“Amor é Química” no Teatro Prudential

A partir de 17 de outubro, o Teatro Prudential recebe a comédia Amor é Química, de David França Mendes e Maria Clara Mattos, direção de Oscar Francisco e Giulia Grandis, com Carol Cezar, Fernanda Heras, Ricardo Vianna e Thiago Mello.

Uma comédia sobre a aventura do amor e do desejo numa época como a nossa em que tudo se programa e se quantifica, tudo pode ser preparado e planejado, mas que ainda pode acontecer a felicidade a quem tem coragem de arriscar. “Amor é Química” é uma comédia em que a mulher não é chata e o homem não é canalha. Em que a mulher não está preocupada com relações estáveis e o homem não morre de medo da patroa.

O texto com a história de dois casais. Um deles vive feliz um casamento nada convencional. Ele se chama Carlito e ela se chama Bárbara. O outro casal, Juan e Simone, é um casal amargo e competitivo. Dois casais completamente diferentes em temperamento e estilo de vida que se conectam por um desses acasos do destino. Simone é a psiquiatra que atende Carlito e Juan o psicanalista de Bárbara. O casal infeliz vai fazer de tudo para destruir o casal feliz. E vai quebrar a cara tentando.

Seu ritmo é vertiginoso. Suas situações, deliberadamente exageradas. O efeito desejado é o riso.

SERVIÇO:

Local: Teatro Prudential (Rua do Russel – n° 804 – Glória. Rio de Janeiro)

Telefone: (21) 3554-2934

Horário: quintas, sextas e sábados às 20h | Domingos, às 19h30

Ingresso:

Plateia Lateral e Central (quintas e sextas): R$70,00

Plateia Central (sábados e domingos): R$80,00

Plateia Lateral (sábados e domingos): R$70,00

Horário de Bilheteria: terça a sábado, das 12h às 20h | domingos e feriados, das 12h às 19h (Em dias de espetáculo a bilheteria funciona até 1 hora após o início do mesmo)

Duração: 80 minutos

Capacidade: 359 lugares

Classificação: 14 anos

Gênero: comédia

Temporada: de 17 de outubro a 15 de dezembro de 2019

 

FICHA TÉCNICA:

Texto: David França Mendes e Maria Clara Mattos

Direção: Oscar Francisco e Giulia Grandis

Elenco: Carol Cezar, Fernanda Heras, Ricardo Vianna e Thiago Mello

Iluminação: Mantovani Luz

Direção de Arte: Thomaz Velho e Gustavo Peres

Produtora de arte: Paloma Buquer

Produtor de arte: Jorge Luiz Machado

Cenotécnico: Marimba

Trilha sonora: Edézio Aragão e Rodrigo Florentino

Produção: Leticia Napole e Miçairi Guimarães

Assistente de produção: Gilberto Zangrande e Marina Paiva

Design: Letícia Andrade

Assessoria de Imprensa: Daniella Cavalcanti

Idealização: MOIRA Produções Artísticas e Carolina Lopes Cesar Produções Artísticas

 

AUTORES

 

DAVID FRANÇA MENDES

Roteirista, diretor e escritor, David França Mendes nasceu no Rio de Janeiro e vive hoje entre São Paulo e Colônia, na Alemanha. Escreveu longas-metragens, séries, documentários, curtas e contos. “Amor é Química” é seu primeiro texto teatral. Pelos seus trabalhos em cinema e televisão, conquistou diversos prêmios, como o Grande Prêmio Cinema Brasil, o Prêmio Especial de Cinema da Academia Brasileira de Letras, e prêmios como roteirista e diretor nos festivais de Gramado e Brasília, entre outros, além de ter sido finalista do Prêmio APCA e do Sundance-NHK Latin America Award, entre outras nominações. Foi criador e showrunner das séries “Quase Anônimos”, “A Garota da Moto” (com João Daniel Tikhomiroff) e “Nós” (com Rodrigo Ferrari), supervisor de roteiro da série “Escola de Gênios”. Escreveu os filmes “Corações Sujos” e “O Caminho das Nuvens (ambos dirigidos por Vicente Amorim) e “Um Romance de Geração” (que também dirigiu), entre outros. Em 2013, lançou o livro “O Herói Insone”. É Roteirista-Chefe na produtora Mixer, em São Paulo.

