Inscrições prorrogadas até 31 de março para o Concurso Curta Ecofalante

Foram prorrogadas as inscrições do Concurso Curta Ecofalante, um dos programas competitivos da Mostra Ecofalante de Cinema, até o dia 31 de março. Estudantes de graduação, ensino médio, cursos técnicos ou cursos livres de cinema terão mais uma vez a chance de participar do mais importante evento audiovisual sul-americano dedicado a temas socioambientais.

Serão aceitos filmes com até 30 minutos de duração, feitos por estudantes de qualquer instituição de ensino do Brasil. O critério de seleção será a qualidade cinematográfica do trabalho e a relevância do tema, que deve abordar questões que dialoguem com pelo menos um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) propostos pela ONU na Agenda 2030. São eles:

Os filmes selecionados farão parte da programação da 9ª edição da Mostra Ecofalante, que acontecerá entre os dias 28 de maio e 10 de junho em São Paulo, e concorrerão nas categorias Melhor Curta Ecofalante – com prêmio de R$ 4.000,00 – e Melhor Filme pelo Público.

O Concurso Curta Ecofalante foi criado em 2015 com o objetivo de estimular a produção audiovisual brasileira, incentivando aqueles que estão no início de suas carreiras. Na última edição, foram recebidos trabalhos de estudantes de todas as regiões do Brasil. O curta “ATL – Acampamento Terra Livre”, de Edgar Kanaykõ Xakriabá (UFMG), foi o vencedor do Prêmio do Júri. “Mãe do Mangue”, de Isabella Cruvinel Santiago e Jonas Torralba Batista (FGV), recebeu menção honrosa. Já “Laklãnõ/Xokleng: Os Órfãos do Vale”, de Andressa Santa Cruz e Clara Comandolli (UFSC), foi o vencedor do Prêmio do Público.

O Concurso Curta Ecofalante é uma realização da Ecofalante, organização não governamental sem fins lucrativos fundada em 2003 com o objetivo de realizar projetos que contribuam para o desenvolvimento sustentável do planeta por meio da educação e da cultura. Nesta edição, o Concurso Curta tem apoio do WWF-Brasil, organização não governamental sem fins lucrativos que trabalha para mudar a atual trajetória de degradação ambiental e promover um futuro onde sociedade e natureza vivam em harmonia.

O regulamento e a ficha de inscrição podem ser acessados no site: http://ecofalante.org.br/competicao/curta

CONCURSO CURTA ECOFALANTE – Inscrições prorrogadas até 31/03

#FiqueEmCasa: Produtora Movimento Carioca, do casal de atores Miriam Freeland e Roberto Bomtempo, disponibilizará obras de Teatro e Cinema pelo YouTube

A produtora cultural Movimento Carioca – dirigida pelo casal de atores Miriam Freeland e Roberto Bomtempo – aderiu ao movimento #FiqueEmCasa e disponibilizará gratuitamente, em seu canal do YouTube, diversas obras de Teatro e Cinema realizadas ao longo de seus 20 anos de atuação em filmes e peças de teatro na cidade do Rio de Janeiro. O primeiro conteúdo liberado será “Raul Fora-Da-Lei – A História de Raul Seixas”, monólogo musicado estrelado por Bomtempo, e dirigido por José Joffily.

Os lançamentos serão postados todo sábado, a partir de 28 de março, no canal da produtora no YouTube. Para acessar, clique: bit.ly/MovimentoCariocaYouTube

Ainda está previsto o premiado filme “Depois Daquele Baile”, com Lima Duarte, Marco Caruso, Irene Ravache e Ingrid Guimarães.  Vencedor dos prêmios de Melhor Filme no Festival de Cinema de Miami, Prêmio da Crítica no Festival de Nova York, Melhor Filme pelo Júri Popular no Festival de Tiradentes, entre outros.

