Oi Kabum! Lab apresenta mostra ‘Interferências’, com intervenções urbanas públicas e exposição

No final deste mês, a cidade do Rio de Janeiro será ocupada por intervenções urbanas de mais de 50 artistas durante a mostra Interferências – Oi Kabum! Lab. De 23 a 27 de janeiro, os cariocas serão surpreendidos em locais como Lapa, Saara, Central do Brasil, Campo de Santana, Barra da Tijuca e Praça XV, por saraus instantâneos, catraca de ônibus que fala sobre política e sobre assuntos cotidianos, filtros d’água poéticos, TVs obsoletas que exibem videografismos com mensagens contundentes, projeções de corpos nus em fachadas de edifícios, entre muitas outras experiências arrebatadoras.

O resultado das apresentações de rua, materiais utilizados, making of, instalações e performances artísticas farão parte de uma exposição entre os dias 02 e 04 de fevereiro no Centro de Artes Calouste Gulbenkian, no Centro do Rio.

Interferências – Oi Kabum! Lab apresenta 11 projetos multilinguagem no campo da arte e tecnologia, que expressam pontos de vista originais de artistas da periferia do Rio de Janeiro. As intervenções mostram peças e temas do nosso cotidiano, que assumem funções inusitadas e inspiram novos olhares.

A cidade e o circuito artístico de maior visibilidade têm muito a ganhar em diversidade e inovação ao incorporar as novas produções dessa juventude popular em tempos digitais. O trabalho desses jovens apresenta pontos de vista muito interessantes e originais, que ainda estão em busca de seu espaço.”, diz Fernando Mozart, um dos coordenadores do Oi Kabum! Lab.

Com o Oi Kabum! Lab, o Oi Futuro ocupa artisticamente espaços públicos do Rio, fortalecendo a interação entre a cidade e seus moradores, ao mesmo tempo que damos visibilidade às ousadas propostas desses jovens artistas”, diz Roberto Guimarães, gestor de Cultura do Oi Futuro. “Com isso, o instituto completa sua atuação na cadeia produtiva da Cultura, estimulando a formação, a cocriação e a experimentação, fundamentais para a inovação.”

Todas as obras foram desenvolvidas ao longo de 2017 no Laboratório de Intervenções Urbanas LAB.IU, principal projeto artístico do novo Oi Kabum! Lab, fruto de uma parceria entre o Oi Futuro e o Centro de Criação de Imagem Popular (CECIP), que visa a formação artística de ponta de jovens das periferias cariocas.

Cada vez mais vibrantes, as manifestações culturais das periferias vêm ganhando força demonstrando a potência de suas expressões criativas e transmitindo valores sociais, novas articulações políticas e pontos de vista originais. O novo Oi Kabum! Lab, no Rio, é uma das iniciativas mais ousadas de experimentações tecnológicas numa perspectiva artística desenvolvidas com a juventude popular urbana. Lá, os jovens são acolhidos no LAB.IU para criar e realizar projetos multilinguagem.

Democratizar a produção artística, oferecendo formação de ponta para jovens criativos e promovendo eventos, encontros e experimentações que reúnam pessoas com diferentes perfis socioeconômicos, pode contribuir no enfrentamento de um dos aspectos da desigualdade social no Rio de Janeiro, simbolizada pela imagem de “cidade partida”- como definiu Zuenir Ventura“, completa Fernando Mozart.


OS 11 PROJETOS DA MOSTRA

São mais de 50 jovens divididos em nove coletivos, que apresentam 11 intervenções:
00-IDA (Área de Contato, Modo Avião e Corpus in Caos); Tracatrá, Pórtico, Neurose Urbana, Ruptura, Sonhos da Rua, Água de Beber; Sarau Instantâneo e Realeza Urbana.
PRESS KITDownload
00-IDA

Os sujeitos desestruturados pela urbanicidade formam 00-Ida. Três intervenções temporárias interligadas sob o fluxo cotidiano: Área de Contato, Modo Avião e Corpus in Caos. Um convite às experimentações a partir de narrativas políticas e afetivas de percursos extraviados.

Área de Contato – Uso de roupa desenvolvida com sensores que permitem a reprodução de sons particulares, por meio do contato de dois ou mais vestíveis. Tem como proposta sentir a presença do outro através da frequência sonora emitida pela roupa.

