12º FESTLIP ganha versão totalmente online em junho com atrações dos nove países lusófonos

FESTLIP – Festival Internacional das Artes da Língua Portuguesa antecipa sua 12ª edição para o 1º semestree promove, de 18 e 23 de junho, a união de quatro continentes por meio de conteúdos artísticos transmitidos via internet, neste período da quarentena mundial. Com toda a sua programação online e ao vivo, disponível gratuitamente em seus canais digitais (facebook.com/festlip e youtube.com/festlip), o FESTLIP_On terá apresentações teatrais, leituras dramáticas, shows, programação infantil, filme, poesia, debates, exposição de fotos e mostra gourmet. Com o apoio oficial da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) e do Instituto Camões, o FESTLIP_On oferece uma variedade de atividades durante seis dias consecutivos a partir de sua experiência no universo artístico lusófono há mais de 10 anos e, mais recentemente, em suas plataformas digitais, que vêm ganhando protagonismo ano após ano.

“O FESTLIP_On quer promover a união de 220 milhões de amigos virtuais, falantes da língua portuguesa nos nove países lusófonos e espalhados pelo mundo”. A proposta ousada de Tânia Pires, diretora artística do FESTLIP e atriz brasileira, tem ganhado forma nos últimos anos. “Há algumas edições, o FESTLIP tem sido pioneiro em se utilizar da tecnologia para conectar os países de língua portuguesa. Em 2017, quando a conectividade foi a temática do festival, fizemos a interação ao vivo entre Angola, Moçambique, Portugal e Brasil durante a cerimônia de abertura e apresentamos um projeto único no mundo: a peça A Terceira margem do rio, do conto homônimo de Guimarães Rosa, foi ensaiada à distância por nove atores dos nove países de língua portuguesa, sob a direção do encenador brasileiro Paulo de Moraes. Ele será o homenageado desta edição, não apenas pelo ineditismo dessa empreitada, tão simbólica neste momento, como pela sua consistente trajetória artística”, adianta Tânia. “Em 2018, fizemos o primeiro FESTLIP_ON, com todo o conteúdo do festival transmitido em tempo real pelo site do evento, o que facilitou nossa adaptação para o meio digital justamente agora, quando se torna impositivo fazermos essa versão cem por cento online”, completa.

Neste momento de isolamento social, a música tem sido uma manifestação artística poderosa para unir artistas e seu público. Inédito na programação, o Festival Som da Língua reunirá músicos dos países lusófonos em lives abertas transmitidas pelas redes sociais do evento. Produzido pelo FESTLIP_On, sob o comando de Tânia Pires, em parceria com a Linharte Produções, dirigida pelo cantor angolano Paulo Matomina, o Som da Língua é um dos destaques desta edição, como explica TâniaO impulso para este movimento surgiu da necessidade de mobilizar, em um momento tão adverso, toda a comunidade artística destes países. Não podemos ficar em silêncio e a união é a melhor forma de não permitirmos o abatimento. Nossa arma é a nossa língua. Em sintonia com a proposta e motivado pelo desejo de ressignificar espaços para grandes músicos independentes, Paulo Matomina reforça: Queremos que a música transponha as fronteiras do distanciamento social e seja uma companhia de verdade. Vamos bater à sua porta, pedir licença e tocar. Tocar o seu coração e falar a sua língua”. Fazem parte da programação os cantores, compositores e instrumentistas Paulo Matomina e Abel Dueré, de Angola; a cantora brasileira radicada em Portugal Luanda Cozetti e seu grupo, Couple Coffee; o DJ Mam, do Brasil; o cantor e músico John D’Brava, de Cabo Verde; a cantora Iragrett Tavares, de Guiné-Bissau; a cantora Vanilla Karr, da Guiné Equatorial; o cantor, compositor e baterista Otis Selimane, de Moçambique; o cantor, compositor e multi-instrumentista Yami, de Portugal, e o cantor, compositor e guitarrista Tonecas Prazeres, de São Tomé e Príncipe. O Som da Língua acontece durante os dias 18 e 20/6, com três artistas por dia, em apresentações de 15min cada. Ao final, haverá um bate-papo entre os músicos.

