“Mademoiselle Paradis” estreia em maio

Título Original: Mademoiselle Paradis
Direção: Barbara Albert
Roteiro: Barbara Albert, Kathrin Resetarits
Baseado na obra de Alissa Walser
Elenco: Maria Dragus, Devid Striesow, Lukas Miko
Distribuição: A2 FilmesSinopse: Viena, 1777. A pianista cega Maria Theresia Paradis, hoje com 18 anos de idade, perdeu a visão durante seus primeiros anos de vida. Após inúmeros experimentos médicos fracassados, seus pais a levam ao controverso médico Franz Anton Mesmer, e ela se junta a um grupo de pacientes extravagantes, que buscam no magnetismo uma oportunidade de cura para males que a ciência tradicional não resolve. Ela goza de liberdade pela primeira vez neste mundo, mas começa a notar que, se o tratamento de Mesmer lhe permite recuperar a visão, ela perde sua virtuosidade musical. Seleção Oficial nos Festivais de San Sebastián International Film Festival 2017 e Toronto International Film Festival 2017.

Longa estreia no dia 02 de maio
Anúncios

Marcia Haydée – uma vida pela dança

Reconhecida como uma das referências internacionais da dança do século XX, Marcia Haydée ganha documentário biográfico, idealizado por sua irmã Monica Athayde, produzido por Marco Altberg, através da Indiana Produções, em parceria com a Globo Filmes e a GloboNews. O filme “Marcia Haydée – uma vida pela dança”, dirigido por Daniela Kallmann, com roteiro de Julia de Abreu e trilha sonora original de Mariana Camargo, chega aos cinemas nacionais no dia 18 de abril, com exibições nas capitais Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. Hoje, aos 81 anos, Marcia continua ativa e está à frente da direção do Ballet de Santiago, no Chile, além de atuar como coreógrafa para outras companhias internacionais.

“Foi um prazer, uma alegria e um grande aprendizado fazer um filme com e sobre a Marcia Haydée. Trazer suas lembranças e seu exemplo para as novas gerações é necessário para a formação artística das nossas plateias”, declara Marco Altberg.

O documentário celebra oito décadas de vida de Haydée e chega às telas para contar a história da única bailarina brasileira a ser reverenciada nos mais importantes teatros do mundo. Entre eles, estão o Bolshoi (Moscou), Opera  (Paris); Covent Garden  (Londres), Staatsoper  (Berlin);Bunka Kaikan (Tóquio); além de Metropolitan Opera House  (Nova York);Lincoln Center  (Washington); Colon(Buenos Aires) e Teatro Municipal de Santiago, no Chile. No Brasil,  Theatro Municipal do Rio de Janeiro e Teatro Municipal de São Paulo.

“Além da Marcia bailarina, diretora de ballet e coreógrafa, queremos mostrar a pessoa que está por trás dos palcos. A Marcia generosa, que tem uma energia incrível e que, mesmo depois dos 80 anos, continua trabalhando incessantemente ao redor do mundo”, conta Monica Athayde.

Sua trajetória marcada pela dedicação à dança é entremeada por depoimentos de nomes brasileiros como Bibi Ferreira, Ana Botafogo e Deborah Colker. Além de renomados artistas internacionais como Reid Anderson, diretor artístico do Stuttgart Ballet e, Tamas Detrich, ex-bailarino solista e diretor artístico da mesma companhia, onde Marcia trabalhou por quase metade de sua carreira; Luz Lorca, diretora adjunta do Ballet de Santiago, no qual a bailarina é a diretora atualmente, e ainda da mesma Cia, Andrezza Randisek, bailarina solista e, Pablo Nuñes, cenógrafo e figurinista. John Neumeier, coreógrafo e diretor artístico do Hamburg Ballet também dá seu testemunho no filme.

O documentário começou a ser elaborado há mais de 6 anos, quando Monica decidiu começar suas pesquisas nos acervos da irmã. O material selecionado traz momentos da bailarina no Rio de Janeiro, na Alemanha e no Chile, onde morou e desenvolveu sua carreira.  Imagens dos anos 50, na casa de seus pais, marcam o momento em que Marcia conhece Michael Powell, diretor do célebre filme Red Shoes, que impulsiona sua ida para a Europa.

