“Kondima – Sobre Travessias” na Sede das Cias

O quinto espetáculo da Troupp Pas D’argent apresenta como questão central: os Refugiados, lançando um olhar sensível para os desdobramentos das vidas de cinco personagens, revelando suas dificuldades, sua força, seus medos, seus sonhos e a perda deles.

           Segundo a Convenção de Refugiados de 1951, é considerado refugiado, qualquer pessoa que “temendo ser perseguida por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas, se encontra fora do país de sua nacionalidade e que não pode ou, em virtude desse temor, não quer valer-se da proteção desse país”. (Fonte ACNUR – Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados – Agência da ONU para Refugiados).

           “KONDIMA” é uma palavra pertencente ao dialeto Lingala, falado em tribos da Angola e da República Democrática do Congo, e significa ACREDITAR. A dramaturgia traz de forma poética e densa um olhar profundo sobre essas mulheres, homens e crianças, que se encontram em situação de vulnerabilidade social e terror. De acordo com dados da ONU (Organização das Nações Unidas): “Pelo menos metade das pessoas deslocadas no mundo são mulheres adultas e crianças. Sem contar com a proteção de seus lugares de origem, seus governos e, em muitos casos, de estruturas familiares tradicionais. Enfrentam os rigores de longas jornadas a caminho do refúgio, perseguição ou indiferença oficial e com frequência sofrem abuso sexual, inclusive quando já chegaram a um lugar aparentemente seguro”.

O espetáculo aborda a temática a partir do olhar de refugiados vindos de países distintos que se viram obrigados a deixar suas casas, na busca pela sobrevivência e pela paz.  Os motivos que os obrigam a realizar uma arriscada travessia são diversos: perseguição política, conflitos armados e guerrilhas, fome, discriminação racial, social ou religiosa, violência sexual, violência de todas as formas, ou seja, a violação básica dos direitos humanos. A trama evidencia a humanidade dos personagens e revela os conflitos e desventuras surgidos a partir do entrelaçamento destas histórias, que geram inusitadas e instigantes situações.

A cada hora, 48 mulheres são estupradas no Congo, tornando assim o estupro, nesse país e em muitos outros, uma arma de guerra. Em 2011, a República Democrática do Congo foi indicada em pesquisa como o pior lugar do mundo para ser mulher. No mar mediterrâneo, duas crianças morrem afogadas por dia, fugindo da fome, da guerra e do extremismo político e cultural. A cada mulher estuprada, uma dignidade se perde, um trauma se cria, uma ferida na alma se constrói. A cada criança que foge de sua pátria, uma infância é perdida e seus sonhos são diluídos. Para a Troupp Pas D’argent, perder um sonho tem a mesma densidade que perder uma vida. Assim, falar sobre esse tema é de suma importância, pois o que percebemos são vozes caladas pela violência ou pela dor de um trauma, que precisam ser ouvidas.

SINOPSE

Quatro pessoas em um pequeno bote no meio do oceano, à deriva, vão em busca de uma vida melhor. Através de uma Doc. Ficção Teatral, o Teatro se confunde com o Documentário, a realidade se mistura com a ficção. E entre relatos verídicos de violências, travessias e sonhos, os estilhaços destas vozes se cruzam e se entrelaçam de forma irreversível, onde já não mais sabemos que história é a sua ou é a minha. Tudo se vai, só o que fica é a certeza de que somos todos iguais quando perdemos tudo.

SERVIÇOS:

Estreia dia 04 de maio

Temporada de 04 a 26 de maio – sábados e domingos

Horário: 20:00

Local: Sede das Cias

Endereço: Rua Manuel Carneiro 12 – Santa Teresa , Rio de Janeiro – RJ

Ingressos: Consciente

Informações: (21) 2137-1271 – Bilheteria – abre 1h antes do espetáculo

Classificação indicativa: 16 anos

Duração: 80 minutos

Lotação: 60 lugares

Gênero: drama

 

FICHA TECNICA

Dramaturgia e Direção: Marcela Rodrigues

Assistente de Direção: Jorge Florêncio

Idealização e Concepção do Projeto: Natalíe Rodrigues

Colaboração Dramatúrgica: Jorge Florêncio

Elenco: Carolina Garcês, Natalie Rodrigues, Orlando Caldeira

Atriz Convidada: Ruth Mariana

Pesquisa de Movimento: Troupp Pas D’Argent

Trilha Sonora: Isadora Medella

Cenografia: Marcela Rodrigues

Iluminação: Luiz Paulo Nenen

Figurino: Orlando Caldeira

Produção: Corpo Rastreado e MS Arte e Cultura

Fotografia: Marcela Rodrigues

Assessoria de Imprensa: Duetto Comunicação

Realização: MIDIXCULPA PRODUÇÕES ARTISTICAS

DOCUMENTÁRIO

Direção e edição: Marcela Rodrigues

Assistente de Direção: Jorge Florêncio

Cinegrafistas: Marcela Rodrigues, Jorge Florêncio

Entrevistas em Bangladesh: André Coelho

REPERTORIO DA TROUPP PAS D’ARGET:

           A Troupp Pas D’argent é uma companhia de teatro de pesquisa do Rio de Janeiro, que ao longo dos seus 12 anos de existência, já recebeu importantes estímulos a sua atividade de investigação cênica, como a indicação ao Prêmio Shell 2008 na Categoria Especial, pela Pesquisa de Movimento do espetáculo Cidade Das Donzelas; o recebimento do Prêmio Europeu Compasso di Argento Italiano 2010, pela mesma peça, em Nápoles/Itália; e do Prêmio Lukas Awards de melhor produção teatral latino-americana em Londres no ano de 2012, pelo espetáculo Holoclownsto. Os espetáculos realizaram temporadas nos principais teatros do país, circularam por diversos Festivais e Mostras nacionais, além de representar o Brasil em festivais na Inglaterra, Itália e Chile.

“CIDADE DAS DONZELAS” ( 2008)

 Festival Internacional de Teatro de Curitiba, seguindo com temporadas como o SESI-RJ, SESC Tijuca, Teatro Municipal do Jockey, Teatro Municipal Café Pequeno, Centro Cultural Solar de Botafogo, Teatro Glaucio Gil, Teatro Glauce Rocha e Circuito SESC-RJ. Festival Internacional de Teatro Latino-americano ENTEPOLA em Santiago- Chile, Festival Internacional de Teatro E45 em Nápoles- Itália, Festival Internacional de Culturas (SUQ) em  Genova-Itália, Festival de Teatro  Latino-americano CASA em Londres-Inglaterra. Contemplado no edital Caravana Cultural SESI –SP para apresentação em 17 cidades do interior de SP. Participou do Projeto Plateias Hospitalares (Doutores da Alegria), com apresentações em Hospitais do RJ. Contemplada no edital Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural do MinC.

“HOLOCLOWNSTO” (2011)

 ESPAÇO SESC Copacabana, contemplado no edital Caixa Cultura-RJ para a temporada no  Teatro de Arena da Caixa Cultural, contemplado no edital Caravana Cultural SESI-SP para apresentação em 17 cidades do interior de SP Circuito, Circuito SESC RJ, Festival de Teatro  Latino-americano CASA em Londres-Inglaterra, contemplado no edital de teatro Miryan Muniz 2014 com a circulação do espetáculo em SP.

“MORRO DA ÓPERA” (2014)

Espaço SESC em Copacabana seguido de apresentações no SESC Madureira e SESC São João de Meriti.

“LAVAGEM” (2017)

Caixa Cultural – Rio de Janeiro

Anúncios