“Geléia Geral” no Cacilda Becker

Inspirada no movimento tropicalista e no álbum “Tropicalia ou Panis et circenses”, a Crütz Cia. de Dança estreia “Geléia Geral” em 29 de junho no teatro Cacilda Becker para curta temporada de quatro semanas. Em forma de conto, nove dançarinos investigam as fronteiras entre as danças urbanas e o contemporâneo, num espetáculo que fala sobre o papel transformador que a arte ocupa na sociedade. Com direção e coreografia de Lucas Sauer e Ricardo Lima, fundadores do grupo criado no Centro de Artes Nós da Dança, a montagem conta somente com músicas brasileiras. São 18 canções lançadas por Caetano Veloso, Gal Costa, Gilberto Gil, Nara Leão, Novos Baianos, Os Mutantes e Secos & Molhados.

“A Tropicália é o pano de fundo para a história. A estética, as músicas, a coletividade e a liberdade do movimento tropicalista são a nossa inspiração”, explica Lucas Sauer. “O espetáculo é uma fábula contemporânea sobre uma trupe de artistas nômades que expande seu limite artístico a cada cidade que passa. Nada será o mesmo após o grupo cruzar o caminho de um homem puro, que se junta a eles”, completa Ricardo Lima.

Aproximando os limites da apresentação, da performance e do manifesto político, em “Geleia Geral”, a Crütz trabalha por meio de uma metalinguagem na qual seus integrantes se espelham uns aos outros, no tempo e na história do Brasil. Em 2017, o grupo foi o vencedor do Showcase do Rio H2k – Festival Internacional de Dança e foi contemplado com um prêmio para montar o espetáculo, cuja pré-estreia foi durante a oitava edição do evento, em 1º de junho deste ano, na Cidade das Artes.

Terceira montagem de longa duração da Crütz Cia. de Dança, o título “Geléia Geral” faz alusão à música homônima do álbum “Tropicália ou Panis et Circenses” e refere-se à mistura da qual todos somos feitos. A cenografia, composta, entre outros elementos, por uma gigantesca cortina (3 m X 28 m) com cerca de 120 mil fitinhas do Senhor do Bonfim, é de Clivia Cohen. A direção de produção é de Fernando Filetto, que ainda assina a iluminação junto de Nando Pereira.

CRÜTZ CIA. DE DANÇA

Formada por nove dançarinos com idade entre 23 e 30 anos, com diferentes experiências como balé clássico, contemporâneo, urbana, moderna e salão, a Crütz surgiu em 2010 como um grupo de danças urbanas formado por amigos que se conheceram nas salas de ensaio tradicionais. A Cia. busca inspiração nas ruas, casas, bares, viagens e relações afetivas, trazendo para a cena o cotidiano.

Em 2016, a trupe lançou os espetáculos “Um Samba de Amor Desfeito” e “Uma Dancinha para Machucar os Corações”, ambos com 30 minutos de duração, e circularam por dois festivais da França (Karavel, em Lyon, e Kalypso, em Paris), pelos teatros Cacilda Becker, Tom Jobim, Maria Clara Machado, Angel Vianna (Centro Coreográfico do Rio de Janeiro), além da Mostra Novos Rumos, do Festival Rio H2K.  Entre os prêmios conquistados estão o Novos Talentos Coreográficos (SPDRJ/2014), o Ana Botafogo de Dança (2013) e o Destaque da Noite (XI Festival de Dança de Rio das Ostras) e o primeiro lugar no showcase do Rio H2K (2017).

Uma das marcas da Crütz Cia. de Dança é trabalhar exclusivamente com canções brasileiras, cuja riqueza do repertório é enfatizada pela complexa movimentação das danças urbanas e pela estética da dança contemporânea. “Como companhia de dança, resgatamos alguns autores que já não fazem parte do cenário musical atual. Unimos a linguagem das danças urbanas com o humor de Adoniran Barbosa e João Nogueira, com o romantismo de Toquinho e Vinícius, com a complexidade poética de Caetano Veloso e com a suavidade de Nara Leão”, completa.

MÚSICAS DO ESPETÁCULO “GELÉIA GERAL”

o   Caetano Veloso – “Tropicália” (Caetano Veloso)

o   Caetano Veloso – “No Dia Que Eu Vim Me Embora” (Caetano Veloso e Gilberto Gil)

o   Gilberto Gil – “Pipoca Moderna” (Gilberto Gil)

o   Os Mutantes – “Panis et Cirsenses” (Caetano Veloso)

o   Os Mutantes – “Le Premier Bonheur du Jour” (Frank Gerald e Jean Renard)

o   Gilberto Gil – “Domingo no Parque” (Gilberto Gil)

o   Caetano Veloso – “Enquanto Seu Lobo Não Vem” (Caetano Veloso)

o   Gilberto Gil – “Procissão” Gilberto Gil

o   Nara Leão – “Lindonéia” (Caetano Veloso e Gilberto Gil)

o   Gal Costa – “Baby” (Caetano Veloso)

o   Gal Costa – “Sebastiana” (Rosil Cavalcanti)

o   Gal Costa – “Divino Maravilhoso” (Caetano Veloso e Gilberto Gil)

o   Novos Baianos – “Mistério do Planeta” (Luiz Galvão e Moraes Moreira)

o   Secos & Molhados – “Sangue Latino” (João Ricardo e Paulo Mendonça)

o   Crütz – “Alegria, Alegria” (Caetano Veloso)

o   Caetano Veloso – “Coração Materno” (Vicente Celestino)

o   Gilberto Gil – “Geléia Geral” (Gilberto Gil e Torquatto Neto)

o   Caetano Veloso – “Atrás do Trio Elétrico” (Caetano Veloso)

 

SERVIÇO

“Geléia Geral”

Temporada: de 29 de junho a 22 de julho – sextas e sábado, às 20h | domingo, às 18h.

Local: Teatro Cacilda Becker – Rua do Catete 338. Tel.: 2265 9933.

Duração: 60 min. Capacidade: 160 lugares. Classificação etária: Livre

Ingressos: R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia).

FICHA TÉCNICA

Direção geral e coreografias: Lucas Sauer e Ricardo Lima

Direção de produção: Fernando Filetto

Produtora associada: Bia Perez

Assistentes de produção: Camila Sauer, Henrique Veloso, João Gabriel Carvalho “JG”

Iluminadores: Fernando Filetto e Nando Pereira

Cenógrafa: Clívia Cohen

Figurinista: Paula Beliene

Assistentes de figurinos: Vitor Inácio e Matheus Valois

Produtor musical e arranjador: Danilo D´Avila

Operador de som: Felipe Rodrigues

Programação visual: Carol Caldas

Visagismo: André Vital

Fotografias: Bernardo Marques, Leandro Márcio e Madu Rodrigues

Elenco: Carol Caldas, Clara Franciss, Clarissa Giesta, Diego Alves, José Rodrigues, Lucas Sauer, Marco Shau, Mario Perdomo, Ricardo Lima e Roberta Moreira

Produção executiva: Serelepe Produções Artísticas