Samba em Festa na esquina da Ipiranga com a São João

Em palco montado na esquina da Ipiranga com a São João, encontro de avenidas mais famoso da cidade, imortalizado na música de Caetano Veloso, o evento Sampa em Festa pretende comemorar o aniversário da cidade de São Paulo com música brasileira de qualidade em programação gratuita, entre meio-dia e 19 horas do dia 26 de janeiro, domingo. Em seis horas de música, Sampa em Festa reunirá a nova geração e nomes mais consagrados. Com 16 artistas no palco, fora o coletivo de dançarinos Hip Hop Dança no Vagão, que encerra a programação, o line-up traz o DJ Pardieiro (Leandro Pardi, do Coletivo Pardieiro, que animou a festa de Réveillon na Paulista em 2019), especializado em música popular brasileira, sonoridades regionais e clima carnaval, abrindo os trabalhos e comandando o show nas trocas de palco.

 

A festa segue com um dos nomes mais em evidência da cena indie brasileira, a cantora e compositora de Goiânia Brvnks, que mostra versões diferentes das músicas do CD Morri de Raiva (Sony, 2019).  O show, conta com a participação especial de Emilly Barreto, da banda Far From Alaska, uma das bandas de destaque do rock brasileiro atualmente. No show, Emilly participa de quatro músicas, entre vocais e bateria. O show tem 50 minutos de duração com 12 músicas no repertório. Depois é a vez da cantora e compositora de rap e r&b Drik Barbosa, que abre para canja do músico Fióti, que está à frente do coletivo Lab Fantasma com seu irmão Emicida. Luiza Lian apresenta um set list contemporâneo, com repertório dos seus discos  Azul Moderno e Oya Tempo, com a participação da cantora e compositora baiana Josyara.

 

O guitarrista, produtor e compositor Walmir Borges, com mais de 25 anos de carreira (tocou com Paula Lima, Seu Jorge, Jeito Moleque, Earth Wind & Fire, Exaltasamba, Alexandre Pires, Grooveria, Roberto Frejat, RapinHood , Max de Castro, Belo, Fernanda Porto, Simoninha, Jair Oliveira, Luciana Mello) sobe ao palco e chama o show inédito dos convidados especiais Luciana Mello e Leo Maia. Os três serão acompanhados de banda de seis músicos da nata da música instrumental, entre eles, Daniel de Paula (baterista do Simoninha, que já tocou com Marcos Valle e Michel Leme), Marcelo Maita (pianista do Clube do Balanço, toca com Paula Lima, Seu Jorge, Liniker) e Márcio Forte (percussionista, toca com Max de Castro, Acadêmicos do Baixo Augusta e no projeto Show dos Famosos, no Domingão do Faustão, na Rede Globo).

 

Com produção e realização do Grupo Fábrica de Bares, responsável pela gestão e operação de casas noturnas com programação musical (como o Bar Brahma, entre outros), direção artística de Anderson de Moraes, curadoria de Anderson de Moraes e Fabrício Nobre, o evento tem apoio do Governo do Estado de São Paulo e Secretaria de Cultura e Economia Criativa, por meio do Programa de Ação Cultural – PROAC ICMS e patrocínio do Açúcar Guarani. A contrapartida do projeto é a arrecadação de brinquedos a serem doados para instituições. Haverá um ponto no Bar Brahma.

 

Além de homenagear São Paulo através da música brasileira, o projeto brinda os empreendedores/programadores da vida noturna da cidade e valoriza o trabalho desenvolvido por músicos que movimentam a noite paulistana em bares com música ao vivo e casas de show. “Estamos fazendo um evento para presentear a cidade de São Paulo. Entendemos nossa missão cultural e nossa localização, que é um marco no Brasil, nos propõe uma responsabilidade muito grande”, afirma Anderson Vinícius de Moraes, diretor artístico do grupo Fábrica de Bares, que assina a curadoria ao lado de Fabrício Nobre.

 

A opção dos curadores foi mesclar artistas da nova geração com os mais consagrados mas que não fossem totalmente mainstream também. “Luciana Mello é super reconhecida e tarimbada. Já o Leo Maia, que é filho do Tim Maia, nem tanto. Walmir Borges é um dos representantes do samba rock, ritmo reconhecido como patrimônio cultural da cidade de São Paulo, tem parcerias musicais com Earth Wind and Fire e Seu Jorge. Em contraponto a isso, na grade temos a nova geração da música urbana representada por Drik Barbosa e Luiza Lian, que, além de cantora e compositora, é também artista visual, isso para ficar em apenas dois exemplos’, explica Anderson. “A ideia de criar o Sampa em Festa foi de festejar o aniversário da cidade com música popular brasileira na esquina mais paulistana de todas. Uma forma de homenagear a cidade, o paulistano, nossa cultura. Esperamos que o evento entre no calendário do paulistano e de quem visita a cidade nessa data. Esperamos repetir com isso anualmente o projeto”, diz Cairê Aoas, diretor do Grupo Fábrica de Bares.