No dia 18/6, abertura do festival, o FESTLIP_On disponibiliza a sua produção do espetáculo teatral A terceira Margem do Rio, de Guimarães Rosa. A peça conta com atores dos nove países da língua portuguesa e foi dirigida por Paulo de Moraes de maneira inédita: os ensaios aconteceram no período de um mês, através do Skype, e o espetáculo foi montado presencialmente em cinco dias, no Brasil, em 2017.  Homenageado desta edição, o diretor, dramaturgo e cenógrafo paranaense Paulo de Moraes, de 55 anos, iniciou sua trajetória artística em 1987, quando fundou a Armazém Companhia de Teatro em Londrina. Radicado no Rio há 22 anos, dirigiu artistas como Paulo Autran, Ana Beatriz Nogueira, Suzana Faini, Louise Cardoso, Fernando Eiras, Malu Valle, Celso Frateschi e Zécarlos Machado, entre outros, além do Grupo Galpão e da Intrépida Trupe. Seus espetáculos percorreram países como Portugal, França, Escócia, Noruega, Uruguai, China e Angola. Como diretor, foi premiado ou indicado aos Prêmios Shell, Molière, APTR, Mambembe, Cesgranrio, Eletrobrás, Cultura Inglesa, Contigo, Qualidade Brasil e Faz Diferença. Em 2013 e 2014, recebeu o Fringe First Award, mais importante prêmio do Festival de Edimburgo, na Escócia, por A marca da água e O dia em que Sam morreu. Destacam-se ainda em sua carreira A ratoeira é o gato (1994), Sob o Sol em meu leito após a água (1997), Alice através do espelho (1999), Da arte de subir em telhados(2001), Pessoas invisíveis (2002), Toda nudez será castigada (2012), Jim (2013) e Hamlet (2017).

Mostra Teatral Pipoca com Teatro: agora pode lança o diretor brasileiro Moacyr Góes em uma experiência inédita virtual, no dia 21/6. Ele dirige o espetáculo teatral Ibsen Venusianas, com a participação da atriz brasileira Tânia Pires, o ator moçambicano Horácio Guiamba e a atriz portuguesa Susana Vitorino, que assina a codireção. O texto narra um romance entre uma atriz brasileira e um artista plástico cabo-verdiano e passa por temas como a visão sobre a arte contemporânea africana no mundo, violência doméstica e preconceitos.

As mulheres terão voz no debate A voz feminina na língua portuguesa e em nossas sociedades,dentro do FESTLIPencontros – uma conversa mediada pela pesquisadora brasileira e mestre em comunicação Maria Amélia Paiva Abrão com as convidadas as ativistas Cátia Terrinca, de Portugal; Loló Arziki, de Cabo Verde, e Solange Salvaterra, de São Tomé e Príncipe.  

Na edição totalmente virtual do FESTLIP não poderiam ficar de fora os bate-papos da quarentena – também batizados de FESTLIP_On –, que tem mantido conectados nas plataformas sociais os falantes da nossa língua desde 22 de março deste ano, reunindo artistas, diplomatas e personalidades ligadas à cultura dos países de língua portuguesa. Foram cerca de 200 mil visualizações ao longo das 25 entrevistas realizadas até agora. De 21 a 23 de junho, Tânia Pires convida, para conversas ao vivo, o embaixador brasileiro e ex-diretor de Relações Internacionais do Ministério da Cultura Marcelo Dantas, o ex-Secretário Executivo da CPLP e hoje Assessor da Presidência da República da Guiné Equatorial Murade Murargy e, encerrando a sequência, o homenageado desta edição, o diretor de teatro Paulo de Moraes. Os bate-papos prometem muita cultura, arte, diplomacia e diversidade para tentar desvendar os futuros caminhos do nosso idioma.

FESTLIPcine apresenta o curta-metragem Beleléu – baseado no livro A Deus, de Leonardo Miranda – no dia 19/6. O filme conta, em forma de realismo fantástico, a saga de Benzinho, filho de um alquimista visionário que mora em Beleléu. Na cidade quase inacessível, ele busca seu Deus e sua própria liberdade.

As crianças também terão uma programação especial e poderão acompanhar pelas redes sociais o FESTLIPinho, que traz o curta metragem infantil inédito Blob – O dia em que o planeta mudou, filmado especialmente para a linguagem digital durante a quarentena, com direção de Maria Clara Wermelinger. A história é uma metáfora dos momentos atuais de pandemia e mostra com sensibilidade um olhar sobre um “novo mundo” que se descortinará à nossa frente, pelo olhar de Blob, seu protagonista, morador de um planeta quadrado.

FESTLIPgourmet, que ao longo das 11 edições anteriores apresentou delícias culinárias dos países lusófonos em menus criados especialmente para o festival pelos chefs dos restaurantes parceiros, este ano apresenta a live Doçuras de Portugal. A chef brasileira Naná Chaves, diretamente da sua cozinha, ensinará a receita da baba de camelo, um delicioso doce português à base de leite condensado e ovos. 

