“Macabro” estreia na 43ª Mostra Internacional de Cinema

Novo filme do diretor Marcos Prado, MACABRO é inspirado na história real de Ibraihim e Henrique de Oliveira, os “Irmãos Necrófilos”, que nos anos 90 foram acusados de brutais assassinatos de oito mulheres, um homem e uma criança, na Serra dos Órgãos, em Nova Friburgo, região serrana do Rio de Janeiro. O filme terá sua estreia nacional durante a 42a Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, e estreia internacionalmente na competição oficial do Festival de Austin no Texas.

Os crimes foram amplamente noticiados na mídia nos anos 90, quando assassinatos em série cometidos por dois jovens irmãos negros, seguido de estupro, estavam acontecendo na região serrana, envoltos em lendas e histórias sobrenaturais, contadas pelos próprios moradores – uma comunidade de imigrantes suíços, extremamente religiosa e conservadora.

A captura dos “Irmãos Necrófilos” foi uma das missões mais longas e difíceis da história do BOPE. O filme adota esse ponto de vista, ao acompanhar o sargento Teo (Renato Goés), um jovem policial que nasceu na região e passa por uma crise profissional e ética, quando é resignado para voltar à sua cidade natal na busca pelos suspeitos escondidos na Mata Atlântica.

A ideia de fazer MACABRO surgiu em 2009, quando o diretor teve acesso a  detalhes sobre o caso. Nessa época Prado foi procurado pelo advogado de Henrique, um dos irmãos que se encontrava preso, alegando que ele havia sido condenado injustamente – que não haviam provas contra Henrique, e que ele não havia participado dos crimes com o irmão Ibrahim.

Como ter certeza de que Henrique havia ou não participado dos crimes? Como construir uma narrativa em que deixasse essa suspeita sem solução? Quais seriam as motivações para esses crimes tão bárbaros? Porque a maioria dos crimes foram feminicídeos? “O que mais me chamou atenção nessa história, além das barbaridades dos crimes em série cometidos pelos ”irmãos necrófilos” e as lendas criadas pelos locais, é que talvez Henrique tenha sido condenado injustamente a 49 anos de prisão. Eram muitas perguntas sem respostas e uma porção de camadas a serem exploradas”, comenta Prado, diretor de “Paraísos Artificiais”, “Estamira” e “Curumim” e produtor dos filmes “Tropa de Elite 1 e 2”.

O roteiro de MACABRO, escrito por Lucas Paraizo e Rita Gloria Curvo, é fruto de uma extensa pesquisa por parte dos roteiristas e do próprio diretor, em fóruns, processos, autos de julgamentos, entrevistas com moradores da região e com o próprio acusado, Henrique de Oliveira.

MACABRO foi rodado numa região próxima onde os crimes aconteceram e que até hoje está na memória e no imaginário de quem vive naquela localidade. Mas, também fala sobre o racismo cotidiano de dois garotos, que viveram em um ambiente de constante violência doméstica, cresceram violentados, autossuficientes e que tiveram que aprender a viver na floresta, para fugir da bruta realidade a qual eram expostos dentro da própria família e da comunidade onde nasceram.

SINOPSE 

Macabro é um longa-metragem de ficção baseado na história real dos “Irmãos Necrófilos”, dois jovens irmãos que nos anos 90 foram acusados de brutais assassinatos na Serra dos Órgãos. O thriller de suspense segue o sargento Teo em sua busca pelos suspeitos escondidos na Mata Atlântica. Enquanto a população, a imprensa e a polícia local condenam os irmãos, Teo percebe que um deles pode ser inocente e que a sociedade local revela um padrão histórico de abuso racial, tendo o racismo como uma realidade tão violenta quanto os crimes em série.

FICHA TÉCNICA 

Diretor – Marcos Prado
Produtores – Marcos Prado, João Queiroz Filho e Justine Otondo
Produtores Associados – José Alvarenga Jr. e Rodrigo Pimentel
Produtoras Executivas – Justine Otondo e Mariana Bentes
Elenco – Renato Góes, Amanda Grimaldi, Guilherme Ferraz, Diego Francisco, Eduardo Tomaz, Juliana Schalch, Flávio Bauraqui, Paulo Reis, João Pydd, Claudia Assunção, Osvaldo Mil, Thelmo Fernandes
Roteiristas – Lucas Paraizo e Rita Gloria Curvo
Diretor de Fotografia – Azul Serra
Montadores – Lucas Gonzaga e Quito Ribeiro
Diretora de Arte – Ula Schliemann
Figurinista – Ana Avelar
Trilha Sonora Original – Plínio Profeta
Editor de Som – Tomás Alem e Bernardo Uzeda

SOBRE O DIRETOR 

Marcos Prado é sócio fundador da ZAZEN PRODUÇÕES e diretor de MACABRO (2019), O MECANISMO (2018) – ORIGINAL NETFLIX SERIES, PARAÍSOS ARTIFICIAIS (2010) e dos documentários CURUMIM (2016) e ESTAMIRA (2004), ganhador de diversos prêmios nos principais festivais de cinema do mundo. Como produtor, Marcos produziu TROPA DE ELITE 2 – O INIMIGO AGORA É OUTRO (2010), filme que levou mais de 11 milhões de pessoas ao cinema e TROPA DE ELITE, ganhador do Urso de Ouro no Festival de Berlin in 2008. Marcos também produziu vários outros premiados documentários como ÔNIBUS 174, GARAPA e SEGREDOS DA TRIBO. Atualmente está trabalhando na biografia do rapper Sabotage.

SOBRE A ZAZEN 

Uma das mais premiadas produtoras de cinema do Brasil e responsável por MACABRO, PARAÍSOS ARTIFICIAIS, TROPA DE ELITE 2, filme brasileiro de maior público na história do cinema nacional, TROPA DE ELITE, vencedor do Urso de Ouro em 2008. Criada em 1997, a Zazen também produziu os documentários CURUMIM, SEGREDOS DA TRIBO, GARAPA, ESTAMIRA, documentário de maior público nos cinemas em 2006, ÔNIBUS 174, vencedor do Emmy Awards e OS CARVOEIROS.

Reconhecida mundialmente pela alta qualidade de suas produções, a Zazen tem seus filmes distribuídos em cinema e TV para diversos países por empresas como Netflix, Globo, IM Global, Universal Pictures, Paramount Pictures, HBO, National Geographic, Arte France, BBC, NHK, ThinkFilm, Rio Filme, SIC Portugal, GNT, Canal Brasil, entre outras.

Além de ter recebido diversos prêmios nos principais festivais nacionais, seus filmes representaram o Brasil em festivais internacionais como Festival Internacional de Berlim, Emmy Award (EUA), Sundance Film Festival (EUA), Karlovy Vary (Rep. Tcheca), Havana (Cuba), Festival Internacional de Documentário de Marseille (França), Direitos Humanos de Nuremberg (Alemanha), Festival Internacional de Rotterdam (Holanda), Festival Internacional de Documentários de Chicago (EUA), entre outros.

SOBRE A PANDORA FILMES 

A Pandora é uma distribuidora de filmes independentes que há 30 anos busca ampliar os horizontes da distribuição de filmes no Brasil revelando nomes outrora desconhecidos no país, como Krzysztof Kieślowski, Theo Angelopoulos e Wong Kar-Wai, e relançando clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Federico Fellini, Ingmar Bergman e Billy Wilder. Sempre acompanhando as novas tendências do cinema mundial, os lançamentos recentes incluem “The Square – A Arte da Discórdia”, de Ruben Östlund, vencedor da Palma de Ouro em Cannes, e “O Apartamento”, de Asghar Farhadi, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora atua com o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos, como Gustavo Steinberg, Ruy Guerra, Edgard Navarro, Sérgio Bianchi, Roberto Moreira, Beto Brant, Fernando Meirelles, Helena Ignez, Tata Amaral, Anna Muylaert, Petra Costa e Gabriela Amaral Almeida. Entre os próximos lançamentos, destacam-se “Greta”, de Armando Praça; “O Traidor”, de Marco Bellocchio, coprodução nacional, que concorreu à Palma de Ouro em Cannes; e “O Caso Morel” de Suzana Amaral.

Em 2019, a distribuidora criou o projeto Caixa de Pandora que visa programar filmes premiados, escolhidos através de uma cuidadosa curadoria para serem exibidos em salas comerciais da rede Cinépolis, em 20 cidades do Brasil

Festival Internacional de Cinema Infantil

Desde a primeira edição, em 2003 – quando apresentou cinco filmes brasileiros e dez de outros nove países –, até o ano passado, o Festival Internacional de Cinema Infantil, dirigido por Carla Camurati Carla Esmeralda, já exibiu mais de mil títulos, de 36 países, para um público superior a 1,7 milhão de espectadores (dos quais 900 mil alunos e professores da rede pública de ensino, muitos em seu primeiro contato com o cinema). Em seu 17º ano, o FICI reverencia o mestre dos quadrinhos brasileiro Mauricio de Sousa e traz mais de 70 produções nacionais e internacionais, exibidas com exclusividade em salas da Rede Cinemark no Rio de Janeiro Niterói (18 a 22/10), Natal (18 a 27/10) e Aracaju (23 a 27/10), num total de 308 sessões, com ingressos populares ou gratuitos.

O longa-metragem Luccas Neto em: Acampamento de Férias é um dos destaques desta edição, na mostra Panorama Brasil. Lançado em julho deste ano para exibição em VOD (video on demand), o terceiro filme do youtuber Luccas Neto – fenômeno na internet, com 26,6 milhões de inscritos em seu canal – será exibido pela primeira vez no cinema.

Prêmio Brasil de Cinema Infantil – programa competitivo do FICI que chega à sua 12ª edição – bateu mais um recorde de inscrições, com 192 filmes. A seleção final reúne 19 curtas de 12 estados brasileiros e será exibida nas sessões Histórias Animadas (+ 6 anos), Histórias Curtas (+ 8 anos) e Mostra Teen (+ 10 anos). O vencedor é escolhido pelas crianças, na tradicional votação realizada em sessão do festival, e, pela primeira vez, também pelo voto online, no site fici.com.br.

“Desde a criação do Prêmio, o número de inscrições aumenta significativamente a cada ano, comprovando o crescimento do setor no país, que ainda tem um imenso potencial de mercado a ser explorado, já que menos de 1/3 das crianças brasileiras vai o cinema”, explica Carla Camurati. “E com o Prêmio, temos a chance de envolver as crianças a participar e assumir o protagonismo, ao escolherem os vencedores. Assim como nas sessões seguidas de debates ou com dublagem ao vivo, que tentam instigar o olhar dos pequenos espectadores a ir além da história”, completa Carla Esmeralda.

Apresentado pelo Ministério da Cidadania Secretaria Especial da Cultura, através da Lei de Incentivo à Cultura, o 17º Festival Internacional de Cinema Infantil tem patrocínio da CinemarkBRDEFundo Setorial do AudiovisualANCINE – Agência Nacional do Cinema, apoio da Globo Filmes Telecine e conta com a coprodução da Esmeralda Produções, realização da Copacabana Filmes e ProduçõesSecretaria Especial da CulturaMinistério da Cidadania Governo Federal e exibição exclusiva na Rede Cinemark.

A abertura para convidados no Rio de Janeiro, no dia 19, terá a Pré-estreia Internacional de Dora e a Cidade Perdida, dirigida por James Bobin, coprodução EUA / Austrália, que só chega ao circuito brasileiro em novembro. Na Pré-estreia Brasil, o FICI apresenta em primeira mão a animação Osmar, a primeira fatia do pão de forma – O filme, de Ale McHaddo (pseudônimo do animador Alexandre Machado). Também inédito em grande circuito, Miúda e o Guarda-chuvade Amadeu AlbanPaula Lice Victor Cayresconta a história de uma menina que vive uma jornada mágica de descobertas e aprendizados.

Referência maior dos quadrinhos no Brasil, Mauricio de Sousa, 83 anos, é o grande homenageado desta 17ª edição. Da vasta produção audiovisual com os famosos personagens, serão exibidos no programa Mestres da Infância live-action Turma da Mônica Laços, dirigido por Daniel Rezende, e a animação A Princesa e o Robô, de 1984, com direção do cartunista. A homenagem inclui ainda a exibição, no início de todas as sessões do festival, de episódios da animação 2D Mônica Toy, versão ‘toy art’ dos personagens da Turma da Mônica que faz sucesso em canais de TV por assinatura e na internet.

No Programa Internacional, o grande destaque é a produção belga-holandesa Bintilive-action (filme com atores), inédito no Brasil, da diretora Frederike Migom. O filme aborda a questão dos refugiados na Europa, através da história da menina Binti e sua família. O longa também integra a sessão O Pequeno Jornalista, um dos sucessos da programação. Ao final da projeção, um jornalista convidado conversa com as crianças para analisar os principais elementos que envolvem a narrativa para entender o processo de produção de uma matéria ou crítica. Klara Superstar (KuToppen), longa norueguês da diretora Lise I. Osvoll, completa o Programa Internacional. A animação promete divertir a criançada com a história da vaquinha Klara, que mora na cidade e sonha em ser uma popstar.

O intercâmbio com o festival Anima Mundi, traz este ano a animação Capitão Morten e a Rainha Aranha, produção da Estônia / Bélgica / Irlanda / Reino Unido. O longa será exibido, nas cidades de Aracaju Natal, com a Dublagem ao Vivo, uma das mais concorridas sessões do festival, que encantam crianças ano após ano. Os pequenos espectadores têm a rara oportunidade de assistir ao vivo o trabalho de dubladores profissionais, que fazem as vozes dos personagens do filme em tempo real, de dentro da sala de cinema. No Rio, a Dublagem ao vivo será com o longa alemão Encrenca em Dose Dupla, a divertida história de um menino que cria seu próprio duplo e, com ele, se envolve em muitas confusões.

A sessão Se você ainda não viu dá uma nova chance para quem perdeu ou quer rever na telona grandes sucessos recentes do cinema, como Toy Story 4 Aladdin, ambos em 3D, além de Angry Birds 2 – O FilmeHomem-Aranha no AranhaversoAsterix e o Segredo da Poção MágicaPets – A vida secreta dos bichos 2 Corgi: Top Dog. Já a Sessão Telecine de Cinema exibe Detetives do Prédio Azul 2: O Mistério Italiano, segundo longa da famosa série da TV, que conta a viagem do trio Pippo, Bento e Sol à Itália para investigar o sumiço da feiticeira Berenice.

FICI apresenta anualmente a Sessão Acessibilidade, oportunidade para crianças com deficiências visuais e/ou auditivas acompanharem o filme através da linguagem de LIBRAS, legenda descritiva e audiodescrição. Este ano, o filme escolhido é o longa de animação brasileiro Tito e os Pássaros, de Gustavo SteinbergAndre Catoto Gabriel Bitar, com a tocante história do menino Tito em sua jornada para salvar o mundo de uma estranha epidemia, que envolve a busca de pai ausente. A entrada é gratuita, mediante retirada de senha a partir de 30min antes do horário da sessão.

Em 8 X Animação – Especial Séries Brasileiras, o público pode conferir na tela grande, em uma mesma sessão, episódios de séries nacionais que fazem sucesso da telinha, como O show da LunaBubu e as CorujinhasBóris e Rufus Os Cupins.

Na Mostra Novos Jovens, os títulos são direcionados ao público pré-adolescente e adolescente com temáticas atuais. Na programação da mostra deste ano estão dois documentários e uma ficção, todos brasileiros. Eleições, de Alice Riff, acompanha as votações para o grêmio estudantil de uma escola pública em São Paulo e seu impacto na relação entre os alunos, traçando um paralelo com a atmosfera do país diante das eleições presidenciais. Já Espero tua (re)volta, de Eliza Capai, acompanhou as manifestações estudantis desde 2013 e é vencedor de dois prêmios no Festival de Berlim, dentro da Mostra Generation 14plusPeace Film Anistia Internacional, e dos prêmios de Melhor Filme, Montagem Roteiro na 23ª edição do Cine-PE, além do prêmio Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema. A ficção Para’i, de Vinícius Toro, aborda as reflexões de uma menina guarani diante do choque cultural entre sua tribo e o mundo da cidade.

No projeto A Tela na Sala de Aula, professores da rede pública de ensino têm a oportunidade de usar o cinema como ferramenta pedagógica. São filmes de diversas nacionalidades, apresentados gratuitamente aos alunos e professores, que enriquecem o trabalho do professor e dão suporte à educação. Cada filme apresentado possui um caderno pedagógico, com sugestões de atividades, criado a partir dos parâmetros curriculares do Ministério da Educação e dividido por segmento escolar (da educação infantil ao ensino médio), disponibilizado gratuitamente no site do FICI. Cerca de 900 mil crianças já participaram deste projeto.

Rede Cinemark no Brasil 

Líder mundial em venda de ingressos, a Rede Cinemark representa cerca de 30% do mercado brasileiro de cinema e é maior que seus três principais concorrentes juntos, com 634 salas de cinema em 86 complexos distribuídos por 48 cidades em 17 estados e o Distrito Federal: Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Roraima, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

É da Rede Cinemark a primeira sala de cinema em 3D da América do Sul, instalada no Shopping Eldorado, em São Paulo, que segue o padrão exigido pelos grandes estúdios americanos. Atualmente, a Rede conta com mais de 332 salas com a tecnologia de projeção em 3D no país. Em 2014, a Cinemark trouxe uma nova tecnologia, o D-BOX. As primeiras salas foram inauguradas no Shopping Villa Lobos, em São Paulo, e contam com um recurso que oferece comandos para as poltronas, que se movimentam para simular vibrações, quedas e trepidações. As poltronas D-BOX ainda têm um ajuste individual de velocidade, que permite que o público controle a intensidade dos movimentos. As poltronas D-BOX já estão presentes em 38 salas de 20 complexos.

A Cinemark também trouxe ao Brasil a tecnologia Extreme Digital Cinema – XD, com telas maiores que as convencionais e uma sonorização ainda mais potente, reunindo o que há de mais moderno em tecnologia 2D e 3D. A tecnologia XD já está presente em 40 salas. A Rede também apresentou a primeira sala vip do país, com cardápio exclusivo e atendimento diferenciado desde a bilheteria até o serviço de snack bar. As salas vips Bradesco Prime oferecem também mais conforto, com poltronas que seguem o conceito da classe executiva dos voos internacionais.

Outro diferencial da Rede é o Combo Express, que oferece a compra de produtos da bombonière nos totens de autoatendimento, site ou bilheteria. De sexta a domingo e em feriados, os itens adquiridos por meio do serviço podem ser retirados em um caixa exclusivo dedicado ao atendimento rápido. Para usufruir das salas Cinemark em qualquer complexo da Rede, os espectadores podem comprar o ingresso e os combos pela Internet ou Aplicativo que também permite checar a programação, descobrir o cinema mais próximo por geolocalização, conferir promoções, entre outros. O aplicativo está disponível para Windows Phone, Android e iPhone.

FICHA TÉCNICA:

17º FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA INFANTIL – FICI

Apresentação: Ministério da Cidadania Secretaria Especial da Cultura através da Lei de Incentivo à Cultura

Patrocínio: CinemarkBRDE – Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo SulFSA –Fundo Setorial do AudiovisualANCINE – Agência Nacional do Cinema

Apoio: TelecineGlobo FilmesETC FilmesDOT CineMistika PostNaymar Cia Rio

Coprodução: Esmeralda Produções

Realização: Copacabana Filmes e ProduçõesSecretaria Especial da CulturaMinistério da Cidadania Governo Federal

Exibição exclusiva: Rede Cinemark

Direção: Carla Camurati e Carla Esmeralda

SERVIÇO:

PRÉ-ESTREIA 17º FICi – RIO DE JANEIRO – 12/10 (sábado)

Horário: 12h às 18h (oficina de animação das 15h às 17h)

Local: Casa Firjan

Endereço: Rua Guilhermina Guinle, 211 – Botafogo

Ingresso: entrada franca

Programação: exibição de curtas do FICI e oficina de animação

 

17º FICI – FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINEMA INFANTIL 

RIO DE JANEIRO E NITERÓI (18 a 22 /10)

Ingressos em todos os cinemas e sessões: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada)

Cinemark Downtown

Av das Américas, 500 – Bloco 17 – Barra da Tijuca

Cinemark Botafogo

Praia de Botafogo, 400 – Botafogo

Cinemark Plaza Shopping Niterói

R. XV de Novembro, 8 – Centro – Niterói

Programação completa:

fici.com.br

“Parasita” estreia no Brasil em 07 de novembro

PARASITA, recebeu a Palma de Ouro no Festival de Cannes 2019 por decisão unanime do Júri, agora no Brasil, será exibido na 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e chega ao circuito comercial em 7 de novembro, com distribuição da Pandora Filmes em pareceria com a Alpha Filmes. Dirigido por Bong Joon Ho (“O Hospedeiro” e “Okja”), que também é corroteirista, o longa foi selecionado pela Coreia do Sul para concorrer a uma indicação na categoria de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar® 2020.

Na trama, todos os membros de uma família estão desempregados e vivendo na miséria. Até que o filho mais velho arruma emprego como professor de uma garota rica e o contato dessas pessoas com a vida de luxo e glamour as leva a fazer o necessário para ascenderem socialmente.

Assim como nos longas anteriores do diretor, a crítica social está presente em PARASITA, desta vez ainda mais forte ao questionar o estado da sociedade atual e a impossibilidade de pessoas de diferentes classes viverem juntas em um relacionamento simbiótico. E é a partir dessa premissa que Joon Ho definiu o título do filme: “há pessoas que esperam viver com outras de uma forma coexistente, mas isso não funciona, então elas são empurradas para uma relação parasitária. É um título irônico”, diz.

As duas famílias nesta história têm algumas coisas em comum, sendo ambas compostas por quatro membros, com um filho e uma filha. Mas, em suas vidas cotidianas, ocupam dois extremos completamente diferentes. Joon Ho define esses dois núcleos: “os Kim são uma família de classe baixa que vive num apartamento no subsolo, com apenas a esperança de uma vida comum. O pai falhou nos negócios, a mãe sonhava ser atleta e nunca conseguiu e o filho e a filha tentaram entrar para a universidade diversas vezes sem sucesso. Em contraste, a família do Sr. Park, que trabalha como CEO de uma empresa de TI e é workaholic. Ele tem uma bela e jovem esposa, uma linda filha no Ensino Médio e o filho pequeno. Eles podem ser vistos como uma família ideal de quatro membros entre a elite urbana moderna”.

Com PARASITA, o diretor quis retratar a contínua polarização e desigualdade da sociedade. “Estamos vivendo uma época em que o capitalismo é a ordem reinante e não temos alternativa. Isso no mundo inteiro. Na sociedade capitalista de hoje, existem castas que são invisíveis aos olhos. Nós tratamos as hierarquias de classe como uma relíquia do passado, mas a realidade é que ainda existem e não podem ser ultrapassadas”, explica.

O filme é em partes engraçado, assustador e triste e mostra as inevitáveis rachaduras que aparecem quando duas classes se enfrentam na sociedade cada vez mais polarizada de hoje. PARASITA leva o público a pensar. Um dos longas mais aclamados do ano, exibido em dezenas de Festivais, e uma aposta certa na temporada de premiações em 2020.

SINOPSE 

Todos os quatro membros da família Kim estão desempregados, porém uma obra do acaso faz com que o filho adolescente comece a dar aulas privadas de inglês à rica família Park. Fascinados com o estilo de vida luxuoso, os quatro bolam um plano para se infiltrar nos afazeres da casa burguesa. É o início de uma série de acontecimentos incontroláveis dos quais ninguém sairá ileso.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Bong Joon Ho
Roteiro: Bong Joon Ho, Han Jin Won
Elenco: Song Kang Ho, Lee Sun Kyun, Cho Yeo Jeong, Choi Woo Shik, Park So Dam, Lee Jung Eun, Chang Hyae Jin
Produzido por: CJ Entertainment
Produção: Barunson E&A
País: Coreia do Sul
Ano: 2019
Duração: 131 min.

SOBRE O DIRETOR 
Nascido em Daegu, Coreia, em 14 de setembro de 1969

Parasita é o sétimo longa do aclamado diretor Bong Joon Ho, depois de “Cão que Ladra não Morde” (2000), “Memórias de um Assassino” (2003), “O Hospedeiro” (2006), “Mother – A Busca pela Verdade” (2009), “Expresso do Amanhã” (2013) e “Okja” (2017).

O clássico moderno “Memórias de um Assassino” mergulha na investigação por trás de um conhecido caso de assassinato em série que nunca foi resolvido, representando o autoritarismo da época com sátira e perspicácia. “O Hospedeiro” tem como base o sequestro de uma jovem por uma estranha criatura que se arrasta para fora do rio Han, reinventando o gênero de filme de monstros e fazendo comentários sociais. “Mother”, a história de uma mulher tentando proteger seu filho de uma acusação de assassinato, é um retrato sombrio do amor maternal levando ao extremo, enquanto a ficção científica “Expresso do Amanhã” retrata os últimos remanescentes da humanidade num futuro congelado, devido ao excesso de esforço humano para deter o aquecimento global. E, finalmente, Okja é sobre a aventura de uma garota para resgatar um “super porco” geneticamente modificado, que foi criado por uma corporação visando aos fins lucrativos.

Conhecido por seu humor cortante, socialmente incisivo e distorção das convenções de gênero, Bong Joon Ho levanta questões sobre as instituições sociais e as desigualdades da sociedade com uma mistura única de humor, emoção e suspense. Nesse sentido, Parasita é um filme muito característico dentro do trabalho de Bong JoonHo, ao mesmo tempo que leva o diretor a evoluir para um novo nível.

SOBRE A PANDORA FILMES 
A Pandora é uma distribuidora de filmes independentes que há 30 anos busca ampliar os horizontes da distribuição de filmes no Brasil revelando nomes outrora desconhecidos no país, como Krzysztof Kieślowski, Theo Angelopoulos e Wong Kar-Wai, e relançando clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Federico Fellini, Ingmar Bergman e Billy Wilder. Sempre acompanhando as novas tendências do cinema mundial, os lançamentos recentes incluem “The Square – A Arte da Discórdia”, de Ruben Östlund, vencedor da Palma de Ouro em Cannes, e “O Apartamento”, de Asghar Farhadi, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora atua com o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos, como Gustavo Steinberg, Ruy Guerra, Edgard Navarro, Sérgio Bianchi, Roberto Moreira, Beto Brant, Fernando Meirelles, Helena Ignez, Tata Amaral, Anna Muylaert, Petra Costa e Gabriela Amaral Almeida. Entre os próximos lançamentos, destacam-se “Greta”, de Armando Praça; “O Traidor”, de Marco Bellocchio, coprodução nacional, que concorreu à Palma de Ouro em Cannes; e “O Caso Morel” de Suzana Amaral.

Em 2019, a distribuidora criou o projeto Caixa de Pandora que visa programar filmes premiados, escolhidos através de uma cuidadosa curadoria para serem exibidos em salas comerciais da rede Cinépolis, em 20 cidades do Brasil.

“Onde Quer que Você Esteja” estreia em 03 de outubro

ONDE QUER QUE VOCÊ ESTEJA”, primeiro longa de ficção da dupla Bel Bechara e Sandro Serpa, estreia nesta quinta-feira, dia 3 de outubro, nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Brasília, Goiânia, Salvador, Santos e Londrina. Longa mostra o vazio daqueles que tentam encontrar pessoas queridas que desapareceram – ainda que por opção própria. O filme se passa na sala de espera de uma estação de rádio, onde os habitantes de uma grande cidade vão em busca de algum contato com seus familiares ou amigos.

Os realizadores contam que a ideia inicial para o roteiro surgiu de “uma notícia de jornal sobre uma rádio colombiana que tinha um programa chamado ‘Em Busca da Liberdade Perdida’, no qual as pessoas mandavam recados para parentes sequestrados. A partir daí, escrevemos o roteiro baseado na mesma dinâmica: pessoas tentando entrar em contato com parentes desaparecidos, conhecendo outras pessoas neste processo, levando a vida em frente, de alguma forma, e tornando-se, assim, paradoxalmente mais distantes das pessoas que procuravam. Essa contradição tão humana nos interessava”, lembram Bel e Sandro.

ONDE QUER QUE VOCÊ ESTEJA”, que foi rodado inicialmente como curta-metragem há 15 anos, conquistando diversos prêmios internacionais, teve o roteiro retrabalhado e deu origem ao longa homônimo. Débora Duboc e Leonardo Medeiros voltam a interpretar Lúcia e Waldir, desta vez acompanhados das histórias de outros personagens.

“Desde a preparação para a filmagem do curta, quando escrevemos as histórias que estariam sendo narradas em off no programa, tivemos vontade de desenvolvê-las. Ficaram ali esboçadas e, alguns anos depois, escrevemos o argumento que começa a desenvolver novos personagens: Roberto, Zélia, Afonso, Ana Maria, a história do próprio locutor…”, explicam os diretores.

Desta forma, as histórias de outros personagens se somam à de Lucia (Débora Duboc), veterana frequentadora da Rádio Cidade Aberta, que há meses procura seu marido que saiu de casa e nunca mais voltou, e à de Waldir (Leonardo Medeiros), que busca notícias sobre sua esposa, que sumiu há poucos dias e ele não sabe se algo de ruim aconteceu ou ela decidiu partir por conta própria.

Ana Maria (Gilda Nommace) tenta contato com sua filha Aurora (Samya Pascotto), que mais uma vez fugiu de casa e não quer ser localizada pela mãe. Jussara (Brenda Ligia) e Afonso (Rafael Maia) buscam seu filho perdido de 7 anos. Apesar de a tia Lourdinha (Érica Montanheiro) não ter muita certeza de que o garoto possa ser encontrado, a esperança dos pais e da avó Neide (Cleide Queiroz) é muito forte. Assim como da pequena Karina (Luiza Mesquita), que convence a mãe, Laís (Juliana Mesquita), a tentar ajuda na rádio para que seu pai volte pra casa.

No programa semanal, apresentado pelo locutor Adroaldo Lopes (Dagoberto Feliz), ao lado de seu assistente Maurício (Eduardo Acaibe), há sempre casos novos. São muitas pessoas na mesma situação, como Roberto (Samuel de Assis), que procura a esposa Luciene (Rita Batata) que o deixou com o bebê recém-nascido, e Zélia (Sabrina Greve), que descobre o programa por acaso e decide ir em busca de sua babá, que foi como uma segunda mãe para ela.

Nessa tentativa de se comunicar com os desaparecidos, as pessoas que frequentam a sala de espera do programa Onde Quer Que Você Esteja têm suas histórias de vida cruzadas, enquanto vivem o luto que as mobiliza e se perguntam se devem continuar a busca ou retomar a vida e seguir em frente.

Com extensa carreira em festivais nacionais e internacionais, “ONDE QUER QUE VOCÊ ESTEJA” foi vencedor de quatro categorias no Festival Guarnicê de Cinema do Maranhão, entre eles Melhor Atriz Coadjuvante, para Sabrina Greve, e Melhor Ator Coadjuvante, para Dagoberto Feliz. A trilha sonora de André Abujamra e Eron Guarnieri também foi premiada no festival.

Produzido pela Macondo Filmes, o longa chega ao circuito comercial brasileiro em 03 de outubro, com distribuição da Boulevard Filmes.

Sinopse:

A Rádio Cidade Aberta transmite semanalmente o programa “Onde Quer Que Você Esteja”,
em que pessoas tentam se comunicar com parentes e amigos desaparecidos. Nos bastidores
do programa diversas histórias de vida cruzam-se e transformam-se.

Ficha Técnica: 

Direção e Roteiro: Bel Bechara e Sandro Serpa
Elenco: Débora Duboc, Leonardo Medeiros, Brenda Lígia, Rafael Maia, Cleide Queiroz, Érica Montanheiro, Sabrina Greve, Samuel de Assis, Rita Batata, Juliana Mesquita, Luiza Mesquita, Gilda Nomacce, Samya Pascotto, Lucas Wickhaus, Dagoberto Feliz, Eduardo Acaiabe, Robson Emílio, Rodrigo Caetano
Produção: Macondo Filmes
Distribuição: Boulevard Filmes
Ano: 2018
País: Brasil
Duração: 101 min
Classificação: 10 anos

Prêmios e festivais 

Brasileiros 
Guarnicê de Cinema do Maranhão 2018 (Melhor Trilha, Melhor Som, Atriz Coadjuvante – Sabrina Greve, Ator Coadjuvante – Dagoberto Feliz)
Festival Latino Americano de Cinema de São Paulo
Mostra Livre de Cinema (Melhor Filme – Mostra Internacional)

Internacionais 
Guam International Film Festival – EUA (Best Narrative Picture)
FILF 2018 – EUA (Melhor Filme)
Bucharest Film Awards (Best Feature Film)
New York International Films Infest – EUA
Miami Independent Film Festival – EUA
Nice International Film Festival – França
One Coutry One Film – França
San Benedetto Film Fest – Itália
Cine no Visto – Espanha
Festival Internacional de Cinema de Figueira da Foz – Portugal
Cinalfama Lisbon International Film Festival – Portugal
Paraná Film Festival – Argentina
Near Nazareth Festival – Israel
9th Jagran Film Festival – India
Canada Independent Film Festival – Canada
South Film and Arts  Academy Festival – Chile
Five Continents International Film Festival – Venezuela
Altruist Go – Krajina Film Festival – Sérvia

Sobre os diretores 

Bel Bechara e Sandro Serpa estudaram juntos e desde então dirigem em dupla seus filmes.
Em 2001 fundaram a Macondo Filmes e realizaram sete curtas-metragens e dois
documentários de longa-metragem, que receberam cerca de 50 prêmios em festivais
brasileiros e internacionais. “Onde Quer Que Você Esteja” é seu primeiro longa de ficção.
Os filmes foram exibidos em diversos festivais como: Oberhausen / Huesca / FamaFest
(Famalicão) / Festival de Brasília / É Tudo Verdade / In-Edit Barcelona / Festival de Cinema
Brasileiro de Paris / Festival de Cinema Brasileiro de Miami / Alucine (Toronto) / Sehsüchte
(Potsdam) / Festival de Cinema do Uruguai / Festival do Rio / Cine PE / Providence Latin
American Film Festival, entre outros.

Sobre a Boulevard Filmes 

A Boulevard Filmes é uma produtora e distribuidora audiovisual que busca o equilíbrio entre projetos autorais e demandas de mercado, focando em estratégias de produção e de distribuição compatíveis com cada projeto, tanto para cinema, quanto para TV e novas mídias. Entre seus lançamentos para as salas de cinema estão os longas “Amor, Plástico e Barulho” (Renata Pinheiro), “Filme Sobre um Bom Fim”(Boca Migotto), “A Vida Extra-Ordinária de Tarso de Castro” (Leo Garcia, Zeca Brito), “Histórias que nosso cinema (não) contava” (Fernanda Pessoa) e “Açúcar” (Sergio Oliveira, Renata Pinheiro), este último com previsão de lançamento para o segundo semestre de 2019.

Sobre a Macondo Filmes 

Fundada em 2001 pelos cineastas Bel Bechara e Sandro Serpa, a Macondo Filmes é voltada
prioritariamente para a realização de projetos autorais na área audiovisual, tendo angariado
cerca de 50 prêmios em concursos e festivais nacionais e internacionais.
Em 2017 a Macondo Filmes finaliza seu primeiro longa-metragem de ficção, Onde Quer Que
Você Esteja. Em seu currículo a Macondo reúne a produção de oito curtas-metragens
ficcionais e cinco documentários, além de vídeos diversos.

“A Cidade dos Piratas” estreia em 31 de outubro

Uma das obras mais polêmicas do diretor Otto Guerra, A CIDADE DOS PIRATAS faz uma mistura underground e caótica entre ficção e realidade sobre as vidas particulares de Laerte Coutinho e Otto Guerra. O filme é construído por meio de uma série de referências dos quadrinhos da Laerte, e do cinema do próprio diretor, além de buscar através da história do Brasil – inclusive fatos associados a história recente – fazer uma reflexão sobre a arte, a cultura pop, e política. Com distribuição da Lança Filmes, o filme chega no circuito nacional no dia 31 de Outubro.

A animação é desenvolvida a partir de personagens dos quadrinhos Piratas do Tietê, que passam a ser rejeitados por sua criadora, Laerte Coutinho, quando ela se afirma transgênero, assumindo sua identidade feminina. “Para a Laerte, Os Piratas e outros universos de sua criação, ficaram superados. Ela dizia que os Piratas funcionavam nos anos 80, mas que hoje ela considera eles machistas. Eu também concordava que suas criações mais recentes eram muito melhores. O projeto do filme iniciou em 1993, evidente que o mundo evoluiu e tratamos de nos adaptar a essa nova fase da autora.”, diz Otto Guerra.

Amigos e contemporâneos, Otto Guerra e Laerte Coutinho beberam nas mesmas fontes dos anos 70, assim como Angeli e outros quadrinistas, são artistas influenciados pelas HQs do Crumb, Freak Brothers, pela literatura Beat dos anos 50, Ginsberg, Kerouac, e essa identificação gerou a parceria que se segue até os dias de hoje, e que serviu como base para a construção de A CIDADE DOS PIRATAS.

 

“Laerte foi generosa em relação ao nosso filme: mesmo não querendo aparecer, se dispôs a gravar as cenas onde ela foi entrevistada por nós e ajudou na liberação dos direitos dos vários programas, de suas participações em diversos canais de TV.” diz o diretor Otto Guerra, que completa, “Ela incentivou a troca do roteiro original, aonde só os Piratas atuavam, pela versão aonde os Piratas, ela e seu novo universo eram protagonistas. No início ficamos perdidos em meio ao labirinto que foi criado e isso reforçou muito a atualidade do nosso filme, trazendo questões que estão e ainda vão ser vanguarda dos questionamentos, de como chegamos na beira do abismo.”.

Ao convidar Matheus Nachtergaele e Marco Ricca a emprestarem suas vozes aos personagens, o diretor busca ampliar a dimensão contestadora e existencialista do filme, que retrata um processo de aceitação de desejos e de afetos, com a história de um homem que flerta com a cultura transexual. “Matheus é um ator que parece ser a própria personagem, sempre. E mais, ele facilmente capta a emoção da cena e faz tantas e tantas opções que chega a deixar o diretor de dublagem tonto. Gênio vivo entre nós. Já Marco Ricca tem aquele estigma do mau. Tínhamos o papel do político homofóbico e paranoico, ele era o cara perfeito para o papel.”, explica o diretor.

A CIDADE DOS PIRATAS foi exibido em diversos festivais no Brasil e América Latina, foi o vencedor do prêmio de Melhor Roteiro e Melhor Direção no Festival de Cinema de Vitória de 2018, recebeu Menção Honrosa no 46º Festival de Cinema de Gramado e foi eleito o Melhor Filme do Anima Latina, realizado Buenos Aires no último ano, e do MUMIA 2018.  Participará ainda de festivais na Europa, como por exemplo CINANIMA que acontecerá em Espinho / Portugal em novembro e participou do OJO LOCO –  Festival de Cine Latinoamericano de Grenoble / França.

SINOPSE 
Inspirado nos famosos quadrinhos da cartunista Laerte. A história mescla a jornada de transição da artista e do diretor, que encara a morte após ser diagnosticado com câncer. Cria-se, então, um abismo caótico entre ficção e realidade na animação mais louca de todos os tempos.

FICHA TÉCNICA 
Roteiro: Rodrigo John, Laerte Coutinho, Thomas Créus e Otto Guerra
Direção: Otto Guerra
Produção Executiva: Marta Machado e Elisa Rocha
Direção de Animação: José Maia, Josemi Bezerra
Direção de Fotografia: Marco Arruda
Montagem: Marco Arruda
Direção de Arte: Pilar Prado e Laerte Coutinho
Desenho de Som: Gogó Conteúdo Sonoro
Edição de Som: Matheus Walter e Gogó
Conteúdo Sonoro
Mixagem: Gogó Conteúdo Sonoro
Trilha Sonora: Matheus Walter, Tiago Abrahão
Trilha Musical: Matheus Walter
Elenco: Laerte, Otto Guerra, Matheus Nachtergaele, Marco Ricca, Marcos Contreras e Luis Felipe Ramos

PRÊMIOS E FESTIVAIS 
Menção Honrosa – 46º Festival de Cinema de Gramado – 2018;
Melhor Roteiro e Melhor Direção – 25º Festival de Cinema de Vitória – 2018;
Pirita – Cine Esquema Novo 2018;
Melhor Filme – MUMIA 2018;
Melhor filme júri estudantil – Festival de Cine Latinoamericano de Grenoble;
Melhor filme – Anima Latina, Buenos Aires.
Mostra Int. de Cinema de São Paulo – 2018;
Festival ANIMAGE – Recife – 2018;
Mostra MUMIA – Belo Horizonte – 2019;
Anima Mundi – 2019;
Fest. Cine Latinoamericano de Grenoble – 2019;
Anima Latina, Buenos Aires – 2019;
ANIMA – Fest. Int. de Animação de Córdoba – 2019.

