Exposição “Prelúdio” no Centro Cultural Correios do Rio de Janeiro

Minha técnica, a qual intitulei “Circunscritos”, visa reavivar algo que com o tempo e a própria familiaridade se desgasta – A relação com o Belo.  A convivência com algo e a intimidade daí advinda, nos torna gradualmente insensíveis  virtualmente ao que nos cerca e ao que nos foi, uma vez, motivo de afeto.

Minhas pinturas são compostas pela junção de círculos pintados à mão livre, que evocam o próprio moto-perpétuo de nossas memórias e relações.  A partir desses círculos e de conjugações cromáticas e tonais, desconstruo e reconstruo imagens do meu imaginário, diluindo-as como em memórias, buscando a harmonia e a beleza para que sejam disponibilizadas ao observador de uma forma diferenciada.

Rachel Roscoe

                                              _______________________________________________________________________________________________

Rachel Roscoe nasceu em Belo Horizonte, MG em 1976. Graduou-se em Belas Artes pela Universidade Federal de Minas Gerais no ano de 2002. Nos anos 2000 criou a técnica “Circunscritos” e vem se dedicando desde então ao desenvolvimento e possibilidades da mesma.

            Dona de uma pintura peculiar, permeada por uma busca incessante pelo Belo, sua obra reflete uma íntima investigação em vários aspectos da existência da própria artista. Instigada pelo objetivo de encontrar a harmonia e o Belo através de uma poesia própria, ela propõe uma complexidade na construção da imagem utilizando conjuntos de uma forma única, o círculo, que acaba por gerar intenso movimento ao se olhar. Soma-se, ainda, conjugações cromáticas fortes que tornam a tela vibrante. Seu desafio é, portanto, ter que lidar com essa complexidade proposta, para se chegar ao seu objetivo, ou seja, o de fazer com que razão e sensibilidade se igualem em forças para que surja o Belo.

Sua técnica nos convida ao surpreendente, não nos impondo a imagem, mas nos conduzindo a descobri-la.  Ela nos leva ao prazer estético através da tessitura do único, em que participamos da existência de cada obra, em que razão e sensibilidade, agora em plena harmonia, nos impele a externar, como seres de linguagem, o termo Belo.

Edson Siquara, Mestre em Filosofia da Arte e Estética.

Serviço:

 

Exposição: “Prelúdio”

Abertura: 18 de março de 2020, às 19h

Visitação: de 19 de março a 03 de maio de 2020

Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 12h às 19h.

Local: Centro Cultural Correios Rio de Janeiro

Endereço: Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro, Rio de Janeiro.

Tel.: 2253-1580 (recepção)