“Furdunço do Fiofó do Judas” no Maison de France

Em 2020, a Cia Bagagem Ilimitada comemora cinco anos de existência com muitos motivos para celebrar. A partir do dia 04 de março, o público carioca terá nova chance de conferir o espetáculo “Furdunço do Fiofó do Judas – Uma opereta popular apimentada por Marinês”, que entra em sua terceira temporada agora no Teatro Maison de France, no Centro do Rio. Assistida por quase duas mil pessoas em 2019, o musical concorre ao Prêmio de Humor – idealizado por Fábio Porchat – nas categorias de Melhor Peça, Melhor Texto e na categoria Especial pela introdução do repertório musical da cantora Marinês à dramaturgia. A comédia também está na disputa pelo voto popular no site Musical.Rio como Destaque 2019.

 

O enredo carregado de brasilidade viaja até o interior do Nordeste para contar a história de quatro mulheres, Adelina, Antônia, Francisca e Gumercinda, prostitutas e donas de um bordel que recebem a visita de um forasteiro que vai abalar as estruturas do cabaré. Elas só não desconfiam que o sargento Malaquias de Jesus é o próprio Diabo, que aparece para roubar o coração das moças! E em Fiofó do Judas, Deus é mulher, com destaque para a interpretação da atriz Vilma Melo na voz da Toda-Poderosa, em participação afetiva.

 

Tais situações são apresentadas de maneira leve e cheia de borogodó, evocando o melhor da tradição teatral e cultural nordestina, onde o público vai reconhecer a exaltação à força da mulher batalhadora, quiprocós e reviravoltas divertidíssimos e a velha peleja entre o Coisa Ruim e Deus. Para apimentar essa receita, PV Israel e Jacyara de Carvalho, intérpretes e também responsáveis pela dramaturgia, resgataram o pioneirismo e o humor de canções imortalizadas na voz da pernambucana Marinês, a Rainha do Xaxado.

 

Falecida em 2007, a cantora e compositora foi a primeira mulher a liderar uma banda de forró (Marinês e sua gente) e estourou em todo o país com a música “Peba na pimenta”, recheada de duplo sentido. Esta e outras 23 canções gravadas por Marinês – como Bate Coração e Forrobodeado – aparecem não como uma homenagem biográfica, mas para dar mais molejo à história passada em Fiofó do Judas.

 

“A opereta é um desdobramento da ópera para o público popular. Como a gente tem uma opereta, que já é popular, mais popular ainda? Temos como suporte essa possibilidade de embarcar em todos aqueles assuntos que agrada a essa camada dita popular, que os faz rir, que está na ordem do dia, na ordem do dia-a-dia, que faz o trabalho leve, faz a vida respirar melhor”, conta Jefferson Almeida, intérprete de Malaquias e também diretor do espetáculo.

 

Genuinamente brasileira, a comédia musical conta com a batuta da diretora musical Deborah Cecília e vai fazer o público se remexer na cadeira ao som de muito xaxado e baião. Furdunço do Fiofó do Judas é um espetáculo leve e divertido, que aborda temas relevantes sem deixar de fazer rir.

 

“Subjetivamente e culturalmente, trazer o Nordeste para cá – uma pequena cidade fictícia e o que acontece nela – é falar do nosso Brasil, falar de um lugar que ainda está à margem, em várias camadas. Trazer mulheres como protagonistas, prostitutas… Por mais que leve que seja, estamos falando disso: de pessoas que precisam ser vistas. E valorizadas pelo que fazem. O teatro feito no seu mais simples que é era uma vez uma história de mulheres que vencem através da sua autoestima”, comenta Jacyara.

 

SINOPSE

 

Adelina, Antônia, Francisca e Gumercinda dão expediente no cabaré da pacata Fiofó do Judas até que a chegada do misterioso sargento Malaquias de Jesus muda a rotina do bordel administrado por essas quatro damas arretadas: um verdadeiro imbróglio que promete sacudir as pilastras do céu, do inferno e do Furdunço, o tal cabaré! Feito com muita malícia, boa dose de encrenca e muito arrasta pé, o espetáculo é embalado pelas icônicas canções imortalizadas na voz da pernambucana Marinês, a Rainha do Xaxado.

 

SERVIÇO

Furdunço do Fiofó do Judas

Estreia: 04 de março

Temporada: 04 de março a 02 de abril

Horário: Quartas e quintas, às 18h30.

Ingressos: R$50 / R$25 (meia-entrada)

Teatro Maison de France

Endereço: Avenida Presidente Antônio Carlos, 58, no Centro (Próximo a Estação do VLT António Carlos)

Bilheteria: terça a domingo, de 14h às 19h.

Telefone: (21) 2544-2533

Classificação: 16 anos

Duração: 85 minutos

Gênero: comédia musical

 

FICHA TÉCNICA:

Dramaturgia: Cia Bagagem Ilimitada (Jacyara de Carvalho e PV Israel).

Direção e colaboração dramatúrgica: Jefferson Almeida.

Direção Musical: Déborah Cecília.

Elenco: Cilene Guedes (Adelina), Jacyara de Carvalho (Francisca), Paula Sholl (Gumercinda), PV Israel (Antônia) e Jefferson Almeida (Sargento Malaquias de Jesus).

Participação afetiva: Vilma Melo na voz de Deus.

Stand in: Clara Equi e Déborah Cecília.

Assistente de direção: Clara Equi.

Iluminação: Felipe Antello.

Cenografia: Taisa Magalhaes.

Figurino: Arlete Rua.

Visagismo: Paula Sholl.

Músico Ensaiador: Raphael Pippa.

Direção de palco: James Simão / Tamires Nascimento.

Consultoria de danças populares: Roberto Rodrigues.

Costureira: Rute Israel / D. Jandira.

Cenotecnico: Moisés Campos.

Camareiro: Junior Israel

Fotografia: Eitô Muniz

Audiovisual: Paula Diniz.

Logo: Alluan Lucas.

Identidade gráfica: Kamyla Matias.

Designer gráfico: Emerson / Nativu Design.

Sonorização: Lucas Campello / Bruno Flores

Operação de luz: Mauricio de Carvalho / Rodrigo Mello.

Estúdio: Musimundi.

Músicos da base: Violoncelo – Pedro Izar; Piano e Sanfona – Tibor Fittel; Violões – Debora Cecilia e Raphael Pippa; Percussão – Felipe Antello.

Coordenação de Comunicação: Ana Pinto / Pequena Via Produções.

Produção Executiva: Jacyara de Carvalho e PV Israel

Consultoria: Martha Avelar / Avelar Cultural.

Realização: Cia Bagagem Ilimitada.