SOBRE O DIRETOR OTTO GUERRA  
Um dos pioneiros da animação autoral no Brasil, criou a Otto Desenhos Animados, que se tornou uma das produtoras de animação mais importantes do país. É o único diretor com quatro obras na lista dos 100 filmes mais importantes da animação brasileira definida pela ABRACCINE.
Entre suas obras:
“Rocky e Hudson: Os Caubóis Gays” (1994);
“Wood e Stock: Sexo, Orégano e Rock’n’roll” (2006);
“Até que a Sbórnia nos Separe” (2014).

SOBRE LAERTE COUTINHO 
Laerte Coutinho é uma das quadrinistas mais conhecidas do Brasil. Começou sua carreira nos anos 70 fazendo o personagem “Leão”. Nos anos 80 lançou a revista “Piratas do Tietê” com a Circo Editorial e “O Tamanho das Coisas”. Foi colaborador de jornais e revistas como O Estado de São Paulo, Folha de São Paulo, Veja e Isto É.
Em 2010 revelou publicamente sua opção pelo crossdressing e em 2012 fundou a ABRAT, Associação Brasileira de Transgêneros.

SOBRE A OTTO DESENHOS ANIMADOS 
O patamar que a animação brasileira atingiu no cenário mundial nos últimos anos mistura-se com a trajetória dos 40 anos da Otto Desenhos Animados.
Além de “Rocky e Hudson: Os Caubóis Gays” (1994), “Wood e Stock: Sexo, Orégano e Rock’n’roll” (2006), “Até que a Sbórnia nos Separe” (2014) e mais tantos curtas, no currículo da produtora também está o curta-metragem “Castillo y el Armado” (2014), vencedor de mais de 50 prêmios, dentre eles o de melhor curta no FICG30 Guadalajara e Festival de Havana e selecionado para mais de 200 festivais, dentre eles o Festival de Veneza.

SOBRE A LANÇA FILMES 
Atuando no mercado de distribuição, a Lança Filmes valoriza a qualidade técnica e artística de seus filmes, levando para o público histórias que emocionem, comovam e permaneçam nas suas memórias. Entre as últimas estreias das distribuidora são: Meditation Park (2019), Depois do Fim (2019), Fantástica – Um aventura no Mundo Boonie Bears (2018) e Yonlu (2018).

Pré-estreia de “A Princesa de Elymia”

 Único título infanto-juvenil que será lançado na semana das crianças, A Princesa de Elymia é o primeiro longa-metragem de animação brasileiro realizado no estado da Paraíba. Uma produção independente que irá projetar nas telonas os sonhos de milhões crianças de comunidades carentes. Com muita fantasia e riqueza de imagens, a trama  narra a saga de uma menina que mora em uma favela no Rio de Janeiro e torna-se heroína em outro mundo. Ela atravessa um portal na Pedra da Gávea e vai parar em Elymia, onde descobre ser a única esperança de salvar esse reino distante de um bruxo tirano. O filme irá estrear em várias capitais no dia 10 de outubro.
  Com distribuição da Panda Filmes, a pré-estreia no Rio de Janeiro será fechada para 90 crianças e adolescentes que vivem na Favela do Aço, na zona oeste da cidade. Para muitas deles, será a primeira experiência em um cinema. A sessão será realizada no UCI Campo Grande, às 15h, e os convidados também terão direito a pipoca e refrigerante. Tudo gratuitamente. O diretor Silvio Toledo virá de Campina Grande para um bate-papo com o público após a exibição. 
   Os adolescentes e crianças convidados para o evento integram o projeto social ACAPS, que também é parceiro do UNICIRCO, criado pelo ator Marcos Frota.
O projeto: 
  A identidade visual da produção é inspirada no universo dos games, desde os cenários virtuais aos personagens, e todo o processo foi realizado digitalmente. Durante a finalização do longa, cerca de um milhão de imagens separadas foram geradas em computador. Elas foram compostas nos quadros do filme e, quando exibidas numa velocidade de vinte e quatro imagens por segundo, criam a ilusão de movimento. As máquinas levavam de 15 minutos a 12 horas para processar cada quadro após os artistas de animação terem criado as posições dos personagens.
   A produção iniciou em 2013 e foi concluída no ano passado. Embora a maior parte do trabalho tenha sido feita por 6 pessoas, cerca de 40 profissionais trabalharam no projeto. A Princesa de Elymia custou 375 vezes menos que Moana, da Disney. É também o longa-metragem de animação brasileiro de menor custo da década e, possivelmente, o que levou o maior tempo de produção devido ao alto grau de detalhes nas imagens.
  No elenco, os destaques são a estreante Maria Alice Gadelha, que empresta a voz à protagonista Zoé, e o veterano do cinema nacional Fernando Teixeira, que interpreta o vilão Tempestança. A trilha sonora é assinada pelo cantor e compositor Moisés Freire e conta com a voz de Josi Oliveira.
  Com distribuição da produtora gaúcha Panda Filmes, o filme faz diversas referências à realidade brasileira, garantindo a identificação do público infanto-juvenil. O roteiro trabalha conceitos sobre como o fraco pode tornar-se forte e como ter esperança é fundamental para se alcançar objetivos, mesmo os mais difíceis. Espelha, assim, a garra do povo trabalhador brasileiro e traz uma mensagem encorajadora.
   Uma atração para a família inteira!
Sinopse:
   Zoé é uma garota de dez anos e moradora de uma favela. Ela tem a vida mudada ao encontrar um portal, no Rio de Janeiro, que a leva a um mundo mágico. Lá, descobre ser a irmã desaparecida da rainha e é a única que preservou poderes mágicos para enfrentar um grande desequilíbrio no Reino de Elymia, provocado pela sede de poder de Tempestança. Ela terá que aprender a usar sua magia a tempo para enfrentar bruxaria, monstros e dragões. Mas Zoé também é considerada uma ameaça ao Reino e todos temem por sua presença lá.
 
 
Ficha técnica:
Direção, roteiro, produção, fotografia, direção de arte e finalização: Silvio Toledo
Argumento: Natalí Braga
Elenco: Maria Alice Gadelha (Zoé), Natália Sá (Lamparina adulta), Cely Farias (Lamparina jovem), Fernando Teixeira (Tempestança), Ubiratan de Assis (Mestre Mago), Moisés Freire (Samuel), Adriano Freire (Erick), Daniel Toledo (Oliver), Ana Guedes (Raio de Sol adulta) e Amanda Janynne (Raio de Sol jovem).
Vozes adicionais: Hildeberto Figueiredo, Magda Pontes, Silvio Toledo, Lucas Christiano Hélio Meireles.
Modelagem e textura dos personagens: Mauro Corveloni, Silvio Toledo e João Paulo Ferreira.
Animadores: Lucas Christiano, José MaríVieítes, João Paulo Ferreira, Ivan Álvarez, Marcelo de Holanda, Pedro López, Marciano de Holanda, Valu Vasconcelos, Ariel L. Garcia e Alessandro Almeida.
Produção musical: Moisés Freire
Distribuição: Panda Filmes
Produção: Stairs Films
Financiamento: ANCINE, Fundo Setorial do Audiovisual, FINEP, BRDE e Natalí Braga.
Duração: 104 minutos
Classificação etária: 12 anos

O diretor:
   Silvio Toledo atuou como filmes publicitários, essencialmente de animação, de 1998 a 2008. Além de vários curtas, produziu e dirigiu os longas-metragens Sob o Olhar das Estrelas (2018), Incursão (2018), Roni Stone (2017) e O Resgate do Pavão Misterioso (2012).

Produtora – Stair Films:
   A Stair Films é uma produtora sediada em Campina Grande (Paraíba), fundada por Silvio Toledo. Produziu cinco longas-metragens, incluindo A Princesa de Elymia.
 

distribuidora – Panda Filmes
   Fundada em 2002, em Porto Alegre, a Panda Filmes tem deixado a sua marca no cenário audiovisual brasileiro e latino-americano. Com um repertório de inúmeros projetos em cinema, televisão e publicidade, tem no seu DNA parcerias e coproduções nacionais e internacionais. A empresa também atua na distribuição de obras cinematográficas em todo território brasileiro e organiza importantes festivais, voltados à criação de novas janelas de exibição. Entre as produções mais recentes na área de distribuição, destacam-se o documentário Central, de Tatiana Sager e Renato Dornelles, e o longa-metragem Superficie da Sombra, de Paulo Nascimento.
Siga A Princesa de Elymia nas redes sociais:

“Luna” estreia em 10 de outubro

Depois de ser exibido nas mostras competitivas do 51o Festival de Cinema de Brasília e no Festival do Rio 2018, no qual levou Menção Honrosa pela interpretação da atriz Eduarda Fernandes, LUNA, de Cris Azzi, chega ao circuito comercial brasileiro em 10 de outubro, com distribuição da Cineart Filmes.

O longa conta a história do encontro de Luana (Eduarda Fernandes) e Emília (Ana Clara Ligeiro) e os desdobramentos e consequências dessa nova amizade. “Em 2014 me vi chorando diante de uma matéria jornalística que narrava a morte de uma jovem brasileira de 17 anos que tirou sua própria vida após ter um vÍdeo de sexo viralizado nas redes sociais. Ainda me pergunto em qual lugar íntimo essa história me moveu a ponto de fazer um filme com essa inquietude como ponto de partida”, conta o diretor.

Uma pesquisa divulgada em 2018 pelo Instituto de Pesquisa (Ipsos) aponta que o Brasil é o segundo país com mais casos de cyberbullying contra crianças e adolescentes. De acordo com o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), um em cada dez estudantes no Brasil é vítima frequente de bullying. Na faixa dos 15 anos, o relatório mostra que 17,5% dos alunos brasileiros sofrem algum tipo de bullying, físico ou virtual, mais de uma vez ao mês.

O tema é sério e precisa ser abordado. Em entrevista coletiva, realizada em 29 de agosto, o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta afirmou que o foco das ações desenvolvidas durante o Setembro Amarelo, mês da conscientização da prevenção de suicídio, seria o público jovem, junto ao qual vem aumentado o número de casos e de tentativas de suicídio.

LUNA aborda de maneira transversal o cyberbullying e temas como a descoberta da sexualidade feminina associada à autoexposição favorecida pelas novas mídias, a busca por novas experiências, por pertencimento e autoafirmação. “Coloca à prova aspectos como liberdade e preconceito, liberdade e abuso, liberdade e julgamento moral. Mas a meu ver, para além dessa camada, o filme se orienta na potência do encontro com o outro, no amor e nas suas contradições”, explica Azzi.

Para realizar sua primeira ficção, o diretor praticou o exercício da escuta: “me vi diante de um universo de meninas brasileiras  com muitas histórias de decepções com o universo masculino. Abusos, assédio, estupro, abandono. Hoje, ao olhar para o percurso do filme, entendo que esses fatos recorrentes nas conversas foram borrando o roteiro naturalmente”.

“Durante os quatro anos de realização, as reivindicações femininas ganharam luz no Brasil e indicam um caminho espinhoso, mas sem volta, na direção da igualdade de direitos em relação aos homens. Nesse sentido, quando ainda me vejo tentando entender por qual motivo a história lida no jornal me tocou tanto, começo a perceber que falar desse universo é também uma busca pessoal por aprendizado e ressignificação nas minhas relações humanas. Ainda estou em busca de respostas”, finaliza.

SINOPSE 
Luana e Emília se conhecem e logo desenvolvem uma intensa amizade. Vivendo as expectativas e emoções da transição à vida adulta, elas mergulham numa jornada de experimentação e autoconhecimento. Mas esse é um caminho cheio de surpresas e qualquer exposição indesejada pode trazer sérias consequências.

FICHA TÉCNICA 
Direção e Roteiro: Cris Azzi
Produção:  Delícia Filmes E Urucu
Produzido Por: Cris Azzi, Elias Ribeiro, Cait Pansegrouw
Elenco: Eduarda Fernandes, Ana Clara Ligeiro, Lira Ribas, Hewrison Ken, Matheus Soriedem, Manu Maria, Guto Borges
Direção De Fotografia: Luís Abramo
Direção de Arte: Maíra Mesquita
Produção Executiva: Júlia Nogueira
Montagem: Matthew Swanepoel
Figurino: Caroleta Maurício
Consultora de Figurino: Flora Rebollo
Maquiagem: Gabriela Dominguez
Visagismo: Amanda Mirage
Direção de Produção: Marcela Recchioni
Assistente de Direção: Wally Araujo
Som Direto: Osvaldo Ferreira
Design De Som e Mixagem: Edson Secco
Produtor Musical: Guto Borges
Trilha Sonora Original: Barulhista, Guto Borges, Léo Marques
Produção de Elenco: Fábio Guimarães
Assessoria de Roteiro: Joana Oliveira
Script Doctor: Laura Barile
Consultor de Dramaturgia: Odilon Esteves
Duração: 89 Minutos
Gênero: Drama
Ano: 2018

SOBRE O DIRETOR 

Cris Azzi é um diretor, produtor e roteirista brasileiro. Tem 40 anos, nasceu em Belo Horizonte, Minas Gerais, onde reside atualmente.

É graduado em Comunicação Social pela Faculdade de Comunicação e Artes da PUC-MG. Trabalhou por mais de uma década como Assistente de Direção contribuindo para a realização de mais de 20 filmes de longa metragem e séries de TV. Karim Ainouz, Anna Muylaert e Paul Leduc são alguns dos diretores que Cris trabalhou.

Como diretor estreou em 2007 com o documentário “Sumidouro”, exibido na Mostra Competitiva do Festival “É Tudo Verdade”. Seu segundo documentário, “O Dia do Galo”, co-direção com Luiz Felipe Fernandes, foi o vencedor do júri popular da Mostra de Cinema de Tiradentes em 2015. Foi exibido durante 6 semanas nas salas de cinema em Minas Gerais alcançando mais de 30 mil espectadores.

Na ficção, seu primeiro trabalho em longa metragem foi o filme de episódios 5 Frações de Uma Quase história, dirigindo “Qualquer vôo”. Lançado em 2007, o filme foi exibido no Festival do Rio, Na Mostra Internacional de SP, na Mostra de Cinema de Tiradentes, no Chicago Latino Film Festival no Cine PE ( prêmio especial do júri e melhor direção de arte) e no Brazilian Film Festival (prêmio especial do júri e melhor roteiro). Nos cinemas, “Luna” será o primeiro filme de ficção solo de Cris Azzi.

SOBRE A CINEART FILMES 

A Cineart Filmes é uma distribuidora 100% brasileira e independente que tem, como principal objetivo, compartilhar conteúdos audiovisuais de alta qualidade. Trabalhando tanto com obras nacionais quanto internacionais, independentemente do gênero, o nosso compromisso é sempre o de oferecer cultura e entretenimento de qualidade ao maior número de pessoas possível. Para isso, além de valorizar o cinema nacional e abrir espaço para as produções regionais, a Cineart Filmes participa dos maiores festivais e feiras de cinema do mundo, como Cannes, Toronto, Berlim e AFM.

Nossa intenção é de alcançar cada vez mais o mercado exibidor e as redes de distribuição, sempre buscando conteúdos diversificados e de qualidade dentro e fora do Brasil. Assim, com ética nas relações e compromisso com os parceiros, vamos ampliando as nossas fronteiras, fortalecendo a indústria audiovisual no Brasil e no mundo, levando mais longe a magia do cinema.

Preocupada em trabalhar sempre com conteúdos de alta qualidade, a Cineart busca um relacionamento próximo com os seus parceiros produtores desde as etapas iniciais dos projetos, acreditando que esse envolvimento contribui para o sucesso comercial do projeto, através da elaboração de planejamentos específicos e cuidadosamente pensados para cada trabalho, procurando traçar o perfil e o tamanho ideal de cada lançamento.

“O Menino que Fazia Rir” estreia em 26/09

O MENINO QUE FAZIA RIR, estreia nesta quinta-feira, dia 26 de setembro, nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Porto Alegre, Belo Horizonte, Fortaleza, João Pessoa, Curitiba, Vitória, Natal, Teresina, São Luis, Cuiabá, Manaus, Belém, Olinda, Santos, Jundiaí, Barueri, Bauru, Campinas, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Sorocaba.

Baseado no livro best seller de Hape Kerkeling sobre sua infância, O MENINO QUE FAZIA RIR é dirigido por Caroline Link, vencedora do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro por “Nenhum Lugar na África”. O longa, que fez mais de 3,6 milhões de espectadores na Alemanha, chega aos cinemas brasileiros distribuído pela Pandora Filmes, com circuito garantido pelo projeto Caixa de Pandora.

O longa conta a emocionante história de Hape Kerkeling, o maior comediante alemão de todos os tempos, quando ainda criança descobriu que rir é o melhor remédio para superar os obstáculos e as tragédias da vida. E fazer os outros rirem é algo ainda mais poderoso.

Nos anos 1970, o garoto Hans-Peter vive com seus pais e seu irmão numa cidade do interior, na casa de seus avós. Curioso, ele gosta de observar as pessoas que frequentam a loja de sua avó e adora as reuniões e celebrações em família. Na escola, é incomodado pelos outros alunos por ser gordinho, então decide utilizar essa característica física a seu favor para fazer comédia, imitando personalidades de TV, cantores e pessoas da comunidade.

Seu pai trabalha como carpinteiro e é bastante ausente, deixando os cuidados dos dois filhos a cargo de sua mãe, Margret, que devido a uma sinusite crônica precisa realizar uma cirurgia que a deixa sem sentir o gosto ou cheiro das coisas. Essa situação, somada ao stress diário da dona de casa, leva-a a um quadro depressivo.

Recusando ajuda médica, Margret tem o quadro agravado, o que faz com que a família se una e se envolva mais na vida de Hans-Peter. Querendo ver o seu bem, ele às vezes consegue arrancar um sorriso dela com suas apresentações cômicas, com paródias musicais. Devido à doença da mãe, Hans-Peter acaba se apegando mais aos avós, que o paparicam. Pouco antes de falecer, sua avó profetiza um esplêndido futuro para o garoto. E ela estava certa: Hans se tornou um premiado ator, apresentador e comediante adorado na Alemanha.

SINOPSE
A emocionante história da infância de Hape Kerkeling, o comediante mais amado da Alemanha. Em 1972, ele era um menino gorducho que crescia na segurança de sua família e de parentes que adoravam se divertir. À primeira vista, ele pode não parecer o cara mais popular, mas tem um talento peculiar para observar as pessoas à sua volta e fazer imitações hilariantes. No entanto, acontecimentos inesperados causam uma grande reviravolta em sua infância perfeita. Para sobreviver ao tumulto emocional, ele usa seus talentos cômicos para curar suas feridas e fazer as pessoas rirem junto com ele.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Caroline Link
Roteiro: Ruth Toma, baseado no livro de Hape Kerkeling
Elenco: Diana Amft, Luise Heyer, Sönke Möhring, Joachim Król, Martina Eitner-Acheampong, Maren Kroymann, Elena Uhlig e Ursula Werner
Produção: Nico Hofmann, Sebastian Werninger, Hermann Florin
Empresas produtoras: Gesellschaft für feine Filme, UFA Fiction e Warner Bros
Direção de fotografia: Judith Kaufmann, bfk
Montagem: Simon Gstöttmayr, bvs
Som: Philipp Baur, Tschangis Chahrokh, Christof Ebhardt, Magda Habernickel, Bernhard Maurer, Max-Thomas Meindl, Laura Plock e Michael Stancyk
Desenho de produção: Miyuki Kitagawa
Música: Niki Reiser
Figurino: Barbara Grupp
Direção de Produção: Oliver Lüer
País: Alemanha
Ano: 2018
Duração: 100 min.

SOBRE A PANDORA FILMES 
A Pandora é uma distribuidora de filmes independentes que há 30 anos busca ampliar os horizontes da distribuição de filmes no Brasil revelando nomes outrora desconhecidos no país, como Krzysztof Kieślowski, Theo Angelopoulos e Wong Kar-Wai, e relançando clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Federico Fellini, Ingmar Bergman e Billy Wilder. Sempre acompanhando as novas tendências do cinema mundial, os lançamentos recentes incluem “The Square – A Arte da Discórdia”, de Ruben Östlund, vencedor da Palma de Ouro em Cannes, e “O Apartamento”, de Asghar Farhadi, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora atua com o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos, como Gustavo Steinberg, Ruy Guerra, Edgard Navarro, Sérgio Bianchi, Roberto Moreira, Beto Brant, Fernando Meirelles, Helena Ignez, Tata Amaral, Anna Muylaert, Petra Costa e Gabriela Amaral Almeida. Entre os próximos lançamentos, destacam-se “Greta”, de Armando Praça; “O Traidor”, de Marco Bellocchio, coprodução nacional, que concorreu à Palma de Ouro em Cannes; e “O Caso Morel” de Suzana Amaral.

Em 2019, a distribuidora criou o projeto Caixa de Pandora que visa programar filmes premiados, escolhidos através de uma cuidadosa curadoria para serem exibidos em salas comerciais da rede Cinépolis, em 20 cidades do Brasil.

Programação do Sesc Belenzinho

O Sesc Belenzinho apresenta uma série de filmes nacionais, que foram censurados na época de seus lançamentos, entre os anos de 1968 e 1984. São obras que se tornaram clássicas da produção cinematográfica brasileira, cujas exibições (grátis) ocorrem nos dias 10, 17 e 24 de setembro e 1º de outubro, terças, às 19h30, respectivamente: O Bandido da Luz Vermelha, Eles Não Usam Black-Tie, Pra Frente, Brasil e Cabra Marcado para Morrer.

Esta é uma programação integrada à exposição Meta-Arquivo: 1964-1985 – Espaço de Escuta e Leitura de Histórias da Ditadura, em cartaz na unidade até o dia 24 de novembro de 2019.

 

Exibições

 

10/09. Terça, às 19h30

O Bandido da Luz Vermelha

Dir. Rogério Sganzerla, Brasil, 1968, 92 min.

Local: Teatro. Não recomendado para menores de 14.

Grátis. Retirada de ingressos com 30 minutos de antecedência.

Livremente inspirado em fatos reais. Um assaltante misterioso (Paulo Villaça) usa técnicas extravagantes para roubar casas luxuosas de São Paulo. Ele é apelidado pela imprensa de “bandido da luz vermelha”, já que traz sempre uma lanterna vermelha e conversa longamente com suas vítimas. No entanto, seus roubos e crimes chamam tanta atenção que um implacável policial começa a perseguir o “bandido da luz vermelha”.

17/09. Terça, às 19h30

Eles Não Usam Black-Tie

Dir. Leon Hirszman, Brasil, 1981, 2h14 min.

Local: Teatro. Não recomendado para menores de 14.

Grátis. Retirada de ingressos com 30 minutos de antecedência.

Em São Paulo, em 1980, o jovem operário Tião (Carlos Alberto Riccelli) e sua namorada Maria (Bete Mendes) decidem casar-se ao saber que a moça está grávida. Ao mesmo tempo, eclode um movimento grevista que divide a categoria metalúrgica. Preocupado com o casamento e temendo perder o emprego, Tião fura a greve, entrando em conflito com o pai, Otávio (Gianfrancesco Guarnieri), um velho militante sindical que passou três anos na cadeia durante o regime militar.

24/09. Terça, às 19h30

Pra Frente, Brasil

Dir. Roberto Farias, Brasil, 1982, 1h50 min.

Local: Teatro. Não recomendado para menores de 14.

Grátis. Retirada de ingressos com 30 minutos de antecedência.

Em 1970, o Brasil inteiro torce e vibra com a seleção de futebol no México, enquanto prisioneiros políticos são torturados nos porões da ditadura militar e inocentes são vítimas desta violência. Todos estes acontecimentos são vistos pela ótica de uma família quando um dos seus integrantes, um pacato trabalhador da classe média, é confundido com um ativista político e “desaparece”.

01/10. Terça, às 19h30

Cabra Marcado para Morrer

Dir. Eduardo Coutinho, Brasil, 1984, 1h59 min.

Local: Teatro. Não recomendado para menores de 14.

Grátis. Retirada de ingressos com 30 minutos de antecedência.

Início da década de 60. Um líder camponês, João Pedro Teixeira, é assassinado por ordem dos latifundiários do Nordeste. As filmagens de sua vida, interpretada pelos próprios camponeses, foram interrompidas pelo golpe militar de 1964. Dezessete anos depois, o diretor retoma o projeto e procura a viúva Elizabeth Teixeira e seus dez filhos, espalhados pela onda de repressão que seguiu ao episódio do assassinato. O tema principal do filme passa a ser a trajetória de cada um dos personagens que, por meio de lembranças e imagens do passado, evocam o drama de uma família de camponeses durante os longos anos do regime militar.

Serviço

Exposição: META-ARQUIVO: 1964–1985 – Espaço de Escuta e Leitura ee Histórias da Ditadura

Curadoria e pesquisa: Ana Pato

Artistas convidados: Ana Vaz, Contrafilé, Giselle Beiguelman, O grupo inteiro, Ícaro
Lira, Mabe Bethônico, Paulo Nazareth, Rafael Pagatini e Traplev.

Visitação: Até 24 de novembro de 2019

Terça a sábado, das 10h às 21h. Domingos e feriados, das 10h às 19h30

Local: Galpão. Grátis. Livre para todos os públicos

Sesc Belenzinho

Endereço: Rua Padre Adelino, 1000.

Belenzinho – São Paulo (SP)

Telefone: (11) 2076-9700

www.sescsp.org.br/belenzinho

Estacionamento – Terça a sábado (9h às 22h). Domingos e feriados (9h às 20h).

Valores: Credenciados plenos do Sesc: R$ 5,50 a primeira hora e R$ 2,00 por hora adicional. Não credenciados: R$ 12,00 a primeira hora e R$ 3,00 por hora adicional.

MIMO Festival abre inscrições para Festival MIMO de Cinema!

Com exibição e difusão de filmes que tenham a música como fio condutor de sua narrativa, o Festival MIMO de Cinema, parte integrante do MIMO Festival, anuncia a abertura das inscrições para quem pretende ter sua obra exibida na programação deste ano. A partir do dia 11 de setembro, até o dia 10 de outubro, será possível se inscrever pelo site www.mimofestival.com.

Podem participar da seleção filmes brasileiros finalizados a partir de janeiro de 2018 e inéditos em circuito comercial de cinema e em canais de televisão. É necessário ter o tema central voltado para a música, não se restringindo a nenhum gênero ou estilo específico. São aceitos curtas, médias e longas metragens, sejam elas ficções, documentários ou animações, falados em língua portuguesa ou com legendas em português.

Importante janela de exibição da produção cinematográfica brasileira sobre música, os filmes são selecionados por uma comissão formada por renomados críticos, produtores e diretores de cinema e a direção artística do Festival. Os filmes são projetados em salas de cinema, tendas, centros culturais e ao ar livre, podendo proporcionar ao público a chance de apreciar a história de um artista na tela e se deliciar ao ouvi-lo na programação de concertos que acontecem simultaneamente durante o festival.

Com formato ímpar, que conquistou plateia cativa, o Festival MIMO de Cinema é dirigido pela cineasta Rejane Zilles e desde a sua primeira edição em 2004, já exibiu 346 filmes onde a música é protagonista. Nesta edição, o Festival MIMO de Cinema acontece nas cidades de São Paulo/SP (22 a 24 de novembro), pela primeira vez, e no Rio de Janeiro/RJ (29 de novembro a 01 de dezembro). A programação é toda gratuita. O regulamento e a ficha de inscrição estão disponíveis no site do festival (www.mimofestival.com).

SOBRE O MIMO FESTIVAL

Acumulando cinquenta edições, 16 anos de estrada e mais de um milhão e setecentas mil pessoas de público, o MIMO, festival de música inteiramente gratuito, idealizado e realizado pela Lume Arte, da experiente empresária Lu Araújo (que também assina a curadoria), conta com patrocínio do Bradesco, Certisign e Estácio. O MIMO Festival já exibiu mais de 475 concertos, como as apresentações memoráveis dos artistas Philip Glass, Herbie Hankock, Chick Corea, Jack DeJohnette, John Scofield, Jacob Collier, Goran Bregovic, Emir Kusturica, Pat Metheny, Buena Vista Social Club, Gotan Project e, ainda, os nacionais Egberto Gismonti, Hermeto Pascoal, Nelson Freire, Nana Vasconcelos, entre muitos outros grandes nomes. Entre os filmes, “Chico Sciense, Caranguejo Elétrico”, ‘Eu sou Carlos Imperial’, “Mussum – Um filme do Cacildis”, “Legalize já – Amizade nunca morre”, “Com a Palavra, Arnaldo Antunes” passaram pelas telas do festival nas ultimas edições do Brasil e Portugal.

Após o quarto ano em Amarante, Portugal o Mimo já é apontado como um dos principais festivais do país e reuniu um público de mais de 80 mil pessoas. O sucesso do seu posicionamento em terras portuguesas valeu a distinção do Iberian Festival Awards, como “Melhor Infraestrutura de Festivais em Portugal”, em 2017 e 2018.

“Legalidade” estreia em 12/09

LEGALIDADE, filme de Zeca Brito, estreia nesta quinta-feira, dia 12 de setembro, nas cidades de Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Goiânia, Palmas, Teresina, Londrina, Niterói, Ponta Grossa, Ananideua, Bagé, Bento Gonçalves, Campo Bom, Cruz Alta, Erechim, Nova Prata, Palmeira das Missões, Rio Grande, Santa Rosa, São Leopoldo e Três Passos.

 

Produzido pela Prana Filmes, a obra foi premiada recentemente durante o 42ª Festival Guarnicê de Cinema (São Luís, MA), vencendo nas categorias de Melhor Direção (Zeca Brito), Direção de Arte (Adriana Borba), Fotografia (Bruno Polidoro) e Melhor Ator (Leonardo Machado – in memoriam).

Um triângulo amoroso, a luta por uma causa cívica, uma revolução feita pelas ondas do rádio. A inteligência e a coragem de um líder. O poder da comunicação gerando uma verdadeira demonstração de força e civilidade. Um movimento de resistência e mobilização popular sem precedentes na história do país: a “LEGALIDADE”.

Com Leonardo Machado, Cleo, Fernando Alves Pinto, Leticia Sabatella e José Henrique Ligabue, o filme aborda o momento histórico brasileiro, em 1961, quando o presidente da República, Jânio Quadros, renuncia e seu vice, João Goulart, deve ascender ao posto. Para evitar que um golpe organizado pelos militares entrasse em curso, o governador do estado do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, inicia um movimento inédito no país, pelo respeito à Constituição Federal.

“Em ‘LEGALIDADE’ quis falar de meu país e das raízes políticas que ligam o Brasil à América Latina. A heroica façanha de Leonel Brizola liderando o povo brasileiro em ato de coragem e civismo, garantindo a posse do presidente João Goulart e a soberania da nação. Através das ondas do rádio o despertar para a constituição, o respeito ao voto popular. Um filme que trama ficção e realidade. Um romance que une visões opostas de mundo. Política, espionagem e comunicação, temas que articulam um dos momentos históricos mais intrigantes do país”, explica o diretor, Zeca Brito.

Numa costura entre 1961 e 2004, ano da morte de Brizola, a jornalista Blanca faz uma investigação que é o fio condutor do filme. Em 1961, durante a Conferência das Nações Americanas, em Punta del Este, o antropólogo brasileiro Luís Carlos reencontra seu amigo e herói, o Comandante Ernesto Che Guevara. Já a misteriosa jornalista, Cecília, tem a difícil tarefa de entrevistar o polêmico governador gaúcho, Leonel Brizola. Brizola e Che Guevara convergem em torno das mesmas causas: ideais de cunho social e a libertação da América Latina da opressão econômica e política dos Estados Unidos, atraindo assim a ira das forças conservadoras. Paralelamente ao universo de tensão política que se instaura, Luís Carlos e Cecília vivem uma intensa história de amor interrompida pelo destino.

Pouco tempo depois, no Brasil, o presidente Jânio Quadros renuncia repentinamente. Enquanto seu vice, João Goulart, está em viagem pela China comunista, o governador Brizola se recusa a aceitar a tomada do poder pelos militares e decide resistir para que seja respeitada a Constituição. Dois irmãos vivem intensamente os dias de crise na República: o jovem anarquista Tonho, que trabalha como fotógrafo, e Luís Carlos, professor. Cecília também está em Porto Alegre, para continuar sua reportagem, quando o levante se inicia e logo conhece Tonho. É dentro do Palácio Piratini, numa situação limite, de guerra eminente, que os dois vivem um romance. Uma relação complicada, já que Cecília irá reencontrar Luís Carlos e terá que fazer uma difícil escolha.

O roteiro do filme começou a ser desenvolvido em 2010 e contou com uma extensa pesquisa. Foi escrito a quatro mãos, pela dupla Leo Garcia e Zeca Brito, que repete a parceria iniciada com a comédia adolescente “Em 97 Era Assim” (direção de Zeca e roteiro de Leo). Ambos também assinam juntos a direção do documentário “A Vida Extra-Ordinária de Tarso de Castro”, sobre a trajetória do jornalista gaúcho, que também esteve envolvido na Legalidade.

LEGALIDADE” é o sexto longa de Zeca Brito e foi inteiramente rodadono estado do Rio Grande do Sul. O filme é uma produção da Prana Filmes, de Luciana Tomasi.

SINOPSE 
Em 1961, o governador Leonel Brizola lidera um movimento sem precedentes na história do Brasil: a Legalidade. Lutando pela constituição, mobiliza a população na resistência pela posse do presidente João Goulart. Em meio ao iminente golpe militar, uma misteriosa jornalista pode mudar os rumos do país.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Zeca Brito
Roteiro: Zeca Brito e Leo Garcia
Elenco: Cleo, Leonardo Machado, Fernando Alves Pinto, José Henrique Ligabue, Leticia Sabatella, Fábio Rangel, Sapiran Brito
Produção: Luciana Tomasi
Direção de Fotografia: Bruno Polidoro
Direção de Arte: Adriana Borba
Direção de Produção: Glauco Urbim
Figurino: Marcia Nascimento
Maquiagem: Nancy Marignac
Consultoria de Roteiro: Hilton Lacerda e Anna Carolina Francisco
Montagem: Alfredo Barros
Som: Gogó Conteúdo Sonoro

SOBRE O DIRETOR 

Zeca Brito é graduado em Realização Audiovisual pela Unisinos e Artes Visuais pela UFRGS. Dirigiu, roteirizou curtas e longas-metragens exibidos no Brasil e no exterior. Seu curta “Aos Pés” foi escolhido Melhor Filme Júri Popular no Festin Lisboa 2009, e o longa-metragem O Guri, exibido em festivais de Portugal e Brasil. Em 2015 lançou o longa “Glauco do Brasil” na 39ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e 10ª Bienal do Mercosul. Em 2016 dirigiu o longa “Em 97 Era Assim”, Prêmio de Melhor Direção e Melhor Filme Júri Popular no Festival Cinema dos Sertões (Piauí Brasil), Melhor Direção de Atores na Mostra SESC Brasil, Melhor Filme no The Best Film Fest (Seattle, EUA), Prêmio Especial do Júri no 8th Jagran Film Festival (Índia), seleção oficial no Regina International Film Festival (Regina, Canada), Los Angeles CineFest (Los Angeles, EUA), 51st International Independet Film Festival (Houston, EUA) e Prêmio de Melhor Filme Juvenil Estrangeiro no American Filmatic Arts Awards (Nova York, EUA). Em 2017 dirigiu o documentário “A vida Extra-Ordinaria de Tarso de Castro” exibido no Festival do Rio e 41 Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

SOBRE A PRANA FILMES 
A Prana Filmes foi criada em 2011 pelas cineastas Luciana Tomasi e Carlos Gerbase. Focada na produção de filmes e séries de televisão, a companhia produziu o curta “Amores Passageiros”, dirigido por Augusto Canani, vencedor do prêmio de Melhor Filme Estrangeiro em Los Angeles Short Film Festival, e o longa “Menos que Nada”, dirigido por de Carlos Gerbase, indicado como Melhor Roteiro Adaptado no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro.
Além das produções audiovisuais, a produtora gerencia desde 2012 uma sala de cinema na cidade de Porto Alegre e é responsável pelo projeto educacional Primeiro Filme e pelo Festival Primeiro Filme, que já está em sua quarta edição.

Luciana Tomasi e Carlos Gerbase foram membros da Casa de Cinema de Porto Alegre por mais de 20 anos, participando de vários longas-metragens, curtas-metragens e séries de televisão, ganhando diversos prêmios em festivais internacionais como Berlim, Havana, Nova York, Los Angeles, Hamburgo, Índia, Portugal, Uruguai, entre outros. Os filmes, produzidos por Luciana Tomasi, já renderam impressionantes 200 prêmios nacional e internacionalmente.

Atualmente, a empresa trabalha na pós-produção do longa-metragem “Legalidade”,  de Zeca Brito; e na série de TV “Turma 5B”, de Iuli Gerbase; participando em festivais com os filmes “Bio”, de Carlos Gerbase, vencedor de 3 prêmios no 45º Festival de Cinema de Gramado (Melhor Filme no Prêmio do Público, Melhor Design de Som e Menção Honrosa para Direção) e “Yonlu”, de Hique Montanari , vencedor do Prêmio ABRACCINE – Melhor Filme Brasileiro de Diretor Estreante do 41º Festival Internacional de Cinema de São Paulo, Melhor Filme da Mostra Internacional de Longas, além de receber o Prêmio da Imprensa, no 9º  Festival Internacional de Cinema da Fronteira. A produtora também está em fase de captação de recursos para a série de TV “Todos Morrem no Fim”, de Carlos Gerbase, e para o longa-metragem “Jepotá”, de Augusto Canani.

Em 2018, a Prana Filmes produziu, em parceria com a Rainer Cine, o longa “Mudança” de Fabiano de Souza, que está em fase de pós-produção. Também produzimos o curta-metragem “A Pedra”, da diretora Iuli Gerbase, que recentemente participou do 40º Festival Internacional del Nuevo Cine Latinoamericano em Havana (Cuba), e do 11º Festival Internacional de Cinema de Jaipur (Índia), vencendo a Menção do Júri na Mostra Panorama Internacional. Agora, a Prana Filmes está em fase de pré-produção do longa “A Nuvem Rosa” de Iuli Gerbase e no desenvolvimento de sete roteiros de filmes e séries de TV.

SOBRE A BOULEVARD FILMES 

A Boulevard Filmes é uma produtora e distribuidora audiovisual que busca o equilíbrio entre projetos autorais e demandas de mercado, focando em estratégias de produção e de distribuição compatíveis com cada projeto, tanto para cinema, quanto para TV e novas mídias. Entre seus lançamentos para as salas de cinema estão os longas “Amor, Plástico e Barulho” (Renata Pinheiro), “Filme Sobre um Bom Fim”(Boca Migotto), “A Vida Extra-Ordinária de Tarso de Castro” (Leo Garcia, Zeca Brito), “Histórias que nosso cinema (não) contava” (Fernanda Pessoa) e “Açúcar” (Sergio Oliveira, Renata Pinheiro), esté último com previsão de lançamento para o primeiro semestre de 2019.

3ª Edição da Mostra do Filme Marginal

A Mostra do Filme Marginal é uma iniciativa que tem por objetivo valorizar e divulgar produções independentes. Não é competitiva, visa a integração. A estratégia é utilizar o projeto como instrumento de difusão, reflexão, estímulo e formação de público para um cinema popular, autoral e crítico. Sendo assim, o espaço é aberto para produções independentes, que coloquem na tela personagens e temáticas sociais, políticas e culturais diversificadas.

A terceira edição 2019 acontecerá em setembro no Rio de Janeiro, em outubro em Belo Horizonte e em novembro em Salvador. Forma inscritos 600 filmes e 118 selecionados.

