O Fino do Brega – Conversas sobre a música popular cafona brasileira

A CAIXA Cultural Rio de Janeiro recebe, de 03 a 06 de julho de 2018 (terça a sexta-feira), o ciclo de palestras O Fino do Brega – Conversas sobre a música popular cafona brasileira, que reúne oito pesquisadores das áreas da canção, cultura e história para assinalar a relevância da música brega na construção da identidade cultural brasileira. Os debates ocorrem sempre às 18h, com entrada franca e retirada de senhas uma hora antes de seu início. O evento tem idealização e curadoria de André Masseno e patrocínio da Caixa Econômica Federal e Governo Federal.

 

Integram os encontros o jornalista e biógrafo Gonçalo Jr.; a Mestre em História e Doutora em Antropologia Social, Adriana Facina; o Doutor e Mestre em História Gustavo Alonso; o pesquisador, crítico de música e cinema e produtor Bernardo Oliveira; o Doutorando em Literatura Brasileira, músico e produtor Arthur de Faria; o historiador e jornalista Paulo César de Araújo, autor da polêmica biografia Roberto Carlos em Detalhes; a jornalista e Doutora em Comunicação e Cultura Lydia Barros; e a jornalista e mestre em comunicação Oona Castro.

A programação oferecerá um amplo panorama temático sobre o estilo musical: das formações do cânone brega, desde seu surgimento nos anos 1970 com o aumento nas vendas de toca-discos entre a população de baixa renda, e sua definição como marcador de classe, raça e gênero até os novos rumos do estilo, passando pela relação entre a música cafona e o Estado. Do sertanejo ao bregafunk, grandes nomes da canção melancólica brasileira serão abordados.

O evento é destinado a públicos diversos: comunicadores, historiadores, estudantes, artistas, pesquisadores e todos que se interessam pela produção cultural e artística nacional. Mais informações: facebook.com/ciclodedebatesofinodobrega

A música brega:

Ao longo de sua trajetória histórica, as produções musicais intituladas como “música brega” ou “cafona” revelam-se como obras complexas e profundamente requintadas. Se, por um lado, os artistas e produtores desta vertente musical eram reduzidos por miradas depreciativas – fundadas em preconceitos de gosto e classe provenientes de certa parcela da sociedade brasileira –, por outro, sempre estiveram trocando o sinal inicialmente negativo que lhes era conferido. Positivando o brega e o cafona como portadores de um consistente e valioso legado, os músicos tornaram o estilo um espaço afirmativo de identidades através de canções que desvelam o universo das desigualdades sociais e de gênero no cotidiano brasileiro.

 

Na atualidade, sua cena cultural é marcada pela dimensão estética da reciclagem, presente em vertentes contemporâneas como o Tecnobrega e o Arrocha, predominantes nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. “Seja assinalada como historicamente fronteiriça entre a reiteração e a resistência ao status quo , seja defendida como representante de uma afetividade popular não limitada ao imaginário da canônica MPB, a música popular cafona brasileira apresenta-se como faceta crítica perante os embates entre cultura e sociedade. Portanto, o que a música brega e seus agentes contribuem para o entendimento do momento contemporâneo?”, questiona o curador André Masseno.

Programação (sempre às 18h):

03 de julho (terça-feira)

As formações do cânone brega

 

Gonçalo Jr.: Será abordado o processo de produção do livro Eu não sou lixo – A trágica vida de Evaldo Braga, o que levou o autor a escrevê-lo, a busca por depoimentos e o resultado. Além de narrar a breve vida desse artista, morto precocemente, aos 25 anos de idade, em 1973, a fala destacará todo o contexto histórico e cultural em que Evaldo surgiu, coincidentemente, junto com o nascimento da música brega, em que o barateamento de aparelhos de tocar discos levou a indústria a atingir vendas superiores a um ou dois milhões de cópias, fenômeno jamais alcançado antes. Foi o tempo em que apareceram nomes como Lindomar Castilho, Waldick Soriano, Agnaldo Timóteo, Paulo Sérgio, Odair José e Nilton César, alguns deles entrevistados para o livro.

Adriana Facina: Como podemos definir o brega? Em geral, ao menos na música, o brega está ligado ao melodrama, ao transbordamento amoroso, ao sofrimento sentimental e ao que Mikhail Bakhtin chamava de baixo corporal. Carne e alma estão presentes na estética brega. Mas o brega não se reduz a um conteúdo essencial. Ele se manifesta em performances com marcadores de classe, raça e gênero. A palestra passará por esses temas, exemplificando com músicas e performances caraterísticas do universo do brega.

 

04 de julho (quarta-feira)

A música cafona e o Estado: entre acusações e resistências

Gustavo Alonso: Em 1971 Tonico & Tinoco elogiaram os militares cantando os versos “um governo varonil/…./ vamos pra frente Brasil”. A música sertaneja flertou com a ditadura e muitos cantaram as “glórias” do regime autoritário, assim como muitos artistas da MPB, fato quase sempre esquecido. E assim como outros artistas da MPB, os sertanejos também resistiram ao regime ditatorial.  A ideia é discutir a vaga ideia de que teria havido “hegemonia cultural das esquerdas” durante o regime militar, buscando outras resistências musicais, ilustrando e explicando o apoio ao regime por um viés complexo.

