5º Cinefoot Extraordinário na Copa América, no CCBB RJ

A Copa América é a principal competição entre seleções de futebol das nações da América do Sul. Não por acaso, volta a ser realizada no Brasil em 2019 país-sede da terceira edição do Campeonato Sul-Americano, em 1919, quando sagrou-se campeão pela primeira vez deste torneio, no recém-inaugurado Estádio da Laranjeiras, no Rio de Janeiro, que também completa 100 anos.

A celebração do centenário desta épica conquista inspira a realização do 5º CINEFOOT EXTRAORDINÁRIO durante a Copa América, de 12 a 24 de junho, no CCBB-Centro Cultural Banco do Brasil-RJ, reunindo 26 filmes e histórias de países participantes desta competição continental, com entrada franca.

A programação, que conta com 15 filmes brasileiros e 11 internacionais, prevê a realização de sessão acessível e um debate sobre a luta e a história de resistência do futebol feminino.

O CINEFOOT EXTRAORDINÁRIO entra em campo pela quinta vez confirmando o seu potencial de agente promotor da cultura audiovisual futebolística em tempos de realização eventos esportivos de grande porte, a exemplo das edições anteriores durante a Copa América 2013, Copa do Mundo Brasil 2014, Jogos Olímpicos Rio 2016 e Copa do Mundo Rússia 2018.

O CINEFOOT EXTRAORDINÁRIO, que conta com o apoio do Festival Minuto 90 (Peru) e FICBOL-Festival Internacional de Cine Futbolero (Colômbia), presta a sua contribuição para o incremento da agenda cultural do Rio de Janeiro no período da Copa América 2019, através de uma programação diversificada de filmes oriundos de vários países.

 

PROGRAMAÇÃO:

 

12/6 – QUARTA-FEIRA

– 17h – MARACANÃ

Dir. Sebastián Bednarik, Andrés Varela (Doc, 75 min, Uruguai/Brasil, 2014) – 12 ANOS

1950. Apenas 5 anos após a Segunda Guerra Mundial, o Brasil organiza a Copa do Mundo de Futebol. O governo promete a vitória. No entanto, minutos antes do apito final da última partida, o capitão da pequena equipe uruguaia destrói a esperança de milhões de brasileiros, transformando sua vida para sempre e, com ela, a identidade de duas nações. Maracanã mostra a maior façanha e a maior tragédia da história do futebol.

– 19h – SESSÃO COM ACESSIBILIDADE (Libras e legenda acessível)

LOUISE

Dir. Amanda Gomes, Andressa Fernandes, Nathanael Cruz  (Anima, 5 min, Brasil, DF, 2018) – 12 anos

Durante brincadeira de futebol de rua entre quatro garotos a bola cai próxima de Louise e Bia. Juca corre para recuperá-la, percebe a habilidade das duas garotas e as convida para brincar. Iago não aceita a participação delas, mas Louise não quer ficar fora do jogo.

JOÃO SALDANHA

Dir. André Iki Siqueira e Beto Macedo (Doc, 90 min, RJ, 2010) – 12 Anos

Jogador, técnico, jornalista e polemista, João Saldanha (1917-1990) sempre foi bom de briga. A valentia que exibiu dentro de campo, no curto período em que foi jogador, levou-o a aceitar o posto de técnico do mesmo time, o Botafogo. Foi também um dos comentaristas esportivos mais temidos e polêmicos de seu tempo.

13/6 – QUINTA-FEIRA

– 17h

ARANGOL

Dir. Emil Zabala (Doc, 85 min, Venezuela, Alemanha, México, Espanha, 2017) – 12 anos

Arangol, a vida de um herói anônimo que se torna o Cid Campeador do futebol em um país que joga beisebol. Uma história que reflete a constância, luta e perseverança de Juan Arango, que com seu talento e uma fé cega em si mesmo atinge seus objetivos. Conquistar o mundo graças ao futebol tem sido seu melhor exemplo de melhoria pessoal que expressa do que os venezuelanos são feitos.

– 19h

1958 O ANO EM QUE O MUNDO DESCOBRIU O BRASIL

Dir. José Carlos Asbeg (Doc, 85 min, Brasil, RJ, 2008) – 12 anos

Homenagem aos jogadores que conquistaram o primeiro título mundial de futebol para o Brasil.

