“O Último Amor de Casanova” estreia em 26 de dezembro

Giacomo Giramolo Casanova é um personagem que tornou-se famoso na história mundial por seu estilo de vida: aventureiro, libertino, conquistador. Diversas obras já contaram sua história, mas Benoît Jacquot optou por um recorte mais específico, a partir do livro de memórias “A História da Minha Vida”, de Casanova, em O ÚLTIMO AMOR DE CASANOVA, que estreia nos cinemas brasileiros em 26 de dezembro, com distribuição da Califórnia Filmes.

O diretor explica que, mesmo havendo outros filmes sobre o bon-vivant, não foi um empecilho construir a narrativa, pois seu interesse pelo personagem surgiu ainda na juventude, quando leu o livro de Casanova. “Eu ainda não tinha vinte anos quando li e ele me interessou bastante. Eu gostei dessa liberdade, essa sinceridade, essa autenticidade, essa verdade. Casanova é um dos meus melhores amigos. Por isso, não me senti nem um pouco intimidado pelos filmes existentes, até porque Casanova é um tema inesgotável”.

O longa aborda o momento em que Casanova, ao chegar ao exílio em Londres, conhece a jovem cortesã Charpillon e apaixona-se por ela. Apesar dessa passagem acontecer no meio de sua vida, Jacquot explica o porquê do título O ÚLTIMO AMOR DE CASANOVA. “Ela foi o primeiro e último amor dele. Antes disso, ele tinha tido amizades, cumplicidades, talvez até algumas relações amorosas, mas não um amor apaixonado”, diz. “A história com Charpillon constitui um episódio completo, algo que nunca tinha acontecido com ele, embora já fosse um homem maduro”.

De acordo com Jacquot, o amor apaixonado é aquele que prega peças, praticamente uma armadilha. Enquanto Casanova nunca encarou as mulheres como presas e queria estar apenas próximo delas, seja por algumas horas ou três noites, Charpillon era uma mulher de todos os homens. E essa mulher “decide que este homem, que possui todas as mulheres, não poderá possuí-la. Ela lhe mostra que as mulheres são diferentes dos homens. Ele precisa então compreender que Charpillon quer algo diferente dele, algo que talvez ela tenha chamado de amor e que ele se vê obrigado a definir como amor”.

O ÚLTIMO AMOR DE CASANOVA é protagonizado por Vincent Lindon e Stacy Martin. Sobre a escolha do elenco, o diretor conta que Lindon se apresentou ao papel quando soube que ele estava trabalhando na produção. “A princípio, eu não conseguia imaginar Vincent como Casanova, porque ele é francês, forte, com uma imagem viril e popular, ou seja, o oposto de Casanova. Eu demorei a perceber que a escolha daria certo”, comenta Jacquot. Em relação à Martin,explica que “precisava de uma atriz estrangeira que falasse francês fluentemente, o que reforçava a escolha dela entre todas as atrizes que cogitei.Ela se mostrou muito disponível, permeável a tudo que pudesse surgir durante as filmagens, e eu imediatamente pensei que ela seria ótima no papel”, completa.

SINOPSE 
No século XVIII, Casanova, conhecido pelas práticas de prazer e sedução, chega em Londres após ser obrigado a se exilar. Nesta cidade que ele mal conhece, encontra diversas vezes uma jovem cortesã, Charpillon, que o encanta a ponto de fazê-lo esquecer as outras mulheres. Casanova está disposto a tudo para conquistá-la, mas Charpillon sempre o evita, usando os mais diversos pretextos. Ela lhe propõe um desafio: que ele a ame tanto quanto a deseja.

FICHA TÉCNICA 
Direção: Benoît Jacquot
Elenco: Vincent Lindon, Stacy Martin, Valeria Golino
Gênero: Drama, Histórico, Romance
País: França
Ano: 2019
Duração: 98 min