“Instinto” estreia esta quinta-feira

Título Original: Instinct
Direção: Halina Reijn
Roteiro: Halina Reijn, Esther Gerritsen
Elenco: Carice van Houten, Marwan Kenzari, Marie-Mae van Zuilen
Distribuição: A2 Filmes

Sinopse: Nicoline, uma psicóloga experiente, inicia um novo emprego em uma instituição penal, apesar de ter decidido nunca mais voltar à psiquiatria. Ela conhece Idris, um homem inteligente com um distúrbio de personalidade antissocial e narcisista, que cometeu uma série de crimes sexuais graves. Após cinco anos de tratamento, ele está prestes a ter sua primeira saída em liberdade condicional desacompanhada. A equipe de profissionais da instituição está entusiasmada com o desenvolvimento e comportamento do condenado, mas Nicoline não confia nele nem um pouco. Ela tenta adiar a soltura, para o espanto de seus colegas de trabalho. Idris tenta ao máximo convencer Nicoline de suas boas intenções, mas, como ela permanece cética, ele vai ficando gradualmente mais violento em relação a ela, transformando-se em um homem manipulador – o que Nicoline viu nele desde o começo. Um jogo de poder surge entre os dois e Nicoline, apesar de seu conhecimento e experiência, deixa-se envolver, e acaba em uma situação muito tensa e perigosa. INDICADO PELA HOLANDA AO OSCAR 2020 – MELHOR FILME ESTRANGEIRO.

Maria e João: O Conto das Bruxas

Desta vez, as migalhas nos guiarão por um caminho muito mais sombrio e perturbador. Estrelado por Sophia Lillis (‘It: A Coisa’), ‘Maria e João: O Conto das Bruxas’ chega aos cinemas nacionais em 20 de fevereiro, explorando a aterrorizante origem do clássico conto de João e Maria. O terror, que conta ainda com Alice Krige (‘Star Trek’) e Charles Babalola (‘Black Mirror’) no elenco, acaba de ter seu trailer oficial nacional divulgado.

Durante um período de escassez, Maria (Sophia Lillis) e seu irmão mais novo, João (Sammy Leakey), saem de casa e partem para a floresta em busca de comida e sobrevivência. “É bastante fiel à história original, o filme tem três personagens principais: João, Maria e a Bruxa”, afirma o diretor Oz Perkins. Sophia Lillis, que despertou a atenção do grande público como Beverly, em ‘It: A Coisa’, dará vida à Maria no longa. Sobre o papel, Sophia afirma ter ficado muito animada com o convite. “Eu sabia desde o roteiro que este seria um ótimo filme […] Eu gosto de papéis com um lado sombrio; é interessante tentar desvendar essa mentalidade.” Gravado na Irlanda, o filme contou com locações como um pavilhão de caça abandonado que, segundo a crença local, era frequentado pelo Diabo.

 

Sinopse

Desta vez, as migalhas nos guiarão por um caminho muito mais sombrio e perturbador. Durante um período de escassez, Maria (Sophia Lillis) e seu irmão mais novo, João (Sammy Leakey), saem de casa e partem para a floresta em busca de comida e sobrevivência. É quando encontram uma senhora (Alice Krige), cujas intenções podem não ser tão inocentes quanto parecem, que eles descobrem que nem todo conto de fadas tem final feliz.

ANIME: O Fantástico mundo das animações japonesas

A mostra ANIME: O FANTÁSTICO MUNDO DAS ANIMAÇÕES JAPONESAS chega ao Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo, de 12 a 24 de fevereiro, com exibição de filmes e debates gratuitos. Os ingressos para as sessões devem ser retirados na bilheteria a partir de uma hora antes.

A mostra, realizada com recursos da Lei de Incentivo à Cultura, apresentada pelo Ministério da Cidadania e pelo Centro Cultural Banco do Brasil e com patrocínio do Banco do Brasil, vai celebrar a cultura japonesa e o legado dos animes na história da animação mundial. Serão exibidos 15 filmes, clássicos e animações premiadas, de ação, aventura, ficção científica e comédia

Esta é uma oportunidade única para o público paulistano se aprofundar nesta arte, que encanta crianças e adultos e reúne centenas de fãs. A curadora Juliana Melo ressalta que “a Mostra ANIME: O Fantástico Mundo das Animações Japonesas propõe um panorama da produção de longas-metragens anime. Com uma mistura de clássicos conhecidos do público e referenciados no mundo, como “Ghost in the Shell: o Fantasma do Futuro” e “Akira”, títulos de diretores consagrados, como “Vidas ao Vento”, de Hayao Miyazaki, e “Paprika”, de Satoshi Kon, além de obras populares baseadas em franquias de videogames e mangás, a mostra explora a diversidade dessas fantásticas animações”.

Além das exibições, haverá um debate sobre o filme “As Memórias de Marnie, ancestralidade e solidão” com a crítica de cinema, roteirista e jornalista cultural Lorenna Montenegro no dia 19/02, após a sessão (que terá legenda descritiva) do filme que começa às 18h. O filme, uma das últimas produções do renomado Estúdio Ghibli, foi indicado ao Oscar de Melhor Animação em 2016 e recebeu diversos prêmios em festivais pelo mundo.