Além de produções para a TV e o Cinema, Roberto Bomtempo e Miriam Freeland são grandes produtores do teatro carioca e a companhia criada pelo casal possui mais de dez espetáculos produzidos nos últimos 20 anos. Destes, alguns sucessos também estarão online.

– Como cidadãos e profissionais da Cultura, devemos nos unir no movimento #FiqueEmCasa. É preciso compartilhar opções de Entretenimento para quem está em casa fazendo a sua parte e ajudando na conscientização durante este momento tão difícil.  – afirma Roberto Bomtempo.

– É triste ver os teatros vazios e tantos espetáculos cancelados e adiados, inclusive obras nossas como “Diário de Pilar na Grécia”, que estrearia em março no Rio. Precisamos estar próximos do público de alguma forma e qualificar o trabalho de profissionais que movimenta uma cadeira econômica importante! Além do valor cultural, que num momento como esse tem demonstrado ainda mais sua relevância na vida de todos!– conclui Miriam Freeland.

Entre as obras teatrais, serão disponibilizados sucessos como “Plínio – A História de Plínio Marcos”, de Silvio Guindane e protagonizado por Roberto Bomtempo; “Casa de Bonecas”, versão do argentino Daniel Veronese e com Bomtempo, Miriam Freeland, Leandro Baumgratz, Ana Sant’Ana e Regina Sampaio; além de um dos maiores sucessos da companhia, “Tomo Suas Mãos nas Minhas” êxito de público e crítica, indicado aos prêmios Shell de Melhor Ator e Melhor Atriz (Miriam e Bomtempo), além de Cenário e Iluminação.

A Movimento Carioca vai incluir nessa jornada teatral  “Capitães da Areia”, montagem de 1992 que ficou dois anos em cartaz no Teatro Vanucci, estrelada pelos então estreantes Dira Paes, André Gonçalves, Pedro Vasconcelos, Jonas Torres, Victor Hugo, entre outros.

RAUL FORA-DA-LEI

A partir do dia 28 de março, sábado, os internautas poderão acessar a homenagem de Roberto Bomtempo ao cantor e compositor, “Raul Fora-Da-Lei – A História de Raul Seixas”, um “monólogo musicado”, como chama o ator, que vive o músico homenageado. O espetáculo já rodou o Brasil, passando por São Paulo (interior e capital), Belo Horizonte, Salvador, Maceió, Fortaleza, Porto Alegre, entre outras cidades e estados, e esteve em cartaz por mais de 20 anos.

Como um tributo ao músico Raul Seixas, “Raul Fora-da-Lei” conta com a participação da banda M-743 tocando ao vivo, sob direção musical de Igor Eça. “Gita”, “Cowboy Fora-da-Lei” e “Maluco Beleza” são algumas das canções apresentadas durante a peça, que tem roteiro assinado por Luiz Arthur Nunes, Roberto Bomtempo e José Joffily.

Acesse o canal da Movimento Carioca no YouTube: bit.ly/MovimentoCariocaYouTube

Canal do Sesc RJ no Youtube exibe série de entrevistas com coreógrafos do EntreDança 2019

O Sesc RJ disponibilizou no seu canal do Youtube uma série de entrevistas com coreógrafos e bailarinos de companhias que participaram do projeto Sesc EntreDança 2019. Um dos maiores eventos do gênero no país, o EntreDança levou 75 apresentações de 14 grupos a diferentes regiões da capital, Região Metropolitana e Serra do Rio de Janeiro no mês de maio, em sua quarta edição. A curadoria do projeto foi indicada ao prêmio Cesgranrio de Dança 2019/2020.

 

A série, batizada de “EntreFalas”, conta com 13 vídeos que mesclam as entrevistas com cenas dos espetáculos. A partir do recorte curatorial deste ano – intitulado O Corpo Negro  – os artistas abordam questões sobre processo de criação das obras, a historiografia da dança e relações dos seus contextos de produção, a diáspora negra, a representatividade e o protagonismo dos seus artistas. Um dos entrevistados é o moçambicano Pak Ndjamena, que no evento fez a estreia nacional do espetáculo “Influx”.

