Casa da Bossa recebe programação de cinema

A partir deste mês, às segundas-feiras, a Casa da Bossa passa a ter uma programação regular de cinema, resgatando o Cine Ricamar e a história, tradição e atividade cultural que originaram a atual Sala Municipal Baden Powell.

O Cine Ricamar foi inaugurado em 1º de setembro de 1958, com a exibição do filme “Chorei por Você” (“The Joker Is Wild”, de Charles Vidor), estrelado por Frank Sinatra. Era um dos 19 cinemas de rua que Copacabana chegou a ter no século passado, ao lado de salas como Rian, Cine Flórida, Bruni Copacabana, Art Palácio, Caruso, Cinema 1, Metro Copacabana, Riviera, Condor, Ritz e Alaska, entre outras. Uma das mais tradicionais salas do bairro resistiu bravamente (ao lado do Roxy e Cine Joia) à especulação imobiliária que, ao forçar o fechamento dos demais cinemas, privou o público carioca deste importante ponto de referência de cultura e lazer. O Ricamar foi fechado em 8 de setembro de 1994. A partir do ano 2000, de volta à ativa, o espaço passou a se chamar Sala Baden Powell e a oferecer ao público uma programação com ênfase na música.

Neste início de 2018, a Sala Baden Powell tornou-se o principal espaço de shows, musicais e espetáculos de teatro e de dança da recém-inaugurada Casa da Bossa, dedicada à memória e difusão da Bossa Nova, além de toda a riqueza e multiplicidade da música brasileira e das demais linguagens e manifestações culturais do país. Neste contexto, volta a incorporar a tradição cinematográfica da Sala, em uma homenagem ao histórico Ricamar.

A programação inclui a exibição de filmes em todos os formatos (curtas, médias e longas-metragens), em mostras temáticas, retrospectivas e atividades cineclubistas, acompanhadas por debates, performances e apresentações musicais. As sessões do Cineclube Ricamar acontecem às segundas-feiras, em vários horários.

Em foco, a diversidade do cinema brasileiro, com destaque para a produção audiovisual do Rio de Janeiro, além de sessões dedicadas a filmes latino-americanos e aos clássicos e grandes títulos da cinematografia mundial.

Nesta segunda-feira, uma homenagem ao cineasta Silvio Tendler com os filmes:

Jango – 1984 – exibição às 16h (115′)

Marighella, Retrato Falado do Guerrilheiro – 2001 – exibição às 18h (55′)

Utopia e Barbárie – 2009 – exibição às 19h – (122′)

Local: Cineclube Ricamar

Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 360 – Copacabana – RJ

Ingressos: R$8,00

Bio Silvio Tendler
Em 48 anos de carreira, Silvio Tendler produziu e dirigiu cerca de 80 obras e possui as
três maiores bilheterias do documentário brasileiro. Em 2008 foi homenageado no
Festival de Cinema de Paris. Em 2006 lançou Encontro com Milton Santos: o mundo
global visto do lado de cá​, prêmio de melhor filme do Júri Popular no Festival de Brasília.
Em 2003 lançou Glauber o filme, labirinto do Brasil​, prêmio de melhor filme do Júri
Popular e do Júri da Crítica do Festival de Brasília (2003); Seleção Oficial hors concours
do Festival de Cannes; Festival de Trieste; Mostra do Amanhã em Roma e Pádova;
Festival de Cinema do Rio (2003). Em 1984 lançou Jango – como, quando e por que se
derruba um presidente​, Prêmio Especial do Júri, melhor filme do Júri Popular e melhor
trilha sonora do Festival de Gramado (1984); Prêmio Especial do Júri do Festival de
Havana (1984). Em 1980 lançou Os anos JK – Uma trajetória política​, Prêmio Especial do
Júri e Prêmio de Melhor Montagem no Festival de Gramado (1980).