 

Sobre as apresentações

 

12h – 12h40 DJ Leandro Pardí – Coletivo Pardieiro

Leandro Pardí comantou as pick-ups de um das maiores festas do mundo – o Reveillon 2019 da Av. Paulista, que reuniu mais de 2 milhões de pessoas.  Já se apresentou em outros eventos do calendário cultural da cidade, como a Jornada do Patrimônio, tocou nas principais casas noturnas de São Paulo, é o Dj nas festas de mídia da Rede Globo (Samba na Globo e São Globão) há 3 anos. Mantém a própria festa e o Bloco de Carnaval Lua Vai. Nas festas que produz já passaram Fafá de Belém, Céu, Ney Matogrosso, Liniker, Elza Soares (madrinha da festa). Atuando com produção cultural há quase uma década, hoje possui a própria produtora, a Pardieiro Cultural.

 

12h40 – 13h30 Brvnks convida Emily (FFA – Far From Alaska)

Um dos nomes mais comentados cena indie brasileira dos últimos anos, Brvnks é guitarrista, cantora e compositora. Tem referência de bandas clássicas dos anos 90 e grupos atuais como Alvvays, Wavves, Best Coast, Snail Mail e Fidlar. Cresceu envolvida em uma cena de música plural e atuante na sua cidade natal – Goiânia (GO). Bruna Guimarães começou a compor aos 17 anos boa parte das músicas de seu EP de estreia – Lanches – 2016. O disco de estreia, Morri de Raiva, veio em 2019 pela Sony Music. A artista já abriu shows internacionais pelo Brasil, como Courtney Barnett, Wavves, Tigers Jaw e Basement, e participou de neventos como Festival Bananada, Festival Dosol, SIM SP, Popload Festival, além de ter passado pelo palco principal do festival Lollapalooza Brasil. Atualmente, está em turnê do lançamento do seu disco de estreia, que corre por todas as regiões do Brasil até a metade de 2020.

 

Emily é cantora da banda de rock da Natal (RN) – Far From Alaska, que aposta em riffs pesados, vocais femininos e letras em inglês.

 

14h- 14h50 – Drik Barbosa convida Fióti

Drik Barbosa é cantora e compositora de rap e r&b. Para mostrar seu talento com músicas próprias, Drik lançou os single Pra eternizar e Não é mais você. Em 2013, a convite do Emicida, colaborou na trilha do filme O Menino e o Mundo – uma animação feita por Alê Abreu, filme indicado para o Oscar. Em parceria com o produtor musical Casp (GROU) – que já trabalhou com Emicida, Kamau, Rashid -, lançou em 2015 o single Deixa eu te levar. Participou do cd Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa, de Emicida. Em 2018 lançou 0 EP Espelho, com participação de Rincon Sapiência. Seu primeiro álbum, Drik Barbosa, está disponível nas as plataformas digitais.

 

Fióti é empresário e produtor de seu irmão mais velho, Emicida. Em 2018, lançou o isco Gente Bonita e ganhou destaque nos palcos. Segue firme à frente do coletivo de música e moda Lab Fantasma.

 

15h20 – 16h10 – Luiza Lian convida Josyara–

A cantora, compositora e artista visual Luiza Lian foi  lançada pelo Selo Risco, em 2015, com o álbum homônimo Luiza Lian. Em 2017, lançou o álbum visual Oyá Tempo, que foi acompanhado por um filme de 25 minutos. Oyá Tempo desdobrou dois hits: Oyá e Tucum.

 

Josyara é cantora e compositora baiana. Em 2012, lançou o disco Uni Versos. Em 2018, veio o segundo álbum, Mansa Fúria, com 12 canções autorais. Abriu shows para Tiê e Elba Ramalho, entre outros artistas.