Os vídeos também trazem entrevistas com Tiago Oliveira, Carlos Laerte (Laso Cia de Dança), Cristina Moura, Gil Wanderson (GW Cia de Performance), Luiz Monteiro (Cia Rubens Barbot), Kanzelemuka (Nave Gris), Luciane Ramos, Fatinha do Jongo (Jongo de Pinheiral), Igor Pontes (Imperadores da Dança), Douglas Jesus (Fragmento Urbano), Rodrigo Nunes (Cia de Aruanda) e Anani Sanouvi (Cia Kawin).

 

Confira esses e outros conteúdos no canal do Sesc RJ no Youtube: @portalsescrio: @portalsescrio

Casuarina 18 Anos – Ao Vivo

Ouça o álbum: https://orcd.co/18anosaovivo

Assista ao clipe de “Canto de Ossanha” : https://youtu.be/Cbkk2Q5UtVc

Nos anos 2000, a Lapa abrigou uma geração que renovou a música brasileira.  A sofisticação do samba tradicional com harmonias trabalhadas em violões, cavaquinhos e bandolins. Os casarões centenários que conectaram os jovens com a atmosfera do Rio Antigo. A batucada que ora namora com a gafieira, ora com o candomblé. A cerveja servida no copo americano. A pesquisa e resgate de autores pré-Bossa Nova. Os sambas que não tocavam nas rádios começaram a ser cantados, em coro, em animadas rodas. Tudo isso gerou um novo caldo, um novo estado de espírito.  A partir daí, o chão e o som da Lapa passaram a reverberar numa frequência nova.

 

Há 18 anos, nessa Lapa, o Casuarina vocalizou esse estado de espírito. E agregou um diferencial: a competência e o carisma para atingir um público mais abrangente. Em poucos anos, fez da Fundição Progresso a sua casa. Manteve lotado um dos maiores espaços da Lapa. Em 2012, reuniu uma multidão, ao ar livre, diante dos Arcos da Lapa para a gravação do DVD “Casuarina – 10 Anos de Lapa”.

 

Foram, até aqui, oito discos, dois DVDs e uma série de turnês pelo Brasil e pelo mundo. O grupo também ganhou prêmios importantes, como o de “Melhor Grupo de Samba” no 28º Prêmio da Música Brasileira em 2017. O sucesso do Casuarina lembra a famosa frase de Tolstoi: “Se queres ser universal, canta a tua aldeia.”

 

Essa trajetória, essa aldeia, estão impressos em “Casuarina 18 anos – ao vivo”. O grupo escolheu o Centro Cultural Carioca, onde foi residente por anos, para a gravação. Próximo à Lapa, o CCC é um dos principais casarões centenários do Rio Antigo. Estão ali os sambas preciosos garimpados para os primeiros discos. Alguns foram vestidos com arranjos tão marcantes que passaram a ser reconhecidos como “sambas do Casuarina”. É o caso de “Jornal da Morte”, do compositor e jornalista Miguel Gustavo e “É isso Aí”, do genial e esquecido Sidney Miller. As harmonias e os arranjos do competente trio de cordas formado por Daniel Montes (violão de 7 cordas), João Fernando (bandolim) e Rafael Freire (cavaquinho) se tornaram uma das marcas do Casuarina.

 

Gabriel Azevedo (pandeiro e voz) canta com segurança em todas as faixas, com especial destaque em “Disritmia”, de Martinho da Vila. O balanço saboroso entre a voz potente e o trio de instrumentistas fica nítido no arranjo de “Canto de Ossanha”, um dos afro-sambas de Vinícius de Moraes e Baden Powell.