14/6 – SEXTA-FEIRA

– 17h

HÉCTOR MARTÍNEZ: A SOMBRA DE UMA CIDADE ABANDONADA

Dir. Jamer Calvo (Doc, 13 min, Colômbia, 2018) – 12 anos

Héctor Martínez, jogador de futebol veterano, cantor de música antilhana e cozinheiro tradicional, nos conta aspectos significativos de sua vida, o que nos aproxima da história popular da Cali da segunda metade do século XX, uma cidade em constante transformação que negligencia sua memória .

BAHÊA MINHA VIDA – O FILME

Dir. Marcio Cavalcante (Doc, 100 min, BA, 2011) – 12 Anos

Bahêa Minha Vida é um filme sobre a paixão da torcida, sobre sonhos e vida, muita vida, expressa em alegrias e lágrimas, em gritos e silêncios, em desencantos e euforias. Uma verdadeira homenagem à nação tricolor. A grande questão é o porquê de tanto amor. Existe explicação?

– 19h

LOUCURA QUE APAIXONA MINHA CIDADE

Dir. Maximiliano Baldi (Doc, 110 min min, Argentina, 2014) – 12 ANOS

Em apenas três anos, Clube Atlético Talleres deixou de ser um dos melhores times do mundo para jogar a divisão amadora do futebol argentino.

15/6 – SÁBADO

– 17h

DEMOCRACIA EM PRETO E BRANCO

Dir. Pedro Asbeg (Doc, 90 min, RJ, 2013) – 12 ANOS

Tendo como pano de fundo a lendária Democracia Corinthiana, o nascimento das bandas de rock brasileiras e a campanha das “Diretas Já”, Democracia em Preto e Branco mostra como o esporte, a política e a música se encontraram para mudar o rumo da história do país.

– 19h

O ROUPEIRO

Dir. Andres Cornejo (Doc, 25 min, Equador, 2017) – 12 anos

Mario Alcocer, conhecido como Junior Toral, trabalha como roupeiro do Independiente Del Valle, do Equador. Junior é tanto um trabalhador dedicado, como um fã apaixonado. Ele acompanha o time nos hotéis, nos campos, nos estádios e preenche os espaços solitários no mundo do futebol, à sombra dos protagonistas do espetáculo.

SANGUE DE CAMPEÕES

Dir. Sebastián Bednarik, Guzmán García (Doc, 75 min, Uruguai, 2018) – 12 anos

1924: um grupo de homens, jogadores amadores de futebol de diversas profissões, embarcam para a maior aventura de suas vidas. Eles partem do Uruguai para a Europa para desembarcar na Paris dos anos loucos onde, contra todas as probabilidades, iriam encontrar a glória olímpica e o assombro do mundo inteiro. Esse feito seria o primeiro de outros, em 1928 e em 1930.

16/6 – DOMINGO

– 17h

O TORCEDOR

Dir. Chriss Porras Quintanilla (Fic, 7 min, México, 2018) – 12 anos

Inti de 7 anos vive a pior tarde da sua curta vida, como seu ídolo Paolo Guerrero, quando perde a partida que poderia levar a Seleção do Peru para a Copa do Mundo depois de 36 anos, tendo como único aliado a sua mãe-avó Lu, que parece ter uma enfermidade diante das jogadas da Nova Zelândia.

ARANGOL

Dir. Emil Zabala (Doc, 85 min, Venezuela, Alemanha, México, Espanha, 2017) – 12 anos

Arangol, a vida de um herói anônimo que se torna o Cid Campeador do futebol em um país que joga beisebol. Uma história que reflete a constância, luta e perseverança de Juan Arango, que com seu talento e uma fé cega em si mesmo atinge seus objetivos. Conquistar o mundo graças ao futebol tem sido seu melhor exemplo de melhoria pessoal que expressa do que os venezuelanos são feitos.

– 19h

A BOLA VIAJANTE DE KOYUKI

Dir. Satsuki Okawa (Fic, 17 min, Japão, 2013) – 12 anos

Koyuki decide recriar uma bola de futebol que seu pai tinha assinada por todos os amigos e que fora levada pelo Tsunami. Sua jornada sofre uma reviravolta quando se reconecta com o tio, fanático por futebol.

SABOR DA VITÓRIA

Dir. Víctor Gómez Lizama (Doc, 61 min, Chile, 2007) – 12 anos

Quando o Chile viveu os últimos meses da Unidade Popular comandada pelo Presidente Salvador Allende, Colo-Colo, o time chileno mais popular, disputou a Copa Libertadores de 1973.

