeiro. O mais novo espaço de lazer e entretenimento da capital fluminense possui sete salas de cinema inteiramente digitais, das quais quatro contam com a tecnologia 3D e uma é equipada com a tecnologia Extreme Digital Cinema (XD). O complexo tem capacidade total para 1.557 espectadores.
Com o início das operações no Shopping Metropolitano Barra, a maior rede exibidora do Brasil inaugura o seu 5º complexo de cinema na cidade do Rio de Janeiro. “O novo cinema é mais uma opção de entretenimento que a Cinemark oferece aos cariocas, e está equipado com o que há de mais moderno em termos de exibição. A sala XD, por exemplo, dá ao espectador a impressão de fazer parte do filme”, afirma Bettina Boklis, diretora de Marketing da Cinemark.
A tecnologia Extreme Digital Cinema (XD), presente em uma sala do complexo, representa um avanço para as salas tradicionais de cinema, em termos de projeção 2D e 3D. A tela é 40% maior que as convencionais e ocupa toda a parede, do teto ao chão da sala. A sonorização, desenhada e ajustada para os padrões Cinemark, conta com 50 mil watts de potência, contra uma medida média de 8 mil a 12 mil de uma sala convencional, além de 7,1 canais de áudio.
O atendimento ao cliente é outro diferencial do Cinemark Metropolitano Barra. A Rede disponibiliza quatro terminais de autoatendimento, proporcionando conforto e comodidade aos usuários na hora da compra dos ingressos, sem custos e taxas adicionais. O sistema é de fácil navegação. Com simples toques na tela é possível acessar a programação, efetuar a compra para assistir ao filme desejado e ainda escolher as poltronas. A transação nos terminais pode ser realizada com os cartões de débito e de crédito Visa, Master e Amex. Em toda a Rede, 336 terminais já estão à disposição dos clientes Cinemark.
No snack bar, a Rede ainda conta com o serviço express. De sexta a domingo, os produtos de bombonière adquiridos antecipadamente, juntamente com o ingresso, nos totens de autoatendimento, site ou bilheteria, podem ser retirados diretamente no caixa dedicado ao atendimento rápido.

Serviço:
Cinemark – Metropolitano Barra Shopping
Endereço: Av. Abelardo Bueno, 1.300

“A onda da vida” – Eu fui!

Cinematograficamente falando, os adolescentes não têm do que reclamar. Muitos filmes que estão estreando ultimamente são voltados para eles. É o caso de “A onda da vida – Uma história de amor e surf”, fruto de José Augusto Muleta. Experiente em filmes comerciais e videoclipes, faz agora sua estreia como diretor de longas metragens.

O filme conta a história de três amigos que saem de carro do Rio de Janeiro com destino ao litoral da Bahia em busca da onda perfeita. No caminho, o carro quebra e eles têm que interromper a viagem. Param na Vila de Regência, no Espírito Santo, um paraíso desconhecido com ondas perfeitas.

Segundo o produtor executivo Rik Nogueira, a história não é real, mas poderia ser. “A gente brincou com personagens reais, mas é uma ficção. Mas você vendo o filme fica acreditando mesmo que existe essa história. Que vai chegar lá em Regência e vai encontrar mesmo o Thiago e a Thalena”, diz.  Esta personagem é a mocinha do filme, também se chama Thalena e é moradora de Vila de Regência.

O público do filme é bem específico. Adolescente, surfista. Como não me identifico com nenhuma das duas categorias, tive dificuldade em me envolver com a história. O enredo também tenta passar mensagens no sentido good vibe. Os três amigos encontram a Vila de Regência por acaso e, mesmo estando sem dinheiro e sem conhecerem ninguém por lá inicialmente, são acolhidos pelos moradores locais. O que os leva a perceber que não precisam de muito para serem felizes.

Outra referência a essa simplicidade está o orçamento curto do filme, R$ 65.000,00. O elenco também é composto boa parte pelos moradores de Vila de Regência, cujo preparo foi feito pelo próprio diretor. Em troca, ele mostra um pouco da cultura deles na telona, como a banda do congo, tradição da região.

