“Ovárias” faz sua 4ª edição no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo

OVÁRIAS, indicada ao prêmio Shell de Teatro 2019 na categoria INOVAÇÃO por fomentar o protagonismo estético-político das mulheres na cena carioca, é uma ocupação feminista artística cultural voltada para a troca, reflexão e aprofundamento artístico feminino. A quarta edição da ocupação, nos dias 07 e 08 de Setembro, com as exposições ficando até 15/09, irá acontecer novamente no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo. O evento é composto por cinema, teatro, dança, música, performance, exposição e rodas de bate papo, cortes de cabelo, comidas, bebidas e muito mais.

 

EM OVÁRIAS A MULHER É PROTAGONISTA EM CENA E NO BACKSTAGE!

 

 

Resistir. Palavra forte, que demanda esforço, se encerra em si, mas nos enche de esperança sempre que dita e sempre que aplicada. Resistir é um ato de coragem, um ato de humanidade. O único caminho, pois se não resistir, o que sobra?

 

Idealizada por Aline Mohamad, Monique Vaillé e Nina da Costa Reis, OVÁRIAS reúne um número expressivo de trabalhadoras da cultura para apresentar à população um evento completamente protagonizado por mulheres. Em tempos de representatividade e resistência artística, OVÁRIAS surge como um modelo potente de movimento cultural na cidade, colocando em destaque a mulher na cena cultural carioca.

 

E é com muita alegria somada a resistência, que chegamos na QUARTA EDIÇÃO! Assim abrimos as portas para artistas se expressarem: com 58 projetos e dois dias de Ocupação no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo. Tarefa vigorosa, que só é possível por conta da nossa união, vontade de re-existir e fazer acontecer.

 

Laurinda Santos Lobo foi presidente do conselho da Federação Brasileira para o Progresso Feminino e também por reunir em sua casa, em Santa Teresa, grandes intelectuais e artistas da Cena cultural carioca. Estes encontros foram responsáveis por grandes transformações políticas e culturais na cidade. Sua casa foi um ponto badalado da vida cultural carioca, um marco no Modernismo na cidade do Rio de Janeiro.

 

 

A programação de OVÁRIAS deriva de uma convocatória realizada pelas idealizadoras da ocupação nas redes sociais para seleção das artistas. Após receber mais de 350 inscrições, a programação de OVÁRIAS vai contar com 14 cenas curtas de teatro, 12 performances, 12 exposições, 7 espetáculos de dança, 3 pocket shows, 6 curtas metragens, 1 longa metragem, rodas de bate papo, cortes de cabelo, transmissão ao vivo além de comidinhas, bebidas, brechó, venda de livros e blusas, totalizando 58 projetos envolvidos diretamente na ocupação, em dois dias.

 

OVÁRIAS tem mulher diretora, atriz, performer, fotógrafa, musicista, pintora, produtora, segurança… Uma ocupação completamente feminista sim! Mas calma, a entrada é liberada para todes! Então venham animades e tragam a galere, família e amigues. O que importa é estarmos juntes fomentando a arte!

 

Queremos atingir toda a cidade, trocar com as mulheres fora do eixo tradicional do Rio de Janeiro e quebrar a hegemonia existente. O objetivo é dar voz à essas mulheres tão diferentes em um espaço onde o tema é livre, podendo se utilizar de qualquer material artístico e cujo assunto não será restrito ao universo feminino. A ocupação tem por fim dar liberdade à mulher de se expressar e manifestar sobre o que quiser, quebrando barreiras e paradigmas, e apresentando um novo formato de livre coletivo feminino artístico. O espaço é dedicado a ELAS e o protagonismo está nas suas histórias, nas suas pesquisas artísticas e em seus discursos. OVÁRIAS é uma homenagem à todas as mulheres! Que a gente continue resistindo e que fazer arte seja nossa salvação! Fazer arte em dias de sol e dias de chuva. Que fazer arte seja para sempre!

