Ocupação Multifoco no Teatro Gonzaguinha de 07 a 30 de setembro

Depois de passar pelo Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto, no Humaitá, e pelo Teatro Municipal Ziembinski, na Tijuca, a Multifoco Companhia de Teatro ocupa durante o mês de setembro o Teatro Municipal Gonzaguinha, no Centro, apresentando duas obras do autor romeno Matéi Visniec. De 07 a 15 sobe ao palco “Crônicas para uma cidade ou um amanhecer abortado”; e de 21 a 30 “A palavra progresso na boca da minha mãe soava terrivelmente falsa”, ambos com sessões sempre as sextas e sábados, às 20h; e domingos, às 18h. A entrada a preço popular custa R$10.

Em “Crônicas para uma cidade ou um amanhecer abortado” os atores, por meio de uma narrativa que explora o jogo teatral, expõe a história de quatro exilados de uma sociedade que, aprisionados, se divertem e matam o tempo reproduzindo o mundo lá fora, externando a angústia de nunca mais verem o Sol. A montagem estreou em 2015, no SESC São João de Meriti e cumpriu temporada no ano seguinte na Sede das Cias, no Centro, no Teatro Armando Gonzaga, em Marechal Hermes, no Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto, no Humaitá e no Teatro Municipal Ziembinski, na Tijuca.

Com passagem pelo Festival de Teatro de Curitiba deste ano, o drama “A palavra progresso na boca da minha mãe soava terrivelmente falsa” narra a história de uma família que após a guerra retorna à casa antiga – agora queimada e arruinada – para continuar sua vida ou o que resta dela. Esse regresso se desdobra em conflitos sociais e morais, em preconceito, e oportunismo capitalista por parte dos vizinhos empenhados em tirar proveito do infortúnio alheio. O espetáculo conta com o patrocínio e realização do FESTU, um dos principais festivais de fomento a novas produções no Rio de Janeiro. A estreia carioca aconteceu no Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto, no Humaitá e depois a montagem cumpriu temporada no Teatro Municipal Ziembinski, na Tijuca.

 

“Em 2012 quando as obras do dramaturgo Matéi Visniec começaram a ganhar tradução para o português, nos identificamos com a sua escrita pautada em dilemas universais, feita com humor, sarcasmo e escárnio. E também por suas fábulas políticas que fugiam de um teatro panfletário e do hermetismo conceitual. A partir daí iniciamos nossas pesquisas alinhando a dramaturgia do autor à nossa linguagem cênica e criamos o Projeto Matéi Visniec”, conta o diretor Ricardo Rocha, que pretende estrear ainda este ano outra obra do romeno, baseada em notícias reais sobre a crise migratória na Europa: Migraaaantes ou Tem Gente Demais Nessa Merda de Barco ou O Salão das Cercas e Muros”.

Criada em 2010, a Multifoco Companhia de Teatro em seu processo de pesquisa e desenvolvimento investiga como meio de comunicar os seus pensamentos artísticos, a utilização das múltiplas linguagens cênicas, tais como o circo e a dança contemporânea. Hoje a companhia conta ainda com Camila Zampier, Erick Tuller, Fábio Lacerda, Luan Vieira, Nívea Faso, Palu Felipe, Vinicius Mousinho e Vitória Studart.

Matéi Visniec – autor

Romeno naturalizado francês, o dramaturgo vive e trabalha na França há cerca de 30 anos, desde que ali se refugiou em fuga da ditadura de Ceausescu. Considerado por muitos “o novo Ionesco”, por dar continuidade ao gênero do teatro do absurdo, suas peças têm sido traduzidas e montadas em mais de vinte países. No Brasil, já estiveram em cartaz: A História do Comunismo Contada aos Doentes Mentais (por Antônio Abujamra); “A Volta para Casa” (por Regina Duarte), extraída do livro Cuidado com as Velhinhas Carentes e SolitáriasO Último Godot (por Márcio Meirelles), entre outras. A grande repercussão já lhe rendeu, na imprensa, os títulos de “mania nacional” e “o mais sutil dos dramaturgos contemporâneos”. Recebeu, em 2016, o Prêmio Jean Monnet de Literatura Europeia pelo livro O Negociante de Inícios de Romance.

