Grupo espanca! estreia novo projeto no Itaú Cultural

Um linchamento, um atropelamento, uma chacina policial e um movimento grevista. O programa de estreia do projeto Real: Teatro de Revista Política, a mais nova criação do grupo Espanca! reúne 4 espetáculos curtos distintos, inspirados em acontecimentos reais que pertencem à memória recente das cidades brasileiras. Após 6 espetáculos encenados em 11 anos de trajetória, o grupo Espanca! segue investigando dramaturgias contemporâneas que retratam o ser humano do ponto de vista da “violência das afetividades”. Real: Teatro de Revista Política estreia em novembro, no Itaú Cultural, em São Paulo. A cada noite, o público assistirá 4 peças que compõem o programa de Real: Inquérito, O Todo E As Partes, Maré e Parada Serpentina.

A direção geral do projeto é assinada por Gustavo Bones e Marcelo Castro, que integram o grupo Espanca! juntamente com Aline Vila Real. Além deles, a equipe de criação é composta por diversos parceiros do grupo que assumem diferentes funções em cada uma das peças, criadas simultaneamente. “Nós criamos 4 peças de teatro ao mesmo tempo, sendo que cada uma delas é um sistema distinto, um universo muito diferente do outro”, diz Gustavo Bones. Partindo de estudos sobre o movimento, Parada Serpentina é uma peça de dança que teve provocações textuais de Byron O’Neill. Inquérito é um trabalho sobre o texto de Diogo Liberano que propõe um jogo violento entre os atores numa poética muito próxima da que o Espanca! desenvolveu até hoje. Roberto Alvim escreveu O Todo E As Partes, cuja encenação utiliza princípios de manipulação de bonecos. Já Maré parte de um trabalho sonoro com o texto de Márcio Abreu, priorizando a musicalidade da fala dos personagens. Bones explica que “Foi isso que nos aproximou do conceito de “teatro de revista”: essa variedade de linguagens junto da ideia de criar esquetes teatrais a partir de fatos políticos recentes, apresentadas na mesma noite”.

Real: Teatro de Revista Política foi um dos projetos selecionados pelo programa Rumos Itaú Cultural 2013-2015. Segundo a produtora Aline Vila Real, o patrocínio permitiu que o grupo ousasse radicalmente nesta criação, além de possibilitar a continuidade de suas atividades regulares. “Faremos uma curta temporada de estreia, de 19 a 22 de novembro, em São Paulo. Será intenso fazer 4 obras em sequência a cada dia. Cada uma delas tem cerca de 30 minutos de duração. Também importante ressaltar que estamos trabalhando dentro de um processo de criação vivo, que ainda resultará em mais um espetáculo, completando os 5 trabalhos que integram o projeto Real: Teatro de Revista Política”.

Processo de criação:

Marcelo Castro afirma que “O projeto parte do que é público ou ‘comum’, entendendo a realidade como experiência coletiva e social. Espera-se que o resultado seja uma experiência teatral (poética, simbólica e ficcional) baseada em visões artísticas que desvelem o ‘real’, problematizando o país e suas contradições”. Com este objetivo, a companhia enviou fatos políticos recentes como disparadores criativos para dramaturgos de linguagens estéticas radicalmente diferentes. Cada um deles respondeu com um texto teatral curto,

reunidos numa espécie de “revista” que pretende suscitar reflexões sobre o Brasil. “Nossa grande dificuldade no processo foi não cair em maniqueísmos, no lugar comum de julgar os personagens dos fatos. E também na armadilha de tentar representar esses fatos que julgamos irrepresentáveis, como uma chacina, uma greve, etc. A ideia é transformar o real através da linguagem do teatro e compartilhar isso com o público. O teatro tem essa característica: quando um determinado grupo de pessoas partilha um mesmo tempo/espaço sensível, é possível ‘realizar a realidade’. Realizar no sentido de absorver plenamente, assimilar, sentir. Não estamos representando o real e sim criando a partir dele uma nova realidade em cena”, conclui.

É possível acompanhar o processo criativo de todo o projeto no site espanca.com/real. Além de informações sobre as montagens, a companhia alimentou um blogue com o dia a dia da criação. O projeto Real possui ainda mais um texto inédito escrito especialmente para o grupo Espanca!: Colibri ou Aquele Que Deve Morrer, de Leonardo Moreira, tem estreia prevista para o primeiro semestre do ano que vem. O dramaturgo escreveu inspirado pela carta de suicídio coletivo Guarani Kaiowá, divulgada em 2012.

