Espetáculo de dança “Abraço que vós me nordestes” celebra a cultura popular nordestina

Com espetáculos neste domingo (05) e na segunda-feira (06), às 19h, o intérprete-criador Erico Santos apresenta seu mais novo trabalho, “Abraço que vós me nordestes”. No domingo será apresentado no Centro Cultural Associação Comunitária Monte Azul, na zona sul da capital. E na segunda-feira será no Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo (CRDSP), no centro. Os ingressos são gratuitos.

Abraço que vós me nordestes traz uma dança-poesia inspirada na vida e na obra do mestre Sebastião Biano, componente da Banda de Pífanos de Caruaru. É força, resistência, amor e legado, estouro em danças, corpo aterrado, corpo pulante, corpo pipoca. Na construção de movimentos das histórias contadas de onça, Lampião e de seu terno esquenta “muié”. Sangue, pés, pulso e ancestral é. Da terra, da seca e da emoção em lágrimas. São danças que descascam terras vermelhas na busca de suculência. Um caminho a percorrer e tudo isso junto.

O primeiro contato de Erico Santos com Sebastião Biano se deu por uma ação do projeto “Retratos” da Cia Sansacroma, no qual homenageavam em vídeo-dança seis figuras que mantinha um legado com suas histórias e vivências, assim como os griots da cultura africana.

O vídeo elaborado junto à Cia. foi publicado em 2017, quando Erico Santos conheceu a casa, contos, cantos e causos de Sebastião Biano, despertando assim um interesse em aprofundar ainda mais suas conexões com o pifeiro. O trabalho se transformou e vem ganhando outras extensões através do projeto “Abraço que Vós me Nordeste” contemplado pelo PROAC Primeiras Obras em 2018.

Com espaço e tempo para se aprofundar, o espetáculo se aterra nas danças populares nordestinas – coco, maracatu, caboclinho – desdobrando-se ainda com a estética e poesias encontradas em Xilogravuras e nos cordéis, manifestações artísticas essas ligadas diretamente ao território nordestino. 

“Abraço que vós me nordestes” dialoga com as vidas que saem do Nordeste em busca de seus caminhos e escolhas, traz a poesia do cenário nordestino, a alegria dos corpos, a força das lutas diárias, e a resistência do afeto. Impulsos esses que fizeram Erico Santos investir numa dança que dialogasse inclusive com suas vivências pessoas, trazendo um caráter biográfico para a poética da cena.

Sobre o intérprete-criador – Erico Santos é artista da dança, produtor independente, artista-educador, orientador social e pedagogo em formação. Iniciou seus estudos em danças através do Programa Vocacional em 2011, atuando a partir de então no grupo Improvis’Art Artístico, fundado com artistas do bairro Jardim João XXIII.

Em busca de uma investigação mais intensa iniciou curso técnico em dança em 2013. Ao concluir o curso o artista se conecta com a Cia. Sansacroma, sob direção de Gal Martins, onde atua como intérprete criador até o momento. Entre outros trabalhos como intérprete destacam-se Coletivo Desvelo, “Ajeum” sob direção de Djalma Moura e “Abraço que vós me nordestes”, contemplado PROAC Primeiras Obras 2018.

SERVIÇO:

O que: Espetáculo “Abraço que vós me nordestes”

Quando: Dia 05 de maio (domingo), às 19h.

Onde: no Centro Cultural Associação Comunitária Monte Azul, à Av. Tomás de Sousa, 500, Jardim Monte Azul, São Paulo.

Quando: Dia 06 de maio (segunda-feira), às 19h.

Onde: no Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo (CRDSP), na Galeria Formosa, Baixos do Viaduto do Chá, s/n, no Centro, São Paulo.

Informações: (11) 3214-3249

Quanto: Espetáculo gratuito

Duração: 45 minutos

Classificação etária: livre

FICHA TÉCNICA

Concepção e Dança: Erico Santos

Direção de movimento: Djalma Moura

Trilha sonora: Raiany Sinara

Apoio Musical: Leandro Perez

Provocação de cena: Aysha Nascimento

Figurino: Mariana Facertta

Criação e operação de luz: Fernando Melo

Preparação Corporal: Anelise Mayumi e Marina Souza

Xilogravura: Daniel Normal

Concepção gráfica e Diagramação: Nai Meneses e Aline Carolina

Assessoria de Imprensa: Marcelo Dalla Pria

Fotografia de Divulgação: Aline Batista

Produção Geral: Djalma Moura

Inspiração: Sebastião Biano.

Agradecimentos: Alzira Biano, Adriana Nogueira Menezes, Centro de Referência da Dança da Cidade de São Paulo, Ciça Coutinho – Curanderia Cultural, Djalma Moura e Fábio César. 

Anúncios