Já no dia 21/02 o debate será sobre a obra “Akira” com Cinthia Saty Fuji, ilustradora, quadrinista e artista de desenvolvimento visual para animação, curtas e longas, também após a sessão das 18h. “Akira”, de Katsuhiro Ôtomo, marcou uma geração quando foi lançado no final dos anos 1980, ao extrapolar as barreiras orientais e dos fãs e apresentar para o mundo a arte do anime. Na história, dois adolescentes de uma gangue de Tóquio acabam envolvidos em um projeto ultrassecreto do governo.

A mostra ANIME: O FANTÁSTICO MUNDO DAS ANIMAÇÕES JAPONESAS tem curadoria e idealização de Juliana Melo e produção da Villa-Lobos Produções.

still-filme-AKIRA
Akira
CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA 

12/02 – quarta-feira 
16h – Padrinhos de Tóquio – 12 anos
19h30 – Ghost in the Shell – 14 anos

13/02 – quinta-feira 
16h – A Tartaruga Vermelha – livre
19h – Hunter x Hunter: Phantom Rouge – 12 anos

14/02 – sexta-feira 
16h – Paprika – 14 anos
19h – Vidas ao Vento – 12 anos

15/02 – sábado 
14h45 – Pop in Q – livre
17h – Hunter x Hunter: The Last Mission – 14 anos
19h – Akira – 14 anos

16/02 – domingo 
14h – A Tartaruga Vermelha – livre
16h – Kappa: O Duende do Rio Sampei – livre
18h – O Conto da Princesa Kaguya – livre

17/02 – segunda-feira 
16h – The Sky Crawlers: Eternamente (sessão com audiodescrição) – 12 anos
19h – The Sky Crawlers: Eternamente – 12 anos

19/02 – quarta-feira 
16h – 5 Centímetros por Segundo – livre
18h – As Memórias de Marnie (sessão com legendagem descritiva, seguida de debate) – 10 anos

20/02 – quinta-feira 
16h – O Lugar Prometido em Nossa Juventude – 12 anos
19h – O Conto da Princesa Kaguya – livre

21/02 – sexta-feira 
16h – Ghost in the Shell – 14 anos
18h – Akira (sessão seguida de debate) – 14 anos

22/02 – sábado 
10h – Pop in Q – livre
12h30 – Hunter x Hunter: Phanton Rouge – 12 anos
14H30 – Vidas ao Vento – 12 anos

23/02 – domingo 
10h – Hunter x Hunter: The Last Mission – 14 anos
12h30 – O Lugar Prometido em Nossa Juventude – 12 anos
14h30 – Padrinhos de Tóquio – 12 anos

24/02 – segunda-feira 
13h – 5 Centímetros por Segundo – livre
15h – Paprika – 14 anos

LISTA DE FILMES  
(organizada por ordem alfabética)

5 Centímetros por Segundo (Byôsoku 5 senchimêtoru) 
Direção: Makoto Shinkai, 1h03, 2007
Classificação Indicativa: Livre
Sinopse: Contada em três segmentos interligados, entre o início dos anos 1990 e 2007, um jovem chamado Takaki Tono e sua melhor amiga Akari Shinohara moram em Tóquio. Devido a mudanças no trabalho de seu pai, Akari acaba se transferindo de cidade com sua família, mas os dois lutam para manter um contato através de cartas. Seus desencontros são constantes e os dois acabam se afastando com o tempo, deixando apenas as memórias de momentos juntos. Novas pessoas surgem em suas vidas, mas Takaki não se esquece de Akari que, mesmo com o tempo passando, tem a esperança de encontrá-la novamente.

A Tartaruga Vermelha (La tortue rouge)  
Direção: Michael Dudok de Wit, 1h20, 2016
Classificação Indicativa: Livre
Sinopse: Após sobreviver a um naufrágio, um homem se vê em uma ilha completamente deserta. Lá ele consegue manter-se por meio da pesca e tenta construir uma jangada que lhe permita deixar o local. Só que, sempre que ele parte com a embarcação, ela é destruída por um ser misterioso. Logo ele descobre que a causa é uma imensa tartaruga vermelha, com quem manterá uma relação inusitada.

Akira  
Direção: Katsuhiro Ôtomo, 2h04, 1988
Classificação Indicativa: 14 anos
Sinopse: Uma grande explosão fez com que Tóquio fosse destruída em 1988. Em seu lugar foi construída Neo Tóquio, que, em 2019, sofre com atentados terroristas por toda a cidade. Kaneda e Tetsuo são amigos que integram uma gangue de motoqueiros. Eles disputam rachas violentos com uma gangue rival, os Palhaços, até que um dia Tetsuo encontra Takashi, uma estranha criança com poderes que fugira do hospital onde era mantido como cobaia. Tetsuo é ferido no encontro e antes de receber a ajuda dos amigos é levado por integrantes do exército, liderados pelo coronel Shikishima. A partir de então Tetsuo passa a desenvolver poderes inimagináveis, o que faz com que seja comparado ao lendário Akira, responsável pela explosão de 1988. Paralelamente, Kaneda se interessa por Kei, uma garota envolvida com espiões que tenta decifrar o enigma por trás das cobaias controladas.