A Sessão de Abertura vai ser realizada pelo segundo ano seguido no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica no dia 14/09.

Três filmes serão exibidos neste dia:

Custos de Marilene Ribeiro, Monólogo Ao Pé do Ouvido de Francisco Pereira e Daniel Bretas e LAMA: O Crime Vale no Brasil de Carlos Pronzato cineasta argentino homenageado na edição deste ano.

A Mostra é inteiramente gratuita. Acreditamos que dessa forma poderemos facilitar e garantir o acesso da população, oferecendo sempre uma programação de qualidade.

Sobre os filmes:

1. Custos,

Documentário, 20 min, Brasil, 2018, Livre. Direção: Marilene Ribeiro.

Sinopse: Em resposta ao investimento dos últimos anos na construção de grandes hidrelétricas como solução para o crescimento econômico ‘sustentável’ do Brasil, CUSTOS aborda as transformações que tais empreendimentos ocasionam no ambiente local e nas pessoas que ali vivem. Moradores das regiões atingidas por três projetos de hidrelétricas – Sobradinho (Bahia, 1971-1978), Belo Monte (Pará, 2011-em construção) e Panambi (Rio Grande do Sul, planejada para ser construída em um futuro próximo) – desenham, cantam e falam sobre suas percepções acerca das situações vividas em depoimentos emocionados que discorrem sobre a imaterialidade dos custos envolvidos em tais obras. CUSTOS é uma reflexão sensível sobre violações, sobre o colapso da natureza, sobre identidade e memórias, agora submersas, porém vivas.

2. Monólogo Ao Pé do Ouvido.

Video-Performance, Brumadinho/MG, 2 min, 2019, Livre. Realização: Francisco Pereira e Daniel Bretas.

Sinopse: SOBRE TRAGÉDIAS ESPERADAS, NÃO-EVITADAS.

O medo dá origem ao mal

O homem coletivo sente a necessidade de lutar

O orgulho, a arrogância, a glória

Enche a imaginação de domínio

São demônios os que destroem o poder

Bravio da humanidade.

Chico Science, “Banditismo Por Uma Questão de Classe”, 1994.

3. LAMA: O Crime Vale no Brasil. (Este é o filme do homenageado, estreia no Rio) Documentário, Brumadinho/MG. 2019, Direção: Carlos Pronzato e Richardson Pontone.

Sinopse: No dia 25 de janeiro de 2019, a barragem do Córrego do Feijão rompe em Brumadinho, espalhando um mar de lama pela região. A barragem pertencia à mineradora Vale S.A.

Desde o episódio uma equipe esteve entre estradas, ruas e lama para registrar o cenário e captar as vozes que nos curtos intervalos dos helicópteros enunciaram seu testemunho da tragédia.

Este documentário de intervenção política foi produzido de forma independente, trazendo mais de 50 entrevistas com especialistas no assunto, moradores da região, militantes de movimentos sociais e representantes de órgãos oficiais, além de materiais relacionados com o episódio, reunidos minuciosamente.

Links – Mostra do Filme Marginal

Site: http://mostradofilmemarginal.com/

Facebook: https://www.facebook.com/mostradofilmemarginal/

Instagram: https://www.instagram.com/mostradofilmemarginal/

Contatos: mostradofilmemarginal@gmail.com

Uilton Oliveira – 21 96990-9165 / absolutarealidade@gmail.com

Hannah Cavalcanti – 21 96563-9166 / hcproducoes@gmail.com

Monica Miranda – 21 96597-0645 / producaocinedir@gmail.com

__________________________________________

ANIVERSÁRIO 23 ANOS

CENTRO MUNICIPAL DE ARTE HÉLIO OITICICA, RIO DE JANEIRO

07, 14, 21 e 28 de setembro de 2019

__________________________________________

IMAGENS DE IMPRENSA

Disponíveis no link:

http://bit.ly/2KQK029
Créditos:
Bernardo Feitosa

__________________________________________

CENTRO MUNICIPAL DE ARTE HÉLIO OITICICA

Horário: 12h às 18h
Funcionamento:  Segunda a Sábado, de meio-dia às 18h
Local: Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica
Contato: (21) 2242-1012 / cmaho.cultura@gmail.com
Endereço: Rua Luís de Camões, 68. Praça Tiradentes – Rio de Janeiro
Entrada Gratuita
Espaço sujeito à lotação.

“O Homem Ideal?” estreia em 3/10

 Baseado na peça de teatro homônima, ‘M’esperarás?’ (Prêmio Palanca e Roca de Teatro no Prêmio Literário Ciutat Alzira em 2013), ‘O HOMEM IDEAL?’ – título em português escolhido pela Fênix Distribuidora para o lançamento no Brasil –  é o primeiro longa-metragem de Carles Alberola, que além de autor e diretor, também atua no filme.
Filmado em versão original em Valência, na Espanha, com o mesmo elenco de atores que formou a peça, ‘O HOMEM IDEAL?’ é uma comédia romântica e divertida com diálogos ágeis e dinâmicos.
Reunindo muitos dos temas e obsessões que Alberola vem desenvolvendo em seus textos teatrais e obras televisivas, o roteiro do filme apresenta ao espectador: um indivíduo preso por uma realidade inóspita, o medo de lutar pelo que queremos e a esperança de tornar nossos sonhos realidade.
Tomando as adaptações cinematográficas das comédias de Nova York de Neil Simon como referência e, mais recentemente, a adaptação do texto teatral “LE PRÉNOM” ou “CARNAGE”, Alberola acredita no poder da situação dramática proposta por ‘M’ESPERARÀS?’ mantendo no filme, a unidade de tempo e espaço, assim como na peça de teatro.
O homem ideal?
(M’esperarás)
Espanha| 2017 | Comédia | 89 min
Um filme de Carles Alberola
Sinopse
Jaume e Raquel, casal exemplar, organizam um encontro às cegas com Rubén, um amigo neurótico e depressivo, separado há dois anos. A mulher que finalmente vai a esse encontro, coloca de cabeça para baixo o relacionamento deles, mudando tudo o que eles acreditavam estar imóvel. Mostrando a eles que nunca é tarde demais para recomeçar.
Sobre Diretor
CARLES ALBEROLA – AUTOR, DIRETOR E ATOR
Em 1994, junto com Toni Benaventi, criou a companhia Albena Produccions. Entre seus trabalhos como autor e/ou diretor, estão inclusos O TU OR RES e NIT I DIA (co-escritos com Ferran Torrent); CURRICULUM (Arts Escèniques Valencian Generalitat Awards de Melhor Texto, co-escrito com Pasqual Alapont); ESTIMADA ANUCHKA e PER QUÈ MOREN ELS PARES? (Prêmio da crítica da Interuniversity Institutede Valencian Philology de Melhor Texto); MANDÍBULA AFILADA (Prêmio “Cavall Verde” da Associação de Roteiristas na Língua Catalã e da crítica de Valencia de Melhor Texto); JOA, EL CENDRÓS e BESOS (Prêmio MAX de Melhor Autor Teatral em catalão, Prêmio da Associação dos Escritores de Valencia de Melhor Texto, Arts Escèniques Generalitat Valenciana Award de Melhor Peça); 23 CENTIMETERS e SPOT (os quatro últimos co-escritos por Roberto García); ALMENYS IS NOT CHRISTMAS, 13, THAT WE ARE LUCKY! (Prêmio de Melhor Texto pela Associação de Escritores de Valencia). Como ator, vale mencionar suas interpretações em O TU OR RES, NIT I DIA, CURRICULUM, MANDÍBULA AFILADA, BESOS, SPOT, ART, THAT WE ARE LUCKY!, MIDSUMMER, FICÇÃO, VOCÊ VAI ME ESPERAR? (Prêmio de Melhor Texto Teatral Ciutat Alzira), THE UGLY DUCKLING (Prêmio MAX de Melhor Peça Musical em 2016, co-escrito com Ernard J. Sorrentino) e o musical TIC-TAC, co-escrito com Rodolf Sirera e Pasqual Alapont (Prêmio MAX de Melhor Peça Musical em 2018). Para a televisão, ele escreveu, dirigiu, produziu e atuou nos programas de comédia AUTOINDEFINITS, SOCARRATS, CHECK-IN HOTEL e na sitcom MANIÀTICS. Ele atualmente coordena, dirige e opera uma série de esquetes chamadas AÇÒ ÉS UM DESTARIFO, pela À Punt Media.
Elenco
CARLES ALBEROLA
ALFRED PICÓ
CRISTINA GARCÍA
REBECA VALLS
Ficha Técnica
Roteiro e direção
CARLES ALBEROLA
Produção
ALBENA PRODUCCIONS
Em colaboração com IVAC/ CULTURARTS À PUNT MÈDIA
Produção executiva
TONI BENAVENT
CÉSAR MARTÍ
Gerente de produção
GLORIA GUILLOT
Assistente de Direção
XAVIER MACHANCOSES
Realização
RAFA PIQUERAS
Direção de fotografia
VÍCTOR ENTRECANALES
Direção de arte
JOSÉ LUIS COMPANY (TOTO)
Direção de atores
CARLES SANJAIME
Montagem
VICENTE IBÁÑEZ
RAFA PIQUERAS
Figurino
ROSA GARRIGA
Maquiagem e cabelo
MERCEDES LUJÁN
Trilha sonora
ARNAU BATALLER
Efeitos digitais
VICTOR SUÑER
Som
JOSÉ M. SOSPEDRA AGUADO
IVÁN MARTÍNEZ-RUFAT
Design de pôster
ASSAD KASSAB
Idioma original – Catalão

“O Menino que Fazia Rir” em 26 de setembro

Baseado no livro best seller de Hape Kerkeling sobre sua infância, O MENINO QUE FAZIA RIR é dirigido por Caroline Link, vencedora do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro por “Nenhum Lugar na África”. O longa, que fez mais de 3,6 milhões de espectadores na Alemanha, chega aos cinemas brasileiros em 26 de setembro pela Pandora Filmes, com circuito garantido pelo projeto Caixa de Pandora.

O longa conta a emocionante história de Hape Kerkeling, o maior comediante alemão de todos os tempos, quando ainda criança descobriu que rir é o melhor remédio para superar os obstáculos e as tragédias da vida. E fazer os outros rirem é algo ainda mais poderoso.

Nos anos 1970, o garoto Hans-Peter vive com seus pais e seu irmão numa cidade do interior, na casa de seus avós. Curioso, ele gosta de observar as pessoas que frequentam a loja de sua avó e adora as reuniões e celebrações em família. Na escola, é incomodado pelos outros alunos por ser gordinho, então decide utilizar essa característica física a seu favor para fazer comédia, imitando personalidades de TV, cantores e pessoas da comunidade.

Seu pai trabalha como carpinteiro e é bastante ausente, deixando os cuidados dos dois filhos a cargo de sua mãe, Margret, que devido a uma sinusite crônica precisa realizar uma cirurgia que a deixa sem sentir o gosto ou cheiro das coisas. Essa situação, somada ao stress diário da dona de casa, leva-a a um quadro depressivo.

Recusando ajuda médica, Margret tem o quadro agravado, o que faz com que a família se una e se envolva mais na vida de Hans-Peter. Querendo ver o seu bem, ele às vezes consegue arrancar um sorriso dela com suas apresentações cômicas, com paródias musicais. Devido à doença da mãe, Hans-Peter acaba se apegando mais aos avós, que o paparicam. Pouco antes de falecer, sua avó profetiza um esplêndido futuro para o garoto. E ela estava certa: Hans se tornou um premiado ator, apresentador e comediante adorado na Alemanha.

SINOPSE
A emocionante história da infância de Hape Kerkeling, o comediante mais amado da Alemanha. Em 1972, ele era um menino gorducho que crescia na segurança de sua família e de parentes que adoravam se divertir. À primeira vista, ele pode não parecer o cara mais popular, mas tem um talento peculiar para observar as pessoas à sua volta e fazer imitações hilariantes. No entanto, acontecimentos inesperados causam uma grande reviravolta em sua infância perfeita. Para sobreviver ao tumulto emocional, ele usa seus talentos cômicos para curar suas feridas e fazer as pessoas rirem junto com ele.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Caroline Link
Roteiro: Ruth Toma, baseado no livro de Hape Kerkeling
Elenco: Diana Amft, Luise Heyer, Sönke Möhring, Joachim Król, Martina Eitner-Acheampong, Maren Kroymann, Elena Uhlig e Ursula Werner
Produção: Nico Hofmann, Sebastian Werninger, Hermann Florin
Empresas produtoras: Gesellschaft für feine Filme, UFA Fiction e Warner Bros
Direção de fotografia: Judith Kaufmann, bfk
Montagem: Simon Gstöttmayr, bvs
Som: Philipp Baur, Tschangis Chahrokh, Christof Ebhardt, Magda Habernickel, Bernhard Maurer, Max-Thomas Meindl, Laura Plock e Michael Stancyk
Desenho de produção: Miyuki Kitagawa
Música: Niki Reiser
Figurino: Barbara Grupp
Direção de Produção: Oliver Lüer
País: Alemanha
Ano: 2018
Duração: 100 min.

SOBRE A PANDORA FILMES 
A Pandora é uma distribuidora de filmes independentes que há 30 anos busca ampliar os horizontes da distribuição de filmes no Brasil revelando nomes outrora desconhecidos no país, como Krzysztof Kieślowski, Theo Angelopoulos e Wong Kar-Wai, e relançando clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Federico Fellini, Ingmar Bergman e Billy Wilder. Sempre acompanhando as novas tendências do cinema mundial, os lançamentos recentes incluem “The Square – A Arte da Discórdia”, de Ruben Östlund, vencedor da Palma de Ouro em Cannes, e “O Apartamento”, de Asghar Farhadi, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora atua com o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos, como Gustavo Steinberg, Ruy Guerra, Edgard Navarro, Sérgio Bianchi, Roberto Moreira, Beto Brant, Fernando Meirelles, Helena Ignez, Tata Amaral, Anna Muylaert, Petra Costa e Gabriela Amaral Almeida. Entre os próximos lançamentos, destacam-se “Greta”, de Armando Praça; “O Traidor”, de Marco Bellocchio, coprodução nacional, que concorreu à Palma de Ouro em Cannes; e “O Caso Morel” de Suzana Amaral.

Em 2019, a distribuidora criou o projeto Caixa de Pandora que visa programar filmes premiados, escolhidos através de uma cuidadosa curadoria para serem exibidos em salas comerciais da rede Cinépolis, em 20 cidades do Brasil.

“GRETA” em 5 de setembro

GRETA, de Armando Praça, e protagonizado por Marco Nanini fará sua estreia nacional hoje (5/9) no 29º Cine Ceará, que acontece em Fortaleza até 6 de setembro. O filme, que fez sua estreia mundial na Mostra Panorama do Festival de Berlim de 2019, chega aos cinemas brasileiros em circuito comercial em 10 de outubro, com distribuição da Pandora Filmes.

Estou muito feliz que a primeira exibição do Greta no Brasil seja no Cine Ceará. O filme foi feito em Fortaleza, e ter a equipe e elenco completos presentes, fará dessa sessão, uma sessão inesquecível! Exibi todos os meus curtas no Cine São Luís, dentro do Cine CE e é um Festival que acompanho há pelo menos uns 20 anos”, comemora o diretor, Armando Praça.

O filme é livremente inspirado na peça ‘Greta Garbo, Quem Diria, Acabou no Irajá’, do dramaturgo Fernando Melo, lançada no início dos anos 1970. À época, as personagens retratadas eram abordadas por meio da caricatura e do estereótipo. “Quando conheci o texto, em 2008, percebi o quanto o enredo era atual e bonito e o quanto aquela forma de olhar para os personagens havia ficado anacrônica. Isso me provocou o desejo de atualizar essa história com uma nova abordagem”, explica o diretor, que também assina o roteiro.

Assim, partindo do material original, Praça abandonou o tom cômico do texto, abraçando o drama, mas mantendo o humor. “Mudar o gênero do texto original me parecia um desafio interessante como roteirista e diretor”, diz. Assim, construiu a narrativa do filme com temas universais do cotidiano atual, apresentando um submundo realista e sexual de personagens pouco representados na cinematografia brasileira. “Procurei na ambiência sociocultural de Fortaleza as contradições que se revelam nos desejos e anseios dos próprios protagonistas”.

Em GRETA, Pedro (Nanini) precisa liberar uma vaga no hospital onde trabalha para internar sua melhor amiga, a travesti Daniela (Denise Weinberg). Para isso, ele resolver ajudar Jean (Demick Lopes), um jovem criminoso hospitalizado, a fugir do hospital e assim liberar um leito para a internação da amiga, que sofre de insuficiência renal grave. Pedro, então, esconde Jean em sua casa até que ele se recupere, mas os dois acabam tendo um envolvimento romântico.

E é a partir desse relacionamento entre os personagens de Pedro e Jean que o longa se desenvolve e a trama se constitui. “A concepção do filme como um todo é fortemente influenciada pelas obras de alguns artistas contemporâneos, como o cineasta malaio Tsai Ming Liang, o filipino Brillante Mendonza e a argentina Lucrécia Martel, cuja maneira de desconstruir e flertar com os gêneros me inspira profundamente”, finaliza Praça.

GRETA é coproduzido pela Carnaval Filmes e pela Segredo Filmes, com produção de João Vieira Jr., Nara Aragão e Armando Praça.

SINOPSE
Pedro (Marco Nanini), um enfermeiro homossexual de 70 anos e fervoroso fã de Greta Garbo, precisa liberar uma vaga no hospital onde trabalha para Daniela (Denise Weinberg), sua melhor amiga. Para salvar Daniela, ele decide ajudar Jean, um jovem que acaba de ser hospitalizado e algemado por ter cometido um crime. Pedro o ajuda a fugir e esconde-o em sua própria casa até que ele se recupere e nesse período, eles se envolvem afetiva e sexualmente. Essa relação será essencial para que Pedro sobreviva à perda de Daniela, mas também gere mudanças surpreendentes em si mesmo e no modo como ele lida com a solidão.

FICHA TÉCNICA 
Direção / Roteiro: Armando Praça
Produção: João Vieira Jr., Nara Aragão e Armando Praça
Produção Executiva: Maurício Macêdo e João Vieira Jr.
Direção de Produção: Maurício Macêdo
Direção de Fotografia: Ivo Lopes Araújo
Direção de Arte: Diego Costa
Montagem: Karen Harley
Figurino: Thaís de Campos
Maquiagem: Amanda Mirage
Edição de Som: Waldir Xavier
Som Direto: Pedro Moreira e Moabe Filho
Mixagem: Nicolau Domingues
Elenco: Marco Nanini, Denise Weinberg, Démick Lopes, Gretta Sttar

SOBRE O DIRETOR 
Armando Praça, nascido em 1978 em Aracati, Ceará é cineasta e sociólogo, trabalhou como assistente de direção, roteirista e preparador de elenco de importantes diretores brasileiros como, Marcelo Gomes, Karim Ainouz, Márcia Faria, Sérgio Rezende, Halder Gomes, Rosemberg Cariry, entre outros. Realizou curtas e médias-metragens. Entre eles: A Mulher Biônica (exibido no festival de curtas metragens de Clermont Ferrand), O Amor do Palhaço, Origem: Destino e Parque de Diversões. Atualmente está lançando seu primeiro longa, Greta e se prepara para filmar o segundo, Fortaleza Hotel, e desenvolve os projetos Ne Me Quitte Pas e Cachoeira do Descuido.

SOBRE A CARNAVAL FILMES 
Fundada e dirigida pelos experientes produtores João Vieira Jr. e Nara Aragão, Carnaval Filmes tem foco em conteúdo original e cinema autoral. Em parceria com mentes criativas, tem entre seus recentes lançamentos os documentários Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar, de Marcelo Gomes e Casa, de Letícia Simões, o longa de ficção Greta, de Armando Praça e a série infantil de animação Bia Desenha, para a TV Brasil.
Se prepara para filmar em 2019 a série Chão de Estrelas, de Hilton Lacerda, para o Canal Brasil, e desenvolve o projeto de série de animação Dó Ré Mi Fadas e a série de ficção De Volta para Casa.
Seus próximos lançamentos serão os longas Vestido Branco, Véu e Grinalda, de Marcelo Gomes e Fim de Festa, de Hilton Lacerda

SOBRE A SEGREDO FILMES 
Uma empresa que atua com pesquisa para roteiros, desenvolvimento de projetos para cinema, pesquisa e produção de locação, e produção e preparação de elenco. Dentre os principais trabalhos para pesquisa de roteiro, estão O Céu de Suely e Praia do Futuro, ambos de Karim Aïnouz; produção de locação e elenco no Ceará do premiado Onde Anda Você?, de Sérgio Rezende, dentre outros. Atua como produtora em parceria com outras empresas do ramo, como nas realizações de A Mulher Biônica, O Amor do Palhaço e Parque de Diversões, filmes que tiveram excelente êxito no Festival Internacional Clermont-Ferrand, no Latino Americano em Toulouse, Mecal e Barcelona, e em mais de 30 festivais nacionais e internacionais

SOBRE A PANDORA FILMES 
A Pandora é uma distribuidora de filmes independentes que há 30 anos busca ampliar os horizontes da distribuição de filmes no Brasil revelando nomes outrora desconhecidos no país, como Krzysztof Kieślowski, Theo Angelopoulos e Wong Kar-Wai, e relançando clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Federico Fellini, Ingmar Bergman e Billy Wilder. Sempre acompanhando as novas tendências do cinema mundial, os lançamentos recentes incluem “The Square – A Arte da Discórdia”, de Ruben Östlund, vencedor da Palma de Ouro em Cannes, e “O Apartamento”, de Asghar Farhadi, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora atua com o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos, como Gustavo Steinberg, Ruy Guerra, Edgard Navarro, Sérgio Bianchi, Roberto Moreira, Beto Brant, Fernando Meirelles, Helena Ignez, Tata Amaral, Anna Muylaert, Petra Costa e Gabriela Amaral Almeida. Entre os próximos lançamentos, destacam-se “Greta”, de Armando Praça; “O Traidor”, de Marco Bellocchio, coprodução nacional, que concorre a Palma de Ouro em Cannes; e “O Caso Morel” de Suzana Amaral.

Em 2019, a distribuidora criou o projeto Caixa de Pandora que visa programar filmes premiados, escolhidos através de uma cuidadosa curadoria para serem exibidos em salas comerciais da rede Cinépolis, em 25 cidades do Brasil.

“Branca como a Neve” estreia em setembro

Título Original: Blanche Comme Neige | White as Snow
Direção: Anne Fontaine
Roteiro: Anne Fontaine, Claire Barré, Pascal Bonitzer
Baseado no conto de fadas de Jacob e Wilhelm Grimm
Elenco: Isabelle Huppert, Benoît Poelvoorde, Damien Bonnard
Distribuição: A2 Filmes
Sinopse: Claire é uma bela jovem que trabalha no hotel de seu falecido pai. O local agora é administrado por sua madrasta má, Maud. Claire inconscientemente desperta ciúme incontrolável em Maud, cujo jovem amante se apaixonou pela bela enteada. A madrasta decide então se livrar de Claire, que consegue fugir e com a ajuda de um homem misterioso. Ele a leva para a sua fazenda dele, em uma pequena aldeia, onde ela causa bastante agitação: um, dois, e logo sete “príncipes” acabam cativados pelo seu charme. Para Claire, este é o começo de uma emancipação radical, tanto romântica quanto carnal. O novo filme da diretora de “Coco Antes de Chanel”, “Agnus Dei” e “Marvin”.

Mostra Stephen King no CCBB-SP tem nova data

Depois de ser exibida no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro, a mostra STEPHEN KING: O MEDO É SEU MELHOR COMPANHEIRO chega ao CCBB-SP em 30 de outubro. Até 25 de novembro, o público poderá conferir 41 produções, entre filmes, telefilmes e minisséries, baseadas nas obras do autor, além de cinco filmes que foram referência para seu trabalho. Com ingressos a preços acessíveis e algumas sessões gratuitas, a programação conta, ainda, com debates e masterclass com profissionais convidados, além de sessões com acessibilidade (libras e audiodescrição). O projeto é patrocinado pelo Banco do Brasil, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e conta com curadoria é de Breno Lira Gomes e Rita Ribeiro. Em breve, a programação completa será divulgada.

Com a mostra, o público brasileiro, especialmente os fãs do autor, terá a oportunidade de debater sua obra, discutir sobre o seu processo criativo e analisar as adaptações dos seus livros para o cinema e para a televisão. Além disso, as exibições também pretendem estimular a leitura, já que a grande maioria dos filmes que compõem a seleção são baseados nos livros de Stephen King.

De acordo com Rita Ribeiro, curadora da mostra, “em suas obras e em seus escritos acadêmicos, King reafirma a influência da literatura e do cinema. Portanto, promover uma mostra que apresente exemplares de sua filmografia e adaptações para a TV é promover um passeio pelos terrores que assustam o homem do século XXI”, e completa, “A mostra é também uma oportunidade para se discutir o poder das adaptações literárias para o cinema e a televisão. De como podem ser um sucesso garantido ou um fracasso devastador. Nem sempre os filmes adaptados garantem o seu sucesso tendo como parâmetro a vendagem dos livros”.

Stephen King é um dos mais notáveis escritores de contos de horror fantástico e ficção de sua geração. A mostra STEPHEN KING: O MEDO É SEU MELHOR COMPANHEIRO pretende desvendar o fascínio exercido por esse escritor, que teve mais de 350 milhões de livros vendidos e conquistou os principais diretores de Hollywood, que levaram adaptações de suas obras para as telas, como Stanley Kubrick, Brian De Palma, John Carpenter, David Cronenberg, entre outros”, comenta Breno de Lira Gomes, curador da mostra.

SERVIÇO 
MOSTRA STEPHEN KING – O MEDO SEU MELHOR COMPANHEIRO 
Realização: Centro Cultural Banco do Brasil
Local: Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo – Cinema
Data: de 30 de outubro a 25 de novembro
Programação em breve em: http://culturabancodobrasil.com.br/portal/sao-paulo/

Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo 
Rua Álvares Penteado, 112 – Centro, São Paulo -SP
(Acesso ao calçadão pela estação São Bento do Metrô)
(11) 3113-3651/3652 | Todos os dias, das 9h às 21h, exceto às terças.
ccbbsp@bb.com.br  | bb.com.br/cultura  | twitter.com/ccbb_sp  |
facebook.com/ccbbsp | instagram.com/ccbbsp
Acesso e facilidades para pessoas com deficiência | Ar-condicionado | Cafeteria e Restaurante | Loja

Estacionamento conveniado: Estapar – Rua Santo Amaro, 272 (R$ 15, necessário validar ticket na bilheteria). Traslado entre o estacionamento e o CCBB das 14h às 23h.

“A Princesa de Elymia” estreia na semana da criança

Dirigido por Silvio Toledo, A Princesa de Elymia é o primeiro longa-metragem de animação brasileiro realizado no estado da Paraíba. Com muita fantasia e riqueza de imagens, a trama narra a saga de uma menina que mora em uma favela no Rio de Janeiro e torna-se heroína em outro mundo. Ela atravessa um portal na Pedra da Gávea e vai parar em Elymia, onde descobre ser a única esperança de salvar esse reino distante de um bruxo tirano.

   A identidade visual da produção é inspirada no universo dos games, desde os cenários virtuais aos personagens, e todo o processo foi realizado digitalmente. Durante a finalização do longa, cerca de um milhão de imagens separadas foram geradas em computador. Elas foram compostas nos quadros do filme e, quando exibidas numa velocidade de vinte e quatro imagens por segundo, criam a ilusão de movimento. As máquinas levavam de 15 minutos a 12 horas para processar cada quadro após os artistas de animação terem criado as posições dos personagens.
   A produção inciou em 2013 e foi concluída no ano passado. Embora a maior parte do trabalho tenha sido feita por 6 pessoas, cerca de 40 profissionais trabalharam no projeto. A Princesa de Elymia custou 375 vezes menos que Moana, da Disney. É também o longa-metragem de animação brasileiro de menor custo da década e, possivelmente, o que levou o maior tempo de produção devido ao alto grau de detalhes nas imagens.
  No elenco, os destaques são a estreante Maria Alice Gadelha, que empresta a voz à protagonista Zoé, e o veterano do cinema nacional Fernando Teixeira, que interpreta o vilão Tempestança.  A trilha sonora é assinada pelo cantor e compositor Moisés Freire e conta com a voz de Josi Oliveira.
   O filme faz diversas referências à realidade brasileira, garantindo a identificação do público infanto-juvenil. O roteiro trabalha conceitos sobre como o fraco pode tornar-se forte e como ter esperança é fundamental para se alcançar objetivos, mesmo os mais difíceis. Espelha, assim, a garra do povo trabalhador brasileiro e traz uma mensagem encorajadora.
   Uma atração para a família inteira!
Sinopse:
   Zoé é uma garota de dez anos e moradora de uma favela. Ela tem a vida mudada ao encontrar um portal, no Rio de Janeiro, que a leva a um mundo mágico. Lá, descobre ser a irmã desaparecida da rainha e é a única que preservou poderes mágicos para enfrentar um grande desequilíbrio no Reino de Elymia, provocado pela sede de poder de Tempestança. Ela terá que aprender a usar sua magia a tempo para enfrentar bruxaria, monstros e dragões. Mas Zoé também é considerada uma ameaça ao Reino e todos temem por sua presença lá.
 
 
Ficha técnica:
Direção, roteiro, produção, fotografia, direção de arte e finalização: Silvio Toledo
Argumento: Natalí Braga
Elenco: Maria Alice Gadelha (Zoé), Natália Sá (Lamparina adulta), Cely Farias (Lamparina jovem), Fernando Teixeira (Tempestança), Ubiratan de Assis (Mestre Mago), Moisés Freire (Samuel), Adriano Freire (Erick), Daniel Toledo (Oliver), Ana Guedes (Raio de Sol adulta) e Amanda Janynne (Raio de Sol jovem).
Vozes adicionais: Hildeberto Figueiredo, Magda Pontes, Silvio Toledo, Lucas Christiano Hélio Meireles.
Modelagem e textura dos personagens: Mauro Corveloni, Silvio Toledo e João Paulo Ferreira.
Animadores: Lucas Christiano, José María Vieítes, João Paulo Ferreira, Ivan Álvarez, Marcelo de Holanda, Pedro López, Marciano de Holanda, Valu Vasconcelos, Ariel L. Garcia e Alessandro Almeida.
Produção musical: Moisés Freire
Distribuição: Panda Filmes
Produção: Stairs Films
Financiamento: ANCINE, Fundo Setorial do Audiovisual, FINEP, BRDE e Natalí Braga.
Duração: 104 minutos
Classificação etária: 12 anos

O diretor:
   Silvio Toledo atuou como filmes publicitários, essencialmente de animação, de 1998 a 2008. Além de vários curtas, produziu e dirigiu os longas-metragens Sob o Olhar das Estrelas (2018), Incursão (2018), Roni Stone (2017) e O Resgate do Pavão Misterioso (2012).
 
A Produtora – Stair Films:
   A Stair Films é uma produtora sediada em Campina Grande (Paraíba), fundada por Silvio Toledo. Produziu cinco longas-metragens, incluindo A Princesa de Elymia.
 
 
A distribuidora – Panda Filmes
   Fundada em 2002, em Porto Alegre, a Panda Filmes tem deixado a sua marca no cenário audiovisual brasileiro e latino-americano. Com um repertório de inúmeros projetos em cinema, televisão e publicidade, tem no seu DNA parcerias e coproduções nacionais e internacionais. A empresa também atua na distribuição de obras cinematográficas em todo território brasileiro e organiza importantes festivais, voltados à criação de novas janelas de exibição. Entre as produções mais recentes na área de distribuição, destacam-se o documentário Central, de Tatiana Sager e Renato Dornelles, e o longa-metragem A Superficie da Sombra, de Paulo Nascimento.
Siga A Princesa de Elymia nas redes sociais:

CINEFOOT – Festival de Cinema de Futebol

O CINEFOOT-FESTIVAL DE CINEMA DE FUTEBOL dá o pontapé inicial para a sua décima edição. No Rio de Janeiro o festival acontece de 5 a 10 de setembro, no Estação Net Botafogo, apresentando uma rara seleção de filmes com entrada franca. Dos 44 títulos que integram a programação no Rio de Janeiro, 24 filmes são brasileiros e 20 internacionais oriundos do França, Itália, Peru, Colômbia, Argentina, Venezuela, México, Catar, África do Sul, República Tcheca, Alemanha e uma coprodução México/Peru.

O Peru é o país convidado e terá uma sessão especial de homenagem no dia 07/09, sábado, às 19h, com exibição de dois filmes peruanos e presença do Consulado Geral Peru no Rio de Janeiro.

A identidade visual da 10ª edição do CINEfoot incorpora a luta e o afeto. A batalha, a resistência, a genialidade de jogadores e jogadoras que vestiram a encantadora camisa número 10. Iluminados, iluminadas, endeusados, endeusadas, endiabrados, endiabradas, amados e amadas. Tudo isso emoldurado pela colagem e psicodelia criativa, introduzidas na arte do CINEfoot 10 pela diretora de Arte Daniela Fernandes e pela designer Marina Venancio.

“Celebrando as camisas 10 mais encantadoras do Brasil e do mundo, o CINEfoot segue firme na sua trajetória de abrir espaço para a difusão de uma cinematografia que raramente chega às telas e, ao mesmo tempo, promover a cultura do futebol, o respeito, além das manifestações que expressem as faces humanas, democráticas e libertárias do futebol”, declara Antonio Leal, idealizador e curador do festival.

Outra novidade é o CINEFOOT NIGHT SERIES, que traz pela primeira vez no festival obras seriadas.

Além do Estação Net Botafogo, o  CINEFOOT terá como sedes o CCBB-Centro Cultural Banco do BrasilCCJF-Centro Cultural Justiça Federal, Ponto Cine Guadalupe e Cine Arte UFF, em Niterói.

Programação destacada do 10º CINEFOOT:

SESSÃO ESPECIAL DE ABERTURA / ESTAÇÃO NET BOTAFOGO

Dia 5/9, quinta-feira, às 20h30.

CORRENDO ATRÁS

Dir. Jeferson De (Fic, 78 min, Brasil, 2018)

 “CORRENDO ATRÁS”, protagonizado por Aílton Graça e pelo jovem Juan Paiva, tem Direção de Jeferson De. Na trama adaptada do livro “Vai na Bola, Glanderson!”, do casseta Helio de la Peña, o jovem Glanderson tenta um lugar ao sol no futebol com a ajuda de Paulo Ventania, um malandro boa praça.

SINOPSE:

Paulo Ventania é brasileiro, um típico “sobrevivente do dia-a-dia”, sempre fazendo o melhor para trazer felicidade em sua vida e felicidade para ele significa dinheiro. Ao encontrar-se num beco sem saída, ele descobre a oportunidade de se tornar um empresário de jogador de futebol, levando um garoto do bairro a se tornar o novo grande jogador do futebol internacional. Atravessando os subúrbios do Rio ele encontra Glanderson, um jovem com um enorme talento para o futebol dada a ausência de dois dedos no pé direito. Com bom humor, grandes esperanças e muitos erros, a dupla quixotesca tenta o melhor para tornar o sonho realidade.

Direção: Jeferson De; Roteiro: Helio de La Peña, Jeferson De; Direção Musical: BNegão; Montagem: Jeferson De; Edição de Som: Ariel Henrique; Produção Executiva: Kiki Garcia; Produção Associada: Cacá Diegues; Direção de Arte: Marines Mencio; Direção de Fotografia: Cristiano Conceição; Figurino: Luciana Buarque; Produção de Elenco: Athenea Bastos, Vania Ferreira; Elenco: Aílton Graça; Juan Paiva; Juliana Alves; Tonico Pereira; Lázaro Ramos; Helio de la Peña; Rocco Pitanga; Dadá Coelho; Francisco Gaspar; Lellêzinha; Nicole Bahls; Teka Romualdo; Coprodução Raccord Filmes, RioFilme, Canal Brasil, Telecine, Globo Filmes.

AS MOSTRAS COMPETITIVAS DE CURTAS E LONGAS-METRAGENS

ESTAÇÃO NET BOTAFOGO

Para a MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS no Rio de Janeiro, o CINEFOOT reúne oito filmes, todos inéditos no Brasil.

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGA-METRAGEM:

1) O Tempo e a Bola (Dir. Pedro Asbeg, Brasil);

2) Contigo Peru (Dir. Eduardo Mendoza, Peru);

3) Espírito da Bola (Dir. Murad Abu Eisheh, Alemanha);

4) Futebol Chamado Masopust (Dir. Jozef Horal, República Tcheca);

5) Nos Chamam Guerreiras (Dir. Jennifer Socorro, Edwin Corona Ramos e David Alon, Venezuela);

6) Pelé – O Último Show (Dir. Emanuela Audisio e Matteo Patrono, Itália);

7) La Superball (Dir. Agustín Sinibaldi, Argentina);

8) O Último Jogo (Dir. Roberto Studart, Brasil).

Para a MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS no Rio de Janeiro, o CINEFOOT selecionou 10 filmes:

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTA-METRAGEM:

1) 3 Pés (Dir. Giselle Geney, Colômbia);

2) A Bola de Ouro (Dir. Martín Valverde Watson, México);

3) Al Kora (Dir. Amal Al Muftah, Catar);

4) Nefta Football Club (Dir. Yves Piat, França);

5) O Torcedor (Dir. Chriss Porras, México/Peru);

6) Yasmina (Dir. Claire Cahen e Ali Esmili, França);

7) 80 Legends-Fight (Dir. Orlando Pirates FC, África do Sul);

8) Radar, Um Time! Uma Nação! (Dir. Douglas Lima e Jefferson Rodrigues, Brasil);

9) NC5 Contra a Lei do Impedimento (Dir. Lucio Branco, Brasil);

10) Soccer Boys (Dir. Carlos Guilherme Vogel, Brasil).

O CINEFOOT premiará os melhores filmes de curta e longa metragens exclusivamente através do voto popular.

CINEFOOT / RIO DE JANEIRO /  SESSÕES ESPECIAIS

ESTAÇÃO NET BOTAFOGO

 

06/09, SEXTA, ÀS 19h – “CINEFOOT NIGHT SERIES”

A produção de séries com temática futebolística tem crescido mundialmente e o Brasil segue firme no desenvolvimento de conteúdos neste formato. Numa iniciativa inédita, o 10˚ CINEFOOT realiza um sessão especial com episódios de obras seriadas brasileiras de futebol. Uma noite para curtir cinco séries na tela grande.

PROGRAMAÇÃO:

CHUTEIRA PRETA

Dir. Paulo Nascimento (Fic, 36 min, Brasil, RS, 2019)

O lado obscuro do submundo do futebol, a corrupção de alguns dirigentes, a influência religiosa no vestiário, o relacionamento com ex-mulheres, a família pedindo dinheiro, um drama que mostra o lado B de um universo desconhecido. Kadu tenta retomar sua carreira com ajuda do tio, mas uma descoberta do passado faz com entre em contato com uma realidade totalmente desconhecida. Ao mesmo tempo, seu empresário revela um acordo feito com a Máfia Russa que complica ainda mais sua situação.

ACHEI! MARCO ANTÔNIO BOIADEIRO

Dir. Gustavo Machado (Doc, 18 min, Brasil, RJ, 2019)

Marco Antônio Boiadeiro, ex-jogador de futebol. Aos 15 anos, fez um teste no Botafogo de Ribeirão Preto e passou. Depois foi para o Guarani, onde jogou com Tite. Em 1989, ganhou o Campeonato Brasileiro com o Vasco. No Cruzeiro, conquistou o bicampeonato da Supercopa Libertadores em 1991 e 1992. Até ser convocado para a Copa América de 1993.

RAIZ DO FUTEBOL – PRAIA

Dir. Paulo Junior (Doc, 10 min, Brasil, SP, 2019)

O Brasil ainda é o país do futebol mesmo depois do 7×1? Difícil dizer. O que dá, sim, para dizer, é que o caso de amor entre o brasileiro e a bola não acabou. Raiz do Futebol trata da paixão que o país tem pelo jogo. Em “Praia”, o futevôlei, a altinha, o beach soccer e a beira do mar na identidade do futebol brasileiro.