MARIA CLARA MATTOS

Roteirista, escritora e atriz. Seu último trabalho como colaboradora foi na novela Espelho da Vida, de Elizabeth Jhin, TV Globo. Atualmente, escreve a série Filhas de Eva para a TV Globo. Também fez parte da equipe de roteiristas da novela “Espelho da Vida” e das séries “Filhas de Eva”, “Tapas e Beijos”, “Quase Anônimos”, “Alucinadas”, “As Canalhas” e “Prata da Casa”. É autora do argumento original da série “Os Terminadores”. Seu primeiro romance, “O Céu Pode Esperar Mais Um Pouquinho”, Editora Dublinense, foi finalista do Prêmio Açorianos de Literatura, 2013, na categoria Narrativa Longa. Seu segundo romance, “Depois da Chuva”, foi lançado em 2016 pelo Grupo Autêntica. Atuou em várias peças, novelas e minisséries e ganhou com Bel Kutner o prêmio Zilka Zalaberry de direção, pelo espetáculo infantil “O Conto da Ilha Desconhecida”. Estreia seu primeiro monólogo como dramaturga em 2019, texto escrito a partir dos diários pessoais de Lygia Clark, espetáculo que também dirige em parceria com Bel Kutner.

 

DIRETORES

OSCAR FRANCISCO

É diretor na TV Globo e seus últimos trabalhos foram as novelas “Cheias de Charme” em 2012, “Saramandaia” em 2013, “Geração Brasil” em 2014, “I loveParaisopolis” em 2015, “A Lei do Amor” em 2016. No cinema dirigiu vários curtas metragens como “O Juiz” em 2005, “O partida0” em 2006, “A escolha” em 2007 (com Lady Francisco e Jose Augusto Branco) e o “Dia de carteiro” em 2012 (com Marcos Pasquim e Suzana Pires). No teatro dirigiu montagens infantis como “A fuga dos Brinquedos” em 2010, “A família Adams” em 2009, “Aladim” em 2008, “Tarzan” em 2007 e também atuou em “Os dálmatas” em 1999 /2000 e “Perigo na Floresta” em 2001. Não menos importante, dirigiu os espetáculos “A mandrágora” em 2004, “Enlouquecidas” em 2005 e “A casa caiu” em 2010. Em 2018 dirigiu a novela “Deus Salve o Rei” e a novela “Malhação – vidas brasileiras”. Atualmente dirige a nova novela das seis “Éramos Seis”.

GIULIA GRANDIS

Giulia Grandis é atriz e diretora, formada em Direção Teatral na UFRJ e Licenciatura. Dirigiu diversos espetáculos dentre eles “Viúva, porém honesta.” de Nelson Rodrigues. “Maria do Caritó” de Newton Moreno. Recebeu o prêmio INSPIRAÇÃO DO AMANHÃ 2014 como atriz e diretora. Atualmente, se formou na 7ª Oficina de Atores Cesgranrio, irá dirigir “Amor é Química” no Teatro Prudential e atuar na performance “Caixa Preta” no CCBB BH e RJ. Fez parte do elenco de peças como “BIRD” e “Rinocerontes”, o qual foi indicada para o prêmio de melhor atriz, e esteve em cartaz no Teatro Dulcina; dirigidas por Daniel Herz. Participou de novelas, alguns curtas e comerciais. Trabalhou nos musicais “NINE” e “GAROTA DE IPANEMA – amor é bossa”. Em 2012, foi semifinalista do Concurso de Talentos da Malhação do Caldeirão do Huck. É sócia e instrutora do Você InCena, empresa de treinamento comportamental a partir de técnicas teatrais.

ATORES

CAROL CEZAR

É publicitária, atriz e sócia-fundadora da produtora MOIRA Produções Artísticas.

