Uma pilha de pratos na cozinha

O drama Uma Pilha de Pratos na Cozinha retorna aos palcos cariocas para curta temporada no Teatro Rogério Cardoso (porão) do Teatro Laura Alvim, Ipanema, espaço da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro e da Fundação Anita Mantuano de Artes (FUNARJ), a partir de 13 de novembro, 19h, com temporada às terças e quartas-feiras até o dia 5 de dezembro.

 

Considerado um dos melhores textos de Bortolotto, a peça narra a história de quatro amigos que encaram uma longa jornada noite adentro num apartamento. Eles falam sobre vida e morte ao som de muito rock’n roll, drogas e bebidas.

Em cena, Júlio, um jovem avesso às relações com outros seres humanos está enclausurado em seu apartamento, enquanto sua pilha de pratos cresce na pia. Chegam três presenças em série que mexem com essa monotonia: Daniel, um amigo sanguessuga fracassado; Breno, o síndico do prédio e Cristina, ex-namorada de Júlio e doente terminal.

A peça é marcada por tiradas ácidas, sarcásticas, inteligentes e entremeadas com a inação das personagens que sabem bem analisar suas próprias vidas, mas não conseguem se mover. Faz com que naturalmente o espectador saia do teatro pensando sobre a vida. Como é a sua vida? O que você faz dela, ou não faz? Enfim, não existe certo nem errado. É tudo um grande ensaio.

Idealizada pelos atores Silvana D’Lacoc e Rodrigo Rosado, “Uma Pilha de Pratos na Cozinha” homenageia o grupo de teatro paulistano Cemitério de Automóveis criado pelo dramaturgo, ator, diretor e músico Mário Bortolotto e marca a  primeira direção teatral do ator Alexandre Borges, que integrou o grupo de teatro Boi voador, de Ulysses Cruz.

A direção de Borges aconteceu pela admiração que ele tem pelo autor, um de seus contemporâneos. A dupla já havia trabalhado nos cinemas e agora renova a parceria nos palcos.

– Essa estreia como diretor veio por acaso. O Mário liberou um de seus textos para uma montagem carioca. A conversa inicial aconteceu em 2013 e a equipe achou que eu seria um cara legal para acompanhar a produção desde o começo e prestar uma homenagem aos 30 anos do Cemitério de Automóveis que aconteceu em 2014. Topei pelo entusiasmo! – celebra Borges.

SINOPSE SUGERIDA: Quatro amigos num apartamento com uma pia lotada de louça suja, metáfora sobre o submundo de São Paulo, falam sobre vida e morte ao som de muito rock’n roll. É neste contexto que acontece o drama “Uma Pilha de Pratos na Cozinha”, texto de Mário Bortolotto que encerra a trilogia da Praça Roosevelt e marca a primeira direção teatral do ator Alexandre Borges.

 

Link de vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=2jRlRMxyMEU

 

Serviço:

Uma Pilha de Pratos na Cozinha

Reestreia: 13 de novembro – 19h

Temporada: Até 5 de dezembro de 2018

Horários: Terças e quartas-feiras, às 19h

Local: Espaço Rogério Cardoso (Casa de Cultura Laura Alvim)

Lotação: 53 lugares

Endereço: Av. Vieira Souto, 176 – Ipanema, Rio de Janeiro – Telefone: (21) 2332-2016

Preços: 30,00 (inteira) / 15,00 (meia entrada)

Vendas: https://www.ingressorapido.com.br/

Classificação: 16 anos

Duração: 55 minutos

Gênero: Drama

Funcionamento da bilheteria/teatro:

Terça a sexta – 16h às 21h

Sábado – 15h às 21h

Domingo – 15h às 20h

 

 

Ficha Técnica:

Texto: Mário Bortolotto

Direção: Alexandre Borges

Elenco: Rodrigo Rosado, Silvana D’lacoc e outros.

Iluminação: Aurélio di Simoni

Cenografia e figurino: Daniele Geammal

Programação Visual: Thiago Ristow

Assessoria de Imprensa: Minas de Ideias 

Produção Executiva: Silvana D’Lacoc

Produção e Captação de Recursos: Eduardo Malheiros

Idealização e Produção: Rodrigo Rosado e Silvana D’Lacoc