Djangos no Oi Futuro

Formada por Lyle Diniz (baixo), Jj Aquino (Bateria) e Marco Homobono (guitarra e voz), a banda Djangos fará uma apresentação especial dentro do projeto “LabSonica Apresenta”, no Oi Futuro, no dia 22 de novembro, às 19:30, com entrada gratuita (ingressos pela plataforma Sympla). O trio apresentará músicas dos CDs “Raiva Contra Oba Oba” (WEA), que faz 20 anos e foi produzido por Tom Capone e pelo Paralama João Barone, e “Mundodifusão” (independente), produzido por Marcelo Yuka.  No palco, os músicos Salles Casagrande (trombone) e Thiago Garcia (trompete) estarão a postos complementando o estilo ska-punk-rock da banda. Músicas como “Roto Rooter”, ”Comando Ska”, “Eu não sei pogar”, “Operação São Jorge”, “Forrockers”, “Comportamento Geral” (uma versão para a música de Gonzaguinha), entre outras, estarão presentes no set list.

 

Sobre a banda

 

O encontro se deu na inóspita zona oeste do Rio de Janeiro. Três garotos que gostavam da dobradinha rock-reggae e de bandas tinham disposição para fazer misturas inusitadas na época. Jj Aquino, baterista, e Marco Homobono, microfone, guitarra e letras trouxeram suas influências mais evidentes para o repertório da banda que se iniciava como Corações e Mentes. O estilo veio por conta do que ouviam, propondo arranjos do estilo ska para músicas, com uma tônica punk-rock – uma mistura já feita pelas bandas The Clash e Mano Negra, duas das mais influentes no som da banda.

 

Isso coincidiu com a ocorrência de uma terceira onda do ska, em nível global, onde várias bandas que tocavam o ritmo jamaicano, em geral, combinado com a velocidade e a urgência do hardcore, frequentavam as paradas de sucesso nas rádios e na MTV. Já com a alcunha de Kamundjangos e com Carlyle Diniz no baixo, fizeram vários shows no underground como trio. O ska era uma das facetas mais presentes nas enérgicas apresentações daqueles três artistas suburbanos. Tiveram, nessa época, respaldo de público suficiente para serem convocados para a coletânea com bandas underground que foi lançada em 1996, pela EMI Odeon, a primeira experiência numa grande gravadora.

 

Logo depois veio o contrato com a WEA para a gravação do CD Raiva Contra Oba Oba. Tiveram a produção de João Barone, ídolo da banda, e o ganhador do Grammy, Tom Capone. Nasceria ali o disco “Raiva Contra Oba Oba”, com 14 faixas do estilo que eles mesmos batizaram como skaraggapunkrock, cristalizando um belo crossover de graves jamaicanos com a velocidade do punk e do hardcore. As gravações contaram com participações de Kamal Kassin (guitarra adicional em “Roto Rooter”), Eduardo Lyra (percussão), João Fera (teclados) e o trio de naipe de metais formado por Monteiro Júnior, Bidú Cordeiro e Demétrio Bezerra.

 

Anos depois se juntaram ao amigo de palco e de vida Marcleo Yuka, que recebeu o trio em seu estúdio Observatório de Ecos para produzir “Mundodifusão”, um trabalho mais conceitual da banda, onde experimentos foram somados ao estilo skapunkrock inicial.

 

Depoimentos

 

“Uma manda dos anos 90 que me chamou muita a atenção, primeiro pelo ritmo que tocavam, o ska, que tava rolando muito na cena brasileira. Mas também me chamou muito a atenção a gana dos integrantes da banda, da vontade de trabalhar , a vontade de fazer uma carreira e de conquistar espaços. E eu sempre valorizei muito qualquer artista que tem a vontade de colocar sua arte para frente. E isso eu sempre encontrei nos Djangos, ou Kamundjangos como se chamavam na época que os conheci. Uma banda que tive sempre muito prazer em acompanhar e muito orgulho em saber de que de alguma forma eu fiz parte desta trajetória deles.”

 

Bruno Levinson , produtor artístico

 

“Los Djangos era uma das bandas irmãs do Acabou La Tequila , no inicio dos anos 90 fazíamos muitos show juntos e eu sempre fui grande fã do trio , produzi a demo com Yuka , gravei no disco de estúdio produzido por Tom Capone e Joao Barone , grande banda , quem sabe sabe”

 

Kamal Kassin, músico e produtor

 

“Como setorista pop e colunista do velho “Jornal do Brasil”, no começo dos anos 1990, pude testemunhar e noticiar o surgimento do grupo Los Djangos, ainda em fita demo. Embalado por muita energia e jamaiquices refrescantes, o olhar sagaz e sensível sobre o cotidiano suburbano me ganhou na época e deve seguir vencendo agora”

 

Pedro Só, jornalista e editor do site Reverb

 

“Só consegui pensar que quando almoço na casa do meu amigo Maurício, a gente várias vezes ouve e canto junto o disco todo. Esse é “O Último Ônibus da Madrugada” (faixa de ‘Raiva Contra Oba Oba’)

 

Leonardo Panço, jornalista, músico e fanzineiro das antigas

 

“O ano era 1997 e imbuído de uma missão, fazer uma coletânea de Ska com as bandas brasileiras que estavam surgindo, comecei a pesquisar e uma das bandas que me chegaram foram os Los Djangos, recebi a demo e a empatia foi imediata, mas eles fecharam com uma gravadora e não puderam participar da coletânea Ska Brasil, mas lançaram um ótimo disco chamado Raiva Contra o Oba Oba que não saía do meu CD Player. Hoje para escrever um texto sobre os 20 anos de lançamento desse disco, fui dar aquela ouvidinha pra lembrar, pois sempre toco a música Raiva Contra o Oba Oba, no meu programa Filhos da Pátria na Kiss FM, mas o disco todo é muito bom, canções sensacionais, e aquela ironia crítica nas letras que te pegam na primeira ouvida, de novo não consigo parar de ouvir e lá se foram 20 anos…”

 

Clemente Tadeu – músico, bandas Inocentes e Plebe Rude

 

“Nem se parece que já se passaram 20 anos (!!!) do lançamento do “Raiva contra oba oba”. O Djangos era uma das bandas mais interessantes do cenário de bandas independentes dos anos 90 – que era bem rico e diverso, por sinal. Paralamas, The Clash e Mano Negra eram algumas das influências mais diretas do power trio formado por Marco Homobono (vocal e guitarra), Carlyle Diniz (baixo) e João Aquino (bateria), que uniam peso e suingue em suas melodias. As letras de Homobono, um dos mais talentosos de sua geração, eram outro ponto forte do grupo, unindo questões existenciais e crítica social. Destaque pro ‘hit’ underground “Roto Rooter”, sucesso desde sempre nos shows de banda. “

 

Kamille Viola – jornalista

 

Serviço

LabSonica apresenta : Djangos

Data: 22/11/19

Local: Lab Oi Futuro – Rua Dois de Dezembro, 107, 5º andar, Estúdio.

Horário de início: 19h30

Entrada Gratuita

Acesso: Inscrições gratuitas via link pela plataforma Sympla. A abertura das inscrições será às 10h do dia 20/11 e encerarão às 17h do dia 21/11.

Link: https://www.sympla.com.br/labsonica-apresenta-djangos__699305?fbclid=IwAR3cwaPy9hMR6QkSuxGOztVXQ1vOb8Xqjs147uUvu7zSACjeuWmbVH78GFE