Temporada de 2016 no Theatro Municipal

O Theatro Municipal do Rio de Janeiro, vinculado à Secretaria de Estado de Cultura, divulga a sua Temporada de 2016, que leva a assinatura do Maestro André Cardoso. Mantendo o princípio de valorizar os cantores nacionais e de contribuir para alavancar a cadeia produtiva da música brasileira, a programação foi especialmente elaborada para proporcionar ao público atrações variadas, de diferentes épocas e estilos. Serão seis óperas apresentadas pelo Coro, a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal e solistas convidados com produções próprias, coproduções com o Theatro São Pedro (SP) e com a Companhia Ópera Livre e ainda uma remontagem em parceria com o Theatro Municipal de São Paulo. O Ballet do Theatro Municipal irá executar quatro espetáculos, sendo um deles inédito. Coro e OSTM realizarão também cinco concertos sinfônicos com destaque para Alma Brasileira, espetáculo criado especialmente para o período dos Jogos Olímpicos Rio 2016 pelo grupo teatral catalão La Fura dels Baus, com música de Villa-Lobos.

Entre as novidades para 2016, estão o programa duplo Ópera + Balé – constituído de obras de ambos os gêneros com apenas um ato – e a série Ópera de Câmara em Concerto, com quatro títulos, um deles em primeira audição, apresentados por solistas da Academia de Ópera Bidu Sayão, do Coro e da OSTM. Os solistas dos corpos coral e orquestral do TM também se apresentarão nas séries Cameristas e Vesperais Líricas, ambas a serem realizadas na Sala Mário Tavares, novo nome do Teatro B, no Prédio Anexo. Teremos também o retorno da tradicional série Domingo no Municipal, com ingressos a preço popular e participação de sete orquestras convidadas e de alunos da Escola Estadual de Dança Maria Olenewa. A exemplo do procedimento adotado na Temporada Segundo Semestre 2015, serão oferecidas duas séries de assinaturas tanto para ópera como para balé com descontos especiais entre 5 de dezembro de 2015 e 28 de fevereiro de 2016.

“Criar, preservar, difundir e ampliar o acesso à programação são as diretrizes que norteiam a temporada de 2016 e as ações que têm por meta colocar o Theatro Municipal em pleno funcionamento como produtor e palco de óperas, balés e concertos. A mais notória delas é, certamente, o anúncio da temporada com seis óperas, quatro balés, concertos e um espetáculo ópera + balé”, afirma João Guilherme Ripper, Presidente da Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

Nos Concertos serão apresentadas grandes obras corais sinfônicas do século XIX pelo Coro e a Orquestra Sinfônica do TMRJ, como o concerto de Abertura da Temporada, nos dias 4 e 5 de março, com o programa a Missa Solemnis em Ré maior Op.123 de Beethoven. Em abril será realizado o Requiem, de Verdi. No mês de maio será a vez do concerto que celebrará 110 Anos de Radamés Gnattali (1906-1988). No mês de agosto serão apresentadas três récitas do concerto Alma Brasileira, conforme informado, com programa constituído por Floresta Amazônica, Bachianas Brasileiras Nº4 e Nº5 e Choros Nº1, Nº6 e Nº10, de Villa-Lobos. O último concerto, em dezembro, será 100 Anos de Nascimento de Alberto Ginastera (1916-1983) e de Antonio Estévez (1916-1988), comemorativo pelos centenários do argentino Ginastera (Abertura para o Fausto Criollo e Suite Estância) e do venezuelano Estévez (Cantata Criolla).

