“A Maldita” no Festival do Rio

No próximo dia 14 de dezembro, sábado, às 18h, no Estação Net Gávea, o Festival do Rio exibirá pela primeira vez o longa-metragem A Maldita, da cineasta Tetê Mattos, na sessão Première Brasil – Retratos Longa do Festival do Rio. O longa traça a trajetória da Rádio Fluminense FM, considerado um dos mais importantes veículos de comunicação do país que emergiu na década de oitenta, junto com a Geração Rock 80.

 

O filme parte de um olhar sobre a rádio. O longa utiliza um vasto material de arquivo com  áudios dos programas da rádio, imagens em movimento das festas da Fluminense, e imagens do estúdio. O filme também conta com a participação de ouvintes, músicos de várias gerações dos anos 80 e 90, como integrantes da geração Rock 80, da vanguarda paulista, de bandas punk, eletrônico, locutoras, radialistas, e jornalistas e críticos. assina o roteiro do longa é Tetê Mattos e Allan Ribeiro.

 

 

“A Maldita é um desdobramento do curta-metragem que realizei em 2007, e foi premiado no Festival do Rio, como melhor filme pelo voto do público. Como sou niteroiense, sempre me interesso por histórias da minha cidade, e um dia quando entrei na livraria em Niteroi, vi o livro do Luiz Antonio Mello, me veio a ideia de fazer um curta metragem sobre o tema. Depois de anos de pesquisa, o projeto foi contemplado pelo Edital da RioFilme e do Canal Brasil, e traz um pouco do universo cultural da juventude que  cresceu num regime de ditadura militar. A rádio se destaca no momento de abertura política, pois era um veículo de muita liberdade e independência”, afirma a diretora, Tetê Mattos.

O FILME FOI FINANCIADO COM RECURSOS DO EDITAL PROGRAMA DE CHAMADAS PÚBLICAS DE AUDIOVISUAL RIOFILME/SEC 2010-2011. CHAMADA PÚBLICA 005/2010. LINHA DE AÇÃO: PRODUÇÃO DE DOCUMENTÁRIOS PARA TV POR ASSINATURA

 

 

 

Sinopse:

 

 

A MALDITA

Direção Tetê Mattos

80min, 2019

 

 

SINOPSE

No dia 1º de março de 1982 a cidade de Niterói entra para a história ao sediar um dos mais importantes movimentos culturais das últimas décadas no Brasil, a chamada Geração Rock 80. Entra no ar, no dial 94,9 a Rádio Fluminense FM, conhecida como “A Maldita”, que misturava irreverência, ousadia e muita criatividade com a sua programação voltada para uma música carente de espaços comerciais de veiculação. Não só o melhor do rock’n roll nacional e internacional tocava na emissora, mas também eram transmitidas músicas independentes que não encontravam espaços nas rádios comerciais. A ousadia de acreditar no novo, fez com que a ”Maldita” se tornasse um dos principais veículos alternativos de comunicação frente ao padronizado mercado fonográfico, lançando grupos, até então desconhecidos, do rock brasileiro e da música independente.

Por seu caráter de ousadia, e por ser uma “rádio de guerrilha no Brasil” a Fluminense inaugurou uma série de transformações em sua programação e na sua estrutura, como por exemplo o time de locutoras femininas, raros para a época. Adorada por uma juventude urbana que havia crescido sob o regime ditatorial, a rádio ficou no ar até setembro de 1994, deixando órfã uma legião de fãs.

 

Ficha Técnica:

Empresa Produtora: Artifício Cinematográfico e Viralata Produções

Direção: Tetê Mattos

Produção Executiva: Luiz Guimarães de Castro

Roteiro: Tetê Mattos e Allan Robeiro

Direção de Fotografia: Alex Araripe

Direção de Produção: Bernardo Thedim

Som Direto: Toninho Muricy

Montagem: Allan Ribeiro  e Luiz Guimarães de Castro

Direção de Arte: Ana Paula Cardoso

Edição de Som: Luís Eduardo Carmo

Mixagem: Damião Lopes

Videografismo: Renato e Rico Vilarouca, Inácio Freitas

Pesquisa: Remier Lion Rocha

 

 

Serviço: A Maldita

Sessões no Festival do Rio

– 14 de dezembro (sábado) às 18h, no Estação NET Gávea, na rua Marquês de São Vicente, 52 – 4º piso. O filme será exibido na Première Brasil – Retratos Longa do Festival do Rio.

Outras sessões de “A Maldita” no Festival do Rio (venda de ingressos)

Domingo, 15/12/2019 – Estação NET Rio 3

Segunda, 16/12/2019 – Estação NET Gávea 4