Fatos Reais:

Confira os fatos que inspiraram as criações de REAL:

:: INQUÉRITO: Linchamento de Fabiane Maria de Jesus, no Guarujá-SP, em 2014. Depois de um boato divulgado no facebook, moradores do bairro de Morrinhos identificaram Fabiane como “a mulher que sequestrava crianças para rituais de magia negra” e espancaram-na até a morte. As cenas do linchamento, gravado por pessoas presentes, chocaram o país.

:: O TODO E AS PARTES: Atropelamento do ciclista David Santos Souza, que teve um braço amputado na Avenida Paulista, em 2013. Um estudante de psicologia alcoolizado atropelou o limpador de vidros de 21 anos, que ia para o trabalho de bicicleta. O braço da vítima foi arrancado no acidente e ficou preso no carro do estudante. O motorista não prestou socorro e dirigiu por cerca de 7Km até jogar o braço arrancado no córrego Ipiranga.

:: MARÉ: Chacina policial no complexo da Maré durante as manifestações de junho de 2013. A morte de um sargento do BOPE durante uma troca de tiros entre traficantes e policiais desencadeou um “revide” das autoridades, numa ação de intensa violência e terror contra a população, que terminou com 10 pessoas cruelmente executadas pelas forças policiais.

:: PARADA SERPENTINA: Greve dos garis do Rio de Janeiro durante o carnaval de 2014. 70% dos 15 mil garis do Rio de Janeiro aderiram ao movimento grevista que deixou toneladas de lixo espalhadas pela cidade, reivindicando melhorias em suas condições de trabalho durante o maior carnaval da Terra.

Teatro de Revista:

Segundo verbetes escritos por Neyde Veneziano no Dicionário do Teatro Brasileiro – Temas, Formas e Conceitos, a “revista de ano” chegou ao Brasil em 1859. Caracterizava-se por “passar em revista” os fatos

políticos e sociais mais marcantes do ano que terminava, como uma resenha crítica teatralizada, musicada e cheia de humor sobre as principais notícias da sociedade brasileira. Inicialmente, apresentava-se como uma sucessão de quadros distintos, sem ligações, criando um espetáculo ligeiro, misto de prosa e verso, música e dança; que mostrava cenas inspiradas em fatos da atualidade. Até os anos 1950, a Revista torna-se uma das formas mais expressivas da história do teatro brasileiro, fundando uma tradição popular calcada nos grandes cômicos, nas belas vedetes e no teatro espetacular. Aos poucos, o chamado “teatro rebolado” substitui o texto pelo luxo, a crítica política por piadas picantes, situações maliciosas e dançarinas quase sem roupas.

REAL: TEATRO DE REVISTA POLÍTICA

Ficha Técnica:

Direção Geral: Gustavo Bones e Marcelo Castro

Equipe de Criação: Alexandre de Sena, Aline Vila Real, Allyson Amaral, Assis Benevenuto Vidigal, Eduardo Félix, Gláucia Vandeveld, Grace Passô, Gustavo Bones, Karina Collaço, Leandro Belilo, Marcelo Castro e Michele Sá

Dramaturgos: Byron O’neill, Diogo Liberano, Márcio Abreu e Roberto Alvim

Elenco: Alexandre de Sena, Allyson Amaral, Assis Benevenuto Vidigal, Gláucia Vandeveld, Grace Passô, Gustavo Bones, Karina Collaço, Leandro Belilo, Marcelo Castro e Michele Sá

Coordenação de Produção: Aline Vila Real

Assistente de Produção: Halyson Félix

Cenografia: Adriano Mattos, Ivie Zappellini + Grupo Arquitetura Tradução (Ana Cecília Souza, André Victor, Jéssica de Castro, Maria Soalheiro, Rita Davis)

Iluminação: Edimar Pinto

Assessoria de Comunicação: A Dupla Informação

Projeto Gráfico: Estúdio 45Jujubas

Realização: Espanca!

Sinopses:

A estreia do novo projeto do Grupo Espanca! (MG) apresenta, a cada noite, 4 peças de curta duração, inspiradas em fatos recentes que marcaram a sociedade brasileira. O programa é composto por:

:: INQUÉRITO: pai e filhas brincam de um jogo de perguntas e respostas enquanto tentam conviver com a morte violenta da mãe que assombra a todos constantemente.

