“Dona Mulata e Triunfo”, na Pedra do Sal

Espetáculo que retrata encontros e histórias da zona portuária do Rio, “Dona Mulata e Triunfo” estreia dia 08 de maio, 19h, na Pedra do Sal. Considerado um “Romeu e Julieta às avessas”, Portugal, África e Brasil encontram-se em uma cosmopolita ‘estória’ de amor. A narrativa é uma viagem sem tempo, o percurso dos personagens inicia‐se no tempo da  escravatura, passando pela miscigenação e desaguando na vertiginosa transformação do Brasil atual.
Esta montagem foi pensada a partir do resgate da cultura popular da região portuária do Rio de Janeiro, considerado o maior porto de comércio de escravos do mundo. Com um novo olhar, esta narrativa teatral traz para palco os pormenores esquecidos deste lugar de encontro, expondo em cada cena os desejos e as memórias convocadas pelos dois personagens.
A atriz brasileira Marisa Francisca e o ator da Guiné-Bissau Welket Bungué vão se rebelar das amarras de Cronos e narrar deliciosas estórias sob a direção do português Miguel Pinheiro.

Informações:
Estreia: 08 de maio de 2014
Temporada: De 08 até 18 de maio de 2014 (exceto segundas e sextas)​
Local: Pedra do Sal
Endereço: Rua Argemiro Bulção S/N – Saúde

Horário: 19h

Datas das Apresentações:

QUINTA
08/05

DOMINGO
11/05

TERÇA
13/05

QUARTA

14/05

QUINTA

15/05

SÁBADO

17/05

DOMINGO

18/05


Ingressos: Gratuito
Classificação: Livre
Gênero: Comédia

Disney On Ice, no HSBC Arena

Neste domingo, você ainda pode aproveitar as últimas sessões do “Disney On Ice”. O belo espetáculo da patinação no gelo ocorre em duas sessões: uma às 15 e outra às 19h. Junte-se a Mickey, Minnie, Donald, Pateta e Margarida numa viagem ao mundo mágico da Disney com O Rei Leão, A Pequena Sereia, Peter Pan e Lilo e Stitch. Venha explorar as Terras do Reino com o Simba, Timão e Pumba; viajar ao fundo do mar com a Ariel e todos os seus amiguinhos aquáticos; passear por Londres com Peter Pan e Wendy, antes de voar para a Terra do Nunca; viajar até o Havaí para visitar a Lilo e o Stitch.

O espetáculo acontece no HSBC Arena, na Avenida Embaixador Abelardo Bueno, 3401 – Barra da Tijuca. Os ingressos vão de R$ 50,00 a R$ 240,00.

 

Histórias de repressão / opressão em “Morro como um país” – Eu fui!

Depois de um período em São Paulo, “Morro como um país” passou uma curta temporada no Rio de Janeiro, somente até a última sexta-feira, 02/05. A peça compõe alguns dos eventos culturais que aconteceram na cidade para relembrar o golpe de 64. Com entrada franca, o público lotou a Sede das Cias, na Lapa, para conferir a interpretação de Fernanda Azevedo, prêmio Shell de melhor atriz 2013. Eu fiz parte dele.

Fernanda Azevedo inicia o espetáculo sendo ela mesma e passa a interpretar depoimentos de ex-presos políticos de ditaduras, não apenas no Brasil. A narrativa não segue exatamente uma cronologia e lança mão de elementos, como documentos, músicas e vídeos para ilustrar determinadas épocas e fatos.

A cenografia é composta por um boneco de madeira que a atriz veste e movimenta de acordo com o texto que está sendo interpretado -, uma bateria em que se arrisca em um momento e uma penteadeira. Além disso, o figurino também é trocado. No início, com camisetas que estampam figuras de pessoas conhecidas da época da ditadura. Em outro momento, vestida de Carmen Miranda – artista popular no Brasil e em Hollywood entre as décadas de 1930 e 1950 -, cuja fantasia precisa ficar segurando para que a saia não caísse. Assim, faz uma alusão aos uniformes de alguns presos, que tinham que ficar todo o tempo agarrados às calças largas para que não caíssem.

No início dos 90 minutos de peça, o texto se mostra rápido e confuso. Por conta disso, até de difícil assimilação. As repetições de frases e de gestuais lembram características de Teatro do Absurdo, tendência teatral surgida no pós-Segunda Guerra Mundial, no fim da década de 1950.

A comicidade e interatividade esta última que a atriz já percebeu que o público carioca adora, só que não (rs) estão presentes em uma brincadeira de “Vivo ou morto”, em que Fernanda encarna a própria ditadora, ordenando que seus espectadores / oprimidos ajam de acordo com suas ordens. Mas tudo isso de uma forma descontraída, para aliviar o espetáculo tenso que estava se desenrolando e que ainda estava por vir.

Como citei acima, a atriz Fernanda Azevedo venceu o prêmio Shell de melhor atriz com esta peça. Não sei a respeito da concorrência mas, pelo que vi, foi merecido. A artista é muito expressiva e, com seus olhos azuis – por vezes marejados – possui a dramaticidade necessária nos momentos certos. Além do fato de conduzir momentos de tensão e outros de descontração com desenvoltura de apresentadora de talk show.

A temporada de “Morro como um país” já chegou ao fim, após somente duas semanas. O grupo Kiwi foi o responsável pela montagem, apresentada na Sede das Cias, parceira do site, a quem agradeço pelos convites.

 

“Cinderela… de gato e sapato”, no Imperator

Estreia no dia 03/05 o infantil “Cinderela… de gato e sapato”, no Centro Cultural João Nogueira – Imperator. Este clássico da literatura mundial será apresentado em versão estilo musical da Broadway, com texto de Alessandro Dovalle e direção de Leandro Bispo e Renato Calvet. O espetáculo conta a história da Cinderela, uma jovem que vive como empregada na sua própria casa e sofre com as maldades de sua madrasta Crezilda Bateau Mouche e de suas irmãs postiças Florípedes Bateau Mouche e Acássia Bateau Mouche. Sonhadora, ela mantém vivo o desejo de encontrar o seu príncipe encantado e se tornar uma Princesa.

Informações:

DATA: De 03/05 a 25/05

LOCAL: IMPERATOR – CENTRO CULTURAL JOÃO NOGUEIRA

http://www.imperator.art.br

ENDEREÇO: Rua Dias da Cruz, 170 – Méier

HORÁRIO: Sábados e Domingos, às 16h

INGRESSOS: Plateia sentada – R$ 25 (inteira) / R$ 12,50 (meia)

CLASSIFICAÇÃO: Livre

VENDAS: ingresso.com e bilheteria da casa

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BILHETERIA: terças e quartas, das 13h às 20h; quintas e sextas, das 13h às 21h30; sábados, das 10h às 21h30; e domingos, das 10h às 19h30.

INFORMAÇÕES: 2597-3897 (das 9h às 12h/13h às 18h)

FORMA DE PAGAMENTO PARA O SHOW: dinheiro e cartões Dinners, Master (débito e crédito), Visa (débito e crédito)

“O Grande Circo Místico”

A partir de 1 de maio, o público poderá conferir canções de Edu Lobo e Chico Buarque no Theatro Net Rio. Clássicos da música popular brasileira, como “Ciranda da Bailarina”, “A História de Lily Braun” e “Beatriz” serão apresentadas no espetáculo “O Grande Circo Místico”, em forma de teatro musical. Os dramaturgos Newton Moreno (‘As Centenárias’, ‘Jacinta’, ‘Agreste’, ‘Maria do Caritó’) e Alessandro Toller criaram a dramaturgia e João Fonseca (‘Tim Maia’, ‘Cazuza’) dirige a montagem.

Inspirado pelo universo original do poema, os autores criaram uma nova história, ao retratar a improvável história de amor entre Frederico, um aristocrata, e Beatriz, a bailarina de um circo. Dois jovens talentos darão vida ao casal principal: Leticia Colin, estrela de ‘Hair’, ‘Como Vencer na Vida Sem Fazer Força’ e ‘O Despertar da Primavera’, e Gabriel Stauffer, nova aposta de João Fonseca. O tarimbado Fernando Eiras assume a figura do administrador do circo, enquanto Isabel Lobo interpreta a vilã Charlote, noiva renegada de Frederico. Ana Baird (Mulher Barbada) e Reiner Tenente (Clown) completam o sexteto protagonista. Ao todo, estarão em cena 17 atores e cinco músicos.