 

O clima dançante de gafieira está em “Falso Moralista”, do quase centenário Nelson Sargento. De quebra, a música soa como um comentário sarcástico ao Brasil de 2020.  A única música ainda não gravada pelo grupo é o samba-canção “Meu apelo”, de Wilson Moreira. Uma homenagem ao mestre, referência maior do Casuarina, que morreu em 2018.

 

Com o passar dos anos, e com o amadurecimento da geração de músicos da Lapa, começaram a aparecer novos compositores. E o Casuarina brilhou com “Certidão”. João Cavalcanti, que saiu do grupo em 2017, assinou essa canção com João Fernando. O grupo agora registra sua certidão na voz de Gabriel Azevedo.

 

As músicas garimpadas da nova geração de compositores soam como clássicos. Basta ouvir os versos “Cansei de procurar em outras bocas / O gosto desse beijo que não sai de mim”, que abrem a música “Um samba de saudade”, de Chico Alves e Toninho Geraes.  A batucada que ora namora com a gafieira em “Falso Moralista”, se firma no candomblé em “Falangeiro de Ogum” (Leandro Fregonesi / Raul DiCaprio) e “Embira” (Cadé / Raul DiCaprio).

 

Mais do que gravações com arranjos impecáveis, “Casuarina 18 anos – ao vivo” reverbera os sons e o chão da Lapa. Cada música te leva pra atmosfera do Centro Cultural Carioca, do Arco da Velha, Semente, Carioca da Gema, Clube dos Democráticos. Mesmo que você nunca tenha escutado um samba nesses lugares. 

Richard Riguetti oferece curso de Gestão Cultural

Em meio ao isolamento social que estamos vivendo por conta da proliferação do COVD-19 no Brasil e no mundo, nos vemos diante do desafio de criar formas de nos mantermos ativos e aprendermos algo novo. A partir dessa provocação, o gestor cultural, ator, produtor, diretor e mestre na arte da palhaçaria, Richard Riguetti, está oferecendo o curso de Gestão Cultural, que tem início no próximo dia 31 de março. As aulas, que serão online, visam construir futuros, criar projetos e viabilizá-los, englobando o planejamento, administração e marketing. A ementa é voltada para artistas, educadores, produtores e gestores que já tenham – ou ainda não – projetos para serem desenvolvidos a médio prazo (para a partir de 2025). Richard é formado em Artes Cênicas pela UniRio e em Gestão Cultural pela faculdade Candido Mendes.

“No meu entender, Gestão Cultural é uma forma inventiva que nos impulsiona a organizar os processos de trabalho considerando as forças produtivas e criativas dos artistas e técnicos envolvidos”, revela Richard, que tem 40 anos de trajetória como artista, com projetos próprios, genuínos e de grande contribuição para a sociedade (a identidade do povo brasileiro), no campo da arte, cultura e educação.

32 anos de Grupo Off-Sina, 08 anos da Escola Livre de Palhaço – ESLIPA, Caravana Petrobras da Cultura, De Olho no Duto, Escola de Artes Ramos Nessa – Circo Voador de Ramos, Paulo Freire, o andarilho da utopia, Leia Brasil, Programa de Fomento a Leitura Petrobras Bacia de Campos.

Serviço:

O curso terá 10 encontros virtuais, sendo 2x por semana, com duração de 2 horas cada, às terças e quintas

Dias: 31 de março, 02, 07, 09, 14, 16, 21, 23, 28 e 30 de abril

Horário: das 10h às 12h

Início das aulas dia 31 de março através da plataforma ZOOM: http://www.zoom.us

Contato para inscrição – 21 99535-3983 ou institutoeslipa.gestor@gmail.com

Contribuição consciente

Realização – Grupo Off-Sina e Instituto Cultural Escola Livre de Palhaço

Trovadores Urbanos On Line, uma opção cheia de afeto para homenagens à distância

Trovadores Urbanos preparou ações afetivas, virtuais, para esses tempos de isolamento.

– “Seresta de Sexta”, saiu da rua e foi para o Instagram. Todas as Sextas ás 20h tem uma hora curtindo e cantando.