17/6 – SEGUNDA-FEIRA

– 17h

AL-KORA

Dir. Amal Al Muftah (Fic, 2 min, Catar, 2013) – 12 anos

Um garoto joga acidentalmente a bola de futebol por cima de uma parede e não tem certeza de como vai recuperá-la, até que sua irmã chega para o resgate. Mas seu ato de bondade a coloca em apuros.

FUTEBOL COM HISTÓRIA – SELEÇÃO PARAGUAIA

ABC TV (Doc, 15 min, Paraguai, RJ, 2018) – 12 anos

Em 1979 a Seleção paraguaia viveu um ano de ouro com triunfos históricos.

ÉRAMOS REIS

Dir. Ernesto Rodrigues (Doc, 44 min, Brasil, RJ, 2017) – 12 anos

Preciosidades inéditas a partir de 1913, incluindo um amistoso do Corinthian inglês (Corinthian-Casuals) contra um combinado carioca; a excursão do Paulistano em 1921, um ídolo desconhecido dos brasileiros (Jaguaré), a excursão que entrou para o hino do Atlético Mineiro; o Bahia no inverno de Moscou; pancadaria do Vasco com o Real Madrid; o reinado francês de Paulo César Caju. O veredicto da imprensa internacional, ilustrado por conteúdos audiovisuais inéditos, de craques como Garrincha, Nilton Santos, Carlos Alberto, Zico, Ronaldo Nazário, Ronaldinho Gaúcho, Júnior, Falcão, Cerezzo, Roberto Carlos, Marcelo, Romário, Neymar e outros.

– 19h

O OUTRO SUPERCLÁSSICO

Dir. Santiago Dulce (Doc, 7 min, cor, Brasil/Argentina, 2014) – 12 anos

Existem clubes fundados em homenagens a outros maiores. Clubes grandes, como Boca e River, não são exceção. O incrível é que exista uma versão de cada um no mesmo lugar. A mais de 4.000 km de Buenos Aires, se joga “El Otro Superclássico”.

GAÚCHOS CANARINHOS

Dir. Rene Goya Filho (Doc, 15 min, Brasil, RS, 2007) – 12 anos

Um homem que criou um país. O documentário conta a história de um criador e de sua maior criação. Uma criação que deu identidade a uma nação. Estamos falando da camisa amarela da Seleção Brasileira de futebol, criada pelo gaúcho Aldyr Schlee.

O PRIMEIRO JOÃO

Dir. André Castelão (Anima, 6 min, Brasil, RJ, 2006) – 12 anos

Garrincha revela a origem do apelido “João” que ele dava a todos os seus marcadores em campo. Verdade? Ninguém sabe.

PELÉ: O REI DESCONHECIDO

Dir. Ernesto Rodrigues (Doc, 38 min, Brasil, RJ, 2017) – 12 anos

Histórias surpreendentes, preservadas em arquivos estrangeiros, da estreia do menino prodígio na copa de 58 até a despedida em Nova Iorque, com flagrantes de Pelé em campo e fora das “quatro linhas” filmados por estrangeiros no Brasil, na Europa, nas Américas e na Oceania.

 

19/6 – QUARTA-FEIRA

– 17h

BOLÍVIA

Dir. Felipe Diniz (Doc, 5 min, Brasil, SP, 2019) – 12 anos

O futebol boliviano em destaque.

ARANGOL

Dir. Emil Zabala (Doc, 85 min, Venezuela, Alemanha, México, Espanha, 2017) – 12 anos

Arangol, a vida de um herói anônimo que se torna o Cid Campeador do futebol em um país que joga beisebol. Uma história que reflete a constância, luta e perseverança de Juan Arango, que com seu talento e uma fé cega em si mesmo atinge seus objetivos. Conquistar o mundo graças ao futebol tem sido seu melhor exemplo de melhoria pessoal que expressa do que os venezuelanos são feitos.

– 19h

O TORCEDOR

Dir. Chriss Porras Quintanilla (Fic, 7 min, México, 2018) – 12 anos

Inti de 7 anos vive a pior tarde da sua curta vida, como seu ídolo Paolo Guerrero, quando perde a partida que poderia levar a Seleção do Peru para a Copa do Mundo depois de 36 anos, tendo como único aliado a sua mãe-avó Lu, que parece ter uma enfermidade diante das jogadas da Nova Zelândia.