Modo Avião – Performance em ciclo a partir de fila formada em espaço público. Os membros da fila usam uma roupa específica e tem um aparelho celular na mão. À sua vez, cada performer deita no chão e levanta ao toque do alarme de seu celular, seguindo para o final da fila.

Corpus in Caos – A ação suscita a reflexão sobre as pressões vividas nos centros urbanos. No espaço público, estruturas de madeira são cobertas com sacos inflados por ventiladores.

Artistas: Gabriel Massan, Juliana Messias, Max Willian Morais, Rafael Moreira, Tauane Luzes

Tracatrá é o barulho da catraca. É a memória e a experiência da passagem, do controle e da restrição. A intervenção sonora consiste na interação do público com uma catraca que emite falas e depoimentos sobre assuntos variados relacionados à política e atualidades. Os passantes ainda podem experimentar gravar um depoimento no microfone aberto, ligado à catraca. A intervenção ocorre no espaço público e propõe repensar as relações sociais, o urbano e o privado.

Artistas: Bruno Corbelino, João Vitor (Japa), Pedro Carneiro, Rafael Galo, Paulo Ebrom e Luiza Nascimento

Pórtico é sinônimo de portal. O projeto é uma intervenção urbana que propõe o trânsito de pessoas para o outro lado de uma rota urbano-social. Sobreposições de imagens apresentadas no formato de pôster lambe-lambe constroem narrativas e diálogos entre os bairros de Rio das Pedras (fotografias de Adão Paiva) e Barra da Tijuca (fotografias de Amanda Costa e Mateus A. Krustx). A interação é provocada por meio de uma hashtag do Instagram, a localização do Google Maps e uma provocação para pensar sobre portais e fugas.

Artistas: Amanda Costa e Mateus A. Krustx

Neurose Urbana é uma instalação que utiliza aparelhos de TV analógicos descartados e interfaces digitais para apresentar videografismos, abordando questões sociais através de imagens e palavras. O projeto subverte a utilização comum da tecnologia analógica por meio do processo de modulação digital, que possibilita a alteração do sinal. A montagem da instalação se conforma a cada espaço, configurando uma situação espacial específica dialogando com o meio circundante, seja o ambiente público ou a sala de exposição.

Artistas: Yuri Leal, Rachel Guimarães, Alec Oliveira, Rafael Gino e Gabriel Aguiar

Ruptura é um projeto de intervenção urbana que pensa a galeria na rua, expõe as obras e os artistas, dialogando com a arquitetura de espaços culturais. As imagens de corpo inteiro nu dos artistas participantes, sem órgãos sexuais, trazem questões atuais a respeito do corpo na arte contemporânea e do espaço do artista na sociedade. São imagens em movimento projetadas sobre fachadas de espaços legitimadores de cultura, que abordam o acesso aos aparelhos culturais e sua relação com arte de rua.

Artistas: Adriano Oliveira, Erick Willmer, Pedro Carneiro, Miriã Brasil e Washington Santana

Sonhos da Rua é uma intervenção na qual as pessoas escrevem juntas por meio do lambe lambe e do grafite. A cidade que não dorme, sonha. O projeto procura expressar sonhos de moradores de rua, escutando histórias, caminhando pelas ruas e criando oportunidades de construir empatia. São imagens em lambe-lambes que expressam sonhos de pessoas invisibilizadas pela sociedade e impressos gráficos que emolduram histórias em imagem e texto. Os trabalhos aplicados sobre muros da cidade informam endereços digitais – Instagram e Youtube – onde são apresentados os registros e processos de criação. Duas pontas conectam a intervenção a diferentes públicos: os passantes das ruas da cidade e os usuários das mídias sociais digitais.

Artistas: Jonathan Melo, Igor Izy, Vinícius Campos, Eduardo Oliveira e Erick Willmer

Água de Beber é um convite para pensar sobre o valor e os usos da água potável como recurso vital e bem comum. A intervenção itinera pelas ruas da cidade carregando filtros de barro, plástico, vidro e diferentes moringas. A proposta é distribuir água nas ruas de forma gratuita, instigando a discussão sobre o valor da água, com especial abordagem a respeito de sua apropriação para fins privados. De forma poética, enquanto a água vai sendo oferecida, junto à fonte brotam histórias, memórias e interações de um Rio que não para.