–  Serenata diária : “Fica em Casa Cantando com Trovadores Urbanos”  pelo Instagram e pelo Facebook, Maida Novaes (idealizadora e fundadora do grupo) faz cantoria e conta histórias que fazem parte dos 30 anos do grupo; Meia hora de duração, todos os dias ás 17h.

– O grupo tb continua seu trabalho de homenagens á distancia especiais por encomenda:

Trovadores Urbanos On Line, uma opção cheia de afeto para homenagens à distância.

Em tempos de manter a distância entre as pessoas, receber e entregar Afeto On Line é a opção criativa e amorosa que os Trovadores Urbanos oferecem ao público para as conhecidas e festejadas serenatas.

Não podemos ter festas físicas mas podemos ter celebração e emoção On Line com várias opções de apresentação, para todo o tipo de homenageado.
Serenatas por whatsapp ou também por vídeo, apresentacões alegres e divertidas com o ” Anjo da Guarda” ou o ” Coração Apaixonado”, podem alegrar e emocionar a todos que, nesse momento, têm que se mater distantes uns dos outros.

Trovadores On Line é a solução mais afetuosa para homenagear em tempos de isolamento social. Conheça as diversas opções e presenteie seus queridos com alegria e muito amor.

Programação TEATRO ONLINE, da Palavra Z

Contribuindo com a campanha oficial de combate ao Covid-19, a Palavra Z Produções Culturais disponibilizou no último final de semana 6 (seis) espetáculos, entre infantis e adultos gratuitamente online. O objetivo é contribuir com a conscientização da população sobre as medidas de prevenção necessárias, além de garantir a diversão, o entretenimento e o bem-estar das famílias, nesse período tão delicado em que precisarão ficar mais tempo em suas casas.

A ação intitulada TEATRO ONLINE, contou com 21 mil visualizações, média de 65 mil espectadores com mais de 5 mil horas de exibição. Essa semana a iniciativa começa na quarta-feira com música e ópera performática.

Segue abaixo a programação da segunda semana. O acesso é feito através do link disponibilizado no site da Palavra Z: www.palavraz.com.br

Programação de 26 a 29 de março

*QUARTA*

_MÚSICA_

*Gomalina Clube Canta Noel Rosa* de Cadu Pacheco, Renato Badeco e Rafael Tereso
Disponibilizado de 10h às 17h

O show homenageia a música popular brasileira, com o grande compositor da Música Popular Brasileira Noel Rosa que apesar de ter vivido apenas 26 anos, sendo sete deles dedicados a composição de mais de 250 canções, se figura como um dos mais importantes compositores de nosso país.  Noel era diferenciado, um cronista do cotidiano, que contava em suas canções um Brasil menino, recém republicano. De vida boêmia e desregrada, compôs com tanta veemência que ainda hoje há canções que são praticamente inéditas. Fundamentado nisso, o projeto busca, através de uma pesquisa minuciosa em sua obra, levar ao público essas relíquias desconhecidas, além dos eternos sambas já consagrados.

 O cantor do grupo, Renato Badeco, resume: “Noel foi um carioca de classe média que transitou por todo o Rio de Janeiro nas décadas de 20 e 30. Cantou as esquinas, os bares, os becos, as mulheres, a urbes, a política, o amor, o machismo, o carnaval, o morro, os cabarés e a morte… Noel suscitou um modo novo de compor, aliando melodias geniais à poemas muito bem elaborados”.

_ÓPERA PERFORMÁTICA_

*Na Boca do Cão* de Gabriela Geluda
Disponibilizado de 18h às 00h

É uma ópera solo contemporânea, que une música, dança e teatro. Fala do potencial da arte para transformar traumas profundos do ser humano a partir de uma história real, vivida na infância da soprano Gabriela Geluda, protagonista do espetáculo.