“Apostamos mais uma vez nas parcerias. Em 2016 serão duas coproduções de óperas, com o Teatro São Pedro de São Paulo e com a Companhia Ópera Livre. Com o Teatro Municipal de São Paulo a parceria engloba a troca de produções, com La Bohème vindo para o Municipal do Rio e nossa La Sylphide sendo apresentada para o público paulista”, informa André Cardoso, Diretor Artístico da Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

Na temporada de Óperas estarão presentes desde títulos que são clássicos absolutos do gênero, como O Barbeiro de Sevilha, de Rossini, e La Bohème, de Puccini, até aqueles que pela primeira vez chegam ao Theatro Municipal, como Don Quichotte, de Massenet, e Jenůfa, de Janacek. Não poderia faltar também um título de compositor brasileiro, representado por Lo Schiavo, de Carlos Gomes, e outro do século XVIII, que é Orfeu e Eurídice, de Gluck. Completa o repertório a ópera Mozart & Salieri, de Korsakov, apresentada em dupla com o balé Sheherazade. Na programação de Balés, teremos a remontagem de Apoteose da Dança, programa duplo de grande sucesso em 2015, formado pelas coreografias Age of Innocence, de Edwaard Liang, e Sétima Sinfonia, de Uwe Scholz. Também teremos na temporada La Sylphide, de Filippo Taglioni na versão de Pierre Lacotte. A produção contemporânea se faz presente em coreografias inéditas, especialmente encomendadas pelo Theatro Municipal a Luiz Bongiovani, Daniela Cardim e Rodrigo Pederneiras para compor Trilogia Amazônica, com música de Villa-Lobos. A programação de balés se encerra com o tradicional O Quebra-Nozes, de Tchaikovsky, espetáculo que encanta diferentes gerações de frequentadores do Theatro Municipal.

TEMPORADA LÍRICA 2016

 

DON QUICHOTTE – Ópera em cinco atos (1910)

Música: Jules Massenet (1842-1912)

Libreto: Henri Cain (1857-1937)

Coprodução com o Theatro São Pedro (SP)

Ballet, Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Direção Cênica: Jorge Takla

Direção Musical e Regência: Luiz Fernando Malheiro

 

Abril

Dia 13, quarta-feira, 20h

Dia 15, sexta-feira, 20h

Dia 17, domingo, 17h

Dia 19, terça-feira, 20h

Dia 22, sexta-feira, 20h

Tendo à frente os consagrados Jorge Takla e Luiz Fernando Malheiro, a ópera Don Quichotte, de Massenet será apresentada pela primeira vez no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Em coprodução com o Theatro São Pedro (SP), será uma homenagem aos 400 anos de falecimento de Miguel de Cervantes, escritor espanhol que criou uma das mais conhecidas personagens da literatura mundial. Don Quichotte é fonte permanente de inspiração na música, balé e ópera. Foi abordado por compositores de diferentes épocas como Telemann, Mendelssohn, Richard Strauss e Ravel. Do austríaco Minkus, recebeu a música para um dos grandes clássicos do balé. O compositor francês Jules Massenet, um dos mais inspirados autores da cena lírica parisiense da Belle Époque, estreou sua versão em ópera no ano de 1910, sendo uma de suas últimas criações.

Cenografia: Nicolàs Boni

Figurinos: Fábio Namatame

Iluminação: Nei Bonfanti

Elenco

Don Quichotte: Gregory Reinhart

Dulcineia: Luiza Francesconi

Sancho Pança: Eduardo Amir

LA BOHÈME – Ópera em quatro atos (1895)

Música: Giacomo Puccini (1858-1924)

Libreto: Giuseppe Giacosa (1847-1906) e Luigi Illica (1857-1919)

Produção do Theatro Municipal de São Paulo

Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Direção Cênica, Cenografia e Iluminação: Arnaud Bernard

Direção Musical e Regência: Eduardo Strausser

Maio

Dia 22, domingo, 17h

Dia 24, terça-feira, 20h

Dia 26, quinta-feira, 17h

Dia 28, sábado, 20h

A festejada produção do Theatro Municipal de São Paulo para La Bohème, de Puccini, virá para o palco do Theatro Municipal do Rio de Janeiro como primeira ação de uma inédita parceria entre as duas principais casas de ópera do Brasil. Com elenco internacional, marcará o reencontro do público carioca com uma das óperas mais amadas em todo o mundo. Baseada nas Scènes de la vie de Bohème, de Henri Muger, narra as desventuras de um grupo de artistas residentes na Paris da década de 1830, a efervescência do Quartier Latin e os dramas e conflitos de suas principais personagens.