 

 

Para roteiro

 

Banda que acompanha Leo Maia e Luciana Mello é formada por:

 

Daniel de Paula – baterista do Simoninha, já tocou com Marcos Valle e Michel Leme; Felipe Pizzutiello – baixo; Marcelo Maita – pianista do Clube do Balanço, toca c/ Paula Lima, Seu Jorge, Liniker; Márcio Forte – percussionista, toca com Max de Castro, Acadêmicos do Baixo Augusta, projeto Show dos Famosos, Domingão do Faustão, Rede Globo; Dilson Laguna – guitarra; Doug Bone – trombone; e Walmir Borges – guitarrista, representante do samba rock, parcerias com Earth Wind & Fire, Seu Jorge.

 

Sampa em Festa – Dia 26 de janeiro, domingo, a partir das 12 horas, em palco montado em frente ao Bar Brahma, na avenida Ipiranga, 677, centro historio. Gratuito. Contrapartida – Campanha de arrecadação de brinquedos. Ponto de coleta no Bar Brahma. A contrapartida do projeto é a arrecadação de brinquedos a serem doados para instituições. Haverá um ponto de coleta no Bar Brahma.

 

Início    Fim      Programação

12h00   12h40   DJ set Pardieiro

12h40   13h30   Show 1: Brvnks convida Emilly (Far From Alaska)

13h30   14h00   troca de palco + DJ set Pardieiro

14h00   14h50   Show 2 : Drik Barbosa convida Fioti

14h50   15h20   troca de palco + DJ set Pardieiro

15h20   16h10   Show 3: Luiza Lian convida Josyara

16h10   16h40   troca de palco + DJ set Pardieiro

16h40   18h00   Show 4 Guitarrista Walmir Borges + Luciana Melo e Leo Maia e banda

18h00   18h20  Hip Hop no Vagão

19h00   DJ set Pardieiro – Brvnks, Drik Barbosa e Luiza Lian estão com ele

“A Megerinha Domada” no Teatro Armando Gonzaga

Através de uma linguagem circo-teatro e pontuada com cantigas de rodas infantis onde os atores cantam e tocam instrumentos ao vivo, a trupe teatral apresenta uma encenação voltada para o teatro de rua em busca de uma expressão popular e de fácil entendimento.

A história inicia com o Sr. Batista que possui duas filhas, Catarina e Bianca. Enquanto Bianca é graciosa, delicada e com muitos pretendentes, Catarina é conhecida como demônio de saias, devido ao seu temperamento arredio. Batista deseja casar suas filhas, mas seguindo a ordem de idade, primeiro deve casar Catarina e depois Bianca. Os pretendentes de Bianca ficam preocupados com isso, e decidem empurrar Petrúquio que aceita a missão na mesma hora em que soube que a família Batista é muito rica e possuí muitas propriedades. Apesar de ser rústico e mal educado. Petrúquio usa sua inteligência para domar a Megera Catarina.

SINOPSE

 

Uma trupe de artistas chega numa praça pública pra contar que Catarina é uma garota bonita, mas possui uma personalidade forte. Seu jeito insensível assusta os rapazes da cidade. Já Bianca, sua irmã, é o oposto. Meiga e sensível, ela é muito desejada. O pai das meninas, seu Batista, orientou-a que não tivesse um encontro amoroso antes de Catarina. E é aí que mora o perigo, pois nesse conflito, surge Petrúquio, um rapaz que acabou de chegar do interior e aceita o desafio de conquistar a megerinha.

 

Serviço

 

Autor:  Willian Shakespeare.

Direção e Livre Adaptação: Eliano Lettieri

Elenco: Beatriz Cunha, Vandoca Lopes, Marina Aguilera, Letícia Croner, Robert Queiroz, Saulo Lima, Uelisson Senna, Rodrigo Praça, João Gomes, Gustavo Mascarenhas e Igor Macesse.

Teatro Armando Gonzaga

Av. Gen. Osvaldo Cordeiro de Farias, 511 – Mal. Hermes –RJ.

Informações: (21) 23321040

Temporada: 25 de janeiro a 02 de fevereiro, sábado e domingo, às 16h.

Duração: 60 minutos

Capacidade: 210 lugares

Classificação etária: Livre

Valores:  R$30,00

“Frida Kahlo – A Deusa Tehuana” – Eu Fui!

Figura Pop famosa na atualidade, símbolo usado entre as feministas. Artista das mais aclamadas no mundo inteiro. Muitos são os adjetivos que podemos usar para nos referir à pintora Frida Kahlo. “Frida Kahlo – A Deusa Tehuana” faz, sim, uma menção a sua carreira artística, mas o foco não é esse. Tão famosa quanto as obras é sua vida pessoal, e é principalmente sobre o que se trata o espetáculo, que estreou em 17 de janeiro no Teatro Maison de France, onde cumpre temporada até 16 de fevereiro.