Após o lançamento nas salas de cinema, o filme será exibido nos canais GloboNews e Curta!, que contou com a participação do Fundo Setorial do Audiovisual – Ancine/BRDE.

 

Sobre a dançarina

Marcia Haydée, nascida em Niterói, estado do Rio de Janeiro, começa as aulas de ballet aos 3 anos. Aos 12 já fala em ser a melhor bailarina do mundo. Aos 16 se muda para Londres para estudar na Royal Ballet School. Lá conhece o coreógrafo sul-africano John Cranko, diretor do Stuttgart Ballet, na Alemanha, e se torna sua discípula. Em Stuttgart, Marcia se torna primeira bailarina e, após a morte precoce de Cranko, passa a dirigir a companhia.

Foi ao interpretar espetáculos como “Carmen”, “Romeu e Julieta” e “A megera domada” que Haydée tornou-se reconhecida mundialmente. Foi aclamada como a Maria Callas da dança, por sua grandeza nas interpretações em cada papel que lhe era oferecido. A bailarina escolhe então não ter filhos e se dedicar exclusivamente à carreira e, mesmo quando à frente da companhia alemã como diretora, continua a ser disputada por grandes coreógrafos, como Glen Tetley, Jí Kylián, William Forsythe, Maurice Béjart e John Neumeier.

FICHA TÉCNICA – MARCIA HAYDÉE

Empresa Produtora: Indiana Produções

Coprodução: Buddhi Produções, GloboNews, Globo Filmes

Produção: Marco Altberg

Produtora Associada: Monica Athayde Lopes

Direção: Daniela Kallmann

Pesquisa: Nubia Melhem Santos

Roteiro :Julia de Abreu

Fotografia: Guy Gonçalves

Montagem: Maria Altberg

Trilha Sonora Original: Mariana Camargo

Distribuição: RioFilme e Anagrama Filmes

NAS REDES SOCIAIS

Facebook @marciahaydeedoc

Instagram @marciahaydeedoc

“Eu acredito” estreia em maio

Uma emocionante história sobre a descoberta da fé. Brian (Rowan Smyth) é um garoto de apenas nove anos de idade, que tem um enigmático encontro com Deus e passa a buscar mais informações sobre quem Ele é e qual a sua importância. À medida em que sua fé cresce, o garoto começa a encontrar obstáculos em diversos lugares, a começar por sua própria casa, já que seu pai, Simon (Matt Lindquist), não crê em Deus e está criando seu filho para ser como ele. Felizmente, Brian encontra apoio no pastor de uma igreja local e em um fuzileiro naval dos EUA, que o ajudam na sua jornada. A fé pura e inocente de Brian resulta em milagres extraordinários, que rapidamente se tornam notícia na cidade.

Com direção e produção de Stacey Peretzki e Juergen Peretzki, que também assinam o roteiro ao lado de David Outten, ‘Eu Acredito’ tem recebido boas críticas por parte de veículos especializados em produções para a família. O filme, que é estrelado por Rowan Smyth (‘NCIS: New Orleans’) e Matt Lindquist (‘The Cure’), recebeu notas máximas pelos critérios da The Dove Foundation nos quesitos Fé e Integridade, e notas mínimas para Linguagem, Violência e Outros, especialmente não apresentar sequer uma cena contendo Sexo, Nudez e uso de Drogas. Sobre o conteúdo da história, eles foram ainda mais receptivos, no texto escrito por Jurgen Peretzki e David Outten – “Este maravilhoso filme centra-se na fé e em defender a palavra de Deus. Temos o prazer de lhe conceder nosso Selo Family-Friendly para todas as idades. Este filme prova que a fé infantil traz grandes resultados!”.

