“Paco e o Tempo” reestreia no Rio

Graças à primazia de seu trabalho com bonecos e animação, “Paco e o Tempo” recebeu indicação do III Prêmio CBTIJ na categoria “Melhor Trabalho de Formas Animadas”. O espetáculo recebeu ainda o Prêmios Jovens Dramaturgos Escola Sesc 2013, além de ter recebido o Prêmios Melhor Espetáculo, Melhor Texto Original para Cecília Ripoll e o Prêmio Especial do Júri para o Grupo GESTOPATAS, pela pesquisa no teatro de bonecos, máscaras e formas animadas, na 45º Edição do FENATA|PR.

A montagem do grupo Gestopatas traz novamente aos palcos cariocas um texto da atriz e diretora Cecília Ripoll. Paco e o Tempo é um texto premiado no III Concurso Jovens Dramaturgos 2013 do Sesc. A peça encantou não apenas crianças e adolescentes lhes oferecendo uma nova visão da reflexão teatral como também agradou as críticas teatrais. Como foi o caso da página Botequim Cultural:

“Não é mero acaso que diretora Cecília Ripoll e seus atores Ademir de Souza e Tania Gollnick venham apresentando nos últimos anos outro interessantíssimo trabalho com identidade própria na Companhia do Gesto, como o que pude presenciar este ano em “A Cozinheira, o Bebê e a Dona do Restaurante”. Forma-se assim um núcleo artístico que se preocupa em desenvolver um pensamento de teatro infantil através de um processo que passa a sensação de estar em permanente construção, experimentando, ousando, expandindo seus limites e jamais fechando-se numa fôrma. As comparações entre ambos os trabalhos talvez não sejam pertinentes, pois utilizam recursos diferentes, assemelhando-se apenas na opção pela originalidade para apresentar um trabalho de inegável qualidade”, elogiou a crítica.

A ideia de falar sobre o tema surgiu em 2013, quando a atriz Cecília Ripoll fez uma substituição, às pressas, na peça “A cozinheira, o bebê e a dona do restaurante”. Na época, com a intensidade dos ensaios Cecília teve a sensação de como o tempo variava de acordo com a expectativa de cada um. Desde então começou a trabalhar sobre a ideia do tempo. Em 2014, criou o grupo Gestopatas, com Tania Gollnick e Ademir de Souza.

Cecília dirigiu “Pareidolia – depois do fim”, um espetáculo híbrido que utiliza recursos da performance, da dança, do teatro gestual e das formas animadas com um instigante resultado estético e visual no palco, trabalho que teve sua temporada de estreia em 2017 no Centro Cultural Justiça Federal – RJ.

“Paco e o tempo”, já teve uma montagem por alunos da Universidade Federal da Bahia (UFBA) no final de 2015.

O espetáculo “Paco e o Tempo” realizou sua temporada de estreia no CCJF em 2016, cujo sucesso rendeu-lhe um convite para prorrogação até janeiro de 2017.

Posteriormente foi convidado a integrar a programação do Centro de Artes UFF em 2017, bem como realizou uma curta temporada no Teatro Municipal Serrador, seguida de sua participação na 45º edição do FENATA|PR, que além dos Prêmios já destacados, rendeu-lhe ainda as indicações nas categorias Melhor Direção (cecília Ripoll), Melhor Iluminação, Melhor Atriz (Tania Gollnick) e Melhor Ator (Ademir de Souza).

Sinopse

Paco vive cheio de perguntas e curiosidades. Angustiado por estar sempre atrasado, nosso protagonista decide que precisa conhecer o tempo, e parte em uma jornada repleta de surpresas, perigos e novidades. Com humor e poesia, a encenação utiliza bonecos, máscaras e formas animadas para abordar as relações de afeto que vão sendo estabelecidas ao longo da saga do menino Paco. Prêmios Melhor Espetáculo, Texto Original e Prêmio Especial do Júri na 45º Edição do FENATA.

O Grupo

Gestopatas são assim chamados por se saberem doentes/apaixonados pelo gesto. O grupo surgiu em meados de 2014, quando três atores da Companhia do Gesto decidiram formar um grupo de estudos regular sobre a gestualidade em cena e suas transversalidades. Desde então, a pesquisa vem ganhando diversas frentes de trabalho, originando projetos que envolvem espetáculos de teatro-dança, intervenção com máscaras teatrais, oficinas de teatro gestual, confecção e utilização de bonecos e formas animadas, entre outros. Todas as frentes de trabalho desenvolvidas pelo grupo têm como foco principal o estudo/desenvolvimento do gesto que, para o coletivo, é um conceito que se estende e se desdobra em diversos vieses artísticos, englobando desde espetáculos até confecção de elementos de cena produzidos artesanalmente. Algumas das premissas presentes em todos os trabalhos artísticos desenvolvidos pelo grupo são: jogo de improviso e humor; mímica; musicalidade; comunicação direta com seu público; aprimoramento de elementos visuais na cena; projetos viáveis e de fácil transportação; pesquisa de linguagem e primor pela precisão gestual.