A atriz Rose Germano interpreta uma Frida por trás da famosa figura forte pela qual se tornou conhecida. Suas dores e profunda paixão por Diego Rivera são evidenciadas, desmistificando um pouco a personalidade que criamos sobre a artista. Há bonitas passagens poéticas no decorrer do texto, em que ela discorre sobre a vida e sobre o pesar de sua saúde, a vontade não concretizada de ser mãe e a ausência de Rivera em momentos importantes em sua vida. Apesar da obscuridade do enredo, o colorido figurino de Frida Kahlo é perfeitamente caracterizado por peças obtidas em Oaxaca, no México, país natal de Frida.

O espetáculo começa com o depoimento de Dolores Olmedo Patiño, maior colecionadora da obra de Frida e Rivera. Sua coleção hoje está exposta no Museu Dolores Olmedo, em La Noria, México. Tanto Frida quanto Dolores são vividas por Rose Germano. O texto cita passagens históricas, como por exemplo menciona ditadores, assunto sobre o qual muito se fala hoje em dia, em tempos difíceis para a arte.

Como citado acima, o espetáculo fica em cartaz até 16 de fevereiro no Teatro Maison de France. Segue serviço:

Serviço:

Frida Kahlo – A deusa tehuana

Temporada: 17 de janeiro a 16 de fevereiro

Teatro Maison de France – Av. Pres. Antônio Carlos, 58 – Centro, Rio de Janeiro – RJ

Telefone: 2544-2533

Dias e horários: Sexta a domingo, às 19h.

Ingressos: R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia).

Lotação: 355 pessoas

Duração: 1h

Classificação indicativa: 16 anos

Funcionamento da bilheteria: De terça a domingo, a partir das 14h.

 

P.S.: Agradeço à Racca Comunicação pelos convites!

 

 

Cecelo Frony Quarteto apresenta tributo a James Taylor, nesta quinta-feira, 23, no Hotel Fasano, em Ipanema

Dando sequência a sua seleta programação musical, com produção e curadoria de Teca Macedo, a série JAZZ+ levará ao Baretto-Londra (Hotel Fasano, Ipanema), nesta quinta-feira, dia 23, o cantor, guitarrista e violonista Cecelo Frony. Desde sua iniciação musical, o músico acompanha e aprecia a obra única do cantor e compositor norte-americano James Taylor, a quem apresenta um tributo interpretando seus grandes clássicos, como “You’ve Got a Friend”, “Fire and Rain”, “Don’t Let Me Be Lonely Tonight”, “How Sweet It Is To Be Loved By You”, entre outros. Cecelo se apresenta ao lado de Marcelinho da Costa (bateria), Augusto Mattoso (baixo) e Guilherme Ge (teclado).
A série Jazz+ segue às quintas-feiras de janeiro, recebendo, no dia 30, última quinta-feira do mês, o Nico Rezende Quarteto – do pop ao jazz – com participação especial de Guilherme Dias Gomes no trompete.

SERVIÇO:

23/1, quinta-feira – Cecelo Frony Quarteto – Tributo a James Taylor
Local: Baretto-Londra, no Hotel Fasano
Endereço: Rua Vieira Souto, 80, Ipanema
Horário: 21hs (2 sets)
Preço: R$70,00 inteira / R$35,00 meia e lista amiga
Telefone: (21) 3202-4000
Venda antecipada:

Shows da semana no Clube Manouche – Bruno Capinan e Bem Gil e Maurício Machline com o Por Acaso, recebendo Pedro Luís, João Cavalcanti, Pedro Miranda e Moyseis Marques

21/01 – Terça , 21h – Bruno Capinan e Bem Gil no show “Real”

O cantor e compositor baiano Bruno Capinan traz seu mais recente disco “Real”, composto e gravado no Canadá, onde mora há dezessete anos. Nesta apresentação será acompanhado pelo músico Bem Gil (violão) numa versão acústica do disco, eleito pelos críticos como um dos melhores discos de 2019.

E Capinam traz novidades: acaba de lançar o novo single “Mais Amor”, em todas as plataformas digitais gravada em Toronto no Canadá, com letra e música assinada por ele. Uma canção em tempos de guerra e polarização no cenário da política mundial. “Só o amor poderá nos salvar. Seja o amor pelo próximo, o amor pelo planeta ou o amor próprio”, descreve Capinan.