Artistas: Mariane de Oliveira, Iuri Rodrigues, Marianna Motta e Paulo Ebrom

Sarau Instantâneo é uma força aglutinadora que promove a relação entre interesses artísticos variados e a valorização de artistas dos territórios em que a intervenção acontece. Como um show portátil que leva aos espaços públicos som e imagem na performance, por meio do uso de projeção e microfone livre, o Sarau Instantâneo é um ponto de encontro itinerante e aberto à diversidade

Artistas: Fabio Ritter, David Ritter, Paulo Ebrom e Iuri Rodrigues

Realeza Urbana cria estampas que abordam a temática do empoderamento de indivíduos periféricos, pretos, donos de suas escolhas, sua cor. Presente no cotidiano da juventude em qualquer lugar do mundo, a camiseta é utilizada pela Realeza Urbana como outdoor nas praças da cidade, tendo estátuas anônimas como suporte.

Artistas: Dianna da Costa, Jota – Jefferson Cardoso, Matheus Souza e Rafael Oliveira

SOBRE Oi KABUM! LAB – Laboratórios de Cultura Digital

Fruto de uma parceria entre o Oi Futuro e o Centro de Criação de Imagem Popular (CECIP), o Oi Kabum! LAB interage com jovens das periferias cariocas que investigam a cidade em um ambiente de criação e formação multilinguagem no campo da arte e tecnologia.

As áreas de atuação dos laboratórios englobam Arte Digital, Instalações Interativas, Motion, Projeções Mapeadas, Vídeo, Design, Web, Design Sonoro, Animação, Oficina da Palavra, Fotografia, História da Arte e Tecnologia, dentre outras.

Os processos de criação e aprendizagem se desenvolvem por meio de projetos coletivos, da criação de produtos artísticos e culturais, de montagens de exposições e intervenções públicas.

O Oi Kabum! LAB investe no desenvolvimento integral dos jovens, para a ampliação de autoconhecimento, autonomia, senso crítico, participação social e habilidades e competências artísticas e tecnológicas.

SERVIÇO

INTERVENÇÕES URBANAS

23 de janeiro (terça-feira)
Intervenção fixa: Pórtico – Barra da Tijuca e Rio das Pedras – (Metrô Barra e CAIC Euclides da Cunha Rio das Pedras)
14h: Água de Beber – Saara
16h: Realeza Urbana – Estátuas do Campo de Santana, Praça Paris e Passeio Público
20h: Ruptura – Projeção próxima ao Centro Cultural Justiça Federal

24 de janeiro (quarta-feira)
Intervenção fixa: Pórtico – Barra da Tijuca e Rio das Pedras
17h: 00-IDA (Área de Contato e Modo Avião) – Central do Brasil
20h: Neurose Urbana – Central do Brasil

25 de janeiro (quinta-feira)
Intervenção fixa: Pórtico – Barra da Tijuca e Rio das Pedras
10h: 00-IDA (Corpus in Caos) – Praça XV
14h: Realeza Urbana – Estátuas do Campo de Santana, Praça Paris e Passeio Público
16h: Tracatrá – Praça XV
20h: Ruptura – Projeção próxima ao Centro Cultural Caixa

26 de janeiro (sexta-feira)
Intervenção fixa: Pórtico – Barra da Tijuca e Rio das Pedras
13: Sonhos de Rua – Central do Brasil e Campo de Santana
19h: Sarau Instantâneo – Lapa – Beco do Rato
20h: Ruptura – Projeção próxima ao Paço Imperial

27 de janeiro (sábado)
Intervenção fixa: Pórtico – Barra da Tijuca e Rio das Pedras

02 de fevereiro (sexta-feira)
10h: Água de Beber – Concentração da procissão de Iemanjá na Praça XV

INTERVENÇÕES OI FUTURO FLAMENGO

27 de janeiro (sábado)
17h: 00-IDA (Área de contato, Modo avião e Corpus in caos)
19h: Ruptura

EXPOSIÇÃO INTERFERÊNCIAS OI KABUM! LAB
Centro de Artes Calouste Gulbenkian

02 de fevereiro (sexta-feira)
19h: abertura

03 e 04 de fevereiro (sábado e domingo)
16h às 22h: visitação

A exposição reúne o conjunto de instalações, performances, vídeos, fotos  e os demais materiais criados durante os laboratórios de intervenções urbanas.

ENDEREÇOS

Centro de Artes Calouste Gulbenkian
Rua Benedito Hipólito, 125 – Centro.

Oi Futuro Flamengo
Rua Dois de Dezembro,63 – Flamengo