João Bosco no Imperator

O fiel público do Imperator – Centro Cultural João Nogueira, no Méier, promete lotar a casa para ver o cantor e compositor João Bosco e seu violão no próximo dia 10 de março, Domingo, às 19h. É o show “Mano que zuera”, com o qual o artista está em turnê há dois anos, apresentando canções do mais recente CD. Mas os fãs nem precisam se preocupar porque ele já garantiu que vai cantar muitos sucessos de sua carreira, como “Papel machê”, “O bêbado e a equilibrista” e “Quando o amor acontece”.

 

“Eu já estive no Imperator com o JB Quinteto por ocasião do lançamento do DVD ‘JB 40 anos depois’, gravado em 2012. Posteriormente, passei por lá com um show solo cujo repertório abordava momentos importantes da minha carreira. No antigo Imperator, tive o privilégio de lançar a música ‘Terra dourada’, que faria parte da trilha sonora da novela ‘Vale tudo’. Agora volto ao Imperator – Centro Cultural João Nogueira para o show solo “Mano que zuera”, abordando o repertório desse CD mais recente, mas não esquecendo de passear pelo repertório consagrado e que o público tanto espera para ouvir. Será um prazer estar de volta a essa casa que é, sem dúvida, o maior centro cultural da Zona Norte do Rio de Janeiro.  Estou muito feliz por isso”, revela João Bosco.

“Eu já estive várias vezes no Imperator. Agora volto para o show solo “Mano que zuera”, abordando o repertório desse CD mais recente, mas não esquecendo de passear pelo repertório consagrado e que o público tanto espera para ouvir. Será um prazer estar de volta a essa casa que é, sem dúvida, o maior centro cultural da Zona Norte do Rio de Janeiro.  Estou muito feliz por isso”, revela João Bosco.

E não faltam motivos para João Bosco estar feliz. Agraciado com o Grammy Latino pelo conjunto da obra, ele vem trabalhando em família há algum tempo. O novo CD, “Mano que zuera” tem 11 faixas, sendo cinco parcerias com o filho Francisco Bosco. Uma delas é “Onde estiver”, uma linda canção que fala justamente da relação entre pais e filhos. A cantora Julia Bosco, filha de João, também participou do trabalho como assistente artística e cantando com ele a faixa “Ultra leve”, parceria inédita do compositor com Arnaldo Antunes.

“Mano Que Zuera” tem também duas canções de João Bosco com Aldir Blanc, companheiro em tantos sucessos. Uma é o samba inédito “Duro na queda”, que, para João, tem “gostinho de alguma coisa que a gente não tinha experimentado antes”. A outra é a regravação de “João do Pulo”, que havia sido gravada à capela em 1986 e agora ganhou violão e percussão, ficando “mais perto de seu DNA de samba-enredo”, como explica o próprio João.

O álbum tem também outras regravações, como “Sinhá”, de Bosco com Chico Buarque, gravada pelo parceiro em 2011, que desta vez foi registrada apenas com violões e bandolim; e as clássicas “Coisas nº 2”, do saudoso mestre Moacir Santos, e “Clube da esquina 2” – de Milton Nascimento, Lô Borges e Márcio Borges –, transformada numa suíte inesperada que conversa com o universo indígena.

Motivos para conferir o show do dia 10 de março, no Imperator, não faltam. O que pode acontecer é faltar ingresso para tantos fãs!

 

Serviço:
Local: Imperator – Centro Cultural João Nogueira
Endereço: rua Dias da Cruz, 170 – Méier

Data: 10 de março de 2019 (Domingo)

Horário: 19h

Preço: Pista, Plateia Inferior e Balcão:  R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia entrada – Lei Federal)

Classificação livre

Anúncios