Serviço

Show: Bruno Capinan com Bem Gil no show do disco “Real”

Local: Clube Manouche/Casa Camolese (Rua Jardim Botânico, 983, Jardim Botânico, Tel: 3514-8200)

Data e horário: 21 de janeiro, terça-feira, 21h

Ingressos: R$ 50,00 (inteira), e R$ 30,00 (Ingresso solidário: com 1 kg de alimento não perecível) e R$ 25,00 (meia) https://manouche.byinti.com

Classificação: 18 anos. Menores a partir de 14 anos podem entrar acompanhados dos pais e/ou responsáveis legais.
Estacionamento no local (tarifado)

22/01 – Quarta,  21h Zé Maurício Machline recebe Pedro Luís, João Cavalcanti, Pedro Miranda e Moyseis Marques no Projeto Por Acaso

Zé Maurício Machline, criador do Prêmio da Música Brasileira, volta ao palco do Clube Manouche com a terceira edição do “Por Acaso“, programa de entrevistas que comandou na televisão até 2004, com um encontro de gerações de sambistas no palco para um bate-papo informal e números musicais: Pedro Luís, João Cavalcanti, Pedro Miranda e Moyseis Marques.

O projeto, que promove bate-papos e números musicais com grandes representantes da MPB – já reuniu no palco nomes como Zeca Pagodinho e Mariene de Castro; Gal Costa e Alice Caymmi e Ney Matogrosso e Filipe Catto e, na primeira edição na casa, nova recebeu Zélia Duncan e Moska, e na segunda Alcione e Ferrugem.

“A ideia é sair do lugar comum, promover encontros interessantes entre músicos com a mesma linguagem, entremeando a conversa com números musicais que fujam do repertório mais conhecido do artista”, define Machline,

Serviço

Show: Zé Maurício Machline recebe Pedro Luís, João Cavalcanti, Pedro Miranda e Moyseis Marques.

Local: Clube Manouche/Casa Camolese (Rua Jardim Botânico, 983, Jardim Botânico, Tel: 3514-8200)

Data e horário: 22 de janeiro, quarta-feira, 21h

Ingressos: R$ 50,00 (inteira), R$ 40,00 (ingresso solidário: com 1 kg de alimento não perecível) e R$ 25,00 (meia) www.eventim.com.br

Classificação: Livre

Estacionamento no local (tarifado)

“Bertoleza” no Sesc Belenzinho

Com elenco majoritariamente negro, a Gargarejo Cia Teatral estreia o musical Bertoleza, inspirado no livro O Cortiço, de Aluísio Azevedo, no dia 7 de fevereiro no Sesc Belenzinho. O espetáculo fica em cartaz até 1º de março, com sessões às sextas e aos sábados, às 21h30, e aos domingos (e no dia 22 de fevereiro), às 18h30.

A montagem, com adaptação, direção e músicas de Anderson Claudir, conta a história do clássico naturalista de Aluísio de Azevedo, agora sob ponto de vista da Bertoleza, uma mulher negra que é tão importante para a construção do romance quanto o próprio João Romão, o protagonista original.

Na trama, o oportunista Romão propõe uma sociedade à escrava Bertoleza, prometendo comprar a alforria dela. Eles começam uma nova vida juntos e constroem um pequeno patrimônio formado por um enorme cortiço, um armazém e uma pedreira.

Depois de acumular capital considerável, o ambicioso João Romão já não sabe mais como se tornar mais rico e poderoso. Envenenado pelo invejoso Botelho, ele decide se casar com Zulmira, a filha de Miranda um negociante português recentemente agraciado com o título de barão. Mas, para isso, precisa se livrar da amante Bertoleza, que trabalha de sol a sol para lutar pelo patrimônio que eles construíram juntos.

Para a companhia, o grande desafio foi fazer com que uma narrativa do século 19 questionasse e problematizasse as relações criadas nos dias de hoje. Por isso, o projeto iniciado em 2015 foi ganhando novos contornos. “Quisemos investigar uma identidade brasileira que vem da diáspora africana e pensar em como isso nos afeta artisticamente. Assim, podemos criar novos signos para essa geração e dar uma voz para essa terra periférica”, conta Claudir.

No processo, o coletivo procurou a força da figura de Bertoleza em outras mulheres negras brasileiras negligenciadas pela História. Durante a encenação, o elenco relembra as histórias dessas mulheres, como a vereadora Marielle Franco, militante da luta negra assassinada em março de 2018; a escritora Carolina Maria de Jesus, famosa pelo livro Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada; a jornalista e professora Antonieta de Barros, defensora da emancipação feminina que foi apagada dos livros de História; a escritora Maria Firmina dos Reis, considerada a primeira romancista brasileira; e a guerreira Dandara, que viveu e lutou no período colonial.

