Conferência do filósofo e sociólogo Gilles Lipovetsky

O Ciclo Ato Criador e o Consulado da França no Rio de Janeiro recebem o filósofo e sociólogo francês Gilles Lipovetsky, no dia 9 de novembro, às 19h, no Espaço Cultural A Maison, no Centro. A partir do tema ‘A leveza da civilização contemporânea’, o pensador vai fazer uma conferência para debater como o ‘leve’ invadiu nossa rotina e transformou nosso imaginário, tornando-se um valor e um ideal. Na sociedade pós-moderna, o elogio à magreza e a consagração do bem-estar triunfam; e o mundo virtual, os dispositivos móveis, os nanomateriais estão mudando o cotidiano. Do mesmo modo, a cultura midiática, a arte, o design, a moda e a arquitetura exprimem o culto contemporâneo à leveza. Esse assunto é abordado no livro “Da Leveza, Rumo a uma Civilização Sem Peso” (Editora Marole), que o pensador lançará na ocasião.

O evento faz parte do Ciclo Ato Criador – Outros Possíveis, que segue até o fim do ano, com mesas-redondas, palestras, debates e oficinas que reúnem artistas e teóricos de áreas diversas na busca por lançar uma luz sobre a estética da existência e de novos modos de criação de mundos, criação de possíveis.

Esta é a 6ª edição do evento, realizado desde 2006 no Oi Futuro, com patrocínio da Oi, da Petrobras, do Governo do Rio de Janeiro, da Secretaria de Estado de Cultura e da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro, sob a curadoria e supervisão da atriz, jornalista e gestora cultural Ana Lúcia Pardo. Neste ano, a série também recebe o apoio do Consulado da França no Rio de Janeiro. Todas as atividades são gratuitas.

Sobre o Ciclo Ato Criador

Há uma década, a atriz e produtora Ana Lúcia Pardo reúne grandes personalidades da cultura, da economia, da política, da comunicação, do meio ambiente e de outros saberes na busca por uma reflexão interdisciplinar do mundo em que vivemos. Criada em 2006 com o título de “A Teatralidade do humano”, essa série completa 10 anos com o Ciclo Ato Criador – Outros Possíveis, que tem o objetivo principal de instigar o pensamento e mostrar a capacidade humana de se reinventar. Este ano, a ideia é focar ainda mais nessa necessidade de transformação, com mesas-redondas, palestras, oficinas e debates guiados pelo tema ‘Outros Possíveis’. O objetivo é apontar a emergência de novas ideias, concepções e alternativas que exigirá um processo de transformação do mundo.

“Acredito que a questão central que nos atravessa atualmente é que vivemos em um mundo em convulsão, diante do esgotamento de um modelo de desenvolvimento que está aniquilando o planeta e todos os seres vivos”, analisa Ana Lúcia Pardo. “Como se o mundo criado por nós mesmos, os humanos, se deparasse na nossa frente a nos indagar: ‘É isso mesmo que vocês queriam para vocês?’ Como se todas as estruturas criadas estivessem ruindo ao mesmo tempo, deixando à mostra todas as suas fragilidades e imperfeições, um esgotamento do possível.”

Para a gestora cultural, diante desse quadro problemático, somos obrigados a rever nosso sistema de vivência no planeta, de relações interpessoais, de questões ambientais, culturais, artísticas, políticas, econômicas… “É justamente do impossível que precisamos criar os possíveis. Em minha opinião, essa revisão geral vai implicar em uma mudança radical de comportamento individual e coletivo. E quem são os atores e autores desse processo senão nós mesmos?”, questiona.

O Ciclo Ato Criador teve sua primeira edição em 2006/2007 com o painel “A Teatralidade do Humano”. A segunda edição foi realizada em 2010, com o Ciclo “A Teatralidade do Humano II – Subjetividades e Políticas da Cena e do Mundo”. A terceira edição, que ganhou o nome de “Ciclo Inter-Agir – na rua, na rede, na cena contemporânea”, foi realizada em 2012. No ano seguinte, em 2013, a quarta edição apresentou o Ciclo “Espaços de Reencantamento, Afetos e Utopias de Um Novo Mundo”. A quinta edição se desenrolou durante o ano de 2015, e recebeu o título de Ciclo “Ato Criador”, com a realização, de 21 atividades de abril a novembro, sendo 19 encontros em forma de palestras e debates além de apresentações e intervenções artísticas de coletivos e grupos. Participaram convidados nacionais e internacionais de diversos países.

Toda a programação é gratuita, com retirada de senhas uma hora antes do evento.

 

Dia 9/11 – Quarta-feira, 19h. Espaço Cultural A Maison – Consulado da França

Conferência do filósofo e sociólogo Gilles Lipovetsky. Tema: A leveza da civilização contemporânea

O pensador lança seu novo livro no Brasil, “Da Leveza, Rumo a uma Civilização Sem Peso” (Editora Marole), que expõe como o leve invadiu nossa rotina e transformou nosso imaginário, tornando-se um valor e um ideal. Na sociedade pós-moderna, o elogio à magreza e a consagração do bem-estar triunfam. O mundo virtual, os dispositivos móveis, os nanomateriais estão mudando nosso dia a dia. Do mesmo modo, a cultura midiática, a arte, o design, a moda e a arquitetura exprimem o culto contemporâneo à leveza. Por todos os lados, a ordem é conectar, miniaturizar, desmaterializar.

Gilles Lipovetsky

O filósofo e sociólogo nasceu na França, em 1944.  É autor, entre outras obras, de A era do vazio, A sociedade pós-moralista, A sociedade da decepção e A globalização ocidental – controvérsia sobre a cultura planetária – todas publicadas pela Editora Manole.

Serviço:

Conferência do filósofo e sociólogo Gilles Lipovetsky. Tema: A leveza da civilização contemporânea: 9/11 – quarta-feira, às 19h. Espaço Cultural A Maison – Consulado da França – Av. Pres. Antônio Carlos, 58 – 11° andar – Centro. Telefone: (21) 3974-6669.