GERALDINOS

Dir. Pedro Asbeg, Renato Martins (Doc, 75 min, Brasil, RJ, 2015) – 12 anos

O fim da Geral do Maracanã não é apenas mais uma derrota de um futebol que já não existe mais. É também o reflexo do processo de elitização e exclusão que o Rio de Janeiro vive hoje.

20/6 – QUINTA-FEIRA

– 17h

LOUCURA QUE APAIXONA MINHA CIDADE

Dir. Maximiliano Baldi (Doc, 110 min min, Argentina, 2014) – 12 ANOS

Em apenas três anos, Clube Atlético Talleres deixou de ser um dos melhores times do mundo para jogar a divisão amadora do futebol argentino.

– 19h

O ROUPEIRO

Dir. Andres Cornejo (Doc, 25 min, Equador, 2017) – 12 anos

Mario Alcocer, conhecido como Junior Toral, trabalha como roupeiro do Independiente Del Valle, do Equador. Junior é tanto um trabalhador dedicado, como um fã apaixonado. Ele acompanha o time nos hotéis, nos campos, nos estádios e preenche os espaços solitários no mundo do futebol, à sombra dos protagonistas do espetáculo.

SABOR DA VITÓRIA

Dir. Víctor Gómez Lizama (Doc, 61 min, Chile, 2007) – 12 anos

Quando o Chile viveu os últimos meses da Unidade Popular comandada pelo Presidente Salvador Allende, Colo-Colo, o time chileno mais popular, disputou a Copa Libertadores de 1973.

21/6 – SEXTA-FEIRA

– 17h

A BOLA VIAJANTE DE KOYUKI

Dir. Satsuki Okawa (Fic, 17 min, Japão, 2013) – 12 anos

Koyuki decide recriar uma bola de futebol que seu pai tinha assinada por todos os amigos e que fora levada pelo Tsunami. Sua jornada sofre uma reviravolta quando se reconecta com o tio, fanático por futebol.

MARACANÃ

Dir. Sebastián Bednarik, Andrés Varela (Doc, 75 min, Uruguai/Brasil, 2014) – 12 anos

1950. Apenas 5 anos após a Segunda Guerra Mundial, o Brasil organiza a Copa do Mundo de Futebol. O governo promete a vitória. No entanto, minutos antes do apito final da última partida, o capitão da pequena equipe uruguaia destrói a esperança de milhões de brasileiros, transformando sua vida para sempre e, com ela, a identidade de duas nações. Maracanã mostra a maior façanha e a maior tragédia da história do futebol.

– 19h

O TORCEDOR

Dir. Chriss Porras Quintanilla (Fic, 7 min, México, 2018) – 12 anos

Inti de 7 anos vive a pior tarde da sua curta vida, como seu ídolo Paolo Guerrero, quando perde a partida que poderia levar a Seleção do Peru para a Copa do Mundo depois de 36 anos, tendo como único aliado a sua mãe-avó Lu, que parece ter uma enfermidade diante das jogadas da Nova Zelândia.

GERALDINOS

Dir. Pedro Asbeg, Renato Martins (Doc, 75 min, Brasil, RJ, 2015) – 12 anos

O fim da Geral do Maracanã não é apenas mais uma derrota de um futebol que já não existe mais. É também o reflexo do processo de elitização e exclusão que o Rio de Janeiro vive hoje.

22/6 – SÁBADO

– 17h

AL-KORA

Dir. Amal Al Muftah (Fic, 2 min, Catar, 2013) – 12 anos

Um garoto joga acidentalmente a bola de futebol por cima de uma parede e não tem certeza de como vai recuperá-la, até que sua irmã chega para o resgate. Mas seu ato de bondade a coloca em apuros.

LOUCURA QUE APAIXONA MINHA CIDADE

Dir. Maximiliano Baldi (Doc, 110 min min, Argentina, 2014) – 12 ANOS

Em apenas três anos, Clube Atlético Talleres deixou de ser um dos melhores times do mundo para jogar a divisão amadora do futebol argentino.

– 19h

DEMOCRACIA EM PRETO E BRANCO

Dir. Pedro Asbeg (Doc, 90 min, Brasil, RJ, 2013) – 12 anos

Tendo como pano de fundo a lendária Democracia Corinthiana, o nascimento das bandas de rock brasileiras e a campanha das “Diretas Já”, Democracia em Preto e Branco mostra como o esporte, a política e a música se encontraram para mudar o rumo da história do país.

