Adriana Calcanhoo no Net São Paulo

O show A Mulher do Pau Brasil, da cantora e compositora Adriana Calcanhotto, faz única apresentação no Theatro Net São Paulo dia 31 de janeiro, quinta, 21h, após percorrer cidades da Europa e do Brasil com sucesso de público e boa recepção da crítica especializada.

A Mulher do Pau Brasil foi idealizado como ‘concerto-tese’, ou seja, uma conclusão da residência artística de Adriana Calcanhotto na Universidade de Coimbra, onde esteve nos últimos dois anos entre cursos e apresentações.

 

Acompanhada por Bem Gil e Bruno di Lullo, Adriana idealizou um roteiro com músicas compostas no período, releituras (a recente As Caravanas, de Chico Buarque, por exemplo) e também reencontra clássicos de seu repertório, como Esquadros, Vambora e Inverno.

 

A inédita canção-título abre o show em tom autobiográfico (Nasceu no Sul / Foi para o Rio / E amou como nunca se viu) e também retoma o nome de um espetáculo do início da carreira de Adriana (A Mulher do Pau Brasil), ainda em Porto Alegre, nos anos 1980. Foi quando começou a ser instigada pelo Manifesto da Poesia Pau Brasil, do modernista Oswald de Andrade, e toda a sua influência no movimento tropicalista décadas depois. Tais temas sempre estiveram presentes na obra de Adriana e ressurgiram com intensidade no período português.

 

Não à toa que Vamos Comer Caetano, composta para o disco Maritmo (1998), foi retomada no repertório e sublinha o conceito antropofágico da apresentação, através da ideia de devorar, se apropriar e reinventar a informação que vem de fora. “Costumavam me perguntar se eu já tinha virado portuguesa e eu sempre respondia que não. Nunca me senti tão brasileira como agora”, conta Adriana Calcanhotto.

 

Por conta do pigmento vermelho extraído de seu tronco, o Pau Brasil se tornou a primeira riqueza nacional exportada/explorada pelos colonizadores. Além de dar nome ao País, a árvore foi responsável por tingir tecidos e objetos na Europa, onde se tornou extremamente valorizada. Mais de cinco séculos se passaram e Adriana refez a travessia da madeira em 2016, quando foi nomeada Embaixadora da Universidade de Coimbra e iniciou uma residência artística no local, através de cursos, concertos e seminários.

 

Desde então, Adriana tem desenvolvido um trabalho de divulgação e estudo da literatura portuguesa junto de diversas Universidades Europeias e Brasileiras, dando-se conta que agora no Brasil é vista como a “Embaixadora da Universidade de Coimbra” e na Europa, sente-se cada vez mais “A Mulher do Pau-Brasil”.

 

Inspirada pelo movimento modernista brasileiro dos anos 20, no seu “Manifesto da Poesia Pau-Brasil”, a sua influência sobre o Tropicalismo (toda a informação externa deve ser devorada e reinventada nos seus próprios termos), e com base na aprendizagem, pesquisa e trabalhos desenvolvidos como professora e Embaixadora da Universidade de Coimbra, Adriana criou este  espetáculo, no qual reflete sobre todas estas novas experiências através de antigos sucessos, novas canções, novas leituras e reinvenções.

 

Trechos de críticas:

 

A Mulher do Pau Brasil desembarcou ontem na terra do índio Araribóia para apresentar o show mais inteligente e modernista feito na República das Bananas neste ano de 2018. (…) A artista sai com fôlego renovado da caminhada por dores pessoais e coletivas feitas neste show moderno e já instantaneamente antológico.” Mauro Ferreira (G1)

 

“A artista mostra que voltou de Portugal com o olhar ainda mais afiado sobre a identidade do país de Macunaíma”. Jan Niklas (O Globo)

“Num espectáculo vibrante e coeso, envolvente do primeiro acorde ao descer do pano, Adriana Calcanhotto esteve ao nível dos seus melhores espectáculos dos últimos anos, Olhos de Onda (2013) e Loucura (2014), mostrando uma versatilidade e uma clareza vocal notáveis. Foi um feliz renascimento, para palco, de uma das cantoras e compositoras mais marcantes no Brasil das últimas décadas.” Nuno Pacheco (Público, de Portugal)

 

Brain + completa 10 anos de mercado sob a gestão criativa de Frederico Reder

Depois de conquistar diferencial em sua área, a Brain+ (que nasceu Brainstorming Entretenimento) completa 10 anos e movimenta o setor da economia criativa no Brasil. Com experiência no mercado de entretenimento, a Brain+ mantém seis teatros e um circo – Theatro NET São Paulo, Theatro NET Rio, Theatro Bangu Shopping (Rio), Theatro Via Sul (Fortaleza), Teatro Iguatemi (Campinas) e Teatro Dr. Botica, no Tatuapé, zona Leste da capital paulista, além do circo em parceria com a marca Patati Patatá, no ABC.