A protagonista dessa história é interpretada pela atriz Lu Campos, eo elenco também tem como destaque Eduardo Silva (Botelho), que ficou conhecido ao dar vida ao personagem Bongô no Castelo Rá Tim Bum e coleciona importantes prêmios teatrais como Mambembe, APCA, APETESP, Moliére e SHELL.

O time de intérpretes fica completo com Taciana Bastos (Zulmira), Bruno Silvério (João Romão) e pelos integrantes do coro Ananza Macedo, Cainã Naira, David Santoza, Gabriel Gameiro, Matheus França, Palomaris e Welton Santos. A direção musical é assinada por Eric Jorge; o dramaturgismo e a poesia, por Le Tícia Conde; e a coreografia, por Emílio Rogê.

Relação profunda entre vida e obra

 “Bertoleza é uma personagem inspirada em tantas histórias de um povo que resiste às injustiças de uma lógica racista. Sua história resiste ao tempo. Ela representa a força dessas inúmeras mulheres que sustentam a base do nosso país”, comenta Eduardo Silva. Para ele, o inescrupuloso Botelho também é bastante atual. “É a velha manipulação política, que não se preocupa com o povo e justifica suas incoerências sem a menor base social ou científica”, completa.

Para Lu Campos, interpretar Bertoleza tem um significado ainda mais profundo. No processo desde 2015, ela conta que vivenciou um chamado ancestral em 2017: suas antepassadas maternas deram-lhe a missão de quebrar o ciclo de opressão vivenciado por sua família desde os tempos de escravidão. “Espero que as mulheres pretas se sintam bem representadas na peça e a partir disso, busquem seus lugares de protagonismo nos variados âmbitos da vida”, conta.

Para a atriz, estar nesse processo contribui para a sua expansão de consciência. Em busca de mais respostas sobre sua ancestralidade, ela também cursou a pós-graduação em Matriz Africana pela FACIBRA/Casa de Cultura Fazenda Roseira. “As pessoas precisam perceber quão rica e diversificada é a matriz africana, por isso ela deve ser resgatada e valorizada. Afinal, a África é o ventre do mundo”, emociona-se.

Sobre a Gargarejo Cia Teatral

Formada por uma equipe majoritariamente periférica, a Gargarejo Cia Teatral conta com artistas de diversas áreas, como artes plásticas, dramaturgia, artes cênicas, direção, cenografia, musicalidade e produção. A companhia teve início em 2014, em Campinas, reunindo diferentes especialidades artísticas em parceria com renomadas instituições da região, como a Universidade de Campinas (UNICAMP), o Conservatório Carlos Gomes, a Estação Cultura de Campinas, as Prefeituras de Campinas, Sumaré e Vinhedo e o Lar dos Velhinhos de Campinas.

O grupo foca em uma perspectiva étnico-racial que reflete sobre colonização versus identidade. A intenção é articular a vivência periférica na cena como protagonista na sociedade, resgatando a autoestima e recriando autoimagem.

Em 2015, iniciou uma pesquisa sobre O Cortiço, que resultou na microcena Bertoleza – uma pequena tragédia: ponto de partida para o processo de investigação que, em 2019, completa quatro anos. Em 2017, o grupo se estabelece na cidade de São Paulo e, durante esse período, realiza diversas experimentações cênicas e musicais, propõe leituras, debates, rodas de conversa e apresentações das canções.

 SINOPSE

Adaptação musical de O Cortiço, de Aluísio Azevedo, obra clássica da literatura naturalista brasileira, em que o protagonismo é invertido. A voz agora é de Bertoleza: mulher, negra e escravizada que se relaciona com João Romão, um português ambicioso e oportunista. Bertoleza é o dedo na ferida, é o nó expulso da garganta, a voz que pergunta: E a Bertoleza?

FICHA TÉCNICA

Direção e Adaptação: Anderson Claudir
Direção Musical: Eric Jorge
Dramaturgismo e poesia: Le Tícia Conde
Texto final: Anderson Claudir e Le Tícia Conde
Elenco: Lu Campos, Eduardo Silva, Ananza Macedo, Cainã Naira, Palomaris, Taciana Bastos, Bruno Silvério, David Souza , Edson Teles, Gabriel Gameiro, Matheus França e Welton Santos
Coreógrafo: Emílio Rogê
Preparação Vocal e Assistência de direção musical: Juliana Manczyk
Coordenadora de Produção: Cláudia Miranda
Produção Executiva: Andréia Manczyk
Assistente de Produção: Marina Pinho
Cenografia e Figurino: Daniela Oliveira
Assistente de cenário e figurino: Gabriela Moreira
Iluminação: Andressa Pacheco
Assistente de Iluminação: Stella Pollitti
Vídeo: Aline Almeida
Assessoria de imprensa: Bruno Motta Mello e Verônica Domingues – Agência Fática
Técnico de Palco: Maria Clara Venna e Leonardo Barbosa