‘Eu Acredito’ conta ainda com Thomas Silcott (‘Luke Cage’), Wilford Brimley (‘Cocoon’), Jeremy London (‘Wasted Hours’), Tom Sizemore (‘O Resgate do Soldado Ryan’), William McNamara (‘Memórias Secretas’) e Sarah Navratil (‘Stargate Origins’) no elenco.

Links dos Materiais
Trailer: https://youtu.be/9WcLay186rc
Download Trailer: http://bit.ly/EuAcreditoTrailer
Pôster: http://bit.ly/EuAcreditoPoster
Fotos: http://bit.ly/EuAcreditoCenas

Sinopse
Uma emocionante história sobre a descoberta da fé. Brian, tem apenas nove anos de idade, quando vive um encontro sobrenatural com Deus, uma experiência que o leva a uma aventura para descobrir mais sobre o que os cristãos acreditam. A fé pura e inocente de Brian resulta em milagres extraordinários, que rapidamente se tornam notícia na cidade.

Ficha Técnica
Diretor: Juergen Peretzki, Stacey Peretzki
Escritores: Juergen Peretzki, David Outten
País/Ano de produção: EUA/2018
Gênero: Família/Drama
Produtores: Juergen Peretzki, Stacey Peretzki
Música: Nathanael Pangrazio
Direção de arte: John Honoré
Edição: Juergen Peretzki

Elenco
Rowan Smyth
Matt Lindquist
Wilford Brimley
Jeremy London
Tom Sizemore
William McNamara
Sarah Navratil
Thomas Silcott
Savanah Faith Milby
Chelsea Rendon
Maahra Hill

Marcia Haydée – uma vida pela dança

Reconhecida como uma das referências internacionais da dança do século XX, Marcia Haydée ganha documentário biográfico, idealizado por sua irmã Monica Athayde, produzido por Marco Altberg, através da Indiana Produções, em parceria com a Globo Filmes e a GloboNews. O filme “Marcia Haydée – uma vida pela dança”, dirigido por Daniela Kallmann, com roteiro de Julia de Abreu e trilha sonora original de Mariana Camargo, chega aos cinemas nacionais no dia 18 de abril, com exibições nas capitais Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. Hoje, aos 81 anos, Marcia continua ativa e está à frente da direção do Ballet de Santiago, no Chile, além de atuar como coreógrafa para outras companhias internacionais.

“Foi um prazer, uma alegria e um grande aprendizado fazer um filme com e sobre a Marcia Haydée. Trazer suas lembranças e seu exemplo para as novas gerações é necessário para a formação artística das nossas plateias”, declara Marco Altberg.

O documentário celebra oito décadas de Haydée e chega às telas para contar a história da única bailarina brasileira a ser reverenciada nos mais importantes teatros do mundo. Entre eles, estão o Bolshoi (Moscou),Opera  (Paris); Covent Garden  (Londres), Staatsoper  (Berlin);Bunka Kaikan (Tóquio); além de Metropolitan Opera House  (Nova York);Lincoln Center  (Washington); Colon(Buenos Aires) e Teatro Municipal de Santiago, no Chile. No Brasil,  Theatro Municipal do Rio de Janeiro e Teatro Municipal de São Paulo.

“Além da Marcia bailarina, diretora de ballet e coreógrafa, queremos mostrar a pessoa que está por trás dos palcos. A Marcia generosa, que tem uma energia incrível e que mesmo depois dos 80 anos continua trabalhando incessantemente ao redor do mundo”, conta Monica Athayde.

Sua trajetória marcada pela dedicação à dança é entremeada por depoimentos de nomes brasileiros como Bibi Ferreira, Ana Botafogo e Deborah Colker. Além de renomados artistas internacionais como Reid Anderson, diretor artístico do Stuttgart Ballet e, Tamas Detrich, ex-bailarino solista e diretor artístico da mesma companhia, onde Marcia trabalhou por quase metade de sua carreira; Luz Lorca, diretora adjunta do Ballet de Santiago, no qual a bailarina é a diretora atualmente, e ainda da mesma Cia, Andrezza Randisek, bailarina solista e, Pablo Nuñes, cenógrafo e figurinista. John Neumeier, coreógrafo e diretor artístico do Hamburg Ballet também dá seu testemunho no filme.