As Memórias de Marnie (Omoide no Mânî) 
Direção: James Simone, Hiromasa Yonebayashi, 1h43, 2014
Classificação Indicativa: 10 anos
Sinopse: Anna é uma garota muito solitária que vive com seus pais adotivos e não tem amigos. Ao se mudar para uma cidade do interior, acaba se tornando amiga de Marnie que, na verdade, não é bem aquilo que aparenta ser. A amizade das duas vai bem até que um dia Marnie desaparece misteriosamente. Algum tempo depois, uma nova família se muda para casa onde ela vivia e Anna acaba fazendo amizade com as pessoas de lá, e vai descobrir coisas muito estranhas sobre sua amiga.

Ghost in the Shell: O Fantasma do Futuro (Kôkaku Kidôtai)  
Direção: Mamoru Oshii, 1h23, 1995
Classificação Indicativa: 14 anos
Sinopse: Major Motoko é agente cibernética e líder da unidade do serviço secreto Esquadrão Shell. Formado pelo governo para combater a onda de crimes, eles são informados de que um famoso criminoso, “expert” em computadores, está no Japão. O suspeito é conhecido apenas pelo codinome “Mestre Marionete”.

Hunter x Hunter: Phantom Rouge  
Direção: Yûzô Satô, 1h37, 2013
Classificação Indicativa: 12 anos
Sinopse: Kurapika se tornou um Hunter para se vingar do Genei Ryodan, que havia massacrado seu clã e roubado seus olhos. Os olhos do clã Kuruta se tornam escarlate em horas de perigo ou agitação emocional e são considerados os mais bonitos tesouros do mundo. Kurapika continua a perseguir o Genei Ryodan, mas um desconhecido rouba os seus olhos. Com a ajuda de Gon, Killua e Leorio, a vida de Kurapika foi salva. No entanto, o Genei Ryodan aparece diante deles e fica em seu caminho. A verdadeira identidade daquele que tem o Nº 4 da aranha tatuada está prestes a ser revelada.

Hunter x Hunter: The Last Mission  
Direção: Keiichirô Kawaguchi, 1h37, 2013
Classificação Indicativa: 14 anos
Sinopse: Em meio à Batalha Olímpia, torneio que reúne os mestres de andar da Arena Celestial para decidir quem ficará no topo, surge uma nova ameaça. Os descendentes de um grupo que era a face oculta da Associação Hunter tomam a Arena Celestial e exigem a publicação de todas as missões secretas executadas por eles sob ordens da Associação. Seu líder, um velho conhecido do Presidente, quer o fim de todos os Hunters e conta com um poder contrário ao Nen e que se pensava estar extinto, o On.

Kappa: O Duende do Rio e o Sampei (Kappa no Sampei)  
Direção: Toshio Hirata, 1h30, 1994
Classificação Indicativa: Livre
Sinopse: Sampei vive com seu avô. Seu colega de escola chama Sampei de “duende do rio”. Um dia, enquanto ele estava praticando secretamente para a competição de natação no rio, é capturado. Quando retoma sua consciência, percebe que está agora na terra dos duendes. Sampei faz amizade com o duende Gartalow, que parece ser idêntico ao Sampei, e eles decidem fugir da terra de duendes juntos e retornar para a aldeia de Sampei.

O Conto da Princesa Kaguya (Kaguyahime no monogatari)  
Direção: Isao Takahata, 2h17, 2013
Classificação Indicativa: Livre
Sinopse: Esta animação é baseada no conto popular japonês “O corte do bambu”. Kaguya era um minúsculo bebê quando foi encontrada dentro de um tronco de bambu brilhante. Passado o tempo, ela se transforma em uma bela jovem que passa a ser cobiçada por cinco nobres, dentre eles o próprio Imperador. Mas nenhum deles é o que ela realmente quer. A moça envia seus pretendentes em tarefas aparentemente impossíveis para tentar evitar o casamento com um estranho que não ama. Mas Kaguya terá que enfrentar seu destino e a punição por suas escolhas.

O Lugar Prometido em Nossa Juventude (Kumo No Muko, Yakusoku No Basho)  
Direção: Makoto Shinkai, 1h31, 2007
Classificação Indicativa: 12 anos
Sinopse: Em uma história suplente do rescaldo da Segunda Guerra Mundial, o Japão foi separado pela metade, com o sul Honshu e as outras ilhas aliados aos Estados Unidos e ao norte da ilha Hokkaido anexada pela União enigmática. Foi em Hokkaido que uma misteriosa torre tinha sido construída, uma vertente de metal até chegar fora da atmosfera, visíveis a partir da ponta norte de Honshu. Em 1996, três adolescentes, Hiroki, Takuya e Sayuri, fazem um pacto que vão construir uma aeronave experimental de vigilância, quase invisível, que atravesse a Hokkaido e desvende os segredos da torre. O seu sonho nunca foi concretizado, porque Sayuri foi enviado à Tóquio para tratamento e logo depois entra em coma. Agora, três anos mais tarde, as ilusões da juventude podem ter passado, mas não a inquebrável força do trio e da promessa. A verdade da torre será descoberta e com ela a ligação entre eles e os mistérios da Sayuri.

