50 anos de MPB – a Era dos Festivais

O show “50 anos de MPB – a Era dos Festivais” celebra o repertório que marcou a geração dos anos 1960, quando o país revelou talentos como Elis Regina, Chico Buarque, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Edu Lobo e vários outros. Com direção musical do compositor carioca Edu Krieger, a mostra leva ao palco Soraya Ravenle, a primeira-dama dos musicais brasileiros, revivendo o áureo nascimento da MPB, em músicas que mantêm sua força no imaginário brasileiro, e o ferecem uma resposta de paz e diálogo aos tempos atuais. O show, marcado para o dia 23 de novembro, às 21h, no Theatro Net Rio,  revelará a atualidade das canç&otil de;es nascidas há cinco décadas e a importância da preservação desse legado, que se tornou referência matriz para toda a produção da MPB desde então.

No roteiro, destacam-se sucessos como “Arrastão” (Edu Lobo e Vinícius de Moraes), “A banda” (Chico Buarque), “Disparada” (Geraldo Vandré e Theo de Barros), “Ponteio” (Edu Lobo e Capinam), “Alegria, alegria” (Caetano Veloso), “Pra não dizer que não falei de flores” (Geraldo Vandré) e “Fio maravilha” (Jorge Ben Jor), entre vários outros. A pesquisa de repertório levou em conta os principais festivais de música realizados nos anos 1960, exibidos pelas TVs Excelsior, Record, Rio e Globo. Destaque para o Festival da Música Popular Brasileira e Festival Internacional da Canção.

Os arranjos são assinados por Marcelo Caldi, um dos mais reconhecidos da nova geração brasileira. Soraya Ravenle, por sua vez, se vale não somente do talento vocal, mas também da maestria cênica para “passear” pelas intérpretes da MPB dos anos 1960, como Elis Regina, Gal Costa e Maria Alcina.

O show “50 anos de MPB – a Era dos Festivais” revela como as letras e melodias desse repertório calam fundo na alma das pessoas, pois são constituintes de nossa identidade cultural. Ao provocar emoção, também evocam diálogo – um diálogo de gerações, pois os artistas presentes no palco são filhos diretos da geração dos anos 1960.

Apesar da diversidade temática das canções, é possível notar um traço comum entre os versos, os quais alude a uma espécie de devir-Brasil, um sentimento tácito de otimismo e luta por um país e uma sociedade mais democrática e igualitária. Em seu nascedouro, a MPB embalou um sonho modernista, de unir o Brasil através de sua cultura, num franco diálogo antropofágico. O caráter político, de protesto e conscientização, também é marca do cancioneiro. Destaca-se ainda a excelência musical dos artistas do espetáculo e o envolvimento afetivo com o universo temático, além das intervenções teatrais, buscando aproximar os vários campos da arte.

Ficha Técnica

 

Edu Krieger – idealização, direção musical, pesquisa, violão e voz

Soraya Ravenle – voz

Marcelo Caldi – teclados, acordeom e voz

Fabiano Krieger – violão e guitarra

Fabiano Salek – Percussão

PC Castilho – Sopros

Fernando Gasparini – Produção

Repertório

Arrastão (Edu Lobo / Vinícius de Moraes)

A Banda (Chico Buarque)

Disparada (Geraldo Vandré / Theo de Barros)

Ponteio (Edu Lobo / Capinam)

Domingo no Parque (Gilberto Gil)

Roda Viva (Chico Buarque)

Alegria, Alegria (Caetano Veloso)

Travessia (Milton Nascimento / Fernando Brant)

Carolina (Chico Buarque)

Fuga e Antifuga (Edino Krieger / Vinícius de Moraes)

Divino Maravilhoso (Caetano Veloso / Gilberto Gil)

Sabiá (Tom Jobim / Chico Buarque)

Pra Não Dizer que Não Falei de Flores (Geraldo Vandré)

Andança (E. Souto / Danilo Caymmi / Paulinho Tapajós)

Proibido Proibir (Caetano Veloso)

Sinal fechado (Paulinho da Viola)

Fio Maravilha (Jorge Ben)

