“Cálculo Ilógico” no Sergio Porto

A matemática é utilizada em metáforas em “Cálculo Ilógico”, espetáculo em que a atriz paulista Jéssika Menkel se apropria de uma dor pessoal e tenta entender esse sofrimento por meio de fórmulas e cálculos. Misturando ficção e realidade, o solo, dirigido pelo premiado Daniel Herz, apresenta o sentimento de inquietação que cerca a nós, humanos, quando nos deparamos com o fim. Com um potente trabalho corporal e um texto intrigante, em que o público embarca em emoções desmedidas, a peça, volta em cartaz para curta temporada no Espaço Muncipal Sergio Porto entre 12 de julho e 4 de agosto, com apresentações sexta e sábado, às 20h, e domingo, às 19h. A direção de produção é de Maria Siman.

Em “Cálculo Ilógico”, Jéssika dá vida à Ella, personagem que vive em um universo numérico em busca de nova perspectiva para ver o mundo. “Busquei na matemática uma forma de contar também a história da perda do meu irmão. Todo o mundo já perdeu alguém. Quis transformar dor em arte, resignificar meu olhar para os acontecimentos da minha vida”, releva a jovem atriz, de 28 anos, que também assina a dramaturgia. Em cena, a personagem relembra, revive, calcula acontecimentos e expõe, em números, a eliminação errada de seu irmão D+ 1. “Ella enxerga por meio de uma lógica matemática, analisando a probabilidade dos acontecimentos e buscando razões nos números e nas fórmulas para explicar um cálculo chamado vida”, completa a artista.

Há cinco anos, a atriz vem realizando uma pesquisa a cerca de teatro documentário e autoficção. Em 2017, quando participou do Festival de Cabo Frio “A pastora do lixão” no (prêmios de melhor espetáculo curto pelo júri técnico e pelo júri popular, melhor atriz e melhor concepção cenográfica), conheceu o filho do diretor Daniel Herz, Tiago, que pouco tempo depois a apresentou ao pai, a quem sempre admirou o trabalho, e almejava que a dirigisse em “Cálculo Ilógico”.

“Jéssika me apresentou uma cena curta e fiquei perplexo e, ao mesmo tempo, emocionado com a atuação dela e com a força do texto”, lembra o diretor. “Eu diria que o mais genial dessa dramaturgia é a ficção. A base é uma dor verdadeira da autora que, associada à criatividade, à inteligência e ao talento dela, produziu uma poesia cênica”, define Daniel Herz que, junto com a diretora de produção Maria Siman, aposta no talento da atriz e na potência do texto.

Durante o processo de criação, na sala de ensaio, Daniel Herz realizou diversas provocações dramatúrgicas que fizeram com que Jéssika investigasse memórias, sentimentos, abismos e recortes de sua vida. “Houve muita emoção e choro. Chegava em casa instigada e escrevia muito, muito. Há ficção, mas há muito da minha essência”, lembra.

A encenação valoriza a força do texto e o trabalho da atriz como principais motores da montagem. O figurino de Thanara Schonardie, que também assina a cenografia, traz fragmentos de diversas roupas, inclusive uma camisa do irmão de Jéssika. O cenário, delimitado por uma fita vermelha, traz poucos elementos, como três cubos, que ao longo da montagem ganham novos significados, e uma bicicleta. A trilha sonora original de Éric Camargo foi composta especialmente para o espetáculo, assim como luz de Aurélio de Simoni fortalece a dramaturgia e insere o público dentro da cena.

“Calculo Ilógico” estreou em outubro de 2018 em São Paulo, num curtíssima temporada o Top Teatro. No Rio, a primeira temporada foi de 12 de abril a 2 de junho no Teatro Rogério Cardoso, na Casa de Cultura Laura Alvim.

Jéssika Menkelautora e atriz

Atriz formada em Artes Cênicas pela CAL, Jéssika Menkel é autora e intérprete de “Cálculo Ilógico”. Entre seus últimos trabalhos, está o espetáculo “Meu nome é Ernesto!”, com direção de Felipe Fagundes. A montagem conquistou 27 prêmios em festivais pelo Brasil, sendo nove na categoria melhor atriz.