Aos interessados em “embarcar nessa onda”, o filme será exibido no Cinépolis São Gonçalo. Aqui no Rio de Janeiro, pois também haverá apresentação em outras cidades, como São Paulo, Vitória e Santos.


Trailer:

Arena Dicró exibe o documentário “Remoção”

“Remoção” é um documentário que mostra o processo de remoção das favelas da Zona Sul nas décadas de 60 e 70. Com direção e roteiro de Luiz Antonio Pilar e Anderson Quack, o filme vencedor da Mostra competitiva de longa metragem documental do RECINE 2013 (Festival Internacional de Cinema de Arquivo) tem única exibição na Arena Dicró, no dia 28 de junho. A entrada é gratuita e a classificação etária é livre.
Com patrocínio da Petrobras, o filme conta através de depoimentos o processo de remoção das favelas da Zona Sul, que deram origem à primeira experiência de criação de conjuntos habitacionais. Pilar e Quack viveram esse processo e querem mostrar para o público como tudo aconteceu. Enquanto que para o Quack foi uma experiência negativa, para a família de Pilar foi a conquista da casa própria. “O Quack e a família dele foram removidos do morro Macedo Sobrinho, em Botafogo, para a Cidade de Deus. Eles foram obrigados! Meu caso foi ao contrário. Eu saí com a minha família da Vila Vintém para o conjunto habitacional, e meu pai comprou um apartamento”, relembra Pilar.
“Eu sempre quis entender como fui parar na Cidade de Deus! Comentei com o Pilar e resolvemos realizar o projeto. A motivação de nós dois foi entender o processo da mudança. Para mim foi doloroso, mas para a família do Pilar foi um degrau na vida deles”, conta Quack.
Entre as favelas removidas mostradas no longa, estão o Parque Proletário da Gávea, na Gávea, Praia do Pinto, no Leblon, Ilha das Dragas e Morro da Catacumba, na Lagoa, Morro Macedo Sobrinho, em Botafogo, e Morro do Pasmado, em Copacabana, que deram origem à primeira experiência de criação de conjuntos habitacionais, criando os conjuntos de Vila Kennedy, Vila Aliança, Cidade de Deus, Cidade Alta, em Cordovil, Dom Jayme Câmara, em Padre Miguel, e a Cruzada São Sebastião.
Durante as filmagens, cerca de 60 pessoas foram entrevistadas, entre elas: moradores que foram removidos, professores, mestres e doutores sobre o tema e os remanescentes mentores e primeiros executores do projeto como Sandra Cavalcanti – Assistente social e secretária no Governo de Lacerda e o Sr. Giuseppe Badolato – arquiteto que projetou a maioria das moradias dos conjuntos. Todos os pontos de vistas são expostos para que o expectador tire as suas conclusões de como realmente tudo aconteceu.
Além dos depoimentos, o longa traz imagens das remoções e uma propaganda eleitoral mostrando o quanto as mudanças foram benéficas para os favelados. No contraponto, testemunho de pessoas que foram tiradas à força e levadas para locais muitas vezes indesejados, sem saneamento básico, transporte, entre outros problemas. Um dos moradores removidos do Morro da Catacumba conta que foi contratado para guiar a equipe de assistentes sociais que fazia o levantamento sócio-econômico das famílias, para que fosse feita a distribuição pelos Conjuntos Habitacionais. Perguntado como era esse serviço, respondeu que era tranquilo, “botava um revólver na cintura e acompanhava aquelas meninas, filhinhas de papai, pela favela”.
“Trata-se de um filme que está em voga. Infelizmente a cidade do Rio de Janeiro não está se remodelando, mas está repetindo o processo de remoções compulsórias sem diálogo, da mesma maneira como fez há 40, 50 anos atrás. É um processo de dominação, e que você acaba percebendo que é de expulsão mesmo do pobre dos grandes centros urbanos”, conclui Luiz Antonio Pilar.
Direção, Argumento, Roteiro – Luiz Antonio Pilar, Anderson Quack

Serviço:
Data: 28/06 (sábado)
Horário: 16h
Local: Arena Carioca Dicró – Carlos Roberto de Oliveira
Endereço: Parque Ari Barroso, Penha (entrada pela rua Flora Lobo)
Telefone: (21) 3486-7643
Entrada gratuita
Classificação etária: Livre

Top 5 de filmes para o Dia dos Namorados

Mais um Dia dos Namorados chega e, como em todos os anos, restaurantes, cinemas… TUDO LOTADO! Pensando nisso, fiz aqui uma pequena lista de filmes a que assisti este ano e, de alguma forma, indico para vocês. Todos já estão fora de cartaz. Portanto, fica mais fácil e acessível para que vejam no conforto do lar, sem precisar enfrentar fila.