Figurinos: Carla Ricotti

Remontagem: Julianna Santos

Elenco

Mimi: Cristina Passaroiu

Rodolfo: Ivan Magri

Marcelo: Homero Velho

Musetta: Marina Considera

 

ORFEU E EURÍDICE – Ópera em três atos (Versão de Viena – 1762)

Música: Christoph Willibald Gluck (1714-1787)

Libreto: Ranieri de Calzabigi (1714-1795)

Ballet, Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Direção Cênica e Iluminação: Caetano Vilela

Direção Musical e Regência: Abel Rocha

Julho

Dia 03, domingo, 17h

Dia 05, terça-feira, 20h

Dia 07, quinta-feira, 20h

Dia 09, sábado, 20h

Dia 12, terça-feira, 20h

Dia 14, quinta-feira, 20h (Aniversário do Theatro Municipal)

Gluck foi autor de dezenas de óperas e tem papel fundamental como reformador do gênero no século XVIII. Orfeu e Eurídice é uma de suas criações máximas e aborda a famosa história da mitologia grega onde Orfeu, inconformado com a morte de sua esposa, dirige-se ao Reino da Morte para trazê-la de volta à vida. A nova produção do Theatro Municipal pretende ser um espetáculo onde a antiguidade clássica seja abordada pelos olhos da contemporaneidade, a partir da proposta de encenação do premiado diretor e iluminador Caetano Vilela.

Cenografia: Duda Arruck

Figurinos: Cássio Brasil

 

Elenco

Orfeu: Denise de Freitas

Eurídice: Lina Mendes

 

 

O BARBEIRO DE SEVILHA – Ópera em dois atos (1816)

Música: Gioacchino Rossini (1792-1868)

Libreto: Cesar Sterbini (1784-1831)

Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Direção Cênica: Pablo Maritano

Direção Musical e Regência: Silvio Viegas

Setembro

Dia 04, domingo, 17h

Dia 06, terça-feira, 20h

Dia 08, quinta-feira, 20h

Dia 10, sábado, 20h

O Barbeiro de Sevilha é uma das mais conhecidas e amadas óperas de todos os tempos, sucesso garantido desde sua estreia em 1816. A nova produção do Theatro Municipal marcará os 200 anos de sua criação pelo jovem Rossini, então com 24 anos. Baseada na comédia de Beaumarchais, o libreto de Sterbini prevê inúmeras situações cômicas que o gênio de Rossini transformou em árias e conjuntos de grande efeito teatral, com destaque para a famosa ária Largo al Factotum, cantada por Fígaro em sua primeira aparição em cena.

Elenco

Fígaro: Leonardo Neiva

Rosina: Luiza Francesconi

Conde de Almaviva: Santiago Ballerini

Bartolo: Licio Bruno

Basílio: Savio Sperandio

Fiorello: Marcelo Coutinho

LO SCHIAVO – Ópera em quatro atos (1889)

Música: Antônio Carlos Gomes (1836-1896)

Libreto: Rodolfo Paravicini

(Baseado em argumento de

Alfredo d’Escragnolle Taunay, o Visconde de Taunay)

Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Direção Cênica: Pier Francesco Maestrini