 

Informações;

FICHA TÉCNICA

Músicas de Edu Lobo & Chico Buarque

Texto: Newton Moreno e Alessandro Toller

Direção: João Fonseca

Elenco: Fernando Eiras, Letícia Colin, Gabriel Stauffer, Isabel Lobo, Ana Baird, Reiner Tenente, Paula Flaibann, Marcelo Nogueira, Thadeu Torres, Felipe Habib, Leonardo Senna, Juliana Medella, Leo Abel, Natasha Jascalevich, Luciana Pandolfo,  Renan Mattos e Douglas Ramalho

Endereço: Rua Siqueira Campos, 143 – Copacabana

Classificação: 12 anos

Dias e horários: Qui e sex  21h | Sáb 21h30 | Dom 20h

Plateia e frisas: R$ 150 | Balcão: R$ 100*

“A História de Nós 2”, no Imperator

Estreia no dia 02/05, no Centro Cultural João Nogueira – Imperator, a peça “A História de Nós 2”. A comédia romântica foi um dos maiores sucessos da temporada teatral carioca, encenada pelos atores Alexandra Richter e Ernesto Piccolo. O enredo conta as aventuras e desencontros de um casal já separado, que revê a sua própria história na noite em que o marido vai buscar seus pertences no apartamento.
Edu é um homem dividido entre o desejo de ascender profissionalmente, a vontade de manter um casamento e o sonho de se manter eternamente livre. Já Lena é uma mulher ‘partida’ entre carreira, maternidade e paixão.  Dois personagens que, em cena, transformam-se literalmente em seis: Edu, Duca, Carlos Eduardo, Lena, Mammy e Maria Helena, dando corpo e voz às diferentes ‘facetas’ de um mesmo homem e uma mesma mulher.

Informações:

DATA: De 02/05 a 18/05

LOCAL: IMPERATOR – CENTRO CULTURAL JOÃO NOGUEIRA

http://www.imperator.art.br

ENDEREÇO: Rua Dias da Cruz, 170 – Méier

HORÁRIO: Sextas e Sábados, às 21h e Domingos, às 19h30

INGRESSOS: Plateia sentada – R$ 40 (inteira) / R$ 20 (meia)

CLASSIFICAÇÃO: 12 anos

VENDAS: ingresso.com e bilheteria da casa

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BILHETERIA: terças e quartas, das 13h às 20h; quintas e sextas, das 13h às 21h30; sábados, das 10h às 21h30; e domingos, das 10h às 19h30.

INFORMAÇÕES: 2597-3897 (das 9h às 12h/13h às 18h)

FORMA DE PAGAMENTO: dinheiro e cartões Dinners, Master (débito e crédito), Visa (débito e crédito)

In Cena – Mostra de Linguagens Cênicas de Rio das Ostras

A FETAERJ (Federação de Teatro Associativo do Estado do Rio de Janeiro), em parceria com a Fundação Rio das Ostras de Cultura, promovem a Mostra de Teatro “In Cena – Mostra de Linguagens Cênicas de Rio das Ostras”, a partir do dia 31 de maio até 07 de junho de 2014, em Rio das Ostras. As apresentações gratuitas que acontecem no Teatro Popular de Rio das Ostras, resultam da seleção, por edital, de 8 grupos teatrais que frequentaram oficinas de capacitação, participaram da montagem dos espetáculos e receberam subsídios financeiros para suas produções.
O Projeto In Cena – Mostra de Linguagens Cênicas de Rio das Ostras prevê o fomento à produção de espetáculos de grupos de teatro que possam contribuir para a formação estética e teatral do artista do município de Rio das Ostras, dando bases para a sua prática e seu desenvolvimento, cumprindo assim, seu papel de descentralizadora cultural, promovendo ações que fomentem e incentivem produções teatrais que valorizem os pequenos grupos do interior reconhecendo suas peculiaridades, seu caráter artístico e investigativo e a formação de plateia em todo município.

Programação:

Dia: 31/05 – 20h
Espetáculo: O Quarto de Bianca
Espetáculo Convidado vencedor do 35º Prêmio Paschoalino
Grupo: Interferência Teatral
Classificação: Livre
Texto e Direção: Rafael Cal
Elenco: Renata Egger
Sinopse: Bianca é a filha mais velha que volta à casa onde cresceu. Observando o cenário de sua infância, Bianca reconta e remonta suas histórias. Lembra de passagens da infância, de detalhes da casa e de episódios com a mãe, alterando os caminhos percorridos e construindo suas próprias novas verdades.

Dia: 01/06 – 16h
Espetáculo: Circo para todos
Grupo: Os Entrupinados
Classificação: Livre
Texto e Direção: Coletivo
Elenco: Éder Verissimo; Rondson Ézer; Paollo Preto; Vinicius Lopez
Sinopse: O espetáculo Circo Para Todos trás a magia do circo adaptada para a linguagem do teatro de rua. Os esquetes com palhaços, malabarista, mágico e cenas tradicionais, como a paródia das bailarinas e do homem forte relembram, os circos mambembes tradicionais.
Dia: 01/06 – 20h
Espetáculo: AUSÊNCIA (Movimentos em Carícias) ou Simplesmente Afeto
Grupo: Grupo Operários da Arte
Classificação: 14 anos
Texto: Fabricio Archangelo (livremente inspirado no universo de Sergi Belbel).
Direção: Fabrício Archangelo
Elenco: Angelah Dantas, Armindha Freire, Fabrício Archangelo, Francis Loyola, Leila Alvarenga e Will Vieira.
Sinopse: A cidade parece se acariciar toda, com seu trânsito ininterrupto, prédios, metrôs. Pessoas trabalhando, pedindo, subindo e descendo, sempre repletas de afazeres. E pelos céus ligações telefônicas se cruzam num furor louco, na tentativa do “Agora”. Mas, e o outro? O que é o outro? O quanto vimos e nos damos a ver? Identidades desejosas e desencontradas revelam-se no cansaço de seus corpos sob a chuva ao cair da noite.

Dia: 02/06 – 20h

Espetáculo: Bento

Grupo: CATE – Companhia de Artes Teatrais

Classificação: 10 anos

Texto: Machado de Assis

Adaptação: Rodrigo Villas Boas

Direção: Léo Morais

Elenco: Rodrigo Villas Boas

Sinopse: Bento Santiago, no alto de sua maturidade, se dispõe a narrar a retrospectiva de sua história. No entanto, desde logo fica evidente que seu interesse pela própria biografia tem um foco bastante dirigido: o grande amor de sua vida. Ou mais até que isso: a grande obsessão de sua vida. Uma releitura do clássico machadiano Dom Casmurro com a Cate – Companhia de Artes Teatrais.

Dia: 03/06 – 16h

Espetáculo: Cavaleiro dos Leões – Infantil

Grupo: Além da Onda Grupo de Pesquisa Teatral

Classificação: Livre

Texto: Miguel de Cervantes

Adaptação e Direção: Léa Chaves

Elenco: Carlos Henrique Pimentel, Ary Alves, Ronald Dlanor, Daniel Diamandis, Norma Maia Maia e Henrique Haddefinir

Sinopse: Alonso Quixano, um fidalgo medieval espanhol, que apresenta sinais de loucura, imagina ser um Cavaleiro Andante; autodenomina-se Dom Quixote de La Mancha, elege seu servo Sancho Pança a ser seu escudeiro e parte em viagem.

Dia: 04/06 – 20h

Espetáculo: O arquiteto e o imperador da Assíria – Adulto

Grupo: Cia Pigmentus

Classificação: 16 anos

Texto: Fernando Arrabal

Adaptação: O Grupo

Direção: Diêgo Deleon

Elenco: Beto Corrêa e Ritcheli Santana

Sinopse: Depois da queda de um avião em uma ilha deserta, um único sobrevivente, o Imperador da Assíria, encontra um selvagem, a quem nomeia Arquiteto. Um jogo de dependência e dominação mútua é estabelecido entre os dois: o imperador diz possuir a ciência, a filosofia e o segredo da felicidade.