VERSUS: CORINTHIANS X FLUMINENSE

Dir. Dayyán Morandi (Doc, 10 min, Brasil, RJ, 2019)

“Versus” narra os bastidores do confronto entre Corinthians x Fluminense pelas Quartas de Finais da Copa Sul-Americana. A série foi gravada simultaneamente no Rio de Janeiro e São Paulo e mostra toda a emoção de um confronto de dois times brasileiros em uma competição internacional. Retrata, de maneira inovadora no esporte, as emoções dos bastidores de dois dos principais clubes de futebol do Brasil. A alegria e a dor, a vibração e o choro, sentimentos que são contrastados em um momento de decisão. Apenas um time segue trilhando seu caminho na Sul-Americana.

OS INDOMÁVEIS – PAULO CÉZAR CAJU

Dir. Marcelo Pizzi (Doc, 12 min, Brasil, RJ, 2019)

 “Os Indomáveis” mostra vida e carreira de craques polêmicos do futebol brasileiro. Na primeira temporada, Paulo Nunes, Edílson Capetinha, Marcelinho Carioca e Vampeta. Na segunda, Djalminha, Romário, Paulo Cézar Caju, Serginho Chulapa e Luis Fabiano.

06/09, SEXTA, ÀS 21h

MILÉSIMO GOL-MUSEU DA PELADA

Produção Museu da Pelada (Doc, 15 min, Brasil, RJ, 2019)

O milésimo gol de Pelé na visão de dois personagens deste momento marcante da história do futebol.

O Museu da Pelada, espaço de irreverência e memória do futebol brasileiro, apresenta um filme curto sobre com personagens que estiveram em campo no jogo em que Pelé assinalou o seu milésimo gol. Na mesma sessão, o filme “O TEMPO E A BOLA“, de Pedro Asbeg, aborda as dificuldades  enfrentadas por vários craques para encarar a aposentadoria dos gramados.

Após a sessão, um bate-papo sobre os 50 anos do milésimo gol e a carreira do jogador de futebol com a presença de atletas, Pedro Asbeg,  Sergio Pugliese, idealizador do Museu da Pelada, Cacá, o bandeirinha da partida Santos x Vasco na qual o gol mil foi marcado e Pedro Asbeg.

07/09, SÁBADO, ÀS 19h – “PERU – PAÍS-HOMENAGEADO”

Sessão especial de homenagem ao Peru país convidado de 2019. Exibição de dois filmes reveladores da paixão dos torcedores peruanos pela sua Seleção: “O TORCEDOR“ (Direção Chriss Porras Quintanilla) e “CONTIGO PERU“ (Direção Eduardo Mendoza).

08/09, DOMINGO, ÀS 19h – “HOMENAGEM FUTEBOL FEMININO”

Lançamento do filme “RADAR, UM TIME! UMA NAÇÃO!” (Direção Douglas Lima e Jefferson Rodrigues) sobre o pioneirismo do futebol praticado pelas mulheres no Brasil através da história do RADAR, um clube saiu da praia para dominar os campos e a modalidade na década de 80, encheu o Maracanã e foi responsável pela formação da primeira Seleção Brasileira.

09/09, SEGUNDA, ÀS 19h – “100 ANOS DA CONQUISTA DO SUL-AMERICANO / 100 ANOS DO ESTÁDIO DAS LARANJEIRAS”

Sessão especial de homenagem ao centenário de dois fatos marcantes da história do futebol brasileiro: a conquista do Campeonato Sul-Americano pela Seleção Brasileira e a inauguração do Estádio das Laranjeiras, palco deste triunfo pioneiro.

Exibição do filme “A PRIMEIRA ESTRELA“

A PRIMEIRA ESTRELA

Dir. Giovanni Sanfilippo (Doc, 20 min, Brasil, RJ, 2019)

A Primeira Estrela revisita o a história do título que fundou a trajetória vencedora da Seleção Brasileira em 1919, recriando no videogame o gol de Artur Friedenreich que deu a vitória ao Brasil contra o Uruguai na final disputada no Estádio das Laranjeiras.

SESSÃO ESPECIAL DE ENCERRAMENTO E PREMIAÇÃO

ESTAÇÃO NET BOTAFOGO

Dia 10/9, terça-feira, às 20h30.

Cerimônia de encerramento e premiação. Entrega das Taças Cinefoot de Melhor Curta e Melhor Longa-Metragem. Entrega do Troféu João Saldanha, destinado ao filme que melhor expressa as faces humanas, democráticas e libertárias do futebol.

Após a premiação, exibição hors concours de “SANTOS DE TODOS OS GOLS”, Direção Lina Chamie.

SANTOS DE TODOS OS GOLS

Dir. Lina Chamie (Doc, 84 min, Brasil, SP, 2019) – 12 anos

O gol é o momento mágico do futebol. Mas o que é o gol? É o instante em que uma boa atravessa uma linha? A catarse do torcedor, do jogador, o coração do jogo, êxtase, vitória, redenção, derrota, tragédia, orgasmo, alivio, vingança? Tudo isso e mais um pouco? A sensação do gol através do clube que mais marcou gols na história do futebol mundial.

MOSTRA ESPECIAL “GERALDIN@S & ARQUIBALD@S“

De 6 a 9 de setembro

CCBB – Centro Cultural Banco do Brasil

 

A Mostra Especial “Geraldin@s & Arquibald@s“ é um segmento não competitivo do CINEFOOT que reúne filmes que abordam a paixão dos torcedores, direitos humanos, questões de gênero, raça, memória, identidade, bem como as faces humanas, democráticas e libertárias do futebol. A Mostra concentra as atividades de reflexão organizadas pelo CINEFOOT realizando algumas sessões seguidas de debate com o público.

Em 2019, a coordenação destes encontros será de Leda Costa, Pesquisadora do LEME (Laboratório de Estudos em Mídia e Esporte) da UERJ e Professora do curso de Comunicação da Unicarioca.

21 filmes participam da mostra que terá bate-papo com o público após as seguintes sessões:

SEXTA, 06/09, 19h:

Na sexta-feira, 06/09, às 19h, acontece no CCBB a sessão com acessibilidade. Filme programado:

SANTOS DE TODOS OS GOLS

Dir. Lina Chamie (Doc, 84 min, Brasil, SP, 2019)

O gol é o momento mágico do futebol. Mas o que é o gol? É o instante em que uma boa atravessa uma linha? A catarse do torcedor, do jogador, o coração do jogo, êxtase, vitória, redenção, derrota, tragédia, orgasmo, alivio, vingança? Tudo isso e mais um pouco? A sensação do gol através do clube que mais marcou gols na história do futebol mundial.

SÁBADO, 07/09, 19h:

 

ÚLTIMA FINAL

Dir. Fernando Martinho (Doc, 24 min, Brasil, RJ, 2019)

O OUTRO SUPERCLÁSSICO

Dir. Santiago Dulce (Doc, 7 min, cor, Brasil/Argentina, 2014)

EM LA BOCA

Dir. Matteo Gariglio (Doc, 25 min, Suíça/Argentina, 2016)

DOMINGO, 08/09, 17h:

 

GERAÇÃO PENEIRAS

Dir. Bárbara Bárcia, Claudia Alves, Fernanda Prestes (Doc, 12 min, Brasil, RJ, 2019)

NOS CHAMAM GUERREIRAS

Dir. Jennifer Socorro, Edwin Corona Ramos, David Alonso (Doc, 83 min, Venezuela, 2018)

 

SEGUNDA, 09/09, 19h:

 

25 ANOS SEM DENER

Dir. Gustavo Werthein e Karin Duarte (Doc, 28 min, Brasil, RJ, 2019)

PELÉ, O ÚLTIMO SHOW

Dir. Emanuela Audisio e Matteo Patrono (Doc, 52 min, Itália, 2018)

CINEFOOT EM NITERÓI / CINE ARTE UFF

De 06 a 09 de setembro

O CINE ARTE UFF recebe o CINEFOOT em Niterói pelo terceiro ano consecutivo, apresentando uma seleção especial de filmes inéditos na cidade. Destaque para a produção niteroiense “RADAR, UM TIME! UMA NAÇÃO!“ (Direção Douglas Lima e Jefferson Rodrigues), que fará a estreia dia 07/09, às 19h, no CINE ARTE UFF, com a presença dos Diretores.

Programação:

 

SEXTA, 06/09, 19H:

TRIUNFO

Dir. Kreshnik Jonuzi, Luftar Von Rama, Charlie Askew (Doc, 88 min, Estados Unidos, 2017) – 12 anos

Em relação ao futebol, a Albânia dificilmente está no mapa e quando se classifica para a UEFA Euro 2016 em um jogo contra a Sérvia, seus torcedores estão em êxtase. No entanto, as tensões étnicas fazem surgir conflitos acalorados e um drone sobrevoa o estádio com uma bandeira que ilustra a Grande Albânia. Este contexto político toca o futebol intensamente e vice-versa.

 

SÁBADO, 07/09, 19H:

RADAR, UM TIME! UMA NAÇÃO!

Dir. Douglas Lima e Jefferson Rodrigues (Doc, 25 min, Brasil, RJ, 2019) – 12 anos

Quando o futebol feminino foi autorizado no Brasil em 1979, um clube saiu da praia para dominar os campos e a modalidade na década de 80. O RADAR E.C. foi o precursor do futebol feminino no Brasil, encheu o Maracanã, e foi responsável pela formação da primeira Seleção Brasileira. Uma história apaixonante de um clube que representou uma nação.

NOS CHAMAM GUERREIRAS

Dir. Jennifer Socorro, Edwin Corona Ramos, David Alonso (Doc, 83 min, Venezuela, 2018) – 12 anos

Em um país dilacerado pela agitação política e econômica, uma equipe de mulheres jovens refugia-se em um esporte que se eleva acima de sua pobreza pessoal e do status social de gênero. Quando a equipe Sub-17 fica invicta em toda a América do Sul, essas mulheres estão em posição de ganhar nova aceitação e voz.

 

DOMINGO, 08/09, 19H:

O TORCEDOR

Dir. Chriss Porras Quintanilla (Fic, 7 min, México/Peru, 2018) – 12 anos

Inti de 7 anos vive a pior tarde da sua curta vida, como seu ídolo Paolo Guerrero, quando perde a partida que poderia levar a Seleção do Peru para a Copa do Mundo depois de 36 anos, tendo como único aliado a sua mãe-avó Lu, que parece ter uma enfermidade diante das jogadas da Nova Zelândia.

CONTIGO PERU

Dir. Eduardo Mendoza (Doc, 100 min, Peru, 2018) – 12 anos

A classificação histórica da seleção peruana para a Copa do Mundo de 2018 na Rússia e sua participação no olhar intimista dos jogadores, do comando técnico e dos torcedores peruanos que, com seu incessante e incondicional incentivo, se tornaram a melhor torcida do mundo.

 

SEGUNDA, 09/09, 19H:

3 PÉS

Dir. Giselle Geney (Fic, 14 min, Colômbia, 2018) – 12 anos

A história de Gonzalo, um menino de 10 anos que mora numa cidade no campo colombiano e tem que chegar com os sapatos limpos na sua escola para evitar o pior castigo do mundo: que seu professor tire a sua bola até o final do ano.

YASMINA

Dir. Claire Cahen, Ali Esmili (Fic, 21 min, França, 2018) – 12 anos

Yasmina, de 15 anos, do Marrocos, é apaixonada pelo portão do clube de futebol Saint-Étienne. Porém um drama familiar pode interromper seu sonho.

PELÉ, O ÚLTIMO SHOW

Dir. Emanuela Audisio e Matteo Patrono (Doc, 52 min, Itália, 2018) – 12 anos

Em 1977 o Rei do Futebol deixou seu trono vago. Uma viagem pelo último jogo de Pelé. Portland, Oregon, diante de mais de 35.000 pessoas, Pelé faz sua última partida como profissional no final de uma carreira prodigiosa.

PONTO CINE GUADALUPE / SESSÃO DENTE DE LEITE

 

Dia 06/09 – sexta-feira, às 14h

Um espaço particularmente dedicado às sessões voltadas para o público infantojuvenil.  Uma curadoria especialmente elaborada com filmes para esta faixa etária.

 

PROGRAMAÇÃO: O PRIMEIRO JOÃO Dir. André Castelão; O TORCEDOR Dir. Chriss Porras; GAÚCHOS CANARINHOS Dir. Renê Goya Filho; DOIS PÉS ESQUERDOS  Dir. Isabella Salvetti; A CULPA É DO NEYMAR Dir. João Ademir; 3 PÉS  Dir. Giselle Geney; ZIMBÚ Dir. Marcos Strassburger Souza; CRAQUE Dir. Julián Candón

Programação completa: www.cinefoot.org

Serviço: 10º CINEFOOT – Festival de Cinema de Futebol (Rio de Janeiro)

ESTAÇÃO NET BOTAFOGO: Rua Voluntários da Pátria, 88 – Botafogo

De 5 a 10 de setembro.

Sala 1: 249 lugares.

CCBB-CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL: Rua Primeiro de Março, 66 – Centro

De 6 a 9 de setembro.

Capacidade: Sala 1: 98 lugares

CCJF-CENTRO CULTURAL JUSTIÇA FEDERAL: Av. Rio Branco, 241 – Centro

De 6 a 8 de setembro.

Capacidade: 56 lugares.

PONTO CINE GUADALUPE: Estrada Camboatá, 2300 – Guadalupe

6 de setembro.

Capacidade: 73 lugares.

CINE ARTE UFF: Rua Miguel de Frias, 9 – Icaraí, Niterói

De 6 a 9 de setembro, às 19h

Capacidade: 525 lugares.

*Todas as sessões possuem entrada franca e sujeita à lotação da sala.

Classificação: 12 anos

Entrada franca em todas as sessões.

Um Dia de Chuva em Nova York

‘Um Dia de Chuva em Nova York’ é o mais novo filme de Woody Allen, onde o cineasta assina o roteiro e também a direção. Repetindo a parceria com o premiado diretor de fotografia Vittorio Storaro, com quem Allen já trabalhou outras duas vezes, o filme conta com um elenco de peso, encabeçado por Timothée Chalamet (‘Me Chame Pelo Seu Nome’), Elle Fanning (‘Malévola’), Selena Gomez (‘Os Mortos Não Morrem’), Jude Law (‘Capitã Marvel’), Diego Luna (‘Rogue One: Uma História Star Wars’), Rebecca Hall (‘Homem de Ferro 3’) e Liev Schreiber (‘Spotlight: Segredos Revelados’). Com distribuição da Imagem Filmes, o longa chega aos cinemas nacionais em janeiro de 2020.

A comédia romântica acompanha a história de um jovem casal, Gatsby (Timothée Chalamet) e Ashleigh (Elle Fanning), que decidem passar um fim de semana romântico em Nova York. Gatsby é completamente apaixonado pela cidade e fica animado com a possibilidade de apresentá-la à amada, mas seus planos logo vão por água abaixo. Aspirante a jornalista, Ashleigh se depara com a chance de entrevistar um dos maiores diretores de cinema, Roland Pollard (Liev Schreiber), e não tem como deixar uma oportunidade dessas passar. Gatsby, por sua vez, encontra Chan (Selena Gomez), a irmã mais nova de sua ex-namorada, que acaba lhe fazendo companhia durante o restante da viagem. O casal logo se vê diante de uma série de encontros e desencontros que farão com que Ashleigh redescubra suas verdadeiras paixões e Gatsby aprenda que só se vive uma vez – mas que é o suficiente se for ao lado da pessoa certa.

‘Um Dia de Chuva em Nova York’ conta ainda com Kelly Rohrbach (‘Baywatch: S.O.S. Malibu’), Suki Waterhouse (‘Pokémon: Detetive Pikachu’), Annaleigh Ashford (‘Uma Nova Chance’), Cherry Jones (‘The Handmaid’s Tale’) e Griffin Newman (‘A Grande Escolha’) no elenco.

Links
Trailer: https://youtu.be/K0D9vgj1Gs4
Download Trailer: http://bit.ly/Trailer-Nova-York
Download Trailer Instagram: http://bit.ly/Instagram-Nova-York
Pôster: http://bit.ly/Poster-Nova-York
Fotos: http://bit.ly/Fotos-Nova-York
Facebook: fb.com/imagemfilmes
Instagram: @imagemfilmes

Sinopse
Apaixonado por Nova York, Gatsby (Timothée Chalamet) decide passar um fim de semana na cidade ao lado de Ashleigh (Elle Fanning), sua namorada. No entanto, aquilo que era pra ser uma aventura romântica acaba tomando um rumo inesperado. Aspirante a jornalista, Ashleigh conhece o diretor de cinema Roland Pollard (Liev Schreiber), que a convida para a exibição de seu mais recente trabalho. Gatsby, por sua vez, encontra Chan (Selena Gomez), a irmã mais nova de sua ex-namorada, com quem passa o restante da viagem. Um dia de chuva em Nova York será o suficiente para fazer com que Ashleigh redescubra suas verdadeiras paixões e Gatsby aprenda que só se vive uma vez – mas que é o suficiente se for ao lado da pessoa certa.

Elenco
Selena Gomez
Timothée Chalamet
Elle Fanning
Jude Law
Kelly Rohrbach
Rebecca Hall
Suki Waterhouse
Liev Schreiber
Diego Luna

Ficha técnica
Direção: Woody Allen
Roteiro: Woody Allen
Produtores: Howard E. Fischer, Adam B. Stern
Direção de arte: Vittorio Storaro
Edição: Alisa Lepselter

“Quem Você Pensa que Sou” estreia em 12/09

Selecionado para última edição do Festival de Berlim e exibido no Brasil no Festival Varilux de Cinema Francês, QUEM VOCÊ PENSA QUE SOU, de Safy Nebbou, traz Juliette Binoche no papel de Claire, uma professora na faixa dos 50 anos, solitária e desacreditada de seu relacionamento. O filme, que estreia em circuito comercial em 12 de setembro, tem ainda no elenco François Civil e Nicole Garcia. A distribuição é da Califórnia Filmes.

QUEM VOCÊ PENSA QUE SOU é uma adaptação do romance homônimo de Camille Laurens. O diretor conta que logo que leu a obra ficou impressionado com a história e, apoiado pelo produtor Michel Saint Jean, começou a trabalhar no roteiro em parceria com Julie Peyr. “O desafio era altamente estimulante, pois o romance de Camille Laurens é complexo e inexorável, muito parecido com a estrutura de um relógio; uma narrativa sequencial. Mentir, enganar, verdade, manipulação e amor são os deliciosos ingredientes que esculpem o labirinto dessa narrativa”, explica.

Na trama, Claire está desconfiada de seu parceiro e para vigiá-lo cria um perfil falso numa rede social com o nome de Clara, uma jovem de 24 anos. “Ela procura resolver seu conflito tornando-se outra pessoa”, comenta Nebbou, que pensou em Juliette Binoche para o papel enquanto ainda trabalhava no roteiro. “Quando enviei para ela, em três horas ela leu e respondeu ‘sim’. Juliette tem um ponto de vista ao mesmo tempo abrangente e extremamente nítido, ela propõe ideias incessantemente, é generosa e nunca parece ter medo de se expor. Ela enfrenta sua idade honestamente e esta é a razão pela qual é tão radiante e porque foi um prazer tão extraordinário filmar com ela”.

Binoche conta que participar do filme foi ingressar num universo com o qual ela não estava acostumada: “eu não estava muito familiarizada com o Facebook e suas possibilidades. A estrutura do roteiro me permitiu entrar gradualmente no estado emocional e psicológico do meu personagem ao embarcar nesta aventura”, explica.

Enquanto utiliza seu avatar falso para conhecer pessoas, Claire, sob o codinome de Clara, acaba despertando o interesse de Alex, amigo de seu companheiro. Conforme as trocas de mensagens se acentuam, ela percebe que também está apaixonada por ele. E, apesar do ambiente virtual, os sentimentos são reais e Claire terá que lidar com essa mentira. “Claire se atreve a ser a conquistadora: ela pode sentir sua força, seu poder e seu prazer. Mas, quando é forçada a voltar para o beco sem saída de sua mentira, ela tem que encenar o suicídio dessa ilusão”, reflete Binoche.

Como pano de fundo, QUEM VOCÊ PENSA QUE SOU aborda as mídias sociais, os relacionamentos virtuais e as ligações perigosas que podem dela surgir. “Eu também fui enganado por uma mulher nas redes sociais! E isso aconteceu comigo enquanto eu estava escrevendo o roteiro do filme. Não é incrível isso?”, finaliza Nebbou.

SINOPSE  
Desconfiada de seu marido Ludo, Claire Millaud (Juliette Binoche), de 50 anos, decide criar um perfil falso em uma rede social. Lá, ela atende por Clara, uma bela jovem de 24 anos. Alex, amigo do seu marido, é uma das pessoas com a qual o avatar interage. O homem acaba se apaixonando por Clara, enquanto Claire, por trás das telas, também nutre um sentimento de amor por Alex. Apesar de tudo se desenrolar no mundo virtual, as emoções evocadas são bastante reais, e podem trazer complicações para ambos.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Safy Nebbou
Elenco: Juliette Binoche, François Civil, Nicole Garcia
Gênero: Drama
País: França
Ano: 2018
Duração: 101 min

“Minha Lua de Mel Polonesa” estreia em 29/08

Estreia na direção de Élise Otzenberger, que também assina o roteiro, MINHA LUA DE MEL POLONESA é uma história sobre o resgate das raízes familiares contada de forma leve, com doses cômicas. O longa, vencedor do prêmio da FIPRESCI (Federal Internacional de Críticos de Cinema) de Melhor Filme na última edição do Festival Internacional de Cinema de Moscou, estreia nos cinemas brasileiros em 29 de agosto.

Recém-casados, Anna (Judith Chemla, de A Vida de Uma Mulher) e Adam (Arthur Igual, de Amantes Constantes) são de origem judaica e moram em Paris. Quando Adam é convidado para participar da cerimônia em memória da cidade de seu avô, que foi destruída há 75 anos, eles encaram a viagem à Polônia como a oportunidade de finalmente terem sua lua de mel.

Ao contrário de Adam, que não está muito animado para a viagem, Anna está ansiosa para conhecer o país natal de sua avó e não vê a hora de descobrir mais de seu passado, que sempre fora um mistério para ela e se reconectar com suas raízes e seus antepassados. Ela só não imaginava quantas surpresas as terras polonesas reservavam para ambos.

MINHA LUA DE MEL POLONESA é o primeiro filme a ser exibido no circuito Caixa de Pandora, parceria entre a Pandora Filmes e Cinépolis, no segundo semestre de 2019. Com isso, o longa tem circuito garantido em 20 salas da rede, em 13 estados.

SINOPSE 
Anna e Adam, um jovem casal de Paris com origens judaicas polonesas, partem pela primeira vez rumo à Polônia. Eles foram convidados para comemorar os 75 anos da destruição da comunidade de nascimento do avô de Adam. Enquanto ele parece pouco animado com a viagem, Anna está ansiosa para descobrir o país, que também é a terra natal de sua avó. Finalmente, lá vão eles em busca de suas origens em uma jornada cheia de surpresas, durante a qual não encontrarão exatamente o que procuram.

FICHA TÉCNICA 
Direção e roteiro: Élise Otzenberger
Direção de fotografia: Jordane Chouzenoux
Produção: Alice Girard
Montagem: Pauline Dairou
Som: Matthieu Perrot
Elenco: Judith Chemla e Arthur Igual
País: França
Ano: 2018
Duração: 88 min.

SOBRE A PANDORA FILMES 
A Pandora é uma distribuidora de filmes independentes que há 30 anos busca ampliar os horizontes da distribuição de filmes no Brasil revelando nomes outrora desconhecidos no país, como Krzysztof Kieślowski, Theo Angelopoulos e Wong Kar-Wai, e relançando clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Federico Fellini, Ingmar Bergman e Billy Wilder. Sempre acompanhando as novas tendências do cinema mundial, os lançamentos recentes incluem “The Square – A Arte da Discórdia”, de Ruben Östlund, vencedor da Palma de Ouro em Cannes, e “O Apartamento”, de Asghar Farhadi, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora atua com o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos, como Gustavo Steinberg, Ruy Guerra, Edgard Navarro, Sérgio Bianchi, Roberto Moreira, Beto Brant, Fernando Meirelles, Helena Ignez, Tata Amaral, Anna Muylaert, Petra Costa e Gabriela Amaral Almeida. Entre os próximos lançamentos, destacam-se “Greta”, de Armando Praça; “O Traidor”, de Marco Bellocchio, coprodução nacional, que concorreu à Palma de Ouro em Cannes; e “O Caso Morel” de Suzana Amaral.

Em 2019, a distribuidora criou o projeto Caixa de Pandora que visa programar filmes premiados, escolhidos através de uma cuidadosa curadoria para serem exibidos em salas comerciais da rede Cinépolis, em 25 cidades do Brasil.

“Um Amor Impossível” estreia em 22/08

Título Original: Un Amour Impossible
Direção: Catherine Corsini
Roteiro: Catherine Corsini, Laurette Polmanss
Baseado no bestseller de Christine Angot
Elenco: Virginie Efira, Niels Schneider, Jehnny Beth
Distribuição: A2 Filmes

Sinopse: Baseado no bestseller de Christine Angot, no final dos anos 1950, em Châteauroux, França, Rachel, uma modesta funcionária de escritório, conhece Philippe, um jovem brilhante nascido de uma família burguesa. A partir desta breve mas apaixonada conexão nasce uma pequena filha, Chantal. Philippe se recusa a se casar fora de sua classe social e Rachel tem que criar a filha sozinha. Para Rachel, Chantal é sua grande felicidade e por isso luta para que nunca falte nada a ela, e exige que Philippe lhe dê seu nome à filha. Essa batalha dura de mais de dez anos e acabará por mudar as vidas de todos.

“Entre Tempos” estreia dia 22

ENTRE TEMPOS”, de Valerio Mieli, estreia nesta quinta-feira, nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Recife e Campinas.

 

O longa é uma história de amor contada a partir das memórias de um jovem casal. Quando eles se conhecem, se apaixonam quase que imediatamente um pelo outro, apesar de personalidades tão diferentes: ele é mais fechado para a vida e ela possui a euforia de viver. Conforme convivem, suas identidades se mesclam e se transformam.

O filme, que foi exibido última edição do Festival do Rio e no Festival de Cinema Italiano 8 e 1/2, aborda esse romance a partir de duas perspectivas diferentes, a dele e a dela, refletindo os humores e suas mudanças internas. A jornada através dos anos de duas pessoas, unidas, divididas, felizes, infelizes, profundamente apaixonadas ou apaixonadas por outros, num único fluxo de emoções. Desta forma, apresenta ao público a possibilidade de se confrontar com o fato de que as histórias de amor estão relacionadas aos pontos de vista.

Este é o segundo longa-metragem do diretor italiano, que ganhou os prêmios David di Donatello e Nastro d’Argento por sua primeira obra “Dez Invernos”. Distribuído no Brasil pela Cineart Filmes, “ENTRE TEMPOS” foi o vencedor da categoria “BNL Gruppo BNP Paribas” no People’s Choice Award do ano passado com, aproximadamente, 70% dos votos, e do prêmio público no Giornale degli Autori na última edição do Festival de Veneza.

Sinopse 
Ele é encantador, irônico, nostálgico. Ela é cheia de vida, inteligente, apaixonada. Quando eles se encontram, se apaixonam instantaneamente. À medida em que crescem lado a lado, suas personalidades evoluem – enquanto ele fica mais leve, ela se torna mais melancólica. Entre Tempos é uma longa história de amor vista através das memórias do jovem casal. Lembranças moldadas por diferentes perspectivas e pelo próprio tempo mostram que pode haver tantas histórias de amor quanto há pontos de vista.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Valerio Mieli
Produção: Angelo Barbagallo, Laura Briand
Elenco: Linda Caridi, Luca Marinelli, Giovanni Anzaldo, Camilla Diana, Anna Manuelli, Eliana Bosi
Duração: 106 min
Gênero: Romance, Drama
País: Itália
Ano: 2018

SOBRE A CINEART FILMES 

A Cineart Filmes é uma distribuidora 100% brasileira e independente, que tem como principal objetivo compartilhar conteúdos audiovisuais de alta qualidade. Trabalhando tanto com obras nacionais quanto internacionais, independentemente do gênero, o nosso compromisso é sempre o de oferecer cultura e entretenimento de qualidade ao maior número de pessoas possível. Para isso, além de valorizar o cinema nacional e abrir espaço para as produções regionais, a Cineart Filmes participa dos maiores festivais e feiras de cinema do mundo, como Cannes, Toronto, Berlim e AFM.

Nossa intenção é de alcançar cada vez mais o mercado exibidor e as redes de distribuição, sempre buscando conteúdos diversificados e de qualidade dentro e fora do Brasil. Assim, com ética nas relações e compromisso com os parceiros, vamos ampliando as nossas fronteiras, fortalecendo a indústria audiovisual no Brasil e no mundo, levando mais longe a magia do cinema.

Preocupada em trabalhar sempre com conteúdo de alta qualidade, a Cineart busca um relacionamento próximo com os seus parceiros produtores desde as etapas iniciais dos projetos, acreditando que esse envolvimento contribui para o sucesso comercial do projeto, através da elaboração de planejamentos específicos e cuidadosamente pensados para cada trabalho, procurando traçar o perfil e o tamanho ideal de cada lançamento.

Shell Open Air em SP

Está chegando a hora de São Paulo ter mais um contato com o cinema que te leva além. Com uma seleção especial de clássicos e sucessos de bilheteria, shows e um espaço gastronômico, a super tela de 325m² do Shell Open Air, do tamanho de uma quadra de tênis, volta a São Paulo. Entre os dias 11 e 29 de setembro, o Jockey Club abrigará o maior cinema ao ar livre do mundo, exibindo filmes premiados, clássicos modernos e produções infantis. Com patrocínio da Shell, marca licenciada pela Raízen, o evento é realizado pela D+3 Produções. A venda dos ingressos terá início no dia 24 de agosto e estarão disponíveis pelo site www.openairbrasil.com.br,  com valores a partir de R$25.

Para a noite de estreia, dia 11 de setembro, com distribuição de ingressos nas redes sociais do evento, o Shell Open Air apresenta um sucesso de 2013 que fala sobre a paixão pela velocidade: “Rush – No Limite da Emoção”. Entre as produções recentes, estão os premiados “Green Book: O Guia”, “Infiltrado na Klan” e “Nasce uma Estrela”, sucesso com Bradley Cooper e Lady Gaga. “Rocketman”, filme musical biográfico baseado na vida de Elton John, e “Dor e Glória”, do diretor Pedro Almodóvar, também estarão na programação do evento, que traz ainda a maior bilheteria da história do cinema “Vingadores: Ultimato”.

Os tempos da brilhantina poderão ser conferidos com o inesquecível “Grease”. Em um resgate aos clássicos, o Shell Open Air comemora os 20 anos do lançamento de “Matrix” e “Um Lugar Chamado Notting Hill” e os 25 anos da estreia de “Priscilla, A Rainha do Deserto”. Os fãs de suspense e terror também tem lugar garantido, com as exibições de “Nós” e “Cemitério Maldito”.

Para os fãs de animação haverá exibição de “Toy Story 4”, em uma nova aventura de Woody e Buzz Lightyear. A garotada poderá curtir ainda “Turma da Mônica – Laços”, live-action nacional que bateu a marca de R$15,2 milhões nas bilheterias. Para fechar a edição 2019, o filme “ET – O Extraterrestre”, para que a família curta junto o clássico de Steven Spielberg que marcou uma geração.

Pelo terceiro ano consecutivo o Shell Open Air alia cinema, música, gastronomia e inovação e reforça o posicionamento da marca Shell – a Humanologia – que busca proporcionar experiências prazerosas e descomplicadas em todas as etapas da jornada do consumidor, seja no posto de combustível ou na hora da diversão com os amigos e a família, para que saiam destes momentos melhores do que entraram.

“O Shell Open Air já faz parte do calendário de eventos de São Paulo, sempre com atrações muito aguardadas pelo público. O sucesso estrondoso do evento é resultado das experiências únicas de entretenimento e gastronomia aliadas a uma tecnologia inovadora de som, luz e imagem”, celebra Marcelo Couto, diretor de Marketing da Raízen, que licencia a marca Shell no Brasil. “Mais uma vez, convidamos o público a vivenciar este espaço conosco, – em um momento prazeroso e inesquecível como os que sempre buscamos proporcionar aos nossos clientes”.

Ao longo de três semanas, sempre de quarta a domingo, o Shell Open Air combinará cinema, tecnologia, conforto e entretenimento. Além da telona, que vem da Suíça em quatro contêineres e pesa 70 toneladas, a projeção digital conta também com um sistema de som que envolve a plateia em uma experiência única. “Chegar ao Jockey Club, em um evento muito agradável e tranquilo, para assistir a um grande filme naquela tela enorme é uma experiência audiovisual inesquecível!”, explica Renato Byington, sócio-diretor da D+3 Produções.

Atrações especiais

Nesta edição, o público também poderá curtir apresentações musicais de grandes nomes da música, entre eles Los Sebosos Postiços tocando Bob Marley & The Wailers e Academia da Berlinda. O DJ Tamenpi é o responsável por agitar a pista. Aos sábados, o evento vira um programão para a família, com direito à recreação infantil para aquecer a criançada antes da exibição dos filmes dedicados a eles. O Espaço Gourmet contará com diversas opções de gastronomia para o público curtir o evento do início ao fim. E a pipoca, claro, é sempre por conta da casa!

O Shell Open Air acontece através da Lei de Incentivo à Cultura, conta com patrocínio master da marca Shell e copatrocínio das marcas ComGás, Get Net, Hoteis.com e Telecine, além do apoio das marcas Yoki, Semp TCL, Estácio, Petra Gold, Claro, Mercure e Jockey Club de São Paulo. O evento é realizado pela D+3 Produções, Ministério da Cidadania, Secretaria Especial da Cultura e Governo Federal.

PROGRAMAÇÃO

11 de setembro (Ingressos gratuitos com sorteio nas redes sociais do evento)

Filme: Rush – No limite da emoção (20h)

Atração: DJ Tamenpi (22h)

 

12 de setembro

Filme: Rocketman (20h)

Atração: DJ Tamenpi (22h)

13 de setembro

Filme: Infiltrado na Klan (20h)

Atração: Academia da Berlinda (22h)

14 de setembro

Atração: Recreação infantil (16h)

Filme: Aladdin (18h)

Filme: Matrix (22h)

15 de setembro

Filme: Capitã Marvel (18h)

18 de setembro

Filme: Dor e Glória (20h)

Filme: Nós (0h)

19 de setembro

Filme: Priscila, a Rainha do Deserto (20h)

Atração: DJ (22h)

 

20 de setembro

Filme: Nasce Uma Estrela (20h)

Atração: Dj Tamenpi (22h)

21 de setembro

Atração: Recreação infantil (16h)

Filme: Turma da Mônica Laços (18h)

Filme: Um Lugar Chamado Notting Hill (22h30)

22 de setembro

Filme: Vingadores: Ultimato (18h)

25 de setembro

Filme: Bacurau (20h)

Filme: Cemitério Maldito (00h)

26 de setembro

Filme: Grease – Nos Tempos da Brilhantina (20h)

Atração: DJ Tamenpi (22h)

27 de setembro

Filme: Green Book: O Guia (20h)

Atração: Los Sebosos Postizos toca Bob Marley & The Wailers (22h)

28 de setembro

Atração: Recreação infantil (16h)

Filme: Toy Story 4 (18h)

Filme: South Park: Maior, Melhor e Sem Cortes (22h30)

29 de setembro

Filme: E.T. – O Extraterrestre (18h)

 

 

SERVIÇO

Data: 11 a 29 de setembro – de quarta a domingo

Local: Jockey Club de São Paulo – Rua Dr. José Augusto de Queiroz, Portão 1 – Cidade Jardim, São Paulo, Brasil

Telefone: (11) 2161-8300

Ingressos: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia-entrada)

Vendas no site openairbrasil.com.br , pontos de vendas e bilheteria do evento.

Capacidade de público do evento: 1.300 pessoas

Classificação etária das sessões de cinema: 16 anos. Menores de 16 anos só entram acompanhados dos pais ou responsável legal.

Classificação etária dos shows: 18 anos

Evento parcialmente coberto. Assentos da plateia do cinema não possuem cobertura.

Estacionamento terceirizado. Sujeito à lotação.

Se for beber, não dirija.

O Shell Open Air acontece mesmo em caso de chuva. Palco, ativações, banheiros e espaço gourmet funcionam em área coberta, enquanto a arquibancada e a Super Tela ficam ao ar livre. Se necessário, capas de chuva serão distribuídas gratuitamente antes do filme.

Sobre a Raízen

A Raízen é uma empresa integrada de energia que atua em todas as etapas do processo, desde o cultivo da cana, com a produção de açúcar, etanol e bioenergia, até a comercialização, logística e distribuição de combustíveis, tão essenciais no dia a dia das pessoas e dos negócios.

Conta com um time de cerca de 29 mil funcionários, que trabalha todos os dias para crescer junto com a companhia e gerar soluções sustentáveis que contribuam para o desenvolvimento do país, como a produção de bioeletricidade e etanol de segunda geração a partir do bagaço da cana.

No Brasil, é líder na produção de açúcar, etanol e bioenergia – com 860 mil hectares de áreas agrícolas cultivadas – e uma das maiores no setor de combustíveis, com mais de 6.400 postos da marca Shell – além de cerca de 950 lojas de conveniência Shell Select. Destaca-se como uma das empresas de energia mais competitivas do mundo e uma das maiores em faturamento no país, com R$ 86,2 bilhões na safra 17/18.

São 26 unidades de produção de açúcar, etanol e bioenergia + planta de etanol 2G que produzem cerca de 2,0 bilhões de litros de etanol por ano e 4,2 milhões de toneladas de açúcar. E conta também com uma capacidade instalada para produzir 1GW de energia elétrica a partir do bagaço da cana, com capacidade instalada de 3,9 TW/ano.

Comercializa a cada ano aproximadamente 25 bilhões de litros de combustíveis para os segmentos de transporte, indústria e varejo, operando em todas as regiões do país por meio de 68 bases de abastecimento em aeroportos e 68 terminais de distribuição de combustível.

Criada há mais de 15 anos, a Fundação Raízen possui seis núcleos no interior do estado de São Paulo e um em Goiás e já beneficiou mais de 13 mil alunos e mais de 4 milhões de pessoas com ações realizadas desde 2012.

Na Argentina, onde começou a atuar em 2018 com a compra dos ativos de downstream da Shell, a Raízen comercializa aproximadamente 6 bilhões de litros de combustíveis por ano, incluindo uma rede com 665 postos Shell, uma refinaria, uma planta de lubrificantes, três terminais terrestres, duas bases de abastecimento em aeroportos e ativos de GLP (Gás Liquefeito de Petróleo).

Sobre a D+3 Produções

A D+3 Produções cria e realiza grandes eventos de cultura, entretenimento e comunicação de marca há mais de 20 anos. Desde 1996, realizou projetos como Shell Open Air, BRaJAZZ, Pepsi Twist Land, Rider Weekends, Veste Rio, Telefônica Sonidos, Claro Q é Rock!, Cinema Inflável e Choro na Gamboa, além de ter assinado produções em Portugal, na Espanha, França, Argentina e Chile.  dmaistres.com.br / facebook.com/dmaistres

 

Para mais informações:

 

Assessoria de Comunicação – MNiemeyer:

Leandro Gomes / leandro@mniemeyer.com.br

(21) 2178-2112 / 99628-7718

Adriano Meirelles / adriano@mniemeyer.com.br

(21) 2178-2104 / 99159-7557

Andrea Pessoa / andrea@mniemeyer.com.br

(21) 2178-2101 / 99155-1222

“Alma Imoral” estreia em 8 de agosto

No dia 8 de agosto, Alma Imoral chega aos cinemas. Depois de vender 300 mil cópias em diversos países e inspirar a peça de teatro vista por 500 mil espectadores, o livro do Rabino Nilton Bonder ganha versão de documentário. Com direção de Silvio Tendler, Bonder apresenta a história de personagens que recorreram à transgressão como única possibilidade de fazer o que era correto. Entre os temas abordados estão adultério, ateísmo, homossexualidade, traição, rompimento e inovação na política, religião, arte e ciência. No filme, entrevistas são intercaladas com coreografias da Cia. de Danças Debora Colker. A narração é de Bel Kutner, Júlia Lemmertz, Letícia Sabatella, Mateus Solano e Osmar Prado.