O documentário começou a ser elaborado há mais de 6 anos, quando Monica decidiu começar suas pesquisas nos acervos da irmã. O material selecionado traz momentos da bailarina no Rio, na Alemanha e no Chile, onde morou e desenvolveu sua carreira.  Imagens dos anos 50, na casa de seus pais, marcam o momento em que Marcia conhece Michael Powell, diretor do célebre filme Red Shoes, que impulsiona sua ida para a Europa.

  • Após seu lançamento nas salas de cinema, o filme será exibido nos canais GloboNews e Curta!, que contou ainda com a participação do Fundo Setorial do Audiovisual – Ancine/BRDE.

 

Sobre a dançarina

Marcia Haydée, nascida em Niterói, estado do Rio de Janeiro, começa as aulas de ballet aos 3 anos. Aos 12 já fala em ser a melhor bailarina do mundo. Aos 16 se muda para Londres para estudar na Royal Ballet School. Lá conhece o coreógrafo sul-africano John Cranko, diretor do Stuttgart Ballet, na Alemanha, e se torna sua discípula. Em Stuttgart Marcia se torna primeira bailarina e após a morte precoce de Cranko passa a dirigir a companhia.

Foi ao interpretar espetáculos como “Carmen”, “Romeu e Julieta” e “A megera domada” que Haydée é reconhecida mundialmente e aclamada como a Maria Callas da dança, por sua grandeza nas interpretações em cada papel que lhe era oferecido. A bailarina escolhe então não ter filhos e se dedicar exclusivamente à carreira e, mesmo quando à frente da companhia alemã como diretora, a bailarina continua a ser disputada por grandes coreógrafos como Glen Tetley, Jí Kylián, William Forsythe, Maurice Béjart e John Neumeier.

FICHA TÉCNICA – MARCIA HAYDÉE

Empresa Produtora:Indiana Produções

Coprodução:Buddhi Produções, GloboNews, Globo Filmes

Produção:Marco Altberg

Produtora Associada:Monica Athayde Lopes

Direção:Daniela Kallmann

Pesquisa:Nubia Melhem Santos

Roteiro:Julia de Abreu

Fotografia:Guy Gonçalves

Montagem:Maria Altberg

Trilha Sonora Original:Mariana Camargo

Distribuição:RioFilme e Anagrama Filmes

NAS REDES SOCIAIS

Facebook @marciahaydeedoc

Instagram @marciahaydeedoc

 

Mostra de filmes gratuitos sobre Caetano Veloso

O projeto Caetanear promove gratuitamente nesta terça-feira (12), a terceira edição do ciclo de palestras “Outras Palavras”, na Casa Rosada (Barris) e mostra de filmes sobre a obra de Caetano Veloso na Sala Walter da Silveira (Biblioteca dos Barris).

 

A última edição do “Outras Palavras” será ministrada pelo escritor, cineasta e jornalista Raul Moreira, que irá abordar a obra de Caetano Veloso e Gregório de Mattos, além das suas contribuições com a composição ‘Triste Bahia’, analisando aspectos a partir dos quais as respectivas obras e o viver dos dois artistas convergem. O evento será realizado a partir das 19h, na Casa Rosada (Barris) e contará ainda com performance artística e karaokê para interação do público.

 

Na apresentação “Caetano Veloso e Gregório de Mattos: aportes sobre tempos regidos por uma ‘Triste Bahia’”, Raul Moreira fala sobre a importância das obras do escritor e compositor, cada um em sua vertente, responsáveis pela construção e afirmação em tempos históricos e míticos distintos de diversas camadas que constituem o imaginário da Bahia, principalmente de Salvador e do Recôncavo.

 

Em pleno AI-5, no final dos anos 1968, justamente no período em que lançou Gregório de Matos – Obra Poética, em sete volumes, James Amado afirmou que o então jovem Caetano Veloso era a encarnação de Gregório de Mattos, que ficou conhecido pela alcunha de “Boca do Inferno”. Quatro anos depois, o tropicalista de Santo Amaro, exilado em Londres, lança o LP Transa, considerado uma obra-prima na qual destaca-se “Triste Bahia”, baseada no famoso soneto do poeta barroco.