 Dia: 05/06 – 20h

Espetáculo: Brinquedos de Heloísa – Adulto

Grupo: Grupo Cria

Classificação: 12 anos

Texto: Cláudia Byspo e Marcelo Atahualpa

Direção: Cláudia Byspo e Manuel Thomas

Elenco: Cláudia Byspo; Beto Morzza; Léo Nogueira; Carlos Jorge; Tami Rizzoli

SINOPSE: Uma sucessão de questionamentos sobre “como é ser gente”. Assim é a realidade brincante de Lisa, Clown, Caco e Marionete. Lisa – uma boneca conservada impecavelmente, inocente e muito curiosa.

Dia: 06/06 – 20h

Espetáculo: Cinco Vezes Nelson – Adulto

Grupo: Cia Cinemático

Classificação: Livre

Texto: Nelson Rodrigues

Direção e Elenco: Marcio Penna e Fernando Clauscen

Sinopse: O espetáculo é uma comédia dramática que reúne, de maneira inédita e inovadora, uma compilação de cinco contos do renomado autor Nelson Rodrigues.

Dia: 07/06 – 16h

Espetáculo: Meu Avô, Dom Quixote – Infantil

Grupo: Corpus in cena Produções

Classificação: Livre

Texto e Direção: Vivaldo Franco

Elenco: Adilson Lopes, Maria Gabriela Teixeira, Rennan Magalhães e Rogério Tadeu Ferreira

Sinopse: No meio de uma noite de tempestade, Dinho, um menino de 12 anos, recebe a visita inesperada de seu avô, um velho ator aposentado que vive em um asilo para idosos.

“Os Sapos”: gratuito, em Guadalupe e em Pedra de Guaratiba

No dia 29 de abril, terça-feira, a peça “Os Sapos”, de Renata Mizrahi, se apresentará na lona cultural municipal Terra (Guadalupe) e, no dia seguinte, na Arena Carioca Abelardo Barbosa – Chacrinha (Pedra de Guaratiba). É a continuação da temporada de 2014, agora para o público das zonas norte e oeste. O espetáculo aborda as dependências amorosas e suas diversas facetas. O tema despertou o interesse dos públicos masculino e feminino, gerando até debate com uma psicanalista ao fim do espetáculo para discutir as relações ali apresentadas.

O espetáculo fala, com humor, de como as relações podem atingir níveis primitivos quando casais são colocados em situação de confinamento. O texto começa suave mas, aos poucos, vai ficando mais tenso. O ritmo do espetáculo é marcado pelos diálogos ágeis, entrecortados por silêncios – ora irônicos, ora constrangedores –, mantendo a expectativa de uma nova virada a cada momento. O título da peça é uma referência aos sapos que se escondem no banheiro – eles são retirados de lá, mas sempre voltam. E é também àquilo que se engole em seco, a não expressão de um sentimento, o silêncio.

Sucesso de público e crítica, o espetáculo recebeu quatro indicações ao terceiro Prêmio FITA (Festival  Internacional de teatro de Angra dos Reis) de 2013, e foi vitorioso nas categorias atriz, com Verônica Reis, e atriz coadjuvante, com Paula Sandroni. A autora também foi indicada ao prêmio de Teatro Cesgranrio 2013 de melhor texto nacional inédito.

O elenco reúne atores de reconhecidas companhias de teatro do Rio de Janeiro: Paula Sandroni (F. Privilegiados), Verônica Reis (Cia. Atores de Laura), Ricardo Gonçalves (Cia. Confraria da Paixão), Fabrício Polido e Gisela de Castro (Teatro de Nós).

A temporada longa nas lonas e nas arenas da Cidade é um aquecimento para o próximo passo do grupo: gravação de um longa-metragem sobre a peça, ainda no ano de 2014.

Informações:

Data: 29/04 (terça-feira)

Local: Lona Cultural Municipal Terra – Guadalupe

Endereço: Rua Marcos de Macedo s/n – Praça Edson Guimarães (Guadalupe)

Tel: (021) 3287-0921 / (021) 3018-4203

Horário: 20h

Entrada franca

Classificação etária: 16 anos

 

Dia 30 – Quarta-feira

Local: Arena Carioca Abelardo Barbosa – Chacrinha

Endereço: Rua Soldado Eliseu Hipólito, s/n esquina com Av.Litorânea – Pedra de Guaratiba

Tel: (21) 3404-7980

Horário: 20 horas

Entrada Franca

Classificação etária: 16 anos

A Aventura de Pedro

Trago mais informações a respeito da peça “A Aventura de Pedro”, em cartaz no Teatro Municipal do Jockey, conforme já anunciei aqui. A tal aventura acontece no quarto do menino Pedro, com a ajuda de leitão, um burro comilão; Cintilante, uma fada tagarela; e de Hugo, um lobo-mau galante. Todos os personagens saltam do armário do personagem para ajudá-lo em sua, por vezes falha, criatividade para brincar. “O espetáculo é um elogio ao poder encantatório da fantasia e da imaginação. No mundo de Pedro, a fada quer ser bruxa, o lobo-mau é um lobo-bom, o leitão é hipocondríaco e a bruxa está aposentada”, conta Vitor Jatobá, autor do texto.

O infantil está em cartaz até o dia 11 de maio e é gratuito. Como se já não bastasse essa vantagem, a empresa de projetos Arrastão de Ideias – criadora do espetáculo – se preocupou em levar maior acessibilidade para o local. As sessões contarão com rampas de acesso para cadeirantes, intérprete de Libras, audiodescrição e legenda eletrônica. Antes de cada apresentação, haverá disponibilidade de uma visita guiada ao palco para que cegos e pessoas com baixa visão possam vivenciar o cenário.

 

Informações:

Realização: Arrastão de Ideias

Produtor e texto: Vitor Jatobá

Direção: Mariana Rebelo

Colaboração texto: Mariana Rebelo

Diretor de produção: Vinicius Jatobá

Elenco: Mariana Rebelo, Wagner Trindade, Victor Albuquerque, Patrícia Ubeda e Leandro Lamas

Serviço – A Aventura de Pedro

Temporada Gratuita – Até 11 de maio

Sábados e Domingos, às 18h30

Teatro Municipal do Jockey – Rua Bartolomeu Mitre, 1110, Gávea – Tel: (21) 3114-1286

As senhas serão distribuídas uma hora antes do espetáculo

Capacidade: 150 lugares

Indicação livre

 

 

 

 

 

 

Cena Brasil Internacional

Com preços populares, o festival de teatro “Cena Brasil Internacional” apresenta nove produções. Até o dia 4 de maio, o Centro Cultural Banco do Brasil leva espetáculos nacionais e internacionais aos palcos. Este fim de semana, é a vez das peças “Dos à Deux, 2E Acte – da companhia francesa Dos à Deux – , e “Assombrações do Recife Velho – da paulista Os Fofos Encenam.

Após as apresentações, os artistas ficam no local, onde promovem palestras e debates com os espectadores.

 

CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL. Rua Primeiro de Março 66, Centro (3808-2020). ‘Dos à Deux, 2E Acte’: hoje, às 19h. ‘Assombrações do Recife Velho’: dom, às 19h. R$ 10. O festival acontece até 4 de maio. Programação completa: http://www.cenabrasilinternacional.com.br

Jim

Inspirado na obra do vocalista do The Doors, Jim Morrison, o espetáculo “Jim” traz Eriberto Leão como o protagonista. A peça é não biográfica e leva muito música ao palco. Entre elas, sucessos como “Light my fire” e “Rides on the storm”, acompanhados ao vivo por 3 músicos.

Com texto de Walter Daguerre, direção de Paulo de Moraes, o elenco também conta com Renata Guida.

 

Informações:

Ficha técnica:

Texto: Walter Daguerre
Direção: Paulo de Moraes
Elenco: Eriberto Leão e Renata Guida
Dias e horários:
Sexta às 20:00 – R$ 40,00
Sábado às 20:00 – R$ 40,00
Domingo às 19:00 – R$ 40,00

Duração: 80 minutos

Temporada:  Até 27/04/2014

Classificação:  16 anos

Morro como um país

 Ainda relembrando os 50 anos do golpe militar, a Kiwi Companhia de Teatro realiza a montagem teatral “Morro como um país”. Depois de uma temporada em São Paulo, a peça vem para o Rio no dia 26 de abril e fica até 2 de maio.  O roteiro utiliza, como algumas de suas referências, depoimentos de ex-presos políticos das ditaduras civil-militares na América Latina, documentos, músicas e vídeos provenientes da pesquisa histórica sobre este período. Por este trabalho, Fernanda Azevedo foi indicada para a próxima edição do Prêmio Shell, como melhor atriz.