Foi também indicada na categoria melhor atriz pelo Prêmio Botequim Cultural, concorrendo ao lado de atrizes como Marieta Severo, Zezé Polessa e Suzanna Faini. Outro destaque é o espetáculo curto “A pastora do Lixão”, com direção de Thiago Greco, em que conquistou 10 prêmios em festivais, sendo quatro na categoria atriz.

Daniel Herz – diretor

Diretor, professor, ator e autor, Daniel Herz é fundador e diretor artístico da Companhia Atores de Laura. Já realizou diversos espetáculos, entre peças teatrais, óperas e eventos comemorativos de relevância cultural.

Suas ultimas encenações foram “Ópera Mozart e Salieri” (de Rimsky-Kkorsakov) no Teatro Municipal do Rio de Janeiro (2016); “Ubu Rei”, de Alfred Jarry, no Teatro Oi Casagrande com Marco Nanini, Rosi Campos e os Atores de Laura no elenco (2017); “Per doa-me por me traíres”, de Nelson Rodrigues (2017), “Fulaninha e Dona Coisa”, de Noemi Marinho, com Nathalia Dill, Vilma Melo e Rafael Canedo (2017) e “Cálculo Ilógico” (2018).

Entre os prêmios e indicações que recebeu destacam-se o Prêmio Coca-Cola de Teatro Jovem na categoria melhor direção pelo espetáculo “Romeu e Isolda”; Prêmio Coca-Cola de Teatro Jovem nas categorias de melhor direção, melhor texto e melhor espetáculo por “Decote”; Prêmio Qualidade Brasil na categoria de melhor direção por “As artimanhas de Scapino”.

Daniel foi indicado aos seguintes prêmios na categoria direção: Shell pelos espetáculos “As artimanhas de Scapino” e “Adultério”; Orilaxé por “O filho eterno”; Cesgranrio por “As bodas de fígaro”; Cepetin por “Fonchito e a lua”; APTR e FITA por “A importância de ser perfeito”, de Oscar Wilde.

 

CÁLCULO ILÓGICO

Temporada: de 12 de julho a 4 de agosto – sexta e sáb., às 20h, e dom. às 19h

Local: Espaço Cultural Sergio Porto

Endereço: Rua Humaitá 163 | Entrada pela Rua Visconde Silva s/n  Tel.: 2535 3846

Valores: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia)

Lotação: 120 lugares. Gênero: autoficção. Duração: 55 min.

Classificação etária: Livre

Facebook e Instagram: @calculoilogico

Sinopse: Sob direção de Daniel Herz, a atriz Jéssika Menkel leva ao palco uma dor pessoal causada pela perda do irmão. Em cena, sua personagem busca uma nova perspectiva para ver o mundo a partir de fórmulas matemáticas.

  CÁLCULO ILÓGICO- DESTAQUES DA CRÍTICA

                                  

“Texto belíssimo, Calculo Ilógico recebeu ótima versão cênica de Daniel Herz, cabendo destacar sua desafiadora proposta de irmanar palavra e movimento, de torná-los indissociáveis, como se verbo e  gestos não pudessem existir isoladamente, como se constituíssem um só corpo. E este é materializado de forma brilhante por Jéssika Menkel, atriz de apenas 28 anos, cuja fortíssima presença, visceral capacidade de entrega e inteligência cênica me levam a afirmar, sem nenhuma hesitação, que estamos diante de uma intérprete que reúne todas as condições para empreender uma lindíssima trajetória profissional”.

Lionel Fischer –  Crítico e jurado dos prêmios APTR e Cesgranrio

http://lionel-fischer.blogspot.com

 

“Num desempenho energizado pela amarração de espontânea fisicalidade gestual  sedutor por seu élan introspectivo, Jéssika Menkel revela uma dúplice força ascensional. Tanto como atriz quanto dramaturga, de uma geração emergente predestinada a preencher os palcos e a conquistar o público em busca de novos e instigantes caminhos para o teatro brasileiro”.