Padrinhos de Tóquio (Tôkyô goddofâzâzu)  
Direção: Satoshi Kon e Shogô Furuya, 1h33, 2003
Classificação Indicativa: 12 anos
Sinopse: Hana, uma ex- drag queen, Gin, um antigo ciclista alcoólatra, e Miyuki, uma adolescente fugitiva, são três sem teto que em sua tumultuada existência encontram um bebê abandonado no dia de Natal. Os três resolvem peregrinar em busca de solucionar o mistério e encontrar os pais da criança antes da chegada do ano novo. Durante a busca, deparam-se com fatos ocultos sobre o passado, os quais são forçados a confrontar e, ao mesmo tempo, aprendem a enfrentar o futuro juntos.

Paprika (Paprika)  
Direção: Satoshi Kon, 1h30, 2006
Classificação Indicativa: 14 anos
Sinopse: Num futuro próximo, o Dr. Tokita (Tôru Furuya) inventa um poderoso aparelho chamado DC-Mini, que torna possível o acesso aos sonhos das pessoas. Sua colega, a Dra. Atsuko Chiba (Megumi Hayashibara) – psicoterapeuta e pesquisadora de ponta – desenvolve um tratamento psiquiátrico revolucionário a partir do aparelho. Mas, antes de seu uso ser sancionado pelo governo, o DC-Mini é roubado. Quando vários dos pesquisadores do laboratório começam a enlouquecer e a sonhar em estado de vigília, Atsuko assume seu alter-ego, Paprika, a “detetive de sonhos”, para mergulhar no mundo do inconsciente e descobrir quem está por trás da tragédia.

Pop in Q  
Direção: Naoki Miyahara, 1h35, 2016
Classificação Indicativa: Livre
Sinopse: A história desenrola-se em torno de cinco meninas preocupadas com o seu dia a dia. Elas se encontraram num mundo de fantasia após certo incidente. Nesse mundo ficam sabendo sobre a crise iminente que o mundo vai enfrentar e a única maneira de evitar esta crise é colaborarem e unirem os seus cinco corações através da dança.

The Sky Crawlers: Eternamente (Sukai kurora)  
Direção: Mamoru Oshii, 2h02, 2008
Classificação indicativa: 12 anos
Sinopse: Um grupo de pilotos de caça eternamente jovens, conhecidos como ‘Kildren’, vivencia a repentina perda da inocência quando tem que lutar contra o inimigo em assustadoras batalhas aéreas. O treinamento de voo intensivo é a única memória da infância do destemido piloto adolescente Yuichi, em cuja vida as batalhas aéreas convivem com a luta para descobrir mais sobre seu passado esquecido. Quando Suito, sua linda comandante, reluta em discutir o destino do piloto que Yuichi está substituindo – ou as condições estranhamente perfeitas do avião que era de tal piloto – a curiosidade de Yuichi aumenta ainda mais.

Vidas ao Vento (Kaze Tachinu)  
Direção: Hayao Miyazaki, 2h06, 2013
Classificação indicativa: 12 anos
Sinopse: Jiro Horikoshi vive em uma cidade do interior do Japão. Um dia, ele começa a desejar voar em um avião com formato de pássaro. A partir desse desejo, ele decide que construir um avião e colocá-lo no ar é a meta da sua vida. Durante a busca pelo seu sonho ele conhece Naoko, uma jovem encantadora por quem se apaixona. No entanto, algo horrível ocorre e o futuro do casal fica ameaçado.

SERVIÇO 
MOSTRA ANIME: O FANTÁSTICO MUNDO DAS ANIMAÇÕES JAPONESAS 
Realização: Centro Cultural Banco do Brasil
Local: Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo – Cinema
Data: de 12 a 24 de fevereiro de 2020
Consulte a programação nas redes sociais do CCBB SP ( em breve )

Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo 
Rua Álvares Penteado, 112 – Centro Histórico, Triângulo SP, São Paulo–SP
Aberto todos os dias, das 9h às 21h, exceto às terças
Acesso ao calçadão pela estação São Bento do Metrô
Informações: (11) 4298-1260

bb.com.br/cultura | twitter.com/ccbb_sp | facebook.com/ccbbsp | instagram.com/ccbbsp
ccbbsp@bb.com.br

Acesso e facilidades para pessoas com deficiência | Ar-condicionado | Cafeteria e Restaurante | Loja

Estacionamento conveniado: Rua da Consolação, 228.
Traslado gratuito até o CCBB (aprox. 10 min), das 14h às 23h.
No trajeto de volta, a van tem parada na estação República do Metrô.
Valor: R$ 14 pelo período de até 6 horas. É necessário validar o ticket na bilheteria do CCBB.