 

Informações:

Roteiro e Direção Geral: Fernando Kinas

Atuação: Fernanda Azevedo

 Local: Sede das Cias (Rua Manuel Carneiro, 12 – Escadaria Selarón – Lapa)

Informações: (21) 2137-1271

Horário: Quarta, quinta e sexta, às 20h

Ingresso: Gratuito

Duração: 90 minutos

Gênero: Drama cômico

Capacidade: 70 lugares

Classificação etária: Livre

Adriana Calcanhoto no Imperator

Pela primeira vez no Imperator – Centro Cultural João Nogueira, a cantora e compositora Adriana Calcanhotto apresenta seu novo show, “Olhos de Onda”. No formato voz e violão, desenvolvido para uma apresentação realizada em Lisboa, Adriana canta obras de outros artistas como “Me Dê Motivo”, “O Nome da Cidade”, “Mais Feliz”, “Maresia”, “Devolva-me” e “Fico Assim sem Você”, além de composições próprias, como “Esquadros”, “Vambora”, “Tua” e “Olhos de Onda”.

 

Informações:

ADRIANA CALCANHOTO

DATA: 26/04

LOCAL: IMPERATOR – CENTRO CULTURAL JOÃO NOGUEIRA

www.imperator.art.br

ENDEREÇO: Rua Dias da Cruz, 170 – Méier

HORÁRIO: Sábado, às 21h

INGRESSOS: Pista – R$ 70 (inteira) / R$ 35 (meia)

CLASSIFICAÇÃO: 16 anos

VENDAS: INGRESSO.COM E BILHETERIA DA CASA

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BILHETERIA: terças e quartas, das 13h às 20h; quintas e sextas, das 13h às 21h30; sábados, das 10h às 21h30; e domingos, das 10h às 19h30.

INFORMAÇÕES: 2597-3897 (das 9h às 12h/13h às 18h)

FORMA DE PAGAMENTO PARA O TEATRO: dinheiro e cartões Dinners, Master (débito e crédito), Visa (débito e crédito)

O Reino da Gataria

Em cartaz no Teatro dos Grandes Atores o musical infantil “O Reino da Gataria”. Com banda tocando ao vivo, o espetáculo conta a história de uma família de gatos que recebe uma herança. Daí, começa uma verdadeira confusão.

A aventura começa quando uma rica e excêntrica Madame (Andreia Segati) decide deixar sua herança para seus gatos, dando ao mordomo (Edson Cardoso) a responsabilidade de cuidar dos bichanos. Indignado, ele resolve dar um fim aos animais, levando-os a um lugar bem distante. Assustados e sem saber como voltar para casa, a gata Duquesa (Fernanda Abi-Ramia) e seus filhotes encontram no caminho um malandro felino (Raphael Rossatto). O gatuno logo sente algo especial por Duquesa e assume a responsabilidade pela família de gatinhos, acompanhando-os nesta grande confusão. No decorrer da história, os gatinhos terão de enfrentar muitos perigos, mas também conhecerão novos amigos, que vão ajudar no retorno ao lar.

 

Informações:

Temporada: Até 27 de abril
Sábados e domingos às 17h
R$ 40,00
Classificação etária: livre

Teatro dos Grandes Atores: Shopping Barra Square (Av. das Américas 3.555 – Barra)

Incêndios

Em cartaz a peça “Incêndios”, no Teatro Poeira. Protagonizada por Marieta Severo, a saga da árabe Nawal, cuja vida é atravessada por décadas de uma guerra civil que parece nunca ter fim. Ela passa seus últimos anos em voluntário exílio no Ocidente, onde morre e deixa em testamento uma difícil missão para seu casal de filhos gêmeos (Felipe de Carolis e Keli Freitas): encontrar o pai e também um irmão perdido em seu remoto passado no Oriente.

Informações:
Ficha técnica
De Wajdi Mouawad
Tradução: Angela Leite Lopes
Direção: Aderbal Freire-Filho
Com Marieta Severo, Felipe de Carolis, Keli Freitas, Marcio Vito, Kelzy Ecard, Fabianna de Mello e Souza, Julio Machado e Isaac Bernat
Serviço:
Endereço: Teatro Poeira – Rua São João Batista, 104 – Botafogo
6ª e sábado as 21:00 Domingo as 19:00.

Ingressos a R$ 70 (qui) e R$ 90 (sex a dom).

Duração: 120 minutos
Classificação etária: 14 anos.
Lotação: 120 lugares.

 

“12 Homens E Uma Sentença”, peça no CCBB

Você só tem até hoje para conferir a peça “12 Homens E Uma Sentença”, no Centro Cultural Banco do Brasil. O espetáculo é montagem do filme homônimo, de Sidney Lumet, produzido em 1957. Nele, um júri está reunido para chegar a um veredicto sobre um caso de assassinato. Só que o resultado precisa ser unânime, e a persistente dúvida de um dos jurados instaura uma grande discussão sobre o caso.
Com texto de Reginald Rose e direção de Eduardo Tolentino de Araujo, o elenco é composto por Edmilson Barros, Xando Graça, Genezio de Barros, Camilo Bevilacqua, Alexandre Mello, Babu Santana, Marcello Escorel, Norival Rizzo, Henrique César, Henri Pagnoncelli, Mario José Paz, Gustavo Rodrigues, Francisco Paz e Marcello Melo.

O horário é 19h30, ingresso custa R$ 10,00 e o CCBB, fica na rua Primeiro de Março, 66, Centro.

No “menu” de hoje, “E aí, Comeu?” – Eu fui!

“De fato, o cru e o cozido, o alimento e a comida, o doce e o salgado ajudam a classificar coisas, pessoas e até mesmo ações morais importantes no nosso mundo”. Este é um trecho do ensaio “Sobre comidas e mulheres”, do antropólogo Roberto da Matta, em seu livro “O que faz o brasil, o Brasil”. Da mesma forma como falamos que “o apressado come cru”, “fulano é um doce”, “beltrano está amargo” ou, mais recentemente, “sicrano é um picolé de chuchu”, a peça escrita por Marcelo Rubens Paiva, “E aí, comeu?” usa esta designação para falar a respeito das relações entre as pessoas. Mais precisamente, homens e mulheres.

O elenco é composto por quatro atores: Marcos Pasquim vive Fernando, recém-separado e ainda com dificuldade para encarar o novo “mundo” com que se depara, mostrando-se pouco adaptado com sua atual condição, até mesmo caretice que talvez nem o próprio soubesse que tinha; Mouhamed Harfouch é Honório, mulherengo e machista, mas que esconde certa dependência emocional em relação à esposa; Renato Rabelo é Afonsinho que, dentre os três, é o que mais demonstra temer a solidão. Leona Cavalli interpreta Fernanda, Isabela… Enfim, a versátil atriz se desdobra para fazer todas as personagens femininas da peça, como as esposas de Fernando e de Honório. Parece às vezes que usa o “truque do Paulo Barros” para trocar de roupa entre uma cena e outra, tamanha a rapidez.

Com a cenografia simples, os atores capricham nas mímicas. Utilizando poucos elementos cenográficos, simulam estar em boate, academia de ginástica, supermercado, assistindo a um jogo de futebol, tudo isso recorrendo a bem trabalhados recursos gestuais. Além da boa iluminação, que dá intensidade e clima adequados a cada “cenário”. Enquanto isso, o público oferece uma boa receptividade, talvez se identificando com os diálogos entre os personagens, falando sobre suas mulheres e relacionamentos. Por vezes apresentando discursos sob a ótica masculina, por outras pela do sexo oposto, sendo ditos pelas mulheres da história.

