Orquestra Sinfônica Brasileira celebra a Espanha, dia 30, no Municipal

No mês em que se comemora em todo o mundo o Dia da Hispanidade, a Orquestra Sinfônica Brasileira destaca a música espanhola no sexto concerto da Série Mundo. “Uma Celebração Brasil-Espanha” será no dia 30 de outubro, às 20h, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro e terá como solista convidado o premiado violonista espanhol Daniel Casares. Sob a batuta do maestro Roberto Tibiriçá, interpretarão um programa que vai de Bizet e Rimsky-Korsakov a uma obra do próprio solista, passando pelo mundialmente conhecido “Concerto de Aranjuez”, de Joaquim Rodrigo. A OSB conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura e tem a NTS como mantenedora, Vale, Brookfield e Eneva como patrocinadoras e Eletrobras como copatrocinadora. A realização do concerto “Uma Celebração Brasil-Espanha” conta com o apoio da Embajada de España en Brasil – Consejería Cultural e do Consulado General de España en Rio de Janeiro.

A OSB abre a noite com a Suíte nº 1 da ópera “Carmen”. Embora escrita por um compositor francês, Georges Bizet, a obra revolucionária retrata a paixão e a sensualidade espanhola. Na sequência, o aclamado violonista espanhol Daniel Casares se junta à orquestra para executarem o popular “Concerto de Aranjuez”, do espanhol Joaquim Rodrigo. Escrita em 1939, a obra acaba de completar 80 anos e é apontada como a peça espanhola mais tocada no mundo. Inspirada nos jardins do Palácio Real de Aranjuez, residência do Rei Felipe II, o concerto foi o primeiro escrito para violão e orquestra.

Após o intervalo, Casares volta ao palco para interpretar “La Luna de Alejandra”, peça de sua autoria, também para violão e orquestra. Fechando o programa, “Capricho Espanhol”, do russo Nikolai Rimsky-Korsakov, baseada em temas extraídos de melodias folclóricas da Espanha.

Master Class e mesa-redonda com Daniel Casares

A passagem do violonista Daniel Casares pelo Rio de Janeiro não se limitará ao concerto do dia 30. Na manhã do dia 1º de novembro, das 11h30 às 13h30, ele ministrará uma master class para violonistas e estudantes de música no Auditório Guiomar Novaes (Sala Cecília Meireles). A inscrição é gratuita e deve ser feita previamente através do e-mail masterclassdanielcasares@gmail.com.

 

Às 15h do mesmo dia, ele retorna ao local para participar da mesa redonda “Questões de performance do violão clássico espanhol e do violão flamenco no Concierto de Aranjuez, de Joaquín Rodrigo”, que integra a XII Série de Música Ibero-Afro-Americana. Participarão do debate: Prof. Titular Nícolas L. de Souza Barros (UniRio), Prof. Dr. Paulo Pedrassoli (UFRJ), Prof. Ms. Fábio Nin (CBM/UFRJ) e Fabiano Borges (UnB/Capes). A entrada é gratuita e o Auditório Guiomar Novaes fica na Rua Teotônio regadas, 26 – Lapa.

SOBRE A ORQUESTRA SINFÔNICA BRASILEIRA:

Fundada em 1940, a Orquestra Sinfônica Brasileira é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. Em seus 78 anos de trajetória ininterrupta, a OSB já realizou mais de cinco mil concertos e é reconhecida pelo pioneirismo de suas ações, tendo sido a primeira orquestra a realizar turnês pelo Brasil e exterior, apresentações ao ar livre e projetos de formação de plateia.

Nas últimas sete décadas, a OSB revelou nomes como Nelson Freire, Arnaldo Cohen e Antônio Meneses, e esteve à frente, maestros e compositores brasileiros como Heitor Villa-Lobos, Eleazar de Carvalho, Claudio Santoro, Francisco Mignone e Camargo Guarnieri. Também faz parte de sua história a colaboração de alguns dos maiores artistas do cenário internacional como Leonard Bernstein, Arthur Rubinstein, Mstislav Rostropovich, Igor Stravinsky, Claudio Arrau, Zubin Mehta, Lorin Maazel e Kurt Masur, entre muitos outros.

Composta atualmente por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros, a OSB contempla uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas, além de um amplo projeto de responsabilidade social e democratização de acesso à cultura. Para viabilizar suas atividades, a Fundação conta com a Lei Federal de Incentivo à Cultura, tem a NTS – Nova Transportadora do Sudeste como mantenedora e a Vale, Brookfield e Eneva como patrocinadoras e Eletrobras como copatrocinadora, além de um conjunto de apoiadores culturais e institucionais.

