Cássia Kis estreia no Rio ‘Meu Quintal É Maior do que o Mundo’

Cássia Kis descobriu a poesia de Manoel de Barros (1916-2014) nos anos 80, encantou-se com sua obra e passou anos se correspondendo com ele. A imensa admiração se transformou em amizade e agora, depois de uma década longe do teatro, a atriz volta aos palcos para realizar um sonho: encenar um texto do escritor. Concebida a partir do autobiográfico Memórias Inventadas, de poesia em prosaa peça Meu Quintal é Maior do que o Mundo tem direção de Ulysses Cruz, parceiro de Cássia há 40 anos, com quem ela divide também a estruturação do roteiro.

Meu Quintal é Maior do que o Mundo estreia no Rio no dia 21 de março, para curtíssima temporada na Cidade das Artes, depois de arrebatar o público de São Paulo em janeiro e fevereiro, onde ficou em cartaz por quatro semanas. Depois, segue para turnê nacional. Cássia divide o palco apenas com Gilberto Rodrigues, que executa a música ao vivo em cena e também assina a direção e criação musical.

Serão apenas quatro apresentações no Rio, de 21 a 24 de março, com sessões quinta, sexta e sábado às 21h,  e domingo às 20h. A produção é de Gustavo Nunes, diretor da Turbilhão de Ideias Entretenimento, parceiro há muitos anos de Cássia Kis e Ulysses Cruz, o que motivou a união para criar este projeto. A Turbilhão de Ideias, sediada no Rio de Janeiro, circula com seus espetáculos por todos os estados do país. Entre suas produções, destacam-se Perfume de Mulher, a mais recente, e Cássia Eller, o Musical.

Projeto pessoal idealizado por Cássia Kis, Meu Quintal é Maior do que o Mundo não é um sarau ou declamação de poemas e sim uma encenação dramatúrgica. Não se configura como um espetáculo na estrita concepção do termo, mas de uma peça de teatro, por sua característica mais intimista. A relevância da montagem se dá tanto pela estreita ligação da atriz com Manoel de Barros como pela década que passou longe do teatro (sua última peça foi O Zoológico de Vidro, de 2009).

Sonho antigo

Sabendo que Cássia Kis tinha, há quatro décadas, o desejo de criar uma versão para o palco da obra de Manoel de Barros, Ulysses Cruz decidiu rever estudos iniciais desenvolvidos por ela e Jayme Compri (que integrava o grupo do diretor, Boi Voador, e o próprio Ulysses indicara), para a construção de possíveis cenas.

“Quando Cássia retomou o projeto da peça, história recorrente em sua vida, eu gelei. Ao perceber sua determinação e o risco dela montar o trabalho com qualquer outra pessoa, eu – que tenho um prazer absoluto em trabalhar com ela, sua qualidade como atriz é superlativa – topei na hora”, conta o diretor.

Ao ler o livro Memórias Inventadas, em que o autor mato-grossense descreve as várias fases de sua vida com poesia em prosa, Ulysses Cruz percebeu que todos os textos continham uma história, um enredo. “Entendi que não dava para fazer o livro todo, pela quantidade de textos e o risco da fragmentação em pequenas histórias, que geraria dificuldade de compreensão. Fiquei, então, com a batata quente na mão de escolher, entre tantos, os textos poéticos mais significativos”, comenta, ressaltando que “teatro tem de ser vibrante, gerar faísca”.

Encenação em três blocos

Para o ponto de partida na concepção da encenação, Ulysses recorreu à memória, lembrou dos tempos em que dava aulas de teatro, quando usava o livro Improvisação para o Teatro, espécie de manual, de Viola Spolin. Assim, com base em três conceitos contidos no livro – onde se passa a ação, quem está na ação e o que estão fazendo – Ulysses selecionou com Cássia os 18 textos. O trabalho incluiu a necessidade de ligar um texto ao outro para ampliar a ideia de continuidade (“pois cada texto, todos curtos, encerra em si o mundo”).

“O bloco ONDE reúne textos com as descrições dos cenários que Manoel de Barros faz de seu mundo. O segundo bloco, QUEM, traz os textos que mostram quem é a pessoa que descreve aqueles cenários. Finalmente, os textos do O QUE trazem os objetos de inspiração do poeta. A peça tem em sua estrutura uma abertura, onde o público entende quais são as fontes do poeta. O bloco um traz a chegada ao quintal, simbolizada pelo tapete. O segundo bloco apresenta quem é o escritor. São textos que falam do menino, do homem e do velho Manoel de Barros”, informa Ulysses Cruz.

