“Primeira Morte” no Sesc Copacabana

Manhã de sábado. Fernanda (interpretada por Yasmin Garcez) acorda em seu quarto, lá se tranca durante uma semana, alheia ao mundo, e só abre a porta novamente no sábado seguinte. Ela pode ser considerada a evidência de uma doença que assola o mundo contemporâneo: a apatia social. A estreia será realizada no dia 12 de outubro, às 19h, no Espaço Arena do Sesc Copacabana.

 

Ao invés de buscar definições e sentidos fechados, em Primeira morte, dramaturgia original de Diogo Liberano com direção de Paulo Verlings, o que se apresenta em cena é um caso de apatia através de um prisma inusitado: e se a apatia fosse uma força necessária para renovar o comprometimento do ser humano com a vida em sociedade?

Atravessado ininterruptamente por crises sociais e políticas, econômicas e culturais, o homem contemporâneo parece estar obrigado a se posicionar, a tomar partido e a manifestar sua opinião a cada segundo e sobre todo e qualquer assunto. Nesta peça, porém, todas essas exigências são colocadas em suspensão: o que aconteceria ao mundo se a vertigem de sua correria fosse subitamente interrompida?

Primeira morte nasce, simultaneamente, de uma investigação sobre a apatia social e de uma preocupação em cuidar do mundo contemporâneo e de suas dores. Em cena, a partir da ação feita pela jovem Fernanda, acompanhamos o drama de sua mãe Regina (interpretada por Vilma Mello), sua namorada Vera (Darília Oliveira) e seu primo Murilo (Gabriel Delfino Marques), durante uma semana, reagindo de modos distintos à decisão de Fernanda. Em dado momento, Murilo afirma:

A gente também para. A gente nem sempre sabe responder. A Nanda parou o carro no meio da avenida mais movimentada, atrapalhou o fluxo, bagunçou a lógica toda, mas sem fazer estardalhaço. Tem gente que se importa com as coisas gritando, é uma possibilidade. Mas será que parar também não é um jeito de se importar com alguma coisa?

Em Primeira morte, convocamos os espectadores para que parem um pouco, para que escutem e vejam com mais calma, para que freiem o excesso de sua opinião e, somente assim, para que se torne possível pensarmos sobre como podemos cuidar da vida ao invés de exterminá-la.

SERVIÇO

Primeira morte

ESTREIA DIA 12 DE OUTUBRO – 19H

Datas: 12, 13, 14, 19, 20, 21, 25 e 26/10; 1, 2, 3 e 4/11.

Horário: 19h

Local: Arena do Sesc do Copacabana

Endereço: Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana, Rio de Janeiro – RJ

Ingressos: R$ 7,50 (associado do Sesc), R$ 15 (meia), R$ 30 (inteira)

Informações: (21) 2547-0156

Bilheteria – Horário de funcionamento:

Segundas – de 9h às 16h;

Terça a Sexta – de 9h às 21h;

Sábados – de 13h às 21h;

Domingos – de 13h às 20h.

Classificação indicativa: 16 anos

Duração: 70 minutos

Lotação: 242 lugares

Gênero: Drama

 

FICHA TÉCNICA

Dramaturgia: Diogo Liberano

Direção: Paulo Verlings

Elenco: Darília Oliveira, Gabriel Delfino Marques, Vilma Mello e Yasmin Garcez

Cenário: Mina Quental

Figurino: Tiago Ribeiro

Iluminação: Tiago Mantovani e Fernanda Mantovani

Direção musical: Marcello H

Direção de movimento: Elaine Rollemberg

Visagismo: Tiago Ribeiro

Cabelos e maquiagem: Jessica Barraqui

Assessoria de imprensa: Duetto Comunicação – Alessandra Costa e Michelli Toledo

Designer: Daniel Barboza

Fotos e Filmagem: Gabi Lopes

Produção: Tiago Mantovani e Karolina Albertassi