Tarde para morrer jovem

Depois de ser exibido em diversos festivais internacionais, TARDE PARA MORRER JOVEM, da diretora chilena Dominga Sotomayor, estreia em circuito comercial no Brasil em 27 de fevereiro. Por esta obra, a diretora foi a primeira mulher a receber o prêmio de Melhor Direção no Festival de Locarno 2018. O longa é produzido pela brasileira RT Features, de Rodrigo Teixeira, e tem distribuição da Pandora Filmes.

Na trama, com a volta da democracia ao Chile nos anos 1990, um grupo de famílias que vive em uma comunidade isolada aos pés dos Andes busca construir um novo mundo distante dos excessos urbanos. O filme acompanha a rotina dessas famílias e o amadurecimento das crianças e adolescentes que precisam lidar com os primeiros amores, desejos e medos, enquanto preparam uma grande festa de Ano Novo.

De acordo com a diretora, a inspiração para TARDE PARA MORRER JOVEM surgiu quando encontrou uma fita VHS, do início dos anos 1990, com cenas de uma queimada que se espalhava por uma pequena comunidade que vivia em contato com a natureza. Domingas, com cinco anos, havia se mudado para lá com os pais há poucos meses. Ela conta que não se lembrava com clareza daquele dia, mas que ao ver as imagens se deu conta da vulnerabilidade daquele universo, que parecia tão idílico, e das pessoas que tentavam controlar as chamas. “O filme me trouxe a possibilidade de olhar para um tempo distante, que não parece mais possível atualmente. Ele retrata um grupo de pessoas que escolheu viver longe da cidade, em contato com a natureza mas que ao mesmo tempo é ameaçada por ela. Eles estão confinados num exílio auto-imposto onde encaram suas próprias naturezas”.

Em dezembro de 1989, o general Augusto Pinochet foi derrubado do poder pelas primeiras eleições democráticas do Chile, desde a instauração da ditadura militar. “Este verão, logo após nos mudarmos para a comunidade aos pés dos Andes, foi um momento muito particular, de transição, cheio de expectativas e ilusão de um novo início. Mas, procurei omitir no filme tudo de concreto e político daquele tempo, retratando um verão muito particular, mas que ao mesmo tempo poderia ser qualquer verão”, comenta Domingas.

É um filme sobre crescer num momento de mudanças significativas e, para mim, isso tem a ver com a nostalgia e desmistificação de um período. É uma história de amadurecimento – dos personagens jovens e de uma sociedade, o Chile, que estava machucado depois da ditadura. Eu queria explorar a desconfortável relação entre as gerações e classes para capturar a sabedoria das crianças, a tolice dos adultos e a estranha melancolia de crescer”, explica.

TARDE PARA MORRER JOVEM é o terceiro longa-metragem de Domingas Sotomayor. O primeiro, De Jueves a Domingo, recebeu o prêmio Tiger Award em Roterdã e foi exibido em mais de 100 festivais ao redor do mundo. No ano de 2013 codirigiu The Island, que também foi premiado no festival holandês, e em 2015 estreou o média-metragem MAR na mostra Forum do Festival de Berlim.

Além de Locarno, onde foi premiado, TARDE PARA MORRER JOVEM foi exibido em importantes festivais do mundo, como 43rd Toronto International Film Festival, 56th New York Film Festival, 62nd BFI London Film Festival, 56th Viennale, Vienna International Film Festival e 54th Chicago International Film Festival. No Brasil, foi exibido na 42ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo e no Festival do Rio de 2018.

SINOPSE 
Durante o verão de 1990 no Chile, com a crescente liberdade que se seguiu ao fim da ditadura, um pequeno grupo de famílias que vive em uma comunidade isolada aos pés dos Andes busca construir um novo mundo longe dos excessos urbanos. Nessa época de mudanças e reavaliações, Sofía, Lucas e Clara lidam com seus primeiros amores, desejos e medos, enquanto se preparam para a grande festa de Ano Novo. Melhor direção no Festival de Locarno 2018.

FICHA TÉCNICA 
TARDE PARA MORRER JOVEM (Tarde para morir joven) 
Direção: Dominga Sotomayor
Elenco: DEMIAN HERNÁNDEZ, ANTAR MACHADO, MAGDALENA TÓTORO, MATÍAS OVIEDO, ANTONIA ZEGERS
Producão: CINESTACIÓN, RT FEATURES, RUDA CINE, CIRCE FILMS
Ano: 2018
Gênero: Drama
Países: Chile, Brasil, Argentina, Holanda e Qatar