Personagem condutor do filme, Bonder parte numa jornada na busca da Alma Imoral pelo Brasil, EUA e Israel, entrevistando destacados transgressores do pensamento e da atualidade em sua própria “tribo”. Entre os personagens estão Frans Krajcberg, Michael Lerner, Rebbeca Goldstein, Etgar Keret, Uri Avneri, Reb Zalman Schachter, Rabino Steven Greenberg, Noam Chomsky, irmãos Rosenberg etc. O filme mostra também passagens e mitos bíblicos que revelam a arte de transitar no território da interdição e da transgressão, trazendo uma nova reflexão sobre o que é lícito e apropriado, sobre o tabu e sua quebra. Como no sucesso da obra teatral, o filme é um projeto instigador, poético e filosófico, que trata o particular como modelo para o universal.

“A transgressão é o elemento capaz de renovar a vida, de impulsioná-la a um novo horizonte de possibilidades. Essa transgressão está localizada na alma”, explica Bonder. A Alma Imoral é um dos maiores sucessos editoriais e de teatro no Brasil. O livro vendeu 300 mil cópias, sendo traduzido para o inglês, espanhol, italiano e hebraico. A peça, estreada por Clarice Niskier, em 2006, está há 13 anos ininterruptos em cartaz e já foi vista por 500 mil espectadores. Fora do país, o espetáculo foi sucesso também na França, Itália e Argentina.

O filme é distribuído pela Elo Company. Sabrina Nudeliman Wagon, CEO da empresa, afirma: “Sempre fui grande fã do Rabino Bonder, li todos seus livros e assisti diversos debates. O filme trata de questões contemporâneas de forma sensível e inteligente. Tivemos grande sucesso de vendas internacionais do filme ‘Querido Embaixador’ de temática judaica o ano passado e vejo ‘Alma Imoral’ com o mesmo potencial”.

TRAILER: https://youtu.be/o2n7GnGMlhU

FICHA TÉCNICA


Direção: Silvio Tendler
Produção Executiva: Ana Rosa Tendler
Baseado em “A Alma Imoral”, de Nilton Bonder
Argumento: Silvio Tendler
Roteiro:
Nilton Bonder e Silvio Tendler
Entrevistas: Nilton Bonder e Silvio Tendler
Diretor Assistente: Lilia Souza Diniz, Luis Carlos de Alencar, Douglas Duarte
Assistente de Direção: Vladimir Seixas, Patricia Francisco
Direção de Fotografia: Lúcio Kodato
Fotografia Adicional: Maycon Almeida, Tao Burity, Vitor Foguel, Vladimir Seixas
Edição: Jordana Berg: Ricardo Moreira
Coreografia: Cia de Danças Debora Colker
Narradores: Bel Kutner, Júlia Lemmertz, Letícia Sabatella, Mateus Solano e Osmar Prado.

SERVIÇO
Lançamento de filme
Título: Alma Imoral
Direção: Silvio Tendler
Argumento: Silvio Tendler
Roteiro:
Nilton Bonder e Silvio Tendler
Entrevistados: Frans Krajcberg, Michael Lerner, Rebbeca Goldstein, Etgar Keret, Uri Avneri, Reb
Zalman Schachter, Rabino Steven Greenberg, Noam Chomsky, irmãos Rosenberg entre outros.
Lançamento nos cinemas: 08 de agosto
Duração: 1h58
Classificação etária: 12 anos

Elo Company

Empresa especializada em produção e distribuição audiovisual, fundada por Ruben Feffer, Flavia Feffer e Sabrina Nudeliman Wagon. No mercado há 13 anos, conta com uma estrutura completa de produção de conteúdo, distribuição de obras audiovisuais em todas as plataformas e vendas para o mercado nacional e internacional. Na unidade ELO Produções, são três lançamentos no ano de 2019 e mais de dez projetos em seu lineup, incluindo coproduções. Na unidade ELO Distribuições, são mais de 100 títulos em seu lineup, entre eles “Vou Nadar Até Você”, primeiro filme protagonizado por Bruna Marquezine; “Emicida”, produzido pela RT Features; “Miss Beach Star”, dirigido por Cris D’Amatto e protagonizado por Fabiana Karla; “Prisioneiro da Liberdade”, de Jefferson De; “Torre das Donzelas”, de Susanna Lira (vencedor do prêmio de Melhor Documentário pelo público na Mostra de Internacional de São Paulo); “Aos Olhos de Ernesto”, da premiada Ana Luisa Azevedo; “Tito e os Pássaros”, de Gustavo Steinberg, pré-indicado ao Oscar de 2019; “O Menino e o Mundo”, de Ale Abreu, indicado ao Oscar de melhor animação; “S.O.S: Mulheres Ao Mar 2”, apenas para citar alguns. A Elo Company tem entre seus principais objetivos criar, produzir e divulgar as narrativas brasileiras em múltiplas telas e países. A empresa tem como princípios a valorização da diversidade na frente e atrás das telas com projetos inovadores, como o Selo ELAS, com o intuito de fomentar projetos de longa-metragem com direção feminina.

Cadê Você, Bernadette?

Quem nunca sentiu vontade de ligar o modo avião e dar uma pausa nas obrigações? Bernadette Fox levou essa ideia a sério e, quando sua vida começou a parecer sem rumo, ela desapareceu misteriosamente, deixando todos a se perguntarem: ‘Cadê Você, Bernadette?’. Baseado no premiado best-seller de Maria Semple, que permaneceu na lista de mais vendidos do New York Times por quase um ano, o longa conta com direção de Richard Linklater (‘Boyhood: Da Infância à Juventude’) e é estrelado pela vencedora do Oscar, Cate Blanchett (‘Blue Jasmine’). ‘Cadê Você, Bernadette?’ chega aos cinemas nacionais em 14 de novembro e a Imagem Filmes é a distribuidora responsável pelo lançamento.

Bernadette é uma mulher notável e uma mãe excepcional, que deixou de lado seu trabalho como arquiteta para se dedicar à vida em família. Com o passar do tempo, ela se reconhece cada vez menos como a profissional revolucionária que um dia já foi, e mais como uma dona de casa comum… tão comum, que ninguém esperava que ela jogasse tudo para o ar e desaparecesse misteriosamente de uma hora para outra. Determinada a se reencontrar, Bernadette decide que é hora de sair de sua zona de conforto e partir em busca de desafios. Agora Bee, sua filha, precisará juntar todas as pistas para descobrir onde foi parar essa mulher que imaginava conhecer tão bem, mas que se transformou em um verdadeiro ponto de interrogação.

Em entrevista ao Entertainment Weekly, Cate Blanchett explica que o filme “não é apenas sobre quão complexa e absurda a vida de Bernadette é, mas sobre a maneira frágil como ela se opõe ao mundo”. A atriz, desde o início, relacionou-se diretamente com a personagem e afirma que “muitas mulheres vão se identificar com a Bernadette, ela é uma pessoa que foi devorada pelo fracasso e acabou abrindo mão da sua identidade para se dedicar à educação dos filhos”. Dar vida à personagem foi um desafio fascinante para Blanchett, que conclui: “Todos nós, em um determinado momento, já pensamos ‘Eu não aguento mais, não seria mais fácil desaparecer?’”

‘Cadê Você, Bernadette?’ conta ainda com Billy Crudup (‘Liga da Justiça’), Kristen Wiig (‘Mãe!’), Judy Greer (‘Homem-Formiga e a Vespa’), Laurence Fishburne (‘John Wick 3 – Parabellum’) e Troian Bellisario (‘Pretty Little Liars’) no elenco.

Links
Trailer: https://youtu.be/lHnPnemLRWM
Download Trailer: http://bit.ly/Trailer-Cade-Voce-Bernadette
Download Spot Instagram: http://bit.ly/TrailerInsta-Cade-Voce-Bernadette
Download Posts Redes Sociais: http://bit.ly/Redes-Cade-Voce-Bernadette
Fotos: http://bit.ly/Fotos-Cade-Voce-Bernadette
Pôster: http://bit.ly/Poster-Cade-Voce-Bernadette
Facebook: fb.com/imagemfilmes
Instagram: @imagemfilmes

Sinopse
Quem nunca sentiu vontade ligar o modo avião e sumir do mapa? Quando a vida de Bernadette (Cate Blanchett) começou a parecer sem rumo, ela resolveu fugir da sua zona de conforto e desaparecer misteriosamente, deixando tudo para trás. Agora Bee (Emma Nelson), sua filha, precisará juntar todas as pistas para descobrir onde foi parar essa mulher que imaginava conhecer tão bem, mas que se transformou em um verdadeiro ponto de interrogação.

Ficha técnica
Direção: Richard Linklater
Roteiro: Richard Linklater, Holly Gent, Vince Palmo
Produção: Megan Ellison, Nina Jacobson, Brad Simpson, Ginger Sledge
Produção Executiva: Jillian Longnecker
Direção de Fotografia: Shane F. Kelly
Direção de Arte: Gregory A. Weimerskirch

Elenco
Cate Blanchett
Judy Greer
Kristen Wiig
Billy Crudup
Troian Bellisario
Laurence Fishburne
Kathryn Feeney
Jóhannes Haukur

‘Greta’ fará sua estreia nacional no 29º Cine Ceará

GRETA, de Armando Praça, e protagonizado por Marco Nanini fará sua estreia nacional no 29º Cine Ceará, que acontece em Fortaleza de 30 de agosto até 6 de setembro. O filme, que fez sua estreia mundial na Mostra Panorama do Festival de Berlim de 2019, chega aos cinemas brasileiros em circuito comercial ainda em 2019, com distribuição da Pandora Filmes.

Estou muito feliz que a primeira exibição do Greta no Brasil seja no Cine Ceará. O filme foi feito em Fortaleza, e ter a equipe e elenco completos presentes, fará dessa sessão, uma sessão inesquecível! Exibi todos os meus curtas no Cine São Luís, dentro do Cine CE e é um Festival que acompanho há pelo menos uns 20 anos”, comemora o diretor, Armando Praça.

O filme é livremente inspirado na peça ‘Greta Garbo, Quem Diria, Acabou no Irajá’, do dramaturgo Fernando Melo, lançada no início dos anos 1970. À época, as personagens retratadas eram abordadas por meio da caricatura e do estereótipo. “Quando conheci o texto, em 2008, percebi o quanto o enredo era atual e bonito e o quanto aquela forma de olhar para os personagens havia ficado anacrônica. Isso me provocou o desejo de atualizar essa história com uma nova abordagem”, explica o diretor, que também assina o roteiro.

Assim, partindo do material original, Praça abandonou o tom cômico do texto, abraçando o drama, mas mantendo o humor. “Mudar o gênero do texto original me parecia um desafio interessante como roteirista e diretor”, diz. Assim, construiu a narrativa do filme com temas universais do cotidiano atual, apresentando um submundo realista e sexual de personagens pouco representados na cinematografia brasileira. “Procurei na ambiência sociocultural de Fortaleza as contradições que se revelam nos desejos e anseios dos próprios protagonistas”.

Em GRETA, Pedro (Nanini) precisa liberar uma vaga no hospital onde trabalha para internar sua melhor amiga, a travesti Daniela (Denise Weinberg). Para isso, ele resolver ajudar Jean (Demick Lopes), um jovem criminoso hospitalizado, a fugir do hospital e assim liberar um leito para a internação da amiga, que sofre de insuficiência renal grave. Pedro, então, esconde Jean em sua casa até que ele se recupere, mas os dois acabam tendo um envolvimento romântico.

E é a partir desse relacionamento entre os personagens de Pedro e Jean que o longa se desenvolve e a trama se constitui. “A concepção do filme como um todo é fortemente influenciada pelas obras de alguns artistas contemporâneos, como o cineasta malaio Tsai Ming Liang, o filipino Brillante Mendonza e a argentina Lucrécia Martel, cuja maneira de desconstruir e flertar com os gêneros me inspira profundamente”, finaliza Praça.

GRETA é coproduzido pela Carnaval Filmes e pela Segredo Filmes, com produção de João Vieira Jr., Nara Aragão e Armando Praça.

SINOPSE 
Pedro (Marco Nanini), um enfermeiro homossexual de 70 anos e fervoroso fã de Greta Garbo, precisa liberar uma vaga no hospital onde trabalha para Daniela (Denise Weinberg), sua melhor amiga. Para salvar Daniela, ele decide ajudar Jean, um jovem que acaba de ser hospitalizado e algemado por ter cometido um crime. Pedro o ajuda a fugir e esconde-o em sua própria casa até que ele se recupere e nesse período, eles se envolvem afetiva e sexualmente. Essa relação será essencial para que Pedro sobreviva à perda de Daniela, mas também gere mudanças surpreendentes em si mesmo e no modo como ele lida com a solidão.

FICHA TÉCNICA 
Direção / Roteiro: Armando Praça
Produção: João Vieira Jr., Nara Aragão e Armando Praça
Produção Executiva: Maurício Macêdo e João Vieira Jr.
Direção de Produção: Maurício Macêdo
Direção de Fotografia: Ivo Lopes Araújo
Direção de Arte: Diego Costa
Montagem: Karen Harley
Figurino: Thaís de Campos
Maquiagem: Amanda Mirage
Edição de Som: Waldir Xavier
Som Direto: Pedro Moreira e Moabe Filho
Mixagem: Nicolau Domingues
Elenco: Marco Nanini, Denise Weinberg, Démick Lopes, Gretta Sttar
SOBRE O DIRETOR 
Armando Praça, nascido em 1978 em Aracati, Ceará é cineasta e sociólogo, trabalhou como assistente de direção, roteirista e preparador de elenco de importantes diretores brasileiros como, Marcelo Gomes, Karim Ainouz, Márcia Faria, Sérgio Rezende, Halder Gomes, Rosemberg Cariry, entre outros. Realizou curtas e médias-metragens. Entre eles: A Mulher Biônica (exibido no festival de curtas metragens de Clermont Ferrand), O Amor do Palhaço, Origem: Destino e Parque de Diversões. Atualmente está lançando seu primeiro longa, Greta e se prepara para filmar o segundo, Fortaleza Hotel, e desenvolve os projetos Ne Me Quitte Pas e Cachoeira do Descuido.

 

SOBRE A CARNAVAL FILMES
Fundada e dirigida pelos experientes produtores João Vieira Jr. e Nara Aragão, Carnaval Filmes tem foco em conteúdo original e cinema autoral. Em parceria com mentes criativas, tem entre seus recentes lançamentos os documentários Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar, de Marcelo Gomes e Casa, de Letícia Simões, o longa de ficção Greta, de Armando Praça e a série infantil de animação Bia Desenha, para a TV Brasil.
Se prepara para filmar em 2019 a série Chão de Estrelas, de Hilton Lacerda, para o Canal Brasil, e desenvolve o projeto de série de animação Dó Ré Mi Fadas e a série de ficção De Volta para Casa.
Seus próximos lançamentos serão os longas Vestido Branco, Véu e Grinalda, de Marcelo Gomes e Fim de Festa, de Hilton Lacerda

SOBRE A SEGREDO FILMES
Uma empresa que atua com pesquisa para roteiros, desenvolvimento de projetos para cinema, pesquisa e produção de locação, e produção e preparação de elenco. Dentre os principais trabalhos para pesquisa de roteiro, estão O Céu de Suely e Praia do Futuro, ambos de Karim Aïnouz; produção de locação e elenco no Ceará do premiado Onde Anda Você?, de Sérgio Rezende, dentre outros. Atua como produtora em parceria com outras empresas do ramo, como nas realizações de A Mulher Biônica, O Amor do Palhaço e Parque de Diversões, filmes que tiveram excelente êxito no Festival Internacional Clermont-Ferrand, no Latino Americano em Toulouse, Mecal e Barcelona, e em mais de 30 festivais nacionais e internacionais

SOBRE A PANDORA FILMES 
A Pandora é uma distribuidora de filmes independentes que há 30 anos busca ampliar os horizontes da distribuição de filmes no Brasil revelando nomes outrora desconhecidos no país, como Krzysztof Kieślowski, Theo Angelopoulos e Wong Kar-Wai, e relançando clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Federico Fellini, Ingmar Bergman e Billy Wilder. Sempre acompanhando as novas tendências do cinema mundial, os lançamentos recentes incluem “The Square – A Arte da Discórdia”, de Ruben Östlund, vencedor da Palma de Ouro em Cannes, e “O Apartamento”, de Asghar Farhadi, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora atua com o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos, como Gustavo Steinberg, Ruy Guerra, Edgard Navarro, Sérgio Bianchi, Roberto Moreira, Beto Brant, Fernando Meirelles, Helena Ignez, Tata Amaral, Anna Muylaert, Petra Costa e Gabriela Amaral Almeida. Entre os próximos lançamentos, destacam-se “Greta”, de Armando Praça; “O Traidor”, de Marco Bellocchio, coprodução nacional, que concorreu à Palma de Ouro em Cannes; e “O Caso Morel” de Suzana Amaral.

Em 2019, a distribuidora criou o projeto Caixa de Pandora que visa programar filmes premiados, escolhidos através de uma cuidadosa curadoria para serem exibidos em salas comerciais da rede Cinépolis, em 25 cidades do Brasil.

O Mistério de Henri Pick

Título Original: Le Mystére Henri Pick
Direção: Rémi Bezançon
Roteiro: Rémi Bezançon, Vanessa Portal
Baseado no romance de David Foenkinos
Elenco: Fabrice Luchini, Camille Cottin, Alice Isaaz
Distribuição: A2 Filmes

Sinopse: Em uma biblioteca bretã bizarra, que guarda manuscritos nunca publicados, uma jovem editora descobre um romance que ela considera uma obra-prima. O texto foi escrito por um certo Henri Pick, um mero cozinheiro que morreu há dois anos e que, de acordo com sua viúva, nunca havia lido um livro em sua vida ou escrito nada além de uma lista de compras. Teria ele uma vida secreta? Quando o livro se torna um grande best-seller, Jean-Michel Rouche, um crítico literário cético e teimoso, junta-se a Joséphine, a filha de Pick, para desvendar esse mistério.

ESTREIA NOS CINEMAS
25 DE JULHO DE 2019

‘Pornô para Iniciantes’ é selecionado para o Festival de Cinema Latino-americano de São Paulo

Dirigido por Carlos Ameglio, que também assina o roteiro ao lado de Leonel D’Agostino e Bruno Cancio, ‘PORNÔ PARA INICIANTES’ faz sua estreia nos cinemas brasileiros dia 28 de julho, na seleção Contemporâneos do 14º Festival de Cinema Latino-americano de São Paulo, que acontece de 24 a 31 de julho na capital paulista.

Na coprodução Brasil-Argentina-Uruguai, Victor (Martín Piroyansky) é um funcionário público que tem sua pacata rotina alterada quando um jovem estudante de cinema decide fazer um documentário sobre sua vida. O motivo: anos atrás Victor dirigiu o primeiro filme pornô uruguaio; um remake pornô de ‘A Noiva de Frankenstein’.

Assim como ‘A Noiva de Frankenstein’ foi um caso incomum de sua espécie, uma geração cinematográfica absoluta, onde humor e terror coexistiam em estranha harmonia, nossa história também é uma mistura de dois exemplos dissimilares de cinema: o autor e a pornografia”, explica o diretor.

Conforme as entrevistas com Victor para o documentário vão se desenrolando, descobre-se quais foram os percalços para a realização do filme. Sem nenhum recurso, o então diretor assumiu a função de ator, chegando a arriscar sua vida, e contou apenas com a ajuda de Aníbal, funcionário de uma videolocadora e completamente obcecado pela pornografia. Depois de recordar todo o processo de produção na extensa entrevista, a vida de Victor jamais será a mesma.

Para Ameglio, “PORNÔ PARA INICIANTES é sobre o sonho de fazer um filme de qualquer maneira, em um tempo e lugar em que isso é praticamente uma utopia”, e completa: “Nós não estamos diante de um visual casual no mundo da pornografia, nem de uma história de ascensão e queda, nem de uma sobre a tolerância, nem sobre criação, nem sobre o cinema, nem sobre identidade, nem sobre fantasias e sonhos perdidos. Estamos enfrentando tudo isso de uma só vez”.

SERVIÇO 
Exibição de PORNÔ PARA INICIANTES no Festival de Cinema Latino-americano de São Paulo
Data: 28 de julho (domingo)
Horário: 17h
Local: CineSesc
Endereço: Rua Augusta, 2075
Mais informações: http://www.festlatinosp.com.br/2019/

SINOPSE 
Montevidéu, 1980. Víctor é um aficionado de cinema que está vendendo sua câmera para poder se casar, quando um mafioso local o obriga a dirigir uma versão pornô de A Noiva de Frankenstein. Seu amigo Aníbal, funcionário de um videoclube obcecado por pornografia, o acompanha nessa tarefa. Tudo se complica quando Víctor se apaixona por sua protagonista, Ashley Cummings, uma estrela pornô internacional.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Carlos Ameglio
Roteiro: Leonel D’Agostino, Carlos Ameglio e Bruno Cancio
Produtora: Mariana Secco
Coprodutores: Ignacio Rey, Paula Cosenza e Denise Gomes
Direção de fotografia: Diego Rosenblatt
Direção de arte: Costanza Giordano
Figurino: Ruth Fischerman
Montagem: Mariano Baez
Direção de produção: Verónica Andrich
Coordenação de produção: Cecilia Mato
Produção: Salado (Uruguay)
Coprodução: Río Rojo (Argentina) e Bossa Nova Films (Brasil)
Elenco: Martín Piroyansky, Nicolás Furtado, Carolina Mânica, Daniel Aráoz, Roberto Suárez e Nuria Fló
Distribuição: Pandora Filmes
País: Uruguai/Brasil/Argentina
Ano: 2019
Duração: 93 min.
Idioma: Espanhol

SOBRE O DIRETOR 
Carlos Ameglio (Montevidéu, Uruguai, 1965) iniciou sua carreira filmando curtas-metragens. Posteriormente fez parte do grupo de cineastas que deu origem ao primeiro movimento cinematográfico do Uruguai. Aos 21 anos fundou sua primeira produtora e, a partir de então, começou a trabalhar para o mercado internacional. Dirigiu os médias-metragens La Fruta en el Fondo del Tazón (1986), Los Ultimos Vermicelli (1988), El Hombre de Walter (1993), o longa La Cáscara (2007) e a minissérie Psiconautas (TBS/Turner) em 2015.

SOBRE A PANDORA FILMES 
A Pandora é uma distribuidora de filmes independentes que há 30 anos busca ampliar os horizontes da distribuição de filmes no Brasil revelando nomes outrora desconhecidos no país, como Krzysztof Kieślowski, Theo Angelopoulos e Wong Kar-Wai, e relançando clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Federico Fellini, Ingmar Bergman e Billy Wilder. Sempre acompanhando as novas tendências do cinema mundial, os lançamentos recentes incluem “The Square – A Arte da Discórdia”, de Ruben Östlund, vencedor da Palma de Ouro em Cannes, e “O Apartamento”, de Asghar Farhadi, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora atua com o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos, como Gustavo Steinberg, Ruy Guerra, Edgard Navarro, Sérgio Bianchi, Roberto Moreira, Beto Brant, Fernando Meirelles, Helena Ignez, Tata Amaral, Anna Muylaert, Petra Costa e Gabriela Amaral Almeida. Entre os próximos lançamentos, destacam-se “Greta”, de Armando Praça; “O Traidor”, de Marco Bellocchio, coprodução nacional, que concorreu à Palma de Ouro em Cannes; e “O Caso Morel” de Suzana Amaral.

Em 2019, a distribuidora criou o projeto Caixa de Pandora que visa programar filmes premiados, escolhidos através de uma cuidadosa curadoria para serem exibidos em salas comerciais da rede Cinépolis, em 25 cidades do Brasil.

‘Rambo: Até o Fim’ estreia em setembro

Prepare-se para muita ação! Sylvester Stallone está de volta ao papel de John Rambo, veterano da Guerra do Vietnã e soldado do Exército norte-americano. O personagem, que apareceu pela primeira vez nos cinemas em 1982 em ‘Rambo: Programado Para Matar’, é um dos principais nomes dos filmes de ação e deu origem a uma franquia de enorme sucesso ao redor do mundo. Com quatro filmes já lançados, ‘Rambo: Até o Fim’ marca o quinto e último capítulo dessa história e chega aos cinemas nacionais em 19 de setembro de 2019.

Dirigido por Adrian Grunberg (‘Plano de Fuga’) e com roteiro assinado por Matthew Cirulnick (‘Absentia’) e pelo próprio Stallone, ‘Rambo: Até o Fim’ já é um grande sucesso nas redes sociais. Ao som da música número um no mundo, “Old Town Road”, de Lil Nas X e Billy Ray Cyrus, o trailer do longa atingiu mais de 33 milhões de visualizações em 24 horas após seu lançamento, ficando em primeiro lugar nos vídeos em alta do YouTube. Exibido pela primeira vez durante a 72ª edição do Festival Internacional de Cinema de Cannes, a apresentação foi marcada ainda por uma homenagem a Sylvester Stallone, com uma retrospectiva da carreira do ator.

“Ele está em casa, mas sua mente não. A história toda é construída ao redor disso”, comentou o ator. “Rambo está lidando com a sua culpa por ter sobrevivido ao Vietnã, enquanto seus amigos morreram. É estresse pós-traumático […] Coisas ruins vão acontecer. Haverá muita vingança neste filme. Muita gente sendo machucada”. Vivendo sozinho em um rancho na fronteira do México, Rambo se vê forçado a reviver suas habilidades de combate quando uma jovem amiga da família é sequestrada por um perigoso cartel mexicano. A busca logo se transforma em uma violenta caçada por justiça, onde nenhum criminoso será perdoado.

‘Rambo: Até o Fim’ conta ainda com Paz Vega (‘The OA’), Óscar Jaenada (‘Piratas do Caribe 4’), Sergio Peris-Mencheta (‘Resident Evil 4: Recomeço’), Yvette Monreal (‘NCIS’), Adriana Barraza (‘Thor’) e Joaquín Cosio (‘007 – Quantum of Solace’) no elenco.

LINKS DOS MATERIAIS
Trailer Legendado: https://youtu.be/Vd0qw55CnOE
Download Trailer Legendado: http://bit.ly/TrailerLegendadoRamboAteOFim
Trailer Dublado: https://youtu.be/N4oUkKXTkhY
Download Trailer Dublado: http://bit.ly/TrailerDubladoRamboAteOFim
Download Posts Redes Sociais: http://bit.ly/PostsRamboAteOFim
Pôster: http://bit.ly/PosterRamboAteOFim
Fotos: http://bit.ly/CenasRamboAteOFim
Facebook: fb.com/imagemfilmes
Instagram: @imagemfilmes
Instagram Oficial: @ramboateofim

SINOPSE
O tempo passou para Rambo (Sylvester Stallone), que agora vive recluso em um rancho na fronteira entre os Estados Unidos e o México. Sua vida marcada por lutas violentas ficou para trás, mas deixou marcas irreparáveis. No entanto, quando uma jovem amiga da família é sequestrada, Rambo precisará confrontar seu passado e reviver suas habilidades de combate para enfrentar um dos mais perigosos cartéis mexicanos. A busca logo se transforma em uma violenta caçada por justiça, onde nenhum criminoso será perdoado.

ELENCO
Sylvester Stallone
Paz Vega
Sheila Shah
Louis Mandylor
Yvette Monreal
Óscar Jaenada
Jessica Madsen
Joaquín Cosio
Díana Bermudez
Sergio Peris-Mencheta
Atanas Srebrev
Adriana Barraza
Marco de la O

FICHA TÉCNICA
Direção: Adrian Grunberg
Roteiristas: Matthew Cirulnick, David Morrell, Sylvester Stallone
Produtores: Avi Lerner, Yariv Lerner, Steven Paul, Kevin King Templeton, Les Weldon
Direção de arte: Eduardo Hidalgo Hijo, David Temprano
Música: Selena Arizanovic
Edição: Todd E. Miller

Stephen King: o medo é seu melhor companheiro

O Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro divulga vinheta da mostra STEPHEN KING: O MEDO É SEU MELHOR COMPANHEIRO, que acontece de 24 de julho a 19 de agosto, na qual serão exibidas 41 produções baseadas na obra do autor, além de cinco filmes que foram referência para seu trabalho. Com ingressos a preços acessíveis de R$5,00, a programação conta, ainda, com debates, palestras e master class com profissionais convidados, além de sessões com acessibilidade (libras e áudio-descrição).

Depois do CCBB Rio de Janeiro, a mostra será apresentada no CCBB São Paulo, de 4 a 30 de setembro, e no CCBB Brasília, de 15 de outubro a 10 de novembro. O projeto é patrocinado pelo Banco do Brasil, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e conta com curadoria é de Breno Lira Gomes e Rita Ribeiro.

Para quem quiser conhecer mais a fundo as obras do mestre do terror, a biblioteca do CCBB-RJ, que reúne mais de 150 mil exemplares, possui diversos livros que foram adaptados para o cinema. Entre as obras disponíveis, que também terão os filmes exibidos, destaque para A Coisa, A Dança da Morte, Carrie, O Cemitério, À Espera de Um Milagre, O Iluminado, O Apanhador de Sonhos, Pesadelos e Paisagens Noturnas, Trocas Macabras e Zona Morta. A biblioteca do CCBB oferece sala de multimidia e sala de leitura, com capacidade para 125 pessoas, para consulta dos livros no local.

Com a mostra, o público brasileiro, especialmente os fãs do autor, terá a oportunidade de debater a obra de Stephen King, discutir sobre o seu processo criativo e analisar as adaptações dos seus livros para o cinema e para a televisão. Além disso, as exibições também pretendem estimular a leitura, já que a grande maioria dos filmes que compõem a seleção são baseados nos livros.

It-2
It, a obra prima do medo (1990) – crédito Divulgação/Warner
PROGRAMAÇÃO DAS ATIVIDADES DA MOSTRA
Debates 24/7 – 18h – sessão de Carrie, a Estranha – seguida do debate “Stephen King e o Cinema”, com o crítico de cinema Mario Abbade e os curadores Rita Ribeiro e Breno Lira Gomes – 18 anos.

15/8 – 17h30 – sessão de Louca Obsessão – seguida do debate “A Literatura de Terror no Cinema”, com a tradutora Regiane Winarski, o escritor Raphael Montes e os curadores Rita Ribeiro e Breno Lira Gomes – 14 anos.

Palestras 

25/7 – 13h30 – “O terror da literatura a Netflix”, com a curadora Rita Ribeiro – 60 min. 16 anos.

31/7 – 13h – sessão de Carrie, a Estranha – seguida da palestra “Bullying e o terror adolescente”, com a curadora Rita Ribeiro – 120 min. 16 anos

16/8 – 14h – “Construindo a retrospectiva Stephen King: curadoria e produção”, com o curador e produtor Breno Lira Gomes – 60 min. 16 anos

Master class
As aulas são gratuitas e indicadas para maiores de 16 anos; as inscrições devem ser feitas pelo e-mail stephenkingccbb@gmail.com a partir de 29 de julho.
7/8 – 14h – “O Horror que nos Rodeia: da Literatura para o Cinema”, com a curadora Rita Ribeiro – 120 min. 16 anos

8/8 – 14h – “O Horror que nos Rodeia: da Literatura para o Cinema”, com a curadora Rita Ribeiro – 120 min. 16 anos

PROGRAMAÇÃO DE FILMES

24 de julho – quarta-feira
15h30 – Creepshow – Show de Horrores – 120 min. 18 anos
18h – Carrie, a Estranha – 92 min. 16 anos
Seguido do debate STEPHEN KING E O CINEMA, com crítico de cinema Mario Abbade e os curadores Rita Ribeiro e Breno Lira Gomes

25 de julho – quinta-feira
13h30 – Palestra “O terror da literatura a Netflix”, com a curadora Rita Ribeiro – 60 min. 16 anos
15h – A Hora do Lobisomem – 95 min. 16 anos
17h – Olhos de Gato – 94 min. 16 anos
19h – Chamas da Vingança – 124 min. 16 anos

26 de julho – sexta-feira
14h – Pesadelos e Paisagens Noturnas: Vol 1 – 144 min. 16 anos
17h – Desafio do além – 114 min. 10 anos
19h30 – O Iluminado – 120 min. 16 anos

27 de julho – sábado
14h – Às Vezes Eles Voltam – 98 min. 18 anos
16h – Sonâmbulos – 91 min. 16 anos
18h – O Aprendiz – 111 min. 18 anos

28 de julho – domingo
14h – A Maldição – 92 min. 16 anos
16h – Na Hora da Zona Morta – 100 min. 12 anos
18h – A Metade Negra – 122 min. 18 anos

29 de julho – segunda-feira
14h – Vampiros de almas – 80 min. 12 anos
16h – A Tempestade do Século – 256 min. 14 anos
Haverá um intervalo de 30 minutos durante a sessão.

31 de julho – quarta-feira
13h – Exibição de Carrie, a estranha seguida da palestra “Bullying e o terror adolescente”, com a curadora Rita Ribeiro – 120 min. 16 anos
15h30 – Os Vampiros de Salem – 184 min. 14 anos
19h15 – Voo Noturno – 85 min. 14 anos

01 de agosto – quinta-feira
14h – Pesadelos e Paisagens Noturnas: Vol 2 – 132 min. 16 anos
17h – O monstro do ártico – 87 min. 14 anos
19h – O Apanhador de Sonhos – 136 min. 14 anos

02 de agosto – sexta-feira
15h – Pacto Maligno – 79 min. 16 anos
17h – Colheita Maldita – 93 min. 16 anos
19h – Conta Comigo – 89 min. 12 anos (com interpretação em Libras)

03 de agosto – sábado
14h – It – Uma Obra Prima do Medo – 192 min. 14 anos
18h – Cemitério Maldito – 103 min. 16 anos

04 de agosto – domingo
14h – À Espera de Um Milagre – 189 min. 14 anos
18h – Um Sonho de Liberdade – 142 min. 16 anos

05 de agosto – segunda-feira
13h – A Dança da Morte – Parte 1: A praga – 89 min. 16 anos
15h – A Dança da Morte – Parte 2: Os sonhos – 89 min. 16 anos
17h – A Dança da Morte – Parte 3: A traição – 90 min. 16 anos
19h – A Dança da Morte – Parte 4: A prontidão – 93 min. 16 anos

07 de agosto – quarta-feira
14h – master class O HORROR QUE NOS RODEIA: DA LITERATURA PARA O CINEMA, com a curadora Rita Ribeiro – 120 min. 16 anos
17h – Montado na Bala – 98 min. 16 anos
19h – Christine, O carro Assassino – 109 min. 18 anos

08 de agosto – quinta-feira
14h – master class O HORROR QUE NOS RODEIA: DA LITERATURA PARA O CINEMA, com a curadora Rita Ribeiro – 120 min. 16 anos
16h30 – Trocas Macabras – 120 min. 16 anos
19h – Cemitério Maldito – 103 min. 16 anos (sessão com legenda descritiva)

09 de agosto – sexta-feira
13h30 – O Nevoeiro – 126 min. 16 anos (sessão com audiodescrição)
17h – A ameaça que veio do espaço – 81 min. 14 anos
19h – It, A Coisa – 134 min. 16 anos

10 de agosto – sábado
14h – Lembranças de Um Verão – 101 min. 14 anos
16h – Eclipse Total – 132 min. 16 anos
18h30 – Louca Obsessão – 107 min. 14 anos

11 de agosto – domingo
14h – Desespero – 131 min. 16 anos
16h30 – A criatura do cemitério – 89 min. 18 anos
18h30 – Na Hora da Zona Morta – 100 min. 12 anos

12 de agosto – segunda-feira
15h – O Iluminado Parte 1 – 90 min. 16 anos
17h – O Iluminado Parte 2 – 90 min. 16 anos
19h – O Iluminado Parte 3 – 90 min. 16 anos

14 de agosto – quarta-feira
14h – Pesadelos e Paisagens Noturnas: Vol 3 – 90 min. 16 anos
16h – Cujo – 164 min. 16 anos
19h – O Nevoeiro – 126 min. 16 anos

15 de agosto – quinta-feira
14h30 – Saco de Ossos – 157 min. 16 anos
17h30 – Louca Obsessão – 107 min. 14 anos
Seguido do debate A LITERATURA DE TERROR NO CINEMA com a tradutora Regiane Winarski, o escritor Raphael Montes e os curadores Rita Ribeiro e Breno Lira Gomes

16 de agosto – sexta-feira
14h – Palestra “Construindo a retrospectiva STEPHEN KING: curadoria e produção”, com o curador e produtor Breno Lira Gomes – 60 min. 16 anos
16h – Um Sonho de Liberdade – 142 min. 16 anos
19h – O Iluminado – 120 min. 16 anos

17 de agosto – sábado
14h – Conta comigo – 89 min. 12 anos
16h – A Hora do Lobisomem – 95 min. 16 anos
18h – O Sobrevivente – 101 min. 16 anos

18 de agosto – domingo
14h – Halloween, a noite do terror – 91 min. 18 anos
16h – O Aprendiz – 111 min. 18 anos
18h30 – Christine, O carro Assassino – 109 min. 18 anos

19 de agosto – segunda-feira
15h – Arquivo X – Episódio Feitiço – 44 min. 12 anos
17h – Comboio do Terror – 97 min. 18 anos
19h – Carrie, a Estranha – 92 min. 16 anos

LISTA DE LIVROS DISPONÍVEIS NA BIBLIOTECA DO CCBB-RJ
(organizados em ordem alfabética)

A Autoestrada (2009)
A Casa Negra (2003)
A Coisa (1987)
A Dança da Morte (1990)
A Escolha dos Três (2004)
A espera de um milagre: um romance em seis partes (2000)
A Hora do Lobisomem (1987)
A Hora do Vampiro (1975)
A Maldição do Cigano (1989)
A Torre Negra (2007)
A Torre Negra: nasce o pistoleiro (2010)
A Torre Negra: o longo caminho pra casa (2011)
A Zona Morta (2007)
Angústia (1988)
Ao Cair da Noite (2011)
As Terras Devastadas (2005)
Buick 8 (2003)
Canção de Susannah (2005)
Cão Raivoso (1981)
Carrie (1974)
Celular (2007)
Dança Macabra (1981)
Depois da meia-noite (1992)
Duma Key (2009)
Insônia (1995)
Jogo Perigoso (1992)
Lobos de Calla (2006)
Love: a história de Lisey (2008)
Mago e Vidro (2005)
O Apanhador de Sonhos (2001)
O Cemitério (1984)
O Concorrente (2006)
O Iluminado (1977)
O Pistoleiro (2003)
O Talismã (1985)
Os Estranhos (1990)
Os Livros de Bachman (1992)
Os Olhos do Dragão (1987)
Pesadelos e paisagens noturnas (1997)
Quatro estações: Primavera eterna (1988)
Sombras da noite (1982)
Tripulação de esqueletos (1987)
Trocas Macabras (1992)
Zona Morta (1979)

LISTA DE FILMES BASEADOS NA OBRA DE STEPHEN KING
(organizados em ordem alfabética)

A CRIATURA DO CEMITÉRIO (Graveyard Shift)
1990, 89 min.
Direção: Ralph S. Singleton, 1990. Com David Andrews, Kelly Wolf, Stephen Macht, Andrew Divoff, Vic Polizos, Brad Dourif e Dana Packard.
Adaptação do conto Último Turno, do livro Sombras da Noite. Um operário trabalha à noite numa companhia têxtil infestada de ratos. Por “diversão”, ele começa a a jogar os ratos numa máquina trituradora de algodão, até que alguém faz o mesmo com ele. Um patrão desonesto e um exterminador de ratos neurótico de guerra se esforçam para dar cabo dos roedores, contudo uma criatura muito mais perigosa e mortal começa a vitimar várias pessoas até desembocar num labirinto de esgotos e catacumbas.
Classificação: 18 anos

A DANÇA DA MORTE (The Stand)
1994, 360 min.
Direção: Mick Garris. Com Gary Sinise, Molly Ringwald, Jamey Sheridan e Laura San Giacomo. Uma mutação do vírus da gripe espalha-se mortalmente por inúmeras regiões dos EUA. Dois grupos de pessoas mostram-se imunes. Um, sonha com uma velha senhora num milharal e outro sonha com um ser diabólico. É chegada a hora de escolher de qual lado se vai lutar.
Classificação: 16 anos