 

Ainda no mesmo dia, às 18h, será realizada a abertura da mostra de filmes sobre a obra de Caetano Veloso, na Sala Walter da Silveira (Biblioteca dos Barris). A mostra segue nos dias 13 e 14, às 17h e 19h. As sessões são gratuitas, com classificação de 14 anos.

 

Serão exibidos os curtas resultantes da Oficina Cinema Transcendental, que integra o projeto, e também filmes relacionados à obra de Caetano Veloso e movimentos culturais de seu tempo. Dentre os curtas produzidos durante o Caetanear serão exibidos “Oroboro”, “Um por Um” e “Bandeira Branca Enfiada em Pau Forte”, este último tem como inspiração o poema “Triste Bahia”.

 

Sobre o projeto

 

O projeto é resultado de um processo de pesquisa, que envolve criação e experimentação de diversas formas expressivas cênico-cinematográficas, a partir do legado de Caetano Veloso nos seus mais de 50 anos de atividade artística. Toda a obra e história de vida de um dos mais importantes poetas, filósofos, músicos e escritores brasileiros irá servir de inspiração para mais de 100 artistas envolvidos em Caetanear. Dentre as ações artísticas, ainda serão realizadas oficinas, três palestras, mostra de filmes, performances, festa, ensaios abertos e show.

 

Caetanear é um projeto desenvolvido pela sinergia e união do Território Sirius Teatro, União Instável Criações, Voo Audiovisual, Digital Film e Multi Planejamento Cultural. O projeto foi contemplado no Edital Gregórios, da Fundação Gregório de Mattos, Prefeitura Municipal de Salvador e no programa Iberescena 2019 – Apoio à Coprodução de Espetáculos Iberoamericanos de Artes Cênicas.

 

Mais informações no site www.territoriosirius.com.br.

 

Serviço:

Outras Palavras com Raul Moreira

“Caetano Veloso e Gregório de Mattos: aportes sobre tempos regidos por uma ‘Triste Bahia’” com Raul Moreira + performance e karaokê

Data: 12 de março

Horário: 19h

Local: Casa Rosada (Tv. dos Barris, 30 – Barris)

Gratuito

 

Mostra de filmes Caetanear

Filmes sobre a obra de Caetano Veloso

12/3 às 18h

13 e 14/3 às 17h e 19h

Local: Sala Walter da Silveira (Rua General Labatut, 27, Subsolo da Biblioteca dos Barris)

Classificação: 14 anos

Gratuito

Sessão especial “As Filhas do Fogo”

O road-movie erótico argentino “As Filhas do Fogo”, dirigido por Albertina Carri, chega aos cinemas dia 14 de março. A trama traz um grupo de mulheres com desejos que desafiam as regras e uma jornada em busca de novas formas de se relacionar. No dia 16, a diretora Albertina Carri e a atriz Mijal Kaco participarão de uma sessão especial do longa seguida de debate no Espaço Itaú de Cinema de Botafogo, às 21h30, no Rio de Janeiro, com mediação de Erica Sarmet, roteirista e pesquisadora de cinema e audiovisual, mestre em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Distribuído pela Vitrine Filmes, o longa circulou e foi premiado em festivais importantes mundo afora, como Bafici 2018, San Sebastián Film Festival, Festival de Roterdã, Festival do Rio e Festival Mix Brasil 2018.

O longa, que se passa na Patagônia argentina, explora uma jornada poliamorosa iniciada por três mulheres. Uma delas é uma cineasta, cujas anotações narram essas aventuras e investigam as histórias das personagens. Ao longo do caminho elas encontram outras companheiras e experimentam, juntas, novas possibilidades de relacionamento.

