Cineclube Ricamar – Cinema e Teatro: Livres Olhares – Dia 16.07.2018

O Cineclube Ricamar segue, durante o mês de julho, apenas com a programação diurna, em função do espetáculo “Memória de Nós Mesmos (ou Inventar de Mim), em cartaz na série Teatro de Segunda e inspirado pelo centenário do cineasta sueco Ingmar Bergman. Em sintonia com a realização da peça, a programação de cinema no dia 16 será dedicada às relações entre cinema e teatro, e aos cruzamentos entre suas linguagens.

O dia 16 traz a produção audiovisual brasileira, com foco em CINEMA E TEATRO: LIVRES OLHARES. Em “Maré – Nossa História de Amor”, a diretora Lúcia Murat se inspira no universo do inglês William Shakespeare e traz elementos de “Romeu e Julieta” para o cenário contemporâneo de uma favela carioca. “Moscou” acompanha o Grupo Galpão nos ensaios para a peça “As Três Irmãs”, do russo Tchekhov, com a assinatura de Eduardo Coutinho, um dos mais importantes documentaristas brasileiros. E “Hysteria”, dirigido por Evaldo Mocarzel e Ava Rocha, também documenta o processo de criação das atrizes do espetáculo teatral homônimo, em ritmo de road movie.

 

 

CINEMA E TEATRO: LIVRES OLHARES

Dia 16.07.2018

15h – “Moscou”, de Eduardo Coutinho. Brasil, 2009. Em Belo Horizonte, o Grupo Galpão aceitou o desafio de montar, ao longo de três semanas de ensaios, a peça teatral “As Três Irmãs”, de Tchekhov. Com um detalhe: a peça jamais será apresentada ao público. (77’)

 

16h30 – “Maré – Nossa História de Amor”, de Lúcia Murat. Brasil, 2007. Com Vinícius D’Black, Monique Soares, Rafael Mariano. A filha de um dos chefes do tráfico de drogas da favela da Maré se apaixona pelo irmão do líder de uma gangue rival. A única coisa que pode fazer com que eles fiquem juntos é a dança. (104’)

 

18h30 – “Hysteria”, de Ava Rocha e Evaldo Mocarzel. Brasil, 2015. Documentário poético e sensorial, que acompanha a companhia teatral Grupo XIX durante uma série de apresentações da peça “Hysteria” em Santa Catarina. Roadmovie que foca a condição feminina através da visão de mundo das atrizes e de suas personagens: mulheres confinadas em um asilo psiquiátrico no século XIX. (71’)