O compromisso de Ulysses Cruz foi construir uma peça que se comunicasse com a plateia de uma maneira fluida, daí a divisão em blocos. O encenador também se colocou no lugar do público e diz que gostaria que ele sentisse “a alegria de ouvir textos tocantes, supreendentes, lindos, felizes, angustiados, dramáticos, engraçados e bem-humorados”. Por ser uma prosa poética, Ulysses Cruz afirma que “a peça vai na contramão do que tem em cartaz hoje”.

Para construir a atmosfera sonora da montagem, o criativo convidou o músico Gilberto Rodrigues (com quem já havia trabalhado em Leão no Inverno). A presença da sonoridade do vibrafone foi o único pedido ao músico. Para criar a luz, juntou-se à equipe o jovem Nicolas Caratori, estreando como light designer. Para realizar o trabalho físico da atriz, a direção de movimento foi entregue a Cynthia Garcia, “pupila” de Ivaldo Bertazzo. “As demandas corporais são complexas, afinal a peça fala de um menino com 5 anos, um jovem de 15, um homem de 40 e um velho de 85, num quintal, que é um tapete”, diz Ulysses.

SOBRE MANOEL DE BARROS

Manoel Wenceslau Leite de Barros nasceu em Cuiabá-MT, em 19 de dezembro de 1916 e mudou-se para Corumbá-MS, onde se fixou em uma fazenda no Pantanal. Estudou num colégio interno em Campo Grande e depois no Rio de Janeiro. Anos depois, passou um tempo na Bolívia e no Peru e, em e seguida, morou por um ano em Nova York, onde estudou sobre Cinema e Artes Plásticas no Museu de Arte Moderna.

É autor de 18 livros de poesia, além de livros infantis e relatos autobiográficos. Recebeu duas vezes o Prêmio Jabuti, duas vezes o Prêmio Nestlé e também foi premiado pela ABL, pela Biblioteca Nacional e pela APCA. Manoel de Barros conta com uma consistente fortuna crítica, mas seus comentários sobre a própria obra são considerados um dos melhores e foram forcecidos tanto em entrevistas quanto em versos que escreveu, “desexplicando” o próprio trabalho literário.

Segundo ele, “ao poeta faz bem desexplicar”, ou melhor, o entendimento de sua poesia não passa pelo crivo cerebral, pois “não é por fazimentos cerebrais que se chega ao milagre estético senão que por instinto linguístico”. E, num “despoemamento”, sintetiza sua concepção para o entendimento poético. Faleceu em novembro de 2014, pouco antes de completar 98 anos.

 

Ficha Técnica

Obra: Manoel de Barros.

Elenco: Cássia Kis.

Concepção e direção geral: Ulysses Cruz.

Adaptação do texto: Cássia Kis e Ulysses Cruz.

Direção de Produção: Gustavo Nunes.

Cenário e figurinos: Ulysses Cruz.

Direção e criação musical: Gilberto Rodrigues.

Execução musical: Gilberto Rodrigues.

Fotografia e Design: Gal Oppido.

Design do convite: Marcio Oliveira – Graphix.

Assistente de Fotografia e Design: Marina Engelhardt.

Design de luz: Nicolas Caratori.

Assistente de iluminação: Vitória Pamplona.

Direção de Movimento: Cynthia Garcia.

Costureira: Judite de Lima.

Adereços: Luis Rossi.

Financeiro: Helber Santa Rita.

Mídias sociais: Julliana Della Costa e Jessica Veiga.

Assessoria de imprensa: PALAVRA Assessoria em Comunicação.

Produção executiva Rio de Janeiro: Arte & Atitude – Monique Mendonça, Isabel Gomez, Renata Bento e Andreia Besteiro.

Produção geral: Turbilhão de Ideias Entretenimento.

 

Serviço

Teatro Cidade das Artes – Av. das Américas, 5300 – Barra da Tijuca.

Temporada: 21 a 24 de março.

Horários: quinta, sexta e sábado às 21h e domingo às 20h.

Duração: 60 minutos.

Ingressos: R$ 120,00. (Ingresso Rápido e bilheteria do Teatro Cidade das Artes).

Anúncios