À ESPERA DE UM MILAGRE (The Green Mile)
1999, 189 min.
Direção: Frank Darabont. Com Tom Hanks, ‎Michael Clarke Duncan,‎David Morse e Sam Rockwell.
Um sujeito enorme é condenado à morte por assassinar duas gêmeas. Embora professe inocência, sua sentença já foi dada, resta a ele e a seus carcereiros, a espera. Ocorreria algum milagre? Ou… Milagres?
Classificação: 14 anos

A HORA DO LOBISOMEM (Silver Bullet)
1985, 95 min.
Direção: Daniel Attias. Com Corey Haim, Gary Busey, Terry O’Quinn e Megan Follows.
Também conhecido como Bala de Prata. Uma série de assassinatos abala uma cidadezinha interiorana. Todos acham ser um serial killer, mas um jovem cadeirante sabe que é algo muito mais mortal…
Classificação: 16 anos

A MALDIÇÃO (Thinner)
1996, 92 min.
Direção: Tom Holland. Com Robert John Burke, Joe Mantegna e Lucinda Jenney.
Advogado obeso atropela e mata um cigano e graças a sua influência escapa de cumprir alguma pena. O problema é que a família do cigano roga uma praga para que ele perca peso… mas de uma maneira fatal.
Classificação: 16 anos

A METADE NEGRA (The Dark Half)
1993, 122 min.
Direção: George A. Romero. Com Thimothy Hutton, Amy Madigan, Michael Hooker e Julie Harris.
Um escritor de livros de horror adota um pseudônimo. Com o tempo, ele tenta acabar com tal nome, porém este adquire vida própria e começa a ameaçar o escritor e sua família.
Classificação: 18 anos

A TEMPESTADE DO SÉCULO (Storm Century)
1999, 257 min.
Direção: Craig R. Baxley. Com Becky Ann Baker, Kathleen Chalfant, Adam Zolotin e Adam LeFevre.
À beira de uma terrível tempestade, os habitantes de uma ilhota veem-se às voltas com um misterioso estranho que parece saber dos segredos de todos por ali…
Classificação: 14 anos

ARQUIVO X – EPISÓDIO FEITIÇO (X-Files: EpisodeChinga)
1998, 44 min.
Direção: Kim Manners. Com David Duchovny, Gillian Anderson.
Roteiro do episódio de Stephen King, para série icônica dos anos de 1990. O título do episódio é um coloquialismo espanhol para o termo “Feitiço”. A história de uma terrível boneca amaldiçoada e a destruição causada por onde quer que ela passe.
Classificação: 12 anos

ÀS VEZES ELES VOLTAM (Sometimes They Come Back)
1991, 98 min.
Direção: Tom McLoughlin. Com Tim Matheson, William Sanderson e Nicholas Sadler.
Professor tentar retornar à cidade onde nasceu e começar do zero, contudo pessoas começam a morrer e até os assassinos de seu irmão, já devidamente mortos, reaparecem.
Classificação: 18 anos

CARRIE, A ESTRANHA (Carrie)
1976, 92 min.
Direção: Brian De Palma. Com Sissy Spacek, Piper Laurie e John Travolta.
Sinopse: Adolescente excessivamente tímida tem dificuldades em lidar com sua classe escolar e com os delírios religiosos da mãe. Aos poucos ela percebe que tem certas habilidades especiais que ninguém mais possui.
Classificação: 16 anos

CEMITÉRIO MALDITO (Pet Sematary)
1989, 103 min.
Direção: Mary Lambert. Com Denise Crosby, Fred Gwynne e Dale Midkiff.
Uma família vai morar numa casa desolada bem no meio de uma estrada perigosamente movimentada. Com a morte do gato de estimação, coisas muito estranhas começam a acontecer.
Classificação: 16 anos

CHAMAS DA VINGANÇA (Firestarter)
1984, 124 min.
Direção: Mark L. Lester. Com Drew Barrymore, Heather Locklear, George C. Scott e ArtCarney.
A filha de um casal que passou por certas experiências na infância, adquire o poder de manipular o fogo. Logo, ela começa a ser perseguida por uma estranha agência.
Classificação: 16 anos

CHRISTINE, O CARRO ASSASSINO (Christine)
1983, 109 min.
Direção: John Carpenter. Com Keith Gordon, Alexandra Paul e Harry Dean Stanton.
Um Plymouth Fury, 1958, vermelho, torna-se a obsessão de um jovem apaixonado por carros antigos. O que ele não esperava é que a recíproca fosse verdadeira. E mortal.
Classificação: 18 anos

COLHEITA MALDITA (Children of The Corn)
1984, 93 min.
Direção: Fritz Kiersch. Com Linda Hamilton, John Franklin e Peter Horton.
Uma seita bizarra de crianças se reúne num milharal decidindo quem vive ou morre. Algo de sobrenatural parece estar sempre à espreita.
Classificação: 16 anos

COMBOIO DO TERROR (Maximum Overdrive)
1986, 97 min.
Direção: Stephen King. Com Stephen King, Emilio Estevez, Laura Harrington e Pat Hingle.
Vagamente inspirado no conto “Caminhões”, mais um do livro “Sombras da Noite”, único filme dirigido por Stephen King. Trata-se de uma revolta de máquinas, mais especificamente de grandes caminhões.
Classificação: 18 anos

CONTA COMIGO (Stand by Me)
1986, 89 min.
Direção: Rob Reiner. Com Will Wheaton, River Phoenix, Corey Feldman e Kiefer Sutherland.
Um escritor recorda uma perigosa aventura vivida com os amigos no verão de 1959. Ritos de passagem e a mais pura beleza da juventude.
Classificação: 12 anos

CREEPSHOW – ARREPIO DO MEDO (Creepshow)
1982, 100 min.
Direção: George A. Romero. Com Hal Holbrook, Adrienne Barbeau, Leslie Nielsen e Ted Danson.
Um pai tira das mãos do filho, a revista Creepshow e joga no lixo. Com o vento abrindo as páginas, revelam-se histórias como a de um pai vingativo morto-vivo, um meteoro que cai numa fazenda afetando a plantação e ao próprio fazendeiro, um casal de adúlteros voltando da morte, uma caixa com algo vivo dentro e um monte de baratas.
Classificação: 18 anos

CUJO (Idem)
1983 164 min.
Direção: Lewis Teague. Com Dee Wallace e Ed Lauter.
Um dócil cão São Bernardo, mordido por um morcego-vampiro, torna-se um monstro terrível, aprisionando uma mulher e seu filho dentro de um carro quebrado, sob um calor escaldante.
Classificação: 16 anos

DESESPERO (Stephen King’s Desperation)
2006, 131 min.
Direção: Mick Garris. Com Tom Skerritt, Ron Perlman, Annabeth Gish e Charles Durning.
Casal cruzando a estrada é detido por porte de maconha, pela figura pra lá de sinistra de um xerife, aparentando desequilíbrio. Paulatinamente eles vão percebendo que algo sobrenatural ronda aquele sujeito e sua cidade…
Classificação: 16 anos

ECLIPSE TOTAL (Dolores Claiborne)
1995, 132 min.
Direção: Taylor Hackford. Com Kathy Bates, Jennifer Jason Leigh,Judy Parfitt e Christopher Plummer.
Uma jornalista investiga a vida de uma viúva suspeita de matar duas pessoas. Mal sabe ela que isso provocará mudanças em sua própria vida.
Classificação: 16 anos

IT, A COISA (It)
2017, 134 min.
Direção: Andrés Muschietti. Com Bill Skarsgård, Finn Wolfhard, Javier Botet e Nicholas Hamilton.
Segunda adaptação do livro homônimo de Stephen King.Por séculos, o palhaço assassino Pennywise persegue os moradores de uma pequena cidade, até que um grupo de garotos decide enfrentá-lo custe o que custar…
Classificação: 16 anos

IT – UMA OBRA PRIMA DO MEDO (It)
1990, 192 min.
Direção: Tommy Lee Wallace. Com Tim Curry, Richard Thomas, Seth Green e Anette O’Toole.
Um grupo de crianças defronta-se com o Mal encarnado num aterrorizante indivíduo vestido de palhaço. Por muito pouco o grupo sobrevive. Agora, trinta anos depois, ele está de volta. E o grupo precisa formar-se novamente.
Classificação: 14 anos

LEMBRANÇAS DE UM VERÃO (Hearts in Atlantis)
2001, 101 min.
Direção: William Goldman. Com Anthony Hopkins, Anton Yelchin e Mika Boorem.
Baseado num dos livros mais vendidos de Stephen King. A convivência de um jovem com um homem idoso e misterioso transforma-lhe completamente a visão de vida.
Classificação: 14 anos

LOUCA OBSESSÃO (Misery)
1990,0 107 min.
Direção: Rob Reiner. Com Kathy Bates, James Caan e Lauren Bacall.
Famoso escritor sofre sério acidente próximo à casa de sua fã número um. Ela se compromete a cuidar dele, quando acaba tendo acesso a seu próximo livro e descobre que sua personagem preferida irá morrer…
Classificação: 14 anos

MONTADO NA BALA (Riding The Bullet)
2004, 98 min.
Direção: Mick Garris. Com Jonathan Jackson, David Arquette e Barbara Hershey.
Após o falecimento do pai e de tentar o suicídio por conta de uma namorada, sujeito acaba fascinado pela ideia de morte. Ao socorrer sua mãe, a ida ao hospital torna-se uma jornada bizarra de pânico e mistério.
Classificação: 16 anos

NA HORA DA ZONA MORTA (The Dead Zone)
1983, 100 min.
Direção: David Cronenberg. Com Christopher Walken, Martin Sheen e Brooke Adams.
Após sofrer um grave acidente, professor de literatura desperta de um longo coma e começa a adivinhar o futuro das pessoas, na forma de tragédias.
Classificação: 12 anos

O APANHADOR DE SONHOS (Dreamcatcher)
2003, 136 min.
Direção: Lawrence Kasdan. Com Morgan Freeman, Jason Lee e Thimothy Olyphant.
Os mistérios da mente humana, uns terríveis parasitas alienígenas e um militar beirando a insanidade. Um grupo de amigos em guerra contra a destruição do planeta.
Classificação: 14 anos

O APRENDIZ (Apt Pupil)
1998, 111 min.
Direção: Bryan Singer. Com Ian McKellen, Brad Renfro, Joshua Jackson, Mickey Cottrell e Michael Reid.
Um jovem descobre-se fascinado pela história do nazismo, até que esse fascínio assume conotações perigosas, quando ele descobre que um velho vizinho é um comandante nazista procurado pela polícia.
Classificação: 18 anos

O ILUMINADO (The Shinning)
1980, 120 min.
Direção: Stanley Kubrick. Com Jack Nicholson, Shelley Duvall, Scatman Crothers e Danny Lloyd.
Escritor em crise, aceita a proposta de, junto à esposa e o filho pequeno, hospedar-se num hotel afastado, durante um rigoroso inverno. Ali, ele terá todo o isolamento necessário para escrever… Mas, estarão mesmo isolados?
Classificação: 16 anos

O ILUMINADO (The Shinning)
1997, 273 min.
Direção: Mick Garris. Elliott Gould, Melvin Van Peebles, Pat Hingle e Rebecca De Mornay.
A adaptação mais fiel do livro de Stephen King. Produzido para a TV. Escritor em recuperação de alcoolismo torna-se o zelador de um hotel amaldiçoado, levando consigo a esposa e o filho.
Classificação: 16 anos

O NEVOEIRO (The Mist)
2007, 126 min.
Direção: Frank Darabont. Com Thomas Jane, Laurie Holden e Marcia Gay Harden.
Numa cidade do interior, uma tempestade traz misteriosa neblina. Um pintor e seu filho refugiam-se num pequeno mercado e observam que do tal nevoeiro saem terríveis criaturas assassinas.
Classificação: 16 anos

O SOBREVIVENTE (The Running Man)
1987, 101 min.
Direção: Paul Michael Glaser. Com Arnold Schwarzenegger, Yaphet Kotto, María Conchita Alonso.
Em 2017, durante um colapso econômico, os EUA vivem sob um estado policial e autoritário. Um programa de TV de muita audiência é um reality show mortal chamado O Sobrevivente.
Classificação: 16 anos

OLHOS DE GATO (Cat’sEye)
1985, 94 min.
Direção: Lewis Teague. Com Drew Barrymore, James Woods e Alan King.
Três histórias: uma terrível clínica para fumantes, uma aposta entre um marido e o amante da esposa e uma criança perseguida por uma monstruosa criatura. Duas destas histórias são do livro Sombras da Noite.
Classificação: 16 anos

OS VAMPIROS DE SALEM (Salem’sLot)
1979, 184 min.
Direção: Tobe Hooper. Com James Mason, David Soul e Lance Kerwin.
No interior dos EUA, um escritor começa a investigar misteriosos assassinatos, enquanto sua cidade vai aos poucos sendo infestada por vampiros.
Classificação: 14 anos

PACTO MALIGNO (Mercy)
2014, 79 min.
Direção: Peter Cornwell. Com Chandler Riggs, Frances O’Connor, Dylan McDermott, Mark Duplass e Hana Hayes.
Uma mãe solteira e seus dois filhos se mudam para uma velha casa de uma avóque teve derrame, o que resultou em sequelas psicológicas e físicas. E o que se torna cada vez mais sabido é que a tal senhora pode guardar segredos. E segredos terríveis.
Classificação: 16 anos

PESADELOS E PAISAGENS NOTURNAS (Nightmares and Dreamscapes)
2006, Vol 1 – 153 min., Vol 2 – 134 min., Vol 3 – 89 min.
Direção: Rob Bowman e Mikael Salomon. Com William Hurt, William H. Macye, Tom Berenger.
Baseado em oito contos do livro homônimo, histórias curtas que vão de brinquedos assassinos a uma cidade sem saída, um personagem literário, o sonho de um mundo em paz, uma pintura que ganha vida e um tesouro escondido, o veneno de cobra e lendas mortas do rock. Classificação: 16 anos

SACO DE OSSOS (Bag of Bones)
2012, 157 min.
Direção: Mick Garris. Com Pierce Brosnan, Melissa George e Annabeth Gish.
Célebre escritor não consegue superar a morte da esposa e procura paz e sossego numa cabana próxima a um lago, onde conhece uma jovem viúva e sua filha. Isso até os fantasmas começarem a aparecer…
Classificação: 16 anos

SONÂMBULOS (Sleepwalkers)
1992, 91 min.
Direção: Mick Garris. Com Mädchen Amick, Brian Krause, Alice Krige e Ron Perlman.
Adolescente se apaixona por um jovem misterioso no colégio, sem saber que ele e sua mãe se alimentam da vitalidade de garotas virgens. Incesto e um toque de erotismo, numa trama surpreendente.
Classificação: 16 anos

TROCAS MACABRAS (Needful Things)
1993, 120 min.
Direção: Fraser Clarke Heston. Com Max Von Sidow, BonnieBedelia, Ed Harris e Amanda Pkummer.
Um antiquário abre suas portas numa pequena e pacata cidade. Seu proprietário parece saber o desejo de cada habitante e acaba satisfazendo-os com uma condição: que um morador pregue uma peça no outro. Logo a cidade é tomada por inúmeros incidentes fatais.
Classificação: 16 anos

UM SONHO DE LIBERDADE (Shawnshawk Redemption)
1994, 142 min.
Direção: Frank Darabont. Com Tim Robbins, Morgan Freeman, Bob Gunton e William Sadler.
A vida dura do presídio. Condenado a duas penas perpétuas, pela morte da esposa e do amante dela, sujeito inocente passa duras fases na cadeia, enquanto planeja sua fuga.
Classificação: 16 anos

VOO NOTURNO (RedEye)
1997, 85 min.
Direção: Mark Pavia. Com Miguel Ferrer, Julie Entwisle, Dan Monahan e Michael H. Moss.
Repórter sensacionalista investiga um serial killer de pilotos que bem pode ser um… Vampiro!
Classificação: 14 anos

LISTA DE FILMES REFERÊNCIA PARA STEPHEN KING
(organizados em ordem alfabética)

A AMEAÇA QUE VEIO DO ESPAÇO (It Came From Outer Space)
1953, 81 min.
Direção: Jack Arnold. Com Richard Carlson, Barbara Rush, Charles Drake, Joe Sawyer, Russell Johnson e Kathleen Hughes

Vagamente inspirado no conto The Meteor de Ray Bradbury. Um professor testemunha a queda de um meteoro no deserto do Arizona. O tal meteoro revela-se na verdade, uma nave extraterrestre, pilotada por seres monstruosos, contudo de índole aparentemente pacífica. Mesmo assim, sua forma física assusta, o que os obriga a metamorfosear-se em humanos, tornando a situação cada vez mais drástica.

DESAFIO DO ALÉM (The Haunting)
1963, 114 min.
Direção: Robert Wise. Com Julie Harris, Claire Bloom, Richard Johnson, Russ Tamblyn, Fay Compton e Rosalle Crutchley

Inspirado no romance Assombração da Casa da Colina, de Shirley Jackson, este filme é uma referência para o tema “Mansão mal-assombrada”. Três pessoas são recrutadas para passar uns dias no referido imóvel, a estudar seus fenômenos. Entre a ciência e o sobrenatural, este trio terá de lutar pela própria sanidade e sobrevivência.

HALLOWEEN, A NOITE DO TERROR (Halloween)
1978, 91 min.
Direção: John Carpenter. Com Donald Pleasence, Jamie Lee Curtis, Tony Moran, Nancy Kyes, P.J. Soles, Charles Cyphers, Kyle Richards, Brian Andrews e John Michael Graham
No dia do feriado de Halloween, um jovem assassina sua irmã a facadas. Um tanto atordoado, o garoto é levado ao manicômio em caráter definitivo. Anos depois, já adulto, ele consegue escapar e retorna à cidade onde tudo começou, em busca de mais vítimas. Obra que praticamente inaugurou o (sub) gênero “assassino imortal”.

O MONSTRO DO ÁRTICO (The Thing from Another World)
1951, 87 min.
Direção: Christian Nyby, Howard Hawks. Com Kenneth Tobey, Margaret Sheridan, James Arness, Robert Cornthwaite, James Young e Dewey Martin

Adaptado do conto “Who GoesThere!” de John W. Campbell Jr. Criatura alienígena hibernando nalgum lugar do círculo polar ártico, é despertada por uma expedição e começa uma trilha de violência e mortes. Clássico de ficção científica e horror.

VAMPIROS DE ALMAS (Invasion of the Body Snatchers)
1956, 80 min.
Direção: Don Siegel. Com Kevin McCarthy, DanaWynter, Larry Gates, King Donovan, Carolyn Jones, Jean Willes, Ralph Dumke, Virginia Christine e Tom Fadden
Uma das obras mais adaptadas para o cinema (até o momento teve quatro adaptações), baseada no livro The Body Snatchers, de Jack Finney.

Numa pequena cidade fictícia, sementes vindas do espaço entranham-se no solo de toda a Terra, desenvolvendo-se como grandes vagens e tomando formas humanas, substituindo aos poucos a população do planeta. Clássico cuja temática foi relacionada à invasão do comunismo, uma grande paranoia de então.

SOBRE O CCBB-RJ
Inaugurado em 12 de outubro de 1989, o Centro Cultural Banco do Brasil celebra 30 anos de atuação com mais de 50 milhões de visitas. Instalado em um edifício histórico, projetado pelo arquiteto do Império, Francisco Joaquim Bethencourt da Silva, o CCBB é um marco da revitalização do centro histórico da cidade e mantém uma programação plural, regular, acessível e de qualidade. Mais de três mil projetos já foram oferecidos ao público nas áreas de artes visuais, cinema, teatro, dança, música e pensamento. Desde 2011, o CCBB incluiu o Brasil no ranking anual do jornal britânico The ArtNewspaper, projetando o Rio entre as cidades com as mostras de arte mais visitadas do mundo. Agente fomentador da arte e da cultura brasileira, segue em compromisso permanente com a formação de plateias, incentivando o público a prestigiar o novo e promovendo, também, nomes da arte mundial.

SERVIÇO 
STEPHEN KING: O MEDO É SEU MELHOR COMPANHEIRO
Realização: Centro Cultural Banco do Brasil
Local: Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro
Data: de 24 de julho a 19 de agosto de 2019
Endereço: Rua Primeiro de Março 66, Centro, tel (21) 3808-2020
Salas de Cinema 1 (98 lugares)  e 2 (50) lugares
Ingressos: R$5,00 para todos
http://www.twitter.com/ccbb_rjhttp://www.facebook.com.br/ccbb.rj

Biblioteca
Local: Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro – 5 º andar
Endereço: Rua Primeiro de Março 66, Centro
Horário: 9h às 21h

Assessoria de Imprensa da Mostra:
Sinny Assessoria e Comunicação
Paula C. Ferraz: paula.nferraz@gmail.com
Juliana Mantovani: julianamantovani@sinnyassessoria.com
José Martins: josemartins@sinnyassessoria.com
(11) 3554-1837

A Vida Invisível de Eurídice Gusmão

A Vida Invisível de Eurídice Gusmão“, longa de Karim Aïnouz premiado como melhor filme na mostra Un Certain Regard no Festival de Cannes, foi escolhido para abrir o 29º Cine Ceará – Festival Ibero-americano de Cinema, em Fortaleza. O festival acontece de 30 de agosto a 6 de setembro. O longa de Aïnouz será exibido dia 30 de agosto, no Cineteatro São Luiz.

Após vencer o prêmio de melhor filme na mostra Un Certain Regard de Cannes – primeiro filme brasileiro a receber o prêmio máximo na categoria, o projeto foi contemplado com o também inédito CineCoPro Award no Filmfest München, na Alemanha. O longa conta a história das irmãs inseparáveis Guida, que sonha em casar e ter uma família, e Eurídice, a mais nova, pianista prodígio. Um dia, as duas são separadas para sempre e passam suas vidas tentando se reencontrar, como se somente juntas fossem capazes de seguir em frente.

“É uma felicidade imensa realizar a primeira exibição nacional de “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão” na minha cidade natal, e no Nordeste, uma região catalisadora do cinema e da cultura brasileira, e estou ansioso para ver e ouvir as reações do público cearense. A trajetória internacional deste longa tem me emocionado muito também, com ótima receptividade dos espectadores em diversos países, que estão abraçando o filme de uma forma muito especial. A participação em alguns dos mais importantes festivais do mundo e a conquista do prêmio inédito em Cannes comprovam a sua força e universalidade, conta o diretor Karim Aïnouz.

“Estou ansioso para acompanhar a recepção do público brasileiro, e começar essa história em Fortaleza na abertura do 29º Cine Ceará é muito especial. ‘A Vida Invisível’ tem um elenco incrível que revela novas atrizes, como a Julia Stockler e a Carol Duarte, e também poder contar com a atuação e a presença de Fernanda Montenegro, Gregorio Duvivier, Maria Manoella, Bárbara Santos, Flavia Gusmão, Flavio Bauraqui, entre outros. O filme aborda um assunto urgente, sobre como o patriarcado pode ser tóxico na sociedade, e tenho certeza de que será uma sessão muito acolhedora e importante para o projeto”, afirma o produtor Rodrigo Teixeira.

Livre adaptação do romance homônimo de Martha Batalha, o longa já recebeu elogios de algumas das mais prestigiosas publicações do segmento de cinema no mundo, como o The Hollywood Reporter, Screen Daily e Variety. Além de Cannes e Munique, o filme esteve nas seleções oficiais dos festivais de Sydney, do Midnight Sun, na Finlândia, e de Karlovy Vary, na República Tcheca, e será exibido no Transatlantyk Festival, na Polônia, e no Festival de Cinema da Nova Zelândia.

O longa é uma produção da RT Features, de Rodrigo Teixeira, em coprodução com a alemã Pola Pandora, braço de produção da The Match Factory, de Michael Weber e Viola Fügen, além da Sony Pictures Brasil, Canal Brasil e Naymar (infraestrutura audiovisual), e conta com o financiamento do fundo alemão Medienboard Berlin Brandenburg e do Fundo Setorial do Audiovisual/Ancine. A Sony Pictures será a distribuidora responsável pelo lançamento no Brasil em 31 de outubro.

SINOPSE 

Rio de Janeiro, 1950. Eurídice, 18, e Guida, 20, são duas irmãs inseparáveis que moram com os pais em um lar conservador. Ambas têm um sonho: Eurídice o de se tornar uma pianista profissional e Guida de viver uma grande história de amor. Mas elas acabam sendo separadas pelo pai e forçadas a viver distantes uma da outra. Sozinhas, elas irão lutar para tomar as rédeas dos seus destinos, enquanto nunca desistem de se reencontrar.

FICHA TÉCNICA  

Direção: Karim Aïnouz
Roteiro: Murilo Hauser
Co-roteiro: Inés Bortagaray e Karim Aïnouz
Baseado na obra homônima de Martha Batalha
Elenco: Carol Duarte, Julia Stockler, Gregorio Duvivier, Bárbara Santos, Flávia Gusmão, Antônio Fonseca, Flavio Bauraqui, Maria Manoella e participação especial de Fernanda Montenegro.
Produtor: Rodrigo Teixeira
Co-produtores: Michael Weber e Viola Fugen.
Empresas produtoras: RT Features, Pola Pandora, Sony Pictures, Canal Brasil e Naymar.
Produtores Executivos:  Camilo Cavalcanti, Mariana Coelho, Viviane Mendoça, Cécile Tollu-
Polonowski, André Novis
Produtor Associado: Michel Merkt
Diretora Assistente: Nina Kopko
Direção de Fotografia: Hélène Louvart (AFC)
Direção de Arte: Rodrigo Martirena
Figurino: Marina Franco
Maquiagem:  Rosemary Paiva
Diretora de Produção: Silvia Sobral
Montagem: Heike Parplies (BFS)
Montagem de som: Waldir Xavier
Som direto: Laura Zimmerman
Música Original: Benedikt Schiefer
Mixagem: Björn Wiese
Idioma: Português
Gênero: Melodrama
Ano: 2019
País: Brasil

SOBRE O DIRETOR  

Formado em Arquitetura pela Universidade de Brasília, Karim fez mestrado em Teoria do Cinema pela Universidade de Nova York e participou do Whitney Independent Study Program. Cineasta premiado mundialmente, roteirista e artista visual, realizou diversos curtas-metragens, documentários e instalações. Dirigiu os longas-metragens ‘Madame Satã’ (2002), ‘O Céu de Suely’ (2006), ‘Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo’ (2009, codirigido com Marcelo Gomes), ‘O Abismo Prateado’ (2011, produzido pela RT Features), ‘Praia do Futuro’ (2014), além do documentário ‘Aeroporto Central’ (2018). O próximo longa-metragem, ‘A Vida Invisível de Eurídice Gusmão’, tem previsão de lançamento em novembro de 2019. Para a televisão, dirigiu a minissérie ‘Alice’, filmada no Brasil e transmitida pelo canal HBO em 2008. Aïnouz é um dos tutores do laboratório de roteiros do Porto Iracema das Artes em Fortaleza e membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

SOBRE A RT FEATURES      

Fundada e dirigida por Rodrigo Teixeira, a RT Features é uma produtora nacional e internacional de conteúdo cultural e entretenimento para cinema e televisão, com base em São Paulo, Brasil, e escritório em Nova York, nos EUA. Dentre outras produções, seu currículo conta com os longas-metragens ‘O Cheiro do Ralo’ (2006), ‘O Abismo Prateado’ (2010), ‘Tim Maia’ (2014), ‘Alemão’ (2014), ‘O Silêncio do Céu’ (2016) e a série ‘O Hipnotizador’ (para a HBO Latin America em 2015).

No mercado internacional, a RT Features produziu os longas ‘Frances Ha’ (2013), ‘Love is Strange’ (2014), ‘Love’ (2015), ‘Mistress America’ (2015), ‘The Witch’ (2016), ‘Patti Cake$’ (2017) e o indicado ao Oscar ‘Call Me By Your Name’ (2017). Em 2018 a RT Features produziu o novo filme de James Gray, ‘Ad Astra’, e no Brasil o longa-metragem ‘A Vida Invisível de Eurídice Gusmão’, de Karim Ainouz, ambos com previsão de estreia em 2019.

Dedicada a trabalhar com jovens e talentosos diretores desde a sua criação, a RT Features formou uma joint venture com a Sikelia Productions, de Martin Scorsese, com o objetivo de produzir filmes de cineastas emergentes em todo o mundo. O primeiro longa-metragem desta parceria, ‘A Ciambra’, estreou na última edição da Quinzena dos Realizadores, e os próximos estão em fase de produção.

INFORMAÇÕES À IMPRENSA: 
Sinny Assessoria
Paula C. Ferraz – imprensa@sinnyassessoria.com

‘Entre Tempos’ no Festival de Cinema Italiano 8 e 1/2

Depois de ser exibido na última edição do Festival do Rio, “ENTRE TEMPOS”, de Valerio Mieli, participa do Festival de Cinema Italiano 8 e ½, que acontece de 8 a 21 de agosto em 16 cidades brasileiras. O filme é uma história de amor contada a partir das memórias de um jovem casal. Quando eles se conhecem, se apaixonam quase que imediatamente um pelo outro, apesar de personalidades tão diferentes: ele é mais fechado para a vida e ela possui a euforia de viver. Conforme convivem, suas identidades se mesclam e se transformam.

O longa aborda esse romance a partir de duas perspectivas diferentes, a dele e a dela, refletindo os humores e suas mudanças internas. A jornada através dos anos de duas pessoas, unidas, divididas, felizes, infelizes, profundamente apaixonadas ou apaixonadas por outros, num único fluxo de emoções. Desta forma, apresenta ao público a possibilidade de se confrontar com o fato de que as histórias de amor estão relacionadas aos pontos de vista.

Este é o segundo longa-metragem do diretor italiano, que ganhou os prêmios David di Donatello e Nastro d’Argento por sua primeira obra “Dez Invernos”. Distribuído no Brasil pela Cineart Filmes, “ENTRE TEMPOS” foi o vencedor da categoria “BNL Gruppo BNP Paribas” no People’s Choice Award do ano passado com, aproximadamente, 70% dos votos, e do prêmio público no Giornale degli Autori na última edição do Festival de Veneza. O filme tem previsão de estreia em circuito comercial ainda em agosto.

Sinopse 
Ele é encantador, irônico, nostálgico. Ela é cheia de vida, inteligente, apaixonada. Quando eles se encontram, se apaixonam instantaneamente. À medida em que crescem lado a lado, suas personalidades evoluem – enquanto ele fica mais leve, ela se torna mais melancólica. Entre Tempos é uma longa história de amor vista através das memórias do jovem casal. Lembranças moldadas por diferentes perspectivas e pelo próprio tempo mostram que pode haver tantas histórias de amor quanto há pontos de vista.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Valerio Mieli
Produção: Angelo Barbagallo, Laura Briand
Elenco: Linda Caridi, Luca Marinelli, Giovanni Anzaldo, Camilla Diana, Anna Manuelli, Eliana Bosi
Duração: 106 min
Gênero: Romance, Drama
País: Itália
Ano: 2018

SOBRE A CINEART FILMES 

A Cineart Filmes é uma distribuidora 100% brasileira e independente, que tem como principal objetivo compartilhar conteúdos audiovisuais de alta qualidade. Trabalhando tanto com obras nacionais quanto internacionais, independentemente do gênero, o nosso compromisso é sempre o de oferecer cultura e entretenimento de qualidade ao maior número de pessoas possível. Para isso, além de valorizar o cinema nacional e abrir espaço para as produções regionais, a Cineart Filmes participa dos maiores festivais e feiras de cinema do mundo, como Cannes, Toronto, Berlim e AFM.

Nossa intenção é de alcançar cada vez mais o mercado exibidor e as redes de distribuição, sempre buscando conteúdos diversificados e de qualidade dentro e fora do Brasil. Assim, com ética nas relações e compromisso com os parceiros, vamos ampliando as nossas fronteiras, fortalecendo a indústria audiovisual no Brasil e no mundo, levando mais longe a magia do cinema.

Preocupada em trabalhar sempre com conteúdo de alta qualidade, a Cineart busca um relacionamento próximo com os seus parceiros produtores desde as etapas iniciais dos projetos, acreditando que esse envolvimento contribui para o sucesso comercial do projeto, através da elaboração de planejamentos específicos e cuidadosamente pensados para cada trabalho, procurando traçar o perfil e o tamanho ideal de cada lançamento.

Invasão ao Serviço Secreto

Depois do enorme sucesso de ‘Invasão à Casa Branca’ e ‘Invasão a Londres’, que arrecadaram mais de 370 milhões de dólares ao redor do mundo, Gerard Butler está de volta aos cinemas no papel do agente Mike Banning, em ‘Invasão ao Serviço Secreto’. Dirigido por Ric Roman Waugh (‘Sem Perdão’), o terceiro longa da franquia toma um rumo inesperado: Banning torna-se um fugitivo da polícia, acusado de ser o autor de uma tentativa de assassinato ao presidente dos Estados Unidos, interpretado pelo vencedor do Oscar, Morgan Freeman. Com roteiro assinado Robert Mark Kamen (‘Carga Explosiva’, ‘Busca Implacável’) e Matt Cook (‘Polícia em Poder da Máfia’), o longa chega aos cinemas nacionais em 5 de setembro de 2019.

Trabalhar em um filme mais pessoal foi importante para Butler, que não estava interessado em repetir a mesma fórmula dos dois anteriores. Mesmo sem deixar os tiros e explosões de lado, o ator, que também assina a produção do projeto, define o filme como “uma chance de se envolver com questões mais sérias e realizar uma jornada interna em meio a toda a loucura e ação”. Procurado pelo FBI, Mike Banning precisará fazer de tudo para provar a sua inocência. “Trata-se do mesmo homem, ocupando o mesmo cargo, porém a jornada desta vez é muito mais intensa e sombria”, afirma Butler para a Entertainment Weekly. “Trabalhamos duro para não decepcionar os fãs dos dois primeiros filmes, agora você vai poder conhecer muito melhor esse personagem”. Animado com a produção, o ator ainda pontua que “é tão empolgante quando você mesmo cria algo e isso acaba se transformando em uma franquia […] é sempre incrível acompanhar um novo herói e se aventurar junto a ele”.

‘Invasão ao Serviço Secreto’ conta ainda com Jada Pinkett Smith (‘Gotham’), Lance Reddick (‘John Wick 3: Parabellum’), Tim Blake Nelson (‘Quarteto Fantástico’), Piper Perabo (‘Se Joga, Charlie’), Nick Nolte (‘Noé’) e Danny Huston (‘Mulher-Maravilha’) no elenco.

LINKS DOS MATERIAIS
Download Trailer: http://bit.ly/Trailer2InvasaoAoServicoSecreto
Download Trailer Instagram: http://bit.ly/TrailerInstagramInvasaoAoServicoSecreto
Pôster: http://bit.ly/PosterInvasaoAoServicoSecreto
Fotos: http://bit.ly/CenasInvasaoAoServicoSecreto
Materiais redes sociais: http://bit.ly/MateriaisInvasaoAoServicoSecreto
Instagram: @imagemfilmes
Facebook: fb.com/imagemfilmes

SINOPSE
Após uma tentativa de assassinato ao presidente dos Estados Unidos (Morgan Freeman), o agente do Serviço Secreto, Mike Banning (Gerard Butler), é injustamente acusado e levado sob custódia. Determinado a provar sua inocência, ele se torna um alvo do FBI à medida em que tenta encontrar o verdadeiro culpado. Ele vai precisar de toda a ajuda possível para proteger sua família e salvar seu país de um ataque sem precedentes.

ELENCO
Gerard Butler
Morgan Freeman
Lance Reddick
Piper Perabo
Jada Pinkett Smith
Nick Nolte
Tim Blake Nelson
Danny Huston
Chris Browning
Michael Landes

FICHA TÉCNICA
Direção: Ric Roman Waugh
Roteiristas: Robert Mark Kamen, Matt Cook e Ric Roman Waugh
Produtores: Gerard Butler, Alan Siegel, Matt O’Toole, John Thompson, Les Weldon e Yariv Lerner
Direção de fotografia: Jules O’Loughlin
Direção de arte: Tim Blake, Ivan Ranghelov
Música: David Buckley
Edição: Gabriel Fleming

Jornada da Vida

JORNADA DA VIDA, estreia nesta quinta-feira, dia 18 de julho em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Niterói.

 

Dirigido e escrito por Philippe Godeau, em parceria com Agnès de Sacy, e estrelado por Omar Sy, JORNADA DA VIDA é uma história do encontro e do reencontro de um homem com suas raízes e reconhecimento de seu lugar no mundo, por meio de uma amizade inusitada entre um garoto de 13 anos e seu ídolo. Distribuído pela Califórnia Filmes, o filme estreia no Brasil em 18 de julho.

“Eu tive a ideia deste filme faz tempo. Conversei com Omar porque tinha a intuição de que ele seria sensível a esta história e que compartilharia a intimidade e os valores veiculados por ela. Para além da beleza estética e exótica do Senegal, são principalmente os valores inerentes à cultura do país que me comovem e que eu queria transmitir no filme: a força da família, da transmissão, da empatia, da fé que se percebe fortemente por lá”, explica o diretor.

Quando Seydou Tall (Sy), um famoso ator francês retorna pela primeira vez ao seu país natal para um compromisso profissional, não poderia prever o que essa viagem representaria em sua vida. Ao chegar em Dakar, conhece o jovem Yao (Lionel Louis Basse), um grande fã de seu trabalho que atravessou o país sozinho para conhecer o seu herói. Envolvido pela admiração e coragem do garoto, Tall resolve partir numa viagem pelo Senegal para levá-lo de volta à casa. O que ele não imaginava é o quanto se sentiria em casa também.

Godeau comenta sobre o processo de construção do roteiro e seleção do elenco: “[eu e Agnès] fizemos duas viagens ao Senegal, realizamos as pesquisas de locação juntos e encontramos pessoas que deram corpo aos nossos personagens”. “Era essencial encontrar ali a criança que interpretaria Yao. Eu queria que ele tivesse um sotaque autêntico, onze ou doze anos e, portanto, uma certa maturidade. Nós tivemos a sorte de encontrá-lo entre seiscentas crianças testadas para o filme. Lionel é uma criança muito esperta, inteligente, trabalhadora. Omar e ele se tornaram muito próximos.”

“Eu queria me dedicar completamente a este filme e acompanhar Philippe. É a primeira vez que me envolvo tanto num projeto, do início ao fim da concepção”, comenta Omar Sy, que também é coprodutor do filme. “Fazia oito anos que eu não ia ao Senegal. É um país que mudou bastante, como o continente africano em geral. Nós queríamos apresentar o olhar novo do meu personagem a este país. Este reencontro, para mim, foi como uma redescoberta, pois muitas coisas se transformaram em relação à época que eu tinha conhecido”, completa.

“Eu acredito no poder do cinema de expandir as consciências e adoro quando o romanesco e o realismo se encontram. O contato entre um e outro me parece virtuoso – principalmente em uma sociedade como a nossa, onde cada um deve permanecer em seu lugar, onde temos medo da diferença. Quando o cinema permite ao espectador se confrontar com seus medos e torná-los menos assustadores, atinge-se algo extraordinário. Eu adoraria que JORNADA DA VIDA permitisse aos espectadores se confrontarem sobre as noções de diferença”, finaliza o diretor.

SINOPSE  
Em seu vilarejo no norte do Senegal, Yao é um garoto de 13 anos de idade disposto a tudo para encontrar o seu herói: Seydou Tall, um famoso ator francês. Convidado a promover o seu novo livro em Dakar, Tall retorna ao país de origem pela primeira vez. Para realizar o seu sonho, o jovem Yao prepara uma fuga e atravessa 387 quilômetros sozinho até a capital. Comovido com este jovem, o ator decide fugir às obrigações e acompanhá-lo de volta à sua casa. No entanto, pelas estradas empoeiradas e incertas do Senegal, Tall compreende que ao se dirigir ao vilarejo do garoto, ele também parte ao encontro de suas raízes.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Philippe Godeau
Elenco: Omar Sy, Lionel Louis Basse, Fatoumata Diawara
Gênero: Comédia, Drama
País: França, Senegal
Ano: 2018
Duração: 103 min

‘O Homem Cordial” ganha teaser inédito

O HOMEM CORDIAL, dirigido por Iberê Carvalho, que também assina o roteiro ao lado do uruguaio Pablo Stoll (Wisky, 2003), acaba de ganhar teaser inédito . O longa, que fará sua estreia nos cinemas brasileiros no 47º Festival de Cinema de Gramado, para o qual foi selecionado na mostra competitiva, é um thriller psicológico, no qual o afloramento de uma onda de ódio e intolerância é visto a partir do ponto de vista de Aurélio (Paulo Miklos), um homem de 60 anos, branco, rico e heterossexual, que de sua posição social privilegiada se vê perdido e impotente, sem saber como reagir a essa realidade que se apresenta.