Dois eventos estarão disponíveis em salas de vídeo das redes sociais do FESTLIP_On ao longo dos seis dias de programação. O FESTLIPexpo apresenta uma mostra de fotografias disponibilizada pelo Instituto Camões com o tema O cinema português. A exposição digital traz imagens que traçam um panorama dos mais de cem anos do cinema português, destacando sua grande diversidade e os períodos de maior vitalidade, sobretudo a partir da virada para o cinema moderno, nos anos sessenta, e da transição para a democracia em 1974. Já as Peripécias Poéticas reúnem Pílulas de Poesia – vídeos com poemas de países lusófonos interpretados pela atriz Elena Iyanga, de Guiné-Equatorial.

SERVIÇO

FESTLIP_Mostra Teatral Pipoca com Teatro: agora pode

Dia 18 de junho, às 13h do Brasil* e às 17h de Angola e Portugal

Sala de vídeo com a exibição do espetáculo musical A Terceira Margem do Rio, com artistas dos nove países da língua portuguesa

Direção: Paulo de Moraes (Brasil)

Dia 21 de junho, às 17h do Brasil e às 21h de Angola e Portugal 

Live da leitura dramatizada do espetáculo Ibsen Venusianas. Com a atriz brasileira Tânia Pires e o ator moçambicano Horácio Guiamba

Direção: Moacyr Góes (Brasil) / Codireção: Susana Vitorino (Portugal)

FESTLIPshow 

Dias 18, 19 e 20 de junho, às 17h30 do Brasil e às 21h30 de Angola e Portugal  

Festival Som da Língua – lives

Yume (Portugal), Otis Selimane (Moçambique), Paulo Matomina (Angola) – 18/6

Iragrett Tavares (Guiné-Bissau), John d’Brava (Cabo Verde), Tonecas Prazeres (São Tomé e Príncipe) – 19/6

Couple Coffee (Brasil), Abel Duere (Angola), DJ MAM (Brasil), Vanilla Karr (Guiné Equatorial) – 20/6

FESTLIPcine

Dia 19 de junho, às 14h do Brasil e às 18h de Angola e Portugal

Sala de vídeo com o curta-metragem Beleléu

Direção: Leonardo Miranda e Maria Clara Wermelinger (Brasil)

FESTLIP_On 

Dia 21 de junho, às 17h do Brasil e às 21h de Angola e Portugal

A cultura e a Língua Portuguesa na Diplomacia Política – Países da CPLP – live

Convidados: Marcelo Dantas, embaixador brasileiro e ex-Diretor de Relações Internacionais do Ministério da Cultura do Brasil.          

Dia 22 de junho, às 17h30 do Brasil e às 21h30 de Angola e Portugal

Promoção da Língua Portuguesa em Guiné Equatorial e sua polêmica na CPLP – live

Convidado: Murade Murargy, embaixador moçambicano, Ex–Secretário Executivo da CPLP e Assessor do Presidente da República da Guiné-Equatorial

Dia 23 de junho, às 17h do Brasil e às 21h de Angola e Portugal

Processo de Criação por Meio Digital, Quebra de Barreira das Quatro paredes do Teatro e a conexão da Língua Portuguesa nas Artes – live

Convidado: Paulo de Moraes, diretor brasileiro da Cia de Teatro Armazém

FESTLIPencontros 

Dia 21 de junho, às 14h do Brasil e às 18h de Angola e Portugal 

A voz feminina na língua portuguesa e em nossas sociedades – live

Sala de debates mediada por Maria Amélia Paiva Abrão, pesquisadora brasileira e mestre em comunicação

Convidadas: Cátia Terrinca (Portugal), Loló Arziki (Cabo Verde) e Solange Salvaterra (São Tomé e Príncipe)

FESTLIPinho

Dia 21 de junho, às 15h do Brasil e às 19h de Angola e Portugal

Sala de vídeo com a transmissão do curta-metragem infantil Blob – O dia em que o planeta mudou

Criação e produção: Leonardo Miranda (Brasil)

Direção: Maria Clara Wermelinger (Brasil)

FESTLIPgourmet 

Dia 22 de junho, às 14h do Brasil e às 18h de Angola e de Portugal

Doçuras de Portugal – live

Chef convidada: Naná Chaves (Brasil) ensina a receita do doce português baba de camelo

FESTLIPexpo

Sala de vídeo com imagens da mostra O cinema português, cedida pelo Instituto Camões

De 18 a 23 de junho

Peripécias Poéticas

De 18 a 23 de junho 

Sala de vídeo com Pílulas de poesia durante os seis dias do FESTLIP_On

Com a atriz Elena Iyanga (Guiné-Equatorial)

* Horário oficial de Brasília