23/6 – DOMINGO

– 17h

A BOLA VIAJANTE DE KOYUKI

Dir. Satsuki Okawa (Fic, 17 min, Japão, 2013) – 12 anos

Koyuki decide recriar uma bola de futebol que seu pai tinha assinada por todos os amigos e que fora levada pelo Tsunami. Sua jornada sofre uma reviravolta quando se reconecta com o tio, fanático por futebol.

MARACANÃ

Dir. Sebastián Bednarik, Andrés Varela (Doc, 75 min, Uruguai/Brasil, 2014) – 12 anos

1950. Apenas 5 anos após a Segunda Guerra Mundial, o Brasil organiza a Copa do Mundo de Futebol. O governo promete a vitória. No entanto, minutos antes do apito final da última partida, o capitão da pequena equipe uruguaia destrói a esperança de milhões de brasileiros, transformando sua vida para sempre e, com ela, a identidade de duas nações. Maracanã mostra a maior façanha e a maior tragédia da história do futebol.

– 19h

O ROUPEIRO

Dir. Andres Cornejo (Doc, 25 min, Equador, 2017) – 12 anos

Mario Alcocer, conhecido como Junior Toral, trabalha como roupeiro do Independiente Del Valle, do Equador. Junior é tanto um trabalhador dedicado, como um fã apaixonado. Ele acompanha o time nos hotéis, nos campos, nos estádios e preenche os espaços solitários no mundo do futebol, à sombra dos protagonistas do espetáculo.

SABOR DA VITÓRIA

Dir. Víctor Gómez Lizama (Doc, 61 min, Chile, 2007) – 12 anos

Quando o Chile viveu os últimos meses da Unidade Popular comandada pelo Presidente Salvador Allende, Colo-Colo, o time chileno mais popular, disputou a Copa Libertadores de 1973.

24/6 – SEGUNDA-FEIRA

– 17h

BAHÊA MINHA VIDA – O FILME

Dir. Marcio Cavalcante (Doc, 100 min, Brasil, BA, 2011) – 12 anos

Bahêa Minha Vida é um filme sobre a paixão da torcida, sobre sonhos e vida, muita vida, expressa em alegrias e lágrimas, em gritos e silêncios, em desencantos e euforias. Uma verdadeira homenagem à nação tricolor. A grande questão é o porquê de tanto amor. Existe explicação?

– 19H – SESSÃO COM DEBATE: FUTEBOL FEMININO, LUTAS, HISTÓRIA E RESISTÊNCIA.

TAPETE VERDE

Dir. Angelo Martins (Doc, 15 min, Brasil, SP, 2013) – 12 anos

Jovens incentivados pelos pais, inspirados por grandes craques e uma menina que tenta quebrar os paradigmas machistas do esporte em busca do

sonho de ser jogadora profissional. A partir da tradicional peneira e da rotina de uma das personagens, a obra discute a motivação dos jovens para entrar no mundo do esporte mais praticado do Brasil.

EU JOGADORA, UM AUTORRETRATO DO FUTEBOL FEMININO NO BRASIL

Dir. Edson de Lima, Cristiano Fukuyama e Luiz Nascimento (Doc, 19 min, Brasil, SP, 2017) – 12 anos

O que pensa a primeira mulher a ter sido técnica da seleção brasileira de futebol feminino? O que sentem duas atletas olímpicas que abriram caminho para atual geração? E quais são os sonhos de duas revelações da modalidade?

MULHERES DO PROGRESSO: MUITO ALÉM DA VÁRZEA

Dir. Jamaikah Santarém (Doc, 15 min, Brasil, SP, 2018) – 12 anos.

A presença feminina no mundo da várzea. A vida das personagens Márcia, Sindy, Tianinha e Sandra, mulheres que vivem em diferentes comunidades de São Paulo e que têm em comum o amor e dedicação pelo futebol de várzea.

Serviço: 5˚ CINEFOOT EXTRAORDINÁRIO

CCBB  RJ: CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL RIO DE JANEIRO

Rua Primeiro de Março, 66 – Centro RJ.

De 12/06 a 24/06.

Sala 1. Capacidade: 102 lugares.

Sessões às 17h e às 19h. (Sujeita à lotação da sala)

Entrada gratuita.

Informações completas: www.cinefoot.org

Instagram: @cinefoot

Facebook: https://www.facebook.com/CINEfoot/

Anúncios