FESTIVAIS  
● 43rd Toronto International Film Festival
● 56th New York Film Festival
● 62nd BFI London Film Festival
● 54th Chicago International Film Festival
● 2nd Pingyao International Film Festival
● 56th Viennale, Vienna International Film Festival
● 42nd São Paulo International Film Festival
● 2nd El Gouna Film Festival
● 24th Sarajevo Film Festival
● 14th Santiago International Film Festival
● 26th Filmfest Hamburg
● 15th Reykjavik International Film Festival
● 26th Hamptons International Film Festival
● 41st Mill Valley Film Festival
● 47th Festival du nouveau cinéma
● 51st Viña del Mar International Film Festival

SOBRE A DIRETORA 
Domingas Sotomayor estudou Direção Audiovisual na Universidade Católica do Chile e tem mestrado em Direção na ESCAC de Barcelona. Ela desenvolveu seu primeiro filme De Jueves a Domingo na residência Cannes Cinéfondation. O filme ganhou o Tiger Award em Roterdã e foi exibido em mais de 100 festivais. Em  2013 ela codirigiu The Island, que também ganhou o prêmio Tiger.

Em 2015 estreou seu média-metragem Mar no Fórum da Berlinale e o filme coletivo  Here
in Lisbon, produzido pelo Indielisboa. Ela trabalhou em vídeos e fotografias para exibições de artes visuais, como Little Sun (de Olafur Eliasson, 2012) no museu Tate Modern em Londres.

Em 2009 ela co-fundou a Cinestación, uma empresa de produção baseada em Santiago onde ela produz outros autores e cineastas na América Latina. Recentemente, esteve envolvida com Los Fuertes, de Omar Zúñiga (em pós-produção), Murder me, Monster, de Alejandro Fadel, que estreou na mostra Un Certain Regard nos Festival de Cannes de 2018, e Raging Helmets, de Neto Villalobos. Ela também co-fundou o CCC, Centro de Cinema e Criação, um centro cultural e cinema de arte em Santiago, Chile.

SOBRE A RT FEATURES 
Criada e dirigida por Rodrigo Teixeira, a RT Features tem em seu currículo de produções brasileiras longas-metragens como O Cheiro do Ralo (2006), O Abismo Prateado (2010), Tim Maia (2014), Alemão (2014), O Silêncio do Céu (2016) e a série O Hipnotizador (para a HBO Latin America em 2015).

No mercado internacional, RT produziu os longas Frances Ha (2013), O amor é estranho (2014), Love (2015), Mistress America (2015), A Bruxa (2016), Patti Cake$ (2017) e Me chame pelo seu nome (2017), indicado ao Oscar em quatro categorias e vencedor na de melhor roteiro adaptado.

Dedicado a trabalhar com jovens diretores de talento desde a criação de sua empresa, a RT formou uma joint venture com a Sikelia Productions, produtora de Martin Scorsese, com o objetivo de realizar filmes de cineastas emergentes em todo o mundo. O primeiro longa-metragem da parceria, Ciganos da Ciambra (2017), estreou no Festival de Cannes de 2017, na Quinzena dos Realizadores, e o segundo filme, Port Authority, também foi selecionado pelo festival, dessa vez para a mostra Un Certain Regard em 2019.

No Brasil, recentemente produziu o longa-metragem A Vida Invisível, de Karim Aïnouz, que foi exibido no último Festival de Cannes, onde recebeu o prêmio de melhor filme na mostra Um Certo Olhar. No mesmo ano, estreou ainda um terceiro longa-metragem no mesmo festival: com Willem Dafoe e Robert Pattinson, The Lighthouse, de Robert Eggers, esteve na Quinzena dos Realizadores e levou o FIPRESCI – Prêmio da Crítica Internacional – de melhor filme.

No festival de Veneza 2019, apresentou os filmes Wasp Network, de Olivier Assayas, com Penélope Cruz, Gael Garcia Bernal e Wagner Moura e Ad Astra, novo filme de James Gray, protagonizado por Brad Pitt. O filme foi aclamado pela crítica internacional e estreou em setembro nos cinemas.

SOBRE A PANDORA FILMES 
A Pandora é uma distribuidora de filmes independentes que há 30 anos busca ampliar os horizontes da distribuição de filmes no Brasil revelando nomes outrora desconhecidos no país, como Krzysztof Kieślowski, Theo Angelopoulos e Wong Kar-Wai, e relançando clássicos memoráveis em cópias restauradas, de diretores como Federico Fellini, Ingmar Bergman e Billy Wilder. Sempre acompanhando as novas tendências do cinema mundial, os lançamentos recentes incluem “O Apartamento”, de Asghar Farhadi, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro; e os vencedores da Palma de Ouro de Cannes: “The Square – A Arte da Discórdia”, de Ruben Östlund e “Parasita”, de Bong Joon Ho.

Paralelamente aos filmes internacionais, a Pandora atua com o cinema brasileiro, lançando obras de diretores renomados e também de novos talentos, como Ruy Guerra, Edgard Navarro, Sérgio Bianchi, Beto Brant, Fernando Meirelles, Gustavo Galvão, Armando Praça, Helena Ignez, Tata Amaral, Anna Muylaert, Petra Costa e Gabriela Amaral Almeida.