 

Bernardo Oliveira: A partir de transformações políticas, sociais e culturais que reconfiguraram relações antes consideradas estáveis, surgiram no Brasil das últimas duas décadas, novos e renovados modos da música de festa e de dança. Do ponto de vista da técnica, destaca-se o surgimento de condições de produção musical até então inéditas, o que possibilitou a eclosão de uma música extremamente fértil e controversa, a “música pós-industrial brasileira”: mutações do brega e do tecnobrega no Pará; Arrocha de Recife; Funk Carioca, Paulista e Mineiro; Pagodão baiano e metamorfoses nem sempre previsíveis como o Bregafunk e o Pagonejo.

05 de julho (quinta-feira)

Gigantes da música brega

Arthur de Faria: Vicente Celestino, Lupicínio Rodrigues, Odair José, o sertanejo que sempre volta: bregas, cronistas ou a alma das ruas? Ao longo dos séculos XX e XXI, há um pedaço importante da alma brasileira, do Brasil de dentro, que sempre se viu retratada mais do que na “alegria brasileira”, essa criação recente e pós-Getulista, mas na melancolia, na saudade, no descorno, no gozo da dor. Nossa porção ibérica mais profunda se resolve desde a dicção forçadamente portuguesa de Celestino até a coloquialidade solidária com os pequenos dramas noturnos de Lupicínio ou suburbanos de Odair.

Paulo César de Araújo: A palestra abordará o cinquentenário de uma geração de cantores-compositores românticos que, a partir de 1968, perturbou o establishment e o padrão estético das elites culturais. E mais do que isto: também atraiu a repressão da ditadura militar. Chamados de bregas ou cafonas, nomes como Paulo Sérgio, Odair José, Waldick Soriano, Nelson Ned, Claudia Barroso, Wando e Agnaldo Timóteo produziram uma obra que está no imaginário coletivo nacional. Mas quem são esses artistas? De onde vieram? Por que existiram? Serão também analisadas as suas principais canções e por que várias delas foram atingidas pela Censura nos duros anos do AI-5 (1968-1978).

06 de julho (sexta-feira)

Novos rumos: calypso, tecnobrega, tecnomelody, arrocha

Lydia Barros: O alcance e a repercussão do Tecnobrega para além das fronteiras do Pará, estado onde nasceu, aponta para uma tendência mercadológica mais inclusiva em relação aos produtos musicais ditos cafonas e de mau gosto. Tendência esta que, numa perspectiva mais progressista, abre caminho à “economia da cultura”, gestada na informalidade das “novas indústrias culturais”. E que, em sua versão mais conservadora, evidencia a necessidade de reinvenção do establishment cultural, com base na contestação da irreversibilidade do acesso horizontal às formas culturais em circulação.

Oona Castro: A conferência resgatará as questões chaves suscitadas pela pesquisa que investigou o crescimento do Tecnobrega na cena cultural de Belém na década de 2000, conquistado milhões de fãs por meio da prática ilegal da pirataria. Sem apoio da indústria fonográfica, e enfrentando preconceitos, foi a distribuição “descontrolada” das obras que permitiu que o ritmo virasse um fenômeno local. De lá para cá, o tecnobrega ganhou destaque na mídia e artistas ficaram famosos nacional e internacionalmente. A indústria fonográfica incorporou parte da produção. O que essas e outras mudanças representam no mercado da música e o que elas nos dizem?

Ficha técnica:

Idealização e Curadoria: André Masseno

Colaboração Curatorial: Quintal Produções

Palestrantes: Gonçalo Jr., Adriana Facina, Gustavo Alonso, Bernardo Oliveira, Arthur de Faria, Paulo César de Araújo, Lydia Barros e Oona Castro

Produção e Coordenação Geral: Quintal Produções

Direção Geral: Verônica Prates

Coordenação Artística: Valencia Lousada

Produtor Executivo: Thiago Miyamoto

Programação Visual: Karin Palhano

Patrocínio: CAIXA e Governo Federal


Serviço:

Ciclo de palestras O Fino do Brega – Conversas sobre a música popular cafona brasileira

Entrada Franca (com distribuição de senhas uma hora antes de cada encontro)

Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Cinema 2

Endereço: Av. Almirante Barroso, 25 – Centro (Metrô e VLT: Estação Carioca)

Telefone: (21) 3980-3815

Data: 03 a 06 de julho (de terça a sexta-feira)

Horário: 18h

Lotação: 80 lugares (mais 3 para cadeirantes)

Classificação Indicativa: Livre

Acesso para pessoas com deficiência

Facebook: facebook.com/ciclodedebatesofinodobrega