Censurada em plataformas como Facebook, Youtube e Instagram, devido às cenas eróticas, a versão sem cortes do trailer está no site da XPlastic (http://bit.ly/NSFW-filhasdofogo), produtora de conteúdo pornô e plataforma de vídeos por assinatura. A divulgação é a primeira de uma série de ações fruto de uma parceria entre a Vitrine Filmes e a XPlastic especialmente para esse filme.

SINOPSE

Três mulheres começam uma jornada poliamorosa em busca de prazer, diversão e novas formas de relação. Através de suas anotações, Violeta nos conta sobre as aventuras das Filhas do Fogo: um grupo de mulheres em busca de seu próprio erotismo.

SOBRE A DIRETORA:

Albertina Carri é uma das personalidades que ajudaram a consolidar o conceito “Nuevo Cine Argentino” (novo cinema argentino). Ela se destaca por sua versatilidade e constante pesquisa abrangendo vários gêneros. Albertina explorou um vasto leque de assuntos que vão desde o Film Noir ao documentário, passando pela ficção, o melodrama pornográfico e o drama familiar. Diretora, produtora e roteirista, nasceu em Buenos Aires, Argentina, em 1973, onde atualmente trabalha e vive.

Ao longo de sua carreira, dirigiu vários curtas-metragens, filmes de TV e cinco outros longas-metragens: “No quiero volver a casa” (2000), “Los Rubios” (2003), “Géminis” (Quinzaine des Réalisateurs Cannes – 2005), “La Rabia” (Berlinale – Panorama 2008) e “Cuatreros” (Berlinale – Fórum 2017). Recebeu prêmios nos festivais de Valência, Las Palmas, Barcelona, Gijón, Bratislava, Monterrey, Transilvânia e Buenos Aires. Ela é a fundadora do Asterisco, Festival Internacional de Cinema LGBTIQ na Argentina.

SOBRE A PRODUTORA:

Eugenia Campos Guevara nasceu em 1990, em Buenos Aires – Argentina. Além de “As Filhas do Fogo”, ela também produziu “Las Lindas”, dirigido por Melisa Liebenthal (vencedor do Bright future Award no Festival Internacional de Cinema de Roterdã; Melhor diretor argentino do BAFICI 2016; Festival internacional de Seattle; Festival internacional de Edimburgo, Torino, Filmadrid, Festival Internacional de Lima, entre outros); “La vendedora de fósforos”, dirigid0 por Alejo Moguillansky (Melhor filme na BAFICI 2017, Melhor filme iberoamericano na Ourense FF, Melhor filme na Bariloche FF 2017, Melhor filme na Villa de Leyva FF, Lincoln Center, Toulouse, Biarritz, Festival do Novo Cinema Latino Americano de La Habana, Jeonju IFF, La Roche Sur Von, Viennale, Festival Internacional do Rio, entre outros); e “A vida de Flora não é um piquenique”, dirigido por Iair Said (Melhor suporte de pós-produção de filmes do Fondo metropolitano da cultura e das artes; estreado no Bafici 2018).

FICHA TÉCNICA:

Direção:  Albertina Carri

Elenco: Disturbia Rocío / Mijal Katzowicz / Violeta Valiente / Rana Rzonscinsky / Canela M. / Ivanna Colonna Olsen / Mar Morales / Carla Morales Ríos / Cristina Banegas / Érica Rivas

DOP: Inés Duacastella & Soledad Rodriguez

Design de som: Mercedes Gaviria

Design de produção & figurino: Flora Caligiuri

Edição: Florencia Tissera

Produção: Eugenia Campos Guevara

Produtora: Gentil

SOBRE A VITRINE FILMES:

Em nove anos, a Vitrine Filmes distribuiu mais de 130 filmes. Entre seus maiores sucessos estão “Aquarius” e “O Som ao Redor”, de Kleber Mendonça Filho, “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”, de Daniel Ribeiro e o americano “Frances Ha”, dirigido por Noah Baumbach, indicado ao Globo de Ouro, além de “O Filme da Minha Vida”, terceiro longa do diretor Selton Mello, e “Divinas Divas”, dirigido por Leandra Leal, o documentário mais visto no ano de 2017.

