Beth Bastos apresenta performance “O que vemos quando olhamos dança?”

O que vemos quando olhamos dança? é o questionamento proposto pela bailaria e coreógrafa mineira Beth Bastos na performance-observatório que acontece no dia 14 de dezembro, sábado, às 17 horas, no MAC – Museu de Arte Contemporânea de São Paulo. Beth Bastos e os bailarinos do Núcleo Pausa propõem ao público a experiência da  composição e do movimento com o foco no corpo e no espaço, ativando a percepção dos sentidos e da imaginação. “A performance-observatório oferece ao espectador a possibilidade de escolher como e de que lugar se quer olhar, ver e assistir”, comenta Bastos.

A programação no Mac inclui a exibição do filme “O que te move, o que vemos quando olhamos dança”,  com direção de Antonio Miano e Kiko Ferrite, às 15 horas. Trata-se de um documentário sobre a construção de 32 solos orientados por Beth Bastos durante o processo do projeto “O que vemos quando olhamos dança?”, contemplado pelo Fomento à Dança da Cidade de São Paulo. Às 16h30, o grupo Nébula propõe uma conversa esclarecedora sobre a filosofia de corpo da artista performer americana Lisa Nelson e suas partituras de percepção dos sentidos. Às 17 horas, entre a sala expositiva do museu e o jardim, acontecem as performances-observatório, com direção de Beth Bastos. Sete bailarinos e um pianista compõem partituras de movimento e pausa, convidando o público a registrar as imagens com fotos, vídeos, desenhos ou simplesmente com os olhos.

Este trabalho de improvisação e de composição em dança se alimenta das filosofias de corpo da bailarina americana Lisa Nelson (bailarina, performer, editora de revista em Nova York) e de Klauss Vianna (bailarino brasileiro, criador de um método de dança). Beth Bastos investe na desaceleração do espectador e do artista. A coreógrafa explica que “a proposta das performances-observatório é sintonizar a percepção e o instante para criar composições espontâneas e singulares, usando os sentidos do corpo como ferramentas de sobrevivência e de produção de imagens. O que pode uma pausa provocar? O que se imagina a partir de um corpo que pausa? Como essa imagem efêmera afeta o espaço?”

 

Beth Bastos

 

Bailarina, performer, improvisadora e professora de dança. Sua experiência passa pela formação em filosofias do corpo em Klauss Vianna (Brasil) e Lisa Nelson (USA).  Em sua pesquisa questiona o trânsito entre a contemporaneidade e a desaceleração, no tempo e no espaço, a composição de imagens, e a percepção dos sentidos e os sentidos da imaginação.

 

Serviço

 

O que vemos quando olhamos dança? – Dia 14 de dezembro – sábado, às 17 horas

Espaço expositivo do Mac (Museu de Arte Contemporânea de São Paulo).

Av. Pedro Álvares Cabral, 1301. Duração: 60 min. Grátis.