Peça “Tita e Nic” no Teatro Dulcina

A diversidade cultural de um povo é uma de suas maiores riquezas, e o Ceará, como fazedor de riso, vem construindo sua identidade calcada na expansão da arte. Inserido nesse contexto, a Cia Cearense de Molecagem estreou há 21 anos um espetáculo teatral que se tornou a comédia mais assistida e com mais tempo em cartaz no Nordeste: Tita e Nic. UM MILHÃO de espectadores já riram dessa comédia que agora desembarca no Rio de Janeiro.

Com essa sátira, inserimos a cultura do bom humor cearense no universo brasileiro, tornando-nos veículos de  uma reorganização do imaginário geral, evocando e reconstruindo aquela ideia da gaiatice que remonta aos literatos e aos pioneiros do humor moleque cearense. Proporcionamos, assim, o estímulo a uma crescente troca de fazeres e saberes cômicos em nosso país.

Conceito

“A sátira é a arma do povo, a mais alta expressão da dúvida, a maior ajuda da razão”   (Dário fo)

                                              

O que nos conceitua a partir dessa sátira, nos dando norte, é que nossas comédias têm como características comuns indicar os absurdos do contemporâneo de maneira sutil e inteligente. Agitamos através do riso relacionado ao Brasil atual, mesmo que esteja em cena um fato mundial.

A alegria por coisas incomuns, por situações de desequilíbrio, interrupções imprevistas dão corda à ação. Turbulência é mais importante do que probabilidade cômoda. Nós brincamos com as possibilidades e nossos heróis populares lutam com a malícia e a vontade de sobreviver do “louco” contra a deslealdade dos fatos.

As ocorrências dominam a expansão dos personagens que defendem a situação. Fazer um “teatro de situações” significa representar uma história, dedicando-se aos problemas de todos, dentro de um drama coletivo. Lançamos um teatro de atores. Oferecemos a liberdade de improvisação. Essa arte que todos os membros da Cia cearense de molecagem usam brilhantemente possibilita o contato espontâneo com os espectadores.

O Espetáculo

É início do século e as invenções pipocavam de cabo a rabo, eis que surge uma “inafundável” jangada: a Lamparina do Mucuripe. Euforia! Uma multidão embarca na jangada que ruma para um fatídico destino em águas fétidas. Eis que pinta o maior clima entre o humilde da 3ª classe, Nic, e a melancólica e sufocada aristocrata da 1ª classe, Tita. Por amor, os dois só faltam se “lascar”. Por fim, a mocinha melosa e o galã canastrão, mesmo mortos, vivem felizes para sempre.

A produção hollywoodiana Titanic, ganha uma roupagem cearense na sátira da Cia. Cearense de Molecagem. Seis atores se esmeram para interpretar os 2.500 personagens e arrancam risos do público, por onde passam.

Aviso aos navegantes, muitas águas vão rolar: figurantes anunciam o naufrágio antes do tempo e geram pânico antecipado; Tita, a melancólica, esnoba Nic, o pobre que viaja na 3ª classe, e briga com o noivo rico que se conchava com a sogra vilã e interesseira que, por sua vez, humilha o tripulante, que é também o capitão, que também é a doméstica Zoraide, que é também a emergente Ivete, que morre no final.

Serviço

LOCAL: Teatro Dulcina – Rio de Janeiro – RJ

DIAS: 08,09,10, 14,15,16,17, 21, 22, 23, 24, 28, 29 e 30 de Junho de 2019

HORA: 19h

DURAÇÃO: 75 minutos

CLASSIFICAÇÃO: Livre

PREÇO: R$ 40,00 a Inteira e R$ 20,00

Elenco: Carri Costa

Solange Teixeira

Denis Lacerda

Arilson Lucas

Jorge Ritchie

Ana Patrocínia

Texto e direção: Carri Costa

Anúncios