Em 2019, a distribuidora criou o projeto Caixa de Pandora que visa programar filmes premiados, escolhidos através de uma cuidadosa curadoria para serem exibidos em salas comerciais da rede Cinépolis, em 20 cidades do Brasil.

“A Maldita” no Festival do Rio

No próximo dia 14 de dezembro, sábado, às 18h, no Estação Net Gávea, o Festival do Rio exibirá pela primeira vez o longa-metragem A Maldita, da cineasta Tetê Mattos, na sessão Première Brasil – Retratos Longa do Festival do Rio. O longa traça a trajetória da Rádio Fluminense FM, considerado um dos mais importantes veículos de comunicação do país que emergiu na década de oitenta, junto com a Geração Rock 80.

 

O filme parte de um olhar sobre a rádio. O longa utiliza um vasto material de arquivo com  áudios dos programas da rádio, imagens em movimento das festas da Fluminense, e imagens do estúdio. O filme também conta com a participação de ouvintes, músicos de várias gerações dos anos 80 e 90, como integrantes da geração Rock 80, da vanguarda paulista, de bandas punk, eletrônico, locutoras, radialistas, e jornalistas e críticos. assina o roteiro do longa é Tetê Mattos e Allan Ribeiro.

 

 

“A Maldita é um desdobramento do curta-metragem que realizei em 2007, e foi premiado no Festival do Rio, como melhor filme pelo voto do público. Como sou niteroiense, sempre me interesso por histórias da minha cidade, e um dia quando entrei na livraria em Niteroi, vi o livro do Luiz Antonio Mello, me veio a ideia de fazer um curta metragem sobre o tema. Depois de anos de pesquisa, o projeto foi contemplado pelo Edital da RioFilme e do Canal Brasil, e traz um pouco do universo cultural da juventude que  cresceu num regime de ditadura militar. A rádio se destaca no momento de abertura política, pois era um veículo de muita liberdade e independência”, afirma a diretora, Tetê Mattos.

O FILME FOI FINANCIADO COM RECURSOS DO EDITAL PROGRAMA DE CHAMADAS PÚBLICAS DE AUDIOVISUAL RIOFILME/SEC 2010-2011. CHAMADA PÚBLICA 005/2010. LINHA DE AÇÃO: PRODUÇÃO DE DOCUMENTÁRIOS PARA TV POR ASSINATURA

 

 

 

Sinopse:

 

 

A MALDITA

Direção Tetê Mattos

80min, 2019

 

 

SINOPSE

No dia 1º de março de 1982 a cidade de Niterói entra para a história ao sediar um dos mais importantes movimentos culturais das últimas décadas no Brasil, a chamada Geração Rock 80. Entra no ar, no dial 94,9 a Rádio Fluminense FM, conhecida como “A Maldita”, que misturava irreverência, ousadia e muita criatividade com a sua programação voltada para uma música carente de espaços comerciais de veiculação. Não só o melhor do rock’n roll nacional e internacional tocava na emissora, mas também eram transmitidas músicas independentes que não encontravam espaços nas rádios comerciais. A ousadia de acreditar no novo, fez com que a ”Maldita” se tornasse um dos principais veículos alternativos de comunicação frente ao padronizado mercado fonográfico, lançando grupos, até então desconhecidos, do rock brasileiro e da música independente.

Por seu caráter de ousadia, e por ser uma “rádio de guerrilha no Brasil” a Fluminense inaugurou uma série de transformações em sua programação e na sua estrutura, como por exemplo o time de locutoras femininas, raros para a época. Adorada por uma juventude urbana que havia crescido sob o regime ditatorial, a rádio ficou no ar até setembro de 1994, deixando órfã uma legião de fãs.

 

Ficha Técnica:

Empresa Produtora: Artifício Cinematográfico e Viralata Produções

Direção: Tetê Mattos

Produção Executiva: Luiz Guimarães de Castro

Roteiro: Tetê Mattos e Allan Robeiro

Direção de Fotografia: Alex Araripe

Direção de Produção: Bernardo Thedim

Som Direto: Toninho Muricy

Montagem: Allan Ribeiro  e Luiz Guimarães de Castro

Direção de Arte: Ana Paula Cardoso

Edição de Som: Luís Eduardo Carmo

Mixagem: Damião Lopes

Videografismo: Renato e Rico Vilarouca, Inácio Freitas

Pesquisa: Remier Lion Rocha

 

 

Serviço: A Maldita

Sessões no Festival do Rio

– 14 de dezembro (sábado) às 18h, no Estação NET Gávea, na rua Marquês de São Vicente, 52 – 4º piso. O filme será exibido na Première Brasil – Retratos Longa do Festival do Rio.

Outras sessões de “A Maldita” no Festival do Rio (venda de ingressos)

Domingo, 15/12/2019 – Estação NET Rio 3

Segunda, 16/12/2019 – Estação NET Gávea 4

“Finalmente Livres” em 12 de dezembro

O longa FINALMENTE LIVRES, de Pierre Salvadori, estreia nesta quinta-feira, dia 12 de dezembro, nas cidades de São Paulo, Porto Alegre, Salvador, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Manaus, Guararapes, Alphaville, Campinas e Jundiai, com distribuição da Califórnia Filmes.