É interessante ver no palco a relação que as pessoas têm com a amizade e com o tipo de relacionamento que conseguem manter mesmo depois de 20 anos. Quando se juntam, os três amigos parecem voltar à adolescência, e se recusar a sair dela. Como se o ato de se juntar a eles fosse uma espécie de volta ao passado e fugir da vida adulta que levam. Essa é a mesma impressão que o filme “E aí, Comeu?” transmite, e aposto que isso é presente nas relações de amizade da vida real, tanto de hoje em dia, quando nas de 1998, ano da primeira montagem desta peça.

“E aí, Comeu?” leva diversão e entretenimento para o público. Mesmo os discursos sexistas são acompanhados por deboche e tão escrachados que nem dá para irritar, nem levar a sério. Portanto, a plateia se diverte e, provavelmente, depois da peça, discute sobre os conceitos que os amigos expõem. Talvez na mesa de um bar, como se fossem Afonsinho, Fernando e Honório.

 

“E aí, Comeu?” fica em cartaz no Centro Cultural João Nogueira (Imperator) até o dia 20 de abril, sextas e sábados às 21h e domingos às 19:30h. O ingresso custa R$ 50,00.

 

P.S.: Agradeço a MNiemeyer pelos convites.

 

Fonte:

DAMATTA, Roberto, O que faz o brasil, Brasil?, Rio de Janeiro, Rocco, 1986.

 

 

Sacco e Vanzetti

Lembram quando falei sobre a exposição “O GOLPE – 50 anos depois”, em cartaz no Armazém 6 do Cais do Porto? A peça “Sacco e Vanzetti” faz parte deste evento. A Cia Ensaio Aberto estreia este espetáculo dia 12 de abril, às 21h, pela primeira vez no Brasil, no Armazém da Utopia. Sob direção de Luiz Fernando Lobo e espaço cenográfico de J.C. Serroni, a encenação parte do célebre caso de Nicola Sacco e Bartolomeu Vanzetti, sapateiro e peixeiro, imigrantes italianos, acusados e condenados injustamente por assassinato, em 1927, nos Estados Unidos.

A dramaturgia tem como ponto de partida o texto “Sacco y Vanzetti”, do argentino Mauricio Kartun, do livro homônimo editado por John Davis e da farta documentação que existe sobre o julgamento histórico. Este foi considerado o “julgamento do século” e suscitou uma enorme repulsa internacional e uma campanha de defesa que se converteu em símbolo de uma luta internacional por justiça, igualdade e liberdade.

 

Informações:

Ficha técnica: Texto: Maurício Kartun Direção: Luiz Fernando Lobo Direção de Produção: Tuca Moraes Elenco: Adriano Soares (Cesare Rossi), Anna Mendes (Mary Splain), Bruno Peixoto, Carol Araújo (Rosa), Danielle Oliveira, Diego(Stewart), Douglas Amaral (Bartolomeu Vanzetti), Gilberto Miranda (Nicola Sacco), João Rafael Schuler (Levangie),João Raphael Alves (Thompson), Luiza Moraes, Miguel Pinheiro (Medeiros), Ruben Gabira (Katzmann), Tuca Moraes (Luigia Vanzetti) Realização: Ensaio Aberto

Serviço:

Temporada: De 12 de abril até 25 de maio de 2014

Horário: Quinta, sexta e sábado 21h / Domingo 20h

Local: Armazém da Utopia – Tel: 2253-8726 /2516-4857

Endereço: Av. Rodrigues Alves,  Armazém 6 – Cais do Porto

Bilheteria Funcionamento: De quarta a domingo.

Horários: Quarta –  feira: Das 14 às 18h

Quinta a sábado: Das 14 às 21h

Domingos: 14 às 20 h.

Terá venda também no Ingresso.com

Preço: R$ 40,00 Inteira / R$ 20,00 Meia

Classificação: 12 anos

Gênero: Teatro Documentário

Duração: 90 min.

Capacidade: 194 lugares

Carmen, de Bizet

O coro e a orquestra sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresentam, neste mês de abril, a ópera Carmen, de Bizet. Em quatro atos, é uma das mais populares do mundo. Baseada na novela homônima de Prosper Mérimée, a trama é ambientada na Sevilha de 1820, e narra a história da cigana Carmen, uma mulher sem escrúpulos, que seduzia os homens e os levava à perdição. No triângulo amoroso com o toureiro Escamillo e o cabo de polícia Don José, enlouquecidos pela paixão, ela leva a pior: sentindo-se traído, Don José mata Carmen a punhaladas.

 

Informações:  
Música – Georges Bizet
Regência – Isaac Karabtchevsky

 Elenco:
CARMEN – Luisa Francesconi, mezzo-soprano (dias 10 e 16, às 20h; dias 13 e 19, às 17h)
Edineia de Oliveira , mezzo-soprano(dias 12, 15 e 17, às 20h)
DON JOSÉ – Fernando Portari, tenor(dias 10 e 16, às 20h; dias 13 e 19, às 17h)
José Manuel Chú, tenor (dias 12, 15 e 17, às 20h)
MICAELA – Ekaterina Bakanova, soprano
ESCAMILLO – Valdis Jansons, barítono
FRASQUITA – Lucia Bianchini, soprano
MERCEDES – Daniela Mesquita, mezzo-soprano
REMENDADO – Marcelo Coutinho, tenor
MORALES – Leonardo Páscoa, barítono
ZUNIGA – Daniel Germano, barítono

Artista convidada: Ada Chaseliov, como Lillas Pastia

Participação: Coral Infantil da UFRJ

Dias 10, 12, 15, 16 e 17 às 20h
Dias 13 e 19 às 17h

Em busca de “Amores”? – Eu fui!

Apesar de morar no Rio e já ter ido mil vezes à Lapa, ainda não conhecia a muito famosa e fotografada Escadaria Selarón. No último sábado, dei uma passada lá. Motivo? Assistir a peça “Amores”, – de Domingos Oliveira – que já havia anunciado aqui e está em cartaz até o dia 02 de junho, na Sede das Cias.

Foto: apetecer.com

Telma (Ângela Câmara) e o melhor amigo, Vieira (José Karini) – Foto: apetecer.com

Na sinopse, Vieira (José Karini) é um escritor da TV Globo, prestes a perder o emprego, e tem problemas de relacionamento com sua filha Cíntia (Lívia Paiva). Telma (Ângela Câmara), melhor amiga de Vieira, é casada com Pedro (Saulo Rodrigues). O casal está com dificuldades para ter filhos e isto está afetando o casamento. Luiza (Ana Abbott), irmã de Telma, é uma atriz fracassada que sobrevive contando piadas em bares, até que se apaixona pelo pintor Rafael (Lucas Gouvêa), e descobre que ele é soropositivo.

Vieira (José Karini) e a filha Cíntia (Lívia Paiva) Foto: apetecer.com

Vieira (José Karini) e a filha Cíntia (Lívia Paiva)
Foto: apetecer.com

Baseando-me no que li a respeito, fui esperando uma trama muito pesada e tensa. E o que vi, apesar dos temas polêmicos apresentados na montagem, foi uma comédia dramática. O público fica em volta de um cenário que representa uma casa e local onde se passa toda a história, salvo algumas simulações de externas. Por este motivo, o clima é bem intimista. Os atores – todos muito bem em seus papeis – se movimentam por toda a “casa” e bem próximo dos espectadores. Tão próximos que oferecem uísque, yakisoba… E, caso você vá, pode aceitar, pois não é pegadinha (rs).

Olha a proximidade com o público - Foto: apetecer.com

Olha a proximidade com o público
Foto: apetecer.com

A peça teve sua primeira montagem em 1997 e a atual – a segunda – parece se passar nesta época. Percebe-se isso um pouco pelo figurino, pelas notícias que são transmitidas enquanto os personagens assistem a TV e também muito pela trilha sonora. É composta por sucessos de Marisa Monte (“Beija eu”), Los Hermanos (“Quem sabe”), Skank (“Garota nacional”), entre outras. Mas a parte mais bonita é quando Luíza vai encontrar Rafael e o casal canta espontaneamente Dueto (“Serás o meu amor”), de Chico Buarque.