Direção Musical e Regência: Roberto Duarte

Outubro

Dia 21, sexta-feira, 20h

Dia 23, domingo, 17h

Dia 25, terça-feira, 20h

Dia 27, quinta-feira, 20h

Dia 29, sábado, 20h

Carlos Gomes, na opinião do musicólogo Marcelo Conatti, é um dos mais importantes nomes da ópera italiana do século XIX depois de Verdi. Brasileiro, nascido na cidade de Campinas, obteve estrondoso sucesso com sua ópera Il Guarany no Teatro Alla Scala, de Milão. Lo Schiavo é uma de suas melhores produções. Foi escrita após a Abolição da Escravatura no Brasil, em 1888, e dedicada à Princesa Isabel. A temática nacional, onde não faltam florestas tropicais e nativos, se reveste de música inspiradíssima, com destaque para a famosa Alvorada, interlúdio orquestral que abre o terceiro ato e que faz parte do repertório de todas as orquestras brasileiras.

Cenografia: Guillermo Nova

Figurinos: Luca Dall’Alpi

Elenco

Ilara: Adriane Queiroz

Iberê: Rodolfo Giuliani

Américo: Fernando Portari

Conde Rodrigo: Saulo Javan

Condessa de Boissy: Edna D’Oliveira

JENŮFA – Ópera em três atos

Música: Leoš Janáček (1854-1928)

Libreto: Do compositor (Baseado na peça

Její pastorkyňaSua Enteada de Gabriela Preissová)

Coprodução com a Companhia Ópera Livre

Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Concepção e Direção Cênica: André Heller-Lopes

Direção Musical e Regência: Rodolfo Fischer

Novembro

Dia 18, sexta-feira, 20h

Dia 20, domingo, 17h

Dia 22, terça-feira, 20h

Dia 24, quinta-feira, 20h

Esta é a mais conhecida ópera do compositor tcheco Leoš Janáček, que levou cerca de dez anos para concluí-la. Com libreto do próprio compositor, é baseada na dramática peça Její Pastorkyňa – Sua Enteada –, de Gabriela Preissová, que, em linguagem realista, trata do difícil tema do infanticídio. Será a estreia no Rio de Janeiro da montagem realizada na cidade de Brno, de 1908, em coprodução com a Companhia Ópera Livre, na versão do diretor André Heller-Lopes.

Cenários: Daniela Taiana

Figurinos: Sofia di Nunzio

Desenho de Luz: Fábio Retti

Elenco:

Jenůfa: Gabriella Pace

Kostelnička Buryjovka: Eliane Coelho

Laca Klemeň: Eric Herrero

Števa Buryja: Ivan Jorgensen

Starek, o velho moleiro: Leonardo Neiva

Starenka Buryjovka, a matriarca: Carolina Faria

Prefeito: Vinicius Atique

 

 

TEMPORADA DE BALÉS 2016

 

APOTEOSE DA DANÇA

Age of Innocence – Balé em cinco partes (2008)

Música: Philip Glass e Thomas Newmann

Coreografia: Edwaard Liang

Ballet do Theatro Municipal

Sétima Sinfonia Balé em quatro partes

Música: L.V. Beethoven (1770-1827)

Coreografia: Uwe Scholz (1958-2004)

Ballet e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Regência: Tobias Volkmann

 

Março

Dia 12, sábado, 20h

Dia 13, domingo, 17h

Dia 16, quarta-feira, 20h

Dia 17, quinta-feira, 20h

Dia 19, sábado, 20h

Dia 20, domingo, 17h

Dia 23, quarta-feira, 20h

Dia 24, quinta-feira, 20h

Apoteose da Dança é um espetáculo que apresenta duas coreografias neoclássicas. A primeira, Age of Innocence, é uma criação de Edwaard Liang, um dos mais festejados coreógrafos contemporâneos, para a música minimalista e de grande apelo rítmico composta pelo consagrado compositor norte-americano Philip Glass. A segunda coreografia é de Uwe Scholz para a Sétima Sinfonia de Beethoven. O coreógrafo, precocemente falecido, foi um dos mais importantes do século XX e aliava o talento para a dança aos sólidos conhecimentos musicais, caracterizando suas criações por uma perfeita harmonia entre música e movimento. Apresentada com grande sucesso na temporada de 2015, Apoteose da Dança retorna ao Theatro Municipal em 2016.