SERVIÇO

BERTOLEZA, da Gargarejo Cia Teatral
De 7 de fevereiro a 1º de março de 2020. Sexta e sábado, 21h30. Domingo, 18h30
(Dia 22 de fevereiro, sábado, 18h30)
Local: Sala de Espetáculos I (100 lugares)
Valores: R$ 30 (inteira). R$ 15 (aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor da escola pública com comprovante). R$ 9 (credencial plena do Sesc: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes)
Ingressos disponíveis pelo portal Sesc SP (www.sescsp.org.br) a partir do dia 28/1, às 12h, e nas bilheterias das unidades do Sesc a partir de 29/1, às 17h30. Limite de 4 ingressos por pessoa
Duração: 90 minutos
Recomendação etária: 12 anos

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000.
Belenzinho – São Paulo (SP)
Telefone: (11) 2076-9700
www.sescsp.org.br/belenzinho

Estacionamento
De terça a sábado, das 9h às 22h. Domingos e feriados, das 9h às 20h.
Valores: Credenciados plenos do Sesc: R$ 5,50 a primeira hora e R$ 2,00 por hora adicional. Não credenciados no Sesc: R$ 12,00 a primeira hora e R$ 3,00 por hora adicional.

Para espetáculos pagos, após as 17h: R$ 7,50 (Credencial Plena do Sesc – trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo). R$ 15,00 (não credenciados).

Transporte Público

Metro Belém (550m) | Estação Tatuapé (1400m)

 

Exposição Helenice Dornelles e Ronaldo Miranda na Galeria Evandro Carneiro

Galeria Evandro Carneiro Arte, na Gávea, apresenta de 25 de janeiro a 29 de fevereiro de 2020 a Exposição Helenice Dornelles e Ronaldo Miranda. A mostra reúne cerca de 40 obras, entre telas grandes e trabalhos menores de ambos os artistas.
 
Helenice Dornelles nasceu em Santa Maria, RS, em 1959. Cursou Educação Artística, Artes Plásticas e Comunicação Visual na Universidade Federal desta cidade, mas mudou-se pouco tempo depois para Belo Horizonte, em função de seu gosto por Minas Gerais e embalada pelos Festivais de Inverno de Ouro Preto. Desde sempre posava de modelo para pintores, o que continuou fazendo na Escola Guignard, abrindo-lhe uma série de contatos com artistas que ali estudavam e desenvolviam trabalhos. Foram anos de muitos aprendizados e de concretizações, na medida em que expôs em alguns salões, tendo como ápice desta fase a participação no Salão da Pampulha (1985), onde uma visita de Claudio Valério Teixeir a e Carl os Roberto Maciel Levy redefiniu os caminhos da artista, trazendo-a para o Rio de Janeiro. Primeiramente, a dupla indicou uma obra sua para o acervo do Museu Nacional de Belas Artes, em 1986. Em seguida, ela chegou na cidade maravilhosa, mas preferiu instalar-se em Niterói, entre outros motivos, devido à amizade que estabeleceu com Claudio Valério, Tânia e o círculo de amigos que frequentavam o ateliê do artista, restaurador e professor.

Helenice, desde criança, é inquieta e criativa, bordava, desenhava, fazia bonecas de crochê, roupinhas e etc. (entrevista oral com a artista, 2019). Este talento a levou também para rotas de interseção com a publicidade e a moda. Foi então residir em Nova York, trabalhando no escritório do designer brasileiro Carlos Falchi, cuja inserção na moda glamourosa daquela metrópole fazia enorme sucesso. Foram 14 anos criando coleções de bolsas, gravatas, lenços e roupas com tecidos pintados à mão pela artista. Os estilistas da empresa espantavam-se com a rapidez e a inventividade de suas criações. Esta estamparia encontra-se presente em seu trabalho pictórico. Quase sempre vemos manequ ins e te cidos expressivamente coloridos em seus quadros. O tema segue corriqueiro até hoje, conforme nos conta a crítica Maria Elizabete Santos Peixoto (catálogo da exposição individual da artista na Galeria Multiarte, Fortaleza, 1989):

“O universo temático de sua pintura é a casa, o interior e todo o clima subjetivo e solitário implícito neste ambiente intimista por excelência. E dos elementos mais singelos que compõem este cenário peculiar, a artista obtém, através de seu talento, vasta e rica transfiguração de seu cotidiano. São bules, plantas, panos, latas de tinta, roupas, entre outros elementos e objetos que, a cada tela, sob cada diferente ângulo ou perspectiva, adquirem múltiplas conotações.”