A ideia inicial para o roteiro surgiu em 2015, quando Carvalho começou a se incomodar com a crescente onda de polarização no país. A partir disso, passou a pesquisar o tema e se deparou com o vídeo de um garoto de dez anos sendo linchado numa manifestação pró impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. “A reação e o ódio das pessoas que o cercaram me chocaram tremendamente e me perguntei o que eu faria se estivesse ali. Foi daí que surgiu a premissa inicial do argumento de O HOMEM CORDIAL”, recorda Carvalho. Depois, o corroteirista Pablo Stoll se uniu ao projeto, chegando ao roteiro final do longa.

“À época, o Brasil vivia o início de uma polarização política, mas que não se expressava de forma tão violenta e extremista como hoje. Quando filmamos, em meados de 2018, na véspera da eleição, o clima já era outro e esse novo cenário foi incorporado ao universo do filme. Mesmo assim, em setembro de 2018, quando a montadora Nina Galanternick assistiu ao material bruto, ela temeu que as cenas estivessem um pouco exageradas no tom e no seu desenrolar. Três meses depois, ela me confessou que sua percepção sobre as cenas havia mudado completamente, que agora elas lhe pareciam até suaves perto dos episódios de intolerância e violência que vinham acontecendo no Brasil”, conta o diretor. “Estamos vivendo um momento tão estranho e revelador de nossa sociedade que é impossível qualquer ficção ter a pretensão de acompanhar a realidade”, completa.

Para o protagonista, Carvalho precisava de um ator que tivesse carisma e ao mesmo tempo agressividade, que tivesse quase 60 anos, mas com espírito jovem, e logo que o personagem principal, Aurélio, foi desenhado, pensou em Paulo Miklos. “Ele era perfeito para o papel. Claro que o fato de sua experiência em uma das maiores bandas de rock do Brasil era um fator excepcional, já que o roteiro previa uma cena de show, mas a escolha foi principalmente por seu trabalho em O Invasor, que é umas das referências estéticas do filme”.

O diretor conta que foi um privilégio trabalhar com Miklos, que já possui 20 anos de experiência como ator, e que o ponto principal foi buscar as divergências entre o personagem e o intérprete, já que as convergências eram nítidas e poderiam se tornar uma armadilha no processo. “O trabalho de preparação de elenco da Amanda Gabriel (Aquarius, Bacurau) foi fundamental para encontrar uma unidade entre todo o elenco”.

Trabalhando ao lado dos produtores de elenco Guilherme Angelim e Alice Wolfenson, os demais personagens foram ganhando seus intérpretes. “Thaíde foi das apostas que fiz que mais me orgulho. Uma potência incrível diante da tela. Dandara de Morais eu tinha visto em Ventos de Agosto, do Gabriel Mascaro, e quando a conheci pessoalmente surgiu uma vontade de trabalhar junto”, conta Carvalho.  O filme conta, ainda, com atores e atrizes de Brasília e paulistas no elenco, como Thalles Cabral (Yonlu), Bruno Torres (Somos Tão Jovens), Theo Werneck (Que Horas Ela Volta), Murilo Grossi (Linha de Passe, Batismo de Sangue), Fernanda Rocha ( O Último Cine Drive-in), Felipe Kenji (Boas Maneiras) e com a participação da rapper Mc Sofia.

A cidade de São Paulo, onde O HOMEM CORDIAL foi rodado, também é uma personagem do filme. A opção do diretor pela capital foi devido ao cenário urbano de uma grande metrópole que simboliza o desenvolvimento. Incorporá-la ao longa pelo olhar ‘estrangeiro’ foi um desafio, “mas conseguimos trazer um olhar fresco da cidade”, finaliza.

O longa tem fotografia de Pablo Baião, vencedor do Kikito de Melhor Fotografia no último Festival de Gramado por Simonal, e Maíra Carvalho, ganhadora do Kikito de Melhor Direção de Arte em 2015 por O Último Cine Drive-in, assina a arte.

Com montagem de Nina Galanternick, som de Daniel Turini, Fernando Henna e Henrique Chiurciu, som direto de Marcos Manna, figurino de Eduardo Barón e Vinicius Couto e maquiagem por Vanessa Barone, O HOMEM CORDIAL é produzido por Maíra Carvalho, Rodrigo Sarti Werthein, Rune Tavares e Iberê Carvalho, numa coprodução Quartinho Direções Artísticas, Acere, Momento Filmes e Pavirada Filmes. A distribuição nacional é da O2 Play e a representação internacional da Media Luna Films.

SINOPSE 
Aurélio é vocalista de uma famosa banda de rock que fez muito sucesso até o final dos anos 90. Na noite de retorno de sua banda aos palcos, viraliza na internet um vídeo que o envolve na morte de um policial militar.  Ninguém sabe o que de fato aconteceu, mas o astro passa a ser alvo de grupos radicais. Aurélio, então, se vê inserido em uma tensa e violenta jornada pelas ruas de São Paulo. Durante uma única noite, encontrará figuras importantes de sua carreira e Helena, uma jovem jornalista determinada a descobrir o que realmente aconteceu.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Iberê Carvalho
Roteiro: Pablo Stoll e Iberê Carvalho
Produção: Quartinho Direções Artísticas, Pavirada Filmes, Acere e Momento Filmes
Produtores: Maíra Carvalho, Rodrigo Sarti Werthein, Rune Tavares e Iberê Carvalho
Produção Executiva: Rune Tavares, Camila Ciolim e Rodrigo Sarti Werthein
Fotografia: Pablo Baião
Direção de Arte: Maíra Carvalho
Som: Daniel Turini, Fernando Henna e Henrique Chiurciu
Montagem: Nina Galanternick
Som direto: Marcos Manna
Figurino: Eduardo Barón e Vinicius Couto
Maquiagem: Vanessa Barone
Elenco: Paulo Miklos, Thaíde, Dandara de Morais, Thalles Cabral, Theo Werneck, Fernanda Rocha, Bruno Torres, Murilo Grossi, Mauro Shames, Felipe Kenji, Tamirys O’Hanna e André Deca
País: Brasil
Ano: 2019
Duração: 83 min.

SOBRE O DIRETOR 

“O Homem Cordial” é o segundo longa-metragem do premiado diretor Iberê Carvalho. “O Último Cine Drive-in” (2015) foi eleito melhor filme brasileiro do ano pela Folha de São Paulo. Entre outros, recebeu os prêmios de Melhor Filme no 18º Punta del Este International Film Festival, Prêmio da Crítica de Melhor Filme no 43º Festival Internacional de Gramado, Melhor Ator, Melhor Atriz Coadjuvante e Melhor Direção de Arte. Melhor Filme pelo Público do Festival Cine Las Americas, no Texas. Também participou dos festivais de Chicago, Beijing e Marselle. Como curta-metragista recebeu o prêmio de Melhor Curta no 31º Festival del Nuevo Cine Latinoamericano de Havana e o prêmio Cartoon Network de melhor Curta Infantil no Prix Jeunesse Latino-Americano.

A PRODUÇÃO  

O filme é uma coprodução entre a Quartinho Direções Artísticas, Acere, Pavirada Filmes e Momento Filmes. É fruto de uma parceria de 15 anos entre estas produtoras que juntas somam dezenas de filmes de ficção e documentários. Suas obras foram exibidas nos festivais de Toulouse, Paris, Tóquio, Amsterdam, Hawaii, Atenas, Bruxelas, Los Angeles, Seattle, Houston, Montevideo, Havana, Mazatlan, Caracas, Barcelona, Valência, San Sebastian, Londres, Bilbao, Lisboa, entre outros.
Entre suas recentes produções destacam-se “Entre Idas e Vindas”, de José Eduardo Belmonte; “A Sombra do Pai”, de Gabriela Amaral Almeida, coproduzido pela RTFeatures; o documentário “Mobília em Casa-Móveis Coloniais de Acaju e a Cidade”, de José Eduardo Belmonte; “O Fim e os Meios”, de Murilo Salles; e“ O Último CineDrive-In”, de Iberê Carvalho. Entre seus futuros projetos destacam-se “Quase Deserto”, de José Eduardo Belmonte, e “A Fúria”, de Ruy Guerra.

 

SOBRE O DISTRIBUIDORA

A O2 Play é dirigida por Igor Kupstas sob a tutela de Paulo Morelli, sócio da O2 Filmes, e faz parte do grupo O2, que tem como sócios também o cineasta Fernando Meirelles e a produtora Andrea Barata Ribeiro. Em atividade desde 2013, a O2 Play se diferencia das demais distribuidoras por trabalhar além do cinema, TV e vendas internacionais, o VOD (Video on Demand), como uma distribuidora digital. Possui contratos com plataformas como o iTunes, Google Play, Netflix, NOW, Claro Vídeos, Vimeo, ofertando além de conteúdos longa-metragem e seriados também serviços de delivery (Encoding).

A O2 Play lançou em cinema filmes como CIDADE CINZA (2013), com os grafiteiros OsGêmeos, LATITUDES (2014), romance com Alice Braga e Daniel de Oliveira que foi parte de um inovador projeto transmídia, JUNHO – O MÊS QUE ABALOU O BRASIL (2014), documentário da Folha de S. Paulo, primeiro filme a chegar aos cinemas e em VOD na mesma data, A LEI DA ÁGUA (2015), documentário de André D’Elia com produção de Fernando Meirelles, A BRUTA FLOR DO QUERER (2016), vencedor de 2 prêmios em Gramado, UMA NOITE EM SAMPA (2016), de Ugo Giorgetti, PARATODOS, doc sobre atletas paraolímpicos que após carreira elogiada pela críticas nos cinemas foi vendido para o mundo todo na NETFLIX, DO PÓ DA TERRA (2016), doc de Maurício Nahas, PESCADORES DE PÉROLAS (2015), ópera com direção de Fernando Meirelles transmitida ao vivo via satélite do Theatro da Paz para 10 salas de cinema, e ENTRE NÓS (2014), A NOITE DA VIRADA (2014) e ZOOM (2016), estes de produção da O2 Filmes em co-distribuição com a Paris Filmes.

Entre os lançamentos da O2 Play nos cinemas estão o longa-metragem TRAVESSIA, filme com Chico Diaz e Caio Castro, o documentário SEPULTURA ENDURANCE, sobre a banda brasileira de metal, COMEBACK, filme vencedor do prêmio de melhor ator para Nelson Xavier no Festival do Rio 2016 e MALASARTES E O DUELO COM A MORTE, grande produção da O2 Filmes dirigida por Paulo Morelli. Também entram na lista o documentário EXODUS- DE ONDE VIM NÃO EXISTE MAIS, produzido pela O2 e dirigido por Hank Levine e o longa A REPARTIÇÃO DO TEMPO, dirigido por Santiago Dellape. Também distribuiu no segundo semestre de 2018 o longa-metragem CORAÇÃO DE COWBOY dirigido por Gui Pereira em mais de 200 salas de cinema e o premiado documentário SER TÃO VELHO CERRADO dirigido por André D’Elia. Em 2019 no primeiro semestre promoveu o lançamento em formato day and date do filme 45 DIAS SEM VOCÊ do diretor Rafael Gomes. No segundo semestre inicia o programa O2 PLAY DOCS com a exibição de documentários nas principais cidades de todas as regiões brasileiras com sessões em horário nobre.

A O2 Play é pioneira em curadoria mundial no iTunes com a seção FERNANDO MEIRELLES RECOMENDA. Esta a primeira vez que a loja da Apple convidou um agente externo para sugerir filmes (confira em itunes.com/fmeirelles).

A O2 PLAY realiza a distribuição digital e encoding para dezenas de títulos e séries, além de vendas para TV e mercado internacional. Tivemos oito longas escolhidos pela Apple dentre “Os Melhores Filmes do Ano” entre 2014 e 2016.

Mostra Sesc de Cinema anuncia os selecionados da edição 2019

O Sesc divulgou a lista de filmes selecionados para a III Mostra de Cinema 2019. São 42 produções, sendo 10 infanto-juvenil, que comporão o Panorama Brasil e circularão por todo país a partir de novembro. Os filmes foram avaliados por uma curadoria formada por profissionais do Sesc e especialistas das áreas de cultura e cinema. Com apenas 3 anos de existência, a Mostra Sesc de Cinema se firma como importante iniciativa de valorização da produção audiovisual do país, tendo registrado recorde de inscritos este ano: 1.200 filmes.
A ideia é incentivar e divulgar, cada vez mais, a produção cinematográfica nacional que não chega ao circuito comercial, contribuindo, assim, para a promoção e o lançamento de artistas de todo o país”, ressalta Marco Aurélio Fialho, analista de Cultura do Departamento Nacional do Sesc.

 

A seleção dos filmes que chegaram à etapa nacional foi realizada a partir dos panoramas: Estadual e Regional, Brasil e Infanto-Juvenil. Ao todo, foram selecionados 380 filmes entre longas, médias e curta metragens, provenientes de todas as regiões. Desse total, foram selecionados seis filmes de cada região do país, exceto o Nordeste que indicou oito. As obras comporão o panorama nacional, junto com as produções infanto-juvenis, selecionadas a parte. Os demais filmes classificados serão exibidos em suas regiões. 

 

“Com mais essa iniciativa nacional, o Sesc cumpre uma missão importante da sua atuação na área cultural, que é democratizar o acesso ao cinema, além de permitir que artistas e cineastas de todo o Brasil mostrem seus trabalhos ao grande público”, reforça Fialho.
 
Curtas, médias e longas de todo o Brasil
Entre os selecionados de 2019 estão os longas “Estrangeiro” (PB), escrito e dirigido por Edson Lemos Akatoy, que mostra uma viagem sensorial e poética nas memórias de Elisabete; e “Abrindo as Janelas do Tempo” (SC), que, sob a direção de Santiago José Asef, traduz uma história de amor, de perda, espera e aceitação; “Orin: música para os Orixás” (BA) é um documentário que valoriza as culturas brasileiras de origem africana e demonstra a riqueza de sons, termos e ideias por trás do candomblé; já o documentário “Fabiana” (SP) retrata a trajetória de uma caminhoneira transexual e lésbica,  mostrando detalhes da última viagem antes da aposentadoria, depois de 30 anos de profissão. 

 

Entre os médias-metragens estão “Catadora de Gente” (RS), um tocante depoimento dos preconceitos e da dura trajetória de Maria Tugira Cardoso, uma mulher como tantas outras catadoras no Brasil, e o documentário “O céu dos índios Desâna e Tuiuca” (AM), que tenta desvendar a astronomia indígena produzida por estas etnias amazônicas que acreditam no conhecimento do céu como saber complementar as suas vidas na terra.  

 

Entre os curtas que compõe a mostra estão “Aurora” (SE), um ensaio cinematográfico sobre as angústias que sofre uma mulher em três diferentes fases da vida; “Chamando os Ventos: por uma cartografia dos assobios (PA), documentário sobre a ação imaginária de chamar os ventos por meio de assobios, uma dinâmica que envolve entretenimento, ancestralidade, imaginação, afetividade e memória; e o documentário “Quilombo Mata Cavalo” (MT), que trata da história e da cultura de seis comunidades quilombolas que resistem para preservar seus traços culturais. 

 

 
Conheça os 42 filmes selecionados por região:
NORTE 
Curta
Chamando os Ventos: por uma cartografia dos assobios (PA)

 

Longa
A Besta Pop (PA)

 

Médias
 Francisco (AC)
O Céu dos índios Desâna e Tuiuca (AM) |No Rio das Boboletas (AM) | Vozes da memória (RO)
 
NORDESTE

 

Longas
Mateus (PE) | Ilha (BA) |Orin: música para os Orixás (BA) | Estrangeiro (PB)

 

Curtas
Aurora (SE) | Aqueles Dois (CE) |Rasga Mortalha (PB)

 

Médias
Tipoia (AL)

 

Infanto-Juvenil
Curta: Icamiabas – Moqueca (PA) |Média: Clandestino (SE)

CENTRO-OESTE

Longas
Parque Oeste (GO)

Curtas
Quilombo Mata Cavalo (MT)

 

 Médias
Entre Parentes (DF) | A Praga do Cinema Brasileiro (DF) |Guará (GO) |Majur (MT)

Infanto-Juvenil
Curtas: O Malabarista (GO) |Lili`s Hair (GO)
Média: A Câmera de João (GO)

 

SUDESTE

Longas
Navios da Terra (MG) | Fabiana (SP)

Curtas
Plano Controle (MG)

Médias
Da Curva Prá Cá (ES) |Jéssika (RJ) | Do Outro Lado (SP)

 

Infanto-Juvenil
Curta: Poética de Barro (MG) |Hornzz (RJ)
Médias: Cravo, Lírio e Rosa (RJ) | Parda (RJ)
SUL

Longas
Abrindo as Janelas do Tempo (SC) |Euller Miller entre dois mundos (PR)

 

Curtas
Almofada de Penas (SC)
 
SUL
 
Médias
Quando as coisas se desmancham (PR) |Isso me faz pensar (RS) | Catadora de gente (RS)

 

Infanto-Juvenil
Vivi Lobo e o quadro mágico (PR)

“Filhas do Sol” estreia em 15 de agosto

FILHAS DO SOL”, que foi exibido na competição oficial do último Festival de Cannes, onde concorreu à Palma de Ouro, está confirmado no Festival Varilux de Cinema Francês, que acontece em junho, em diversas cidades brasileiras. Escrito e dirigido por Eva Husson (Uma História de Amor Moderna), o filme tem estreia prevista em circuito comercial dia 15 de agosto, com distribuição da Califórnia Filmes.

O longa acompanha Bahar, a comandante do batalhão “Filhas do Sol”, que se prepara para libertar sua cidade das mãos dos extremistas, esperando encontrar seu filho, mantido refém. Para acompanhar a jornada e fazer a cobertura do ataque, se junta ao grupo a jornalista francesa Mathilde, que é testemunha da história dessas guerreiras. Desde que tiveram suas vidas viradas de ponta cabeça, todas elas estão lutando pela mesma causa: mulheres, vida, liberdade.

A diretora explica o porquê de introduzir a personagem da jornalista na trama curda: “Ela é nossa janela para o mundo, a porta-voz da capitã do batalhão feminino, e pode expressar certas coisas que seria impossível ilustrar através da narrativa nesse contexto. Ela também me permite refletir sobre a noção das mulheres na guerra. Como uma repórter de guerra feminina, ela representa uma antes oculta perspectiva da identidade das mulheres dentro da zona de guerra. Ela é como um prisma que nos permite navegar entre os contextos coletivo e individual. É a ferramenta da narrativa testemunhal.”

Baseado em situações reais, “FILHAS DO SOL” é inspirado na unidade de resistência Yazidi homônima, formada apenas por mulheres iraquianas, que lutam para retomar sua dignidade numa sociedade patriarcal e permeada por lutas políticas internas. Esse grupo se formou como uma reação à guerra civil e um caminho de sobrevivência para essas mulheres, após serem vítimas de perseguição e massacres por anos.

E 2014, o ISIS (Estado Islâmico no Iraque e na Síria, em inglês) realizou um ataque nas montanhas de Sinjar, território do povo Yazidi, estrategicamente importante por estar entre o Iraque e a Síria. Os 300 mil habitantes do local foram pegos de surpresa e o massacre foi violento. Meninos foram enviados para escolas jihadistas, que os ensinam a matar aos três anos de idade, mulheres e meninas foram vendidas como escravas ou mercadoria sexual, obrigadas a se casar e torturadas.

Anos depois, mesmo com as tentativas das parlamentares Yazidi em conseguir ajuda internacional, as mulheres continuam presas e perseguidas. Paralelamente aos grupos masculinos de resistência contra o ISIS, as mulheres começam pouco a pouco a pegar em armas para se defender, até o surgimento de uma força Yazidi totalmente feminina: as “Filhas do Sol”.

As “Filhas do Sol” não têm nada a perder. O seu grito de guerra é “eles nos estupram, nós os matamos”. E contam com a crença dos soldados do ISIS a seu favor: eles acreditam que se morrerem pelas mãos de uma mulher, não irão para o céu. Por isso, as combatentes femininas os aterrorizam. São essas mulheres, guerreiras e revolucionárias, que o longa “FILHAS DO SOL” retrata.

“Quando uma mulher consegue te contar que ela foi sequestrada e vendida quatorze vezes, e conta isso com extrema serenidade e força, você automaticamente questiona suas ideias e convicções sobre a tragédia do sofrimento. Desconstrói sua imagem de guerra. Eu queria essa experiência em meu roteiro.”, explica a diretora Eva Husson.
Sobre o filme ser colocado como “filme de mulher”, por contar histórias sob a ótica feminina, Husson é taxativa: “Não usamos a expressão ‘filme de homem’, simplesmente porque a proporção nesse momento é muito abundante. A história do cinema é 95% composta de uma perspectiva masculina do mundo. Se usamos essa expressão é porque ainda estamos com falta de perspectivas femininas no cinema para acabar com essa universalidade. Então mãos à obra!”

SINOPSE
Bahar (Golshifteh Farahani) é a comandante das Filhas do Sol, um batalhão composto apenas por mulheres curdas que atua ofensivamente na guerra do país. Ela e as suas soldadas estão prestes a entrar na cidade de Gordyene, local onde Bahar foi capturada uma vez no passado. Mathilde (Emmanuelle Bercot) é uma jornalista francesa que está acompanhando o batalhão durante o ataque. O encontro entre as duas mulheres, dentro do cenário caótico que as cercam, irá mudar a vida de ambas permanentemente.

FICHA TÉCNICA 
Direção:  Eva Husson
Elenco: Golshifteh Farahani, Emmanuelle Bercot, Zübeyde Bulut
Gênero: Drama
País: França
Ano: 2018
Duração: 111 min

“Os Dois Filhos de Joseph” estreia em agosto

Acaba de ser divulgado o trailer de OS DOIS FILHOS DE JOSEPH, de Félix Moati. O longa, que foi exibido na última edição do Festival Varilux de Cinema Francês, estreia em circuito comercial dia 8 de agosto. A relação familiar entre Joseph e os filhos, Ivan e Joaquim, é o fio condutor da história que transita entre o drama e a comédia. Com Vincent Lacoste, Benoît Poelvoorde, Mathieu Capella e Anaïs Demoustier. O filme é distribuído no Brasil pela Pandora Filmes.

“O diretor mantém um tom divertido que lembra os filmes de Frainçois Truffaut e Woody Allen nos anos 70 e 80.” (Hollywood Reporter)

O jovem Ivan sempre admirou suas duas maiores referências, o pai, Joseph, e o irmão mais velho, Joaquim. Mas quando descobre que o irmão corre o risco de perder o ano na faculdade de psiquiatria e que o pai decide abandonar sua estável carreira como médico para se tornar escritor, o garoto começa a repensar se esses são os modelos masculinos que quer seguir.

É a partir desses três homens, em três momentos diferentes da vida, que o diretor pretende mostrar a importância das relações interpessoais. “Eu tenho o desejo do coletivo, e esse é o assunto do filme. Meus personagens acabam percebendo que não podem fazer nada sem os outros. A ideia de consolar um ao outro permeia todo o filme”, explica.

Moati conta ainda que o filme explora paisagens parisienses, como uma homenagem à cidade que tanto ama: “eu queria filmar a cidade onde cresci, a sede da minha memória emocional, onde vivi minhas primeiras emoções, alegrias e tristezas. Cada rua que filmei em OS DOIS FILHOS DE JOSEPH está associada a essa memória e eu espero que as pessoas sintam isso de alguma maneira”.

SINOPSE 
Ivan é um menino de 13 anos que está descobrindo o amor. Ele tem como referências o pai, Joseph, e o irmão mais velho, Joaquim. Mas ao saber que o irmão corre o risco de perder o ano na faculdade e que o pai decide abandonar sua estável carreira como médico para se tornar escritor, o garoto começa a repensar se esses são exemplos que quer seguir.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Félix Moati
Elenco: Vincent Lacoste, Benoît Poelvoorde, Mathieu Capella e Anaïs Demoustier
Gênero: Comédia dramática
País: França
Ano: 2018
Duração: 90 min

SOBRE A PANDORA FILMES 

A Pandora é uma distribuidora de filmes independentes que há 30 anos busca ampliar os horizontes da distribuição de filmes no Brasil revelando nomes outrora desconhecidos no país, como Krzysztof Kieślowski, Theo Angelopoulos e Wong Kar-Wai, e relançando clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Federico Fellini, Ingmar Bergman e Billy Wilder. Sempre acompanhando as novas tendências do cinema mundial, os lançamentos recentes incluem “The Square – A Arte da Discórdia”, de Ruben Östlund, vencedor da Palma de Ouro em Cannes, e “O Apartamento”, de Asghar Farhadi, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora atua com o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos, como Gustavo Steinberg, Ruy Guerra, Edgard Navarro, Sérgio Bianchi, Roberto Moreira, Beto Brant, Fernando Meirelles, Helena Ignez, Tata Amaral, Anna Muylaert, Petra Costa e Gabriela Amaral Almeida. Entre os próximos lançamentos, destacam-se “Greta”, de Armando Praça; “O Traidor”, de Marco Bellocchio, coprodução nacional, que concorre a Palma de Ouro em Cannes; e “O Caso Morel” de Suzana Amaral.

Em 2019, a distribuidora criou o projeto Caixa de Pandora que visa programar filmes premiados, escolhidos através de uma cuidadosa curadoria para serem exibidos em salas comerciais da rede Cinépolis, em 25 cidades do Brasil.

“Ela Disse, Ele Disse” lança trailer

A espera acabou! O trailer do longa “Ela Disse, Ele Disse”, que traz Maisa como antagonista e apresenta as estreias de Fernanda Gentil e Bianca Andrade (Boca Rosa) nos cinemas, já está disponível: https://youtu.be/63qyrfbWBWo. Com produção assinada por Paula Barreto, da LC Barreto/Filmes do Equador, coprodução da Globo Filmes e distribuição da Imagem Filmes, o filme chega às telonas de todo o país no dia 3 de outubro. Baseado no best-seller homônimo de Thalita Rebouças, o trailer é narrado pela própria autora e traz um pouco da divertida história que será contada nos cinemas.

O filme traz as perspectivas dos protagonistas Rosa (Duda Matte) e Leo (Marcus Bessa), dois adolescentes que precisam se adaptar ao primeiro ano em um novo colégio. Entre provas, amizades, bullying, crushes e as armadilhas das redes sociais, a história mostra como meninos e meninas podem sentir as mesmas coisas, mas pensar e agir de maneiras completamente diferentes.

Para deixar a trama ainda mais interessante, Júlia (Maisa), a menina popular do colégio e rival de Rosa, vai aprontar todas com os alunos novos. Após estrelar filmes de sucesso e ganhar seu próprio talk show, Maisa dá vida à primeira antagonista de sua carreira. “A Júlia é uma menina metida, do grupo dos populares, que gosta de ser o centro das atenções, ser melhor que todo mundo. Como ela é muito diferente de tudo que eu já tinha feito, eu fiquei mais livre para criar, a Thalita me deu muita liberdade para fazer isso. E eu acho as vilãs mais engraçadas. No caso da Júlia, ela é tão burrinha que chega a ser cômico”, diverte-se a atriz.

Dirigido por Claudia Castro, o longa marca a estreia de Fernanda Gentil como atriz, interpretando a mãe de Rosa. “A Paloma é uma mãe que tenta acompanhar muito o mundo da filha, tenta falar de igual para igual, ser amiga, mas também cobra, dá bronca, paga os micos dela como mãe. E eu me vejo muito nela, nesse sentido de querer sempre estar perto custe o que custar”. Outra novidade nas telonas é a influenciadora digital Bianca Andrade, conhecida nas redes sociais como Boca Rosa, que no filme interpreta a professora Fátima. “Eu tive muita sorte de ser professora, ter tido essa bagagem e conseguir usar isso na construção do personagem. Mas ela é bem diferente de mim, foi um grande desafio”.

Ainda no elenco estão nomes como Maria Clara Gueiros, em um papel mais dramático como Madalena, a diretora linha-dura da escola, Angelo Paes Leme, que interpreta Múcio, pai do protagonista Leo, e os jovens Matheus Lustosa, JP Rufino, Giulia Ayumi, Cecília Warpe, Pedro David, Rodrigo Tavares e Daniel Pim. Na parte artística, Pedro Serrão assina a direção de fotografia, Joana Mureb a direção de arte e Joanna Ribas os figurinos.

Lançado em 2011, “Ela Disse, Ele Disse” é o primeiro livro de Thalita Rebouças com um protagonista masculino e é também um dos livros mais vendido da autora, que conta, até o momento, com mais de 100 mil exemplares vendidos.

Sinopse: Rosa (Duda Matte) é uma menina estudiosa, Leo (Marcus Bessa) manda bem no futebol. Ela é pontual, ele está sempre atrasado. Ela detesta Júlia (Maisa), a menina mais popular do colégio, ele até que gosta dela. Os dois são alunos novos na escola e, além de aprender a lidar com os novos amigos e os problemas na família, descobrem que têm muito mais em comum do que imaginavam. Baseado na obra de sucesso de Thalita Rebouças, eles vão descobrir que crescer pode parecer complicado, mas no fundo, é a maior aventura.

Ficha técnica

 

Direção: Claudia Castro

Roteiro: Thalita Rebouças e Tati Ingrid Adão

Produção: Paula Barreto – LC Barreto/Filmes do Equador

Produtora Executiva: Bia Tafner

Produtoras associadas: Bruna Dantas, Rosane Svartman e Tati Ingrid Adão

Diretor de produção: Paulão Costa

Assistente de Direção: Renata Braz

Diretor de fotografia: Pedro Serrão

Diretora de arte: Joana Mureb

Figurinista: Joanna Ribas

Maquiador: Mariah de Freitas

Técnico de som: Guilherme Algarve

Continuísta: Fernanda Luz

Coprodução: Globo Filmes

Distribuição: Imagem Filmes

 

Elenco

Duda Matte (Rosa)

Marcus Bessa (Leo)

Maisa Silva (Júlia)

Giulia Ayumi (Carol)

Cecília Warpe (Luana)

Matheus Lustosa (Rafa)

Pedro David (Tony)

Rodrigo Tavares (Cebola)

Daniel Pim (Yuri)

JP Rufino (Homero)

Maju Lima (Ludmila)

Bianca Andrade (Fátima)

Maria Clara Gueiros (Madalena)

Fernanda Gentil (Paloma)

Ângelo Paes Leme (Múcio)

Aramis Trindade (Zuza)

Sobre a diretora Claudia Castro

“Ela Disse, Ele Disse” é o primeiro longa-metragem com direção de Claudia Castro, que já atua no meio há mais de 15 anos. Na TV dirigiu as séries “Magnifica70”, produzida pela HBO e Conspiração Filmes, temporadas 1, 2 e 3, “Perto do Fogo”, “Uma Rua Sem vergonha” e “Vai dançar” e foi assistente de direção de “Ó pai ó”, “Mulher Invisível”, “Mandrake”, entre outros.  Já no cinema, foi produtora executiva em “Aos Teus Olhos”,  filme dirigido por Carolina Jabor, e assistente de direção de diversos longas-metragens como “Última Parada 174”, de Bruno Barreto, “Tim Maia”, de Mauro Lima, e “Dois Filhos de Francisco: A História real de Zezé de Camargo e Luciano”, de Breno Silveira.

Sobre a LC Barreto

Fundada em 1963, a L.C. Barreto Produções Cinematográficas possui uma trajetória tão rica que até se confunde um pouco com a história do cinema no Brasil e da América Latina. São mais de 80 produções e coproduções de curta e longa-metragem, realizadas dentro de rigorosos padrões técnicos e artísticos. Muitos deles são considerados parte do patrimônio artístico e cultural do nosso país, como: “Vidas Secas” e “Memórias do Cárcere”, de Nelson Pereira dos Santos; “Dona Flor e Seus Dois Maridos” e “O Que é Isso Companheiro?” de Bruno Barreto; “Bye Bye Brasil”, de Cacá Diegues; “O Quatrilho”, de Fábio Barreto; entre outros.

Sobre a Globo Filmes

Desde 1998, a Globo Filmes já participou de mais de 250 filmes, levando ao público o que há de melhor no cinema brasileiro. Com a missão de contribuir para o fortalecimento da indústria audiovisual nacional, a filmografia contempla vários gêneros, como comédias, infantis, romances, documentários, dramas e aventuras, apostando na diversidade e em obras que valorizam a cultura brasileira. A Globo Filmes participou de alguns dos maiores sucessos de público e de crítica como, ‘Tropa de Elite 2’, ‘Minha Mãe é uma Peça 2’ – com mais de 9 milhões de espectadores -, ‘Se Eu Fosse Você 2’, ‘2 Filhos de Francisco’, ‘Aquarius’, ‘Que Horas Ela Volta?’, ‘O Palhaço’, ‘Getúlio’, ‘Carandiru’ e ‘Cidade de Deus’ – com quatro indicações ao Oscar. Suas atividades se baseiam em uma associação de excelência com produtores independentes e distribuidores nacionais e internacionais.

Sobre a Imagem Filmes | Distribuidora

Fundada em 1998, a Imagem Filmes é uma empresa nacional que atua no mercado de entretenimento do país como distribuidora de filmes independentes. Comprometida com a qualidade e variedade de produções, a empresa trabalha nos segmentos de cinema, vídeo e televisão, e é responsável pelo lançamento de grandes produções nacionais, onde destacam-se: ‘Sai de Baixo – O Filme’, ’10 Segundos para Vencer’, ‘É Fada!’, ‘O Nome da Morte’ e ‘Crô Em Família’. Além das produções internacionais, como o premiado ‘VICE’ e os recentes ‘Hellboy’, ‘Encantado’, ‘Fúria em Alto Mar’ e ‘Paddington 2’.

“No Coração do Mundo” estreia em agosto

Escrito e dirigido por Gabriel Martins e Maurílio Martins, NO CORAÇÃO DO MUNDO acaba de ganhar cartaz e trailer. O longa, que teve estreia mundial na última edição do Festival Internacional de Roterdã, em janeiro deste ano, chega aos cinemas brasileiros em 1º de agosto com distribuição da Embaúba Filmes.

Ambos diretores já haviam trabalhado juntos em curtas-metragens da produtora Filmes de Plástico, da qual fazem parte junto ao cineasta André Novais Oliveira e o produtor Thiago Macêdo Correia, há dez anos. A partir dos curtas “Contagem” e “Dona Sônia pediu uma arma para seu vizinho Alcides”, que foram filmados no mesmo bairro da cidade mineira de Contagem, surgiu a ideia do novo roteiro. “Eu mostrei os filmes a um amigo meu sueco que disse ter ficado curioso com mais histórias desse universo. Apesar de terem sido rodados no mesmo local e no mesmo ano, nunca havíamos pensado serem histórias que pudessem se complementar. Esse momento, em 2012, foi o ponto de partida para o roteiro de NO CORAÇÃO DO MUNDO”, lembra Maurílio.

No longa, as histórias dos personagens Ana e Marcos, que haviam aparecido no curta Contagem, voltam a ser contadas e por isso foi natural que os mesmos atores voltassem a interpretá-los: Kelly Crifer e Leo Pyrata. O papel de Selma era novo e os diretores pensavam em quem poderia dar vida à personagem, quando um amigo em comum sugeriu Grace Passô. “Todos nós da produtora já éramos profundos admiradores do trabalho dela, que maravilhosamente aceitou o convite”, recorda Maurílio.

Ainda havia outro desafio na escalação do elenco: qual personagem desenvolver para MC Carol? “Sou muito fã dela e queria que participasse do filme. Tínhamos escrito um papel para um amigo, o Leo, que não pode fazer, então trocamos o gênero da personagem e surgiu a Brenda, que a MC Carol interpretou de modo brilhante”, conta Gabriel.

A cidade de Contagem – região metropolitana de Belo Horizonte –, especialmente os bairros Laguna e Milanez onde os diretores foram criados, também é personagem fundamental do longa, como explicam: “Ali está a nossa vivência, a nossa formação, então é natural que esse lugar atuasse como um personagem e trouxéssemos esses rostos e essa geografia para o filme”.

NO CORAÇÃO DO MUNDO se passa na periferia de Contagem, onde os moradores acabam formando uma comunidade. Suas relações interpessoais e com o lugar são o pano de fundo do filme, que mistura elementos de filme de assalto e alguns toques de comédia. Marcos se vira como pode para levar a vida, aplicando golpes aqui e ali e cometendo alguns delitos. Um dia Selma, antiga conhecida, propõe a ele a execução de um plano, que pode mudar suas vidas para sempre, e Marcos precisa convencer sua namorada, a cobradora Ana, a embarcar com eles nessa.

A assinatura das produções da Filmes de Plástico, com interpretações naturalistas e as relações familiares e cotidianas, continua presente no longa, mas também novas formas de apresentar a história na tela. “Exploramos com muito mais potência o desenho de som, trabalhamos com efeitos práticos e um pouco de efeitos especiais, ousamos numa decupagem que exigia um apuro técnico maior e tivemos uma equipe imensa, diferente de qualquer coisa que havíamos feito antes”, explica Maurílio. “O resultado é um filme que mantém o que caracterizou a produtora nesses dez anos, mas também foi além na maneira como exploramos a linguagem e utilizamos os gêneros cinematográficos a nosso favor”, completa.

SINOPSE
Na periferia de Contagem, Marcos busca uma saída para sua rotina de bicos e pequenos delitos. Surge uma oportunidade arriscada, mas que pode solucionar todos seus problemas. Para isso, ele precisa convencer sua namorada, Ana, a se juntarem a Selma e executarem o plano que pode mudar suas vidas para sempre.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Gabriel Martins, Maurílio Martins
Roteiro: Gabriel Martins, Maurílio Martins
Produção executiva: Thiago Macêdo Correia
Produtora: Filmes de Plástico
Direção de fotografia: Leonardo Feliciano
Montagem: Gabriel Martins, Maurílio Martins, Guto Parente
Direção de arte: Rimenna Procópio
Direção de produção: Marcella Jacques
Desenho de som: Tiago Bello, Marcos Lopes
Música: Robert Frank, Heberte Almeida, Kim Gomes
Elenco: Kelly Crifer, Leo Pyrata, Grace Passô, Bárbara Colen, Robert Frank, Rute Jeremias, Renato Novaes, MC Carol de Niterói, Gláucia Vandeveld.
Distribuição: Embaúba Filmes
País: Brasil
Ano: 2019
Duração: 120 min.

SOBRE OS DIRETORES
Gabriel Martins e Maurílio Martins são formados em cinema pelo Centro Universitário UNA de Belo Horizonte. Em 2009 criaram a produtora mineira Filmes de Plásticos, junto com o cineasta André Novais Oliveira e com o produtor Thiago Macêdo Correia, pela qual lançaram diversos curtas-metragens exibidos e premiados em todo o mundo. “No Coração do Mundo” é o primeiro longa-metragem dos diretores. O filme teve sua première mundial em janeiro de 2019, no International Film Festival Rotterdam.

Filmografia selecionada
Gabriel Martins: Filme de Sábado (2009), Contagem (2010), Dona Sônia Pediu uma Arma Emprestada a seu Vizinho Alcides (2011), Rapsódia para o Homem Negro (2015), Nada (2017), No Coração do Mundo (2019).
Maurílio Martins: Contagem (2010), Um Homem que Voa: Nelson Prudencio (2013), Quinze (2014), Constelações (2016), No Coração do Mundo (2019).