No cinema participou de curtas-metragens, sendo “Encantação” direção de Bruno Costa e “Berenice” direção de Adriano Espínola, os mais recentes.

Em São Paulo atuou em diversas peças de teatro: “A Via Crucis do Corpo” de Clarice Lispector com direção de Marco Antônio Bráz (2011), “O Despertar da Primavera” de Frank Wedkind com direção de Jair Assumpção (2012). No Rio de Janeiro atuou em “As (piores) cenas da minha vida” (2012), “A mulher existe?” (2013) e “A hora perigosa” de Clara Meirelles (2014), todas dirigidas por Daniel Herz. Não menos importante, atuou em “Viúva porém honesta” de Nelson Rodrigues com direção de Giulia Grandis (2014).

Na TV Globo, participou das novelas “Além do tempo”, “A regra do jogo”, “A Lei do Amor” (2017) e “Malhação – vidas brasileiras” (2018). Seu último trabalho foi a peça “A Serpente” dirigida por Eric Lenate, que foi indicada ao Prêmio Shell na temporada de São Paulo. Em setembro de 2018 a peça reestreou no CCBB-RJ, também com indicação à prêmios.

FERNANDA HERAS

Formada em artes cênicas, ballet clássico pela Escola Municipal de Bailado do Teatro Municipal de São Paulo e Royal. Academy of Dance of London e sócia-fundadora da produtora MOIRA Produções Artísticas.

No cinema em diversos curtas-metragens, sendo “Encantação” direção de Bruno Costa, o mais recente.

No teatro atuou em montagens como: “Pequenas Histórias” de Tenesse Williams com direção de Brian Penido (2010), “O Interrogatório” de Peter Weizz com direção de Sergio Ferrara (2012) e “A hora perigosa” de Clara Meirelles com direção de Daniel Herz (2014).

Na TV Globo participou de “Haja Coração” e fez a personagem “Eunice” na novela “Verdades Secretas” de Walcyr Carrasco.

Seu último trabalho foi a peça “A Serpente”, dirigida por Eric Lenate, que foi indicada ao Prêmio Shell na temporada de São Paulo. Em setembro de 2018 a peça reestreou no CCBB-RJ, também com indicação à prêmios.

 

RICARDO VIANNA

Na televisão foi protagonista de “Malhação: Pro Dia Nascer Feliz”, em sequência atuou na novela “Tempo de Amar” dirigida por Jayme Monjardim e seu trabalho mais recente na TV Globo foi “Verão 90”.

Ricardo morou em Madrid, estudou artes cênicas com o mestre Juan Carlos Corazza.  E a cada dois anos, passa uma temporada na Espanha em busca de reciclagem profissional orientado por Corazza. Essas experiências já o possibilitou trabalhar com atores premiados pelo Oscar e Goya como exemplo, Javier Bardem.

No Brasil, o ator tem uma equipe de confiança com quem faz uma preparação contínua:  processo de imersão com o diretor vencedor do Prêmio Shell, Alexandre Mello que resultou na criação de uma companhia teatral. E treinamento com a diretora e preparadora corporal Dani Visco.

 

THIAGO MELLO

No audiovisual participou de produções como: “Deus do amor” (2012) – Dir. Thiago Ayache, “Do Cinema a vapor ao teatro wi-fi” (2017) – Dir. Gustavo Tavarez. O mais recente trabalho na série indicada à oito categorias no Prêmio Rio WEBFEST “Bem-Aventurados” – Produção Fundação Cesgranrio – Dir. Alexandre Machafer.

No teatro atuou em inúmeras peças, sendo as mais recentes: “RINOCERONTEs” de Ionesco – Dir. Luiza Rangel, Palco Literário e “Viúva, Porém Honesta” de Nelson Rodrigues –  Dir. Giulia Grandis.  Não menos importante, atuou, em 2014 e 2012, na peça “Decote” com Cia. Atores de Laura, “Perdoa-me por me traíres”, “Beijo no Asfalto” e “Melodrama” todas dirigidas por Daniel Herz.