Wagner Corrêa de Araújo – Escrituras Cênicas

Jurado dos prêmios APTR e Botequim Cultural

www.escriturascenicas.com.br/2019/05/calculo-ilogico-sensorial-dramaturgia.html?spref=fb&m=1

 

“Jéssika apresenta seus dotes artísticos com precisão de quem possui a natural intuição, e o resultado é um trabalho coerente, sério e original. Através de uma narrativa em que a matemática – com seus catetos e hipotenusas – conta uma história coerente, que entendemos e entramos no jogo da atriz, fazendo com que os números tenham a força das palavras, com que os números se tornem metáforas, fazendo com que os números se tornem poesia…O jogo de palavras é um dos encantos desse texto!”

Ida Vicenzia – Crítica teatral

https://idavicenzia.blogspot.com

 

“Um dos melhores espetáculos, de tudo o que vi, desde o início do ano, no Rio de Janeiro. Simples e comovente, daquelas montagens que marcam o amante das artes cênicas. Fui com uma grande expectativa, superada por um texto primoroso, uma direção inventiva e impecável e uma interpretação que me desafia a encontrar, no meu vocabulário, palavras especiais e incomuns, para adjetivar JÉSSIKA MENKEL, a atriz deste solo.”

Gilberto Bartholo – “O teatro me representa”

Jurado do Prêmio Botequim Cultural

https://oteatromerepresenta.blogspot.com/2019/05/calculo-ilogico-uma-catarse.html?m=1

 

“Com excelente atuação da atriz / roteirista paulista Jéssika Menkel, o monólogo Cálculo Ilógico  aborda a dor pessoal e reflete sobre várias questões correlatas (relações familiares, insegurança…) a fim de entendê-las por meio de fórmulas e cálculos (“Não existe nada que não se explique matematicamente”). Trata-se de um roteiro inovador e enigmático. A referência a outro tipo de linguagem para expressar seu sofrimento, misturando ficção e realidade, instiga e prende a atenção da plateia. Até o último momento da peça há um quê de suspense. Tudo é surpreendente do início ao fim.” 
Renata Barcellos – Rede Sem Fronteiras

http://redesemfronteiras.com.br/noticia_ver.php?id=4013

 

“Soma-se ao texto, a direção extraordinária do experiente diretor Daniel Herz, é notável sua presença em cada movimento da atriz. Repare no trabalho corporal matemático. Aliás, tudo neste espetáculo é matemática, até Deus vira fórmula no texto de Jéssica. Atenção aos detalhes!… Corpo e texto, direção e atuação, essa junção é o ponto forte de Cálculo Ilógico”.

Carolina Machado – Vida Carioca

https://vidacarioca.net/calculo-ilogico-teatro/

“A coragem de Jéssika aliada ao preencher talentoso de uma encenação conduzida por Daniel, em fôlego profundo, e no certeiro caminho preenchido por Herz, gera uma alquimia sensorial, teatralizada. Encenação ocupada na totalidade espacial e no interagir com o público, investigando memórias, sentidos e sentimentos…”.

Francis Fachetti – Espetáculo Necessário

www.espetaculonecessario.com.br/2019/04/16/critica-teatral-por-francis-fachetti-espetaculo-calculo-ilogico-espetaculo-necessario-com-br/

FICHA TÉCNICA:

Texto e atuação: Jéssika Menkel
Direção: Daniel Herz
Assistente de direção: Gabriela Checchia e Tiago Herz

Cenografia e figurino: Thanara Schonardie
Assistente cenário e figurino: Natália Fonseca
Iluminação: Aurélio de Simoni

Preparação vocal: Jane Celeste
Direção musical: Éric Camargo
Design gráfico: Bruno Niquet e Sheila Gelsleuchter

Produção: Jéssika Menkel e Primeira Página Produções Culturais

Direção de produção: Maria Siman

Anúncios