SOBRE A FILMES DE PLÁSTICO
Criada em 2009, a Filmes de Plástico é uma produtora mineira, sediada em Belo Horizonte, formada pelos diretores André Novais Oliveira, Gabriel Martins, Maurilio Martins e pelo produtor Thiago Macêdo Correia. É característica e interesse da produtora realizar obras de apelo popular, que retratem com fidelidade e respeito a vida na periferia e os personagens que habitam um universo que é visto de modo marginalizado. Sendo os três diretores naturais de Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte, fazer filmes sobre o bairro onde cresceram, as pessoas com quem convivem e a lógica sistemática deste “universo” das classes menos privilegiadas é como filmar o quintal da própria casa. E talvez por isso seja tão importante que estes filmes criem um diálogo forte entre quem os realiza e o público.

Juntos seus filmes já foram selecionados em mais de 200 festivais no Brasil e no mundo como a Quinzena dos realizadores em Cannes, Festival de Cinema de Locarno, Festival de Rotterdam, FID Marseille, Indie Lisboa, BAFICI, Festival de Cartagena, Los Angeles Brazilian Film Festival, Festival de Cinema de Brasília e Mostra de Cinema de Tiradentes, ganhando mais de 50 prêmios, como a Menção Especial do Júri na Quinzena dos Realizadores em Cannes e o Prêmio de Melhor Filme pelo Júri Oficial na XI Semana dos Realizadores do Rio de Janeiro e no XI Panorama Coisa de Cinema de Salvador.

Entre os próximos projetos da produtora estão os longas-metragens Marte Um, dirigido por Gabriel Martins (em pós-produção), e O Último Episódio, dirigido por Maurilio Martins, e E os meus Olhos ficam Sorrindo, dirigido por André Novais Oliveira, ambos com previsão de filmagem para 2020.

Fazem parte da obra da produtora Filmes de Plástico os curtas-metragens: Contagem (2010), Quinze (2014), Dona Sônia pediu uma arma para seu vizinho Alcides e Rapsódia para o Homem Negro (2015), Fantasmas (2010), Pouco Mais de um Mês (2013), Constelações (2016), Filme de Sábado (2009), No Final do Mundo (2009), Pelos de Cachorro (2010), Domingo (2011), Mundo Incrível REMIX (2014), Quintal (2015) e Rapsódia para o Homem Negro (2015).

E os longas-metragens: Ela Volta na Quinta (2014), Temporada (2018) e No Coração do Mundo (2019).

SOBRE A DISTRIBUIDORA
A Embaúba Filmes é uma nova distribuidora de cinema brasileiro, sediada em Belo Horizonte. A empresa atua com a distribuição de filmes autorais em todas as suas etapas, incluindo festivais de cinema, lançamentos no circuito comercial, negociações e vendas no Brasil e no exterior, além de um site próprio de VOD, para locação de seus títulos pela internet. A empresa é dirigida por Daniel Queiroz, que vem de uma experiência prévia de mais de 10 anos como programador de cinema, em salas (Cine Humberto Mauro e Cine 104) e festivais (Festival Internacional de Curtas de BH, Festival de Brasília, Semana de Cinema).

 

A Embaúba possui em seu catálogo filmes como Arábia, de Affonso Uchôa e João Dumans; Inferninho, de Guto Parente e Pedro Diógenes; Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de João Salaviza e Renée Nader Messara; Inaudito, de Gregório Gananian; Eu Sou o Rio, de Anne Santos e Gabraz e Os Sonâmbulos, de Tiago Mata Machado.

http://www.embaubafimes.com.br

Cinemão apresenta a 5ª Mostra Anima Cinemão

O projeto Cinemão realiza de 17 a 20 julho a 5ª Mostra Anima Cinemão, em parceria com o Festival AnimaMundi 2019.  A quinta edição exibirá curtas de animação  em diversos pontos na cidade. O evento inicia sua jornada no dia 17 em Bangudia 18 no Recreio dos Bandeirantesdia 20, no Méier e dia 21, em Pilares, sempre às 18h. Toda a programação é gratuita.

Para Cid César Augusto, realizador do projeto, a parceria entre o Cinemão e o Festival AnimaMundi é extraordinária para a população do Rio de Janeiro: “Estamos unidos para levar o cinema de animação para além do circuito tradicional dos festivais, para além das salas de cinema,  que se concentram em determinada região da cidade .  Vamos colocar toda essa animação na rua. “

 

 A 5ª Mostra Anima Cinemão tem patrocínio da RioFilme e Secretaria Municipal de Cultura.

Sobre o Cinemão (Solar):

O Cinemão é uma rede exibidora popular. É uma sala de cinema móvel. Trata-se de uma carro aparelhado para exibição de filmes, equipado com projetor de alta performance, super telão inflável, sistema de som, cadeiras e sistema de energia solar para abastecer parcialmente os equipamentos de projeção.  O projeto está em atividade desde 2010 e protagoniza o maior número de intervenções cinematográficas em espaços públicos no Rio de Janeiro.
O objetivo principal é ocupar espaços públicos e populares promovendo o cinema brasileiro de forma prática, gratuita e eficiente. O projeto exibe uma produção nacional (curtas e longas de todos os gêneros) de forma democrática e acessível, atendendo a toda e qualquer população. Também faz parte deste projeto a realização de oficinas de audiovisual para crianças e adolescentes.
A partir de acordos com distribuidores nacionais, o Cinemão funciona como uma importante janela para democratização do cinema brasileiro. Com o intuito de difundir ainda mais as realizações propostas e atuar no processo de formação de plateias para o cinema nacional, tanto a exibição dos filmes e as oficinas possuem entrada franca em todas as suas atividades.

Produção: Cinemão

O projeto também possui uma extensa lista de simpatizantes, como o cineasta Walter Salles, atriz Paola de Oliveira, os atores Bruno Gagliasso e Matheus Nachtergaele, entre outros.

 

(Link dos vídeos com o testemunho de diversas personalidades declarando apoio ao projeto em:http://www.youtube.com/watch?v=o7RJoKCNaMI)

 

Serviço: 5ª Mostra Anima Cinemão

Vila Olímpica Polo Jardim Bangu: Rua Roque Barbosa, s/nº. Bangu.

Dia 17/7, quarta-feira, às 18h

Quadra de Futebol na Comunidade Beira-Rio: Rua da Servidão, 67. Recreio dos Bandeirantes.

Dia 18/7, quinta-feira, às 18h

Quadra Esportiva do Méier: Ria Maranhão, 1709. Méier.

Dia 20/7, sábado, às 18h

Praça Aderbal da Costa: Rua José Fraive, s/nº. Pilares.

Dia 21/7, domingo, às 18h.

Entrada gratuita.

Classificação livre.

Anima Mundi no CCBB

A programação, que acontece de 17 a 21 de julho no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro contará com mais de 300 filmes de mais de 40 países, incluindo mais de 80 produções ou coproduções do Brasil, mostrando o vigor e a criatividade do crescente mercado de animação no país. O Festival Anima Mundi no Rio de Janeiro conta com patrocínio da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro e do Banco do Brasil. O evento tem co-patrocínio da GLOOB e Spcine.

 

*Os ingressos para as sessões pagas começam a ser vendidos amanhã, dia 10/07/2019, no site eventim.com.br

 

PROGRAMAÇÃO:

CINEMA I

 

17/07 (QUARTA)         

10:30 Futuro Animador 1 – Livre – GRATUITA

12:00 Panorama 2 – 14 anos    

13:30 Animação em Curso 1 – 14 anos               

15:30 Curtas Infantis 1 – Livre

17:30 Curtas 10 – 14 anos         

19:30 Curtas 4 – 14 anos            

18/07 (QUINTA)          

12:00 Curtas Infantis 2 – Livre

13:30 Curtas 7 – 14 anos            

15:30 Curtas Infantis 4 – 8 anos             

17:30 Curtas 6 – 14 anos            

19:30 Curtas 9 – 14 anos            

19/07 (SEXTA)              

10:30 – Futuro Animador 2 – Livre – GRATUITA

13:30 – Animação em Curso 3 – 14 anos            

15:30 – Curtas Infantis 3 – 8 anos           

17:30 – Portfólio – 14 anos      

19:30 – Panorama 1 – 14 anos 

20/07 (SÁBADO)          

10:30 – Animaterna: Panorama 4 – 14 anos     

12:00 – curtas Infantis 2 – Livre             

13:30 – Curtas 3 – 14 anos         

15:30 – CineCartoon – Irmão do Jorel – Epecial Alucinante – Livre        

17:30 – Curtas 1 – 14 anos         

19:30 – Papo Animado Fernando Miller – 14 anos        

21/07 (DOMINGO)

10:30 – Animazul: Curtas Infantis 1 – Livre      

12:00 – Curtas Infantis 4 – 8 anos           

13:30 – Curtas 8 – 14 anos         

15:30 – Curtas 2 – 14 anos         

17:30 – Panorama 1 – 14 anos 

19:30 – Panorama 3 – 14 anos 

 

CINEMA II

 

17/07 (QUARTA)

12:00 – Panorama 3 – 14 anos 

14:00 – Futuro Animador 2 – Livre – GRATUITA

15:30 – Palestra: Acessibilidade no Audiovisual – 14 anos – GRATUITA

18:00 – Olho Neles! 1 -14 anos – GRATUITA

20:00 – Panorama 1 – 14 anos 

 

18/07 (QUINTA)

12:00 – Panorama 4 – 14 anos 

14:00 – Olho Neles! 1 – 14 anos – GRATUITA

15:30 – Painel: Festivais de Cinema como Agentes Estruturantes de Mercado – 14 anos – GRATUITA

18:00 – Galeria 1 – 14 anos – GRATUITA

20:00 – Galeria 2 – 14 anos – GRATUITA

 

19/07 (SEXTA)

12:00 – Curtas Infantis 4 – 8 anos           

14:00 – Futuro Animador 1 – Livre – GRATUITA

16:00  – Olhos Neles! 2 -14 anos – GRATUITA

18:00 – Animação em Curso 2  – 14 anos            

20:00 – Curtas 2 – 14 anos         

 

20/07 (SÁBADO)

12:00 – Olho Neles! 1 – 14 anos – GRATUITA

14:00 – Sessão Especial Annecy – 14 anos – GRATUITA

16:00 – Portfólio – 14 anos      

18:00 – Curtas 7 – 14 anos         

20:00 – Animação em Curso 2 – 14 anos            

 

21/07 (DOMINGO)

12:00 – Olho Neles! 2 – 14 anos – GRATUITA

14:00 – Curtas 11 – 14 anos       

16:00 – Curtas 3 – 14 anos         

18:00 – Panorama 4 – 14 anos 

20:00 – Sessão Especial Annecy – 14 anos         

 

TEATRO I

 

17/07 (QUARTA)

11:00 – Longa Infantil: Longe – 8 anos

13:00 – Curtas 5 – 14 anos

15:00 – Curtas 7 – 14 anos

17:00 – Curtas 3 – 14 anos

19:00 – Curtas 1 – 14 anos

 

18/07 (QUINTA)

11:00 – Longa Infantil: Missão H20 – 8 anos

13:00 – Curtas 1 – 14 anos

15:00 – Curtas 2 – 14 anos

17:00 – Curtas 8 – 14 anos

19:00 – Curtas 3 – 14 anos

 

19/07 (SEXTA)

11:00 – Longa Infantil: Capitão Morten e a Rainha Aranha – 8 anos

13:00 – Curtas 7 – 14 anos

15:00 – Curtas 9 – 14 anos

17:00 – Curtas 11 – 14 anos

19:00 – Longa-Metragem: A Cidade dos Piratas – 14 anos

 

20/07 (SÁBADO)

11:00 – Longa Infantil: Miúda e o Guarda-Chuva – Livre

13:00 – Curtas 6 – 14 anos

15:00 – Curtas Infantis 4 – 8 anos

17:00 – Curtas 10 – 14 anos

19:00 – Curtas 9 – 14 anos

 

21/07 (DOMINGO)

11:00 – Curtas Infantis 1 – Livre

13:00 – Curtas 4 – 14 anos

15:00 – Curtas Infantis 3 – 8 anos

17:00 – Especial Mauricio de Sousa Produções – Livre

19:00 – Cerimônia de Premiação – 14 anos

 

 

Serviço:

27º Anima Mundi

Rio de Janeiro: 17 a 21 de julho, no Centro Cultural Banco do Brasil (R. Primeiro de Março, 66 – Centro) e Estação Net Botafogo (R. Voluntários da Pátria, 88 – Botafogo)

Mais informações: www.animamundi.com.br

 

Estreia de “Cyrano Mon Amour”

Nesta quinta, dia 27 de junho, estreia nos cinemas o drama CYRANO MON AMOUR (Edmond), visto por mais de 500 mil pessoas na França e dirigido e roteirizado pelo premiado diretor, roteirista e ator franco-britânico Alexis Michalik, que também é autor teatral premiado, vencedor de cinco prêmios Molière com a peça “Edmond”, sobre o escritor Edmond Rostand (autor de Cyrano de Bergerac).

Com distribuição da A2 Filmes, o filme chegará aos cinemas de São Paulo, Barueri, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Niterói, Brasília, Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba, Salvador, Teresina, Recife, Fortaleza e Maceió.

CYRANO MON AMOUR
França | 2018 | 112 min. | Comédia – Drama

Título Original: Edmond
Direção: Alexis Michalik
Roteiro: Alexis Michalik
Elenco: Thomas Solivérès, Olivier Gourmet, Mathilde Seigner
Distribuição: A2 Filmes

Sinopse: Dezembro de 1897, Paris. O escritor Edmond Rostand ainda não tem trinta anos, mas já tem dois filhos e anseia por muitas coisas. Ele não escreve nada há dois anos. Desesperado por trabalho, ele oferece ao grande Constant Coquelin uma nova peça, uma comédia heróica, em verso, para ser entregue no período de festas. Para Edmond, há apenas uma preocupação: o texto ainda não está escrito. A história do criador de Cyrano de Bergerac. Destaque na programação do Festival Varilux de Cinema Francês 2019.

ESTREIA NOS CINEMAS
27 DE JUNHO DE 2019

Rolé Carioca faz tour por cinemas antigos

Em junho, o Rolé Carioca, sistema de difusão de conteúdos históricos e culturais do Rio de Janeiro, apresenta seu primeiro Rolé Temático . E como o Centro da Cidade é um dos roteiros favoritos do público, é por ele que a série será inaugurada, apresentando um pouco da efervescência cultural da cidade na primeira metade do século 20 por meio da história dos cinemas de rua, tão populares no período.  

Os passeios do Rolé Carioca são uma forma de disseminar os conteúdos levantados pelo projeto, que se encontra em sua 7ª edição. Os diferentes roteiros pelas ruas do Rio de Janeiro já reuniram mais de 15 mil pessoas, que caminharam por mais de 200 quilômetros desde 2013.  

 

Para o Rolé, explorar a cidade a pé é uma das principais formas de conhecer suas nuances e desenvolver o senso de pertencimento ao território. Com o auxílio dos professores-guias do projeto, a experiência coletiva desvenda histórias e memórias e reforça o imaginário coletivo acerca da cidade e seus símbolos.  

Rolé Carioca é uma realização do estúdio M’Baraká, com consultoria de conteúdo do coordenador nacional do curso de História da Estácio, Rodrigo Rainha, e do historiador William Martins – mestres de cerimônia do projeto e guias dos passeios. O portal www.rolecarioca.com.br reúne todos os roteiros já realizados, informações, curiosidades e dados históricos sobre a cidade.  

O projeto tem patrocínio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e da Secretaria Municipal de Cultura, Estácio e RioCard Mais e conta ainda com o copatrocínio das empresas SHIFT ETT e Cinesystem. Todos os patrocínios foram realizados por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS.  

  

Belle époque do cinema 

  

Capital antenada com as novidades e invenções da Europa do final do século 19 e início do século 20, o Rio de Janeiro viveu intensamente o glamour da era de ouro dos cinemas.  A avenida Rio Branco, os arredores da Praça Tiradentes e a região que depois veio a ser conhecida como Cinelândia concentravam as salas de exibição que projetavam filmes europeus, norte-americanos e – a partir da década de 30 – produções brasileiras.  

  

Este período se estendeu até meados da década de 70, quando os cinemas de rua começaram a entrar em decadência até serem substituídos, a partir dos anos 90, por igrejas evangélicas ou salas especializadas em filmes pornográficos.  

  

No entanto, a memória deste período continua viva e vibra nas fachadas de prédios históricos que retratam diferentes estilos – da art déco à art nouveau – e oferecem surpresas como a cúpula projetada pelo engenheiro francês Gustave Eiffel para o Cine Ideal, entre outras curiosidades.  

  

Uma delas é a origem do nome Cinelândia, dado à região que começou, a partir dos anos 1920, a concentrar as melhores salas de cinema da cidade. Francisco Serrador, um dos empresários de entretenimento da época, queria transformar o local na “Broadway brasileira”.  

  

Embora a maior parte destes cinemas encontre-se desativada, os prédios mantém sua estrutura preservada – seja pelo tombamento, seja pela revitalização, seja pela reforma para diversos usos, garantindo um passeio pra lá de interessante para os “rolezeiros”. 

  

Roteiro – Centro Antigo e seus cinemas 

  

Teatro Carlos Gomes 

Construído em 1872, apenas em 1904 – após ser adquirido pelo empresário Paschoal Segreto – recebeu o nome de Carlos Gomes, em homenagem ao grande compositor brasileiro, autor de ‘O Guarani’. Em 1929, sofreu o primeiro de seus vários incêndios e o antigo prédio foi reconstruído em estilo art déco. Em 1950 e 1960, voltou a ser incendiado e em 1984 foi tombado como patrimônio histórico e cultural da cidade.  

  

Cine Ideal  

Inaugurado em 1909, o Ideal rivalizava com o Cine Íris, ambos localizados na rua da Carioca que ficava intransitável pela quantidade de pessoas que se amontoava em frente aos cinemas na hora da exibição. Um de seus frequentadores assíduos foi o jurista e escritor Ruy Barbosa. Sua cúpula, assinada por Gustave Eiffel, foi sensação da cidade à época: ela se abria durante as sessões para refrescar o ambiente – sendo a única casa na América do Sul a fazer projeções ao ar livre. 

  

Cine Iris  

Inaugurado em 1909, é um dos mais antigos cinemas em operação no Rio de Janeiro. Originalmente chamado de Soberano, em homenagem ao cavalo de seu proprietário, o cinema era pequeno e dividido em 1ª e 2ª classe, separadas por grade de ferro. Projetado pelo engenheiro Paulo de Frontin é um dos poucos prédios em estilo art nouveau da cidade. Em 1921 foi reformado, passando a comportar 1.200 espectadores. Tombado em 1983, hoje apresenta filmes eróticos e continua nas mãos da família do fundador. 

  

Cine Orly  

Inaugurado em 1935, o Cine Orly surgiu cerca de dez anos após a consolidação da Cinelândia como região de cinemas ocupando a mesma galeria do atual Teatro Dulcina. Antes de Orly, recebeu os nomes de Cine Ok, Cine São Carlos e Cine Rivoli. Localizado no no Edifício Regina e é um dos exemplares do estilo art déco da cidade. Em 1944, após um incêndio, passou por uma reforma, quando o Teatro Regina recebeu o nome de Dulcina, em homenagem à célebre atriz brasileira.  

  

Cine Teatro Rex 

Localizado no andar térreo do Edifício Rex, em cujo subsolo está o Teatro Rival. À época de sua inauguração reunia imponência e estilo na sua sala de projeção e combinava cinema, teatro e prédio com salas multiuso, uma estratégia que buscava investimentos paralelos aos estabelecimentos de lazer. Em 1937, o cinema contava com 1.900 lugares e, em 1969, 1.607 poltronas.  

  

Cine Vitória 

Aberto em 1942, foi construído sob o Edifício Rivoli –prédio de doze andares ocupado por atividades comerciais e/ou residências. Exemplar do estilo art déco, exibiu filmes pornôs em seus últimos anos, até fechar as portas em 1993. Em 2012 foi inaugurada a Livraria Cultura no local. A restauração preservou elementos originais do cinema, como o piso preto e branco, o balcão, as bilheterias, a fachada, os revestimentos de mármore e granito e um belo painel em bronze. Com o fechamento da livraria, o prédio encontra-se fechado.  

  

Cine Pathé  

Inaugurado em 1907, foi o primeiro cinema art déco do Rio de Janeiro. Era a menor sala da Cinelândia carioca, possuindo 918 lugares até 1937. Com poucas informações a respeito do prédio, sabe-se que era “muito amplo, havendo também uma confortável sala  de espera” e que exibia projeções animadas “isentas de trepidação, claras e perfeitas”. O novo prédio, ao lado do edifício do Jornal do Brasil, ”possuía um pequeno palco para a realização de conferências”. Atualmente, como outras antigas salas da cidade, é uma igreja evangélica.  

  

Cine Palácio  

O Cine Palácio, sob o nome de Cassino Nacional, foi inaugurado em 1901, passando a ter diversos nomes ao longo do tempo, até chegar ao nome atual em 1943. Sua inauguração como cinema aconteceu em 1924 e em 1925 chegou a ter lotação de 1.000 lugares. Foi o primeiro cinema a exibir filmes falados no Rio de Janeiro (em junho de 1929) ocasião que mereceu a presença do presidente da República. O prédio foi reformado e atualmente abriga o teatro Riachuelo. 

  

Cine Odeon 

Inaugurado em 1926, o Cine Odeon está localizado nos primeiros andares de um prédio de onze andares com uso misto em plena Cinelândia. À data de sua inauguração possuía 1.344 lugares. Após fechamento, foi reaberto no final dos anos 90 com o patrocínio da Petrobras. Passou por ampla reforma em 2015, que incluiu restauração da fachada e do interior e hoje tem capacidade para 550 pessoas. Além de filmes, passou a oferecer mostras, exposições, eventos musicais, cursos, espetáculos, palestras e eventos diversos ligados à cultura. 

  

SERVIÇO – Rolé Carioca – Centro Antigo e seus cinemas 

  

Data: 30 de Junho (domingo) 

Hora: 9 horas  

Ponto de encontro: Praça Tiradentes  

Gratuito – Não é necessário fazer inscrição  

Duração: aproximadamente 2 horas 

http://www.rolecarioca.com.br  

  

Sobre o Estúdio M’Baraká (UM-BA-RA-KÁ) – Realizador e idealizador do projeto 

Criado há 12 anos por Isabel Seixas e Diogo Rezende, o estúdio M’Baraká desenvolve projetos múltiplos com profissionais de diversos segmentos e se destaca por sua metodologia, que envolve criação, pesquisa, planejamento estratégico e direção de arte. Desde 2013, a economista Larissa Victorio faz parte da sociedade. Os projetos do grupo são únicos, focados na criação de experiências relevantes, que gerem conhecimento e valor para seus públicos: www.mbaraka.com.br 

Gerard Butler em “Invasão ao Serviço Secreto”

Com direção de Ric Roman Waugh (‘Sem Perdão’) e roteiro assinado Robert Mark Kamen (‘Carga Explosiva’, ‘Busca Implacável’) e Matt Cook (‘Polícia em Poder da Máfia’), ‘Invasão ao Serviço Secreto’ marca o retorno de Mike Banning aos cinemas. O personagem, interpretado por Gerard Butler, apareceu pela primeira vez em 2013, no longa ‘Invasão à Casa Branca’, que arrecadou mais de 170 milhões de dólares ao redor do mundo. O segundo filme da franquia, ‘Invasão a Londres’, foi lançado três anos depois, se tornando um sucesso de bilheteria ainda maior ao arrecadar mais de 200 milhões de dólares. A produção do terceiro longa é assinada pelo próprio Gerard Butler, ao lado de Alan Siegel, Matt O’Toole, John Thompson, Les Weldon e Yariv Lerner. Com distribuição da Imagem Filmes, o longa chega aos cinemas nacionais em 5 de setembro e teve o seu trailer e pôster oficiais divulgados.

Acusado de tentar assassinar o presidente dos Estados Unidos, o agente do Serviço Secreto Mike Banning precisará fazer de tudo para provar a sua inocência. “Trata-se do mesmo homem, ocupando o mesmo cargo, porém a jornada desta vez é muito mais intensa e sombria”, afirma Butler para a Entertainment Weekly. “Trabalhamos duro para não decepcionar os fãs dos dois primeiros filmes, agora você vai poder conhecer muito melhor esse personagem”. Animado com a produção, o ator ainda pontua que “é tão empolgante quando você mesmo cria algo e isso acaba se transformando em uma franquia […] é sempre incrível acompanhar um novo herói e se aventurar junto a ele”.

‘Invasão ao Serviço Secreto’ conta ainda com Jada Pinkett Smith (‘Gotham’), Lance Reddick (‘John Wick 3: Parabellum’), Tim Blake Nelson (‘Quarteto Fantástico’), Piper Perabo (‘Se Joga, Charlie’), Nick Nolte (‘Noé’) e Danny Huston (‘Mulher-Maravilha’) no elenco.

LINKS DOS MATERIAIS
Download Trailer: http://bit.ly/TrailerInvasaoAoServicoSecreto
Pôster: http://bit.ly/PosterInvasaoAoServicoSecreto
Fotos: http://bit.ly/CenasInvasaoAoServicoSecreto
Materiais redes sociais: http://bit.ly/MateriaisInvasaoAoServicoSecreto
Instagram: @imagemfilmes
Facebook: fb.com/imagemfilmes

SINOPSE
Após uma tentativa de assassinato ao presidente dos Estados Unidos (Morgan Freeman), o agente do Serviço Secreto, Mike Banning (Gerard Butler), é injustamente acusado e levado sob custódia. Determinado a provar sua inocência, ele se torna um alvo do FBI à medida em que tenta encontrar o verdadeiro culpado. Ele vai precisar de toda a ajuda possível para proteger sua família e salvar seu país de um ataque sem precedentes.

ELENCO
Gerard Butler
Morgan Freeman
Lance Reddick
Piper Perabo
Jada Pinkett Smith
Nick Nolte
Tim Blake Nelson
Danny Huston
Chris Browning
Michael Landes

FICHA TÉCNICA
Direção: Ric Roman Waugh
Roteiristas: Katrin Benedikt, Robert Mark Kamen, Creighton Rothenberger
Produtores: Gerard Butler, Mark Gill, Matthew O’Toole, Alan Siegel, John Thompson, Les Weldon
Direção de fotografia: Jules O’Loughlin
Direção de arte: Tim Blake, Ivan Ranghelov
Música: David Buckley
Edição: Gabriel Fleming

“Maria do Caritó” estreia em outubro

Lilia Cabral é Maria do Caritó, uma solteirona em busca do amor verdadeiro, no longa dirigido por João Paulo Jabur (‘Salve Jorge’). Produzido pela EH! Filmes, de Elisa Tolomelli, em coprodução com Globo Filmes, Das Geld, Camisa Listrada BH, Naymar, Arafoto e Afinal Filmes, o filme teve seu trailer e pôster oficiais divulgados nesta quinta-feira (13), em comemoração ao Dia de Santo Antônio, o famoso santo casamenteiro… será que agora Maria desencalha? Com estreia prevista para 24 de outubro, a distribuição é assinada pela Imagem Filmes.

O longa é baseado em uma peça homônima, “escrita especialmente para o retorno da atriz Lilia Cabral ao teatro”, como conta o escritor Newton Moreno no início do texto. A comédia dramática ficou cinco anos em cartaz antes de ganhar as telas dos cinemas e foi um verdadeiro sucesso de público. Indicada a seis categorias no Prêmio Shell 2010, a peça ‘Maria do Caritó’ contou ainda com a vitória de Lilia Cabral na categoria de Melhor Atriz no Prêmio Contigo 2011.

Muito popular no nordeste do país, a expressão “ficar no caritó” é utilizada para se referir a alguém que nunca casou e está encalhado. Esta é a história de Maria (Lília Cabral), uma mulher solteirona, que sonha em encontrar o verdadeiro amor. Prometida a um santo que ninguém nunca ouviu falar, ela foi guardada pelo pai para ser entregue virgem a São Djalminha. Parecia que nem um milagre poderia ajudá-la, mas o amor vem de onde menos se espera e, quando uma trupe de circo chega à cidade, Maria descobre que o mundo pode ser muito mais colorido e divertido do que ela imaginava.

O elenco conta ainda com Kelzy Ecard (‘Segundo Sol’), Leopoldo Pacheco (‘O Sétimo Guardião’), Gustavo Vaz (‘O Doutrinador’), Sylvio Zilber (‘Ponte Aérea’) e Juliana Carneiro Da Cunha (‘Assédio’).

LINKS DOS MATERIAIS
Trailer: https://youtu.be/QALPFJD871Y
Download Trailer: http://bit.ly/TrailerMariaDoCarito
Pôster: http://bit.ly/PosterMariaDoCarito
Fotos: http://bit.ly/CenasMariaDoCarito
Instagram: @imagemfilmes

SINOPSE
Cansada da vida solitária que leva, Maria (Lilia Cabral) sonha em encontrar um verdadeiro amor. Prometida pelo pai para ser entregue virgem a São Djalminha, um santo de quem ninguém nunca ouviu falar, só mesmo um milagre poderia ajudar. A única certeza que Maria tem é que, custe o que custar, ela precisa desencalhar e sair de uma vez desse Caritó.

ELENCO
Lília Cabral – Maria do Caritó
Kelzy Ecard – Fininha
Gustavo Vaz – Anatoli
Leopoldo Pacheco – Coronel
Fernando Zylber – Pai
Juliana Carneiro da Cunha – Teodora
Fernando Sampaio – Fonsequinha
Alice Assef – Noiva ex-defunta
Larissa Bracher – Cigana
Priscila Steinman – Ingênua
Fernando Neves – Monsenhor

FICHA TÉCNICA
Produtora: Elisa Tolomelli
Diretor: João Paulo Jabur
Produtor Associado: José Alvarenga Jr.
Roteiristas: José Carvalho e Newton Moreno
Diretor de Fotografia: André Horta
Produtora Executiva: Thais Mello
Diretor de Arte: Sérgio Silveira
Figurinista: Rô Nascimento
Técnico de Som: Toninho Muricy
Montadora: Nina Galanternick
Diretora de Produção: Bianca Canedo
Trilha Original: Sacha Amback
Produção: EH! Filmes
Coprodução: Globo Filmes, Das Geld, Camisa Listrada BH, Naymar, Arafoto e Afinal Filmes
Patrocínio: Energisa
Incentivo: Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais e Fundo Setorial do Audiovisual / Ancine / BRDE
Distribuição: Imagem Filmes

EH! Filmes | Produtora
A EH! Filmes foi fundada em 1994 por Elisa Tolomelli, Produtora Executiva responsável pela produção de grandes sucessos do cinema brasileiro, como Central do Brasil, Cidade de Deus e Lavoura Arcaica. Durante os anos de 1992 a 1996, como Diretora Comercial da Riofilme, Elisa foi responsável pela distribuição de mais de 30 filmes, entre eles “Terra Estrangeira”, de Walter Salles Jr.; “O Menino Maluquinho”, de Helvécio Ratton; e ”Cinema de Lagrimas”, de Nelson Pereira dos Santos. Esta experiência levou à criação da EH! Filmes Distribuidora, em 2013, com o lançamento do longa Noites de Reis, de Vinícius Reis. Seu próximo lançamento será o documentário O Trem da Utopia, de Beth Sá Freire e Fabrizio Mambro.

Globo Filmes | Coprodutora
Desde 1998, a Globo Filmes já participou de mais de 280 filmes, levando ao público o que há de melhor no cinema brasileiro. Com a missão de contribuir para o fortalecimento da indústria audiovisual nacional, a filmografia contempla vários gêneros, como comédias, infantis, romances, dramas e aventuras, apostando na diversidade e em obras que valorizam a cultura brasileira. A Globo Filmes participou de alguns dos maiores sucessos de público e de crítica como ‘Que Horas Ela Volta?’, ‘Tropa de Elite 2’, ‘Se Eu Fosse Você 2’, ‘2 Filhos de Francisco’, ‘O Palhaço’, ‘Getúlio’, ‘Carandiru’, ‘Cidade de Deus’ – com quatro indicações ao Oscar, ‘Os Saltimbancos Trapalhões – Rumo a Hollywood’, ‘Tainá – A Origem, Tainá 2 – A Aventura Continua’, ‘Tudo por um Pop Star’ e Detetives do Prédio Azul – O Filme. Suas atividades se baseiam em uma associação de excelência com produtores independentes e distribuidores nacionais e internacionais.

Das Geld Produções | Coprodutora
A Das Geld foi criada pela atriz Lília Cabral para começar a viabilizar seus projetos pessoais, “Maria do Caritó” é sua primeira coprodução.

Imagem Filmes | Distribuidora
A Imagem é uma distribuidora nacional de filmes independentes comprometida com a qualidade e variedade de produções. Atuando nos segmentos de cinema, vídeo e televisão a distribuidora é responsável pelos lançamentos de grandes produções nacionais, dentre elas, destacam-se os recentes: 10 Segundos para Vencer, Antes que eu me Esqueça, Nise – O Coração da Loucura, Soundtrack, O Rastro, além das produções internacionais: Florence – Quem é Essa Mulher, Café Society, Roda Gigante, Desejo de Matar, e os recentes A Melhor Escolha e Papillon.

A Árvore dos Frutos Selvagens

A ÁRVORE DOS FRUTOS SELVAGENS é uma co-produção da Turquia, França, Alemanha, Bulgária, Bósnia, Katar e Suécia, na qual o diretor turco Nuri Bilge Ceylan olha o seu país para falar sobre a maioridade, lirismo e alegria. O filme, repleto de filosofia, religião, política e dilemas  morais, conta a história de Sinan (Aydin Dogu Demirkol), um aspirante a escritor que retorna à sua aldeia natal, após sua formatura na universidade, com a esperança de juntar o dinheiro que precisa para publicar o seu primeiro livro.

 

O longa aborda temas altamente relevantes, como o papel do artista na sociedade contemporânea, as lutas e as recompensas da vida criativa, a desvalorização da literatura e da aprendizagem, os conflitos entre gerações.












Quando o filme foi exibido na seleção oficial do Festival de Cannes/2018, a Variety chamou A ÁRVORE DOS FRUTOS SELVAGENS de "outro trabalho visualmente rico de Nuri Bilge Ceylan, que constrói elaboradas  peças retóricas de surpreendente densidade". Já o The Hollywood Reporter elogiou o longa como "um olhar  lento e denso sobre a Turquia de hoje, que troca o habitual lirismo de Ceylan por uma abordagem mais  realista, que parece ligada a eventos contemporâneos ".

Sobre o diretor | Nuri Bilge Ceylan

O cineasta turco Nuri Bilge Ceylan  nasceu em Istambul em 1959. Em 1976 começou a estudar engenharia em um contexto de forte agitação estudantil e polarização política. Sua paixão por imagem o motivou a entrar no clube de fotografia da universidade, também desenvolvendo o interesse por artes visuais e música clássica. Começou a ter aulas livres de cinema e a frequentar a Cinemateca de Istambul até a sua formatura. Logo após, viajou para Londres e Kathmandu, retornando a Istambul para cumprir o serviço militar. Passou dois anos estudando cinema na Universidade Mimar Sinan e passou a trabalhar como fotógrafo profissional e em várias funções no cinema até realizar seu primeiro curta, Koza, selecionado para Cannes/1995, sendo o primeiro filme turco a participar do Festival. Logo após, Ceylan realizou sua trilogia provinciana com os filmes Kasaba (1997), Nuvens De Maio (1999) e Distante (2002), com o qual ganhou o Gran Prix e melhor ator (para os dois protagonistas) em Cannes. Em todos esses filmes, Ceylan assina roteiro, direção de fotografia, produção, edição e direção. Seus longas subsequentes foram todos premiados no Festival de Cannes: Climas (2006), vencedor do prêmio Fipresci, Três Macacos (2008), palma de ouro de melhor diretor, Era Uma Vez Na Anatólia (2011), Grande Prêmio do Júri, e Sono De Inverno (2014), Palma de Ouro de Melhor Filme e Prêmio FIPRESCI. A Árvore Dos Frutos Selvagens é o oitavo longa do diretor Nuri Ceylan.

 

 

++++++++++++

 

A Árvore dos Frutos Selvagens (Ahlat Agaci)

Turquia/França/ Alemanha/Bulgária, ficção, 2018, cor, 188 min

Direção | MontagemNuri Bilge Ceylan

Roteiro: Akin Aksu, Ebru Ceylan, Nuri Bilge Ceylan

Fotografia: Gökhan Tiryaki

 

Produtor: Zeynep Özbatur Atakan

Produção: Zeyno Film, Memento Films Production, Detail Film, Rff International, Sisters And Brother Mitevski, 2006 Produkcija Sarajevo, Film I Vast, Chimney Pot

 

Elenco: Aydin Dogu Demirkol, Murat Cemcir, Bennu Yildirimlar, Hazar Ergüçlü, Serkan Keskin, Tamer Levent

 

Sinopse: Sinan é apaixonado por literatura e quer ser escritor. De volta à aldeia onde nasceu, ele se empenha de coração e alma para juntar o dinheiro que precisa e publicar A Árvore dos Frutos Selvagens, seu primeiro livro, mas o seu pai está endividado.

 

Distribuição: Fênix | Mostra

++++++++++++

Animação com João Guilherme e longa sobre o poder da fé são os próximos destaques da Imagem Filmes

Com grande expressão online, “Corgi: Top Dog” e “Eu Acredito” são os próximos destaques na programação da Imagem Filmes e tiveram novas datas de estreia anunciadas. A animação dublada por João Guilherme agora chega aos cinemas em 30 de maio e o longa religioso tem sua estreia marcada para 6 de junho.

Na animação “Corgi: Top Dog”, todos os cachorros do Palácio sonham em se tornar o Top Dog, o queridinho da Rainha, mas esse não é um posto fácil de se conquistar. Este posto atualmente é ocupado por Rex (João Guilherme), o mais fofo e bagunceiro de todos os Corgis. Mesmo sempre se metendo em confusão, ele leva uma vida cheia de regalias, com direito a muita geleia real e carinhos na barriga, o que desperta a inveja dos outros cachorros da Rainha. “Eu tenho certeza que vocês vão adorar”, afirma o ator e cantor João Guilherme, que empresta sua voz ao personagem principal. O filme conta com direção de Ben Stassen (“Big Pai, Big Filho”) e Vincent Kesteloot (“As Aventuras de Robinson Crusoé”) e roteiro assinado pela dupla Rob Sprackling e Johnny Smith (“Gnomeu e Julieta”).

Em “Eu Acredito”, acompanhamos uma emocionante história sobre a descoberta da fé. Brian (Rowan Smyth) é um garoto de apenas nove anos de idade, que tem um enigmático encontro com Deus e passa a buscar mais informações sobre quem Ele é e qual a sua importância. À medida em que sua fé cresce, o garoto começa a encontrar obstáculos em diversos lugares, a começar por sua própria casa, já que seu pai, Simon (Matt Lindquist), não crê em Deus e está criando seu filho para ser como ele. Felizmente, Brian encontra apoio no pastor de uma igreja local e em um fuzileiro naval dos EUA, que o ajudam na sua jornada. “Este maravilhoso filme centra-se na fé e em defender a palavra de Deus. Temos o prazer de lhe conceder nosso Selo Family-Friendly para todas as idades. Este filme prova que a fé infantil traz grandes resultados!”, afirmam Jurgen Peretzki e David Outten da The Dove Foundation.

LINKS DOS MATERIAIS
Media kit Corgi: Top Dog: http://bit.ly/MateriaisCorgiTopDog
Media kit Eu Acredito: http://bit.ly/MateriaisEuAcredito

SINOPSE CORGI: TOP DOG
A Rainha Elizabeth é apaixonada por cães da raça Corgi e, dentre os que vivem no Palácio, Rex (João Guilherme) é o seu queridinho. Acostumado com as mordomias da realeza, tudo muda quando ele cai na armadilha de um outro cachorro que quer tomar o seu lugar. Preso no canil da cidade, ele agora vai precisar de toda a ajuda que conseguir para voltar ao Palácio e retomar seu lugar como o favorito da Rainha.

SINOPSE – EU ACREDITO
Uma emocionante história sobre a descoberta da fé. Brian, tem apenas nove anos de idade, quando vive um encontro sobrenatural com Deus, uma experiência que o leva a uma aventura para descobrir mais sobre o que os cristãos acreditam. A fé pura e inocente de Brian resulta em milagres extraordinários, que rapidamente se tornam notícia na cidade.