A música é a última obra composta por Sergio Roberto de Oliveira, o libreto é de Geraldo Carneiro, tem direção do Bruce Gomlevsky. Em cena a soprano/atriz Gabriela Geluda e os músicos solistas Ricardo Santoro (Violoncelo), Rodrigo Foti (Percussão) e Cristiano Alves/ Cesar Bonan (clarineta/clarone).

*QUINTA*

_MÚSICA_

*Mona canta Dalva* de Mona Vilardo e Filomancuzo
Disponibilizado de 10h às 17h

Mona canta Dalva estreou em 2017, no Teatro Maison de France, em comemoração ao centenário de Dalva de Oliveira. Depois seguiu pra o Teatro Dulcina, Teatro da UFF e Teatro Municipal de Niterói. Dentro do projeto tenho ainda o livro infanto juvenil “Dalva, minha vó e eu” e o espetáculo Mona canta Linda, pelo centenário de Linda Batista em 2019. Esse ano, fizemos o show Pré Carnaval das Rainhas do Rádio no Teatro Claro Net e Sala Nelson Pereira dos Santos.

_ÓPERA PERFORMÁTICA_

*Migrações* de Gabriela Geluda
Disponibilizado de 18h às 00h

Uma ópera performática que trata dos fluxos migratórios de milhões de pessoas de uma maneira poético-alegórica. Esses movimentos são motivo de fascínio e terror desde a mítica Tróia aos refugiados da Síria hoje e o desejo é de que se possa dar atenção permanente a essa questão.

Tem libreto de Geraldo Carneiro, direção de Duda Maia, música de Beto Villares e Armando Lôbo.  No elenco estão a soprano e atriz Gabriela Geluda, a bailarina e atriz Gabriela Luiz e o trio instrumental formado pelos solistas Cristiano Alves ( clarinete /clarone)  Rodrigo Foti ( Percussão) e Daniel da Silva ( violoncelo) além de meios eletroacústicos.

*SEXTA*

_Infantil_

*Patrícia Piolho* de Luiza Yabrudi e Karina Ramil
Disponibilizado de 10h às 17h

Após 5 anos, a peça infantil “Patrícia Piolho”, vencedora na categoria de Melhor Atriz do 9º Prêmio Zilka Sallaberry de Teatro Infantil (Karina Ramil), retorna nas mídias digitais, na próxima sexta feira, dia 27 de março, disponibilizado de 10h as 17h. A peça narra o drama de uma menina do interior que chega à cidade grande e busca aceitação na turma do novo colégio. Logo no primeiro dia de aula, em meio a esse desafio, ela conhece o inseto mais temido na infância, o piolho, motivo de bullyng, mas que, para sua surpresa, acaba sendo seu melhor amigo.

_Adulto_

*Carta de um Pirata* de Vinícius Piedade
Disponibilizado de 18h às 00h

Um pirata escreveu uma carta pra mãe há muito tempo, e o ator traz essa carta para o palco utilizando pra isso o essencial (corpo, voz, sensibilidade), de maneira a explorar todas as suas nuances, que vão do humor genuíno ao inconformismo radical, fazendo da peça uma Comédia Inconformada.

*SÁBADO*

_Infantil_

*A Pequena Vendedora de Fósforos* de Dayse Pozzato
Disponibilizado de 10h às 17h

A Pequena Vendedora de Fósforos é um dos textos mais populares de Andersen e pouco montado no Brasil. No exterior já recebeu diversas montagens tanto para crianças quanto para adultos. Estimulados por esse ineditismo e pelos temas abordados resolvemos trazer este texto para o publico infantil, que conta com a adaptação de Denise Crispun e direção de Lúcia Coelho, ambas com vasta experiência com o teatro infantil.
Esta é a história de uma menina que, para sobreviver, ajuda sua família, vendendo fósforos. Num dia frio, de uma noite de Natal, ela acende um dos palitos para aquecer seu corpo e quem sabe,também sua alma. Cada fósforo que acende faz com que ela se depare com a vida que nunca teve: brinquedos, uma bela refeição, a presença de uma família, até o último fósforo, que traz de volta o desejo de rever a sua querida avó, já falecida.