Não é preciso dizer mais nada, a não ser que durante a sua estada em Nova York, a artista expôs em galerias de Manhattan, India e Japão.

Vinte anos antes de Helenice, em 1939, Niterói, RJ, nascia o pintor Ronaldo Miranda. Quando criança “estava sempre com os olhos pregados na paisagem vista de Icaraí”, me contou em entrevista oral, 2019. As cores e o horizonte o fascinavam. Talvez já fosse pintor, mas não experimentava esse talento ainda. Queria ser cientista e bem jovenzinho foi trabalhar no laboratório químico Vital Brasil. Ali, as cores o encantavam mais do que tudo e seus experimentos giravam entorno da apreciação cromática. Igualmente se interessava pela humanidade porque sabia que “somente a subjetividade purificava a cor” (entrevista oral, 2019). Assim, cursou psicologia e trabalhou com atendimento clínico a vida inteira. Paralelamente , tornou -se um excelente pintor autodidata, desde 1964, quando aflorou a sua “pulsão artística”, conforme me disse, e alugou um ateliê à beira mar, em Icaraí. Pintava contemplativo da janela o mar batendo na praia, o horizonte, sempre tão presente no seu trabalho. Fazia pequenos quadros, desenhados primeiramente a carvão, o céu alaranjado, o mar azul… Depois pintou as naturezas mortas, em que reinava a melancia, mas também bules e frutas organizados sobre mesas ou janelas com vistas para o mar. Então vieram as paisagens observadas do ateliê. E a primeira exposição, na Galeria Angelus, Belém do Pará (1968). Logo em seguida ganhou o prêmio do Salão do Mar (1971), entre outros marcos de sua rica carreira artística. Decidiu viajar pelo Brasil, sobretudo Nordeste, sempre notando o colorido das paisagens. Expôs em São Paulo, Brasília e na Pet ite Galerie, no Rio de Janeiro, agradando os críticos do naipe de Walmir Ayala. Até que em 1974 houve o que ele considera um marco em sua trajetória: ter exposto no Museu Nacional de Belas Artes, ainda jovem e na casa que era cânone na pintura brasileira. Até hoje repetiu duas vezes o mérito de expor neste museu.

Para Abelardo Zaluar (1983), “Suavidade e leveza, Claridade e clareza, Tranquilidade e quietude. Simplicidade e síntese” caracterizam a obra de Ronaldo Miranda. Nas palavras do próprio artista isso se traduz em minimalismo, naturalidade e prazer, porque não há sofrimento em pintar, contou-me. Sem dúvida, notam-se placidez e sabedoria por meio de formas e cores observadas em contemplação. Sua pintura é quase meditativa.

Hoje com 80 anos, Ronaldo segue uma rotina ativa de produzir em seu ateliê, em Santa Tereza, bairro bucólico e atemporal no Rio de Janeiro. Fica lá com seu gato Jorge. Enquanto Helenice produz na féerica Copacabana, também rodeadas de felinos.

Nesse ponto os dois artistas se aproximam. Ronaldo e Helenice têm em comum uma certa solitude para pintar que transparece na pintura de ambos que quase não possui a figura humana. Embora com cenários e paisagens bem diferentes, as cores se expressam fortemente, mas organizadas de maneiras distintas: ele de forma plácida, ela de maneira inquieta. Ao conhecer a história de vida dos dois, vemos que seus trabalhos têm a ver com as características pessoais de cada um. Mas o que os une, além de Niterói e o gosto por felinos, é certamente a qualidade artística, notada por Evandro Carneiro que organizou esta exposição.

Laura Olivieri Carneiro.
Janeiro, 2020.

Serviço:  Exposição Helenice Dornelles e Ronaldo Miranda
Galeria Evandro Carneiro Arte: Rua Marquês de São Vicente, 124 (Shopping Gávea Trade Center). Lojas 108 e 109.
De 25 de janeiro a 29 de fevereiro de 2020.
Visitação: de segunda a sábado, das 10h às 19h.
Telefone: (21) 2227.6894
Estacionamento no local.
Site: http://www.evandrocarneiroarte.com.br/
Instagram: @galeriaevandrocarneiro