 

SERVIÇO:

Ocupação – 07/09 e 08/09 de 13h30 às 21h

Exposições – Terça a sexta de 10h às 19h até 15/09

Local: R. Monte Alegre, 306 – Santa Teresa, Rio de Janeiro – RJ, 20240-193

Outras informações:

Ingressos: Gratuito (contribuição consciente)

Telefone: (21) 2215-0618

Classificação Etária: 16 anos

 

PROGRAMAÇÃO 07/09

SAÚDE MENTAL: CINEMA + DANÇA + AFINAL DE CONTAS –
SALA BIBI FERREIRA

14h – PIRA DO GOZO ESTENDIDO AO EXÍLIO (20’)

Um convite para pensarmos sobre as relações entre os apaixonamentos e a loucura nas suas fronteiras passionais; nos excessos que os aproximam. [Direção: Cecília Estella // Elenco: Beatriz Pizarro, Cecília Estella, Monique Ottati e Nina Malm]

 

14h30 – IMAGENS DE DENTRO PRA FORA DE MIM (30’)

Documentário inédito sobre o processo de arteterapia numa unidade de Saúde Mental do SUS, culminando em transformadora experiência artística na política pública antimanicomial. [Concepção, Direção e Roteiro: Patrícia Gois// Narração: Marcelo Melo, Nay Johns , Patrícia Gois e Roberta Rangel]

15h AFINAL DE CONTAS… SAÚDE MENTAL, ARTE E POLÍTICAS PÚBLICAS (60’)

Um bate-papo sobre políticas públicas antimanicomiais de saúde mental, a função da arte nos processos terapêuticos, e análises sobre os desafios do momento. [Mediadora: Patrícia Gois // Participantes: Cecília Estella, Claudia Ferreira e Tatiana Figueiredo]

20h 30 – LEVANTE PRIMAVERA DAS MULHERES – SHOW E MANIFESTO (30’) // VARANDA RUTH DE SOUZA

[Vocal: Elisa Addor, Flavia Souza, Glauce Pimenta Rosa, Jessica Castro, Maíra Freitas, Marcela Velon // Percussão: Diana Nascimento, Flavia Belchior, Flavia Souza, Georgia Câmara, Glauce Pimenta Rosa e Jessica Castro // Instrumentistas: Cristina Bhering, Luciana Jablonski, Luciana Requião, Manoela Marinho e Maria Souto // Performers: Flavia Souza, Frida Renfro, Glauce Pimenta Rosa, Laura Castro e Nina Monteiro]

PROGRAMAÇÃO 08/09

CINECLUBE CINE& MANAS + AFINAL DE CONTAS

SALA BIBI FERREIRA – 14h

14h – MEU CORPO É POLÍTICO (75′)

O documentário aborda o cotidiano de quatro militantes LGBT que vivem na periferia de São Paulo, levantando questões contemporâneas sobre a população trans e suas disputas políticas. [Direção e Roteiro: Alice Riff// Elenco: Fernando Ribeiro, Giu Nonato, Linn da Quebrada e Paula Beatriz]

Currículo do FILME disponível em: http://riff.tv.br/film/meu-corpo-e-politico/

15h15 – AFINAL DE CONTAS (60’)

Bate Papo realizado pelo Coletivo Manas e convidadas sobre as perspectivas de ocupação dos espaços pela população trans a partir do filme Meu Corpo é Político, de Alice Riff [Realização: Coletivo Manas // Participante: Eloá Rodrigues e convidadas]

CINE A CÉU ABERTO “OVÁRIAS”

TERRAÇO PETRA COSTA –18h

18h – DANÇA FANTASMA (6’19’’)

Vídeo performance inspirada no ritual Sioux “Ghost Dance”, o trabalho faz parte da série Coreomania. Em tempos sombrios, a dança compulsiva é um meio de resistência contra a tristeza e a opressão. [Direção: Clarisse Zarvos // Elenco: Cris Larin, Julia Bernat, Monique Cruz e Tainah Longras.]