Arrufos. Casal e ex-casal também (rs) Pedro (Saulo Rodrigues e Telma (Ângela Câmara)

Arrufos. Casal e ex-casal também (rs) Pedro (Saulo Rodrigues e Telma (Ângela Câmara) – Foto: apetecer.com

Como já escrevi, o enredo é repleto de temas polêmicos que fica difícil escolher qual o mais marcante. Meu voto vai para quando Rafael descobre ser portador do vírus HIV. Mas a concorrência é grande, pois na peça ocorrem separações, voltas, filhos. Enfim, não vou contar mais para não tirar a curiosidade de quem estiver lendo 😉

Então, para reforçar: o grupo “Os Dezequilibrados” fica com esta peça em cartaz até o dia 02 de junho, às 20h e custa quase nada: apenas R$ 1,99. Deixo a dica para quem deseja curtir “Amores” e os sabores do teatro.

 

P.S.: Agradeço a Sede das Cias pelos convites.

 

SERVIÇO
Temporada: de 15 de março a 02 de junho de 2014
Local: Sede das Cias (Rua Manuel Carneiro, 12 – Escadaria Selarón – Lapa)
Informações: (21) 2137-1271
Horário: sexta, sábado, domingo e segunda, às 20h
Ingressos: R$1,99
Duração: 80 minutos
Gênero: Comédia Dramática
Capacidade: 40 lugares

Classificação etária: 14 anos
Bilheteria: abertura 1h antes do espetáculo

 

Número 4 do nosso Top 5 de melhores peças do ano

https://palcoteatrocinema.com.br/2014/12/29/deixa-clarear-musical-sobre-clara-nunes-eu-fui/

Ópera do Meio-Dia

O Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta a “Ópera do Meio-Dia”, que terá trechos da ópera “Elixir do Amor”, cantados por quatro solistas do Coro do Theatro Municipal. A montagem conta a história do timino Nemorino, um agricultor apaixonado pela proprietária Adina, que não lhe dá atenção. O fanfarrão sargento Belcore consegue atrair as atenções de Adina, para desespero de Nemorino. O fanfarrão sargento Belcore consegue atrair as atenções de Adina, para desespero de Nemorino. Chega à aldeia um falso médico, o Dr. Dulcamara, vendendo um prodigioso elixir (vinho barato) que cura todos os males, físicos e amorosos, além de matar baratas. Nemorino compra um frasco para que Adina o ame, mas ele não faz efeito. Para ter dinheiro para um segundo, se engaja na companhia de Belcore. Dulcamara conta o fato para a bela, que enternecida compra a patente de soldado e a devolve a Nemorino. Este percebe a situação conseguindo que Adina confesse que o ama. Grande festa em homenagem ao poderoso Elixir.

 

Informações:

Música: Gaetano Donizetti

Solistas: Adina – Danielle Gregório – soprano

Nemorino – Ivan Jorgensen – tenor

Belcore – Fabrízio Claussen – barítono

Dulcamara – Cícero Pires – baixo

Pianista – Priscila Bomfim

Classificação etária: livre

Duração: 60 minutos
Preço único – R$ 1,00
Vendas no dia do espetáculo a partir das 10h, na entrada principal do Theatro.

O Theatro Municpal fica na Cinelândia

 

 

Fora do normal

Se a tua meta do fim de semana é gargalhar, vá ao “Fora do normal”, stand up solo de Fábio Porchat. Ele tira sarro de situações cotidianas, verídicas ou fictícias. Por exemplo, telemarketing, avião, tecnologia em banheiros.

Eu já assisti e confirmo: é pura diversão!

 

Informações:

Horários

Temporada: 10 de Janeiro a 08 de Junho de 2014.
Horário: Sextas e Sábados às 21h/Domingos às 20h30
Preço: Sexta R$80,00 / Sábado e Domingo R$ 100,00

Teatro das Artes – Shopping da Gávea (Rua Marquês de São Vicente, 52, Gávea)

Txutxucão – o Cãopeão

O musical “Txutxucão – o Cãopeão” promete agradar a criançada e os pais, possíveis fãs da Xuxa. O personagem participa de uma competição de dança dos MCs Xuxinha e Guto, dançando sucessos como, “Txutxucão”, “Abecedário da Xuxa” e “Ilariê”. O prêmio? O único é autêntico “Tênis Pé de Valsa”, que faz qualquer um voar na pista. A peça é dirigida por um colega de longa data de Xuxa: Vagner Menezes, o Fly.

 

Informações:

Entrada R$ 80,00 (Meia R$40,00)
Sábados e domingos às 15 e 17 horas

Local: Teatro Clara Nunes (Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52, Gávea)

COMO CHEGAR

Rua Marquês de São Vicente, 52
Gávea, Rio de Janeiro, RJ

“E aí, comeu?”, no Imperator

Qual mulher não queria ser uma mosquinha para saber o que os homens falam quando elas não estão por perto? A peça “E aí, comeu?” fala sobre isso em uma comédia, girando em torno da vida de três amigos: os personagens de Marcos Pasquim, Mouhamed Harfouch e Renato Rabelo.

O espetáculo procura despertar no espectador o entendimento do novo papel do homem diante da mulher – representada por Leona Cavalli – na sociedade contemporânea.

 

Informações:

Sextas e sábados: 21h

Domingos: 19h30

Local: Teatro

Plateia sentada: R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)

Classificação: 16 anos

Duração do espetáculo: 90 minutos

Texto: Marcelo Rubnes e Direção de Fernando Gomes

Pinóquio, no Imperator

Estreia dia 5 de abril a montagem “Pinóquio”, no Centro Cultural João Nogueira (Imperator). A peça é baseada na história original “As aventuras de Pinocchio”, de Carlo Collodi, e tem a intenção de mostrar a influência negativa da mentira para as crianças. O espetáculo conta com músicas de Elton John na trilha sonora.

A temporada vai até o dia 27 de abril, e custa R$ 30,00. As apresentações são aos sábados e domingos, às 16h.

Todos os musicais em um só – Eu fui!

Já tiveram a experiência de 90 minutos ouvindo canções de Chico Buarque? Eu tive! Aliás, mais que isso. O espetáculo teatral “Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 Minutos” , da dupla Claudio Botelho e Charles Möeller, dura cerca de duas horas e faz um passeio por canções de musicais do artista. Dentre eles, “Morte e Vida Severina”, “Roda Viva”, “O Grande Circo Místico”, entre outros.

Além de Chico, a inspiração do musical é o espetáculo inglês “Todas as Peças de Shakespeare em 97 minutos”, do grupo ‘The Shakespeare Reduced Company’, no qual misturam enredos e personagens de William Shakespeare. Na adaptação brasileira, uma companhia mambembe de teatro – liderada por um casal de artistas, Carlos (Claudio Botelho) e Dora (Soraya Ravenle) – viaja apresentando seus espetáculos ‘pelo mundo’. Enquanto isso, acontecem amores, ciúmes, intrigas. Sem deixar muito claro se a turnê ocorre apenas em devaneios de Carlos, atormentado por uma perda de memória.

Mambembe também pode parecer a minha opinião a respeito do cenário e do figurino (rs). O visual austero da cenografia destoa da maior parte do que conhecemos da obra de Chico Buarque. É  formado por partes fixas com linhas ortogonais direcionando o olhar especificamente para o centro do palco. Há também partes móveis com diagonais que, vez por outra, são deslocadas pelos atores e dá a ideia de movimento e remetem a algumas manifestações de estilos arquitetônicos.

Um elemento cenográfico que muito me chamou a atenção foi uma escada de metal colocada no centro do palco na canção “Pedaço de Mim”. Os personagens se movimentavam com lanternas. A soma da iluminação manual com a escada, me pareceram desencontradas em relação aos versos melancólicos entoados pelos artistas.

A brasilidade, tão presente em suas músicas, também não é muito representada no figurino. Confuso e, se não fosse o fato da companhia liderada por Carlos (Botelho) se autodefinir mambembe poderia ser um ponto negativo. Contudo, não chega a comprometer o musical.

Excelentes cantores, muitos já conhecidos de outros musicais, cumprem muito bem seus papeis e emocionam o público. Eles são Soraya Ravenle, como Dora, “A Primeira Dama”; Claudio Botelho vive Carlos, “O Dono da Companhia”; Estrela Blanco, Rita, “A Mocinha”; Felipe Tavolaro é Dito, “O Galã”; Davi Guilherme; Lilian Valeska interpreta Lea, “A Cartomante”; Renata Celidonio é Lia, “A Cigana; e Malu Rodrigues, Margarida.