 

A operação dos Net Rio e Net São Paulo é viabilizada por meio de contratos de naming right/patrocínio com a empresa de serviços de telecomunicações e entretenimento via cabo Net.

 

A Brain+ traz ainda em seu catálogo a produção de grandes espetáculos, entre eles, Tango, Bolero e Cha Cha Cha; O Pacto das 3 Meninas; Romeu e Julieta; e, Avenida Q são alguns deles. Além dos mais recentes: Qualquer Gato Vira-Lata Tem a Vida Sexual Mais Sadia Que a Nossa; E Aí, Comeu?; Constellation, O Musical; O Último Lutador; Ou Tudo Ou Nada e 60! Década de Arromba – Doc. Musical – em turnê nacional.

 

Na gestão dos negócios está o CEO Frederico Reder. Seu nome é sinônimo de ousadia no cenário cultural e sua ambição abarca a expectativa de crescer cada vez mais no mercado de entretenimento cultural, com a abertura de novos teatros em breve.

 

Gestão criativa

Apaixonado pelo que faz, Reder acumula com maestria as funções de artista e empresário, aliando arrojo profissional, criatividade e respeito ao público. Ator, diretor, produtor, cenógrafo e figurinista, aos 34 anos Frederico Reder é fã de Walt Disney. Em 2015 recebeu o prêmio APTR, dos produtores teatrais do Rio de Janeiro.

 

Com o primeiro cachê (R$ 70,00), aos 9 anos, comprou um walkman Aiwa. “Foi a melhor sensação. Já me senti útil muito moleque”, diz ele, que ano passado foi indicado a 25ª edição do Prêmio Shell de Teatro na categoria Especial pela reforma e reabertura do teatro Tereza Rachel no Rio. Aos 18, bateu na porta do Teatro Imprensa, de Cintia Abravanel, para trabalhar com teatro infantil.

 

Reder já atuou e dirigiu espetáculos dos mais diversos gêneros, vendeu morango com chocolate e pastel no circo e atuou no programa Sítio do Pica-Pau Amarelo, da TV Globo, em que interpretava o vilão do burrinho falante. “Eu sempre vivi de verdade. Já morei no subúrbio, na roça, num circo. Poder ter passado por tudo isso me torna mais criativo”, conta ele. Fred traz na bagagem a experiência de ter dirigido um circo no deserto da Arábia Saudita, em 2004, com o espetáculo The Big Show, do Marinhos Circus.

 

Situado em Gedah – cidade ultraconservadora a 90 km de Meca – o circo era formado por 40 homens, por conta das restrições religiosas do país, que impedem as mulheres de mostrar o rosto e o corpo em lugares públicos.

 

“A polícia religiosa não permitia nem mesmo música ao vivo em lugares públicos, e nós levamos um circo. Quebramos muitos tabus por lá”, relembra Reder, que tem no circo uma de suas grandes paixões. “Eu gosto muito da comunhão entre as pessoas, e o circo é isso. Eu gosto de gente. Meu escritório não tem paredes porque gosto de ver as pessoas, ouvir, conhecer, sou um apaixonado pelo ser humano.”

 

SERVIÇO:

A Mulher do Pau Brasil – Adriana Calcanhotto

Theatro NET São Paulo – Shopping Vila Olímpia, 5º andar – Rua Olimpíadas, 360.

Apresentação: 31 de janeiro, quinta, às 21h    

Classificação: 12 anos

Duração: 90 minutos

 

Ingressos:

R$ 180 (inteira) e R$ 90 (meia) – Plateia Central

R$ 150 (inteira) e R$ 75 (meia) – Plateia Lateral

R$ 120 (inteira) e R$ 60 (meia) – Balcão 1

R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia) – Balcão 2

 

DESCONTOS:

Desconto NET: 50% de desconto para clientes net na compra de até 04 ingressos por sessão.

Capacidade: 800 lugares

Site: www.theatronetsaopaulo.com.br

Vendas para grupos específicos: 11.94536-6682/ 21.96629-0012

Horário do funcionamento da bilheteria: segunda a sábado, das 10h às 22h; e domingo, das 10h às 20h30.

Formas de pagamento: Todos os cartões de crédito, débito e vale cultura. Não aceita cheques.

Clientes NET têm 50% de desconto na compra de até quatro ingressos.

Acessibilidade

Estacionamento no Shopping

Convencional: Até 2 horas – R$ 13,00 / Demais (por hora) + R$ 3,50

Motos: Até 2 horas – R$ 9,00 / Demais (por hora) + R$ 3,50