SOBRE ROBERTO TIBIRIÇÁ:

Nascido em São Paulo, Roberto Tibiriçá recebeu orientações de Guiomar Novaes, Magda Tagliaferro, Dinorah de Carvalho, Nelson Freire e Gilberto Tinetti. Foi discípulo do maestro Eleazar de Carvalho, com quem teve a oportunidade de trabalhar durante 18 anos, depois de ter vencido o Concurso para Jovens Regentes da OSESP em duas edições seguidas.

Ocupou o cargo de Regente Assistente no Teatro Nacional de São Carlos (Lisboa/Portugal) e em 1994 tornou-se Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra Sinfônica Brasileira. Entre 2000 e 2004, foi Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra Petrobras Sinfônica e, entre 2005 e 2011, Diretor Artístico da Sinfônica Heliópolis, do Instituto Baccarelli (SP). Em 2010 assumiu como Regente Titular da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais onde permaneceu até 2013. Foi também Regente Titular e Diretor Artístico da Orquestra Sinfônica de Campinas (SP), da Orquestra Filarmônica de São Bernardo do Campo (SP) e da Orquestra Sinfônica do SODRE, Montevidéu (Uruguai).

No Rio de Janeiro foi eleito pela crítica como o Músico do Ano de 1995 e recebeu neste Estado o Prêmio “Estácio de Sá”, por seu trabalho com a Orquestra Sinfônica Brasileira. Participou do Festival Martha Argerich, em Buenos Aires, por duas vezes, a convite da própria artista, em 2001 e 2004. Já há alguns anos é convidado para o Festival Villa-Lobos, Venezuela, regendo concertos com a Orquestra Simón Bolívar.

Recebeu em 2010 e 2011 o XIII e XIV Prêmio Carlos Gomes como Melhor Regente Sinfônico (por seu trabalho com a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e a Sinfônica Heliópolis, do Instituto Baccarelli). Recebeu ainda em 2011 a Ordem do Ipiranga (a mais alta honraria do Estado de São Paulo), a Grande Medalha Presidente Juscelino Kubitschek (outorgada pelo Governo de Minas Gerais) e o Prêmio APCA (Associação dos Críticos Musicais de São Paulo) como Melhor Regente (por seu trabalho com a Sinfônica Heliópolis e com a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais). Ocupa a Cadeira Nº 5 da Academia Brasileira de Música e em 11 de maio de 2018 tomou posse como Membro Honorário da Academia Nacional de Música, RJ.

SOBRE DANIEL CASARES:

Natural de Málaga, Espanha, Daniel Casares, nascido em 1980, demonstra com seu violão, uma personalidade própria. Sua carreira começou aos 13 anos de idade e aos 16 foi premiado com o prestigiado Bordón minero de la Unión e o prêmio nacional de violão de Jaén. Foi nomeado “Revelação Musical” de 2005 em Nova Iorque e, em 2010, foi escolhido por uma delegação internacional para representar a cultura europeia na apresentação de gala para a mídia da Expo 2010 em Xangai.

Colaborou com vários artistas como Alejandro Sanz, Miguel Poveda, Dulce Pontes, Pasión Vega, Toquinho, Antonio Orozco, José Mercé, entre outros. Apresenta-se com frequência nos maiores festivais de violão, jazz, flamenco e worldmusic.

Em julho de 2014 estreou “La luna de Alejandra” com a Orquestra Filarmônica de Málaga, sua primeira obra sinfônica para violão e orquestra. Em 2015, se apresentou com o “Concierto de Aranjuez” de Joaquín Rodrigo. Em novembro do mesmo ano, realizou este concerto na Igreja da Candelária, no Rio de Janeiro, em comemoração aos 75 anos da obra de Joaquim Rodrigo. Em 13 de novembro de 2015 lançou PICASSARES, seu 6º álbum, com o qual homenageia o pintor Pablo Picasso.

PROGRAMA:

Georges Bizet Suite nº 1

I. Prélude & Aragonaise

Joaquín Rodrigo Concerto de Aranjuez

– Intervalo –

Daniel Casares La luna de Alejandra

Nikolai Rimsky-Korsakov – Capricho Espanhol, Op.34

SERVIÇO:

Orquestra Sinfônica Brasileira (Série Mundo – Espanha)

Roberto Tibiriçá, regência

Daniel Casares, violão

Dia 30 de outubro de 2019 (quarta-feira), às 20h

Local: Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Endereço: Praça Floriano, s/nº – Cinelândia/Centro – Rio de Janeiro

Ingressos:

Frisa/Camarote: R$100,00 (R$50 meia)

Plateia: R$100,00 (R$50 meia)

Balcão Nobre: R$100,00 (R$50 meia)

Balcão Superior: R$50,00 (R$25 meia)

Balcão Superior Lateral:  R$40,00 (R$20 meia)

Galeria Central: R$30,00 (R$15 meia)

Galeria Lateral: R$20,00 (R$10 meia)

(à venda na bilheteria do Municipal e no site Ingresso Rápido)

Anúncios