Muitos dos sucessos da trajetória de Chico são representadas. Inclusive em situações inusitadas, como o dueto em “O meu amor”,  cantada por Tavolaro e Guilherme, música conhecida por interpretações femininas. Em “Ciranda da bailarina”, o elenco se fantasia de bebês e cantam como tais, em imitações perfeitas e divertidíssimas. “Geni e o Zepelin” foi praticamente declamada por Botelho. O restante dos atores mostrava placas, cada um com uma palavra da letra da música. E iam trocando conforme a canção evoluía.

Com arranjos muito bons e remodelados, os “90 minutos” de peça mostram em um espetáculo atemporal que Chico continua ‘paratodos’, sua obra gravada feito tatuagem, contemporâneo, cotidiano, um eterno encantador do meu suburbano coração.

 

“Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 minutos” segue em cartaz no Teatro Clara Nunes, no Shopping da Gávea, até o dia 27 de abril.

A Aventura de Pedro

O Teatro Municipal do Jockey apresenta, até o dia 11 de maio, “A Aventura de Pedro”. A peça conta a história do criativo menino Pedro, e de Leitão, seu inseparável burrinho de pelúcia. Mas, em uma certa noite mágica, saltam de seu armário outros amigos: o lobo Hugo e a bruxa cintilante, em busca do lendário ovo do Tricorático.

 

Informações:

Texto: Vitor Jatobá

Direção: Mariana Rebelo

Elenco: Mariana Rebelo, Wagner Trindade, Victor Albuquerque, Patrícia Ubeda e Leo Lamas

Endereço: Rua Mário Ribeiro, 410

Rua Bartolomeu Mitre , 1110

entrada de pedestres e automóveis

Sábados e domingos, 18:30

Entrada franca

 

 

Cazuza – Pro Dia Nascer Feliz, O Musical

Os saudosos de Cazuza ainda podem conferir no Theatro Net Rio “Cazuza – Pro Dia Nascer Feliz, O Musical”. O espetáculo conta vida e obra do artista, que morreu precocemente, aos 32 anos, em 1990. O protagonista é vivido por Emilio Dantas, em todas as fases do artista. Tanto no início – antes e durante o ingresso no Barão Vermelho – quanto já na época da carreira solo, quando passa a enveredar para a MPB.

No elenco, Dantas se junta a Susana Ribeiro, Marcelo Várzea, André Dias, Fabiano Medeiros, Yasmin Gomlevsky, Thiago Machado, , Bruno Fraga, Bruno Narch, Bruno Sigrist, Saulo Segreto, Dezo Mota, Sheila Matos, Juliane Bodini, Oscar Fabião e Osmar Silveira. Os atores interpretam famosos nomes, como Ney Matogrosso, Bebel Gilberto, Frejat, Caetano Veloso, Lucinha e João Araújo.
Famosas também são as canções apresentadas: “Codinome Beija-Flor”, “Bete Balanço”, “Ideologia”, “O Tempo não para”, “Exagerado”, “Brasil”, “Preciso dizer que te amo”, “Faz parte do meu show” e, claro, a música que dá título ao musical, “Pro Dia Nascer Feliz”.

Assisti a essa peça ano passado, e quem fazia o protagonista no dia era Osmar Silveira, o substituto de Emilio Dantas. Realmente, a semelhança do ator com Cazuza era impressionante. Vale a pena conferir e matar as saudades do ídolo.

 

SALA TEREZA RACHEL

Qui e sex  21h | Sáb 18h e 21h30 | Dom 20h

Plateia e frisas: R$ 150 | Balcão: R$ 100*

Peça “Morde!”, na Casa de Cultura Laura Alvim

Vai até o dia 6 de abril a temporada de “Morde!”, na Casa de Cultura Laura Alvim, em Ipanema. A peça é uma adaptação do livro homônimo da atriz Simone Kalil, em que ela relata situações cômicas vividas dentro e fora dos palcos. Micos, gafes de viagem. Enfim, tudo verídico.

A montagem tem a direção de Alexandre Régis e é exibida de sexta a sábado, às 21h, e aos domingos, às 20h.

Informações:

MORDE!

Local: Casa de Cultura Laura Alvim – Espaço Rogério Cardoso

Endereço: Av. Vieira Souto, 176, Ipanema

Ingresso: R$ 40,00

Peça “Cidadela”, do grupo Coletivo Arvorá

A Sede das Cias recebe, até abril, a peça “Cidadela”. A história fala de uma família de músicos que decidiu passar a vida caminhando, sem parar, pois acreditam que, se pararem, criam raízes e se tornam árvores. Ao longo do caminho, tentam finalizar uma sinfonia, enquanto no céu, uma rota de aviões marca a passagem do tempo e anuncia algum destino. Toda essa trajetória é quebrada quando o pai morre e Valente, o filho mais velho, decide fundar uma cidade.
Cidadela é a primeira peça do Coletivo Arvorá, formado pelos atores e músicos Frederico Demarca, Guilherme Hinz, Jefferson Zelma, Juliana Linhares e Juliana Longuinho.
O universo fabular de Cidadela é potencializado na relação entre a cenografia, a iluminação e o figurino. O público senta no meio do palco e os atores se movimentam ao redor, criando uma atmosfera que circunda o espectador e valoriza a experiência da passagem do tempo.

Informações:
Temporada: 19 de março até 18 de abril
Local: Sede das Cias (Rua Manuel Carneiro, 12, Escadaria Selarón – Lapa)
Informações: (21) 2137-1271
Horário: quarta, quinta e sexta 20h
Ingresso: R$20 (inteira)/ R$10 (meia)
Capacidade: 35 lugares
Duração: 70 minutos
Classificação: Livre
Gênero: Drama Cômico
Local: Sede das Cias (Rua Manuel Carneiro, 12, Escadaria Selarón – Lapa)
Informações: (21) 2137-1271

Ficha Técnica
Dramaturgia e Direção: Diego de Angeli
Elenco: Frederico Demarca, Guilherme Hinz, Jefferson Zelma, Juliana Linhares e Juliana Longuinho
Orientação de Trabalho em Grupo: RosyaneTrotta
Direção Musical: Frederico Demarca
Preparação Vocal: Juliana Linhares
Preparação Corporal: Juliana Longuinho
Direção de Movimento: Vanessa Garcia
Iluminação: João Gioia e Wagner Azevedo
Figurino: Bruna Lobo
Concepção Espacial: Diego de Angeli
Consultoria Cenográfica: Tomás Fage
Programação Visual: Cecília Mascheroni
Marketing Digital: Jefferson Zelma
Diretor de Produção: Guilherme Hinz
Produção Executiva: Samia Oliveira
Realização: Coletivo Arvorá

Peça “Amores”, na Lapa

Programa perfeito para quem curte teatro e quer aproveitar pontos turísticos que o Rio de Janeiro tem para oferecer. O grupo “Os Dezequilibrados” está em cartaz com a segunda montagem de  “Amores”, de Domingos Oliveira. A primeira foi realizada nos anos 1990 e, desta vez, a peça está sendo encenada na Escadaria Selarón, na Lapa.
“Amores” traz uma trama cheia de encontros e desencontros e de instabilidade em relacionamentos. Vieira (José Karini) é um escritor da TV Globo, prestes a perder o emprego, e tem problemas de relacionamento com sua filha Cíntia (Lívia Paiva). Telma (Ângela Câmara), melhor amiga de Vieira, é casada com Pedro (Saulo Rodrigues). O casal está com dificuldades para ter filhos e isto está afetando o casamento. Luiza (Ana Abbott), irmã de Telma, é uma atriz fracassada que sobrevive contando piadas em bares, até que se apaixona pelo pintor Rafael (Lucas Gouvêa), e descobre que ele é soropositivo.
A primeira montagem da peça (em 1997), assim como a sua versão cinematográfica (em 2001), foram vencedoras de prêmios Shell e no Festival de Gramado.

A junção do teatro, com a boemia e o preço baixo (R$ 1,99) podem resultar em uma ótima sugestão de programa para o seu fim de semana. Que tal?