LA SYLPHIDE – Balé em dois atos (1832)

Música: Jean Madeleine Marie Schneitzhöeffer (1785-1852)

Coreografia: Pierre Lacotte (a partir de Filippo Taglioni)

Ballet e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Regência: Javier Logioia Orbe

 

Junho

Dia 10, sexta-feira, 20h

Dia 11, sábado, 17h

Dia 12, domingo, 17h

Dia 14, terça-feira, 20h

Dia 15, quarta-fera, 20h

Dia 17, sexta-feira, 20h

Dia 18, sábado, 17h

 

Obra que marca o nascimento do balé romântico, La Sylphide estreou em 1832 na Ópera de Paris. A temática sobrenatural e a necessidade de representar seres etéreos e sem peso, fizeram surgir os figurinos típicos do balé clássico, os famosos tutus, assim como a sapatilha e a técnica da dança nas pontas, que pela primeira vez na história foram utilizadas no balé com coreografia original de Filippo Taglioni. A versão de Pierre Lacotte volta ao palco do Theatro Municipal, após mais de vinte anos fora do repertório.

TRILOGIA AMAZÔNICA – Balé em três partes

Música: Heitor Villa-Lobos (1887-1959)

Coreografias:

Erosão: Luiz Fernando Bongiovanni Martins

Uirapuru: Daniela Cardim

Amazonas e Alvorada na Floresta Tropical: Rodrigo Pederneiras

Ballet e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Agosto

Dia 03, quarta-feira, 20h

Dia 04, quinta-feira, 20h

Dia 06, sábado, 20h

Dia 07, domingo, 17h

Dia 11, quinta-feira, 20h

Dia 13, sábado, 20h

Nova produção do Theatro Municipal, reunindo composições de Villa-Lobos e alguns dos mais importantes coreógrafos brasileiros. Formam um tríptico cuja temática é a natureza, em especial a Amazônia. Luiz Bongiovani inicia a Trilogia com Erosão, um balé composto em 1950 que descreve a criação do Rio Amazonas a partir de uma lenda ameríndia recolhida por Barbosa Rodrigues. Daniela Cardim assume a segunda parte, coreografando Uirapuru, obra das mais arrojadas do compositor, escrita em 1917, onde o misterioso pássaro da floresta que, com seu canto, atrai as jovens índias e se transforma em homem. Rodrigo Pederneiras encerra a Trilogia, criando a partir de duas obras de Villa-Lobos: Amazonas, de 1917, baseada em lenda Marajoara, e Alvorada na Floresta Tropical, de 1955.

 

 

O QUEBRA-NOZES – Balé em prólogo e dois atos (1892)

Música: P. I. Tchaikovsky (1840-1893)

Coreografia: Lev Ivanov (1834-1901)

Ballet, Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

 

Dezembro

Dia 14, quarta-feira, 20h

Dia 15, quinta-feira, 20h

Dia 16, sexta-feira, 20h

Dia 17, sábado, 17 h

Dia 18, domingo, 17h

Dia 20, terça-feira, 20h

Dia 21, quarta-feira, 20h

Dia 22, quinta-feira, 20h

Dia 23, sexta-feira, 20h

Dia 27, terça-feira, 20h

Dia 28, quarta-feira, 20h

Dia 29, quinta-feira, 20h

Dia 30, sexta-feira, 20h

Quando o coreógrafo Lev Ivanov e o compositor Tchaikovsky se reuniram para adaptar para balé a versão de Alexandre Dumas para o conto O Quebra-Nozes e o Rei dos Ratos, de E. T. A. Hoffmann, certamente não imaginavam que estariam criando uma obra-prima. Estreado no Teatro Mariinsky, de São Petersburgo, na Rússia, O Quebra-Nozes tornou-se um dos mais famosos balés de todos os tempos. A música de vários seus trechos serviu para formar uma suíte de concerto e até mesmo trilhas sonoras para comerciais e filmes, em especial Fantasia, longa metragem de Walt Disney. Para encerrar a temporada de 2016 não poderia faltar o clássico natalino que encanta as famílias há muitas gerações.