Em 2018, alguns dos mais importantes lançamentos da Vitrine foram “O Processo”, de Maria Augusta Ramos, que entrou para a lista dos 10 documentários mais vistos da história do cinema nacional, “Benzinho”, dirigido por Gustavo Pizzi e protagonizado por Karine Teles, e o uruguaio “Uma Noite de

12 Anos”.

Neste ano, a Vitrine Filmes faz sessões especiais em cinemas brasileiros de “Roma”, dirigido por Alfonso Cuarón, indicado a 10 Oscars e vencedor de dois Globos de Ouro. Entre os lançamentos do ano estão “Divino Amor”, dirigido por Gabriel Mascaro e com Dira Paes no elenco, “Bacurau”, novo filme do diretor Kleber Mendonça Filho, com Sonia Braga, Karine Teles e Udo Kier, e “Pedro”, novo longa da diretora Laís Bodanzky, protagonizado por Cauã Reymond.

Além disso, a Vitrine Filmes segue pelo terceiro ano consecutivo com o projeto de distribuição coletiva de filmes Sessão Vitrine, que durante o ano todo irá lançar 10 longas nacionais e exibir diversos curtas em mais de 25 cidades.

As Filhas do Fogo

País: Argentina

Idioma: Espanhol

Gênero: Drama erótico

115 minutos

Lançamento: 14 de março de 2019

SERVIÇO:

“As Filhas do Fogo” – Sessão seguida de debate com a diretora Albertina Carri e a atriz Mijal Kaco

Dia 16 de março, às 21h30

Local: Espaço Itaú de Cinema de Botafogo

Endereço: Praia de Botafogo, 316, Botafogo – Rio de Janeiro / RJ

‘Remoção’ é exibido no Cineclube da Arena

No mês de março será exibido na Arena Carioca Fernando Torres o documentário “Remoção” sobre o processo de remoção das favelas da Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro (Parque Proletário da Gávea, na Gávea, Praia do Pinto, no Leblon, Ilha das Dragas e Morro da Catacumba, na Lagoa, Morro Macedo Sobrinho, em Botafogo, e Morro do Pasmado, em Copacabana), nas décadas de 1960 e 70, que deram origem a primeira experiência de criação de conjuntos habitacionais, criando os conjuntos de Vila Kennedy, Vila Aliança, Cidade de Deus, Cidade Alta, em Cordovil, Dom Jayme Câmara, em Padre Miguel e a Cruzada São Sebastião. Dirigido e roteirizado por Luiz Antonio Pilar e Anderson Quack, o filme venceu a mostra competitiva de longa metragem documental do RECINE 2013 (Festival Internacional de Cinema de Arquivo).

O filme tem cerca de 60 entrevistados: moradores removidos, professores, mestres e doutores sobre o tema, além de mentores e executores do projeto

Remoção (BRA 2013)

Direção: Anderson Quack e Luiz Antonio Pilar

Elenco: atores desconhecidos

Gênero: Documentário

Classificação: 14 anos

Duração:120 minutos

Sinopse: Por meio de depoimentos, o documentário relembra o enorme processo de remoção de favelas que ocorreu na Zona Sul do Rio de Janeiro, nas décadas de 1960 e 1970.

Release:

 

Os cineclubes são antes de mais nada um espaço de convívio comunitário, movido pelo desejo de reunir amigos. A proposta é que a Arena Carioca Fernando Torres seja uma janela para produção independente e um lugar de experimentação.

 

Serviço:

 

Evento: CINECLUBE

Linguagem: Cinema

Data: Dia 21 de março de 2019.

Horário: Quinta-feira, às 19h

Valor do Ingresso: Entrada Gratuita.

Local de venda:Ingressos à venda ou retirada de senha gratuita na bilheteria de 3ª a domingo das 15h às 18h e em dias de evento de 15h às 20h ou pela internet na plataforma riocultura.superingresso.com.br

Duração: 120 minutos

Informações: arenafernandotorres@gmail.com ou (21) 3518-9669

Arena Carioca Fernando Torres – Rua Bernardino de Andrade, 200 – Madureira