18h10 – EXU REI – ABDIAS NASCIMENTO (24’)

Divindade africana que aportou no Brasil junto aos negros, Exú é conhecido como o orixá da comunicação, guardião das ruas e do comportamento humano. [Direção: Bárbara Vento// Elenco:  Alice Morena, Bida Nascimento, Célia Nascimento, Cridemar Aquino, Elisa Larkin, Lea Garcia, Mãe Meninazinha de Oxum e Zózimo Bulbul // Roteiro: Manuela Cantuária]

18h35 – EM MEMÓRIA DO MEU OVÁRIO ENFERMO (2’47’’)

Videoperformance menstrual, sangrento, dolorido, transversal. Video criado para o projeto Em Memória do Meu Ovário Enfermo, onde a artista mapeou seu ciclo menstrual. [Direção, roteiro e elenco: Kali Ôza]

18h40 – ESGUICHO (24’)

Esguicho é um documentário sobre a “ejaculação feminina” (squirting). Afastando-se das duas formas principais de discurso sobre o tema, o científico e o pornográfico, o filme se interessa pela experiência das próprias mulheres que ejaculam. [Direção e Roteiro: Carla Miguelote // Elenco: Amanda, Carla, Claudia, Natália, Paula e Renata]

19h05 – PANÁ PANÃ (5’40’’)                                                                                                                           

Através do corpo da atriz Thayná Claudio Mugambi que simboliza esta cidade negra o curta faz alusões ao genocídio que a nós vem representado pelo enfrentamento. [Direção e roteiro: Coletivo Cartel Adelias Cinema de Ajuntamento // Elenco: Thayná Claudio Mugambi].

 

 

Ficha Técnica

Curadoria e Idealização: Aline Mohamad, Monique Vaillé e Nina da Costa Reis

Argumento: Aline Mohamad, Monique Vaillé, Nina da Costa Reis e Raquel Alvarenga

Colaboração de Produção: Carina Nagib, Fabíola Godoi, Jessica Madona, Savina João, Thaís Venitt e Vivi Oliveira

Desenho de Luz: Arsenal de Luz  – Giulia Del-Penho  e Luiza Ventura

Som: Carolina Godinho

Direção de Arte: Carolina Sugahara e Ianara Elisa

Direção Geral de Fotos e Vídeos: Caleidoskópica Produções |Clara Eyer e Elea Mercúrio

Fotógrafas: Aline Casciano, Ana Carolina Garrana, Ana Wonder, Nívea Rios, Monique Fogueira e Tatá Barreto

Viodemakers: Ana Sinhorelli, Débora Fiuza, Giulia Nagel, Michele Nagy, Paula Sancier e Thaysa Lota

Projeto Gráfico: Raquel Alvarenga

Assessoria de Imprensa: Marrom Glacê Assessoria – Gisele Machado

Realização:  MS Arte & Cultura

 

 

SERVIÇO:

Ocupação – 07/09 e 08/09 de 13h30 às 21h

Exposições – Terça a sexta de 10h às 19h até 15/09

Local: R. Monte Alegre, 306 – Santa Teresa, Rio de Janeiro – RJ, 20240-193

Outras informações:

Ingressos: Gratuito (contribuição consciente)

Telefone: (21) 2215-0618

Classificação Etária: 16 anos

 

 

Sobre as idealizadoras do projeto ‘OVÁRIAS:

 

ALINE MOHAMAD, Produtora cultural há 15 anos, realiza trabalhos nas áreas de teatro, dança, cinema, música e TV. Dentre seus trabalhos destacam-se: || Em Teatro Fala comigo como a chuva e me deixa ouvir, direção Ivan Sugahara – Melhor espetáculo Prêmio Cesgranrio de Teatro 2014; Guerrilheiras ou para a terra não há desaparecidos, direção Georgette Fadel; Uma pilha de pratos na cozinha, direção Alexandre Borges; A Menina Edith e a Velha Sentada, direção Lázaro Ramos; Calango Deu! Os Causos da Dona Zaninha, direção Isaac Bernat; Palavras da Brisa Noturna, direção Fábio Porchat; Medea en Promenade, direção Guta Stresser. || Em Show No coração da Jornada, nos Arcos da Lapa, que marcou a chegada dos símbolos para a Jornada Mundial da Juventude Rio2013. Canto da Madeira, no Oi Futuro Ipanema, show de lançamento do CD do violoncelista Federico Puppi. || Em Dança Máquina de dançar, de Thereza Rocha e Maria Alice Poppe; A seguir, de Micheline Torres; Natureza Monstruoza, de Marcela Levi.