 

Selecionado para a Quinzena dos Realizadores da última edição do Festival de Cannes e exibido no Brasil no Festival Varilux de Cinema Francês, FINALMENTE LIVRES, acompanha a detetive Yvonne que tenta desfazer um engano do passado, causando ainda mais confusão.

Na trama, o jovem Antonie ficou anos na prisão injustamente, por um erro de Santi, o chefe de polícia local. Quando Yvonne, detetive viúva do policial, descobre que seu marido não era a pessoa de bem que ela imaginava, decide ajudar o rapaz a recuperar sua vida. Mas, claro, sem revelar toda a verdade. Enquanto isso, ela precisa encontrar uma maneira de mostrar a seu filho que o pai não era o ideal de homem que ele imagina, sem magoá-lo.

Salvadori, que também é corroteirista do longa, fala sobre a inspiração para o filme: “por um tempo eu pensava em um inocente do tipo Hitchcock, que, saindo da prisão, decide cometer o crime pelo qual foi injustamente condenado. Mas, numa conversa com minha mãe, em que ela me disse ter sempre visto meu pai mais do que ele era, revi o projeto. Resolvi misturar dois temas: o inocente que sai da cadeia e essa mulher que de alguma maneira tenta dizer a seu filho que seu pai era um policial corrupto”.

Yvonne sente-se culpada pelo que aconteceu a Antonie e por seu filho, e com isso, acaba sustentando a mentira, o que sustenta a comédia, na visão do diretor. “As pessoas geralmente acham que sou obcecado por mentiras e máscaras, mas elas são simplesmente uma das maiores forças da comédia e também da vida. O que me interessa são as situações que elas criam”. Ao não falar para Antoine que ela é a esposa do homem que o incriminou e que ela também é policial, ele acredita que ela está interessada nele por outros motivos. Ao esconder a verdade, Yvonne cria desentendimentos e confusão. “E essa é uma ótima eixa para a comédia”, completa Salvadori.

O diretor conta, ainda, que o filme tem também a influência das comedias dos anos 80, que são “estilizadas, coloridas e não convencionais”. “No fim das contas, o tema de FINALMENTE LIVRES talvez seja a importância da ficção e do cinema nas nossas vidas”, finaliza.

SINOPSE  
Em uma cidade na Riviera Francesa, a detetive Yvonne é a jovem viúva do chefe de polícia Santi, um herói local. Quando ela descobre que seu marido não era exatamente o modelo de virtude tão idealizado pelo seu filho, e que o jovem rapaz, Antoine, passou 8 anos na prisão como bode expiatório de Santi, ela é jogada em um redemoinho. Yvonne quer fazer tudo o que ela pode para ajudar o atraente Antoine a recuperar sua vida e sua esposa. Tudo, no caso, menos dizer a verdade. Mas Antoine está tendo problemas em se ajustar a sua vida no outro lado, para dizer o mínimo, e logo perde a cabeça, levando a uma espetacular sequência de eventos.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Pierre Salvadori
Elenco: Adèle Haenel, Pio Marmaï, Audrey Tautou
Gênero: Comédia
País: França
Ano: 2018
Duração: 108 min

“Boca de Ouro” no Festival do Rio

O longa-metragem “Boca de Ouro”, dirigido por Daniel Filho, será exibido na mostra Hors-Concours da Première Brasil do Festival do Rio 2019. O filme terá sessão de gala com a presença do diretor e do elenco no dia 14 de dezembro, sábado, às 19 horas, no Cine Odeon Net Claro. A produção também será exibida no dia 16, segunda, às 18h45, no Cine Roxy.

A adaptação da peça teatral de Nelson Rodrigues, escrita em 1959, tem roteiro de Euclydes Marinho (“A vida como ela é”), produção da Lereby e coprodução da Globo Filmes.

Boca de Ouro conta a história de um temido e respeitado bicheiro, figura quase mitológica no bairro de Madureira (Rio de Janeiro) durante os anos 50. Sua ambição, amores e pecados despertam a curiosidade do jornalista Caveirinha, que procura uma ex-amante do contraventor para colher material para uma reportagem sobre a sua vida.

No elenco estão Marcos Palmeira (Boca de Ouro), Malu Mader (Guigui), Lorena Comparato (Celeste), Thiago Rodrigues (Leleco), Silvio Guindane (Caveirinha), Fernanda Vasconcellos (Maria Luisa), Anselmo Vasconcelos (dentista), Guilherme Fontes (Agenor), entre outros.

Clássico do teatro brasileiro, “Boca de Ouro” estreou nos palcos em outubro de 1960, no Teatro Federação (mais tarde Teatro Cacilda Becker), com direção e atuação de Ziembinski no papel-título. A primeira filmagem ocorreu em 1963, com direção de Nelson Pereira dos Santos e, no elenco, Jece Valadão, Odete Lara e Daniel Filho.