Sobre os artistas

Soraya Ravenle

Primeira-dama dos musicais, a atriz, cantora e bailarina protagonizou uma série de grandes espetáculos do gênero nos últimos anos: “Dolores”, Prêmio Shell melhor atriz, 1999; “South american way”, Miguel Falabela; “É com esse que eu vou” e “Sassaricando”, Sérgio Cabral e Rosa M. Araújo; “Era no Tempo do Rei”, Heloísa e Julia Seixas; “Ópera do malandro”, Chico Buarque; “Opereta Carioca”, Gustavo Gasparani; “Um violinista no telhado”, Charles Moeller e Claudio Botelho, e vários outros. São ao todo 30 musicais, em 28 anos de carreira. O primeiro CD é de 2011, com músicas de Paulo César Pinheiro, selecionado ao Prêmio da Música Brasileira.

Edu Krieger

Compositor, instrumentista e cantor, Edu Krieger é reconhecido como um dos mais talentosos da atual geração da música popular brasileira. Possui canções gravadas por cantoras como Maria Rita, Ana Carolina, Maria Gadú, Roberta Sá, Teresa Cristina, Aline Calixto, entre várias outras. Seu primeiro disco, de 2006, foi premiado pela Associação Paulista dos Críticos de Arte na categoria revelação da MPB, e listado entre os dez melhores álbuns do ano pelo jornal O Globo. Já o segundo CD, intitulado “Correnteza”, de 2009, contou com participações especiais de João Donato e Rildo Hora.

Marcelo Caldi

Alcançou projeção nacional em 2012, a partir das homenagens ao centenário de Luiz Gonzaga, mostrando um lado orquestral e sinfônico do rei do baião, tendo vencido o Prêmio Funarte e lançado o livro e o disco “Tem sanfona no choro”, edição do Instituto Moreira Salles. Compôs arranjos sinfônicos sobre temas gonzagueanos, cantados por Elba Ramalho e executados pela Orquestra Sinfônica de Barra Mansa, Orquestra Petrobras Sinfônica e Orquestra Sinfônica do Recife. Apresentou-se ao lado de artistas como Gilberto Gil, Elba Ramalho, Chico César, Zé Calixto, Geraldo Azevedo e Fabiana Cozza, além de atuar como solista de acordeom em concertos com as orquestras Petrobras e Sinfônica do Recife.

SERVIÇO:

 

Soraya Ravenle no show “50 anos de MPB – a era dos festivais”

 

Theatro Net Rio – Sala Tereza Rachel. Rua Siqueira Campos, 143 – Sobreloja – Copacabana. (Shopping Cidade Copacabana).

Horário: 21h.

Data: 23 de novembro.

Classificação: 12 anos.

Duração: 60 minutos.

Ingresso: R$ 100,00 (plateia e frisas) R$ 80,00 (balcão) e R$ 40,00 (Balcão com visão parcial).

Direito à meia entrada e descontos :  http://www.theatronetrio.com.br/pt-br/bilheteria.html

Capacidade do Teatro: 622 lugares.

Telefone do teatro: 21 2147 8060 / 2148 8060

Site: www.theatronetrio.com.br

Vendas pela internet:  www.ingressorapido.com.br ou pelo aplicativo do Ingresso Rápido.
Vendas pelo telefone: Informações e compra Ingresso Rápido – (11) 4003 – 1212
Atendimento pós venda Ingresso Rápido – (11) 4003 – 2051
Informações sobre ponto de venda da Ingresso Rápido de outros eventos fora do Theatro Net Rio, somente pelo telefone – (11) 4003 – 1212
Horário de funcionamento – Todos os dias das 10h às 18h.

Horário de funcionamento da bilheteria: De segunda a domingo, das 10 às 22h, inclusive feriados.

Reservas para grupos: Beatriz Barcelos – beatrizbarcelos@brainmais.com

Somente pelo telefone: (21) 96629 – 0012
Horário de atendimento – De Segunda a Sábado de 14h às 21h.

Formas de pagamento: Aceitamos todos os cartões de crédito, débito, vale cultura nas bandeiras (Alelo & Ticket) e dinheiro. Não aceitamos cheques.

Acessibilidade

Estacionamento no Shopping, entrada pela Rua Figueiredo Magalhães, 598.