Sobre a Formação do Grupo GESTOPATAS

Cecília Ripoll

Formada em Licenciatura Plena em Artes Cênicas pela UNI-RIO. Diretora do grupo Gestopatas, dirigiu “Pareidolia – depois do fim” (2016) e dirige o infanto-juvenil “Paco e o tempo”, texto de sua autoria premiado pelo III Concurso Jovens Dramaturgos 2013 do Sesc. Trabalhou por dois anos no Circo Crescer e Viver como Assistente de Direção de Luis Igreja nos espetáculos: “Febril” (2014) e “Gira” (2015). Também assina a assistência

de direção do grupo Manguinhos em Cena em: “Sintonia Suburbana” (2012) e “Fronteira” (2014), espetáculo em que também assina a direção de movimento. Como empresa representante do grupo Gestopatas, foi contemplada pelos editais: Cessão de Espaço Centro Coreográfico do Rio de Janeiro 2014; Viva o Talento! 2015 – Prefeitura do Rio; Cena Aberta Funarte 2016. Como atriz seus trabalhos mais recentes são: “A cozinheira, o bebê e a dona do restaurante” (Companhia do Gesto, direção Luis Igreja); “Enquanto o mundo acaba” (direção Joelson Gusson) e “O crocodilo” (Direção Helena Bittencourt, Cia Finzi Pasca-Itália). Recebeu, em 2013, o prêmio Jovens Dramaturgos do Sesc por sua obra “Paco e o Tempo”. Ministra oficinas de utilização de máscaras e foi professora de corpo ao longo de três anos do Grupo Manguinhos em Cena na Biblioteca Parque de Manguinhos.

Tania Gollnick

Atriz, palhaça e mascareira. É formada em Artes Cênicas pela Universidade Regional de Blumenau (FURB). Na Companhia do Gesto desde 2002, dedica-se à pesquisa do teatro gestual e da comicidade, compondo elenco de diversas montagens de teatro gestual do grupo: “A cozinheira, o bebê e a dona do restaurante, “A margem”, “Maria Eugênia” (indicada ao melhor atriz do prêmio Zilka Salaberry 2008), “Toska Prappúrdia, Cláun! Palhaços mudos” e “Procura-se Hugo”. Responsável pelo Atelier Ventos do Norte, confecciona máscaras para teatro, próteses para teatro, cinema e TV, e ministra oficinas de confecção e utilização de máscaras teatrais. Foi diretora e atriz no Projeto Cabaré do Porto em 2014 (Porto Maravilha, Prefeitura do Rio). Participou dos curtas-metragens “Ópera Bufa”, da Companhia do Gesto; “Lagoa” e “Lúcia e a mala”, de Valério Fonseca, “Toska e Zefa”, de Tania Gollnick e Andrea Neri, e “O que é o ator”, de Ricardo Chreem.

Ademir de Souza

Ator, palhaço, bonequeiro, aderecista e autodidata em Música, Ademir de Souza é formado pela Escola de Arte Dramática – EAD (ECA-USP). Vencedor do prêmio Zilka Salaberry de Melhor Ator 2008 com o espetáculo infantil de palhaços “Maria Eugênia”. Indicado para o prêmio CBTIJ como melhor ator em 2014 por “A cozinheira, o bebê e a dona do restaurante” (Companhia do Gesto, direção Luis Igreja), espetáculo no qual também assina o roteiro, adereços e confecção de instrumentos sonoros artesanais e originais. Integrou o núcleo carioca dos Doutores da Alegria durante quatro anos (2004 a 2008), e o projeto Clownspital (desde 2014), em que vem se aprimorando ainda mais na arte da palhaçaria e do improviso. Integra a Companhia do Gesto desde seu início em 1986, participando de várias montagens que tem como base técnica a linguagem do clown e do teatro gestual, como: “Os clauns” (1986); “A margem” (2006); “Maria Eugênia” (2008); “Procura-se Hugo” (2008) e “A cozinheira, o bebê e a dona do restaurante” (2012). Também como clown participou do filme “Corda bamba: história de uma menina equilibrista” (2012, de Eduardo Goldenstein). Dirigiu a intervenção hospitalar de palhaços no projeto #umaflorumsorriso (contemplado pelo Fomento 2015). Praticou Kung-Fu durante sete anos; estuda e pratica atualmente Tai-Chi-Chuan, Chi-Kung (técnica de treinamento e controle da energia vital) e mímica, utilizando-se dessas práticas como formas de treinamento corporal e suas possibilidades de expressão no teatro. Na TV Globo, integrou o núcleo “Malhação Sonhos” (2014 a 2015) vivendo o personagem Simplício, e fez participações em “Ti-ti-ti”, “Lara com Z”, “Amor eterno amor”, “Especial 50 anos de Didi”, “Guerra dos sexos”, “Avenida Brasil”, “ A teia” e “O caçador”. Vive personagem vovô Aristeu em “Teca na TV” (Canal Futura). Atualmente, integra o coletivo Gestopatas, participando do espetáculo de dança e multilinguagens “Pareidolia – Depois do fim”.

SERVIÇO TEMPORADA 2018

Teatro Serrador – Rua Senador Dantas, n°13 – Centro Tel 2220 5033

Sábados às 16h

De 10|03 a 28|04

Duração: 50 Minutos

Valor do Ingresso: R$20 Inteira/R$10 Meia

Classificação Etária: Livre

Capacidade Teatro: 276 lugares

300 ingressos gratuitos para pessoas de baixa renda disponíveis no site: http://www.eufacocultura.com.br

FICHA TÉCNICA

Texto e Direção: Cecilia Ripoll

Atuação: Ademir de Souza e Tania Gollnick

Manipulação de Formas Animadas: Jan Macedo

Stand in de Manipulação de Formas Animadas: Aline Sampin

Cenário e Figurino: Gabrielle Windmüller e Alberta Barro

Adereços: Margareth Moura