FICHA TÉCNICA
Texto Domingos Oliveira
Direção Ivan Sugahara
Elenco Ana Abbott, Ângela Câmara, José Karini, Lívia Paiva, Lucas Gouvêa e Saulo Rodrigues
Assistência de Direção Beatriz Bertu
Cenário Carolina Sugahara
Figurino Tarsila Takahashi
Iluminação Renato Machado
Programação Visual Luciano Cian
Fotografia Dalton Valério
Direção de Produção Marcelo Chaffim
Assessoria de Imprensa Daniella Cavalcanti
Realização Os Dezequilibrados

SERVIÇO
Temporada: de 15 de março a 02 de junho de 2014
Local: Sede das Cias (Rua Manuel Carneiro, 12 – Escadaria Selarón – Lapa)
Informações: (21) 2137-1271
Horário: sexta, sábado, domingo e segunda, às 20h
Ingressos: R$1,99
Duração: 80 minutos
Gênero: Comédia Dramática
Capacidade: 40 lugares

Classificação etária: 14 anos
Bilheteria: abertura 1h antes do espetáculo

O ‘Palco, teatro, cinema’ foi, viu e curtiu “Amores” na Selarón. Confira: Em busca de “Amores”? – Eu fui!

Se Eu Fosse Você – O Musical

Estreia hoje o musical “Se Eu Fosse Você”, no teatro Casagrande, no Leblon. O espetáculo é baseado no filme homônimo, que Glória Pires e Tony Ramos protagonizam. Na peça, o casal em crise é interpretado por Nelson Freitas e Claudia Netto. Eles acidentalmente mudam de corpos e cada um têm que aprender a lidar com o universo do sexo oposto. O musical é composto exclusivamente por músicas de Rita Lee.

 

Dias e horários:

Qui e Sex 21h, Sáb 17h e 21h, Dom 19h

 Preços:

5ª feira – Plateia Vip – R$ 150,00
Plat. Setor 1 – R$ 120,00
Camarote – R$ 150,00
Balcão 2 – R$ 80,00
Balcão 3 – R$ 50,00

6ª feira – Plateia Vip – R$ 160,00
Plat. Setor 1 – R$ 130,00
Camarote – R$ 160,00
Balcão 2 – R$ 90,00
Balcão 3 – R$ 60,00

Sáb e Dom- Plateia Vip – R$ 180,00
Plat. Setor 1 – R$ 150,00
Camarote – R$ 180,00
Balcão 2 – R$ 100,00
Balcão 3 – R$ 70,00

Flicts

Para quem quer apresentar o mundo do teatro para a criançada, está em cartaz até o fim do mês de março a peça “Flicts”, no Centro Cultural João Nogueira (Imperator). Trata-se de um musical, baseado no livro homônimo de Ziraldo, seu primeiro, escrito em 1969. Baseada na adaptação de Adebal Freire-Filho, o espetáculo conta a história de Flicts, uma cor que veio do interior de Minas Gerais para tentar a vida no Rio de Janeiro. A partir de então, conhece todas as outras cores e tenta se enquadrar nos padrões da sociedade, em busca de seu lugar ao sol.

O musical, dirigido por Rodrigo Rosado, também conta com os atores Alan Pagnota, André Luis Rangel, Caio Scot, Julia Ludolf, Lara Salustiano, Marcelle Borges, Tatiana Nogueira e Tauã Delmiro.

Sábados e domingos, às 16h. Ingressos por R$ 25,00.

Jesus Cristo Superstar

Divulgação

Sucesso na Broadway, o musical “Jesus Cristo Superstar” estreou no Brasil no último fim de semana. Criado em 1970 por Andrew Lloyd Webber e Tim Rice, o espetáculo mostra a última semana de vida de Jesus. O ator Igor Rickli é quem o interpreta. Negra Li dá vida à Maria Madalena, Alírio Netto faz Judas, Fred Silveira vive Pilatos e Wellington Nogueira é Herodes.

O musical já teve sua montagem brasileira, em 1972, sendo Jesus Cristo interpretado pelo ator Eduardo Conde. Esta atual está em cartaz no Teatro do Complexo Ohtake Cultural, até o dia 8 de junho. Ingressos entre R$ 50 e R$ 230,00.

Agora, é aguardar que entrem em turnê e vão para outras partes do Brasil.

Peça “O submarino” – Eu fui

Já havia falado no blog a respeito da peça “O submarino”. Ontem, 16/03/14, tive a oportunidade de assistir e agora escrevo aqui o que achei a respeito.

“O submarino” mostra a história de um casal em um casamento de 3 anos e meio. Desgastados, eles discutem por bobagens e demonstram serem bem diferentes, de gostos e personalidades. Tanto que Rita (Luciana Braga), no meio de uma discussão, pede a separação para César (Marcius Melhem). Só que a moça se arrepende e pede para voltar. E depois se arrependem de terem voltado e se separam de novo. Daí, ficam naquele relacionamento “ioiô”. Em suma, eles se dão bem apenas quando não estão juntos (rs). Parece que ambos – principalmente Rita – têm dificuldade em encarar a vida sem o parceiro, tão acostumados que estão com a relação. Só que ela está sempre buscando novidade. Ele demonstra gostar mais da tranquilidade em um relacionamento.

Brincando com a máxima de que “Casamento é igual a submarino: até boia, mas foi feito para afundar”, os 75 minutos de peça são preenchidos por encontros e desencontros do casal. Tudo isso acompanhado por um diálogo ágil e divertido, escrito por Miguel Falabella e Maria Carmen Barbosa. Assim, evitando que fique enfadonho para o espectador. Aliás, isto é raro hoje em dia, mas deixa pra lá (rs).

A peça é basicamente uma comédia, mas com várias cenas românticas. Marcius Melhem, comediante já bem conhecido pelo grande público, dosa sua veia humorística com o que há de romântico no personagem. Assim como Luciana Braga, não tão famosa na comédia, também faz rir com a sua instável Rita. Os dois atores cuidam do pequeno cenário, montando e desmontando a cama na qual eles discutem no quarto, por exemplo, fazendo o móvel se tornar o sofá do restaurante onde se encontram quando estão separados.

 

Teatro dos Grandes Atores

Av. das Américas, 3.555 – Barra Square, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro – RJ

(21) 3325-1645

Até 1 jun 2014
dom 20:00 | sex e sáb 21:30
sex R$ 70.00; dom e sáb R$ 80.00

 

Show de Mariene de Castro

Será no próximo sábado, 22, a estreia da turnê da cantora Mariene de Castro, no Vivo Rio. O show marca a estreia de seu quinto álbum, “Colheita”. Mas as novidades não param por aí. O espetáculo também contará com participações da cantora Beth Carvalho e do bandolinista e compositor Hamilton de Holanda.

O show tem início às 21h e os ingressos são a partir de R$ 80,00. A casa de shows fica localizada no Aterro do Flamengo, ao lado do MAM..

Comédia em pé – Bônus track

Para quem ainda não teve a oportunidade de assistir ao “Comédia em pé”, pode dar uma passada no Teatro Miguel Falabella (NorteShopping) para conferir. Os atores – nesta montagem, Claudio Torres Gonzaga, Smigol, Veronica Debom e Victor Sarro – apresentam suas visões engraçadas e nada comuns sobre situações do cotidiano. Os textos são próprios e há a possibilidade de você assistir mais de uma vez sem que todas as histórias se repitam. Eu, particularmente, já vi três vezes (!!!) e em todas elas foi apresentada alguma novidade.

Bem, não precisa nem dizer que gostei muito né?

Horário: 18:00
Descrição: Quinta a domingo às 18h

Ingresso: R$ 40,00 (5ª e 6ª feira), R$ 60,00 (sábado) e R$ 50,00 (domingo)

O Submarino

Divulgação

Entra em cartaz no Centro Cultural João Nogueira (Imperator), na próxima sexta-feira (14 de março), a peça O Submarino, de Miguel Falabella e Maria Carmen Barbosa. A história é de Cesar (Marcius Melhem) e Rita (Luciana Braga), casal que se ama mas, com o cotidiano, vivem em desavenças.

O espetáculo é exibido às sextas e sábados (21h) e aos domingos (19h30), e os ingressos custam R$50,00. A temporada dura até o dia 30 deste mês.

Endereço: Rua Dias da Cruz, 170 – Meier

Rio de Janeiro/RJ