 

NINA DA COSTA REIS é atriz, performer e diretora, formada no Curso Superior de Tecnologia em Artes Dramáticas na UniverCidade. Além disso é criadora e cofundadora da ONG Conexão do Bem, que trabalha com teatro e música nos hospitais da rede pública do Rio de Janeiro, onde atua, canta e toca instrumentos de percussão. Atuou no cinema em dois longa metragem: “O Campeão” com direção de Paulo Thiago e “Mamute” com direção de David Rodrigues e dois curta metragens: “A Noite da Raposa” e “Artificial”; na Televisão: novela “Rock Story”e no comercial “Criança Esperança 2015”. Como performer, apresenta os seguintes trabalhos autorais: “Lady Ice, Cidade Iceberg”, “Carne. O que significa construir?” E “Atacado”. No teatro, dirigiu a peça Cavalos, processo de criação autoral, em cartaz em 2019. Atuou em várias montagens teatrais, que se destacam: “Filhos D Medea” e “Ai de Mim”, concepção e criação autoral com os diretores Marco André Nunes e Fabiano de Freitas respectivamente, “A Porta da Frente “ texto de Julia Spadaccini, vencedor do Prêmio Shell 2013 e direção de Marco André Nunes e Jorge Caetano; “Boa Noite Professor” texto e diração Julia Stockler e Lionel Fischer;  “Casa de Bonecas” texto de Henrik Ibsen e direção de Sérgio Fonta; “Não Me Diga Adeus” texto premiado de Juliano Marciano e direção Gilberto Gawronski; “Lucrecia” texto de Leandro Baumgratz e direção de Alexandre Mello ;Como assistente de direção fez a montagem “In the place to be” para o Festival de Colônia (Alemanha) – Visuelles Körpertheater com direção de Gilberto Gawronski. Além disso trabalhou como figurinista no qual foi premiada pela Ocupação Glauce com Vida com a esquete “O dote ou o veneno colorido”, assinou a peça “Ricardo”, em temporada no teatro Maria Clara Machado e “Molho” no Teatro Gonzaguinha.

 

MONIQUE VAILLÉ  É atriz, apresentadora e produtora. Em teatro atuou em “Vamos Fazer Nós Mesmos” com o grupo Holandês Wunderbaum, “Enquanto o Mundo Acaba” direção de Joelson Gusson, “Novas Iscas” e “Iscas para Amansar Falcões” direção de Fabiano de Freitas, “Paralelamente” direção de Lisa Fávero e João Ostrower e supervisão de Bel Garcia, “Certificação Compulsaria dos Atores”, primeiro cena de sua autoria que ganhou o prêmio de melhor texto no Festival de Esquetes do Teatro Ziembinski e melhor direção (Carolina Godinho e Diego Molina) e melhor cena no Festival de Esquetes do Espírito Santo, “Pequena Karen” de Rafael Souza Ribeiro e “O Tempo” de Flávia Prosdocimi, que ganhou o prêmio de melhor atriz e segunda melhor cena no Niterói em Cena 2018 com direção de Carolina Godinho e Diego Molina. Atua nos coletivos “Teatro Comercial”, “Coletivona” “Clube da Cena”, “Que Legado” e “Coletivo Falcão”. É uma das idealizadoras da Ocupação “Ovárias”, indicada na categoria especial do Prêmio Shell no Rio de Janeiro 2019 por fomentar o protagonismo estético-político das mulheres na cena carioca, e do canal de humor @medaumminutinho no Instagram que ganhou o prêmio de Melhor Série Stóries no Riowebfest 2018 com “Minutinho de Terrror”. Apresentou os Festivais de “Cenas Curtas”, “Música” e “Dança” do Teatro Municipal Ziembinski realizados em 2017, 2018 e 2019. Na internet integra o elenco da websérie REDWEBSÉRIE com direção de Fernando Belo, com a personagem Anna. Atualmente está em cartaz com “ A Menina do Kung Fu” de Diego Molina no Teatro Glaucio Gill até 01/09 e apresentando o evento “Você tem Sede de q?” das Sedes das Cias.

Anúncios