Direção: Gustavo Bones

Elenco: Alexandre de Sena, Allyson Amaral, Assis Benevenuto Vidigal, Gláucia Vandeveld, Leandro Belilo e Marcelo Castro.

:: O TODO E AS PARTES: um jovem é atropelado e tem seu braço amputado. A velha lei diz que o homem culpado deve ceder um de seus membros à vítima como reparação. O braço arrancado torna-se o personagem central da trama.

Direção: Eduardo Félix

Elenco: Allyson Amaral, Assis Benevenuto Vidigal, Gustavo Bones e Marcelo Castro.

:: MARÉ: a morte de uma das vítimas da chacina policial numa favela é contada pela perspectiva das pessoas que a viveram.

Direção: Marcelo Castro

Elenco: Alexandre de Sena, Allyson Amaral, Gláucia Vandeveld, Grace Passô, Gustavo Bones, Leandro Belilo e Karina Collaço.

:: PARADA SERPENTINA: uma categoria de trabalhadores realiza uma greve histórica por melhores salários e paralisa o carnaval de uma cidade maravilhosa.

Direção Coletiva

Elenco: Alexandre de Sena, Allyson Amaral, Gláucia Vandeveld, Grace Passô, Gustavo Bones, Leandro Belilo, Karina Collaço, Marcelo Castro e Michelle Sá .

REAL: TEATRO DE REVISTA POLÍTICA

Datas: 19 a 22 de novembro no Itaú Cultural

Endereço: Avenida Paulista, 149 – São Paulo/SP

Horário: quinta a sábado, às 21h e domingo, às 19h

Gratuito – ingressos retirados com meia hora de antecedência

Todas as apresentações serão acompanhadas de tradução em libras para deficientes auditivos

Informações: (11) 2168 1777 ou http://www.itaucultural.org.br

Grupo Espanca!:

Nos últimos 11 anos, o grupo Espanca! criou 6 peças de teatro, um conjunto de obras que revela sua pesquisa

sobre a encenação de dramaturgias contemporâneas que propõe discussões sobre os códigos do fenômeno teatral e a escrita de uma investigação chamada “poética da violência”. Há 5 anos, o grupo ainda mantém um espaço cultural no hipercentro de Belo Horizonte, aberto a propostas artísticas de diversas linguagens. Estima-se que os projetos da companhia já alcançaram mais de 120.000 pessoas em 59 cidades de 14 estados brasileiros. Com Por Elise (2005), Amores Surdos (2006), Congresso Internacional do Medo (2008) e Marcha Para Zenturo (2010) o Espanca! criou espetáculos inéditos escritos pela dramaturga Grace Passô. O Líquido Tátil (2012) foi escrito e dirigido pelo argentino Daniel Veronese, um dos maiores nomes do teatro mundial. Dente de Leão (2014) foi escrito por Assis Benevenuto e dirigido por Marcelo Castro. Estes trabalhos

circularam pelos principais festivais de teatro do país, receberam diversos prêmios e nomeações (Shell, APCA, Qualidade Brasil, SESC-SATED, entre outros) e todos seguem no repertório da companhia. Na última década, eles fizeram 649 apresentações em todas as regiões do país, além de Alemanha, Colômbia, Uruguai e Chile.

Há 5 anos, o grupo desdobra seu trabalho artístico na concepção de um espaço que tornou-se referência na cena cultural belo-horizontina abrigando reuniões, ensaios, oficinas, debates, apresentações de teatro, performances, shows, projetos experimentais, saraus, feiras, exposições, atividades criativas e coletivas feitas por artistas e grupos culturais da cidade e do país. O Teatro Espanca! já tem público estimado total de 20.000 pessoas e mais de 800 agentes culturais envolvidos em sua programação. Sua manutenção também se dá em diálogo com a comunidade ao seu redor, através de práticas diárias de convivência, ações políticas e intervenções estéticas realizadas em diálogo com a rua, sua diversidade e suas contradições.

GRUPO ESPANCA!

Rua Aarão Reis, 542. Centro. Belo Horizonte, MG. CEP: 30.120-000

(31) 36577349 / 91973128

http://www.espanca.com

http://www.facebook.com/espanca