_Adulto Musical_

*A Lenda do Sabiá* de André Arteche
Disponibilizado de 18h às 00h

A montagem musical, A Lenda do Sabiá, que contou com a benção de Ariano Suassuna, apresenta a Cia Os Aborígenes de Teatro e seus dez atores músicos que, em rima, contam a lenda de Sabiá – sanfoneiro que é acusado injustamente por um crime e, em um vivaz realismo fantástico, volta à vida transfigurado em um homem pássaro.

O espetáculo, que tem suas raízes na literatura de Cordel, é uma comédia que fala sobre o Brasil e faz um tributo a romancistas que são referência ao retratarem o folclore e o regionalismo do país – Mário de Andrade e Ariano Suassuna, e seus personagens, como Macunaíma e João Grilo. Bem como o compositor Luiz Gonzaga, dentre muitos outros autores brasileiros.

*DOMINGO*

_Infantil_

*Marrom nem preto nem branco? * idealizada por Vilma Melo e  Pieterson Duderstadt
Texto Renata Mizrahi
Disponibilizado de 10h às 17h

Com 55 minutos de duração, a peça inspirada na menina Lorena de Melo Schaefer, conta a história de Linda, uma menina que não entende o conceito de raça, só de cor. Filha de pai alemão e mãe negra, ela se acha marrom. Após inúmeras situações que apontam as desigualdades, ela decide fugir em busca de sua identidade a procura de um lugar onde todos são iguais.

_Adulto_

*Um Ensaio Sobre Amaro* de Eduardo Rios
Disponibilizado de 18h às 00h

Um ensaio sobre Amaro é um ensaio sobre a tristeza, que se desenvolve no exato instante em que um ator que nega os seus próprios sentimentos se vê obrigado a reensaiar o seu personagem mais triste: Amaro. O ator e o personagem entram juntos em cena para travar um embate entre a melancolia e a euforia, a lealdade e o desapego, a aceitação e a necessidade de mudar. O ator, Eduardo Rios, usa como recursos principais um forte trabalho físico e um dinâmico tempo cômico para, sozinho, dar vida a um inquieto e filosófico dilema entre as facetas que habitam um mesmo ser. Brincando entre linguagens teatrais extremas, o espetáculo aposta na mescla entre dança, teatro de máscaras, manipulação de objetos, música e ilusionismo para convidar o público a uma conversa com a tristeza em tempos em que ela não é mais ouvida.

Então corram e espalhem! Vamos manter quem amamos em casa!
VIVA a arte que ajuda a curar. Todos contra #covid19!
Acesse o link por _www.palavraz.com.br_

 

Adulto
Um Ensaio Sobre Amaro de Eduardo Rios

Disponibilizado de 18h às 00h
Um ensaio sobre Amaro é um ensaio sobre a tristeza, que se desenvolve no exato instante em que um ator que nega os seus próprios sentimentos se vê obrigado a reensaiar o seu personagem mais triste: Amaro. O ator e o personagem entram juntos em cena para travar um embate entre a melancolia e a euforia, a lealdade e o desapego, a aceitação e a necessidade de mudar. O ator, Eduardo Rios, usa como recursos principais um forte trabalho físico e um dinâmico tempo cômico para, sozinho, dar vida a um inquieto e filosófico dilema entre as facetas que habitam um mesmo ser. Brincando entre linguagens teatrais extremas, o espetáculo aposta na mescla entre dança, teatro de máscaras, manipulação de objetos, música e ilusionismo para convidar o público a uma conversa com a tristeza em tempos em que ela não é mais ouvida.

Então corram e espalhem! Vamos manter quem amamos em casa!
VIVA a arte que ajuda a curar. Todos contra #covid19!
Acesse o link por www.palavraz.com.br