 

ÓPERA + BALÉ

 

 

MOZART & SALIERI – Ópera em um ato (1897)

Música: Nikolai Rimsky-Korsakov (1844-1908)

Libreto: Alexander Pushkin (1799-1837)

Cenografia: Fernando Melo da Costa

Figurinos: Tanara Schonardie

Iluminação: Aurélio De Simoni

Direção de Movimento: Márcia Rubin

Assistente de Direção: Tiago Herz

 

Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Direção Cênica: Daniel Herz

Regência: Tobias Volkmann

Elenco

Mozart: Flávio Leite

Salieri: Inácio De Nonno

 

SHEHERAZADE – Balé em um ato

Música: Nikolai Rimsky-Korsakov (1844-1908)

Argumento: Alexandre Benois (1879-1960)

Coreografia: Michel Fokine (1880-1942)

Ballet, Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Regência: Tobias Volkmann

Setembro

Dia 28, quarta-feira, 20h

Dia 29, quinta-feira, 20h

Dia 30, sexta-feira, 20h

Outubro

Dia 01, sábado, 20h

Dia 02, domingo, 17h

CONCERTOS E SÉRIES

ÓPERA DE CÂMARA EM CONCERTO

Solistas da Academia de Ópera Bidu Sayão, do

Coro e da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Novidade da Temporada de 2016, a série Ópera de Câmara em Concerto tem como objetivo ampliar a abrangência do repertório, com títulos do período barroco e dos séculos XX e XXI, incluindo a encomenda de novas óperas para pequenas formações. Assim, recuamos com o repertório até o século XVII e o público poderá ouvir a obra-prima do compositor inglês Henry Purcell, Dido e Eneas. De Händel, um dos pilares do período final do barroco, teremos Serse. Outro inglês, mas do início do século XX, é Gustav Holst, com Savitri. Chegamos ao século XXI com a nova ópera escrita pelo compositor Tim Rescala, por encomenda do Theatro Municipal.

SERSE – Ópera em três atos (1738)

Música: Georg Friedrich Händel (1685-1759)

Libreto: Adaptação do original de Silvio Stampiglia (1664-1725)

Maio

Dia 13, sexta-feira, 20h

Dia 15, domingo, 17h

SAVITRI Op.25 – Ópera em um ato (1916)

Música: Gustav Holst (1874-1934)

Libreto: Do compositor (Baseado no episódio

Savitri e Satyavan, do Mahabharata)

Julho

Dia 15, sexta-feira, 20h

Dia 17, domingo, 17h

DIDO E ENÉAS – Ópera em três atos (1688)

Música: Henry Purcell (1659-1695)

Libreto: Nahum Tate (1652-1715)

Outubro

Dia 07, sexta-feira, 20h

Dia 09, domingo, 17h

ÓPERA INÉDITA (Estreia)

Música: Tim Rescala

Dezembro

Dia 02, sexta-feira, 20h

Dia 04, domingo, 17h

Dia 09, sexta-feira, 20h

Dia 11, domingo, 17h

 

 

CONCERTOS

 

ABERTURA DA TEMPORADA 2016

Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Regente: Celso Antunes

Março

Dia 04, sexta-feira, 20h

Dia 05, sábado, 16h

Programa:

L.V. Beethoven (1770-1827)

Missa Solemnis em Ré maior Op.123

Solistas:

Rosana Lamosa

Carolina Faria

Eric Herrero

Michel de Souza

 

 

GIUSEPPE VERDI (1813-1901)

Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Regência: Jacques Delacôte

Abril

Dia 30, sábado, 16h

Programa:

Requiem para solistas, coro e orquestra

Solistas:

Daniella Carvalho

Ana Lúcia Benedetti

Marcello Vannucci

Carlos Eduardo Marcos

110 ANOS DE NASCIMENTO DE

RADAMÉS GNATTALI (1906-1988)

Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Maio

Dia 07, sábado, 16h

Programa:

Radamés Gnattali – Concerto para Quarteto de Cordas e Orquestra

e outras obras

Solistas:

Quarteto Radamés Gnattali

 

 

ALMA BRASILEIRA

Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Regência: John Neschling

Agosto

Dia 18, quinta-feira, 20h

Dia 19, sexta-feira, 20h

Dia 20, sábado, 16h

Programa:

Heitor Villa-Lobos (1887-1959)

Floresta Amazônica

Bachianas Brasileiras nos 4 e 5

Choros nos 1, 6 e 10

 

100 ANOS DE NASCIMENTO

DE ALBERTO GINASTERA (1916-1983)

E DE ANTONIO ESTÉVEZ (1916-1988)

Coro e Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Regência: Luis Gustavo Petri

Dezembro

Dia 03, sábado, 16h

Programa:

Alberto Ginastera – Abertura para o Fausto Criollo

Alberto Ginastera – Suíte Estância

Antonio Estévez – Cantata Criolla

Solistas:

Paulo Mandarino

Inácio De Nonno

DOMINGO NO MUNICIPAL

Orquestra Sinfônica Brasileira

Orquestra Sinfônica da UFRJ

Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo

Orquestra Sinfônica de Minas Gerais

Orquestra Barroca da UNIRIO

Cia Bachiana Brasileira

Johann Sebastian Rio

Escola Estadual de Dança Maria Olenewa

VESPERAIS LÍRICAS (Sala Mário Tavares)

Recitais com solistas do Coro do Theatro Municipal

Direção Musical: Priscila Bomfim

Coordenação: Bruno Furlanetto

CAMERISTAS (Sala Mário Tavares)

Música de câmara com solistas da

Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal

Coordenação: Eduardo Pereira

 

PREÇOS

 

A venda de assinaturas para as temporadas de ópera e de balé será no período de 05 de dezembro de 2015 a 28 de fevereiro de 2016.

ÓPERAS

Assinatura Seis Óperas – inteira:

Frisas / Camarotes (preço por cadeira) – R$ 420,00

Plateia / Balcão Nobre – R$ 420,00

Balcão Superior – R$ 300,00

Galeria – R$ 150,00

Assinatura Seis Óperas – meia-entrada:

Frisas / Camarotes (preço por cadeira) – R$210,00

Plateia / Balcão Nobre – R$ 210,00

Balcão Superior – R$ 150,00

Galeria – R$ 75,00

Vendas Avulsas:

Frisas / Camarotes – R$ 600,00

Plateia / Balcão Nobre – R$ 100,00

Balcão Superior – R$ 72,00

Galeria – R$ 36,00

BALÉS

 

Assinatura quatro Balés – inteira:

Frisas / Camarotes (preço por cadeira) – R$ 280,00

Plateia / Balcão Nobre – R$ 280,00

Balcão Superior – R$ 200,00

Galeria – R$ 100,00

 Assinatura quatro Balés – meia-entrada:

Frisas / Camarotes (preço por cadeira) – R$ 140,00

Plateia / Balcão Nobre – R$ 140,00

Balcão Superior – R$ 100,00

Galeria – R$ 50,00

Vendas Avulsas:

Frisas / Camarotes (preço por cadeira) – R$ 100,00

Plateia / Balcão Nobre – R$ 100,00

Balcão Superior – R$ 72,00

Galeria – R$ 36,00

Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Praça Floriano s/n° – Centro

Informações: (21) 2332-9191