Ricardo Rocha – diretor

Diretor, ator e iluminador cênico, com formação no SENAC Rio e Escola Técnica Estadual de Teatro Martins Penna. Bacharelando em Direção Teatral pela UNIRIO e Professor da Escola Técnica Estadual de Teatro Martins Penna nas cadeiras de Interpretação e Teoria do Teatro. Dentre seus trabalhos destacam–se: a direção dos espetáculos: “Por que Hécuba?” de Matéi Visniec, com estreia para 18 de agosto de 2018; “Samsara”, com dramaturgia colaborativa; “Casa dos Felizes”, adaptação do romance “O Filho de Mil Homens” de Valter Hugo Mãe e “Benjamim, filho da felicidade”, todos de 2017. Com a Multifoco Companhia de Teatro conquistou mais de 20 prêmios e 40 indicações em festivais de teatro.

 

Serviço:

>>Ocupação Multifoco Companhia de Teatro

Temporada: 07 a 30 de setembro (vide programação)

Local: Teatro Municipal Gonzaguinha

Endereço: R. Benedito Hipólito, 125 – Centro

Telefone: (21) 2224-3038

 

Programação:

>>Crônicas para uma cidade ou um amanhecer abortado

Temporada: 07 a 15 de setembro.
Dia\horário: sexta e sábado às 20h e domingo às 18h *(no dia 16/09 não haverá espetáculo)

Ingresso: R$10 \ R$5

Bilheteria: de quarta a domingo das 16h às 20h.

Classificação: 14 anos

Duração: 70 minutos

 

SINOPSE: Quatro exilados de uma sociedade “matam” o tempo reproduzindo o mundo lá fora, ameaçados de nunca mais ver o Sol. Neste ambiente, as crônicas ganham vida. Uma narrativa onde o jogo teatral conduz as atrizes e os atores construindo dialeticamente uma fábula contemporânea.

 

FICHA TÉCNICA| Texto: inspirado na obra de Matéi Visniec | Dramaturgia e Adaptação: Multifoco Companhia de Teatro | Elenco: Bárbara Abi-Rihan, Erick Tuller, Fábio Lacerda e Viviane Pereira |  Direção e Iluminação: Ricardo Rocha | Direção Musical: Raoni Costa |  Preparação Vocal: Vinicius Mousinho | Cenografia: Nívea Faso e Ricardo Rocha | Figurino: Nívea Faso | Costureira: Lurdinha | Produção Executiva: Vitória Studart | Suporte Técnico: Camila Zampier, Luan Vieira, Palu Felipe e Vinicius Mousinho | Realização: Multifoco Companhia de Teatro

 

>>A palavra progresso na boca da minha mãe soava terrivelmente falsa

Temporada: 21 a 30 de setembro.
Dia\horário: sexta e sábado às 20h e domingo às 18h.

Ingresso: R$10/ R$15

Bilheteria: de quarta a domingo das 16h às 20h

Classificação: 18 anos

Duração: 100 minutos

 

SINOPSE: Uma família que após a guerra retorna à sua antiga casa para continuar sua vida ou aquilo que lhes resta dela. Atravessada por novas divisas sociais e morais, ela se encontra submersa nos preconceitos e no oportunismo capitalista de seus vizinhos, empenhados em tirar lucro do infortúnio alheio.

 

FICHA TÉCNICA | Texto: Matéi Visniec | Elenco: Bárbara Abi-Rihan, Camila Zampier, Erick Tuller, Fábio Lacerda, Luan Vieira e Viviane Pereira | Direção e Iluminação: Ricardo Rocha | Direção de Movimento e Coreografias: Palu Felipe | Direção Musical e Preparação Vocal: Vinícius Mousinho | Cenografia: Nívea Faso e Ricardo Rocha | Figurino: Nívea Faso | Cenotécnico: Moisés Freire | Imagens e Edições: Daniel Debortoli e Viviane Dias | Programação Visual: Daniel Debortoli | Fotografia : Diogo Nunes e Maga Martinez | Produção e realização: Multifoco Companhia de Teatro