Espetáculos infantis na Arena Dicró

Dudu é um menino que se encanta com a possibilidade de ser um novo personagem a cada brincadeira de faz de conta em O Menino que Brincava de Ser. Léo é apaixonado por pipas, brincadeira que aprendeu com seu recém-falecido pai em Cabeça de vento. Juvenal está prestes a reencontrar uma amiga de infância, a Pita, e relembra marcantes aventuras em Juvenal, Pita e o velocípede. Os três personagens, que vivem desafios e aventuras distintas, foram criados pela Pandorga Cia. de Teatro, entre 2007 e 2015.

Entre maio e junho, a companhia apresenta pela primeira vez seu repertório de espetáculos criados para toda a família – crianças e adultos de todas as idades – no projeto Repertório Pandorga nas Arenas Culturais. Com ingresso a preço popular (R$ 5), cada peça terá duas sessões diárias nas arenas cariocas Carlos Roberto de Oliveira – Dicró (dias 05, 06 e 07 de maio) e Jovelina Pérola Negra (dias 22, 23 e 24 de junho).

O MENINO QUE BRINCAVA DE SER

Espetáculo inspirado no livro homônimo de Georgina Martins

Dramaturgia e Direção Cleiton Echeveste

Elenco: Giuseppe Marin, Leo Campos e Tatiana Henrique

Sinopse: Dudu é uma criança que adora brincar de faz de conta com seus amigos. A possibilidade de ser um novo personagem encanta o menino. No entanto, aos olhos da família e da escola nem sempre suas fantasias são bem vistas. De maneira lúdica e bem-humorada, O Menino que Brincava de Ser apresenta questões atuais presentes no universo familiar e escolar das crianças: o respeito à diversidade, o direito à liberdade de expressão, o bullying e o questionamento de limites e padrões socialmente impostos. Inspirado no livro homônimo de Georgina Martins e com direção de Cleiton Echeveste, a montagem conta a história de três crianças durante o ensaio de um espetáculo de teatro, que apresentarão no auditório da escola. O texto escolhido é O Menino que Brincava de Ser. Dudu é uma criança saudável que gosta de brincar de ser vários personagens – magos, bruxas, heróis ou heroínas – e sofre com piadas na escola.

CABEÇA DE VENTO

Dramaturgia e Direção: Cleiton Echeveste

Elenco: Eduardo Almeida, Giuseppe Marin e Tatiana Henrique

Sinopse: Léo é apaixonado por pipas, brincadeira que aprendeu com seu recém-falecido pai. Ao ganhar de presente um livro que pertenceu a ele, o menino conhece três personalidades que marcaram a humanidade: o cientista e inventor americano Benjamin Franklin, a guerreira rainha chinesa Fu Hao e o rei da Inglaterra Ricardo Coração de Leão. Os inusitados encontros aproximam Léo de um novo olhar sobre a vida e morte. Através da imaginação e poesia, Cabeça de Vento aborda temas

como afeto, morte, luto na infância, família e construção de identidade. Léo conduz os espectadores a uma jornada de amadurecimento e aprendizado.

JUVENAL, PITA E O VELOCÍPEDE

Elenco: Eduardo Almeida

Direção: Cadu Cinelli

Dramaturgia: Cleiton Echeveste

Sinopse: Juvenal tem cinco anos de idade e adora brincar com o seu velocípede. Um dia descansando embaixo de um cajueiro, ele conhece uma menina chamada Pita. Eles se tornam amigos inseparáveis e vivem grandes aventuras a bordo de um velocípede construído pelo tio do menino. No monólogo Juvenal, Pita e o velocípede, o ator Eduardo Almeida empresta as próprias lembranças da infância para contar as histórias do menino Juvenal. Com dramaturgia de Cleiton Echeveste, a peça tem direção de Cadu Cinelli, integrante do grupo Os Tapetes Contadores de Histórias.

SOBRE A PANDORGA COMPANHIA DE TEATRO

Formada por André Roman (ator e produtor), Cleiton Echeveste (dramaturgo e diretor) e Eduardo Almeida (ator e produtor), a companhia estreou seu primeiro espetáculo em 2007, O Menino que Brincava de Ser. A peça teve várias temporadas no Rio de Janeiro e participou de festivais e mostras em Minas Gerais, Brasília e São Paulo.

Em 2012, estrearam Cabeça de vento que participou de diversos festivais de teatro na cidade e em outros estados (Minas Gerais, Espírito Santo, Paraná e Santa Catarina). O espetáculo recebeu um total de treze prêmios nos Festivais Nacionais de Teatro de Guaçuí/ES, Duque de Caxias/RJ e Ponta Grossa/PR, além de três indicações ao 7º Prêmio Zilka Salaberry, nas categorias ator (Jan Macedo), figurino (Daniele Geammal) e produção. Foi o único grupo brasileiro selecionado para o 8º FESTECA, em Luanda, Angola. Em 2013, a peça foi lançada em livro pela Giostri Editora (SP).

O terceiro espetáculo infantojuvenil estreou em 2013: Conto d’água. Em 2015, estreou Juvenal, Pita e o velocípede. Indicado ao Prêmio CBTIJ de Teatro para Crianças 2015 em seis categorias, sendo agraciado com o prêmio de melhor ator para Eduardo Almeida. A montagem concorreu nas categorias: texto original (Cleiton Echeveste), direção (Cadu Cinelli), iluminação (Ricardo Lyra Jr.) e adereços (Garlen Bikes, Marcelo Huguenin e Renato Marques).

No Prêmio Zilka Sallaberry 2015, o espetáculo compete em seis categorias: espetáculo, texto e dramaturgia (Cleiton Echeveste), direção (Cadu Cinelli), ator (Eduardo Almeida), figurinos (Daniel Geammal) e iluminação (Ricardo Lyra Jr.). A montagem também foi indicada ao Prêmio Botequim Cultural 2015 em quatro categorias: espetáculo, direção, texto e ator.

O site oficial da companhia é: pandorgaciadeteatro.wordpress.com

SERVIÇO:

MAIO

Dias: 05, 06 e 07 de maio, às 14h e 16h

A ordem das apresentações:

05/05 (quinta): O Menino que Brincava de Ser

06/05 (sexta): Cabeça de vento

07/05 (sábado): Juvenal, Pita e o velocípede

Local: Carlos Roberto de Oliveira – Dicró (Parque Ary Barroso – Penha)

Ingresso: R$5 (inteira) R$2,50 (meia) |Estudantes da rede pública não pagam.

Classificação etária: Livre Recomendação etária: crianças a partir dos 6 anos

Duração: os espetáculos têm duração de 55 minutos cada.

JUNHO

Dias: 22, 23 e 24 de junho, às 10h e 14h

22/06 (quinta): O Menino que Brincava de Ser

23/06 (sexta): Cabeça de vento

24/06 (sábado): Juvenal, Pita e o velocípede

Local: Jovelina Pérola Negra (Praça Ênio, s|nº – Pavuna)

Ingresso: R$5 (inteira) R$2,50 (meia) | Estudantes da rede pública não pagam.

Classificação etária: Livre Recomendação etária: crianças a partir dos 6 anos

Duração: os espetáculos têm duração de 55 minutos cada.

FICHA TÉCNICA – OCUPAÇÃO PANDORGA

Produção André Roman e Eduardo Almeida

Assistência de produção: Lucimar Ferreira

Design Gráfico: Fernando Nicolau

Fotografia: Renato Mangolin

Assessoria de Imprensa: Bianca Senna e Paula Catunda

Realização Pandorga Companhia de Teatro, Pita Produções e AR Produções