Vamos a eles:

 

1 – Hoje eu Quero Voltar SozinhoFoto: Divulgação

Leonardo (Guilherme Lobo), um adolescente cego, tenta lidar com a mãe superprotetora ao mesmo tempo em que busca sua independência. Quando Gabriel (Fabio Audi) chega na cidade, novos sentimentos começam a surgir em Leonardo, fazendo com que ele descubra mais sobre si mesmo e sua sexualidade.

Filme nacional muito interessante que causou muitos comentários no início do ano.

 

 

2 – Medianeras: Buenos Aires na Era do Amor Virtual

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Martin (Javier Drolas) está sozinho, passa por um momento de depressão e não se conforma com a maneira com a cidade de Buenos Aires cresceu e foi construída. Web designer, meio neurótico, pouco sai e fica grande parte do tempo no computador. É através da internet que conhece Mariana (Pilar López de Ayala), sua vizinha também solitária e desiludida com a vida moderna numa grande cidade.

Outro filme sulamericano bem interessante. Mostra como uma história de amor pode surgir, até mesmo da maneira mais inusitada possível.

 

 

 

 

 

 

3 – Cartas para Julieta

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Sophie (Amanda Seyfried) é uma aspirante a escritora que viaja para a Itália ao lado do noivo Victor (Gael García Bernal), que sonha em ter seu próprio restaurante. Em Verona, onde se passou a história de Romeu e Julieta, local perfeito para uma lua de mel antecipada, Sophie acaba percebendo que seu noivo está mais interessado nos fornecedores para seu restaurante do que nela. Na cidade descobre uma antiga carta de amor e junta-se a um grupo de voluntárias que responde a estas missivas amorosas. Para sua surpresa, a remetente Claire Smith (Vanessa Redgrave) ouve o conselho dado na resposta e vai procurar Lorenzo, por quem se apaixonou na juventude. Mas existem muitos italianos com o mesmo nome e Sophie demonstra interesse em ajudá-la na tarefa, desagradando o neto Charlie (Christopher Egan), que já tinha reprovado essa louca aventura da avó viúva.

Filme bacana para quem se interessa por histórias de amor e quer apreciar as belas paisagens italianas.

 

 

 

4 – O casamento do meu melhor amigo

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Julianne (Julia Roberts) e Michael (Dermot Mulroney) combinaram que, se ambos continuassem solteiros quando completassem 28 anos, se casariam. Quando recebe um telefonema do amigo, às vésperas da fatídica data, anunciando que está prestes a se casar, mas com outra (Cameron Diaz), Julianne se descobre apaixonada por ele e aceita o convite para ser madrinha, mas com segundas intenções.

Você não leu errado quando escrevi que estes são filmes a que assisti este ano. Apesar de ser um clássico da comédia romântica, acredita que vi somente há pouco tempo? (rs) Enfim, se você é uma das únicas pessoas do mundo que ainda não assistiram – como eu, há pouco tempo – vale conferir este ícone.

 

 

 

 

 

5 – Sob o Sol da Toscana

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Frances Mayes (Diane Lane) é uma escritora que leva uma vida feliz em San Francisco, até que se divorcia de seu marido. Triste e deprimida, ela decide mudar radicalmente de vida e compra uma chácara na Toscana, para descansar e poder terminar em paz seu novo texto. Porém enquanto ela cuida da reforma de sua nova casa acaba conhecendo um novo homem, que reacende sua paixão.
Honestamente, está longe de ser um dos filmes de que mais gostei (rs), mas também vale para apreciar as paisagens da Toscana e, quem sabe, planejar uma viagem?