Tem um Psicanalista na Nossa Cama

“Tem um Psicanalista na Nossa Cama”, comédia deliciosa escrita por João Bethencourt nos anos 70, já teve várias montagens no Brasil, assim como em mais de 27 países. Os personagens já foram vividos pelas estrelas Ângela Vieira, Débora Duarte, Irene Ravache, Roberto Pirillo, Rogério Fabiano e Cristiano Gualda. Nesta nova produção, cabe aos atores Agnes Xavier e Helio Zachi interpretarem o casal da trama. E Nilvan Santos, o psicanalista. A direção é assinada por Rogério Fabiano. O espetáculo ficará em cartaz até 27 de setembro, sempre às quartas, quintas e sextas-feiras, às 19h, no Teatro do Centro Cultural Light, no Centro do Rio de Janeiro. Em tempo: no dia 1º de agosto, a entrada será gratuita, nossa pré-estreia. E a partir de 2 de agosto, a estreia de fato, o ingresso passa a ser cobrado, no valor de R$ 40 (inteira – a meia sai a R$ 20), até o fim da temporada. 

 

A história tem seu pontapé inicial quando Dolores (Agnes Xavier), uma mulher que, após muitos anos de casada, decide procurar um psicanalista (Nilvan Santos) para encontrar sua verdadeira identidade e passar a ver o mundo e o relacionamento com o marido Eduardo (Helio Zachi), assim como suas neuroses e fantasias, sob uma nova ótica. Desconfiada de que seu parceiro está tendo um caso extraconjugal, Dolores busca na análise a melhor forma de lidar com seus medos e suas inseguranças em relação ao casamento.

 

Para o diretor, mesmo o texto sendo da década de 70, os assuntos abordados nele ainda são muito atuais. “Essa peça deve sempre ser remontada porque é um ícone da dramaturgia de comédias. A relação marido e mulher é tratada pelo autor com tanta maestria e humor que sempre haverá identificação pelo público. E o teatro é isso: um espelho da vida”, diz Rogério, com 40 anos de carreira, e que está em sua quarta montagem desta peça à frente da direção.

 

 

Sobre os atores

Dolores é uma grande mulher. Ama em demasia seu marido, mas passa a se sentir insegura na relação. Em seus sonhos, vê seu marido a traindo, assim como o seu pai a sua mãe. Em determinado momento, busca na terapia uma resposta para as suas inquietações. Mas o marido não gosta da perseguição de Dolores e procura o terapeuta dela. A partir daí a história ganha mais impacto, e marido e mulher ficam reféns do consultório psicanalítico.

 

“Mesmo sendo uma mulher naturalmente forte e com boa saúde financeira, sua fragilidade e seu amor ao marido (agora um garanhão, perante seus olhos e/ou suas fantasias) transformam a sua vida num caos. E é através das sessões de análise que ela vai criando coragem para peitar o seu marido, já que ele começa a alimentar as inseguranças da esposa para ganhar força nos seus próprios medos de perdê-la”, adianta Agnes, que é filha da saudosa atriz Agnes Fontoura, com quem trabalhou no palco e na direção. “Meu berço era colocado no meio da roda de ensaios, onde eu dormia a sono solto. Ao longo da infância e juventude, os bastidores de peças, trabalhos em TV e rádio foram muito presentes. Adorava acompanhar minha mãe em todos eles, porém não me via na frente dos holofotes”, lembra ela, que, no teatro, atuou em “O Dia de Alan”, infanto-juvenil que reinaugurou o Teatro Delfim, em 1992, e sua primeira produção com o marido, Helio Zachi; “Amante S. A.”, em 2001; e “Minha futura ex”, de 2018/2019, em que atua com o marido. Na TV, fez participações como modelo na Manchete (década de 80) e como atriz na novela “Sonho meu”, na Globo (1992). Já no cinema, participou do filme “Sábado Alucinante”, de Cláudio Cunha (1978).

“Tem um Psicanalista na Nossa Cama” toca em pontos cruciais de uma relação a dois: amor, independência, honestidade, confiança e admiração. Faz um balanço da relação homem e mulher. Para Helio, os casais na plateia terão uma identificação imediata com as situações que ocorrem no palco.

 

“Acredito que os casais irão se identificar muito com o fato de que, em alguns casos, a mulher ficar muito tempo sozinha, enquanto os maridos precisam trabalhar cada vez mais. Com relação à insegurança, isso sempre irá existir, tanto da parte da mulher, como da parte do marido, mas essa insegurança é que, às vezes, apimenta um pouco a relação”, avalia Helio, que já trabalhou em 35 peças, uma minissérie (“Anos Rebeldes”), uma novela (“Lua Cheia de Amor”), dois filmes (“Fronteira Sem Destino” e “Um Conto de Natal”) e já teve um programa de rádio numa emissora AM no interior do Pará.

E temos o psicanalista no meio do casal, papel fundamental na ficção e na vida real, segundo Nilvan Santos. “A psicanálise é algo importante na vida de uma pessoa, pois através dela se descobre, se conhece e há a possibilidade de poder ser melhor como pessoa e de agir e interagir no dia a dia”, pontua ele, que, entre seus trabalhos, estão a peça “A geração Trianon”, o filme “Um de paz” e a novela “Deus salve o Rei”.

 

 

 

SERVIÇO:

 

Tem um Psicanalista na Nossa Cama – Temporada de 1º de agosto a 27 de setembro de 2019

 

Texto: João Bethencourt. Direção: Rogério Fabiano.  Elenco: Agnes Xavier, Helio Zachi e Nilvan Santos. Sinopse: Dolores (Agnes Xavier) é uma mulher que, após muitos anos casada, procura um psicanalista (Nilvan Santos) para encontrar sua verdadeira identidade e passar a ver o mundo e o relacionamento com o marido Eduardo (Helio Zachi), assim como suas neuroses e fantasias, sob uma nova ótica. Desconfiada de que seu marido está tendo um caso extraconjugal, ela busca na análise a melhor forma de lidar com seus medos e inseguranças em relação ao seu casamento.

 

Estreia 1º de agosto.

Quartas, quintas e sextas-feiras, às 19h

Teatro do Centro Cultural Light – Avenida Marechal Floriano 168, Centro

Ingresso: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia entrada). Apenas no dia 1º de agosto a entrada será gratuita. A partir do dia 2 de agosto os ingressos serão cobrados.

Duração: 85 minutos

Classificação: 16 anos

Temporada até 27 de setembro.

Anúncios